SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 48
Baixar para ler offline
A Síndrome da Angústia
Respiratória Aguda (SARA)
DEFINIÇÃO
A Síndrome da Angústia Respiratória Aguda (SARA)
caracteriza-se como um conjunto de sinais clínicos
causados pela resposta inflamatória excessiva a uma
lesão pulmonar aguda.
Está associada ao edema nos pulmões e um quadro de
hipoxemia (diminuição de oxigênio para os tecidos)
persistente de grau variável, devido ao aumento da
permeabilidade capilar pulmonar e sistêmica e
diminuição da complacência pulmonar.
Resultante de diversas doenças que causam acúmulo de
líquidos nos pulmões e redução do oxigênio no sangue a
níveis excessivamente baixos.
A lesão do endotélio/ epitélio
pulmonar e da membrana alvéolo-
capilar provoca a liberação de
mediadores inflamatórios celulares e
humorais que atuam diretamente no
desenvolvimento e agravamento da
síndrome.
A SARA classifica-se clinicamente em causas diretas e
indiretas.
As causas diretas envolvem a lesão no epitélio das vias
respiratórias por inalação de gases
tóxicos, pneumonia, aspiração de conteúdo gástrico,
afogamento, laringoespasmo, lesão de isquemia-
reperfusão pulmonar, choque elétrico, queimaduras e
ventilação mecânica.
As causas indiretas estão relacionadas a alterações
sistêmicas como a sepse, a coagulação intravascular
disseminada (CID), pancreatite aguda, acidentes com
animais peçonhentos (cobra, escorpião, aranha,
abelhas), intoxicações, lesões no sistema nervoso central
(SNC), tromboembolismo, politraumatismos e outros.
• O indivíduo sente falta de ar, normalmente com a respiração rápida e
superficial, a pele pode ficar manchada ou azulada (cianose), e outros
órgãos, como o coração e o cérebro, podem apresentar mau
funcionamento.
• Utiliza-se um sensor, colocado na ponta do dedo (oximetria de pulso), ou
uma amostra de sangue de uma artéria para determinar os níveis de
oxigênio no sangue, e também se faz uma radiografia torácica.
• Os indivíduos são tratados em uma unidade de tratamento intensivo,
pois podem precisar de ventilação mecânica.
• O oxigênio é fornecido e a causa da insuficiência respiratória é tratada.
Ela pode acontecer em pessoas que já tiveram
doença pulmonar ou em pessoas com pulmões
anteriormente saudáveis.
Esta doença era denominada síndrome da
angústia respiratória do adulto, mas também
pode manifestar-se em crianças.
A SARA é dividida em três categorias: leve,
moderada e grave. A categoria é determinada
comparando-se o nível de oxigênio no sangue
com a quantidade de oxigênio que precisa ser
administrada nesse nível.
CAUSAS DE SARA
Qualquer doença ou quadro clínico que lesione
os pulmões pode causar SARA. Mais da
metade dos indivíduos com SARA a
desenvolve como consequência de uma
infecção grave, generalizada (sepse)
ou pneumonia. Algumas outras causas incluem
• Aspiração (inalação) de conteúdo estomacal ácido
para o interior dos pulmões
• Queimaduras
• Certas complicações gestacionais (como embolia
do líquido amniótico, pré-eclâmpsia, infecção de
tecidos no útero antes, durante ou após um aborto
[ abortamento séptico] e outros)
• Lesão do tórax (contusão pulmonar)
• Cirurgia de derivação das artérias coronárias
• Afogamento
• Inflamação do pâncreas (pancreatite)
• Inalação de grandes quantidades de fumaça
• Inalação de outros gases tóxicos
• Lesão pulmonar devido à inalação de altas concentrações
de oxigênio
• Lesões graves ou potencialmente fatais
• Superdosagem de certas drogas ou medicamentos, como
heroína, metadona, propoxifeno ou aspirina
• Pneumonia (incluindo pela COVID-19)
• Pressão arterial baixa prolongada ou grave (choque)
• Embolia pulmonar
• Infecção grave e generalizada (sepse)
• Acidente vascular cerebral ou convulsão
• Transfusões de mais de 15 unidades de sangue em um
curto período de tempo
Quando os pequenos sacos de ar (alvéolos) e
os pequenos vasos de sangue (capilares) do
pulmão são afetados, o sangue e os líquidos
infiltram-se nos espaços entre os alvéolos e,
por fim, passam para o interior destes.
O colapso de muitos alvéolos (um quadro
clínico denominado atelectasia) também pode
ocorrer devido a uma redução de surfactante,
um líquido que cobre a superfície interna dos
alvéolos e ajuda a mantê-los abertos.
O líquido nos alvéolos e o colapso de muitos
alvéolos interferem no movimento do oxigênio
do ar inspirado para o sangue. Portanto, o nível
de oxigênio no sangue pode cair bruscamente.
A saída do dióxido de carbono do sangue para
o ar que é expirado fica menos afetada, e o
nível de dióxido de carbono no sangue muda
muito pouco.
Como a insuficiência respiratória na SARA
resulta principalmente de níveis baixos de
oxigênio, ela é considerada uma insuficiência
respiratória hipoxêmica.
A diminuição do nível de oxigênio no sangue causada pela
SARA e o vazamento para a corrente sanguínea de certas
proteínas (citocinas) produzidas pelas células pulmonares
lesionadas e por células brancas do sangue podem causar
inflamação e complicações em outros órgãos.
A falência de vários órgãos (um quadro clínico
denominado falência de múltiplos órgãos) também pode
ocorrer.
A falência de órgãos pode começar logo depois de
instalada a SARA ou dias ou semanas depois. Além disso,
os indivíduos afetados pela SARA são menos resistentes a
infecções pulmonares e costumam
desenvolver pneumonias bacterianas.
SINTOMAS DE SARA
