SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
Baixar para ler offline
FISIOLOGIADOENVELHECIMENT
O
OQ
UEÉEN
V
ELH
EC
ER?
“ Alguns o caracterizaram como uma diminuição geral das
capacidades da vida diária, outros o consideram como um
período de crescente vulnerabilidade e de cada vez
maior dependência no seio familiar. Outros, ainda,
veneram a velhice como o ponto mais alto da sabedoria,
bom senso e serenidade.”
Brasil.Ministério da Saúde.Envelhecimentoe saúdeda pessoaidosa.
Cadernos de Atenção Básica, Brasília, n. 19, 2006.
DIV
ERSASV
ELH
IC
ES
“o corpo vai envelhecendo, os nervos, os ossos né, tem problemas... eu tenho problemas
de pressão” (O. P
. S., 78 anos)
“eu acho que é quando fica doente” (O. S., 68 anos)
“é a doença, é a falta de família, com o tempo a gente envelhece, não tem família, fica
numasilo esperando que umou outro vai lá dá uma palavrinha alegre” (O. S., 68 anos)
“...conheço tanta gente aqui emItajaí. Conheci pequeninos (...) hoje já tem neto até, já
éumacoisaquea gente,sea gentemorre cedonãovê, massemorremaistarde
acompanha...” (A. J. A., 73 anos)
“Eu sei que tô envelhecendo pela data” (A. J. A., 73 anos)
“A gente nunca sesente velho, mesmo, eu nunca senti” (O. S., 68 anos)
Ploner, KS. O significado de envelhecer para homens e mulheres. Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008.
ENVELHECIMENTO
“Um processo sequencial, individual, acumulativo,
irreversível, universal, não patológico, de deterioração
de um organismo maduro, próprio a todos os
membros de uma espécie, de maneira que o tempo o
torne menos capaz de fazer frente ao estresse do
meio-ambiente e, portanto, aumente sua possibilidade
de morte”
Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS)
SEN
ESC
ÊN
C
IAXSEN
ILID
ADE
•Senescência - processo natural, de
diminuição progressiva da reserva
funcional dosindivíduos.
•Senilidade - condição de sobrecarga
como, por exemplo, doenças,
acidentes e estresse emocional, pode
ocasionar uma condição patológica
que requeira assistência.
Brasil. Ministério da Saúde. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Cadernos de Atenção Básica, Brasília, n. 19, 2006.
Limiar de incapacidade
Capacidade
Funcional
Variação da
função nos
indivíduos
Vida adulta Maturidade e Velhice
Infância e
adolescência
Crescimento e
desenvolvimento
Manter o maior
nível funcional
possível
Manutenção da independência
e prevenção da incapacidade
Reabilitação e promoção
da qualidade de vida
FONTE: Kalache & Kickbuch, 1997; In: Guimarães RM & Cunha UGV
, 2004
ERR
OSQ
UEDEV
EMSEREV
IT
ADOS
•Considerar que todas as alterações que
ocorrem com a pessoa idosa sejam
decorrentes de seu envelhecimento
natural;
•Tratar o envelhecimento natural como
doença.
Brasil. Ministério da Saúde. Envelhecimento e saúde
da pessoa idosa. Cadernos de Atenção Básica,
Brasília, n. 19, 2006.
CAP
ACITAÇÃO DE
PROFISSIONAIS–
PRINCIP
ALMENTEEMAPS;
USO DEINSTRUMENTOS
ADEQUADOS P
ARA AVALIAÇÃO;
FORTALECIMENTO
DOS SERVIÇOS/REDE...
EN
V
ELH
EC
IMEN
T
OSAU
DÁV
EL
Envelhecimento saudável é o processo de
desenvolvimento e manutenção da
capacidade funcional que permite o bem-
estar em idade avançada.
Brasil. Ministério da Saúde. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Cadernos
de Atenção Básica, Brasília, n. 19, 2006.
OP
AS, década 90
INDEPENDÊNCI
A
AUTONOMIA
OMAIORDESAFION
AAT
EN
Ç
ÃOÀPESSO
AIDOSA
Contribuir para que, apesar das
progressivas limitações que
possam ocorrer, elaspossam
redescobrir possibilidades de
viver sua própria vida coma
máxima qualidade possível.
CAPACIDADEFUNCIONAL– NOVO PARADIGMAPARAA ATENÇÃO À SAUDEDO IDOSO
Brasil. Ministério da Saúde. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Cadernos de Atenção Básica, Brasília, n. 19, 2006.
A
V
ALIAÇ
ÃOFU
N
C
ION
AL
Avaliação das atividades de vida diária – AVD
BÁSICAS (ABVD) autocuidado – necessidadede cuidador ounão;
INSTRUMENTAIS (AIVD) vida comunitária independente – capacidade de
morar sozinho;
AVANÇADAS (AAVD) - sociais, produtivas e de lazer.
A
V
ALIAÇ
ÃOFU
N
C
ION
AL
INDEPENDENTE
PARCIALMENTEDEPENDENTE
TOTALMENTEDEPENDENTE
ASPEC
T
OSFISIOLÓG
IC
OSBÁSIC
OS
DO ENVELHECIMENTO
Emanoel Araújo, criador e diretor
do Museu Afro Brasil - SP
ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO
-C
OMPOSIÇ
ÃOC
ORPORAL
Todaa celularidade diminui, reduzindo a função dos órgãos,
continuamente.
A musculatura vai diminuindo, especialmente as fibras tipo II, de contração
rápida, comoas encontradas nas mãos.
•Diminuição da água intracelular – desidratação fisiológica (turgor x confusão);
•Diminuição da massa celular;
•Diminuição do tecido mineral ósseo;
•Diminuição da densidade corpórea.
Pereira SRMIn: Freitas EV,Py L(Org). Tratado de geriatria e gerontologia. Cap14
– Fisiologia do Envelhecimento. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO
-PESOEAL
T
U
RA
•Diminuição da altura em aproximadamente 1cm por década
(encurtamento dos discos vertebrais, enrijecimento das articulações,
cifose dorsal, arqueamento dos MMII);
•Acúmulo de gordura e redução de massa magra – obesidade
sarcopênica;
•Aumento do tecido gorduroso (distribuição centrípeta);
•R
edução do peso dosórgãos;
•R
edução do peso total a partir dos65 anos.
Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento.4 ed. Riode Janeiro:
Guanabara Koogan, 2017
ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO
-MU
SC
U
LAT
U
RA
Perda muscular acelerada, chegando a 30%, por
década, aos 70 anos e, praticamente a metade
aos 80 anos. Essa redução ocorre tanto em
número quanto no volume das fibras
(especialmente o m. esquelético).
A atividade física, independentemente da idade,
aumenta a força e a velocidade muscular, além de
prevenir perdaóssea,quedas,hospitalizaçõese
melhorar a função articular.
Pereira SRMIn: Freitas EV,Py L(Org). Tratado de geriatria e gerontologia. Cap14 –
Fisiologia do Envelhecimento. 4 ed. R
io de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO
-MAR
C
H
A,POST
U
RAEEQ
UILÍBRIO
Écomum uma certa hesitação no andar, menor balanço dosbraços e
passos menores.
Há redução na amplitude dos movimentos, tendendo a modificar a marcha,
passos mais curtos e mais lentos com tendência a arrastar os pés. A base de
sustentação se amplia e o centro de gravidade corporal tende a se adiantar,
