SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Crises e revoluções no
século XIV

http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
O século XIV um século de dificuldades
Depois do crescimento económico dos séculos XI a XIII, o século XIV
foi um século de crise;

História 8, 2013-2014

2
Quais os fatores que contribuíram para a crise do século XIV?
A população cresceu mais do que a produção agrícola. O
desenvolvimento tecnológico agrícola estagnou. Consequências
deste facto?
Os alimentos começaram
a escassear. O preço subiu
e os mais pobres
começaram a passar
fome.

História 8, 2013-2014

3
No século XIV o clima tornou-se mais frio e chuvoso. Consequências
desse facto?

Muitas colheitas perderam-se contribuindo para a falta de cereais e
para a carestia dos produtos alimentares.

História 8, 2013-2014

4
Com a fome as pessoas estão mal alimentadas e por isso ficam
menos resistentes às doenças. Consequências?

As doenças propagam-se. Surgem as epidemias. A mais grave foi a
Peste Negra (1347-1350).
História 8, 2013-2014

5
A Peste Negra teve consequências terríveis. Calcula-se que terá
matado, em dois anos, um terço da população europeia.

História 8, 2013-2014

6
As fomes e as doenças começam a devastar o continente europeu;
Eram interpretadas pelo homem da Idade Média como um castigo
divino;
Em 1348, a Peste Negra, atingiu o Ocidente;
Veio da Ásia, trazida por marinheiros italianos (genoveses). Começa
na Itália e rapidamente se propaga a toda a Europa;
Era transmitida pelas pulgas dos ratos e fazia nascer tumefações
(bubões) negros (azulados);
Também se transmitia pelo ar, tornando o contágio fácil e rápido;
As pessoas contaminadas morriam em 2 ou 3 dias;

História 8, 2013-2014

7
Durante o século XIV desenrolaram-se várias guerras que
aumentaram a destruição e a fome.

Principais conflitos:
Guerra dos Cem Anos (1337-1453) entre a Inglaterra e a França;
Guerras Fernandinas (1369-1382) entre Portugal e Castela;
Para além de outras guerras e revoltas que assolaram a Europa.

História 8, 2013-2014

8
As consequências da crise:
Quebra demográfica, a população diminuiu;
Crise económica, muitas terras foram abandonadas e a produção
diminuiu;
Os salários subiram, existiam menos trabalhadores que exigiam
melhores salários;

História 8, 2013-2014

9
Os monarcas de diversos países tabelaram os salários para impedir
os salários de subirem.
Em Portugal Afonso V e D. Fernando tentaram fixar os salários, em
1375 é publicada a Lei das Sesmarias.
Estas leis que impedem os salários de subir, a obrigação de trabalhar
nos campos, o aumento de impostos que os monarcas e os nobres
procuraram impor aos camponeses vai provocar grande
descontentamento.

História 8, 2013-2014

10
A miséria, a fome e o desespero dos camponeses vai provocar a
revolta.
Surgem movimentos de camponeses contra os senhores feudais.
Atacaram nobres e incendiaram castelos.
A resposta da nobreza, que tem pelo seu lado a força das armas, vai
ser extremamente violenta e as revoltas vão ser “afogadas em
sangue.”

História 8, 2013-2014

11
Também em muitas cidades europeias surgem revoltas do povo
miúdo, sobretudo pequenos artesãos, contra a nobreza e a grande
burguesia.

História 8, 2013-2014

12
Portugal: a revolução de 1383
A morte do rei D. Fernando (1383, deixou como herdeira, a sua filha,
Dona Beatriz, casada com o rei de Castela;
Ficou estabelecido que a rainha, Dona Leonor Teles, seria a regente
até um filho de Dona Beatriz atingisse a maioridade;

A maior parte do povo e uma parte da nobreza consideravam que
Dona Leonor Teles representava os interesses de Castela e da
grande nobreza senhorial e por isso opunham-se a esta solução;

História 8, 2013-2014

13
Alguns nobres e burgueses conspiram e decidem matar o Conde
Andeiro, amante da rainha;
Esta conspiração foi chefiada por D. João, Mestre da Ordem de Avis
e filho ilegítimo de D. Pedro, um dos possíveis sucessores de D.
Fernando.

