SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
POLÍTICAS PÚBLICAS
NA ATENÇÃO À
SAÚDE DO IDOSO
As políticas públicas na atenção à saúde do
idoso têm sido uma preocupação crescente em
todo o mundo, visto que a população idosa
tem crescido em número e importância nas
últimas décadas. Nesta apresentação,
exploramos as principais políticas públicas
brasileiras voltadas à saúde do idoso, seus
desafios e perspectivas futuras.
Enfermagem na Saúde do Idoso
O que são políticas públicas?
• Conjunto de ações
As políticas públicas são o conjunto de ações, projetos e
programas desenvolvidos pelo Estado para atender às
necessidades da população e garantir uma vida digna
para todos os cidadãos.
• Foco no bem-estar
Na área da saúde, as políticas públicas têm como objetivo
garantir o bem-estar físico, mental e social dos cidadãos e
prevenir doenças e incapacidades.
• Participação social
A participação social é fundamental para a construção e
implementação das políticas públicas, garantindo que as
ações do Estado estejam em sintonia com as
necessidades da população.
Perfil do idoso no Brasil
Idade Mais de 60 anos
Número de idosos 29,3 milhões de acordo com o IBGE
Gênero Maioria mulheres (57,8%)
Renda 52,2% têm renda de até 1 salário mínimo
Envelhecimento populacional –
Desigualdade social e de gênero
• Envelhecimento populacional: mudança na estrutura
etária da população, que produz um aumento do peso
relativo das pessoas acima de uma determinada
idade,considerada como definidora de velhice.
• No Brasil, a pessoa é definida como idosa quem tem 60
anos ou mais.
• O Brasil está passando por uma grande mudança na
estrutura etária, onde a cada ano cresce o número de
pessoas com 60 anos de idade e o crescente aumento da
população “mais idosa” acima de 80 anos o que aumenta a
proporção de pessoas idosas sobre a população total.
O que é relevante para ser estudado em
sala de aula, tendo em vista as questões-
chave em Gerontologia?
• 2 paradigmas emergentes: o
biopsicossocial (cruzamento de fronteiras
disciplinares para ampliar a compreensão
do envelhecimento e da vida adulta) e do
ciclo de vida (relacionado às Ciências
Sociais e do comportamento). (Morgan,
2012)
Fatores de risco para mortalidade em idosos:
2000- Estudo de Saúde, Bem-Estar e Envelhecimento (SABE) para
traçar o perfil dos idosos na América Latina e Caribe - Organização
Pan-Americana de Saúde (Argentina, Barbados, Brasil, Chile, Cuba,
México e Uruguai.)
Fatores de risco para mortalidade em idosos (Flávia de O M Maia;
Yeda A O Duarte; Maria Lúcia Lebrão; Jair L F Santos)
A população estudada foi composta pelos idosos residentes no
Município de São Paulo, no ano 2000, como parte do estudo SABE
realizado no Brasil.
• Risco de óbito entre idosos, descritos pela literatura como
imutáveis são: a idade e o sexo
• Risco de óbito entre idosos, descritos pela literatura como
passíveis de serem alterados: hospitalização, a dependência para
realização das atividades de vida diária, o déficit cognitivo, os
hábitos de vida (como fumar e não praticar exercícios físicos),
algumas doenças como a depressão e o câncer, o isolamento
social e a falta de suporte familiar, o nível socioeconômico e a
auto-avaliação negativa da saúde.
Envelhecimento ativo:
Enxergar o idoso como individuo ativo na
sociedade é um desafio que encaramos na
atualidade.
• Envelhecimento ativo: “o processo de
otimização das oportunidades de saúde,
participação e segurança, com o objetivo de
melhorar a qualidade de vida à medida que
as pessoas ficam mais velhas”. (OMS)
• Qualidade de vida como: “percepção do
indivíduo de sua posição na vida em relação
ao contexto e sistemas de valores nos quais
se insere bem como seus objetivos,
expectativas, padrões e preocupações”.
(OMS)
Determinantes do envelhecimento ativo segundo a
qualidade de vida e gênero.(Ana C. V. Campos, Efigenia
F. e Ferreira, Andréa M. D. Vargas.)
Este estudo que entrevistou 2052 indivíduos com 60
anos e mais de idade residentes em Sete Lagoas, MG.
• Entre os homens, os fatores comportamentais e
participação comunitária foram preditores positivos
para envelhecimento ativo.
• Mulheres com maior renda, que não sofreram quedas
e com participação comunitária tiveram maior chance
de pertencer ao grupo com envelhecimento ativo.
a qualidade de vida e a participação em grupos são os
principais determinantes de envelhecimento ativo, e que
os demais fatores determinantes associados são
diferentes para cada gênero. (Campos, 2015)
Principais políticas públicas brasileiras
voltadas à saúde do idoso
• Academia da Terceira Idade
Programa que oferece atividades físicas adequadas
aos idosos em espaços públicos ou privados.
Principais políticas públicas brasileiras
voltadas à saúde do idoso
• Farmácia Popular
Programa que oferece medicamentos gratuitos
ou com descontos para a população.
Principais políticas públicas brasileiras
voltadas à saúde do idoso
• Cuidadores do Idoso
Programa que oferece capacitação para cuidadores de
idosos que vivem em situação de vulnerabilidade
Principais políticas públicas brasileiras
voltadas à saúde do idoso
• Atenção Domiciliar
Serviço que oferece atendimento médico especializado
em casa para idosos que precisam de cuidados especiais
e não podem se deslocar até um serviço de saúde.
Desafios na
implementação das
políticas públicas
• Falta de verbas
Muitas políticas públicas
voltadas à saúde do idoso
sofrem com a falta de
recursos financeiros, o que
dificulta sua implementação
e manutenção.
• Falta de profissionais
especializados
O Brasil ainda tem um déficit
de médicos especializados
em geriatria e de
profissionais de saúde
treinados para lidar com as
particularidades do
envelhecimento.
Desafios na implementação das
políticas públicas
• Desigualdades regionais
As políticas públicas voltadas à saúde do idoso não são
implementadas de forma igualitária em todo o país, deixando
algumas regiões e grupos populacionais desassistidos
Exemplos de políticas públicas bem
sucedidas
Perspectivas futuras
Conclusão
• Como a questão do envelhecimento
da população esta sendo trabalhado
em nossos cursos?
• No senário atual, como julga os
avanços nas politicas publicas para
saúde da população idosa?
• Em sua opinião, e pelas experiências
pessoais, o envelhecimento da
população é muito diferente entre os
gêneros, raças, etnias e opções
sexuais? Deem alguns exemplos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idosomorgausesp
 
Promoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idosoPromoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idosoJoice Lins
 
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptxSaúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptxJuliana Cavalcante
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasilkellyschorro18
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagemresenfe2013
 
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptxPOLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptxNgelaNascimento11
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susMarcos Nery
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Luis Dantas
 
A ação dos acs nos cuidados de saúde
A ação dos acs nos cuidados de saúdeA ação dos acs nos cuidados de saúde
A ação dos acs nos cuidados de saúdepriarod
 
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnabPortaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnabNadja Salgueiro
 
Apresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletivaApresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletivaCarla Couto
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER Karen Lira
 

Mais procurados (20)

Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
Promoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idosoPromoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idoso
 
Saúde do idoso
 Saúde do idoso Saúde do idoso
Saúde do idoso
 
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptxSaúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
 
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptxPOLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
 
Aula do sus
Aula do susAula do sus
Aula do sus
 
Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
A ação dos acs nos cuidados de saúde
A ação dos acs nos cuidados de saúdeA ação dos acs nos cuidados de saúde
A ação dos acs nos cuidados de saúde
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
 
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnabPortaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
 
éTica na saúde
éTica na saúdeéTica na saúde
éTica na saúde
 
Apresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletivaApresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletiva
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
 
Joana_Autocuidado
Joana_AutocuidadoJoana_Autocuidado
Joana_Autocuidado
 

Semelhante a POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx

Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhosDesenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhosJessica Monteiro
 
UM OLHAR GERONTOLÓGICO SOBRE O CUIDAR
UM OLHAR GERONTOLÓGICO SOBRE O CUIDARUM OLHAR GERONTOLÓGICO SOBRE O CUIDAR
UM OLHAR GERONTOLÓGICO SOBRE O CUIDARMárcio Borges
 
1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saudeTereza Cristina
 
Pessoas idosas e suas dificuldades no SUS
Pessoas idosas e suas dificuldades no SUS Pessoas idosas e suas dificuldades no SUS
Pessoas idosas e suas dificuldades no SUS JulianaSilva146554
 
Test Drive CURSO DE DEMÊNCIAS
Test Drive CURSO DE DEMÊNCIASTest Drive CURSO DE DEMÊNCIAS
Test Drive CURSO DE DEMÊNCIASCuidar de Idosos
 
Envelhecimento, saúde e qualidade de vida blumenau
Envelhecimento, saúde e qualidade de vida blumenauEnvelhecimento, saúde e qualidade de vida blumenau
Envelhecimento, saúde e qualidade de vida blumenauAlícia Souza
 
