SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 55
Portugal no contexto europeu
do Séc. XII a XIV
Carlos Jorge Canto Vieira
Introdução
   Trabalho realizado em sala de aula pelos alunos do 7º ano,
    turma 8, da Escola Básica 2,3 Roque Gameiro, Amadora;

   Ano lectivo 2011/2012;

   O manual utilizado para a realização do
trabalho foi o “História 7” da Texto Editora.




                                                                 2
O DINAMISMO DO MUNDO RURAL
   ANA AFONSO, CATARINA GOMES, MAFALDA OLIVEIRA

                                                  3
Crescimento Demográfico
   A partir do século XI (fim das invasões dos
    Muçulmanos, dos Normandos e dos Húngaros) até
    ao século XIII, a europa voltou a ter paz e
    prosperidade económica.
   A população europeia foi crescendo
    progressivamente.
   Em Portugal a partir do século XIII, as regiões pouco
    habitadas receberam novos povoadores.

                                                            4
Crescimento Demográfico
   Contribuíram para este surto demográfico europeu:
       o ambiente de relativa paz;
       os aperfeiçoamentos técnicos.


   Estes fatores contribuíram para o aumento da
    natalidade e diminuição da mortalidade.




                                                        5
Ocupação de novos espaços
   Com uma população cada vez mais numerosa, foi necessário
    ocupar novos espaços, por iniciativa dos grandes senhores e
    das ordens religiosas.
   Procedeu-se ao movimento das arroteias.
   Em Portugal, destacou-se a ordem religiosa de Cister.
    Surgiram novas aldeias (vilas novas) como consequência do
    crescimento demográfico.
   A reconquista Cristã atraiu alguns guerreiros do norte da
    europa, que acabavam por ficar no nosso país.


                                                                  6
PROGRESSOS TÉCNICOS NA
AGRICULTURA E NOS TRANSPORTES
        ANA FRANCISCA, JOÃO DIAS E MELANIE CHANTRE

                                                7
Progressos técnicos
   … na agricultura:
       Aumento da produção agrícola
       Técnicas agrícolas:
           Uso frequente do ferro (utilizado para arados, charruas,
            forquilhas e enxadas).
           Cultivo do solo (afolhamento trienal – 3 anos).
           Uso da nora, moinhos de água e vento (estas técnicas
            possibilitaram o aproveitamento de forças motorizes e
            ajudaram na moagem dos cereais).




                                                                       8
Progressos técnicos
   … no transporte:
       Houve inovações nos transportes terrestres, fluviais e
        marítimos.
           Transportes terrestres:
                Coelheira (sistema de atrelagem)
                Atrelagem em fila
               Ferradura (para os cascos dos animais)
           Transportes marítimos e fluviais
                Leme á popa (permitia manobrar o barco com mais
                segurança).


                                                                   9
IMPORTÂNCIA DAS FEIRAS
 CÁTIA FORTES, MARIA SANTOS E MARIANA MELO

                                             10
As Feiras
   Importância das feiras
       A partir do séc. XI-Aumento da população
           Intensificaram-se as trocas comerciais;
           Maior uso e circulação da moeda.




                                                      11
As Feiras
   Mercados
       Realizavam-se
           Semanalmente
           Quinzenalmente
           Mensalmente




                             12
As Feiras
   Feiras
       Regionais
            Os mercadores deslocavam-se a regiões distantes.
       Internacionais
            E por vezes deslocavam-se ao estrangeiro.




                                                                13
As Feiras
   Eram criadas geralmente
     Reis;
       Senhores.




     As mais famosas -França(Champagne)
                                           Através da
        Produtos vindos -Norte da Europa   carta de feira


                        -Oriente

                                                            14
As Feiras
   Portugal
      Rei D. Dinis
        Criou   as Feiras Francas
               Os   feirantes não pagavam impostos



   Séc.XII
     Os mercados, principalmente as feiras contribuíram para a
    reanimação do comércio.

                                                              15
As Feiras
   A animação dos núcleos urbanos
      Camponeses
            Abandonaram os campos e foram viver para as cidades.