A SARA normalmente se desenvolve de 24 a 48 horas após lesão
ou doença original, mas pode demorar 4 a 5 dias para ocorrer. A
pessoa começa sentindo falta de ar, geralmente com uma
respiração rápida e superficial.
Utilizando um estetoscópio, o médico pode ouvir sons
crepitantes ou chiados nos pulmões.
A pele pode ficar manchada ou azulada (cianose), em pessoas de
pele clara, e pode apresentar coloração cinza ou esbranquiçada
na boca, ao redor dos olhos e sob as unhas, em pessoas de pele
escura, devido aos baixos níveis de oxigênio no sangue. Outros
órgãos, como o coração e o cérebro, podem funcionar mal,
resultando em uma frequência cardíaca elevada, ritmos cardíacos
anormais (arritmias), confusão e sonolência.
DIAGNÓSTICO DE SARA
Medição dos níveis de oxigênio no sangue
Radiografia do tórax
O nível de oxigênio no sangue pode ser monitorado, sem
coletar uma amostra de sangue, por meio de um sensor
colocado em um dedo ou no lobo de uma orelha. Este
procedimento é chamado oximetria de pulso.
O nível de oxigênio (juntamente com o dióxido de carbono) no
sangue também pode ser medido através da análise de uma
amostra de sangue colhida de uma artéria.
Radiografias torácicas mostram líquido nos espaços que
deveriam estar preenchidos com ar. Outros exames podem ser
necessários para confirmar que a insuficiência cardíaca não é a
causa do problema.
PROGNÓSTICO DE SARA
Sem o pronto tratamento, muitas pessoas com a SARA não sobrevivem. No
entanto, a depender da doença subjacente, com um tratamento adequado,
cerca de 60% a 75% das pessoas com SARA sobrevivem.
Em geral, os indivíduos que respondem com rapidez ao tratamento
restabelecem-se por completo, quase sem alterações pulmonares de longo
prazo. Os indivíduos cujo tratamento envolve longos períodos no ventilador
(uma máquina que ajuda o ar a entrar e sair dos pulmões) têm mais
probabilidades de formar tecido cicatricial (fibrose) nos pulmões. Essa fibrose
pode diminuir em poucos meses após a pessoa ser retirada da ventilação. A
fibrose pulmonar, se extensa, pode afetar a função pulmonar permanentemente
de forma evidente durante certas atividades diárias. A fibrose menos extensa
pode prejudicar a função pulmonar somente em momentos de estresse
pulmonar, como durante exercícios ou em doenças.
Muitos indivíduos perdem grandes quantidades de peso e de músculo durante
a doença. A reabilitação no hospital pode ajudá-los a recuperar sua força e sua
independência.
TRATAMENTO DE SARA
• Tratamento da causa
• Oxigenoterapia
• Frequentemente, ventilação mecânica
• Os indivíduos com SARA recebem tratamento em uma unidade
de tratamento intensivo (UTI).
• O sucesso do tratamento depende normalmente do tratamento
da doença subjacente (como a pneumonia, por exemplo).
Também é fornecida oxigenoterapia, o que é vital para corrigir
os níveis baixos de oxigênio.
• Se o oxigênio administrado por uma máscara facial ou outro
dispositivo (como capacete ou cateter nasal) não conseguir
corrigir os níveis baixos de oxigênio no sangue, ou se forem
necessárias doses muito altas de oxigênio inalado, deve se
usar ventilação mecânica. O ventilador normalmente fornece ar
pressurizado rico em oxigênio utilizando um tubo inserido na
traqueia através da boca.
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
SÍNDROME DA ANGÚSTIA
RESPIRATÓRIA AGUDA (SARA)
OU
SÍNDROME DO DESCONFORTO
RESPIRATÓRIO AGUDO (SDRA)
FISIOPATOLOGIA
É caracterizada por inflamação difusa da membrana alvéolo-
capilar por extravasamento de fluido rico em proteínas para o
espaço alveolar.
Envolve a membrana basal e os pneumócitos tipo I e tipo II:
surfactante tensão superficial alveolar
atelectasias
complacência pulmonar.
Lesão ao endotélio
ativação do sistema recrutamento,
de coagulação seqüestro e
ativação de neutrófilos
formação de radicais de
trombose microvascular oxigênio
recrutamento de células mesenquimais
produção de procolágeno.
Lesão ao endotélio
ativação do sistema recrutamento,
de coagulação seqüestro e
ativação de neutrófilos
formação de radicais de
trombose microvascular oxigênio
recrutamento de células mesenquimais
produção de procolágeno.
Balanço entre mediadores pró-inflamatórios (TNF–a,
IL–1, IL–6 e IL–8) e antiinflamatórios (IL–10,
antagonistas do receptor de IL–1 e do receptor do
TNF solúvel)
Lesão ao endotélio
ativação do sistema recrutamento,
de coagulação seqüestro e
ativação de neutrófilos
formação de radicais de
trombose microvascular oxigênio
recrutamento de células mesenquimais
remodelamento e alveolite
fibrosante
produção de procolágeno.
COMO VENTILAR O
PACIENTE COM SARA
Nas primeiras 48-72 horas o ajuste da ventilação
mecânica em pacientes com SARA (todas as categorias)
são recomendados modos controlados: VCV ou PCV.
SARA leve, sob ventilação assistida: VC deve ser
ajustado em 6 ml/kg.
COMO VENTILAR O
PACIENTE COM SARA
Nas primeiras 48-72 horas o ajuste da ventilação
mecânica em pacientes com SARA (todas as categorias)
são recomendados modos controlados: VCV ou PCV.
SARA leve, sob ventilação assistida: VC deve ser
ajustado em 6 ml/kg.
COMO VENTILAR O
PACIENTE COM SARA
Nas primeiras 48-72 horas o ajuste da ventilação
mecânica em pacientes com SARA (todas as categorias)
são recomendados modos controlados: VCV ou PCV.
SARA leve, sob ventilação assistida: VC deve ser
ajustado em 6 ml/kg.
Na SARA moderada ou grave: VC deve ser ajustado entre 3-6
