SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
Mariana Asmar Alencar
Fisioterapeuta
Especialista em Gerontologia pela SBGG
Doutora em Ciências da Reabilitação –UFMG
Presidente do Departamento de Gerontologia da SBGG- Nacional
Curso de Introdução à Geriatria e
Gerontologia
- POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS
DOS IDOSOS-
Situação atual
Marcos Legais
Desafios
Dados socio-demograficos e
epidemiologicos
Constituição Federal,
Política Nacional do Idoso,
Estatuto do Idoso
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
Novos paradigmas para uma
sociedade em acelerado
processo de envelhecimento
DADOS SOCIO-DEMOGRAFICOS E
EPIDEMIOLOGICOS
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
Situação atual
Censo 2010 do IBGE
Expectativa de vida no Brasil cresce
+ de 11 anos
 Idade média alcançada por quem nasceu no Brasil
passou de 62,52 anos para 73,76 no período entre
1980 e 2010
 449.129 habitantes no Brasil com 90 anos ou mais
Censo 2010 do IBGE
Outra modificação importante se deu no cálculo
da esperança de vida aos 60 anos:
 Em 1980, quem atingisse essa idade no País
poderia esperar viver mais 16 anos, quatro meses e
seis dias;
em 2010, essa sobrevida se alargara para 21 anos
sete meses e seis dias, mais quatro anos, oito meses
e quinze dias.
Um país caracterizado por grandes
contrastescontrastes
Envelhecimento na atualidade se manifesta como:
 Questão pública
 Deve ser focalizado positivamente para o
desenvolvimento humano
 Não deve ser visto como problema social
 Temos que nos preparar:
 Vulnerabilidades do grupo etário → devem ser
incluídas nos desenhos das políticas públicas →
impondo-se a obrigatoriedade de defesa e
proteção das pessoas idosas em condições de
fragilidade e finitude.
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
Minayo & Coimbra Jr, 2004; Felício & Pessini, 2009
Pressupostos de uma política de saúde:
1.Traduzir aspirações e interesses da
sociedade;
2.Considerar as peculiares de grupos
populacionais, gênero, territorialidade e meio
ambiente,
3. Permitir vislumbrar indicadores que
possibilitem a sua avaliação e seu impacto na
sociedade a que se destina.
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
Pressupostos de uma política de saúde para a
pessoa idosa:
1. Considerar as mudanças demográficas e
epidemiológicas → ↓ taxa de natalidade e ↑ expectativa
de vida
2. Estilo de vida, atitudes e comportamentos que
favoreçam o envelhecimento saudável e ativo
3. Considerar pessoas em processo de envelhecimento
4. Idosos em situação de vulnerabilidade e ou de
fragilidade.
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
Marcos Legais
Século XX - Constituição Federal de 1988
assegura os direitos de saúde a toda a
população brasileira:
artigo 196: “A saúde é direito de todos e dever do
Estado, garantido mediante políticas sociais e
econômicas que visem à redução do risco de doença e
de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às
ações e serviços para sua promoção, proteção e
recuperação.”
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
• CONSTITUIÇÃO FEDERAL - 1988
O direito universal e integral à saúde.
Título VIII - Cap. VII - Art. 230
A família, a sociedade e o Estado têm o dever de
amparar as pessoas idosas, assegurando sua
participação na comunidade, defendendo sua dignidade,
bem estar e garantindo-lhes o direito à vida.
§1º os programas de amparo aos idosos serão executados
preferencialmente em seus lares.
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
• CONSTITUIÇÃO FEDERAL - 1988
Artigo 229 que: “Os pais têm o dever de assistir,
criar e educar os filhos menores, e os filhos
maiores têm o dever de ajudar e amparar os
pais na velhice, carência ou enfermidade.”
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
Lei 8.080 de 19/09/1990 - implantação do SUS que “dispõe sobre as
condições para a promoção, a proteção e a recuperação da saúde, a
organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras
providências”.
Lei 8.142 de 28/12/1990, “dispõe sobre a participação da comunidade na
gestão do Sistema Único de Saúde e sobre as transferências
intergovernamentais de recursos financeiros na área de saúde”.
Além disso foram criados o Conselho Nacional de Saúde e os Conselhos
Estaduais e Municipais de Saúde, importantes instrumentos para o
ordenamento da gestão e o controle social das ações de Saúde.
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO
Lei nº 8.842/94 e Decreto nº 1.948/96
