SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 111
Como conquistar a Acreditação ONA
 Cenário da saúde;
 O que é Acreditação?;
 O que a Acreditação agrega?;
 Vantagens da Acreditação;
 SBA – Sistema Brasileiro de Acreditação;
 ONA – Organização Nacional de Acreditação;
 Metodologia SBA – ONA;
 Passo a passo para conquistar a Acreditação ONA;
 Selo de Qualificação ONA.
Agenda da aula
Cenário saúde no Brasil
Fonte: Boletim Informativo do PROADESS, no 4, fev./2019.
Nota-se uma tendência de redução no número de estabelecimentos e de leitos - cerca de 3,7% e de 8,4%
respectivamente.
Evolução do número de Hospitais públicos e privados no país:
Cenário saúde no Brasil
Fonte: Boletim Informativo do PROADESS, no 4, fev./2019 e AMIB.
Recomendações da OMS e do Ministério da Saúde:
• Relação ideal de leitos de UTI: 1 a 3 leitos para cada 10 mil habitantes.
• O Brasil apresenta uma proporção de 2,2 leitos para cada 10 mil habitantes.
• De forma consolidada, é satisfatório. Mas quando a análise é mais detalhada, segmentando os dados
entre sistema público e privado, por exemplo, o SUS tem média de 1,4 leitos para cada 10 mil
habitantes, contra 4,9 da rede privada.
Cenário saúde no Brasil
Fonte: Boletim Informativo do PROADESS, no 4, fev./2019.
Evolução do número de Hospitais disponíveis ao SUS:
Estabelecimentos hospitalares (públicos ou privados conveniados ao SUS), correspondem a 78% do total de
Hospitais no país.
Fonte: https://portal.fiocruz.br/noticia/relatorio-aponta-reducao-no-numero-de-leitos-no-brasil.
Cenário saúde no Brasil
Cenário saúde no Brasil
Fonte: Federação Brasileira de Hospitais – FBH (período até 2018).
Quantidade de hospitais PÚBLICOS por região:
Quantidade de hospitais PRIVADOS por região:
Fonte: www.portal.cfm.org.br, acessado em julho de 2019
Cenário saúde no Brasil
Cenário saúde no Brasil
Fonte: CNES 2019.
• Cerca de 5.819 Hospitais e 342.087 Serviços de Saúde cadastrados no MS;
• Aproximadamente 432.208 leitos hospitalares, sendo 296.267 SUS (68,5%) e 135.941 “Não SUS” (31,5%);
• Grande número de Hospitais mas que não conseguem atender a demanda;
• Médicos e Hospitais mal distribuídos reforçam desigualdades no país.
COVID-19
Cenário crítico e desesperador...
Próximos ou diante de uma catástrofe...
Fonte: https://portal.fiocruz.br/sites/portal.fiocruz.br/files/documentos/boletim_extraordinario_2021-marco-16-red-red-red.pdf
Pandemia COVID-19
Porque a nossa capacidade de resposta, como as ações
desenvolvidas pelos serviços e sistemas de saúde, se
apresenta em uma situação extremamente crítica ou
mesmo em colapso, como se vê em quase todo país, sendo
incapaz de atender às necessidades de todos os pacientes
graves e levando os trabalhadores da saúde a situações de
exaustão.
Cenário CRÍTICO no Brasil
Momento atual:
• 24 estados e o Distrito Federal, entre as 27 unidades federativas, com taxas iguais ou superiores
a 80%, sendo 15 com taxas iguais ou superiores a 90%;
• Em relação às capitais, 25 das 27 estão com taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 para
adultos iguais ou superiores a 80%, sendo 19 delas superiores a 90%.
Fonte: https://portal.fiocruz.br/sites/portal.fiocruz.br/files/documentos/boletim_extraordinario_2021-marco-16-red-red-red.pdf
Fonte: https://portal.fiocruz.br/sites/portal.fiocruz.br/files/documentos/boletim_extraordinario_2021-marco-16-red-red-red.pdf
Média de 71.000
casos diários.
Fonte: https://portal.fiocruz.br/sites/portal.fiocruz.br/files/documentos/boletim_extraordinario_2021-marco-16-red-red-red.pdf
Média de 1.800
mortes por dia
Fonte: https://portal.fiocruz.br/sites/portal.fiocruz.br/files/documentos/boletim_extraordinario_2021-marco-16-red-red-red.pdf
Fonte: https://portal.fiocruz.br/sites/portal.fiocruz.br/files/documentos/boletim_extraordinario_2021-marco-16-red-red-red.pdf
• A ONA, em conjunto com vários profissionais de saúde, sociedade e associações, estruturou um grupo
onde todas as informações fidedignas sobre o COVID-19 estarão disponíveis nesta página para facilitar o
acesso e consulta;
• O propósito deste grupo é ter informações técnicas e de acesso rápido para facilitar a busca e consulta
para os profissionais de saúde.
#informacaoCOVID19
Página no Facebook – Acesso rápido às informações COVID-19
https://www.facebook.com/groups/522401318464109
Qual é a estimativa de óbitos hospitalares por eventos
adversos nos EUA para o ano de 2019?
De acordo com a Patient Safety Movement:
Mais de 200.000 pessoas
morrem todo ano por eventos
adversos nos Hospitais
americanos.
Dados de 2019.
4,8 milhões de pessoas morrem
no mundo por causas
preveníveis.
Fonte: cdc.gov
Qual é a estimativa de óbitos hospitalares por eventos
adversos no BRASIL para o ano de 2017?
Fonte: II Anuário da Segurança Assistencial Hospitalar no Brasil 2018.
Estimativa nacional do ano de 2017:
+ =
347.824 pessoas
morreram por E.A
no ano de 2017 no
Brasil.
Qual é a estimativa de CUSTOS Hospitalares dos eventos
adversos no BRASIL?
Fonte: ANS 2017.
Cenário das Organizações de Saúde
As lideranças não tem claramente estabelecidas e/ou
identificadas sua missão (negócio) e/ou não conhecem
de forma estruturada seu perfil assistencial
Falta ou inexistência de coordenação, integração e
alinhamento entre as lideranças executivas
(corporativa) e lideranças médias ou intermediárias
Por consequência, entre departamentos e serviços
Inexistência de estrutura, um sistema ou profissionais
capacitados e dedicados a gerenciar qualidade e
segurança
Inexistência ou insuficiência de
instrumentos/ferramentas utilizadas como referenciais
para a prática institucional
Incapacidade de instituir e desenvolver comunicação
institucional efetiva
Falta de conhecimento e utilização, pelo corpo
profissional, de uma linguagem relacionada com
qualidade e segurança
Cenário das Organizações de Saúde
Inexistência de lideranças médicas definidas e
exercidas na prática
Falta de conhecimento e correta aplicação da legislação
e regulamentos aplicáveis aos serviços/processos da