ml/kg
• Recomendação: para se obter o peso predito (Predicted
Body Weight) recomenda-se o uso das seguintes fórmulas:
Homens : 50 + 0,91 x (altura em cm – 152,4)
Mulheres: 45,5 + 0,91 x (altura em cm - 152,4).
FLUIDOTERAPIA
O uso da estratégia conservadora de gestão de fluido (+DVA
– volume) era associada com uma melhoria significativa na
oxigenação, padrão de lesão pulmonar e aumentou o número
de dias livres de ventilador em comparação com a estratégia
mais liberal.
PREVENÇÃO DE
COMPLICAÇÕES
Alto risco para as complicações comuns na evolução do
paciente crítico, como TVP, TEP e hemorragia
gastrointestinal relacionada ao stress
A pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV) e
infecções nosocomiais, distúrbios metabólicas,
polineuropatia da doença crítica e desnutrição.
PAV
prevenção de PAV deve ser prioritária em pacientes com
SARA.
A detecção pode ser difícil no cenário radiográfico pulmonar
infiltrados observada em pacientes com SARA.
Diagnóstico de VAP e identificação do patógeno agressor
muitas vezes requerem o uso de broncoscopia com LBA.
ESTRATÉGIAS DE MELHOR
OFERTA DE O2
Manobras de recrutamento
Posição prona
Terapia de reposição de surfactante
Óxido nítrico inalado
MANOBRAS DE
RECRUTAMENTO
representam uma tentativa de “abrir” as vias aéreas distais e
alvéolos atelectásicos na fronteira dos alvéolos
colapsados ​​inundadas.
A manobra é conseguida através do aumento da PEEP a 35 a
50 centímetros H2O e mantendo esse nível de pressão
durante 30 segundos.
POSIÇÃO PRONA
Utilizar na SARA moderada.
Pode ser mais fisiológico e resultar na melhoria da
remoção de secreção, melhor ventilação/perfusão, e
melhor aeração as unidades de pulmão dorsal.
Pode também diminuir a sobrecarga de VD nos casos de
SARA grave.
POSIÇÃO PRONA
Utilizar na SARA moderada.
Pode ser mais fisiológico e resultar na melhoria da
remoção de secreção, melhor ventilação/perfusão, e
melhor aeração as unidades de pulmão dorsal.
Pode também diminuir a sobrecarga de VD nos casos de
SARA grave.
POSIÇÃO PRONA
Utilizar na SARA moderada.
Pode ser mais fisiológico e resultar na melhoria da
remoção de secreção, melhor ventilação/perfusão, e
melhor aeração as unidades de pulmão dorsal.
Pode também diminuir a sobrecarga de VD nos casos de
SARA grave.
ESTRATÉGIAS DE MELHOR
OFERTA DE O2
Manobras de recrutamento
Posição prona
Terapia de reposição de surfactante
Ventilação parcial líquida
Óxido nítrico inalado
ESTRATÉGIAS DE MELHOR
OFERTA DE O2
Manobras de recrutamento
Posição prona
Terapia de reposição de surfactante
Óxido nítrico inalado
ESTRATÉGIAS DE MELHOR
OFERTA DE O2
Manobras de recrutamento
Posição prona
Terapia de reposição de surfactante
Óxido nítrico inalado
ECMO
A mortalidade nos pacientes que desenvolvem SARA
GRAVE pode chegar a próximo a 60%.
Estes pacientes são tratados com as medidas
recomendadas para o tratamento da SARA grave, mas
mesmo com a otimização medidas terapêuticas, muitos
necessitam de manutenção de uma oferta elevada de
oxigênio e ventilação com pressões muito acima do
desejável, o que promove dano pulmonar que, se não
agrava a situação, interfere na recuperação pulmonar.
A utilização de ECMO nestas situações garante a troca
gasosa com oxigenação adequada enquanto o pulmão é
ventilado de forma protetora, proporcionando um tempo de
repouso no qual o pulmão vai recuperar-se do evento
estressor.
FASE
FIBROPROLIFERATIVA
Processo de lesão / reparação é caracterizada pela substituição
do epitelial celular danificado
As manifestações clínicas incluem febre, leucocitose,
infiltrados alveolares na radiografia de tórax e mediadores
inflamatórios persistentes.
Manifestações fisiológicas incluem o agravamento da
complacência pulmonar e de trocas gasosas, aumento do
espaço morto, hipertensão pulmonar e perda de resposta a
PEEP.
PROGNÓSTICO
As causas mais comuns de morte em pacientes com SARA
persistência de SIRS e sepse. Menos de 20% dos pacientes
morrem devido à incapacidade para oxigenar
adequadamente ou ventilá-los.
Após a recuperação da SDRA, o prognóstico parece ser
razoavelmente bom. 80% dos sobreviventes de SARA ainda
estavam vivos cinco anos depois
Embora a maioria dos sobreviventes têm dificuldades de
readptação na qualidade de vida da função pulmonar, a maioria
retorna para próximo de seu status da função pulmonar basal
dentro de 3 a 6 meses. A principal anormalidade residual em
função pulmonar é um defeito pulmonar restritiva e uma
redução na capacidade de difusão do CO.
Estas alterações podem resultar em dessaturação no exercício
em alguns pacientes ou, mais comumente, uma diminuição da
distância percorrida cronometrada.
Quando observado ao longo de cinco anos, a sua função
pulmonar não melhorou muito após a melhoria inicial. E a
maioria dos pacientes mantém limitação ao exercício em 5 anos,
apesar do fato de que 65% de voltar a trabalhar.
Sobreviventes de SDRA tem uma queda de qualidade de vida
relacionada com a saúde em geral, aumento de sintomas
respiratórios, insônia, depressão, ansiedade e transtorno de
estresse pós-traumático.
Uma redução clinicamente significativa na sua função física e
aumento dos sintomas pulmonares em comparação com os
sobreviventes de outras doenças críticas.
Além de ter comprometimento cognitivo a longo prazo,
problemas de lidar com sua deficiência, e as dificuldades de
relacionamento interpessoal.
FIM...
FIM...