• Assegura direitos sociais à pessoa idosa, criando
condições para promover sua autonomia, integração e
participação efetiva na sociedade, reafirmando o direito à
saúde nos diversos níveis de atendimento do SUS.
• Principal agravo que pode afetar a pessoa idosa →
perda de sua capacidade funcional,
 Perda das habilidades físicas e mentais necessárias
para realização de atividades básicas e instrumentais
da vida diária.
Objetivos: permitir ganhos nos níveis de saúde,
principalmente em termos de independência funcional e
anos potenciais de vida ativa.
Instrumentos de avaliação:
Indicadores de saúde: tais como longevidade e
manutenção da capacidade funcional, tanto física quanto
mental, consequentes à redução da morbimortalidade.
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
ESTATUTO DO IDOSO
Lei 10741 – 1 de outubro de 2003
Capítulo IV –Do Direito à Saúde (art. 15/16/17/18/19 )
Art.15 - garantir o acesso universal e igualitário em conjunto articulado e
contínuo das ações e serviços, para a prevenção, promoção, proteção e
recuperação da saúde, incluindo a atenção especial às doenças que afetam
preferencialmente os idosos.
A prevenção e a manutenção da saúde do idoso serão efetivadas
por meio de:
 Cadastramento da população idosa em base territorial;
 Atendimento geriátrico e gerontológico em ambulatórios;
 Unidades geriátricas de referência, com profissionais
especializados nas áreas de geriatria e gerontologia;
 Atendimento domiciliar;
 Reabilitação orientada pela geriatria e gerontologia, para
redução de sequelas decorrentes de agravos à saúde;
Art.48. Parágrafo único: Estatuto regulamenta que as
entidades governamentais e não governamentais de
assistência ao idoso ficam sujeitas à inscrição de seus
programas, junto ao órgão competente da Vigilância Sanitária e
Conselho Municipal da Pessoa Idosa, e em sua falta, junto ao
Conselho Estadual ou Nacional da Pessoa Idosa, especificando
os regimes de atendimento.
ILPI’s tem suas normas de funcionamento regidas pela
Portaria n° 73, de 10 de maio de 2001, do Ministério da
Previdência e Assistência Social.
Fiscalização - Vigilância Sanitária, Resolução de Diretoria
Colegiada, RDC 283, de 27 de janeiro de 2005 - regulamento
técnico para o funcionamento das ILPI’s.
ESTATUTO DO IDOSO –
Lei 10741 – 1 de outubro de 2003
OBJETIVO
Garantir atenção adequada e digna para a
população idosa brasileira, em consonância com os
princípios e diretrizes do SUS; direciona medidas
individuais e coletivas em todos os níveis de atenção
à saúde.
POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DA PESSOA IDOSA
Port. 2528/GM de 19 de outubro de 2006
POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DA PESSOA
IDOSA
Objetivo:
Atuar em dois grandes eixos, tendo como paradigma a
capacidade funcional da pessoa idosa.
Idosos
Independentes
Idosos
Independentes
Idosos em situação
de Vulnerabilidade
Linha de Cuidado ao Idoso
Ações:
Atenção Domiciliária
Reabilitação
Prevenção secundária
Ações:
Promoção
Prevenção
Reabilitação Preventiva
Atenção Básica
Suporte Social
INTERSETORIALIDADE
INDEPENDENTE
FRÁGIL
Promoção do envelhecimento ativo e saudável.
 Atenção integral e integrada à saúde da pessoa idosa.
 Estímulo às ações intersetoriais, visando à integralidade
da atenção.
 Implantação de serviços de atenção domiciliar.
 Acolhimento preferencial em unidades de saúde,
respeitando o critério de risco.
 Provimento de recursos capazes de assegurar
qualidade da atenção à saúde da pessoa idosa.
DIRETRIZES DA POLÍTICA NACIONAL DE
SAÚDE DA PESSOA IDOSA
 Formação e educação permanente dos profissionais de
saúde do SUS na área de saúde da pessoa idosa.
 Fortalecimento da participação social.
 Divulgação e informação sobre a Política Nacional de
Saúde da Pessoa Idosa para profissionais de saúde,
gestores e usuários do SUS.
 Promoção de cooperação nacional e internacional das
experiências na atenção à saúde da pessoa idosa.
 Apoio ao desenvolvimento de estudos e pesquisas
DIRETRIZES DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DA
PESSOA IDOSA
As leis são aplicadas????
DESAFIOS
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
DESAFIOS
 ↑ número de idosos muito idosos
 Feminilização do envelhecimento
 Idosos com baixa escolaridade
 Elevada morbidade física e mental
 Residente na comunidade, mora só ou com o cônjuge, ou vive junto
com outros familiares e agregados
 Visitas frequentes aos serviços de saúde e com problemas
recorrentes
 POLÍTICAS PÚBLICAS COM BAIXA EFETIVIDADE.