instituição
Não atendimento aos requerimentos mínimos (técnicos
e legais) relacionados com as edificações e sistemas de
infraestrutura
Cenário das Organizações de Saúde
Qual o caminho seguir, diante deste cenário?
É preciso focar na QUALIDADE e na intensificação de ações voltadas para a
SEGURANÇA DO PACIENTE.
Aprimorar qualidade de processos, criar uma mudança de cultura e consequentemente
aumentar cada vez mais a segurança do paciente.
O que é Acreditação
O que é Acreditação?
Um modelo de gestão que busca, através da melhoria contínua dos processos, a excelência gerencial
e assistencial.
 Não é fiscalizatório;
 Avaliação voluntária;
 Periódico;
 Qualidade da assistência;
 Não determina método / como fazer;
 Determina o que fazer.
26
Quando a Organização opta por iniciar um processo de acreditação, eles
fazem uma escolha:
A acreditação está longe de representar apenas um certificado de
qualificação, constitui-se em um mecanismo de alinhamento dos mais
variados serviços, unidades e setores, através de padrões previamente
estabelecidos, que organizam e potencializam o desenvolvimento e a
execução das atividades, com a consequente melhoria do desempenho
gerencial e assistencial das Organizações de saúde.
É importante lembrar...
Sinergia
Principais vantagens do processo
Identificação de
deficiências e ações de
melhoria;
Qualidade da
assistência;
Mecanismos de
medição dos
processos;
Redução de riscos
assistenciais e
administrativos;
Segurança para o
paciente/acompanhante
e profissionais;
Gestão por
prioridade;
Capacitação e educação
permanente dos
profissionais;
Fortalecimento do
trabalho na equipe
multidisciplinar;
Melhoria contínua
de processos;
Redução de
custos;
31
Quem ganha com o programa de qualidade?
 A Instituição;
 Os colaboradores;
 Os clientes internos;
 Os clientes externos;
 Fornecedores;
 Prestadores de serviços;
 Terceirizados e principalmente;
 O paciente.
Desafio: Manter o sistema
Aplicar o
método no
dia-a-dia
Fazer análise crítica,
medições e auditorias
internas
Investigar as causas
dos problemas
(reais e potenciais)
Propor ações
corretivas e
preventivas de
melhorias
Acompanhar
tomada de
ações
Verificar
resultados das
ações
Manter a
documentação
aderente
Treinar
pessoal
* Pela metodologia ONA – março, 2021
Hospitais
5.819
Serviços de
Saúde
342.087
*Organizações
Acreditadas
898
Proporção Acreditação no Brasil
Apenas 0,26% das
Organizações de
saúde são
Acreditadas no
Brasil.
Como eu faço para chegar lá?
 Planejando e levantando quais são os objetivos da Organização com a obtenção do
programa de qualidade;
 Alinhamento do Planejamento estratégico da Instituição com programa de
Qualidade.
Preparação
 O processo de preparação de uma Organização de Saúde para a obtenção de uma certificação de
qualidade depende da maturidade de cada instituição.
Quem são os envolvidos?
 TODA Organização, à começar pela Alta administração...
 Gestores e Líderes;
 Colaboradores administrativos próprios e terceiros;
 Equipe multiprofissional assistencial.
Perfil do Escritório de Qualidade
 Multiprofissional;
 Integrado a Alta Direção;
 Participação em decisões estratégicas;
 Autonomia para tomada de decisão;
 Pautado em um plano de segurança do paciente;
 Imparcialidade;
 Interface com outras áreas estratégicas e com as Comissões.
Quais são as estratégias?
 Defina com precisão quais serão as estratégias;
 Para cada estratégia defina um tempo e responsável;
 Com periodicidade, verifique se as estratégias estão acontecendo conforme o definido e se os
responsáveis estão com alguma dificuldade.
DEFINA SEU OBJETIVO!
INICIO E IMPLEMENTAÇÃO
CRIE UM PROJETO, INCLUINDO:
- O QUE SERÁ FEITO?
- ONDE SERÁ FEITO?
- QUANDO SERÁ FEITO?
- POR QUEM SERÁ FEITO?
- COMO SERÁ FEITO?
EXECUTE O PROJETO,
fazendo adaptações
sempre que necessário...
MONITORE SEUS
RESULTADOS... E
COMEMORE!
CAPACITE PESSOAS para
que elas te ajudem na
disseminação desta nova
cultura.
E NÃO ESQUEÇAM DE UTILIZAR
O MOTOR DA MELHORIA
CONTÍNUA...
Principais dificuldades e equívocos encontrados
Deficiência estrutural
• Recursos físicos;
• Humanos;
• Materiais;
• Tecnológicos;
• Financeiros;
• Organizacionais;
• Segurança.
Atitudes profissionais
• Equipe Multiprofissional;
• Proprietários, Diretores e
Gestores das Organizações;
• Operadoras de Plano de
Saúde;
Maturidade
Organizacional
• Motivos pelos quais o
sucesso organizacional é
alcançado.
*
Metodologia SBA
FUNDAMENTOS DE GESTÃO
DIMENSÕES
DA
QUALIDADE
Estrutura Processo Resultado
Padrões
e
Requisitos
Padrões
e
Requisitos
Padrões
e
Requisitos
Fundamentos de Gestão em Saúde:
Certificações ISQua
Entidade não governamental e sem fins lucrativos que certifica a qualidade de serviços de
saúde no Brasil, com foco na segurança do paciente.
 A metodologia foi reconhecida pela ISQua em 2014;
 E a ONA foi reconhecida pela ISQua em 2016.
 O Programa de Treinamento de Avaliadores foi
reconhecido em 2020.
ISQua (International Society for Quality in Health Care)
ONA – Organização Nacional de Acreditação
Missão
Aprimorar a gestão, qualidade e
segurança da assistência no Setor Saúde,
por meio do Sistema Brasileiro de
Acreditação.
Visão
Tornar a Acreditação ONA reconhecida
pela sociedade brasileira como sinônimo
de segurança, qualidade e credibilidade
no Setor Saúde.
ONA – Organização Nacional de Acreditação
Valores
• Transparência em suas ações
• Respeito individual e coletivo
• Confidencialidade
• Aperfeiçoamento contínuo
• Desenvolvimento participativo
• Credibilidade
• Sustentabilidade como fator de
crescimento
O Sistema Brasileiro de Acreditação (SBA)
SBA
Entidades
Fundadoras
e
Associadas
IAC´s
ONA
Avaliadores
Organizações
de saúde
Profissionais
de saúde
São entidades de direito privado credenciadas pela ONA para desenvolverem
o processo de avaliação nas OPSS (Organizações Prestadoras de Serviços de
Saúde).
Instituições acreditadoras credenciadas – IAC:
Entidades fundadoras:
Entidades associadas:
Entidades fundadoras e associadas:
Linha do Tempo ONA
Linha do Tempo ONA
Dados ONA
Mais de 90% das instituições
certificadas no país adotam os
padrões ONA;
Em torno de 900 Organizações
acreditadas pela ONA, sendo
destas mais de 340 hospitais;
Crescimento médio de 15% de
instituições certificadas ao ano;
Mais de 2.500 certificações
homologadas ao ano;
Mais de 39.000 profissionais
capacitados.
Mais de 330 avaliadores ativos e
300 em preparação;
Dados atualizados em março de 2021
Manuais do SBA-ONA
Fonte: ONA
Manual para Organizações Prestadoras de Serviços de Saúde – OPSS -
versão 2018 - 2022
• Hospital / Hospital-dia;
• Ambulatório;
• Laboratório;
• Diagnóstico por Imagem, Radioterapia e Medicina Nuclear;
• Hemoterapia;
• Nefrologia e Terapia Renal Substitutiva – crônica/aguda;
• Oncologia;
• Pronto Atendimento;
• Atenção Domiciliar – Internação/Assistência;
• Medicina Hiperbárica.
Níveis de Acreditação para OPSS e Serviços Odontológicos
Nível 1 - Segurança
Nível 2 – Gestão
Integrada
Nível 3 – Excelência e
Maturidade
Metodologia ONA – Manual OPSS
Seção1
Liderança
Subseções de
Gestão
Organizacional
Padrões de Segurança:
Estabelece política documentada de gestão da qualidade, gestão de riscos e
segurança do paciente
Promove ações de melhoria voltadas para a cultura de segurança do paciente
Seção 2
Atenção ao
Paciente
Subseções
Assistenciais
Padrões de Segurança:
Estabelece protocolos de segurança com critérios para identificação do paciente,
cirurgia segura, prevenção de queda e lesão por pressão, comunicação,
higienização das mãos e segurança nos medicamentos
Seção 3
Diagnóstica e
Terapêutica
Subseções de Apoio
ao Diagnóstico
Padrões de Segurança:
Cumpre com as diretrizes dos protocolos de segurança do paciente
Seção 4
Gestão do
Apoio
Subseções de
Gestão do Apoio
Padrões de Segurança:
Cumpre as diretrizes de notificação de incidentes e eventos adversos
Gerencia a demanda dos serviços, promovendo ações de melhoria
Seções, Subseções e Padrões - OPSS
Seções e Subseções
Seções e Subseções
Seções e Subseções
Seções e Subseções
Manual para Serviços Odontológicos
Nível 1 - Segurança
Nível 2 – Gestão
Integrada
Nível 3 – Excelência e
Maturidade
Metodologia ONA – Manual Serviços Odontológicos
Seção 1
Gestão e liderança
Seção 2
Atenção ao
paciente
Seção 3
Diagnóstico
Seção 4
Apoio técnico
Seção 5
Abastecimento e
apoio logístico
Seção 6
Infraestrutura
Manual do Selo de Qualificação – versão 2020 - 2024
• Serviço de Dietoterapia para a Saúde;
• Serviço de Engenharia Clínica para a Saúde;
• Serviço de Higienização para a Saúde;
• Serviço de Manipulação e Atenção Farmacêutica para a Saúde;
• Serviço de Nutrição de Produção e Clínica para a Saúde;
• Serviço de Processamento de Produtos para a Saúde;
• Serviço de Processamento de Roupa para a Saúde.
Metodologia ONA – Manual Selo de Qualificação – versão 2020 -2024
Seção 1
Diretriz
Organizacional
Seção 2
Gestão
Organizacional
Seção 3
Gestão de Apoio
Seção 4
Gestão da
Operação
Planejamento
Execução
Gerenciamento
Processo de Avaliação
ONA – Organização Nacional de Acreditação
Decisão da
acreditação
Escolha de uma
IAC
Verificação de
Elegibilidade
Diagnóstico
Organizacional
Avaliação para
acreditação
Manutenção da
acreditação
Recertificação /
UPGRADE
Decisão de Acreditação
O processo de acreditação é pautado por três princípios fundamentais:
 É voluntário, feito por escolha da Organização de saúde;
 É periódico, com visitas realizadas de acordo com os prazos do nível de Certificação;
 É reservado, as informações coletadas em cada Organização de saúde no processo de
avaliação não são divulgadas.
Decisão da
acreditação
 A Organização de saúde escolhe uma Instituição Acreditadora Credenciada (IAC);
Escolha da IAC
 As IACs são instituições de direito privado, com ou sem fins econômicos, credenciadas pela
ONA, responsáveis por realizar as avaliações e as acreditações das organizações, de acordo com
os procedimentos e metodologia definidos nas Normas Orientadoras e pelo Manual Brasileiro
de Acreditação (ONA).
Decisão da
acreditação
Escolha de
uma IAC
Verificação da elegibilidade
 O Processo de verificação de elegibilidade da Organização é responsabilidade da IAC, antes de todo
processo de avaliação ser realizado;
 Deve seguir as Normas Orientadoras e Manual de Acreditação ONA.
Decisão da
acreditação
Escolha de
uma IAC
Verificação
de
elegibilidade
Verificação da elegibilidade - OPSS
Norma Orientadora nº 04 – Processo de Acreditação, Portal ONA, Biblioteca, Normas Orientadoras
Verificação da elegibilidade – Serviços Odontológicos
Norma Orientadora nº 04 – Processo de Acreditação, Portal ONA, Biblioteca, Normas Orientadoras
Verificação da elegibilidade – Selo de Qualificação
Norma Orientadora nº 04 – Processo de Acreditação, Portal ONA, Biblioteca, Normas Orientadoras
• Enquadrar-se no conceito de Serviço para a Saúde, conforme consta a elegibilidade no Manual dos Serviços para a
Saúde Selo de Qualificação ONA versão 2020 – 2024, e de acordo com os critérios abaixo:
• Estar legalmente constituído há pelo menos 1 (um) ano;
• Possuir CNPJ distinto de qualquer Organização Prestadora de Serviços de Saúde (OPSS) e/ou Serviço Odontológico;
• Possuir alvará de funcionamento;
• Possuir licença sanitária;
• Possuir licenças pertinentes à natureza das atividades;
• Possuir registro do responsável técnico conforme o perfil do Serviço para a Saúde;
• Possuir estrutura e processamento do produto totalmente independente da organização ou serviço cliente;
• Dispor de prazo superior a 1 (um) ano no caso do processo de avaliação realizado resultar na não certificação, a
contar da data de homologação pela ONA;
• Dispor de prazo superior a 1 (um) ano, em caso de cancelamento da certificação vigente, a contar da data de
homologação do cancelamento pela ONA.
Verificação da elegibilidade
Manual de Acreditação para Organizações Prestadoras dos Serviços de Saúde
Verificação da elegibilidade
Manual de Acreditação para Organizações Prestadoras dos Serviços de Saúde
Verificação da elegibilidade