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Síndrome da Angústia Respiratória Aguda (SARA

Insuficiência respiratória
Insuficiência respiratóriaInsuficiência respiratória
Insuficiência respiratóriaSimone Alvarenga
 
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)Rose Viviane Bezerra
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioAroldo Gavioli
 
03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdf
03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdf03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdf
03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
Apostila de bioimagem radiografia Pulmão
Apostila de bioimagem radiografia PulmãoApostila de bioimagem radiografia Pulmão
Apostila de bioimagem radiografia PulmãoItalo Emmanoel
 
Aula oxigenoterapia
Aula oxigenoterapiaAula oxigenoterapia
Aula oxigenoterapiaDeylane Melo
 
Insuficiência Respiratória Aguda
Insuficiência Respiratória AgudaInsuficiência Respiratória Aguda
Insuficiência Respiratória AgudaHugo Fialho
 
Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios enfe...
Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios   enfe...Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios   enfe...
Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios enfe...Aroldo Gavioli
 
12ª aula sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.)
12ª aula   sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.)12ª aula   sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.)
12ª aula sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.)Prof Silvio Rosa
 
12ª aula sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.) Silvio
12ª aula   sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.) Silvio12ª aula   sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.) Silvio
12ª aula sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.) SilvioProf Silvio Rosa
 
Tcar de pulmão enfisema pdf
Tcar de pulmão   enfisema pdfTcar de pulmão   enfisema pdf
Tcar de pulmão enfisema pdfisadoracordenonsi
 
Sistema respiratório e renal_Antônio
Sistema respiratório e renal_AntônioSistema respiratório e renal_Antônio
Sistema respiratório e renal_AntônioMarcia Regina
 

Semelhante a Síndrome da Angústia Respiratória Aguda (SARA (20)

Insuficiência respiratória
Insuficiência respiratóriaInsuficiência respiratória
Insuficiência respiratória
 
Enfisema Pulmonar.pptx
Enfisema Pulmonar.pptxEnfisema Pulmonar.pptx
Enfisema Pulmonar.pptx
 
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
 
2º consenso bra vm
2º consenso bra vm2º consenso bra vm
2º consenso bra vm
 
Sdra unifesp
Sdra unifespSdra unifesp
Sdra unifesp
 
03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdf
03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdf03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdf
03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdf
 
Apostila de bioimagem radiografia Pulmão
Apostila de bioimagem radiografia PulmãoApostila de bioimagem radiografia Pulmão
Apostila de bioimagem radiografia Pulmão
 
Aula oxigenoterapia
Aula oxigenoterapiaAula oxigenoterapia
Aula oxigenoterapia
 
Insuficiência Respiratória Aguda
Insuficiência Respiratória AgudaInsuficiência Respiratória Aguda
Insuficiência Respiratória Aguda
 
Asma
AsmaAsma
Asma
 
Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios enfe...
Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios   enfe...Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios   enfe...
Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios enfe...
 