História 8, 2013-2014

14
Em Lisboa a arraia-miúda apoiou este golpe palaciano e
transformou-o numa revolução;
D. João foi proclamado “Regedor e Defensor do Reino”;
Seguiram-se revoltas noutras cidades portuguesas;
O problema da sucessão dividiu o país:
A grande nobreza apoiou D. Beatriz;
A pequena nobreza, o povo e a burguesia apoiaram D. João, Mestre
de Avis;

História 8, 2013-2014

15
Em 1384, Castela invadiu Portugal e cercou a cidade de Lisboa;
A peste obrigou o exército castelhano a retirar (setembro de 1384);
Portugal vence Castela na batalha de Atoleiros (abril 1384);
Destaca-se no papel de comandante D. Nuno Álvares Pereira;
Em março de 1385, reúnem-se as Cortes, em Coimbra, D. João é
aclamado rei de Portugal;
Na defesa dos direitos do Mestre de Avis destacou-se o doutor João
das Regras;

História 8, 2013-2014

16
A batalha de Aljubarrota

História 8, 2013-2014

17
Em maio de 1385, Castela invadiu novamente Portugal, em 14 de
agosto deu-se a Batalha de Aljubarrota;
Os portugueses saíram vencedores;
Estava garantida a independência. A guerra só terminou
oficialmente em 1411;
Está no poder uma nova dinastia, a dinastia de Avis;
Uma nova nobreza ocupava agora o poder, substituindo a velha
nobreza que tinha tomado o partido de Castela.

História 8, 2013-2014

18
História 8, 2013-2014

19
Bibliografia:

Apresentação construída com base no livro

Diniz, Maria Emília, Tavares, Adérito, Caldeira, Arlindo M., História 8,
Raiz Editora, 2012

História 8, 2013-2014

20

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Portugal no século xiv
Portugal no século xivPortugal no século xiv
Portugal no século xiv
borgia
 
A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1
helder33701
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Raffaella Ergün
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
cattonia
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
BarbaraSilveira9
 
Formação reino--portugal.ppt_
 Formação reino--portugal.ppt_ Formação reino--portugal.ppt_
Formação reino--portugal.ppt_
Isa Alves
 

Mais procurados (20)

Portugal no século xiv
Portugal no século xivPortugal no século xiv
Portugal no século xiv
 
A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1
 
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
 
Apresentação resumida do liberalismo em Portugal
Apresentação resumida do liberalismo em PortugalApresentação resumida do liberalismo em Portugal
Apresentação resumida do liberalismo em Portugal
 
1º Crises do Século XIV
1º  Crises do Século XIV1º  Crises do Século XIV
1º Crises do Século XIV
 
Crise sec. xiv
Crise sec. xivCrise sec. xiv
Crise sec. xiv
 
União ibérica & restauração
União ibérica & restauraçãoUnião ibérica & restauração
União ibérica & restauração
 
Conquista de ceuta
Conquista de ceutaConquista de ceuta
Conquista de ceuta
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
Marques de Pombal
Marques de Pombal Marques de Pombal
Marques de Pombal
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
 
32 despotismo pombalino
32   despotismo pombalino32   despotismo pombalino
32 despotismo pombalino
 
C3 cristãos e muçulmanos na península
C3 cristãos e muçulmanos na penínsulaC3 cristãos e muçulmanos na península
C3 cristãos e muçulmanos na península
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 
Reformas pombalinas
Reformas pombalinasReformas pombalinas
Reformas pombalinas
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
 
Formação reino--portugal.ppt_
 Formação reino--portugal.ppt_ Formação reino--portugal.ppt_
Formação reino--portugal.ppt_
 

Destaque (9)

C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xiiC2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
 
Europa crista secs_VI_a_IX
Europa crista secs_VI_a_IXEuropa crista secs_VI_a_IX
Europa crista secs_VI_a_IX
 
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XIIDesenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
 
Unidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeuUnidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeu
 
Energia Fontes E Formas De Energia
Energia   Fontes E Formas De EnergiaEnergia   Fontes E Formas De Energia
Energia Fontes E Formas De Energia
 
Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização
Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrializaçãoUnidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização
Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização
 
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕESFicha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
 
Teste de história 7ºano
Teste de história 7ºanoTeste de história 7ºano
Teste de história 7ºano
 
E2 renascimento e reforma blogue
E2 renascimento e reforma blogueE2 renascimento e reforma blogue
E2 renascimento e reforma blogue
 

Semelhante a D3 crises e revoluções no século xiv

Crises e revolução no século xiv (guardado automaticamente)
Crises e revolução no século xiv (guardado automaticamente)Crises e revolução no século xiv (guardado automaticamente)
Crises e revolução no século xiv (guardado automaticamente)
BrunoLopes8a
 
Crises e revolução no século xiv 7ºc daniela charrua e ricardo português
Crises e revolução no século xiv 7ºc daniela charrua e ricardo portuguêsCrises e revolução no século xiv 7ºc daniela charrua e ricardo português
Crises e revolução no século xiv 7ºc daniela charrua e ricardo português
ceufaias
 
Crise Seculo X I V
Crise Seculo  X I VCrise Seculo  X I V
Crise Seculo X I V
guest851aad
 
Crise Seculo Xiv
Crise Seculo XivCrise Seculo Xiv
Crise Seculo Xiv
guest851aad
 
Crise 1383 1385-
Crise 1383 1385-Crise 1383 1385-
Crise 1383 1385-
Ana Pereira
 
3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo
3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo
3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo
Kerol Brombal
 