em busca de maior equilíbrio.
Para vencer as dificuldades o idoso diminui o tamanho dos passos
e anda mais devagar. O grande problema nos distúrbios da
marcha é a queda, com todas as complicações posteriores. (Clarke e
Sokoloff, 1999)
Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 –
Fisiologia do Envelhecimento. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
DIST
RIB
U
IÇ
ÃO(%)DOSIDOSOSSEG
U
NDODOENÇ
AS
CRÔNICASREFERIDAS.SÃOP
A
U
L
O
,ESTUDOSABE,2015-
2017.
DOENÇA REFERIDAS TOTAL HOMENS MULHERES p
HIPERTENSÃO 66,3 60,9 70,5 0,002
DIABETES 28,3 28,2 28,4 0,941
CÂNCER 9,3 10,0 8,8 0,526
DOENÇA PULMONAR 7,9 7,0 8,6 0,368
DOENÇA
CARDIOVASCULAR
23,8 24,1 23,6 0,863
AVE 6,9 7,7 6,3 0,359
DOENÇAS
OSTEOMUSCULARES
33,8 18,6 45,7 <0,001
OSTEOPOROSE 16,0 2,6 26,4 <0,001
Sabe, 2015-2017
DIST
RIB
U
IÇ
ÃO(%)DOSIDOSOSSEG
U
NDOOU
T
RAS
CONDIÇÕESDESAÚDE.SÃOP
A
U
L
O
,ESTUDOSABE,2015-
2017.
OUTRAS CONDIÇOES DE
SAÚDE
TOTAL HOMENS MULHERES p
MULTIMORBIDADE 60,0 49,9 67,8 <0,001
POLIFARMÁCIA 38,8 33,7 42,7 0,003
DECLÍNIO COGNITIVO 13,6 12,6 14,4 0,439
SINTOMAS
DEPRESSIVOS
17,4 12,4 21,4 <0,001
DOR CRÔNICA 41,7 33,1 48,5 <0,001
QUEDA ÚLTIMO ANO 28,8 22,5 33,7 <0,001
INCONTINÊNCIA
URINÁRIA
25,4 19,1 30,4 <0,001
6,8 6,4 7,2 0,634
Sabe, 2015-2017
ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO
-SON
OEREPOU
SO
•Diminuição da memória, cefaléia e até depressão.
As queixas de insônia, sonolência diurna,
despertares durante a noite e sono pouco reparador
são frequentes.
•Acordam fácil e demoram a adormecer;
•Dormem menos horas por dia – menor gasto de energia.
•Sono entrecortado – apnéia;
•Sonolência durante o dia;
•Cansaço, mau humor;
Pereira SRMIn: Freitas EV,Py L(Org). Tratado de geriatria e
gerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento. 4 ed. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO
-PELE
•Lentificação na renovação epidérmica;
•Diminuição do número de fibras elásticas e
colágenas;
•Diminuição na vascularização;
•Diminuição na lubrificação;
•Diminuição de tecido subcutâneo;
•Hipertrofia das células de pigmentação –
púrpura senil. O que hidrata a
pele?
Pereira SRMIn: Freitas EV,Py L(Org). Tratado de geriatria e gerontologia. Cap14 –
Fisiologia do Envelhecimento. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO
-PELE
ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO
-OLH
OS
A flacidez das pálpebras superiores leva a uma limitação do campo
visual lateral, podendo a pessoa não ver objetos ao seu lado, não ver
um veículo se aproximar ao atravessar a rua, aumentando o risco de
sofrer acidentes.
•Atrofia da fáscia palpebral pode levar à herniação
da gordura orbitária para dentro do tecido palpebral;
•Surgimento do arco senil - halo senil;
•Opacidade do cristalino - catarata;
•R
edução da secreção lacrimal - olho seco.
Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 –
Fisiologia do Envelhecimento. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO
-OU
V
IDOEN
ARIZ
•E
spessamento do tímpano;
•Degeneração do ouvido interno;
•Diminuição da capacidade auditiva – cerume;
•Diminuição da capacidade olfativa;
•Aumento do tamanho do nariz e orelhas.
Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento.4 ed. Riode Janeiro:
Guanabara Koogan, 2017
ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO
-C
A
V
ID
ADEORAL
•Perda de dentes (cáries, doença periodontal, desmineralização
óssea);
•R
etração gengival;
•R
edução da saliva – boca seca;
•Alteraçõesno paladar – perda de papilas gustativas;
•Diminuição da força de mastigação;
•Perda de elasticidade de mucosas;
•Disfagia orofaríngea – perda do tônus e motricidade muscular.
Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento.4 ed. Riode Janeiro:
Guanabara Koogan, 2017
ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO
-EST
ÔMAG
O •Diminuição da secreção de ácido clorídrico e de pepsina;
•Alterações do esvaziamento gástrico – gastroparesia;
•Diminuição na secreção de prostaglandinas;
•Alterações na absorção de nutrientes e medicamentos;
•Maior susceptibilidade a úlceras e sangramentos digestivos.
Ainda pode ocorrer a ruptura da barreira da mucosa gástrica, permitindo que o
ácido clorídrico e a pepsina do lúmen do estômago entrem nas células da mucosa,
destruindo-as. O rompimento dessa barreira acontece também com o uso de anti-
inflamatórios, álcool, cafeína e por bactérias (Sonnenberg e Genta, 2015).
Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento.4 ed. Riode Janeiro:
Guanabara Koogan, 2017
ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO
-IN
T
EST
IN
O
•Atrofia da mucosa – diminuição das vilosidades;
•Menor absorção de nutrientes e vitaminas (especialmente Vitamina D e Ferro);
•Lentificação do trânsito intestinal – constipação;
•Predisposição a divertículos;
•Maior susceptibilidade a lesões e sangramentos digestivos.
A diminuição do tônus e da força do esfíncter anal, associada a menor
complacência retal, aumenta a chance de incontinência fecal nas pessoas
idosas, sendo as mulheres mais predispostas que os homens.
Pereira SRMIn: Freitas EV,Py L(Org). Tratado de geriatria e gerontologia. Cap14 –
Fisiologia do Envelhecimento. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO
-FU
N
Ç
ÃOEN
DÓC
RIN
A
•Alteração nos receptores de insulina – intolerância à glicose.
•Baixa do hormônio melatonina – regula o sono;
•Baixa de hormônioparatireoidiano, especialmenteem
mulheres, causando a diminuindo a produção da forma
ativa da vitamina D e a baixa absorção de cálcio –
osteoporose;
•Disfunção hepática – diminuição no metabolismo de
medicamentos;
•Baixa de hormônios sexuais.
Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento.4 ed. Riode Janeiro:
Guanabara Koogan, 2017
ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO
-SIST
EMAIMU
N
EET
ERMORREG
U
LAÇ
ÃO
IMUNOSENESCÊNCIA
•Redução da resposta imunológica a invasores;
•Maior susceptibilidade às infecções;
•Menor atividade de glândulas sudoríparas;
•Menor produção de calor;
•Diminuição da atividade física;
•Diminuição do metabolismo basal - menor gasto de energia.
Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento.4 ed. Riode Janeiro:
Guanabara Koogan, 2017
•Diminuição de água intra e extracelular – diminuição de massa cerebral;