DPOC Exacerbado
DPOC ExacerbadoDPOC Exacerbado
DPOC Exacerbado
 
Embolia
EmboliaEmbolia
Embolia
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
Trabalho de pneumonia
Trabalho de pneumoniaTrabalho de pneumonia
Trabalho de pneumonia
 
12ª aula sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.)
12ª aula   sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.)12ª aula   sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.)
12ª aula sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.)
 
12ª aula sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.) Silvio
12ª aula   sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.) Silvio12ª aula   sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.) Silvio
12ª aula sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.) Silvio
 
Tcar de pulmão enfisema pdf
Tcar de pulmão   enfisema pdfTcar de pulmão   enfisema pdf
Tcar de pulmão enfisema pdf
 
Sistema respiratório e renal_Antônio
Sistema respiratório e renal_AntônioSistema respiratório e renal_Antônio
Sistema respiratório e renal_Antônio
 

Mais de NgelaNascimento11

HEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEM
HEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEMHEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEM
HEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEMNgelaNascimento11
 
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptxPOLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptxNgelaNascimento11
 
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxFISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxNgelaNascimento11
 
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEM
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEMACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEM
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEMNgelaNascimento11
 
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptxPOLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptxNgelaNascimento11
 
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptxVigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptxNgelaNascimento11
 
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxFISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxNgelaNascimento11
 
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptxLeite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptxNgelaNascimento11
 
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptx
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptxAula 1 pneumonias e DPOC.pptx
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptxNgelaNascimento11
 
A importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.ppt
A importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.pptA importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.ppt
A importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.pptNgelaNascimento11
 
ACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptx
ACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptxACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptx
ACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptxNgelaNascimento11
 
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptxLeite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptxNgelaNascimento11
 

Mais de NgelaNascimento11 (16)

HEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEM
HEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEMHEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEM
HEPATITESS VIRAIS EM SAÚDE DA ENFERMAGEM
 
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptxPOLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
 
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxFISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
 
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEM
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEMACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEM
ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PAPEL DA ENFERMAGEM
 
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptxPOLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
 
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptxVigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
 
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxFISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
 
CONVULSAO.ppt
CONVULSAO.pptCONVULSAO.ppt
CONVULSAO.ppt
 
saude da criança (1).pptx
saude da criança (1).pptxsaude da criança (1).pptx
saude da criança (1).pptx
 
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptxLeite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
 
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptx
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptxAula 1 pneumonias e DPOC.pptx
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptx
 
A importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.ppt
A importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.pptA importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.ppt
A importância da nutrição para um desenvolvimento saudável.ppt
 
ACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptx
ACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptxACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptx
ACIDENTE_VASCULAR_CEREBRAL.pptx
 
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptxLeite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
Leite_materno_alimento_perfeito_para_dar_e_doar.pptx
 
ela.pptx
ela.pptxela.pptx
ela.pptx
 
Derrame-Pleural-.pptx
Derrame-Pleural-.pptxDerrame-Pleural-.pptx
Derrame-Pleural-.pptx
 

Último

MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdfMICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdfkathleenrichardanton
 
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptfernandoalvescosta3
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoPamelaMariaMoreiraFo
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999vanessa270433
 
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdfLEANDROSPANHOL1
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinajarlianezootecnista
 
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfanalucia839701
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 

Último (14)

MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdfMICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdf
 