      Aparecimento     dos Burgos Novos (Burgueses).
      Burgos Novos
            Profissões: Artesãos
      Produção    de têxtil:
          Couros;
          Metais;

          Tinturaria;

          Alfaiataria;

          Ourivesaria;

      Objectivo:   Defenderem interesses comuns.                   16
As Feiras
      Séc.XIII – Crescimento das cidades
                              -Lisboa
                              -Porto
                              -Évora



        D. Dinis e D. Fernando -Construção
        de novas muralhas para os proteger
           contra as frequentes guerras.

                                             17
SENHORES, CONCELHOS E PODER RÉGIO
          MARIA GRENHO, PATRÍCIA RUIVO E TOMÁS NORONHA


                                                         18
Senhorios laicos e eclesiásticos
   Sécs. XII e XIII
       Sociedade tripartida: Clero, Nobreza e Povo
       Reconquista Cristã
           Os reis portugueses doavam terras ao clero e à nobreza, como
            recompensa pelos seus serviços, estas terras designavam-se
            domínios senhorias ou senhorios.
           Senhorios nobres e eclesiásticos localizam-se a Norte de
            Portugal
           Domínios das ordens religiosas e militares localizam-se a sul e
            centro do país.


                                                                              19
Senhorios laicos e eclesiásticos
     Os grandes senhores gozavam do direito de:
         Não pagavam impostos monetários ao rei;
         Impediam a entrada de funcionários régios nos seus
          domínios;
         Exerciam justiça sobre os seus camponeses e
          cobravam-lhes impostos;
         Os senhores do clero gozavam de leis próprias e do
          direito de asilo.



                                                               20
A organização concelhia
   Reconquista Cristã
       Os reis e senhores promoviam o povoamento através da
        carta floral.
           Carta floral- é um documento que estabelecia os pagamentos a
            efetuar e alguns direitos dos habitantes do concelho
       Conselho- Era um território com alguma autonomia
        administrativa e com várias regalias concedidas




                                                                       21
A organização concelhia
    Homens-bons
        Tinham poder suficiente para combater a cavalo e
         habitarem na vila, estes designavam-se por
         cavaleiros-vilãos.
        Os vilãos que andavam a pé designavam-se de peões(
         estes dedicavam-se á agricultura, ao comercio e
         actividades artesanais).
    O poder real era representado pelo alcaide(nos
     conselhos) e pelos juízes de fora nomeados pelo
     monarca.
                                                          22
Cavaleiro-vilão


Carta foral
                                23
O PODER RÉGIO
JOÃO LAMEIRAS, LARA ALEXANDRA E SÓNIA FIGUEIREDO

                                                   24
Os órgãos do poder
Portugal            Tornou-se reino independente


           Alargou as fronteiras ao longo dos séculos XII e
           XIII, durante a reconquista cristã.




                              Expansão da Europa entre os
                              séculos XI e XIII.         25
OS ÓRGÃOS DO PODER
             Direitos do rei



 Justiça                         Cunhagem da
suprema;                           moeda;


             Chefia dos exércitos;

Só o rei podia decidir sobre a aplicação de
   pena de morte e corte de membros.
                                               26
OS ÓRGÃOS DO PODER
  Nos primeiros tempos da monarquia, o rei governava o país e exercia
 justiça com o auxílio de um pequeno grupo de funcionários e de alguns
 concelheiros.
  Mais tarde formou-se a Cúria Régia.

Cúria Régia


          Assembleia consultiva

          Formada por: Antigos funcionários e concelheiros, família real, representantes
          de nobreza e do alto clero.

              Deu origem, a partir de meados do séc. XIII, a duas instituições: Conselho
              do Rei e Cortes.                                                         27
OS ÓRGÃOS DO PODER
                       Conselho do rei




Constituído por vários funcionários que ajudavam a governar o país.

                            Cortes




     Constituído pelo rei e pelas mais altas pessoas do poder.   28
OS ÓRGÃOS DO PODER
Cortes de Leiria

                   A partir de 1254, passaram a estar presentes, além
                   dos representantes do clero e da nobreza, os
                   homens – bons , representando o povo.