Manual dos Serviços para a Saúde – Selo de Qualificação
Diagnóstico Organizacional (DO)
 É uma atividade de avaliação das organizações realizada com base na metodologia ONA e no
Manual Brasileiro de Acreditação específico, mas sem fins de certificação;
 Sua realização não é obrigatória, mas permite identificar processos não controlados e áreas que
apresentam não conformidade com os padrões e requisitos definidos pela ONA, além de apontar
os pontos fortes e onde é possível promover melhorias, através de um relatório elaborado pela IAC.
Decisão da
acreditação
Escolha de
uma IAC
Verificação
de
Elegibilidade
Diagnóstico
Organizacion
al
Diagnóstico Organizacional (DO)
Relatório de Visita ONA
Avaliação para acreditação
 O resultado da avaliação para acreditação está baseado no atendimento do percentual dos requisitos por
subseção.
Decisão da
acreditação
Escolha de
uma IAC
Verificação de
Elegibilidade
Diagnóstico
Organizaciona
l
Avaliação
para
acreditação
Avaliação para acreditação
Inscrição na ONA
Agendamento da visita
Taxa de avaliação
Planejamento da visita
Preparação da organização
Reunião de abertura
Realização da visita
Reunião dos avaliadores
Reunião de encerramento
Resultado da Avaliação para acreditação
Resultado da Avaliação para acreditação - OPSS
Resultado da Avaliação para acreditação
Resultado da Avaliação para acreditação
Resultado da Avaliação para acreditação – Selo de Qualificação
• Quando evidenciada uma ou mais não conformidade sistêmica, mesmo que dentro do percentual mínimo de
pontuação, a avaliação resultará em Não Acreditado ou Nova Avaliação.
• Para uma Organização ser considerada acreditada no Selo de Qualificação ONA, cada padrão deve atingir
minimamente 85% dos requisitos atendidos.
Resultado da Avaliação para acreditação – Manual Selo
OPSS
Selo
Relatório de avaliação
 O resultado da avaliação para acreditação está baseado no atendimento do percentual dos requisitos por
subseção.
Decisão da
acreditação
Escolha de
uma IAC
Verificação de
Elegibilidade
Diagnóstico
Organizacional
Avaliação para
acreditação
Organização
Acreditada
Etapas do Relatório de Avaliação
TOTAL DE 35 DIAS PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO
CONTANDO DO ÚLTIMO DIA DA VISITA
Princípio: Segurança:
 As exigências deste nível contemplam o atendimento aos requisitos de segurança e qualidade na assistência
prestada ao cliente;
 O resultado de Acreditado é válido por 02 anos, com duas manutenções no período da validade da certificação.
Acreditado
Acreditado Pleno
Princípio: Gestão Integrada:
 As exigências deste nível contemplam evidencias de interação entre os processos, bem como o acompanhamento
e avaliação de resultados.
 O resultado de Acreditado é válido por 02 anos, com duas manutenções no período da validade da certificação.
Acreditado com Excelência
Princípio: Excelência em Gestão:
 As exigências deste nível contemplam evidências de uma gestão em excelência, buscando melhores resultados, a
sustentabilidade e a responsabilidade socioambiental, promovendo ciclos de melhoria.
 O resultado de Acreditado com Excelência é válido por 03 anos, com duas manutenções no período de validade do
certificado.
Acreditação Selo de Qualificação ONA
• Acreditada:
Para uma organização ser considerada acreditada no Selo de Qualificação ONA, cada padrão deve atingir
minimamente 85% dos requisitos atendidos.
• Não acreditada.
O Selo de Qualificação ONA é válido por 2 (dois) anos, com a realização de uma manutenção ordinária remota, após um
ano, a contar da data de homologação da ONA.
Manutenção da Acreditação
Visita de Manutenção Ordinária:
 Organização Acreditada Nível I e II - duas avaliações s a cada 8 meses a contar da data de homologação;
 Organização Acreditada Nível III - duas avaliações anuais a contar da data de homologação;
 Organização Qualificada – Selo – uma avaliação remota de manutenção anual;
Visita de Manutenção Extraordinária:
 Mudança da alta administração;
 Ocorrência de incidente ou eventos (pode deliberar visita extraordinária).
Decisão da
acreditação
Escolha de
uma IAC
Verificação de
Elegibilidade
Diagnóstico
Organizacional
Avaliação para
acreditação
Manutenção
da acreditação
Manutenção da Acreditação – Rebaixamento ou perda
Perda do certificado
Recertificação
 Recertificação é o processo de avaliação realizado por ocasião do término de validade do certificado, ou seja,
é uma nova avaliação para dar continuidade à condição de Acreditado.
 Pode ser realizado com outra IAC.
Decisão da
acreditação
Escolha de
uma IAC
Verificação de
Elegibilidade
Diagnóstico
Organizacional
Avaliação para
acreditação
Manutenção
da acreditação
Recertificação
Upgrade
 É o processo de avaliação de recertificação solicitado antecipadamente ao término da validade da atual
certificação, na tentativa de avançar para um nível mais elevado
 É considerado um novo ciclo de certificação
 O upgrade só pode ser solicitado num prazo mínimo de um ano após a última certificação e deve ser realizado
pela mesma IAC
Decisão da
acreditação
Escolha de
uma IAC
Verificação
de
Elegibilidade
Diagnóstico
Organizacion
al
Avaliação
para
acreditação
Manutenção
da
acreditação
Upgrade
Comemore as suas vitórias, por menores que sejam!!!
Sempre que um passo for dado, que algo evoluir de maneira
satisfatória, COMEMORE COM SUA EQUIPE, assim todos irão
perceber que vale a pena!
E no final se não agregou...
de nada adiantou.
#SOMOSAGENTESDEMUDANÇA
Normas Orientadoras relacionadas ao processo de acreditação:
 Inscrição na Organização Nacional de Acreditação (NO 2)
 Avaliação de Diagnóstico Organizacional (NO 3)
 Avaliação para Acreditação (NO 4)
 Divulgação da Certificação Concedida (NO 7)
 Acompanhamento da Certificação (NO 8)
 Avaliação para Recertificação (NO 9)
 Avaliação de Upgrade (NO 10)
 Avaliação para o selo de qualificação ONA (NO 5)
*Disponíveis na biblioteca virtual ONA (www.ona.org.br)
Normas Orientadoras
Como conquistar a acreditação ONA - Rev 3 Mar-21.pptx