•Diminuição do número de neurônios e sinapses;
•Alterações na membrana lipídica e na condução nervosa;
•Diminuição do fluxo sanguíneo cerebral e da utilização da glicose;
•Permeabilidade da barreira hematoencefálica.
Parte da cognição pode sofrer certa deterioração nas pessoas idosas saudáveis,
como a velocidade do processamento cognitivo, menor destreza para executar
movimentos finos e problemas com a memória recente. (Van der Zee, 2015).
Pereira SRMIn: Freitas EV,Py L(Org). Tratado de geriatria e gerontologia. Cap14
– Fisiologia do Envelhecimento. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO
-FU
N
Ç
ÃON
EU
R
OLÓG
IC
A
ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO
-FU
N
Ç
ÃON
EU
R
OLÓG
IC
A
E
m resposta ao dano neuronal, as células gliais
aumentam. Esse acúmulo de células gliais,
denominado gliose, representa uma resposta
compensatória protegendo a função neuronal e a
plasticidade.
Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento.4 ed. Riode Janeiro:
Guanabara Koogan, 2017
ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO
-FU
N
Ç
ÃOC
ARDÍAC
A
•Débito cardíaco e fração de ejeção diminuídos;
•Diminuição da capacidade contrátil –
aumento da área cardíaca;
•Contração prolongada;
•T
empo de relaxamento aumentado;
•Aumento da rigidez miocárdica e vascular;
Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento.4 ed. Riode Janeiro:
Guanabara Koogan, 2017
ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO
-FU
N
Ç
ÃOC
ARDÍAC
A
•Hipertrofia de VE– hipertensão arterial sistólica;
•Modificações em receptores de catecolaminas:
diminuição de sensibilidade dos barorreceptores –
hipotensão postural;
•Deposição de cálcio – calcificação do anel mitral e
esclerose da valva aórtica.
Diminuição do consumo máximo de O2;
Capacidade de exercício diminuída;
R
eserva cardíaca diminuída.
Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento.4 ed. Riode Janeiro:
Guanabara Koogan, 2017
ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO
-FU
N
Ç
ÃORESPIR
AT
ÓRIA
•Diminuição da complacência pulmonar;
•Diminuição de superfície de troca gasosa;
•Diminuição do surfactante pulmonar - atelectasias;
•Clearance mucociliar diminuído - acúmulo de
secreção;
•Diminuição do reflexo da tosse;
•Alteração em quimiorreceptores – sensibilidade
ao uso de drogas depressoras do SNC.
Pereira SRMIn: Freitas EV,Py L(Org). Tratado de geriatria e gerontologia. Cap14
– Fisiologia do Envelhecimento. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
Susceptibilidade à
PNEUMONIA
Muitas pessoas idosas sofrem perda da
habilidade de concentrar ou diluir a urina de tal
modo que se tornam incapazes de equilibrar o
organismo frente a uma desidratação ou a uma
sobrecarga hídrica.
ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO
-FU
N
Ç
ÃOREN
AL
•P
erda progressiva de massa renal;
•R
edução da taxa de filtração glomerular;
•Diminuição na produção e excreção do ADH (hormônio antidiurético);
•Diminuição da capacidade renal de concentração e conservação do
sódio, estando os idosos mais propensos à hiponatremia e à
hipopotassemia;
•Poliúria – urinar mais vezes e a noite.
P
ereira SR
M In: Freitas E
V, Py L(Org). T
ratado de geriatria e
gerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento. 4 ed.
R
io de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
IN
C
ON
T
IN
ÊN
C
IAU
RIN
ÁRIAN
ÃOÉN
ORMAL!
Afrequência e a
importância do evento
estão associadasàs
repercussõesemocionais
e sociais.
Muitascausas são
reversíveis - delírio,
restrição de mobilidade,
retenção urinária,
infecção e efeito
medicamentoso. Brasil. Ministério da Saúde. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa.
Cadernos de Atenção Básica, Brasília, n. 19, 2006.
ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO
-SIST
EMAH
EMAT
OLÓG
IC
O
•Diminuição da hemoglobina e hematócrito - anemia;
•Diminuição do número de hemácias;
•Demora no início da eritropoiese;
•Alterações nos fatores de coagulação - estado pró-
coagulante, importante fator de risco para trombose
venosa profunda.
(Isaia et al., 2011)
Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento.4 ed. Riode Janeiro:
Guanabara Koogan, 2017
SEXU
ALID
ADE
Brasil. Ministério da Saúde. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Cadernos de Atenção Básica, Brasília, n. 19, 2006.
74% doshomens e 56% das
mulherescasadas mantêm
vida sexual ativa após os 60
anos.
- Alterações fisiológicas na
genitália feminina e masculina;
- Baixa hormonal
(especialmente nas mulheres);
- R
edimensionamento da
sexualidade e atividade
sexual.
Ploner, KS., 2008.
“ele tem energia para ir pescar, para ir sair, mas
não é mais aquela pessoa ativa como antes, né?
Ele ainda tem as suas atividades, sexo, né?” (A.
L., 68 anos)
E
N
V
E
L
H
E
C
E
RÉUMACONQUISTA!
VIDAS LONGEVAS PRECISAM DE
PLANEJAMENTO!
' em mim
eu vejo o outro
e outro
e outro
enfim dezenas
trenspassando
vagões cheios de gente
centenas
o outro
que há emmim
é você
você
e você
assim como
eu estou emvocê
eu estou nele
em nós
e só quando
estamos emnós
estamosem paz
mesmo que estejamos a sós...'
Contranarciso – Paulo Leminski
Emanoel Araújo, criador e diretor
do Museu Afro Brasil - SP
REFERÊNCIAS
Brasil. Ministério da Saúde. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Cadernos de Atenção
Básica, Brasília, n. 19, 2006.
Pereira SRMIn: Freitas EV,Py L(Org). Tratado de geriatria e gerontologia. Cap14 –
Fisiologia do Envelhecimento. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017.
Ploner, KS., et al. O significado de envelhecer para homense mulheres. Silveira, AF., et al.,
org. Cidadania e participação social [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas
Sociais, 2008
Clarke DD, Sokoloff L. Circulation and energy metabolism of the brain. In: Siegel G, Agranoff
BW, Albers RW, Fisher SK, eds. Basic neurochemistry: molecular, cellular and medical aspects.
6th ed. Philadelphia: Lippincott-Raven, 1999. p. 637-70.
Isaia G, Greppi F,Ausiello Let al. D-dimer plasma concentrations in an older hospitalized
population. J Am Geriatr Soc. 2011; 59:2385.
McLean RR,Kiel DP.Developing consensus criteria for sarcopenia: an update. Journal of Bone
and Mineral R
esearch. 2015; 30(4):588-92.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx

AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptxAULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptxKarineRibeiro57
 
Estatura crescimento infantil juvenil adolescente não depende apenas gh igf-1...
Estatura crescimento infantil juvenil adolescente não depende apenas gh igf-1...Estatura crescimento infantil juvenil adolescente não depende apenas gh igf-1...
Estatura crescimento infantil juvenil adolescente não depende apenas gh igf-1...Van Der Häägen Brazil
 
Diego emanuel gobbo
Diego emanuel gobboDiego emanuel gobbo
Diego emanuel gobbocatjust
 
Enfermagem em Geriatria Saúde do Idoso
Enfermagem em Geriatria   Saúde do IdosoEnfermagem em Geriatria   Saúde do Idoso
Enfermagem em Geriatria Saúde do IdosoMaria Dias
 
Criança, infantil, juvenil e o desenvolvimento linear da massa óssea para cre...
Criança, infantil, juvenil e o desenvolvimento linear da massa óssea para cre...Criança, infantil, juvenil e o desenvolvimento linear da massa óssea para cre...
Criança, infantil, juvenil e o desenvolvimento linear da massa óssea para cre...Van Der Häägen Brazil
 
Efeitos dos exercícios resistidos sobre as atividades da vida
Efeitos dos exercícios resistidos sobre as atividades da vidaEfeitos dos exercícios resistidos sobre as atividades da vida
Efeitos dos exercícios resistidos sobre as atividades da vidaRafael Pereira
 
quedadoidoso-121123073639-phpapp02.pdf
quedadoidoso-121123073639-phpapp02.pdfquedadoidoso-121123073639-phpapp02.pdf
quedadoidoso-121123073639-phpapp02.pdfDeividSergio
 
Vigilancia e prevenção de quedas em pessoas idosas
Vigilancia e prevenção de quedas em pessoas idosasVigilancia e prevenção de quedas em pessoas idosas
Vigilancia e prevenção de quedas em pessoas idosasCentro Universitário Ages
 
Aula 2 cuidados de saúde do idoso (2)
Aula 2   cuidados de saúde do idoso (2)Aula 2   cuidados de saúde do idoso (2)
Aula 2 cuidados de saúde do idoso (2)Tania Jesus
 
Introdução à gerontologia.pptx
Introdução à gerontologia.pptxIntrodução à gerontologia.pptx
Introdução à gerontologia.pptxLarissaCampos96
 
UM CRESCIMENTO ESTATURAL, NO ENTANTO, NÃO SIGNIFICA QUE UMA CRIANÇA TENHA UM ...
UM CRESCIMENTO ESTATURAL, NO ENTANTO, NÃO SIGNIFICA QUE UMA CRIANÇA TENHA UM ...UM CRESCIMENTO ESTATURAL, NO ENTANTO, NÃO SIGNIFICA QUE UMA CRIANÇA TENHA UM ...
UM CRESCIMENTO ESTATURAL, NO ENTANTO, NÃO SIGNIFICA QUE UMA CRIANÇA TENHA UM ...Van Der Häägen Brazil
 
ENVELHECER - idosos.ppt
ENVELHECER - idosos.pptENVELHECER - idosos.ppt
ENVELHECER - idosos.pptTrcioSantos4
 
ENVELHECER - idosos.ppt
ENVELHECER - idosos.pptENVELHECER - idosos.ppt
ENVELHECER - idosos.pptTrcioSantos4
 
O Estirão Durante o Crescimento Infanto Juvenil
O Estirão Durante o Crescimento Infanto JuvenilO Estirão Durante o Crescimento Infanto Juvenil
O Estirão Durante o Crescimento Infanto JuvenilVan Der Häägen Brazil
 
O estirão durante o crescimento infanto juvenil poderá ser uma roleta russa p...
O estirão durante o crescimento infanto juvenil poderá ser uma roleta russa p...O estirão durante o crescimento infanto juvenil poderá ser uma roleta russa p...
O estirão durante o crescimento infanto juvenil poderá ser uma roleta russa p...Van Der Häägen Brazil
 

Semelhante a FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx (20)

AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptxAULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
 
Estatura crescimento infantil juvenil adolescente não depende apenas gh igf-1...
Estatura crescimento infantil juvenil adolescente não depende apenas gh igf-1...Estatura crescimento infantil juvenil adolescente não depende apenas gh igf-1...
Estatura crescimento infantil juvenil adolescente não depende apenas gh igf-1...
 