                                                                        29
FORTALECIMENTO DO PODER REAL
                 Rei




Para evitar ou punir os abusos dos nobres e
clérigos nos seus territórios e dos conselhos
nas vilas e cidades, tentava impor a todos a
sua autoridade.


                                                30
FORTALECIMENTO DO PODER REAL
  D. Afonso II, D. Afonso III, e D. Dinis, entre outros,
 ordenaram que se fizessem Confirmações.


Confirmações


               Foram acompanhadas de sucessivas inquirições.

               Tinham por objectivo conhecer as terras e os direitos do rei.

               Contribuíram assim, para um progressivo fortalecimento do
               poder real.
                                                                               31
FORTALECIMENTO DO PODER REAL
Leis de Desamortização




                         Proibiam as ordens religiosas e os
                         mosteiros     de     adquirirem mais
                         propriedades, com o objectivo de
                         reduzir o poder do clero.




    D. Dinis                                                    32
LISBOA NOS CIRCUITOS DO COMÉRCIO
                         EUROPEU
        DANILO TAVARES, PEDRO FARINHA, PEDRO VILELA

                                                      33
Comércio Europeu
   O comércio europeu permitia os contactos entre os
    países europeus e ligavam a Europa ao norte de
    África e à Ásia.
   O Mediterrâneo fazia a ligação entre o Oriente e o
    Ocidente.
   Produtos: de luxo; especiarias; perfumes; sedas;
    tapetes e porcelanas trazidas do resto da Europa.



                                                         34
Comércio Europeu
   A rota do Atlântico permitia a distribuição dos
    produtos mediterrânicos orientais pelo Norte da
    Europa.
   Por terra ligavam as rotas comerciais Itália,
    Flandres, à região de Champagne e à Alemanha.
   Principais rios europeus eram importantes vias
    comerciais.



                                                      35
Comercio externo português
   Portugal, devido à sua posição geográfica e à sua
    hegemonia naval , tem um papel importante na
    ligação dos principais pontos do comércio.
   Na Flandres, os portugueses estabelecem uma
    feitoria (Burges, Antuérpia).
   As exportações portuguesas tinham como principal
    destino o norte da Europa, Itália e norte de África.



                                                           36
Comercio externo português
   Produtos vindos da agricultura: azeite, vinho, frutos
    secos e cortiça.
   Os portugueses importavam cereais, especiarias,
    madeiras, ferro, armas e artigos de luxo.




                                                        37
A CULTURA
DAVID MATOS, GONÇALO MONTEIRO, RODRIGO NARCISO

                                                 38
A Cultura
   Dividia-se em 3 tipos:
       Cultura Monástica;
       Cultura Cortesã;
       Cultura Popular.




                             39
Cultura Monástica
   Mosteiros:
       Foram importantes para a cultura e o saber;
       Neles funcionavam escolas monásticas (preparavam os
        futuros clérigos);
       Haviam bibliotecas ou livrarias (serviam para a
        preservação e difusão da cultura);




                                                              40
Cultura Cortesã
   Cortes dos reis e dos grandes senhores
       Participavam em festas e assistiam a espetáculos jograis
        onde recitavam poemas dos trovadores (poesia
        trovadoresca), que incluía:
           Cantigas de amor;
           Cantigas de amigos;
           Cantigas de escárnio de maldizer;




                                                                   41
Cultura Popular
   O povo apesar de analfabeto manifestava cultura
    própria influenciada pelas vivências do quotidiano.
       Pregações religiosas;
       Tradições;
       Contos;
       Lendas.