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSAACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA
Qualificação Geriátrica – Gerontológica dos profissionais que
atuam junto a população idosa.
Idosos apresentam peculiaridades no envelhecimento nas quais os
profissionais de saúde tem tido pouco
Os profissionais de saúde deverão:
 Entender → questões do processo de envelhecimento e
suas especificidades
Reconhecer → necessidade do trabalho em redes
intersetoriais e interdisciplinares integradas e
complementares
 Facilitar → acesso dos idosos aos diversos níveis de
complexidade
Identificar → rede de apoio familiar, social e institucional
ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSAACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA
Idosos visitam frequentemente serviços de saúde
 Equipes de saúde multiprofissionais → preparadas e
capazes de passar aos idosos o treinamento adequado,
com vista ao autocuidado;
 Cuidado familiar, formal e informal, que pode ser
dispensado na própria comunidade e em especial no
domicílio
 Orientações para cuidadores de idosos dependentes.
ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSAACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA
WHO, ICF, 2003
O que fazer?
SERVIÇOS DE ATENÇÃO À PESSOA IDOSASERVIÇOS DE ATENÇÃO À PESSOA IDOSA
REQUEREM:
 Organização da porta de entrada – ACOLHIMENTO;
 Humanização do Atendimento;
 Utilização da referência e contra-referência
REGULAÇÃO (inclusive intersetorial integrada);
 Equipe multiprofissional e interdisciplinar com
conhecimentos em geriatria e gerontologia.
PROMOÇÃO DE SAÚDE DA PESSOA IDOSAPROMOÇÃO DE SAÚDE DA PESSOA IDOSA
Promoção da saúde em favor do envelhecimento
bem-sucedido requer:
Ampliação e a renovação → modelos de atenção-cuidado-
prevenção-reabilitação
Diretrizes das ações coletivas → incluindo as alternativas
que permitam a participação popular desde suas
formulações visando à defesa dos direitos sociais e da
cidadania em favor do “viver melhor”, traduzida como qualidade
de vida
Lima-Costa & Veras 2003
DESAFIO DA DECISÃO POLÍTICA:
Adotar decisões sequenciais e interrelacionadas aos
processos de formulação → demandas e necessidades.
Processo de formulação de políticas envolve →
integralidade da atenção.
Políticos e técnicos capazes de ouvir e interpretar as
necessidades da população → encontrando caminhos
estratégicos alternativos que considerem a eficiência e a
eficácia nas políticas públicas;
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS
IDOSOS
DESAFIO DA DECISÃO POLÍTICA:
OMS (re)direciona suas estratégias para o
desenvolvimento de programas e práticas:
Velhice não é doença→ considerar o envelhecimento parte do ciclo vital;
Promover a saúde a longo prazo→ atenção no envelhecimento
saudável;
Observar as influências culturais → contexto importante para a
saúde e bem-estar;
Reconhecer as diferenças entre os sexos → no que se refere à
saúde e ao modo de vida;
Adotar enfoques solidários comunitários → a grande maioria dos
idosos vive na comunidade;
Fortalecer os vínculos intergeracionais
Kalache & Kickbusch, 1997
COORDENAÇÃO NACIONAL DOS CENTROS DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA À SAÚDE DO IDOSO 2005
É possível implementar
políticas públicas de
assistência à saúde do
idoso?
SIM
 OMS → diretrizes para um envelhecimento ativo
→ visa a programação e efetivação de ações
individuais, comunitárias e sociais direcionadas
para um viver mais e melhor com independência
global e participação social.
CONCEITO DE ENVELHECIMENTO ATIVO
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE, 2005
 OMS → divulgou através de material didático as normativas
para se alcançar uma sociedade mais adequada a dar o
suporte devido, através de políticas públicas e educação
daqueles que envelhecem.
 Ao instalar essa política a OMS esperava que as sociedades
do mundo todo, assim como os próprios idosos se
preparassem e fizessem valer suas orientações para o
envelhecimento ativo.
CONCEITO DE ENVELHECIMENTO ATIVO
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE, 2005
participação saúde
segurança
ENVELHECIMENTO ATIVOENVELHECIMENTO ATIVO
WHOWHO
Promoção do envelhecimento ativo com inclusão
social
“Mais importante que
acrescentar anos a vida, é
acrescentar vida aos anos”.
Marcelo Salgado
Obrigada!
masmaralencar@yahoo.com.brmclauborg@hotmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 Ps e Envelhecimento
Aula 1 Ps e EnvelhecimentoAula 1 Ps e Envelhecimento
Aula 1 Ps e Envelhecimento
gerontopedia
 