186 805-1-pb
186 805-1-pb186 805-1-pb
186 805-1-pb
 
Diego emanuel gobbo
Diego emanuel gobboDiego emanuel gobbo
Diego emanuel gobbo
 
Enfermagem em Geriatria Saúde do Idoso
Enfermagem em Geriatria   Saúde do IdosoEnfermagem em Geriatria   Saúde do Idoso
Enfermagem em Geriatria Saúde do Idoso
 
Criança, infantil, juvenil e o desenvolvimento linear da massa óssea para cre...
Criança, infantil, juvenil e o desenvolvimento linear da massa óssea para cre...Criança, infantil, juvenil e o desenvolvimento linear da massa óssea para cre...
Criança, infantil, juvenil e o desenvolvimento linear da massa óssea para cre...
 
Alterações Envelhecimento
Alterações EnvelhecimentoAlterações Envelhecimento
Alterações Envelhecimento
 
Efeitos dos exercícios resistidos sobre as atividades da vida
Efeitos dos exercícios resistidos sobre as atividades da vidaEfeitos dos exercícios resistidos sobre as atividades da vida
Efeitos dos exercícios resistidos sobre as atividades da vida
 
quedadoidoso-121123073639-phpapp02.pdf
quedadoidoso-121123073639-phpapp02.pdfquedadoidoso-121123073639-phpapp02.pdf
quedadoidoso-121123073639-phpapp02.pdf
 
Vigilancia e prevenção de quedas em pessoas idosas
Vigilancia e prevenção de quedas em pessoas idosasVigilancia e prevenção de quedas em pessoas idosas
Vigilancia e prevenção de quedas em pessoas idosas
 
Aula 2 cuidados de saúde do idoso (2)
Aula 2   cuidados de saúde do idoso (2)Aula 2   cuidados de saúde do idoso (2)
Aula 2 cuidados de saúde do idoso (2)
 
O cuidado na Rede de Atenção à Saúde do idoso em Munhoz de Melo/PR
O cuidado na Rede de Atenção à Saúde do idoso em Munhoz de Melo/PRO cuidado na Rede de Atenção à Saúde do idoso em Munhoz de Melo/PR
O cuidado na Rede de Atenção à Saúde do idoso em Munhoz de Melo/PR
 
Introdução à gerontologia.pptx
Introdução à gerontologia.pptxIntrodução à gerontologia.pptx
Introdução à gerontologia.pptx
 
UM CRESCIMENTO ESTATURAL, NO ENTANTO, NÃO SIGNIFICA QUE UMA CRIANÇA TENHA UM ...
UM CRESCIMENTO ESTATURAL, NO ENTANTO, NÃO SIGNIFICA QUE UMA CRIANÇA TENHA UM ...UM CRESCIMENTO ESTATURAL, NO ENTANTO, NÃO SIGNIFICA QUE UMA CRIANÇA TENHA UM ...
UM CRESCIMENTO ESTATURAL, NO ENTANTO, NÃO SIGNIFICA QUE UMA CRIANÇA TENHA UM ...
 
ENVELHECER - idosos.ppt
ENVELHECER - idosos.pptENVELHECER - idosos.ppt
ENVELHECER - idosos.ppt
 
ENVELHECER - idosos.ppt
ENVELHECER - idosos.pptENVELHECER - idosos.ppt
ENVELHECER - idosos.ppt
 
O Estirão Durante o Crescimento Infanto Juvenil
O Estirão Durante o Crescimento Infanto JuvenilO Estirão Durante o Crescimento Infanto Juvenil
O Estirão Durante o Crescimento Infanto Juvenil
 
Enfermagem do idoso
Enfermagem do idosoEnfermagem do idoso
Enfermagem do idoso
 
Aula 1 fgg
Aula 1 fggAula 1 fgg
Aula 1 fgg
 
O estirão durante o crescimento infanto juvenil poderá ser uma roleta russa p...
O estirão durante o crescimento infanto juvenil poderá ser uma roleta russa p...O estirão durante o crescimento infanto juvenil poderá ser uma roleta russa p...
O estirão durante o crescimento infanto juvenil poderá ser uma roleta russa p...
 

Mais de NgelaNascimento11

HEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEM
HEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEMHEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEM
HEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEMNgelaNascimento11
 
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptxPOLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptxNgelaNascimento11
 
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEM
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEMACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEM
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEMNgelaNascimento11
 
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptxPOLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptxNgelaNascimento11
 
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptxVigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptxNgelaNascimento11
 
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxFISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxNgelaNascimento11
 
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptxLeite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptxNgelaNascimento11
 
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptx
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptxAula 1 pneumonias e DPOC.pptx
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptxNgelaNascimento11
 
A importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.ppt
A importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.pptA importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.ppt
A importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.pptNgelaNascimento11
 
ACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptx
ACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptxACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptx
ACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptxNgelaNascimento11
 
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptxLeite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptxNgelaNascimento11
 

Mais de NgelaNascimento11 (16)

HEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEM
HEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEMHEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEM
HEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEM
 
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptxPOLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
 
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEM
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEMACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEM
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEM
 
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptxPOLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
 
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptxVigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
 
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxFISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
 
CONVULSAO.ppt
CONVULSAO.pptCONVULSAO.ppt
CONVULSAO.ppt
 
saude da criança (1).pptx
saude da criança (1).pptxsaude da criança (1).pptx
saude da criança (1).pptx
 
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptxLeite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
 
SARA.pptx
SARA.pptxSARA.pptx
SARA.pptx
 
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptx
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptxAula 1 pneumonias e DPOC.pptx
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptx
 
A importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.ppt
A importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.pptA importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.ppt
A importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.ppt
 
ACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptx
ACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptxACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptx
ACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptx
 
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptxLeite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
 
ela.pptx
ela.pptxela.pptx
ela.pptx
 
Derrame-Pleural-.pptx
Derrame-Pleural-.pptxDerrame-Pleural-.pptx
Derrame-Pleural-.pptx
 

FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx

  • 2. OQ UEÉEN V ELH EC ER? “ Alguns o caracterizaram como uma diminuição geral das capacidades da vida diária, outros o consideram como um período de crescente vulnerabilidade e de cada vez maior dependência no seio familiar. Outros, ainda, veneram a velhice como o ponto mais alto da sabedoria, bom senso e serenidade.” Brasil.Ministério da Saúde.Envelhecimentoe saúdeda pessoaidosa. Cadernos de Atenção Básica, Brasília, n. 19, 2006.
  • 3. DIV ERSASV ELH IC ES “o corpo vai envelhecendo, os nervos, os ossos né, tem problemas... eu tenho problemas de pressão” (O. P . S., 78 anos) “eu acho que é quando fica doente” (O. S., 68 anos) “é a doença, é a falta de família, com o tempo a gente envelhece, não tem família, fica numasilo esperando que umou outro vai lá dá uma palavrinha alegre” (O. S., 68 anos) “...conheço tanta gente aqui emItajaí. Conheci pequeninos (...) hoje já tem neto até, já éumacoisaquea gente,sea gentemorre cedonãovê, massemorremaistarde acompanha...” (A. J. A., 73 anos) “Eu sei que tô envelhecendo pela data” (A. J. A., 73 anos) “A gente nunca sesente velho, mesmo, eu nunca senti” (O. S., 68 anos) Ploner, KS. O significado de envelhecer para homens e mulheres. Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008.
  • 4. ENVELHECIMENTO “Um processo sequencial, individual, acumulativo, irreversível, universal, não patológico, de deterioração de um organismo maduro, próprio a todos os membros de uma espécie, de maneira que o tempo o torne menos capaz de fazer frente ao estresse do meio-ambiente e, portanto, aumente sua possibilidade de morte” Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS)
  • 5.
  • 6. SEN ESC ÊN C IAXSEN ILID ADE •Senescência - processo natural, de diminuição progressiva da reserva funcional dosindivíduos. •Senilidade - condição de sobrecarga como, por exemplo, doenças, acidentes e estresse emocional, pode ocasionar uma condição patológica que requeira assistência. Brasil. Ministério da Saúde. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Cadernos de Atenção Básica, Brasília, n. 19, 2006.
  • 7. Limiar de incapacidade Capacidade Funcional Variação da função nos indivíduos Vida adulta Maturidade e Velhice Infância e adolescência Crescimento e desenvolvimento Manter o maior nível funcional possível Manutenção da independência e prevenção da incapacidade Reabilitação e promoção da qualidade de vida FONTE: Kalache & Kickbuch, 1997; In: Guimarães RM & Cunha UGV , 2004
  • 8. ERR OSQ UEDEV EMSEREV IT ADOS •Considerar que todas as alterações que ocorrem com a pessoa idosa sejam decorrentes de seu envelhecimento natural; •Tratar o envelhecimento natural como doença. Brasil. Ministério da Saúde. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Cadernos de Atenção Básica, Brasília, n. 19, 2006. CAP ACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS– PRINCIP ALMENTEEMAPS; USO DEINSTRUMENTOS ADEQUADOS P ARA AVALIAÇÃO; FORTALECIMENTO DOS SERVIÇOS/REDE...
  • 9. EN V ELH EC IMEN T OSAU DÁV EL Envelhecimento saudável é o processo de desenvolvimento e manutenção da capacidade funcional que permite o bem- estar em idade avançada. Brasil. Ministério da Saúde. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Cadernos de Atenção Básica, Brasília, n. 19, 2006. OP AS, década 90 INDEPENDÊNCI A AUTONOMIA
  • 10. OMAIORDESAFION AAT EN Ç ÃOÀPESSO AIDOSA Contribuir para que, apesar das progressivas limitações que possam ocorrer, elaspossam redescobrir possibilidades de viver sua própria vida coma máxima qualidade possível. CAPACIDADEFUNCIONAL– NOVO PARADIGMAPARAA ATENÇÃO À SAUDEDO IDOSO Brasil. Ministério da Saúde. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Cadernos de Atenção Básica, Brasília, n. 19, 2006.
  • 11. A V ALIAÇ ÃOFU N C ION AL Avaliação das atividades de vida diária – AVD BÁSICAS (ABVD) autocuidado – necessidadede cuidador ounão; INSTRUMENTAIS (AIVD) vida comunitária independente – capacidade de morar sozinho; AVANÇADAS (AAVD) - sociais, produtivas e de lazer.
  • 13. ASPEC T OSFISIOLÓG IC OSBÁSIC OS DO ENVELHECIMENTO Emanoel Araújo, criador e diretor do Museu Afro Brasil - SP
  • 14. ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO -C OMPOSIÇ ÃOC ORPORAL Todaa celularidade diminui, reduzindo a função dos órgãos, continuamente. A musculatura vai diminuindo, especialmente as fibras tipo II, de contração rápida, comoas encontradas nas mãos. •Diminuição da água intracelular – desidratação fisiológica (turgor x confusão); •Diminuição da massa celular; •Diminuição do tecido mineral ósseo; •Diminuição da densidade corpórea. Pereira SRMIn: Freitas EV,Py L(Org). Tratado de geriatria e gerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
  • 15. ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO -PESOEAL T U RA •Diminuição da altura em aproximadamente 1cm por década (encurtamento dos discos vertebrais, enrijecimento das articulações, cifose dorsal, arqueamento dos MMII); •Acúmulo de gordura e redução de massa magra – obesidade sarcopênica; •Aumento do tecido gorduroso (distribuição centrípeta); •R edução do peso dosórgãos; •R edução do peso total a partir dos65 anos. Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento.4 ed. Riode Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
  • 16. ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO -MU SC U LAT U RA Perda muscular acelerada, chegando a 30%, por década, aos 70 anos e, praticamente a metade aos 80 anos. Essa redução ocorre tanto em número quanto no volume das fibras (especialmente o m. esquelético). A atividade física, independentemente da idade, aumenta a força e a velocidade muscular, além de prevenir perdaóssea,quedas,hospitalizaçõese melhorar a função articular. Pereira SRMIn: Freitas EV,Py L(Org). Tratado de geriatria e gerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento. 4 ed. R io de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