                                                          42
RELIGIÃO
MARIANA FARINHA, RICARDO PAIXÃO, TOMÁS BENTO

                                               43
Religião
   Influência da igreja na economia/ sociedade
       dispunha de uma grande riqueza
       aumento dos membros do clero a viver rodeados de luxo




                                                            44
Religião
   Princípios do cristianismo
       Ordem de Cister e Cluny
         defendiam o desprezo aos bens
           terrenos, acabaram por se
           tornarem muito ricos e
           poderosos
         Novas práticas
              defendiam a difusão de um ideal
               de humildade, simplicidade e
               pureza


                                                 45
Religião
   Novas ordens religiosas
       Ordem dos Franciscanos
         Fundada por S. Francisco de Assis (1209)

       Ordem dos Dominicanos
         Fundada pelo nobre castelhano Domingos de
           Gusmão (1215)




                                                      46
Religião
   Novos hábitos
       Não viviam nos mosteiros rurais
       Escolhiam cidades
           locais de mais população e com
            mais altos contrastes sociais (para
            aí desenvolverem a sua pregação)
       Proibiam os seus membros de
        possuírem quaisquer bens,
        vivendo da caridade pública
           conhecidos por Frades
            Mendicantes
                                                  47
ARTE ROMÂNICA
LUÍS LOPES, PATRÍCIA FONSECA, SABINA NETO

                                            48
Arte Românica
   A arquitetura:
       Edifícios Românicos:
           Volumosos
           Sólidos
           Ameias
           Poucas Aberturas




                               49
Arte Românica
   As Igrejas
       Templos de Deus;
       Local de Reunião;
       Local de Convívio;
       Local de abrigo e refúgio;




                                     50
Arte Românica
   Catedrais e Igrejas Românicas
       Características:
          Planta em cruz latina;
          Três naves
          Um corredor
          Altar-mor/deambulatório;
          Pequenas capelas radiantes
          Arco de volta perfeita e Abóbada
        de berço
          Aberturas estreitas
                                              51
Arte Românica
   Arco de volta perfeita e Abóbada de berço
       Origem: Romana;
       Forma semicircular/abóbada de berço (pedra ou madeira);
       colunas robustas
       paredes de madeira
       contrafortes (exteriores)
   Aberturas estreitas:
       Local por onde a luminosidade é infiltrada;
       Pouco iluminado;
       Local destinado à oração e meditação
                                                                  52
Arte Românica
   Escultura e Pintura
       Ligadas à arquitetura
       Papel:
           História Bíblica;
           Contado em imagens;
           Facilmente compreendida pelos Cristãos (maior parte
            analfabetos).




                                                                  53
Arte Românica
   Escultura e Pintura
       Escultura
           Figuras esculpidas nos:
             Capitéis;
             Pórticos




                                      54
Arte Românica
   Pintura
     aplicada sobre cal ou argamassa húmida;
       aplicada nas:
            Abóbadas
            Paredes




                                                55

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiiiO desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiii
Ana Barreiros
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
Susana Simões
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
cattonia
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
Susana Simões
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
eb23ja
 
Resumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseResumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo Ateniense
Lojinha da Flor
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
Descobrimentos Portugueses
Descobrimentos PortuguesesDescobrimentos Portugueses
Descobrimentos Portugueses
João Fernandes
 

Mais procurados (20)

A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 
O desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiiiO desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiii
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
 
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIVConcelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crençaA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
 
Resumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseResumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo Ateniense
 
02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
Descobrimentos Portugueses
Descobrimentos PortuguesesDescobrimentos Portugueses
Descobrimentos Portugueses
 
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
 

Semelhante a Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV

Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográficoPortugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Ana Pereira
 
Importância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoImportância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºano
BeatrizMarques25
 
Portugal no século xiii ambiente natural e os grupos sociais - muito completo
Portugal no século xiii   ambiente natural e os grupos sociais - muito completoPortugal no século xiii   ambiente natural e os grupos sociais - muito completo
Portugal no século xiii ambiente natural e os grupos sociais - muito completo
capell18
 
7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva
7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva
7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva
Edna Calderaro
 
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCOABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
osemprefixe
 
Quotidiano na idade média
Quotidiano na idade médiaQuotidiano na idade média
Quotidiano na idade média
Anabela Sobral
 
Em comércio e navegações
Em comércio e navegaçõesEm comércio e navegações
Em comércio e navegações
Kerol Brombal
 