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhosDesenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Jessica Monteiro
 

Mais procurados (20)

"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico""Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
 
Idoso
IdosoIdoso
Idoso
 
Aula 1 Ps e Envelhecimento
Aula 1 Ps e EnvelhecimentoAula 1 Ps e Envelhecimento
Aula 1 Ps e Envelhecimento
 
Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso
 
Lei 8080.90
Lei 8080.90Lei 8080.90
Lei 8080.90
 
A Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária BrasileiraA Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária Brasileira
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
 
Atenção à saúde do idoso aspectos conceituais
Atenção à saúde do idoso aspectos conceituaisAtenção à saúde do idoso aspectos conceituais
Atenção à saúde do idoso aspectos conceituais
 
Slides sus
Slides susSlides sus
Slides sus
 
Saúde do Idoso
Saúde do IdosoSaúde do Idoso
Saúde do Idoso
 
A atenção primária nas Redes de Atenção à Saúde
A atenção primária nas Redes de Atenção à SaúdeA atenção primária nas Redes de Atenção à Saúde
A atenção primária nas Redes de Atenção à Saúde
 
Promoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idosoPromoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idoso
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
 
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
 
2. sistema único de saúde (SUS)
2. sistema único de saúde (SUS)2. sistema único de saúde (SUS)
2. sistema único de saúde (SUS)
 
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhosDesenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
 
SAÚDE DO IDOSO
SAÚDE DO IDOSOSAÚDE DO IDOSO
SAÚDE DO IDOSO
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 

Semelhante a Politicas públicas e Direitos dos Idosos

Guia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitos
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e DireitosGuia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitos
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitos
ivone guedes borges
 
Aula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdf
Aula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdfAula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdf
Aula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdf
UNEMAT
 
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.pptHISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
ssuser1b1803
 
Slides sus [salvo automaticamente]
Slides sus [salvo automaticamente]Slides sus [salvo automaticamente]
Slides sus [salvo automaticamente]
Fisioterapeuta
 

Semelhante a Politicas públicas e Direitos dos Idosos (20)

POLÍTICAS NACIONAL DE SAÚDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS NACIONAL DE SAÚDE DO IDOSO.pptxPOLÍTICAS NACIONAL DE SAÚDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS NACIONAL DE SAÚDE DO IDOSO.pptx
 
POLÍTICA NACIONAL DA SAÚDE DO IDOSO CERTO.pptx
POLÍTICA NACIONAL DA SAÚDE DO IDOSO CERTO.pptxPOLÍTICA NACIONAL DA SAÚDE DO IDOSO CERTO.pptx
POLÍTICA NACIONAL DA SAÚDE DO IDOSO CERTO.pptx
 
Sus
SusSus
Sus
 
Apostila de sus do professor juremir abrunhosa
Apostila de sus do professor  juremir abrunhosaApostila de sus do professor  juremir abrunhosa
Apostila de sus do professor juremir abrunhosa
 