  • 17. ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO -MAR C H A,POST U RAEEQ UILÍBRIO Écomum uma certa hesitação no andar, menor balanço dosbraços e passos menores. Há redução na amplitude dos movimentos, tendendo a modificar a marcha, passos mais curtos e mais lentos com tendência a arrastar os pés. A base de sustentação se amplia e o centro de gravidade corporal tende a se adiantar, em busca de maior equilíbrio. Para vencer as dificuldades o idoso diminui o tamanho dos passos e anda mais devagar. O grande problema nos distúrbios da marcha é a queda, com todas as complicações posteriores. (Clarke e Sokoloff, 1999) Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
  • 18. DIST RIB U IÇ ÃO(%)DOSIDOSOSSEG U NDODOENÇ AS CRÔNICASREFERIDAS.SÃOP A U L O ,ESTUDOSABE,2015- 2017. DOENÇA REFERIDAS TOTAL HOMENS MULHERES p HIPERTENSÃO 66,3 60,9 70,5 0,002 DIABETES 28,3 28,2 28,4 0,941 CÂNCER 9,3 10,0 8,8 0,526 DOENÇA PULMONAR 7,9 7,0 8,6 0,368 DOENÇA CARDIOVASCULAR 23,8 24,1 23,6 0,863 AVE 6,9 7,7 6,3 0,359 DOENÇAS OSTEOMUSCULARES 33,8 18,6 45,7 <0,001 OSTEOPOROSE 16,0 2,6 26,4 <0,001 Sabe, 2015-2017
  • 19. DIST RIB U IÇ ÃO(%)DOSIDOSOSSEG U NDOOU T RAS CONDIÇÕESDESAÚDE.SÃOP A U L O ,ESTUDOSABE,2015- 2017. OUTRAS CONDIÇOES DE SAÚDE TOTAL HOMENS MULHERES p MULTIMORBIDADE 60,0 49,9 67,8 <0,001 POLIFARMÁCIA 38,8 33,7 42,7 0,003 DECLÍNIO COGNITIVO 13,6 12,6 14,4 0,439 SINTOMAS DEPRESSIVOS 17,4 12,4 21,4 <0,001 DOR CRÔNICA 41,7 33,1 48,5 <0,001 QUEDA ÚLTIMO ANO 28,8 22,5 33,7 <0,001 INCONTINÊNCIA URINÁRIA 25,4 19,1 30,4 <0,001 6,8 6,4 7,2 0,634 Sabe, 2015-2017
  • 20. ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO -SON OEREPOU SO •Diminuição da memória, cefaléia e até depressão. As queixas de insônia, sonolência diurna, despertares durante a noite e sono pouco reparador são frequentes. •Acordam fácil e demoram a adormecer; •Dormem menos horas por dia – menor gasto de energia. •Sono entrecortado – apnéia; •Sonolência durante o dia; •Cansaço, mau humor; Pereira SRMIn: Freitas EV,Py L(Org). Tratado de geriatria e gerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
  • 21. ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO -PELE •Lentificação na renovação epidérmica; •Diminuição do número de fibras elásticas e colágenas; •Diminuição na vascularização; •Diminuição na lubrificação; •Diminuição de tecido subcutâneo; •Hipertrofia das células de pigmentação – púrpura senil. O que hidrata a pele? Pereira SRMIn: Freitas EV,Py L(Org). Tratado de geriatria e gerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
  • 23. ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO -OLH OS A flacidez das pálpebras superiores leva a uma limitação do campo visual lateral, podendo a pessoa não ver objetos ao seu lado, não ver um veículo se aproximar ao atravessar a rua, aumentando o risco de sofrer acidentes. •Atrofia da fáscia palpebral pode levar à herniação da gordura orbitária para dentro do tecido palpebral; •Surgimento do arco senil - halo senil; •Opacidade do cristalino - catarata; •R edução da secreção lacrimal - olho seco. Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
  • 24. ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO -OU V IDOEN ARIZ •E spessamento do tímpano; •Degeneração do ouvido interno; •Diminuição da capacidade auditiva – cerume; •Diminuição da capacidade olfativa; •Aumento do tamanho do nariz e orelhas. Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento.4 ed. Riode Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
  • 25. ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO -C A V ID ADEORAL •Perda de dentes (cáries, doença periodontal, desmineralização óssea); •R etração gengival; •R edução da saliva – boca seca; •Alteraçõesno paladar – perda de papilas gustativas; •Diminuição da força de mastigação; •Perda de elasticidade de mucosas; •Disfagia orofaríngea – perda do tônus e motricidade muscular. Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento.4 ed. Riode Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
  • 26. ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO -EST ÔMAG O •Diminuição da secreção de ácido clorídrico e de pepsina; •Alterações do esvaziamento gástrico – gastroparesia; •Diminuição na secreção de prostaglandinas; •Alterações na absorção de nutrientes e medicamentos; •Maior susceptibilidade a úlceras e sangramentos digestivos. Ainda pode ocorrer a ruptura da barreira da mucosa gástrica, permitindo que o ácido clorídrico e a pepsina do lúmen do estômago entrem nas células da mucosa, destruindo-as. O rompimento dessa barreira acontece também com o uso de anti- inflamatórios, álcool, cafeína e por bactérias (Sonnenberg e Genta, 2015). Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento.4 ed. Riode Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
  • 27. ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO -IN T EST IN O •Atrofia da mucosa – diminuição das vilosidades; •Menor absorção de nutrientes e vitaminas (especialmente Vitamina D e Ferro); •Lentificação do trânsito intestinal – constipação; •Predisposição a divertículos; •Maior susceptibilidade a lesões e sangramentos digestivos. A diminuição do tônus e da força do esfíncter anal, associada a menor complacência retal, aumenta a chance de incontinência fecal nas pessoas idosas, sendo as mulheres mais predispostas que os homens. Pereira SRMIn: Freitas EV,Py L(Org). Tratado de geriatria e gerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
  • 28. ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO -FU N Ç ÃOEN DÓC RIN A •Alteração nos receptores de insulina – intolerância à glicose. •Baixa do hormônio melatonina – regula o sono; •Baixa de hormônioparatireoidiano, especialmenteem mulheres, causando a diminuindo a produção da forma ativa da vitamina D e a baixa absorção de cálcio – osteoporose; •Disfunção hepática – diminuição no metabolismo de medicamentos; •Baixa de hormônios sexuais. Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento.4 ed. Riode Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
  • 29. ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO -SIST EMAIMU N EET ERMORREG U LAÇ ÃO IMUNOSENESCÊNCIA •Redução da resposta imunológica a invasores; •Maior susceptibilidade às infecções; •Menor atividade de glândulas sudoríparas; •Menor produção de calor; •Diminuição da atividade física; •Diminuição do metabolismo basal - menor gasto de energia. Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento.4 ed. Riode Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