A sociedade europeia
A sociedade europeiaA sociedade europeia
A sociedade europeia
NTTL98
 
As actividades dos habitantes dos concelhos século XIII
As actividades dos habitantes dos concelhos   século XIIIAs actividades dos habitantes dos concelhos   século XIII
As actividades dos habitantes dos concelhos século XIII
silvagaiodcsh
 
Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo
inessalgado
 
Mudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismoMudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismo
Carla Cristina
 

Semelhante a Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV (20)

Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográficoPortugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
 
Importância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoImportância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºano
 
Portugal no século xiii ambiente natural e os grupos sociais - muito completo
Portugal no século xiii   ambiente natural e os grupos sociais - muito completoPortugal no século xiii   ambiente natural e os grupos sociais - muito completo
Portugal no século xiii ambiente natural e os grupos sociais - muito completo
 
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º anoH8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
 
Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1
 
7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva
7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva
7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva
 
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCOABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
 
O Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptxO Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptx
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Aula 2 hist em
Aula 2   hist emAula 2   hist em
Aula 2 hist em
 
1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna
 
Concelhos 1
Concelhos 1Concelhos 1
Concelhos 1
 
Quotidiano na idade média
Quotidiano na idade médiaQuotidiano na idade média
Quotidiano na idade média
 
Em comércio e navegações
Em comércio e navegaçõesEm comércio e navegações
Em comércio e navegações
 
A sociedade europeia
A sociedade europeiaA sociedade europeia
A sociedade europeia
 
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
 
A vida nas cidades medievais pág
A vida nas cidades medievais págA vida nas cidades medievais pág
A vida nas cidades medievais pág
 
As actividades dos habitantes dos concelhos século XIII
As actividades dos habitantes dos concelhos   século XIIIAs actividades dos habitantes dos concelhos   século XIII
As actividades dos habitantes dos concelhos século XIII
 
Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo
 
Mudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismoMudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismo
 

Mais de Carlos Vieira

Mais de Carlos Vieira (20)

Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
O Patriota
O PatriotaO Patriota
O Patriota
 
As sufragistas
As sufragistasAs sufragistas
As sufragistas
 
Madame bovary
Madame bovaryMadame bovary
Madame bovary
 
Cavalo de guerra
Cavalo de guerraCavalo de guerra
Cavalo de guerra
 
Danton
DantonDanton
Danton
 
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
 
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococó
 
Cultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacional
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococo
 
Cultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococo
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
 
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
 
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura Barroca
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura Barroca
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
 