AULA 1-2B IDOSO.pptx
AULA 1-2B  IDOSO.pptxAULA 1-2B  IDOSO.pptx
AULA 1-2B IDOSO.pptxPatriciaNoro1
 
Saúde do adulto e do idoso.pdf
Saúde do adulto e do idoso.pdfSaúde do adulto e do idoso.pdf
Saúde do adulto e do idoso.pdfNaraLcia2
 
Aula 1 Ps e Envelhecimento
Aula 1 Ps e EnvelhecimentoAula 1 Ps e Envelhecimento
Aula 1 Ps e Envelhecimentogerontopedia
 
1-140302071516-phpapp0asSAAasASasASasASasASas1.pptx
1-140302071516-phpapp0asSAAasASasASasASasASas1.pptx1-140302071516-phpapp0asSAAasASasASasASasASas1.pptx
1-140302071516-phpapp0asSAAasASasASasASasASas1.pptxJanneJessica1
 
CONASS-Pellegrini.ppt
CONASS-Pellegrini.pptCONASS-Pellegrini.ppt
CONASS-Pellegrini.pptZé Neto
 
Geriatria_e_gerontologia.pptx
Geriatria_e_gerontologia.pptxGeriatria_e_gerontologia.pptx
Geriatria_e_gerontologia.pptxwelingtonalves20
 
Aula 5 Avaliação em Promoção Da Saúde
Aula 5 Avaliação em Promoção Da SaúdeAula 5 Avaliação em Promoção Da Saúde
Aula 5 Avaliação em Promoção Da Saúdegerontopedia
 
TCC - Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade Moderna
TCC -  Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade ModernaTCC -  Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade Moderna
TCC - Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade ModernaWilson Rodrigues
 
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos IdososPoliticas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos IdososDany Romeira
 
Indicadores do estado de saúde de uma população1
Indicadores do estado de saúde de uma população1Indicadores do estado de saúde de uma população1
Indicadores do estado de saúde de uma população1mariagoretisilva
 
Aula_03 (1).ppt
Aula_03 (1).pptAula_03 (1).ppt
Aula_03 (1).pptLu Galdino
 

Semelhante a POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx (20)

Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhosDesenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
 
UM OLHAR GERONTOLÓGICO SOBRE O CUIDAR
UM OLHAR GERONTOLÓGICO SOBRE O CUIDARUM OLHAR GERONTOLÓGICO SOBRE O CUIDAR
UM OLHAR GERONTOLÓGICO SOBRE O CUIDAR
 
1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude
 
Pessoas idosas e suas dificuldades no SUS
Pessoas idosas e suas dificuldades no SUS Pessoas idosas e suas dificuldades no SUS
Pessoas idosas e suas dificuldades no SUS
 
Test Drive CURSO DE DEMÊNCIAS
Test Drive CURSO DE DEMÊNCIASTest Drive CURSO DE DEMÊNCIAS
Test Drive CURSO DE DEMÊNCIAS
 
Envelhecimento, saúde e qualidade de vida blumenau
Envelhecimento, saúde e qualidade de vida blumenauEnvelhecimento, saúde e qualidade de vida blumenau
Envelhecimento, saúde e qualidade de vida blumenau
 
AULA 1-2B IDOSO.pptx
AULA 1-2B  IDOSO.pptxAULA 1-2B  IDOSO.pptx
AULA 1-2B IDOSO.pptx
 
Saúde do adulto e do idoso.pdf
Saúde do adulto e do idoso.pdfSaúde do adulto e do idoso.pdf
Saúde do adulto e do idoso.pdf
 
Aula 1 Ps e Envelhecimento
Aula 1 Ps e EnvelhecimentoAula 1 Ps e Envelhecimento
Aula 1 Ps e Envelhecimento
 
1-140302071516-phpapp0asSAAasASasASasASasASas1.pptx
1-140302071516-phpapp0asSAAasASasASasASasASas1.pptx1-140302071516-phpapp0asSAAasASasASasASasASas1.pptx
1-140302071516-phpapp0asSAAasASasASasASasASas1.pptx
 
Ilpi qualidade
Ilpi qualidadeIlpi qualidade
Ilpi qualidade
 
CONASS-Pellegrini.ppt
CONASS-Pellegrini.pptCONASS-Pellegrini.ppt
CONASS-Pellegrini.ppt
 
Geriatria_e_gerontologia.pptx
Geriatria_e_gerontologia.pptxGeriatria_e_gerontologia.pptx
Geriatria_e_gerontologia.pptx
 