  • 30. •Diminuição de água intra e extracelular – diminuição de massa cerebral; •Diminuição do número de neurônios e sinapses; •Alterações na membrana lipídica e na condução nervosa; •Diminuição do fluxo sanguíneo cerebral e da utilização da glicose; •Permeabilidade da barreira hematoencefálica. Parte da cognição pode sofrer certa deterioração nas pessoas idosas saudáveis, como a velocidade do processamento cognitivo, menor destreza para executar movimentos finos e problemas com a memória recente. (Van der Zee, 2015). Pereira SRMIn: Freitas EV,Py L(Org). Tratado de geriatria e gerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017 ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO -FU N Ç ÃON EU R OLÓG IC A
  • 31. ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO -FU N Ç ÃON EU R OLÓG IC A E m resposta ao dano neuronal, as células gliais aumentam. Esse acúmulo de células gliais, denominado gliose, representa uma resposta compensatória protegendo a função neuronal e a plasticidade. Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento.4 ed. Riode Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
  • 32. ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO -FU N Ç ÃOC ARDÍAC A •Débito cardíaco e fração de ejeção diminuídos; •Diminuição da capacidade contrátil – aumento da área cardíaca; •Contração prolongada; •T empo de relaxamento aumentado; •Aumento da rigidez miocárdica e vascular; Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento.4 ed. Riode Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
  • 33. ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO -FU N Ç ÃOC ARDÍAC A •Hipertrofia de VE– hipertensão arterial sistólica; •Modificações em receptores de catecolaminas: diminuição de sensibilidade dos barorreceptores – hipotensão postural; •Deposição de cálcio – calcificação do anel mitral e esclerose da valva aórtica. Diminuição do consumo máximo de O2; Capacidade de exercício diminuída; R eserva cardíaca diminuída. Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento.4 ed. Riode Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
  • 34. ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO -FU N Ç ÃORESPIR AT ÓRIA •Diminuição da complacência pulmonar; •Diminuição de superfície de troca gasosa; •Diminuição do surfactante pulmonar - atelectasias; •Clearance mucociliar diminuído - acúmulo de secreção; •Diminuição do reflexo da tosse; •Alteração em quimiorreceptores – sensibilidade ao uso de drogas depressoras do SNC. Pereira SRMIn: Freitas EV,Py L(Org). Tratado de geriatria e gerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017 Susceptibilidade à PNEUMONIA
  • 35. Muitas pessoas idosas sofrem perda da habilidade de concentrar ou diluir a urina de tal modo que se tornam incapazes de equilibrar o organismo frente a uma desidratação ou a uma sobrecarga hídrica. ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO -FU N Ç ÃOREN AL •P erda progressiva de massa renal; •R edução da taxa de filtração glomerular; •Diminuição na produção e excreção do ADH (hormônio antidiurético); •Diminuição da capacidade renal de concentração e conservação do sódio, estando os idosos mais propensos à hiponatremia e à hipopotassemia; •Poliúria – urinar mais vezes e a noite. P ereira SR M In: Freitas E V, Py L(Org). T ratado de geriatria e gerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento. 4 ed. R io de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
  • 36. IN C ON T IN ÊN C IAU RIN ÁRIAN ÃOÉN ORMAL! Afrequência e a importância do evento estão associadasàs repercussõesemocionais e sociais. Muitascausas são reversíveis - delírio, restrição de mobilidade, retenção urinária, infecção e efeito medicamentoso. Brasil. Ministério da Saúde. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Cadernos de Atenção Básica, Brasília, n. 19, 2006.
  • 37. ASPECTOSFISIOLÓGICOSDOENVELHECIMENTO -SIST EMAH EMAT OLÓG IC O •Diminuição da hemoglobina e hematócrito - anemia; •Diminuição do número de hemácias; •Demora no início da eritropoiese; •Alterações nos fatores de coagulação - estado pró- coagulante, importante fator de risco para trombose venosa profunda. (Isaia et al., 2011) Pereira SRMIn:FreitasEV,PyL(Org). Tratado de geriatria egerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento.4 ed. Riode Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
  • 38. SEXU ALID ADE Brasil. Ministério da Saúde. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Cadernos de Atenção Básica, Brasília, n. 19, 2006. 74% doshomens e 56% das mulherescasadas mantêm vida sexual ativa após os 60 anos. - Alterações fisiológicas na genitália feminina e masculina; - Baixa hormonal (especialmente nas mulheres); - R edimensionamento da sexualidade e atividade sexual. Ploner, KS., 2008. “ele tem energia para ir pescar, para ir sair, mas não é mais aquela pessoa ativa como antes, né? Ele ainda tem as suas atividades, sexo, né?” (A. L., 68 anos)
  • 40. ' em mim eu vejo o outro e outro e outro enfim dezenas trenspassando vagões cheios de gente centenas o outro que há emmim é você você e você assim como eu estou emvocê eu estou nele em nós e só quando estamos emnós estamosem paz mesmo que estejamos a sós...' Contranarciso – Paulo Leminski Emanoel Araújo, criador e diretor do Museu Afro Brasil - SP
  • 41. REFERÊNCIAS Brasil. Ministério da Saúde. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Cadernos de Atenção Básica, Brasília, n. 19, 2006. Pereira SRMIn: Freitas EV,Py L(Org). Tratado de geriatria e gerontologia. Cap14 – Fisiologia do Envelhecimento. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017. Ploner, KS., et al. O significado de envelhecer para homense mulheres. Silveira, AF., et al., org. Cidadania e participação social [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008 Clarke DD, Sokoloff L. Circulation and energy metabolism of the brain. In: Siegel G, Agranoff BW, Albers RW, Fisher SK, eds. Basic neurochemistry: molecular, cellular and medical aspects. 6th ed. Philadelphia: Lippincott-Raven, 1999. p. 637-70. Isaia G, Greppi F,Ausiello Let al. D-dimer plasma concentrations in an older hospitalized population. J Am Geriatr Soc. 2011; 59:2385. McLean RR,Kiel DP.Developing consensus criteria for sarcopenia: an update. Journal of Bone and Mineral R esearch. 2015; 30(4):588-92.