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
 
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 

Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV

  • 1. Portugal no contexto europeu do Séc. XII a XIV Carlos Jorge Canto Vieira
  • 2. Introdução  Trabalho realizado em sala de aula pelos alunos do 7º ano, turma 8, da Escola Básica 2,3 Roque Gameiro, Amadora;  Ano lectivo 2011/2012;  O manual utilizado para a realização do trabalho foi o “História 7” da Texto Editora. 2
  • 3. O DINAMISMO DO MUNDO RURAL ANA AFONSO, CATARINA GOMES, MAFALDA OLIVEIRA 3
  • 4. Crescimento Demográfico  A partir do século XI (fim das invasões dos Muçulmanos, dos Normandos e dos Húngaros) até ao século XIII, a europa voltou a ter paz e prosperidade económica.  A população europeia foi crescendo progressivamente.  Em Portugal a partir do século XIII, as regiões pouco habitadas receberam novos povoadores. 4
  • 5. Crescimento Demográfico  Contribuíram para este surto demográfico europeu:  o ambiente de relativa paz;  os aperfeiçoamentos técnicos.  Estes fatores contribuíram para o aumento da natalidade e diminuição da mortalidade. 5
  • 6. Ocupação de novos espaços  Com uma população cada vez mais numerosa, foi necessário ocupar novos espaços, por iniciativa dos grandes senhores e das ordens religiosas.  Procedeu-se ao movimento das arroteias.  Em Portugal, destacou-se a ordem religiosa de Cister. Surgiram novas aldeias (vilas novas) como consequência do crescimento demográfico.  A reconquista Cristã atraiu alguns guerreiros do norte da europa, que acabavam por ficar no nosso país. 6
  • 7. PROGRESSOS TÉCNICOS NA AGRICULTURA E NOS TRANSPORTES ANA FRANCISCA, JOÃO DIAS E MELANIE CHANTRE 7
  • 8. Progressos técnicos  … na agricultura:  Aumento da produção agrícola  Técnicas agrícolas:  Uso frequente do ferro (utilizado para arados, charruas, forquilhas e enxadas).  Cultivo do solo (afolhamento trienal – 3 anos).  Uso da nora, moinhos de água e vento (estas técnicas possibilitaram o aproveitamento de forças motorizes e ajudaram na moagem dos cereais). 8
  • 9. Progressos técnicos  … no transporte:  Houve inovações nos transportes terrestres, fluviais e marítimos.  Transportes terrestres:  Coelheira (sistema de atrelagem)  Atrelagem em fila  Ferradura (para os cascos dos animais)  Transportes marítimos e fluviais  Leme á popa (permitia manobrar o barco com mais segurança). 9
  • 10. IMPORTÂNCIA DAS FEIRAS CÁTIA FORTES, MARIA SANTOS E MARIANA MELO 10
  • 11. As Feiras  Importância das feiras  A partir do séc. XI-Aumento da população  Intensificaram-se as trocas comerciais;  Maior uso e circulação da moeda. 11
  • 12. As Feiras  Mercados  Realizavam-se  Semanalmente  Quinzenalmente  Mensalmente 12
  • 13. As Feiras  Feiras  Regionais  Os mercadores deslocavam-se a regiões distantes.  Internacionais  E por vezes deslocavam-se ao estrangeiro. 13
  • 14. As Feiras  Eram criadas geralmente  Reis;  Senhores. As mais famosas -França(Champagne) Através da Produtos vindos -Norte da Europa carta de feira -Oriente 14
  • 15. As Feiras  Portugal  Rei D. Dinis Criou as Feiras Francas  Os feirantes não pagavam impostos  Séc.XII  Os mercados, principalmente as feiras contribuíram para a reanimação do comércio. 15
  • 16. As Feiras  A animação dos núcleos urbanos  Camponeses  Abandonaram os campos e foram viver para as cidades.  Aparecimento dos Burgos Novos (Burgueses).  Burgos Novos  Profissões: Artesãos  Produção de têxtil:  Couros;  Metais;  Tinturaria;  Alfaiataria;  Ourivesaria;  Objectivo: Defenderem interesses comuns. 16
  • 17. As Feiras Séc.XIII – Crescimento das cidades -Lisboa -Porto -Évora D. Dinis e D. Fernando -Construção de novas muralhas para os proteger contra as frequentes guerras. 17
  • 18. SENHORES, CONCELHOS E PODER RÉGIO MARIA GRENHO, PATRÍCIA RUIVO E TOMÁS NORONHA 18