A revolução de 1383 - 1385
A revolução de 1383 - 1385A revolução de 1383 - 1385
A revolução de 1383 - 1385
NocasBastos
 
A Crise De 1383 1385
A Crise De 1383 1385A Crise De 1383 1385
A Crise De 1383 1385
guest6ebf5d0
 
Crises e revolução no século xiv
Crises e revolução no século xivCrises e revolução no século xiv
Crises e revolução no século xiv
Certificarte Lda
 
A revolução de 1383 85
A revolução de 1383 85A revolução de 1383 85
A revolução de 1383 85
cruchinho
 
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
inessalgado
 
Baixa Idade Média: As cruzadas e a Peste Negra
Baixa Idade Média: As cruzadas e a  Peste NegraBaixa Idade Média: As cruzadas e a  Peste Negra
Baixa Idade Média: As cruzadas e a Peste Negra
Maria Aparecida Ledesma
 

Semelhante a D3 crises e revoluções no século xiv (20)

Crises e revoluções no século 14a
Crises e revoluções no século 14aCrises e revoluções no século 14a
Crises e revoluções no século 14a
 
Crises e revolução no século xiv (guardado automaticamente)
Crises e revolução no século xiv (guardado automaticamente)Crises e revolução no século xiv (guardado automaticamente)
Crises e revolução no século xiv (guardado automaticamente)
 
Crises e revolução no século xiv 7ºc daniela charrua e ricardo português
Crises e revolução no século xiv 7ºc daniela charrua e ricardo portuguêsCrises e revolução no século xiv 7ºc daniela charrua e ricardo português
Crises e revolução no século xiv 7ºc daniela charrua e ricardo português
 
As crises do século xiv
As crises do século xivAs crises do século xiv
As crises do século xiv
 
A crise de 1383
A crise de 1383A crise de 1383
A crise de 1383
 
Crise Seculo X I V
Crise Seculo  X I VCrise Seculo  X I V
Crise Seculo X I V
 
Crise Seculo Xiv
Crise Seculo XivCrise Seculo Xiv
Crise Seculo Xiv
 
Crise Seculo Xiv
Crise Seculo XivCrise Seculo Xiv
Crise Seculo Xiv
 
Crise 1383 1385-
Crise 1383 1385-Crise 1383 1385-
Crise 1383 1385-
 
3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo
3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo
3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo
 
A revolução de 1383 - 1385
A revolução de 1383 - 1385A revolução de 1383 - 1385
A revolução de 1383 - 1385
 
Crise
CriseCrise
Crise
 
A Crise De 1383 1385
A Crise De 1383 1385A Crise De 1383 1385
A Crise De 1383 1385
 
Dinis courela 5.º a
Dinis courela   5.º aDinis courela   5.º a
Dinis courela 5.º a
 
Apontamentos de história
Apontamentos de históriaApontamentos de história
Apontamentos de história
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
 
Crises e revolução no século xiv
Crises e revolução no século xivCrises e revolução no século xiv
Crises e revolução no século xiv
 
A revolução de 1383 85
A revolução de 1383 85A revolução de 1383 85
A revolução de 1383 85
 
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
 
Baixa Idade Média: As cruzadas e a Peste Negra
Baixa Idade Média: As cruzadas e a  Peste NegraBaixa Idade Média: As cruzadas e a  Peste Negra
Baixa Idade Média: As cruzadas e a Peste Negra
 

Mais de Vítor Santos

Mais de Vítor Santos (20)