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
 
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
 
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 

Síndrome da Angústia Respiratória Aguda (SARA

  • 1. A Síndrome da Angústia Respiratória Aguda (SARA)
  • 2. DEFINIÇÃO A Síndrome da Angústia Respiratória Aguda (SARA) caracteriza-se como um conjunto de sinais clínicos causados pela resposta inflamatória excessiva a uma lesão pulmonar aguda. Está associada ao edema nos pulmões e um quadro de hipoxemia (diminuição de oxigênio para os tecidos) persistente de grau variável, devido ao aumento da permeabilidade capilar pulmonar e sistêmica e diminuição da complacência pulmonar.
  • 3. Resultante de diversas doenças que causam acúmulo de líquidos nos pulmões e redução do oxigênio no sangue a níveis excessivamente baixos.
  • 4. A lesão do endotélio/ epitélio pulmonar e da membrana alvéolo- capilar provoca a liberação de mediadores inflamatórios celulares e humorais que atuam diretamente no desenvolvimento e agravamento da síndrome.
  • 5. A SARA classifica-se clinicamente em causas diretas e indiretas. As causas diretas envolvem a lesão no epitélio das vias respiratórias por inalação de gases tóxicos, pneumonia, aspiração de conteúdo gástrico, afogamento, laringoespasmo, lesão de isquemia- reperfusão pulmonar, choque elétrico, queimaduras e ventilação mecânica. As causas indiretas estão relacionadas a alterações sistêmicas como a sepse, a coagulação intravascular disseminada (CID), pancreatite aguda, acidentes com animais peçonhentos (cobra, escorpião, aranha, abelhas), intoxicações, lesões no sistema nervoso central (SNC), tromboembolismo, politraumatismos e outros.
  • 6. • O indivíduo sente falta de ar, normalmente com a respiração rápida e superficial, a pele pode ficar manchada ou azulada (cianose), e outros órgãos, como o coração e o cérebro, podem apresentar mau funcionamento. • Utiliza-se um sensor, colocado na ponta do dedo (oximetria de pulso), ou uma amostra de sangue de uma artéria para determinar os níveis de oxigênio no sangue, e também se faz uma radiografia torácica. • Os indivíduos são tratados em uma unidade de tratamento intensivo, pois podem precisar de ventilação mecânica. • O oxigênio é fornecido e a causa da insuficiência respiratória é tratada.
  • 7. Ela pode acontecer em pessoas que já tiveram doença pulmonar ou em pessoas com pulmões anteriormente saudáveis. Esta doença era denominada síndrome da angústia respiratória do adulto, mas também pode manifestar-se em crianças. A SARA é dividida em três categorias: leve, moderada e grave. A categoria é determinada comparando-se o nível de oxigênio no sangue com a quantidade de oxigênio que precisa ser administrada nesse nível.
  • 8. CAUSAS DE SARA Qualquer doença ou quadro clínico que lesione os pulmões pode causar SARA. Mais da metade dos indivíduos com SARA a desenvolve como consequência de uma infecção grave, generalizada (sepse) ou pneumonia. Algumas outras causas incluem
  • 9. • Aspiração (inalação) de conteúdo estomacal ácido para o interior dos pulmões • Queimaduras • Certas complicações gestacionais (como embolia do líquido amniótico, pré-eclâmpsia, infecção de tecidos no útero antes, durante ou após um aborto [ abortamento séptico] e outros) • Lesão do tórax (contusão pulmonar) • Cirurgia de derivação das artérias coronárias • Afogamento • Inflamação do pâncreas (pancreatite) • Inalação de grandes quantidades de fumaça
  • 10. • Inalação de outros gases tóxicos • Lesão pulmonar devido à inalação de altas concentrações de oxigênio • Lesões graves ou potencialmente fatais • Superdosagem de certas drogas ou medicamentos, como heroína, metadona, propoxifeno ou aspirina • Pneumonia (incluindo pela COVID-19) • Pressão arterial baixa prolongada ou grave (choque) • Embolia pulmonar • Infecção grave e generalizada (sepse) • Acidente vascular cerebral ou convulsão • Transfusões de mais de 15 unidades de sangue em um curto período de tempo
  • 11. Quando os pequenos sacos de ar (alvéolos) e os pequenos vasos de sangue (capilares) do pulmão são afetados, o sangue e os líquidos infiltram-se nos espaços entre os alvéolos e, por fim, passam para o interior destes. O colapso de muitos alvéolos (um quadro clínico denominado atelectasia) também pode ocorrer devido a uma redução de surfactante, um líquido que cobre a superfície interna dos alvéolos e ajuda a mantê-los abertos.
  • 12. O líquido nos alvéolos e o colapso de muitos alvéolos interferem no movimento do oxigênio do ar inspirado para o sangue. Portanto, o nível de oxigênio no sangue pode cair bruscamente. A saída do dióxido de carbono do sangue para o ar que é expirado fica menos afetada, e o nível de dióxido de carbono no sangue muda muito pouco. Como a insuficiência respiratória na SARA resulta principalmente de níveis baixos de oxigênio, ela é considerada uma insuficiência respiratória hipoxêmica.
  • 13. A diminuição do nível de oxigênio no sangue causada pela SARA e o vazamento para a corrente sanguínea de certas proteínas (citocinas) produzidas pelas células pulmonares lesionadas e por células brancas do sangue podem causar inflamação e complicações em outros órgãos. A falência de vários órgãos (um quadro clínico denominado falência de múltiplos órgãos) também pode ocorrer. A falência de órgãos pode começar logo depois de instalada a SARA ou dias ou semanas depois. Além disso, os indivíduos afetados pela SARA são menos resistentes a infecções pulmonares e costumam desenvolver pneumonias bacterianas.