  • 19. Senhorios laicos e eclesiásticos  Sécs. XII e XIII  Sociedade tripartida: Clero, Nobreza e Povo  Reconquista Cristã  Os reis portugueses doavam terras ao clero e à nobreza, como recompensa pelos seus serviços, estas terras designavam-se domínios senhorias ou senhorios.  Senhorios nobres e eclesiásticos localizam-se a Norte de Portugal  Domínios das ordens religiosas e militares localizam-se a sul e centro do país. 19
  • 20. Senhorios laicos e eclesiásticos  Os grandes senhores gozavam do direito de:  Não pagavam impostos monetários ao rei;  Impediam a entrada de funcionários régios nos seus domínios;  Exerciam justiça sobre os seus camponeses e cobravam-lhes impostos;  Os senhores do clero gozavam de leis próprias e do direito de asilo. 20
  • 21. A organização concelhia  Reconquista Cristã  Os reis e senhores promoviam o povoamento através da carta floral.  Carta floral- é um documento que estabelecia os pagamentos a efetuar e alguns direitos dos habitantes do concelho  Conselho- Era um território com alguma autonomia administrativa e com várias regalias concedidas 21
  • 22. A organização concelhia  Homens-bons  Tinham poder suficiente para combater a cavalo e habitarem na vila, estes designavam-se por cavaleiros-vilãos.  Os vilãos que andavam a pé designavam-se de peões( estes dedicavam-se á agricultura, ao comercio e actividades artesanais).  O poder real era representado pelo alcaide(nos conselhos) e pelos juízes de fora nomeados pelo monarca. 22
  • 24. O PODER RÉGIO JOÃO LAMEIRAS, LARA ALEXANDRA E SÓNIA FIGUEIREDO 24
  • 25. Os órgãos do poder Portugal Tornou-se reino independente Alargou as fronteiras ao longo dos séculos XII e XIII, durante a reconquista cristã. Expansão da Europa entre os séculos XI e XIII. 25
  • 26. OS ÓRGÃOS DO PODER Direitos do rei Justiça Cunhagem da suprema; moeda; Chefia dos exércitos; Só o rei podia decidir sobre a aplicação de pena de morte e corte de membros. 26
  • 27. OS ÓRGÃOS DO PODER  Nos primeiros tempos da monarquia, o rei governava o país e exercia justiça com o auxílio de um pequeno grupo de funcionários e de alguns concelheiros.  Mais tarde formou-se a Cúria Régia. Cúria Régia Assembleia consultiva Formada por: Antigos funcionários e concelheiros, família real, representantes de nobreza e do alto clero. Deu origem, a partir de meados do séc. XIII, a duas instituições: Conselho do Rei e Cortes. 27
  • 28. OS ÓRGÃOS DO PODER Conselho do rei Constituído por vários funcionários que ajudavam a governar o país. Cortes Constituído pelo rei e pelas mais altas pessoas do poder. 28
  • 29. OS ÓRGÃOS DO PODER Cortes de Leiria A partir de 1254, passaram a estar presentes, além dos representantes do clero e da nobreza, os homens – bons , representando o povo. 29
  • 30. FORTALECIMENTO DO PODER REAL Rei Para evitar ou punir os abusos dos nobres e clérigos nos seus territórios e dos conselhos nas vilas e cidades, tentava impor a todos a sua autoridade. 30
  • 31. FORTALECIMENTO DO PODER REAL  D. Afonso II, D. Afonso III, e D. Dinis, entre outros, ordenaram que se fizessem Confirmações. Confirmações Foram acompanhadas de sucessivas inquirições. Tinham por objectivo conhecer as terras e os direitos do rei. Contribuíram assim, para um progressivo fortalecimento do poder real. 31
  • 32. FORTALECIMENTO DO PODER REAL Leis de Desamortização Proibiam as ordens religiosas e os mosteiros de adquirirem mais propriedades, com o objectivo de reduzir o poder do clero. D. Dinis 32
  • 33. LISBOA NOS CIRCUITOS DO COMÉRCIO EUROPEU DANILO TAVARES, PEDRO FARINHA, PEDRO VILELA 33
  • 34. Comércio Europeu  O comércio europeu permitia os contactos entre os países europeus e ligavam a Europa ao norte de África e à Ásia.  O Mediterrâneo fazia a ligação entre o Oriente e o Ocidente.  Produtos: de luxo; especiarias; perfumes; sedas; tapetes e porcelanas trazidas do resto da Europa. 34