Ética profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEs
Ética profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEsÉtica profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEs
Ética profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEs
 
Sus pas-2013
Sus pas-2013Sus pas-2013
Sus pas-2013
 
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitos
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e DireitosGuia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitos
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitos
 
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptxSaúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
 
Aula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdf
Aula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdfAula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdf
Aula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdf
 
Aula sobreo Sistema Único de Saúde slides_SUS.pptx
Aula sobreo Sistema Único de Saúde slides_SUS.pptxAula sobreo Sistema Único de Saúde slides_SUS.pptx
Aula sobreo Sistema Único de Saúde slides_SUS.pptx
 
SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBA
SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBASISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBA
SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBA
 
Apresentação ILPI - Maria Francisca (1).pptx
Apresentação ILPI - Maria Francisca (1).pptxApresentação ILPI - Maria Francisca (1).pptx
Apresentação ILPI - Maria Francisca (1).pptx
 
AULA 2 - POLÍTICAS PUBLICAS.pptx
AULA 2 - POLÍTICAS PUBLICAS.pptxAULA 2 - POLÍTICAS PUBLICAS.pptx
AULA 2 - POLÍTICAS PUBLICAS.pptx
 
Slides sus
Slides sus   Slides sus
Slides sus
 
GÊNERO E SAÚDE AULA.ppt
GÊNERO E SAÚDE AULA.pptGÊNERO E SAÚDE AULA.ppt
GÊNERO E SAÚDE AULA.ppt
 
SUS - Dos Aspectos Históricos à Rrealidade
SUS - Dos Aspectos Históricos à RrealidadeSUS - Dos Aspectos Históricos à Rrealidade
SUS - Dos Aspectos Históricos à Rrealidade
 
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.pptHISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
 
Slides sus [salvo automaticamente]
Slides sus [salvo automaticamente]Slides sus [salvo automaticamente]
Slides sus [salvo automaticamente]
 
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptxPOLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
 
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptxPOLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
 

Mais de Dany Romeira

Mais de Dany Romeira (10)

Todos Contra a Dengue: Ourinhos (SP)
Todos Contra a Dengue: Ourinhos (SP)Todos Contra a Dengue: Ourinhos (SP)
Todos Contra a Dengue: Ourinhos (SP)
 
Desconstrução do Mito da Adolescência
Desconstrução do Mito da AdolescênciaDesconstrução do Mito da Adolescência
Desconstrução do Mito da Adolescência
 
Prevenção também se ensina
Prevenção também se ensinaPrevenção também se ensina
Prevenção também se ensina
 
Pediatria: Otite
Pediatria: OtitePediatria: Otite
Pediatria: Otite
 
IVAS- Infecção das Vias Aéreas Superiores
IVAS- Infecção das Vias Aéreas SuperioresIVAS- Infecção das Vias Aéreas Superiores
IVAS- Infecção das Vias Aéreas Superiores
 
Infecção Urinária - Pediatria
Infecção Urinária - PediatriaInfecção Urinária - Pediatria
Infecção Urinária - Pediatria
 
Reabilitação do Idoso
Reabilitação do IdosoReabilitação do Idoso
Reabilitação do Idoso
 
Gigantes da Geriatria
Gigantes da GeriatriaGigantes da Geriatria
Gigantes da Geriatria
 
Delirium, depressão e demência sbgg (para curso)
Delirium, depressão e demência   sbgg (para curso)Delirium, depressão e demência   sbgg (para curso)
Delirium, depressão e demência sbgg (para curso)
 
Entre perdas e ganhos
Entre perdas e ganhosEntre perdas e ganhos
Entre perdas e ganhos
 

Último

relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (8)

Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 

Politicas públicas e Direitos dos Idosos

  • 1. Mariana Asmar Alencar Fisioterapeuta Especialista em Gerontologia pela SBGG Doutora em Ciências da Reabilitação –UFMG Presidente do Departamento de Gerontologia da SBGG- Nacional Curso de Introdução à Geriatria e Gerontologia - POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS-
  • 2. Situação atual Marcos Legais Desafios Dados socio-demograficos e epidemiologicos Constituição Federal, Política Nacional do Idoso, Estatuto do Idoso POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS Novos paradigmas para uma sociedade em acelerado processo de envelhecimento
  • 3. DADOS SOCIO-DEMOGRAFICOS E EPIDEMIOLOGICOS POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS Situação atual
  • 4. Censo 2010 do IBGE Expectativa de vida no Brasil cresce + de 11 anos  Idade média alcançada por quem nasceu no Brasil passou de 62,52 anos para 73,76 no período entre 1980 e 2010  449.129 habitantes no Brasil com 90 anos ou mais
  • 5. Censo 2010 do IBGE Outra modificação importante se deu no cálculo da esperança de vida aos 60 anos:  Em 1980, quem atingisse essa idade no País poderia esperar viver mais 16 anos, quatro meses e seis dias; em 2010, essa sobrevida se alargara para 21 anos sete meses e seis dias, mais quatro anos, oito meses e quinze dias.
  • 6.
  • 7.
  • 8. Um país caracterizado por grandes contrastescontrastes
  • 9. Envelhecimento na atualidade se manifesta como:  Questão pública  Deve ser focalizado positivamente para o desenvolvimento humano  Não deve ser visto como problema social  Temos que nos preparar:  Vulnerabilidades do grupo etário → devem ser incluídas nos desenhos das políticas públicas → impondo-se a obrigatoriedade de defesa e proteção das pessoas idosas em condições de fragilidade e finitude. POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS Minayo & Coimbra Jr, 2004; Felício & Pessini, 2009
  • 10. Pressupostos de uma política de saúde: 1.Traduzir aspirações e interesses da sociedade; 2.Considerar as peculiares de grupos populacionais, gênero, territorialidade e meio ambiente, 3. Permitir vislumbrar indicadores que possibilitem a sua avaliação e seu impacto na sociedade a que se destina. POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS
  • 11. Pressupostos de uma política de saúde para a pessoa idosa: 1. Considerar as mudanças demográficas e epidemiológicas → ↓ taxa de natalidade e ↑ expectativa de vida 2. Estilo de vida, atitudes e comportamentos que favoreçam o envelhecimento saudável e ativo 3. Considerar pessoas em processo de envelhecimento 4. Idosos em situação de vulnerabilidade e ou de fragilidade. POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS
  • 12. POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS Marcos Legais
  • 13. Século XX - Constituição Federal de 1988 assegura os direitos de saúde a toda a população brasileira: artigo 196: “A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.” POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS
  • 14. • CONSTITUIÇÃO FEDERAL - 1988 O direito universal e integral à saúde. Título VIII - Cap. VII - Art. 230 A família, a sociedade e o Estado têm o dever de amparar as pessoas idosas, assegurando sua participação na comunidade, defendendo sua dignidade, bem estar e garantindo-lhes o direito à vida. §1º os programas de amparo aos idosos serão executados preferencialmente em seus lares. POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS
  • 15. • CONSTITUIÇÃO FEDERAL - 1988 Artigo 229 que: “Os pais têm o dever de assistir, criar e educar os filhos menores, e os filhos maiores têm o dever de ajudar e amparar os pais na velhice, carência ou enfermidade.” POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS
  • 16. Lei 8.080 de 19/09/1990 - implantação do SUS que “dispõe sobre as condições para a promoção, a proteção e a recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências”. Lei 8.142 de 28/12/1990, “dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área de saúde”. Além disso foram criados o Conselho Nacional de Saúde e os Conselhos Estaduais e Municipais de Saúde, importantes instrumentos para o ordenamento da gestão e o controle social das ações de Saúde. POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS
  • 17. POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO Lei nº 8.842/94 e Decreto nº 1.948/96 • Assegura direitos sociais à pessoa idosa, criando condições para promover sua autonomia, integração e participação efetiva na sociedade, reafirmando o direito à saúde nos diversos níveis de atendimento do SUS. • Principal agravo que pode afetar a pessoa idosa → perda de sua capacidade funcional,  Perda das habilidades físicas e mentais necessárias para realização de atividades básicas e instrumentais da vida diária.
  • 18. Objetivos: permitir ganhos nos níveis de saúde, principalmente em termos de independência funcional e anos potenciais de vida ativa. Instrumentos de avaliação: Indicadores de saúde: tais como longevidade e manutenção da capacidade funcional, tanto física quanto mental, consequentes à redução da morbimortalidade. POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS
  • 19. ESTATUTO DO IDOSO Lei 10741 – 1 de outubro de 2003 Capítulo IV –Do Direito à Saúde (art. 15/16/17/18/19 ) Art.15 - garantir o acesso universal e igualitário em conjunto articulado e contínuo das ações e serviços, para a prevenção, promoção, proteção e recuperação da saúde, incluindo a atenção especial às doenças que afetam preferencialmente os idosos. A prevenção e a manutenção da saúde do idoso serão efetivadas por meio de:  Cadastramento da população idosa em base territorial;  Atendimento geriátrico e gerontológico em ambulatórios;  Unidades geriátricas de referência, com profissionais especializados nas áreas de geriatria e gerontologia;  Atendimento domiciliar;  Reabilitação orientada pela geriatria e gerontologia, para redução de sequelas decorrentes de agravos à saúde;
  • 20. Art.48. Parágrafo único: Estatuto regulamenta que as entidades governamentais e não governamentais de assistência ao idoso ficam sujeitas à inscrição de seus programas, junto ao órgão competente da Vigilância Sanitária e Conselho Municipal da Pessoa Idosa, e em sua falta, junto ao Conselho Estadual ou Nacional da Pessoa Idosa, especificando os regimes de atendimento. ILPI’s tem suas normas de funcionamento regidas pela Portaria n° 73, de 10 de maio de 2001, do Ministério da Previdência e Assistência Social. Fiscalização - Vigilância Sanitária, Resolução de Diretoria Colegiada, RDC 283, de 27 de janeiro de 2005 - regulamento técnico para o funcionamento das ILPI’s. ESTATUTO DO IDOSO – Lei 10741 – 1 de outubro de 2003
  • 21. OBJETIVO Garantir atenção adequada e digna para a população idosa brasileira, em consonância com os princípios e diretrizes do SUS; direciona medidas individuais e coletivas em todos os níveis de atenção à saúde. POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DA PESSOA IDOSA Port. 2528/GM de 19 de outubro de 2006
  • 22. POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DA PESSOA IDOSA Objetivo: Atuar em dois grandes eixos, tendo como paradigma a capacidade funcional da pessoa idosa. Idosos Independentes Idosos Independentes Idosos em situação de Vulnerabilidade
  • 23. Linha de Cuidado ao Idoso Ações: Atenção Domiciliária Reabilitação Prevenção secundária Ações: Promoção Prevenção Reabilitação Preventiva Atenção Básica Suporte Social INTERSETORIALIDADE INDEPENDENTE FRÁGIL
  • 24. Promoção do envelhecimento ativo e saudável.  Atenção integral e integrada à saúde da pessoa idosa.  Estímulo às ações intersetoriais, visando à integralidade da atenção.  Implantação de serviços de atenção domiciliar.  Acolhimento preferencial em unidades de saúde, respeitando o critério de risco.  Provimento de recursos capazes de assegurar qualidade da atenção à saúde da pessoa idosa. DIRETRIZES DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DA PESSOA IDOSA
  • 25.  Formação e educação permanente dos profissionais de saúde do SUS na área de saúde da pessoa idosa.  Fortalecimento da participação social.  Divulgação e informação sobre a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa para profissionais de saúde, gestores e usuários do SUS.  Promoção de cooperação nacional e internacional das experiências na atenção à saúde da pessoa idosa.  Apoio ao desenvolvimento de estudos e pesquisas DIRETRIZES DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DA PESSOA IDOSA
  • 26. As leis são aplicadas????
  • 27. DESAFIOS POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS
  • 28. DESAFIOS  ↑ número de idosos muito idosos  Feminilização do envelhecimento  Idosos com baixa escolaridade  Elevada morbidade física e mental  Residente na comunidade, mora só ou com o cônjuge, ou vive junto com outros familiares e agregados  Visitas frequentes aos serviços de saúde e com problemas recorrentes  POLÍTICAS PÚBLICAS COM BAIXA EFETIVIDADE. POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS
  • 29. ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSAACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA Qualificação Geriátrica – Gerontológica dos profissionais que atuam junto a população idosa. Idosos apresentam peculiaridades no envelhecimento nas quais os profissionais de saúde tem tido pouco
  • 30. Os profissionais de saúde deverão:  Entender → questões do processo de envelhecimento e suas especificidades Reconhecer → necessidade do trabalho em redes intersetoriais e interdisciplinares integradas e complementares  Facilitar → acesso dos idosos aos diversos níveis de complexidade Identificar → rede de apoio familiar, social e institucional ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSAACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA
  • 31. Idosos visitam frequentemente serviços de saúde  Equipes de saúde multiprofissionais → preparadas e capazes de passar aos idosos o treinamento adequado, com vista ao autocuidado;  Cuidado familiar, formal e informal, que pode ser dispensado na própria comunidade e em especial no domicílio  Orientações para cuidadores de idosos dependentes. ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSAACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA WHO, ICF, 2003
  • 33. SERVIÇOS DE ATENÇÃO À PESSOA IDOSASERVIÇOS DE ATENÇÃO À PESSOA IDOSA REQUEREM:  Organização da porta de entrada – ACOLHIMENTO;  Humanização do Atendimento;  Utilização da referência e contra-referência REGULAÇÃO (inclusive intersetorial integrada);  Equipe multiprofissional e interdisciplinar com conhecimentos em geriatria e gerontologia.
  • 34. PROMOÇÃO DE SAÚDE DA PESSOA IDOSAPROMOÇÃO DE SAÚDE DA PESSOA IDOSA Promoção da saúde em favor do envelhecimento bem-sucedido requer: Ampliação e a renovação → modelos de atenção-cuidado- prevenção-reabilitação Diretrizes das ações coletivas → incluindo as alternativas que permitam a participação popular desde suas formulações visando à defesa dos direitos sociais e da cidadania em favor do “viver melhor”, traduzida como qualidade de vida Lima-Costa & Veras 2003
  • 35. DESAFIO DA DECISÃO POLÍTICA: Adotar decisões sequenciais e interrelacionadas aos processos de formulação → demandas e necessidades. Processo de formulação de políticas envolve → integralidade da atenção. Políticos e técnicos capazes de ouvir e interpretar as necessidades da população → encontrando caminhos estratégicos alternativos que considerem a eficiência e a eficácia nas políticas públicas; POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS DOS IDOSOS
  • 36. DESAFIO DA DECISÃO POLÍTICA: OMS (re)direciona suas estratégias para o desenvolvimento de programas e práticas: Velhice não é doença→ considerar o envelhecimento parte do ciclo vital; Promover a saúde a longo prazo→ atenção no envelhecimento saudável; Observar as influências culturais → contexto importante para a saúde e bem-estar; Reconhecer as diferenças entre os sexos → no que se refere à saúde e ao modo de vida; Adotar enfoques solidários comunitários → a grande maioria dos idosos vive na comunidade; Fortalecer os vínculos intergeracionais Kalache & Kickbusch, 1997
  • 37. COORDENAÇÃO NACIONAL DOS CENTROS DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA À SAÚDE DO IDOSO 2005
  • 38. É possível implementar políticas públicas de assistência à saúde do idoso?
  • 39. SIM
  • 40.  OMS → diretrizes para um envelhecimento ativo → visa a programação e efetivação de ações individuais, comunitárias e sociais direcionadas para um viver mais e melhor com independência global e participação social. CONCEITO DE ENVELHECIMENTO ATIVO ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE, 2005
  • 41.  OMS → divulgou através de material didático as normativas para se alcançar uma sociedade mais adequada a dar o suporte devido, através de políticas públicas e educação daqueles que envelhecem.  Ao instalar essa política a OMS esperava que as sociedades do mundo todo, assim como os próprios idosos se preparassem e fizessem valer suas orientações para o envelhecimento ativo. CONCEITO DE ENVELHECIMENTO ATIVO ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE, 2005
  • 43. Promoção do envelhecimento ativo com inclusão social “Mais importante que acrescentar anos a vida, é acrescentar vida aos anos”. Marcelo Salgado Obrigada! masmaralencar@yahoo.com.brmclauborg@hotmail.com