  • 14. SINTOMAS DE SARA A SARA normalmente se desenvolve de 24 a 48 horas após lesão ou doença original, mas pode demorar 4 a 5 dias para ocorrer. A pessoa começa sentindo falta de ar, geralmente com uma respiração rápida e superficial. Utilizando um estetoscópio, o médico pode ouvir sons crepitantes ou chiados nos pulmões. A pele pode ficar manchada ou azulada (cianose), em pessoas de pele clara, e pode apresentar coloração cinza ou esbranquiçada na boca, ao redor dos olhos e sob as unhas, em pessoas de pele escura, devido aos baixos níveis de oxigênio no sangue. Outros órgãos, como o coração e o cérebro, podem funcionar mal, resultando em uma frequência cardíaca elevada, ritmos cardíacos anormais (arritmias), confusão e sonolência.
  • 15. DIAGNÓSTICO DE SARA Medição dos níveis de oxigênio no sangue Radiografia do tórax O nível de oxigênio no sangue pode ser monitorado, sem coletar uma amostra de sangue, por meio de um sensor colocado em um dedo ou no lobo de uma orelha. Este procedimento é chamado oximetria de pulso. O nível de oxigênio (juntamente com o dióxido de carbono) no sangue também pode ser medido através da análise de uma amostra de sangue colhida de uma artéria. Radiografias torácicas mostram líquido nos espaços que deveriam estar preenchidos com ar. Outros exames podem ser necessários para confirmar que a insuficiência cardíaca não é a causa do problema.
  • 16. PROGNÓSTICO DE SARA Sem o pronto tratamento, muitas pessoas com a SARA não sobrevivem. No entanto, a depender da doença subjacente, com um tratamento adequado, cerca de 60% a 75% das pessoas com SARA sobrevivem. Em geral, os indivíduos que respondem com rapidez ao tratamento restabelecem-se por completo, quase sem alterações pulmonares de longo prazo. Os indivíduos cujo tratamento envolve longos períodos no ventilador (uma máquina que ajuda o ar a entrar e sair dos pulmões) têm mais probabilidades de formar tecido cicatricial (fibrose) nos pulmões. Essa fibrose pode diminuir em poucos meses após a pessoa ser retirada da ventilação. A fibrose pulmonar, se extensa, pode afetar a função pulmonar permanentemente de forma evidente durante certas atividades diárias. A fibrose menos extensa pode prejudicar a função pulmonar somente em momentos de estresse pulmonar, como durante exercícios ou em doenças. Muitos indivíduos perdem grandes quantidades de peso e de músculo durante a doença. A reabilitação no hospital pode ajudá-los a recuperar sua força e sua independência.
  • 17. TRATAMENTO DE SARA • Tratamento da causa • Oxigenoterapia • Frequentemente, ventilação mecânica • Os indivíduos com SARA recebem tratamento em uma unidade de tratamento intensivo (UTI). • O sucesso do tratamento depende normalmente do tratamento da doença subjacente (como a pneumonia, por exemplo). Também é fornecida oxigenoterapia, o que é vital para corrigir os níveis baixos de oxigênio. • Se o oxigênio administrado por uma máscara facial ou outro dispositivo (como capacete ou cateter nasal) não conseguir corrigir os níveis baixos de oxigênio no sangue, ou se forem necessárias doses muito altas de oxigênio inalado, deve se usar ventilação mecânica. O ventilador normalmente fornece ar pressurizado rico em oxigênio utilizando um tubo inserido na traqueia através da boca.
  • 19. SÍNDROME DA ANGÚSTIA RESPIRATÓRIA AGUDA (SARA) OU SÍNDROME DO DESCONFORTO RESPIRATÓRIO AGUDO (SDRA)
  • 20. FISIOPATOLOGIA É caracterizada por inflamação difusa da membrana alvéolo- capilar por extravasamento de fluido rico em proteínas para o espaço alveolar. Envolve a membrana basal e os pneumócitos tipo I e tipo II: surfactante tensão superficial alveolar atelectasias complacência pulmonar.
  • 21. Lesão ao endotélio ativação do sistema recrutamento, de coagulação seqüestro e ativação de neutrófilos formação de radicais de trombose microvascular oxigênio recrutamento de células mesenquimais produção de procolágeno.
  • 22. Lesão ao endotélio ativação do sistema recrutamento, de coagulação seqüestro e ativação de neutrófilos formação de radicais de trombose microvascular oxigênio recrutamento de células mesenquimais produção de procolágeno. Balanço entre mediadores pró-inflamatórios (TNF–a, IL–1, IL–6 e IL–8) e antiinflamatórios (IL–10, antagonistas do receptor de IL–1 e do receptor do TNF solúvel)
  • 23. Lesão ao endotélio ativação do sistema recrutamento, de coagulação seqüestro e ativação de neutrófilos formação de radicais de trombose microvascular oxigênio recrutamento de células mesenquimais remodelamento e alveolite fibrosante produção de procolágeno.
  • 24.
  • 25. COMO VENTILAR O PACIENTE COM SARA Nas primeiras 48-72 horas o ajuste da ventilação mecânica em pacientes com SARA (todas as categorias) são recomendados modos controlados: VCV ou PCV. SARA leve, sob ventilação assistida: VC deve ser ajustado em 6 ml/kg.
  • 26. COMO VENTILAR O PACIENTE COM SARA Nas primeiras 48-72 horas o ajuste da ventilação mecânica em pacientes com SARA (todas as categorias) são recomendados modos controlados: VCV ou PCV. SARA leve, sob ventilação assistida: VC deve ser ajustado em 6 ml/kg.
  • 27. COMO VENTILAR O PACIENTE COM SARA Nas primeiras 48-72 horas o ajuste da ventilação mecânica em pacientes com SARA (todas as categorias) são recomendados modos controlados: VCV ou PCV. SARA leve, sob ventilação assistida: VC deve ser ajustado em 6 ml/kg.