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 

D3 crises e revoluções no século xiv

  • 1. Crises e revoluções no século XIV http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
  • 2. O século XIV um século de dificuldades Depois do crescimento económico dos séculos XI a XIII, o século XIV foi um século de crise; História 8, 2013-2014 2
  • 3. Quais os fatores que contribuíram para a crise do século XIV? A população cresceu mais do que a produção agrícola. O desenvolvimento tecnológico agrícola estagnou. Consequências deste facto? Os alimentos começaram a escassear. O preço subiu e os mais pobres começaram a passar fome. História 8, 2013-2014 3
  • 4. No século XIV o clima tornou-se mais frio e chuvoso. Consequências desse facto? Muitas colheitas perderam-se contribuindo para a falta de cereais e para a carestia dos produtos alimentares. História 8, 2013-2014 4
  • 5. Com a fome as pessoas estão mal alimentadas e por isso ficam menos resistentes às doenças. Consequências? As doenças propagam-se. Surgem as epidemias. A mais grave foi a Peste Negra (1347-1350). História 8, 2013-2014 5
  • 6. A Peste Negra teve consequências terríveis. Calcula-se que terá matado, em dois anos, um terço da população europeia. História 8, 2013-2014 6
  • 7. As fomes e as doenças começam a devastar o continente europeu; Eram interpretadas pelo homem da Idade Média como um castigo divino; Em 1348, a Peste Negra, atingiu o Ocidente; Veio da Ásia, trazida por marinheiros italianos (genoveses). Começa na Itália e rapidamente se propaga a toda a Europa; Era transmitida pelas pulgas dos ratos e fazia nascer tumefações (bubões) negros (azulados); Também se transmitia pelo ar, tornando o contágio fácil e rápido; As pessoas contaminadas morriam em 2 ou 3 dias; História 8, 2013-2014 7
  • 8. Durante o século XIV desenrolaram-se várias guerras que aumentaram a destruição e a fome. Principais conflitos: Guerra dos Cem Anos (1337-1453) entre a Inglaterra e a França; Guerras Fernandinas (1369-1382) entre Portugal e Castela; Para além de outras guerras e revoltas que assolaram a Europa. História 8, 2013-2014 8
  • 9. As consequências da crise: Quebra demográfica, a população diminuiu; Crise económica, muitas terras foram abandonadas e a produção diminuiu; Os salários subiram, existiam menos trabalhadores que exigiam melhores salários; História 8, 2013-2014 9
  • 10. Os monarcas de diversos países tabelaram os salários para impedir os salários de subirem. Em Portugal Afonso V e D. Fernando tentaram fixar os salários, em 1375 é publicada a Lei das Sesmarias. Estas leis que impedem os salários de subir, a obrigação de trabalhar nos campos, o aumento de impostos que os monarcas e os nobres procuraram impor aos camponeses vai provocar grande descontentamento. História 8, 2013-2014 10
  • 11. A miséria, a fome e o desespero dos camponeses vai provocar a revolta. Surgem movimentos de camponeses contra os senhores feudais. Atacaram nobres e incendiaram castelos. A resposta da nobreza, que tem pelo seu lado a força das armas, vai ser extremamente violenta e as revoltas vão ser “afogadas em sangue.” História 8, 2013-2014 11
  • 12. Também em muitas cidades europeias surgem revoltas do povo miúdo, sobretudo pequenos artesãos, contra a nobreza e a grande burguesia. História 8, 2013-2014 12
  • 13. Portugal: a revolução de 1383 A morte do rei D. Fernando (1383, deixou como herdeira, a sua filha, Dona Beatriz, casada com o rei de Castela; Ficou estabelecido que a rainha, Dona Leonor Teles, seria a regente até um filho de Dona Beatriz atingisse a maioridade; A maior parte do povo e uma parte da nobreza consideravam que Dona Leonor Teles representava os interesses de Castela e da grande nobreza senhorial e por isso opunham-se a esta solução; História 8, 2013-2014 13
  • 14. Alguns nobres e burgueses conspiram e decidem matar o Conde Andeiro, amante da rainha; Esta conspiração foi chefiada por D. João, Mestre da Ordem de Avis e filho ilegítimo de D. Pedro, um dos possíveis sucessores de D. Fernando. História 8, 2013-2014 14
  • 15. Em Lisboa a arraia-miúda apoiou este golpe palaciano e transformou-o numa revolução; D. João foi proclamado “Regedor e Defensor do Reino”; Seguiram-se revoltas noutras cidades portuguesas; O problema da sucessão dividiu o país: A grande nobreza apoiou D. Beatriz; A pequena nobreza, o povo e a burguesia apoiaram D. João, Mestre de Avis; História 8, 2013-2014 15
  • 16. Em 1384, Castela invadiu Portugal e cercou a cidade de Lisboa; A peste obrigou o exército castelhano a retirar (setembro de 1384); Portugal vence Castela na batalha de Atoleiros (abril 1384); Destaca-se no papel de comandante D. Nuno Álvares Pereira; Em março de 1385, reúnem-se as Cortes, em Coimbra, D. João é aclamado rei de Portugal; Na defesa dos direitos do Mestre de Avis destacou-se o doutor João das Regras; História 8, 2013-2014 16
  • 17. A batalha de Aljubarrota História 8, 2013-2014 17
  • 18. Em maio de 1385, Castela invadiu novamente Portugal, em 14 de agosto deu-se a Batalha de Aljubarrota; Os portugueses saíram vencedores; Estava garantida a independência. A guerra só terminou oficialmente em 1411; Está no poder uma nova dinastia, a dinastia de Avis; Uma nova nobreza ocupava agora o poder, substituindo a velha nobreza que tinha tomado o partido de Castela. História 8, 2013-2014 18
  • 20. Bibliografia: Apresentação construída com base no livro Diniz, Maria Emília, Tavares, Adérito, Caldeira, Arlindo M., História 8, Raiz Editora, 2012 História 8, 2013-2014 20