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Aline Bandeira
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Aline Bandeira
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasivaresenfe2013
 
Tratamento de feridas - Aula 02
Tratamento de feridas -  Aula 02Tratamento de feridas -  Aula 02
Tratamento de feridas - Aula 02SMS - Petrópolis
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaRicardo Augusto
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Heraldo Maia
 
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgicoClínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgicoconcursohub
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaAroldo Gavioli
 
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemGerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemAroldo Gavioli
 
Aula sobre notificação e análise de incidentes
Aula sobre notificação e análise de incidentesAula sobre notificação e análise de incidentes
Aula sobre notificação e análise de incidentesProqualis
 
Explantes cirúrgicos
Explantes cirúrgicosExplantes cirúrgicos
Explantes cirúrgicoscmecc
 

Mais procurados (20)

Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 
ONA
ONAONA
ONA
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
 
Tratamento de feridas - Aula 02
Tratamento de feridas -  Aula 02Tratamento de feridas -  Aula 02
Tratamento de feridas - Aula 02
 
Anotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagemAnotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagem
 
Auditoria de Enfermagem
Auditoria de EnfermagemAuditoria de Enfermagem
Auditoria de Enfermagem
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 
Centro cirurgico
Centro cirurgico Centro cirurgico
Centro cirurgico
 
Assistencia domiciliar
Assistencia domiciliarAssistencia domiciliar
Assistencia domiciliar
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
 
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgicoClínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
 
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemGerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
 
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em CirurgiaPré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Auditoria em gestão hospitalar
Auditoria em gestão hospitalarAuditoria em gestão hospitalar
Auditoria em gestão hospitalar
 
Aula sobre notificação e análise de incidentes
Aula sobre notificação e análise de incidentesAula sobre notificação e análise de incidentes
Aula sobre notificação e análise de incidentes
 
Explantes cirúrgicos
Explantes cirúrgicosExplantes cirúrgicos
Explantes cirúrgicos
 

Semelhante a Como conquistar a acreditação ONA - Rev 3 Mar-21.pptx

Panorama-Clinicas-e-Hospitais-2023.pdf
Panorama-Clinicas-e-Hospitais-2023.pdfPanorama-Clinicas-e-Hospitais-2023.pdf
Panorama-Clinicas-e-Hospitais-2023.pdfEduardotilaSoares
 
Desperdícios em saúde de Irene Minikovski Hahn Qualirede
Desperdícios em saúde de Irene Minikovski Hahn QualiredeDesperdícios em saúde de Irene Minikovski Hahn Qualirede
Desperdícios em saúde de Irene Minikovski Hahn QualiredeIrene Minikovski Hahn
 
Setor de materiais e equipamentos para medicina e diagnóstico - Carlos Eduard...
Setor de materiais e equipamentos para medicina e diagnóstico - Carlos Eduard...Setor de materiais e equipamentos para medicina e diagnóstico - Carlos Eduard...
Setor de materiais e equipamentos para medicina e diagnóstico - Carlos Eduard...Empreender Saúde
 
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Otávio Clark
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Otávio Clark7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Otávio Clark
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Otávio ClarkOncoguia
 
Reflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwC
Reflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwCReflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwC
Reflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwCEmpreender Saúde
 
Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013
Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013
Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013Vanessa Cerutti
 
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Claudio Lottenberg
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Claudio LottenbergO Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Claudio Lottenberg
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Claudio LottenbergFundação Fernando Henrique Cardoso
 
CIRURGIA CESARIANA - Diretrizes de Atenção à Gestante. Ministério da Saúde CO...
CIRURGIA CESARIANA - Diretrizes de Atenção à Gestante. Ministério da Saúde CO...CIRURGIA CESARIANA - Diretrizes de Atenção à Gestante. Ministério da Saúde CO...
CIRURGIA CESARIANA - Diretrizes de Atenção à Gestante. Ministério da Saúde CO...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Gestao Organizacional Marta.pdf
Gestao Organizacional Marta.pdfGestao Organizacional Marta.pdf
Gestao Organizacional Marta.pdfantoniomatica
 
Pesquisa Gestão da Saúde Corporativa - 03/07/17
Pesquisa Gestão da Saúde Corporativa - 03/07/17Pesquisa Gestão da Saúde Corporativa - 03/07/17
Pesquisa Gestão da Saúde Corporativa - 03/07/17Grupo Santa Celina
 
Integracao institucional
Integracao institucionalIntegracao institucional
Integracao institucionalPROIDDBahiana
 
Manual atencao saude
Manual atencao saudeManual atencao saude
Manual atencao saudenilsonpazjr
 
Manual atencao saude
Manual atencao saudeManual atencao saude
Manual atencao saudenilsonpazjr
 

Semelhante a Como conquistar a acreditação ONA - Rev 3 Mar-21.pptx (20)

Panorama-Clinicas-e-Hospitais-2023.pdf
Panorama-Clinicas-e-Hospitais-2023.pdfPanorama-Clinicas-e-Hospitais-2023.pdf
Panorama-Clinicas-e-Hospitais-2023.pdf
 
Desperdícios em saúde de Irene Minikovski Hahn Qualirede
Desperdícios em saúde de Irene Minikovski Hahn QualiredeDesperdícios em saúde de Irene Minikovski Hahn Qualirede
Desperdícios em saúde de Irene Minikovski Hahn Qualirede
 
Setor de materiais e equipamentos para medicina e diagnóstico - Carlos Eduard...
Setor de materiais e equipamentos para medicina e diagnóstico - Carlos Eduard...Setor de materiais e equipamentos para medicina e diagnóstico - Carlos Eduard...
Setor de materiais e equipamentos para medicina e diagnóstico - Carlos Eduard...
 
Acreditacao
AcreditacaoAcreditacao
Acreditacao
 
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Otávio Clark
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Otávio Clark7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Otávio Clark
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Otávio Clark
 
Reflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwC
Reflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwCReflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwC
Reflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwC
 
AULA_Qualidade.ppt
AULA_Qualidade.pptAULA_Qualidade.ppt
AULA_Qualidade.ppt
 
Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013
Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013
Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013
 
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Claudio Lottenberg
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Claudio LottenbergO Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Claudio Lottenberg
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Claudio Lottenberg
 
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - José Cechin
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - José CechinO Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - José Cechin
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - José Cechin
 
CIRURGIA CESARIANA - Diretrizes de Atenção à Gestante. Ministério da Saúde CO...
CIRURGIA CESARIANA - Diretrizes de Atenção à Gestante. Ministério da Saúde CO...CIRURGIA CESARIANA - Diretrizes de Atenção à Gestante. Ministério da Saúde CO...
CIRURGIA CESARIANA - Diretrizes de Atenção à Gestante. Ministério da Saúde CO...
 
Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde
Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da SaúdeReaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde
Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde
 
1. Case: Cenários e tendências para o segmento saúde
1. Case: Cenários e tendências para o segmento saúde1. Case: Cenários e tendências para o segmento saúde
1. Case: Cenários e tendências para o segmento saúde
 
Gestao Organizacional Marta.pdf
Gestao Organizacional Marta.pdfGestao Organizacional Marta.pdf
Gestao Organizacional Marta.pdf
 
Pesquisa Gestão da Saúde Corporativa - 03/07/17
Pesquisa Gestão da Saúde Corporativa - 03/07/17Pesquisa Gestão da Saúde Corporativa - 03/07/17
Pesquisa Gestão da Saúde Corporativa - 03/07/17
 
TCC GESTÃO (2).docx
TCC GESTÃO (2).docxTCC GESTÃO (2).docx
TCC GESTÃO (2).docx
 
Integracao institucional
Integracao institucionalIntegracao institucional
Integracao institucional
 
Um sistema de saúde autoeducável centrado na criação de valor
Um sistema de saúde autoeducável centrado na criação de valorUm sistema de saúde autoeducável centrado na criação de valor
Um sistema de saúde autoeducável centrado na criação de valor
 
Manual atencao saude
Manual atencao saudeManual atencao saude
Manual atencao saude
 
Manual atencao saude
Manual atencao saudeManual atencao saude
Manual atencao saude
 

Mais de DheniseMikaelly

Farmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdf
Farmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdfFarmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdf
Farmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdfDheniseMikaelly
 
Farmacologia de sistemas - enfermagem e farmácia
Farmacologia de sistemas - enfermagem e farmáciaFarmacologia de sistemas - enfermagem e farmácia
Farmacologia de sistemas - enfermagem e farmáciaDheniseMikaelly
 
CIPE- ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM (CLASSIFICAÇÃO
CIPE- ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM (CLASSIFICAÇÃOCIPE- ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM (CLASSIFICAÇÃO
CIPE- ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM (CLASSIFICAÇÃODheniseMikaelly
 
Liderança e gestão de conflitos.pptx
Liderança e gestão de conflitos.pptxLiderança e gestão de conflitos.pptx
Liderança e gestão de conflitos.pptxDheniseMikaelly
 
Aula 2 - Vida humana.pptx
Aula 2 - Vida humana.pptxAula 2 - Vida humana.pptx
Aula 2 - Vida humana.pptxDheniseMikaelly
 
qualidade de vida no trabalho.pptx
 qualidade de vida no trabalho.pptx qualidade de vida no trabalho.pptx
qualidade de vida no trabalho.pptxDheniseMikaelly
 
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptxAula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptxDheniseMikaelly
 
contencao-mecanica (1).pptx
contencao-mecanica (1).pptxcontencao-mecanica (1).pptx
contencao-mecanica (1).pptxDheniseMikaelly
 
Treinamento NSP - Completo
Treinamento NSP - Completo Treinamento NSP - Completo
Treinamento NSP - Completo DheniseMikaelly
 
Anatomia - Aula 1 a 3.pptx
Anatomia - Aula 1 a 3.pptxAnatomia - Aula 1 a 3.pptx
Anatomia - Aula 1 a 3.pptxDheniseMikaelly
 
introduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.ppt
introduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.pptintroduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.ppt
introduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.pptDheniseMikaelly
 
SCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptx
SCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptxSCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptx
SCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptxDheniseMikaelly
 
SLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptx
SLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptxSLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptx
SLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptxDheniseMikaelly
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptDheniseMikaelly
 

Mais de DheniseMikaelly (20)

Farmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdf
Farmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdfFarmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdf
Farmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdf
 
Farmacologia de sistemas - enfermagem e farmácia
Farmacologia de sistemas - enfermagem e farmáciaFarmacologia de sistemas - enfermagem e farmácia
Farmacologia de sistemas - enfermagem e farmácia
 
CIPE- ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM (CLASSIFICAÇÃO
CIPE- ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM (CLASSIFICAÇÃOCIPE- ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM (CLASSIFICAÇÃO
CIPE- ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM (CLASSIFICAÇÃO
 
PCR.pptx
PCR.pptxPCR.pptx
PCR.pptx
 
Liderança e gestão de conflitos.pptx
Liderança e gestão de conflitos.pptxLiderança e gestão de conflitos.pptx
Liderança e gestão de conflitos.pptx
 
Aula 2 - Vida humana.pptx
Aula 2 - Vida humana.pptxAula 2 - Vida humana.pptx
Aula 2 - Vida humana.pptx
 
qualidade de vida no trabalho.pptx
 qualidade de vida no trabalho.pptx qualidade de vida no trabalho.pptx
qualidade de vida no trabalho.pptx
 
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptxAula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
 
contencao-mecanica (1).pptx
contencao-mecanica (1).pptxcontencao-mecanica (1).pptx
contencao-mecanica (1).pptx
 
Treinamento NSP - Completo
Treinamento NSP - Completo Treinamento NSP - Completo
Treinamento NSP - Completo
 
Anatomia - Aula 1 a 3.pptx
Anatomia - Aula 1 a 3.pptxAnatomia - Aula 1 a 3.pptx
Anatomia - Aula 1 a 3.pptx
 
TESTE.pptx
TESTE.pptxTESTE.pptx
TESTE.pptx
 
SISTEMA URINÁRIO.pptx
SISTEMA URINÁRIO.pptxSISTEMA URINÁRIO.pptx
SISTEMA URINÁRIO.pptx
 
introduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.ppt
introduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.pptintroduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.ppt
introduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.ppt
 
NR32.pptx
NR32.pptxNR32.pptx
NR32.pptx
 
SCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptx
SCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptxSCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptx
SCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptx
 
SLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptx
SLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptxSLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptx
SLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptx
 
fund.pptx
fund.pptxfund.pptx
fund.pptx
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
 
principios.ppt
principios.pptprincipios.ppt
principios.ppt
 

Último

PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinajarlianezootecnista
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemCarlosLinsJr
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 

Último (15)

PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 

Como conquistar a acreditação ONA - Rev 3 Mar-21.pptx

  • 1. Como conquistar a Acreditação ONA
  • 2.  Cenário da saúde;  O que é Acreditação?;  O que a Acreditação agrega?;  Vantagens da Acreditação;  SBA – Sistema Brasileiro de Acreditação;  ONA – Organização Nacional de Acreditação;  Metodologia SBA – ONA;  Passo a passo para conquistar a Acreditação ONA;  Selo de Qualificação ONA. Agenda da aula
  • 3. Cenário saúde no Brasil Fonte: Boletim Informativo do PROADESS, no 4, fev./2019. Nota-se uma tendência de redução no número de estabelecimentos e de leitos - cerca de 3,7% e de 8,4% respectivamente. Evolução do número de Hospitais públicos e privados no país:
  • 4. Cenário saúde no Brasil Fonte: Boletim Informativo do PROADESS, no 4, fev./2019 e AMIB. Recomendações da OMS e do Ministério da Saúde: • Relação ideal de leitos de UTI: 1 a 3 leitos para cada 10 mil habitantes. • O Brasil apresenta uma proporção de 2,2 leitos para cada 10 mil habitantes. • De forma consolidada, é satisfatório. Mas quando a análise é mais detalhada, segmentando os dados entre sistema público e privado, por exemplo, o SUS tem média de 1,4 leitos para cada 10 mil habitantes, contra 4,9 da rede privada.
  • 5. Cenário saúde no Brasil Fonte: Boletim Informativo do PROADESS, no 4, fev./2019. Evolução do número de Hospitais disponíveis ao SUS: Estabelecimentos hospitalares (públicos ou privados conveniados ao SUS), correspondem a 78% do total de Hospitais no país.
  • 7. Cenário saúde no Brasil Fonte: Federação Brasileira de Hospitais – FBH (período até 2018). Quantidade de hospitais PÚBLICOS por região: Quantidade de hospitais PRIVADOS por região:
  • 8. Fonte: www.portal.cfm.org.br, acessado em julho de 2019 Cenário saúde no Brasil
  • 9. Cenário saúde no Brasil Fonte: CNES 2019. • Cerca de 5.819 Hospitais e 342.087 Serviços de Saúde cadastrados no MS; • Aproximadamente 432.208 leitos hospitalares, sendo 296.267 SUS (68,5%) e 135.941 “Não SUS” (31,5%); • Grande número de Hospitais mas que não conseguem atender a demanda; • Médicos e Hospitais mal distribuídos reforçam desigualdades no país.
  • 10. COVID-19 Cenário crítico e desesperador...
  • 11. Próximos ou diante de uma catástrofe...
  • 12. Fonte: https://portal.fiocruz.br/sites/portal.fiocruz.br/files/documentos/boletim_extraordinario_2021-marco-16-red-red-red.pdf Pandemia COVID-19 Porque a nossa capacidade de resposta, como as ações desenvolvidas pelos serviços e sistemas de saúde, se apresenta em uma situação extremamente crítica ou mesmo em colapso, como se vê em quase todo país, sendo incapaz de atender às necessidades de todos os pacientes graves e levando os trabalhadores da saúde a situações de exaustão.
  • 13. Cenário CRÍTICO no Brasil Momento atual: • 24 estados e o Distrito Federal, entre as 27 unidades federativas, com taxas iguais ou superiores a 80%, sendo 15 com taxas iguais ou superiores a 90%; • Em relação às capitais, 25 das 27 estão com taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos iguais ou superiores a 80%, sendo 19 delas superiores a 90%. Fonte: https://portal.fiocruz.br/sites/portal.fiocruz.br/files/documentos/boletim_extraordinario_2021-marco-16-red-red-red.pdf
  • 18. • A ONA, em conjunto com vários profissionais de saúde, sociedade e associações, estruturou um grupo onde todas as informações fidedignas sobre o COVID-19 estarão disponíveis nesta página para facilitar o acesso e consulta; • O propósito deste grupo é ter informações técnicas e de acesso rápido para facilitar a busca e consulta para os profissionais de saúde. #informacaoCOVID19 Página no Facebook – Acesso rápido às informações COVID-19 https://www.facebook.com/groups/522401318464109
  • 19.
  • 20. Qual é a estimativa de óbitos hospitalares por eventos adversos nos EUA para o ano de 2019?
  • 21. De acordo com a Patient Safety Movement: Mais de 200.000 pessoas morrem todo ano por eventos adversos nos Hospitais americanos. Dados de 2019. 4,8 milhões de pessoas morrem no mundo por causas preveníveis.
  • 23. Qual é a estimativa de óbitos hospitalares por eventos adversos no BRASIL para o ano de 2017?
  • 24. Fonte: II Anuário da Segurança Assistencial Hospitalar no Brasil 2018. Estimativa nacional do ano de 2017: + = 347.824 pessoas morreram por E.A no ano de 2017 no Brasil.
  • 25. Qual é a estimativa de CUSTOS Hospitalares dos eventos adversos no BRASIL?
  • 27. Cenário das Organizações de Saúde As lideranças não tem claramente estabelecidas e/ou identificadas sua missão (negócio) e/ou não conhecem de forma estruturada seu perfil assistencial Falta ou inexistência de coordenação, integração e alinhamento entre as lideranças executivas (corporativa) e lideranças médias ou intermediárias Por consequência, entre departamentos e serviços Inexistência de estrutura, um sistema ou profissionais capacitados e dedicados a gerenciar qualidade e segurança
  • 28. Inexistência ou insuficiência de instrumentos/ferramentas utilizadas como referenciais para a prática institucional Incapacidade de instituir e desenvolver comunicação institucional efetiva Falta de conhecimento e utilização, pelo corpo profissional, de uma linguagem relacionada com qualidade e segurança Cenário das Organizações de Saúde
  • 29. Inexistência de lideranças médicas definidas e exercidas na prática Falta de conhecimento e correta aplicação da legislação e regulamentos aplicáveis aos serviços/processos da instituição Não atendimento aos requerimentos mínimos (técnicos e legais) relacionados com as edificações e sistemas de infraestrutura Cenário das Organizações de Saúde
  • 30. Qual o caminho seguir, diante deste cenário? É preciso focar na QUALIDADE e na intensificação de ações voltadas para a SEGURANÇA DO PACIENTE. Aprimorar qualidade de processos, criar uma mudança de cultura e consequentemente aumentar cada vez mais a segurança do paciente.
  • 31. O que é Acreditação
  • 32. O que é Acreditação? Um modelo de gestão que busca, através da melhoria contínua dos processos, a excelência gerencial e assistencial.  Não é fiscalizatório;  Avaliação voluntária;  Periódico;  Qualidade da assistência;  Não determina método / como fazer;  Determina o que fazer. 26
  • 33. Quando a Organização opta por iniciar um processo de acreditação, eles fazem uma escolha:
  • 34. A acreditação está longe de representar apenas um certificado de qualificação, constitui-se em um mecanismo de alinhamento dos mais variados serviços, unidades e setores, através de padrões previamente estabelecidos, que organizam e potencializam o desenvolvimento e a execução das atividades, com a consequente melhoria do desempenho gerencial e assistencial das Organizações de saúde. É importante lembrar...