  • 28. Na SARA moderada ou grave: VC deve ser ajustado entre 3-6 ml/kg • Recomendação: para se obter o peso predito (Predicted Body Weight) recomenda-se o uso das seguintes fórmulas: Homens : 50 + 0,91 x (altura em cm – 152,4) Mulheres: 45,5 + 0,91 x (altura em cm - 152,4).
  • 29. FLUIDOTERAPIA O uso da estratégia conservadora de gestão de fluido (+DVA – volume) era associada com uma melhoria significativa na oxigenação, padrão de lesão pulmonar e aumentou o número de dias livres de ventilador em comparação com a estratégia mais liberal.
  • 30. PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES Alto risco para as complicações comuns na evolução do paciente crítico, como TVP, TEP e hemorragia gastrointestinal relacionada ao stress A pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV) e infecções nosocomiais, distúrbios metabólicas, polineuropatia da doença crítica e desnutrição.
  • 31. PAV prevenção de PAV deve ser prioritária em pacientes com SARA. A detecção pode ser difícil no cenário radiográfico pulmonar infiltrados observada em pacientes com SARA. Diagnóstico de VAP e identificação do patógeno agressor muitas vezes requerem o uso de broncoscopia com LBA.
  • 32. ESTRATÉGIAS DE MELHOR OFERTA DE O2 Manobras de recrutamento Posição prona Terapia de reposição de surfactante Óxido nítrico inalado
  • 33. MANOBRAS DE RECRUTAMENTO representam uma tentativa de “abrir” as vias aéreas distais e alvéolos atelectásicos na fronteira dos alvéolos colapsados ​​inundadas. A manobra é conseguida através do aumento da PEEP a 35 a 50 centímetros H2O e mantendo esse nível de pressão durante 30 segundos.
  • 34. POSIÇÃO PRONA Utilizar na SARA moderada. Pode ser mais fisiológico e resultar na melhoria da remoção de secreção, melhor ventilação/perfusão, e melhor aeração as unidades de pulmão dorsal. Pode também diminuir a sobrecarga de VD nos casos de SARA grave.
  • 35. POSIÇÃO PRONA Utilizar na SARA moderada. Pode ser mais fisiológico e resultar na melhoria da remoção de secreção, melhor ventilação/perfusão, e melhor aeração as unidades de pulmão dorsal. Pode também diminuir a sobrecarga de VD nos casos de SARA grave.
  • 36. POSIÇÃO PRONA Utilizar na SARA moderada. Pode ser mais fisiológico e resultar na melhoria da remoção de secreção, melhor ventilação/perfusão, e melhor aeração as unidades de pulmão dorsal. Pode também diminuir a sobrecarga de VD nos casos de SARA grave.
  • 37. ESTRATÉGIAS DE MELHOR OFERTA DE O2 Manobras de recrutamento Posição prona Terapia de reposição de surfactante Ventilação parcial líquida Óxido nítrico inalado
  • 38. ESTRATÉGIAS DE MELHOR OFERTA DE O2 Manobras de recrutamento Posição prona Terapia de reposição de surfactante Óxido nítrico inalado
  • 39. ESTRATÉGIAS DE MELHOR OFERTA DE O2 Manobras de recrutamento Posição prona Terapia de reposição de surfactante Óxido nítrico inalado
  • 40. ECMO A mortalidade nos pacientes que desenvolvem SARA GRAVE pode chegar a próximo a 60%. Estes pacientes são tratados com as medidas recomendadas para o tratamento da SARA grave, mas mesmo com a otimização medidas terapêuticas, muitos necessitam de manutenção de uma oferta elevada de oxigênio e ventilação com pressões muito acima do desejável, o que promove dano pulmonar que, se não agrava a situação, interfere na recuperação pulmonar.
  • 41. A utilização de ECMO nestas situações garante a troca gasosa com oxigenação adequada enquanto o pulmão é ventilado de forma protetora, proporcionando um tempo de repouso no qual o pulmão vai recuperar-se do evento estressor.
  • 42. FASE FIBROPROLIFERATIVA Processo de lesão / reparação é caracterizada pela substituição do epitelial celular danificado As manifestações clínicas incluem febre, leucocitose, infiltrados alveolares na radiografia de tórax e mediadores inflamatórios persistentes.
  • 43. Manifestações fisiológicas incluem o agravamento da complacência pulmonar e de trocas gasosas, aumento do espaço morto, hipertensão pulmonar e perda de resposta a PEEP.
  • 44. PROGNÓSTICO As causas mais comuns de morte em pacientes com SARA persistência de SIRS e sepse. Menos de 20% dos pacientes morrem devido à incapacidade para oxigenar adequadamente ou ventilá-los. Após a recuperação da SDRA, o prognóstico parece ser razoavelmente bom. 80% dos sobreviventes de SARA ainda estavam vivos cinco anos depois
  • 45. Embora a maioria dos sobreviventes têm dificuldades de readptação na qualidade de vida da função pulmonar, a maioria retorna para próximo de seu status da função pulmonar basal dentro de 3 a 6 meses. A principal anormalidade residual em função pulmonar é um defeito pulmonar restritiva e uma redução na capacidade de difusão do CO. Estas alterações podem resultar em dessaturação no exercício em alguns pacientes ou, mais comumente, uma diminuição da distância percorrida cronometrada. Quando observado ao longo de cinco anos, a sua função pulmonar não melhorou muito após a melhoria inicial. E a maioria dos pacientes mantém limitação ao exercício em 5 anos, apesar do fato de que 65% de voltar a trabalhar.
  • 46. Sobreviventes de SDRA tem uma queda de qualidade de vida relacionada com a saúde em geral, aumento de sintomas respiratórios, insônia, depressão, ansiedade e transtorno de estresse pós-traumático. Uma redução clinicamente significativa na sua função física e aumento dos sintomas pulmonares em comparação com os sobreviventes de outras doenças críticas. Além de ter comprometimento cognitivo a longo prazo, problemas de lidar com sua deficiência, e as dificuldades de relacionamento interpessoal.