Aula 5 Avaliação em Promoção Da Saúde
Aula 5 Avaliação em Promoção Da SaúdeAula 5 Avaliação em Promoção Da Saúde
Aula 5 Avaliação em Promoção Da Saúde
 
TCC - Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade Moderna
TCC -  Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade ModernaTCC -  Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade Moderna
TCC - Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade Moderna
 
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos IdososPoliticas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
 
Indicadores do estado de saúde de uma população1
Indicadores do estado de saúde de uma população1Indicadores do estado de saúde de uma população1
Indicadores do estado de saúde de uma população1
 
Terceira Idade
Terceira IdadeTerceira Idade
Terceira Idade
 
Aula_03.ppt
Aula_03.pptAula_03.ppt
Aula_03.ppt
 
Aula_03 (1).ppt
Aula_03 (1).pptAula_03 (1).ppt
Aula_03 (1).ppt
 

Mais de NgelaNascimento11

HEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEM
HEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEMHEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEM
HEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEMNgelaNascimento11
 
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxFISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxNgelaNascimento11
 
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEM
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEMACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEM
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEMNgelaNascimento11
 
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptxVigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptxNgelaNascimento11
 
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxFISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxNgelaNascimento11
 
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptxLeite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptxNgelaNascimento11
 
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptx
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptxAula 1 pneumonias e DPOC.pptx
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptxNgelaNascimento11
 
A importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.ppt
A importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.pptA importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.ppt
A importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.pptNgelaNascimento11
 
ACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptx
ACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptxACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptx
ACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptxNgelaNascimento11
 
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptxLeite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptxNgelaNascimento11
 

Mais de NgelaNascimento11 (15)

HEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEM
HEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEMHEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEM
HEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEM
 
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxFISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
 
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEM
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEMACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEM
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEM
 
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptxVigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
 
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxFISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
 
CONVULSAO.ppt
CONVULSAO.pptCONVULSAO.ppt
CONVULSAO.ppt
 
saude da criança (1).pptx
saude da criança (1).pptxsaude da criança (1).pptx
saude da criança (1).pptx
 
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptxLeite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
 
SARA.pptx
SARA.pptxSARA.pptx
SARA.pptx
 
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptx
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptxAula 1 pneumonias e DPOC.pptx
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptx
 
A importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.ppt
A importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.pptA importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.ppt
A importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.ppt
 
ACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptx
ACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptxACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptx
ACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptx
 
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptxLeite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
 
ela.pptx
ela.pptxela.pptx
ela.pptx
 
Derrame-Pleural-.pptx
Derrame-Pleural-.pptxDerrame-Pleural-.pptx
Derrame-Pleural-.pptx
 

Último

Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoAssistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoWilliamdaCostaMoreir
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCProf. Marcus Renato de Carvalho
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 

Último (6)

Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoAssistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 

POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx

  • 1. POLÍTICAS PÚBLICAS NA ATENÇÃO À SAÚDE DO IDOSO As políticas públicas na atenção à saúde do idoso têm sido uma preocupação crescente em todo o mundo, visto que a população idosa tem crescido em número e importância nas últimas décadas. Nesta apresentação, exploramos as principais políticas públicas brasileiras voltadas à saúde do idoso, seus desafios e perspectivas futuras. Enfermagem na Saúde do Idoso
  • 2. O que são políticas públicas? • Conjunto de ações As políticas públicas são o conjunto de ações, projetos e programas desenvolvidos pelo Estado para atender às necessidades da população e garantir uma vida digna para todos os cidadãos. • Foco no bem-estar Na área da saúde, as políticas públicas têm como objetivo garantir o bem-estar físico, mental e social dos cidadãos e prevenir doenças e incapacidades. • Participação social A participação social é fundamental para a construção e implementação das políticas públicas, garantindo que as ações do Estado estejam em sintonia com as necessidades da população.
  • 3. Perfil do idoso no Brasil Idade Mais de 60 anos Número de idosos 29,3 milhões de acordo com o IBGE Gênero Maioria mulheres (57,8%) Renda 52,2% têm renda de até 1 salário mínimo
  • 4. Envelhecimento populacional – Desigualdade social e de gênero • Envelhecimento populacional: mudança na estrutura etária da população, que produz um aumento do peso relativo das pessoas acima de uma determinada idade,considerada como definidora de velhice. • No Brasil, a pessoa é definida como idosa quem tem 60 anos ou mais. • O Brasil está passando por uma grande mudança na estrutura etária, onde a cada ano cresce o número de pessoas com 60 anos de idade e o crescente aumento da população “mais idosa” acima de 80 anos o que aumenta a proporção de pessoas idosas sobre a população total.
  • 5. O que é relevante para ser estudado em sala de aula, tendo em vista as questões- chave em Gerontologia? • 2 paradigmas emergentes: o biopsicossocial (cruzamento de fronteiras disciplinares para ampliar a compreensão do envelhecimento e da vida adulta) e do ciclo de vida (relacionado às Ciências Sociais e do comportamento). (Morgan, 2012)
  • 6. Fatores de risco para mortalidade em idosos: 2000- Estudo de Saúde, Bem-Estar e Envelhecimento (SABE) para traçar o perfil dos idosos na América Latina e Caribe - Organização Pan-Americana de Saúde (Argentina, Barbados, Brasil, Chile, Cuba, México e Uruguai.) Fatores de risco para mortalidade em idosos (Flávia de O M Maia; Yeda A O Duarte; Maria Lúcia Lebrão; Jair L F Santos) A população estudada foi composta pelos idosos residentes no Município de São Paulo, no ano 2000, como parte do estudo SABE realizado no Brasil. • Risco de óbito entre idosos, descritos pela literatura como imutáveis são: a idade e o sexo • Risco de óbito entre idosos, descritos pela literatura como passíveis de serem alterados: hospitalização, a dependência para realização das atividades de vida diária, o déficit cognitivo, os hábitos de vida (como fumar e não praticar exercícios físicos), algumas doenças como a depressão e o câncer, o isolamento social e a falta de suporte familiar, o nível socioeconômico e a auto-avaliação negativa da saúde.
  • 7. Envelhecimento ativo: Enxergar o idoso como individuo ativo na sociedade é um desafio que encaramos na atualidade. • Envelhecimento ativo: “o processo de otimização das oportunidades de saúde, participação e segurança, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida à medida que as pessoas ficam mais velhas”. (OMS) • Qualidade de vida como: “percepção do indivíduo de sua posição na vida em relação ao contexto e sistemas de valores nos quais se insere bem como seus objetivos, expectativas, padrões e preocupações”. (OMS)
  • 8. Determinantes do envelhecimento ativo segundo a qualidade de vida e gênero.(Ana C. V. Campos, Efigenia F. e Ferreira, Andréa M. D. Vargas.) Este estudo que entrevistou 2052 indivíduos com 60 anos e mais de idade residentes em Sete Lagoas, MG. • Entre os homens, os fatores comportamentais e participação comunitária foram preditores positivos para envelhecimento ativo. • Mulheres com maior renda, que não sofreram quedas e com participação comunitária tiveram maior chance de pertencer ao grupo com envelhecimento ativo. a qualidade de vida e a participação em grupos são os principais determinantes de envelhecimento ativo, e que os demais fatores determinantes associados são diferentes para cada gênero. (Campos, 2015)
  • 9. Principais políticas públicas brasileiras voltadas à saúde do idoso • Academia da Terceira Idade Programa que oferece atividades físicas adequadas aos idosos em espaços públicos ou privados.
  • 10. Principais políticas públicas brasileiras voltadas à saúde do idoso • Farmácia Popular Programa que oferece medicamentos gratuitos ou com descontos para a população.
  • 11. Principais políticas públicas brasileiras voltadas à saúde do idoso • Cuidadores do Idoso Programa que oferece capacitação para cuidadores de idosos que vivem em situação de vulnerabilidade
  • 12. Principais políticas públicas brasileiras voltadas à saúde do idoso • Atenção Domiciliar Serviço que oferece atendimento médico especializado em casa para idosos que precisam de cuidados especiais e não podem se deslocar até um serviço de saúde.
  • 13. Desafios na implementação das políticas públicas • Falta de verbas Muitas políticas públicas voltadas à saúde do idoso sofrem com a falta de recursos financeiros, o que dificulta sua implementação e manutenção.
  • 14. • Falta de profissionais especializados O Brasil ainda tem um déficit de médicos especializados em geriatria e de profissionais de saúde treinados para lidar com as particularidades do envelhecimento.
  • 15. Desafios na implementação das políticas públicas • Desigualdades regionais As políticas públicas voltadas à saúde do idoso não são implementadas de forma igualitária em todo o país, deixando algumas regiões e grupos populacionais desassistidos
  • 16. Exemplos de políticas públicas bem sucedidas
  • 19. • Como a questão do envelhecimento da população esta sendo trabalhado em nossos cursos? • No senário atual, como julga os avanços nas politicas publicas para saúde da população idosa? • Em sua opinião, e pelas experiências pessoais, o envelhecimento da população é muito diferente entre os gêneros, raças, etnias e opções sexuais? Deem alguns exemplos.