  • 35. Comércio Europeu  A rota do Atlântico permitia a distribuição dos produtos mediterrânicos orientais pelo Norte da Europa.  Por terra ligavam as rotas comerciais Itália, Flandres, à região de Champagne e à Alemanha.  Principais rios europeus eram importantes vias comerciais. 35
  • 36. Comercio externo português  Portugal, devido à sua posição geográfica e à sua hegemonia naval , tem um papel importante na ligação dos principais pontos do comércio.  Na Flandres, os portugueses estabelecem uma feitoria (Burges, Antuérpia).  As exportações portuguesas tinham como principal destino o norte da Europa, Itália e norte de África. 36
  • 37. Comercio externo português  Produtos vindos da agricultura: azeite, vinho, frutos secos e cortiça.  Os portugueses importavam cereais, especiarias, madeiras, ferro, armas e artigos de luxo. 37
  • 38. A CULTURA DAVID MATOS, GONÇALO MONTEIRO, RODRIGO NARCISO 38
  • 39. A Cultura  Dividia-se em 3 tipos:  Cultura Monástica;  Cultura Cortesã;  Cultura Popular. 39
  • 40. Cultura Monástica  Mosteiros:  Foram importantes para a cultura e o saber;  Neles funcionavam escolas monásticas (preparavam os futuros clérigos);  Haviam bibliotecas ou livrarias (serviam para a preservação e difusão da cultura); 40
  • 41. Cultura Cortesã  Cortes dos reis e dos grandes senhores  Participavam em festas e assistiam a espetáculos jograis onde recitavam poemas dos trovadores (poesia trovadoresca), que incluía:  Cantigas de amor;  Cantigas de amigos;  Cantigas de escárnio de maldizer; 41
  • 42. Cultura Popular  O povo apesar de analfabeto manifestava cultura própria influenciada pelas vivências do quotidiano.  Pregações religiosas;  Tradições;  Contos;  Lendas. 42
  • 43. RELIGIÃO MARIANA FARINHA, RICARDO PAIXÃO, TOMÁS BENTO 43
  • 44. Religião  Influência da igreja na economia/ sociedade  dispunha de uma grande riqueza  aumento dos membros do clero a viver rodeados de luxo 44
  • 45. Religião  Princípios do cristianismo  Ordem de Cister e Cluny  defendiam o desprezo aos bens terrenos, acabaram por se tornarem muito ricos e poderosos  Novas práticas  defendiam a difusão de um ideal de humildade, simplicidade e pureza 45
  • 46. Religião  Novas ordens religiosas  Ordem dos Franciscanos  Fundada por S. Francisco de Assis (1209)  Ordem dos Dominicanos  Fundada pelo nobre castelhano Domingos de Gusmão (1215) 46
  • 47. Religião  Novos hábitos  Não viviam nos mosteiros rurais  Escolhiam cidades  locais de mais população e com mais altos contrastes sociais (para aí desenvolverem a sua pregação)  Proibiam os seus membros de possuírem quaisquer bens, vivendo da caridade pública  conhecidos por Frades Mendicantes 47
  • 48. ARTE ROMÂNICA LUÍS LOPES, PATRÍCIA FONSECA, SABINA NETO 48
  • 49. Arte Românica  A arquitetura:  Edifícios Românicos:  Volumosos  Sólidos  Ameias  Poucas Aberturas 49
  • 50. Arte Românica  As Igrejas  Templos de Deus;  Local de Reunião;  Local de Convívio;  Local de abrigo e refúgio; 50
  • 51. Arte Românica  Catedrais e Igrejas Românicas  Características:  Planta em cruz latina;  Três naves  Um corredor  Altar-mor/deambulatório;  Pequenas capelas radiantes  Arco de volta perfeita e Abóbada de berço  Aberturas estreitas 51
  • 52. Arte Românica  Arco de volta perfeita e Abóbada de berço  Origem: Romana;  Forma semicircular/abóbada de berço (pedra ou madeira);  colunas robustas  paredes de madeira  contrafortes (exteriores)  Aberturas estreitas:  Local por onde a luminosidade é infiltrada;  Pouco iluminado;  Local destinado à oração e meditação 52
  • 53. Arte Românica  Escultura e Pintura  Ligadas à arquitetura  Papel:  História Bíblica;  Contado em imagens;  Facilmente compreendida pelos Cristãos (maior parte analfabetos). 53
  • 54. Arte Românica  Escultura e Pintura  Escultura  Figuras esculpidas nos:  Capitéis;  Pórticos 54
  • 55. Arte Românica  Pintura  aplicada sobre cal ou argamassa húmida;  aplicada nas:  Abóbadas  Paredes 55