  • 36. Principais vantagens do processo Identificação de deficiências e ações de melhoria; Qualidade da assistência; Mecanismos de medição dos processos; Redução de riscos assistenciais e administrativos; Segurança para o paciente/acompanhante e profissionais; Gestão por prioridade; Capacitação e educação permanente dos profissionais; Fortalecimento do trabalho na equipe multidisciplinar; Melhoria contínua de processos; Redução de custos; 31
  • 37. Quem ganha com o programa de qualidade?  A Instituição;  Os colaboradores;  Os clientes internos;  Os clientes externos;  Fornecedores;  Prestadores de serviços;  Terceirizados e principalmente;  O paciente.
  • 38.
  • 39. Desafio: Manter o sistema Aplicar o método no dia-a-dia Fazer análise crítica, medições e auditorias internas Investigar as causas dos problemas (reais e potenciais) Propor ações corretivas e preventivas de melhorias Acompanhar tomada de ações Verificar resultados das ações Manter a documentação aderente Treinar pessoal
  • 40. * Pela metodologia ONA – março, 2021 Hospitais 5.819 Serviços de Saúde 342.087 *Organizações Acreditadas 898 Proporção Acreditação no Brasil Apenas 0,26% das Organizações de saúde são Acreditadas no Brasil.
  • 41. Como eu faço para chegar lá?  Planejando e levantando quais são os objetivos da Organização com a obtenção do programa de qualidade;  Alinhamento do Planejamento estratégico da Instituição com programa de Qualidade.
  • 42. Preparação  O processo de preparação de uma Organização de Saúde para a obtenção de uma certificação de qualidade depende da maturidade de cada instituição.
  • 43. Quem são os envolvidos?  TODA Organização, à começar pela Alta administração...  Gestores e Líderes;  Colaboradores administrativos próprios e terceiros;  Equipe multiprofissional assistencial.
  • 44. Perfil do Escritório de Qualidade  Multiprofissional;  Integrado a Alta Direção;  Participação em decisões estratégicas;  Autonomia para tomada de decisão;  Pautado em um plano de segurança do paciente;  Imparcialidade;  Interface com outras áreas estratégicas e com as Comissões.
  • 45. Quais são as estratégias?  Defina com precisão quais serão as estratégias;  Para cada estratégia defina um tempo e responsável;  Com periodicidade, verifique se as estratégias estão acontecendo conforme o definido e se os responsáveis estão com alguma dificuldade.
  • 46. DEFINA SEU OBJETIVO! INICIO E IMPLEMENTAÇÃO CRIE UM PROJETO, INCLUINDO: - O QUE SERÁ FEITO? - ONDE SERÁ FEITO? - QUANDO SERÁ FEITO? - POR QUEM SERÁ FEITO? - COMO SERÁ FEITO? EXECUTE O PROJETO, fazendo adaptações sempre que necessário... MONITORE SEUS RESULTADOS... E COMEMORE! CAPACITE PESSOAS para que elas te ajudem na disseminação desta nova cultura. E NÃO ESQUEÇAM DE UTILIZAR O MOTOR DA MELHORIA CONTÍNUA...
  • 47. Principais dificuldades e equívocos encontrados Deficiência estrutural • Recursos físicos; • Humanos; • Materiais; • Tecnológicos; • Financeiros; • Organizacionais; • Segurança. Atitudes profissionais • Equipe Multiprofissional; • Proprietários, Diretores e Gestores das Organizações; • Operadoras de Plano de Saúde; Maturidade Organizacional • Motivos pelos quais o sucesso organizacional é alcançado. *
  • 48.
  • 49. Metodologia SBA FUNDAMENTOS DE GESTÃO DIMENSÕES DA QUALIDADE Estrutura Processo Resultado Padrões e Requisitos Padrões e Requisitos Padrões e Requisitos
  • 51. Certificações ISQua Entidade não governamental e sem fins lucrativos que certifica a qualidade de serviços de saúde no Brasil, com foco na segurança do paciente.  A metodologia foi reconhecida pela ISQua em 2014;  E a ONA foi reconhecida pela ISQua em 2016.  O Programa de Treinamento de Avaliadores foi reconhecido em 2020. ISQua (International Society for Quality in Health Care)
  • 52. ONA – Organização Nacional de Acreditação Missão Aprimorar a gestão, qualidade e segurança da assistência no Setor Saúde, por meio do Sistema Brasileiro de Acreditação. Visão Tornar a Acreditação ONA reconhecida pela sociedade brasileira como sinônimo de segurança, qualidade e credibilidade no Setor Saúde.
  • 53. ONA – Organização Nacional de Acreditação Valores • Transparência em suas ações • Respeito individual e coletivo • Confidencialidade • Aperfeiçoamento contínuo • Desenvolvimento participativo • Credibilidade • Sustentabilidade como fator de crescimento
  • 54. O Sistema Brasileiro de Acreditação (SBA) SBA Entidades Fundadoras e Associadas IAC´s ONA Avaliadores Organizações de saúde Profissionais de saúde
  • 55. São entidades de direito privado credenciadas pela ONA para desenvolverem o processo de avaliação nas OPSS (Organizações Prestadoras de Serviços de Saúde). Instituições acreditadoras credenciadas – IAC:
  • 59. Dados ONA Mais de 90% das instituições certificadas no país adotam os padrões ONA; Em torno de 900 Organizações acreditadas pela ONA, sendo destas mais de 340 hospitais; Crescimento médio de 15% de instituições certificadas ao ano; Mais de 2.500 certificações homologadas ao ano; Mais de 39.000 profissionais capacitados. Mais de 330 avaliadores ativos e 300 em preparação; Dados atualizados em março de 2021
  • 61. Manual para Organizações Prestadoras de Serviços de Saúde – OPSS - versão 2018 - 2022 • Hospital / Hospital-dia; • Ambulatório; • Laboratório; • Diagnóstico por Imagem, Radioterapia e Medicina Nuclear; • Hemoterapia; • Nefrologia e Terapia Renal Substitutiva – crônica/aguda; • Oncologia; • Pronto Atendimento; • Atenção Domiciliar – Internação/Assistência; • Medicina Hiperbárica.
  • 62. Níveis de Acreditação para OPSS e Serviços Odontológicos Nível 1 - Segurança Nível 2 – Gestão Integrada Nível 3 – Excelência e Maturidade
  • 63. Metodologia ONA – Manual OPSS Seção1 Liderança Subseções de Gestão Organizacional Padrões de Segurança: Estabelece política documentada de gestão da qualidade, gestão de riscos e segurança do paciente Promove ações de melhoria voltadas para a cultura de segurança do paciente Seção 2 Atenção ao Paciente Subseções Assistenciais Padrões de Segurança: Estabelece protocolos de segurança com critérios para identificação do paciente, cirurgia segura, prevenção de queda e lesão por pressão, comunicação, higienização das mãos e segurança nos medicamentos Seção 3 Diagnóstica e Terapêutica Subseções de Apoio ao Diagnóstico Padrões de Segurança: Cumpre com as diretrizes dos protocolos de segurança do paciente Seção 4 Gestão do Apoio Subseções de Gestão do Apoio Padrões de Segurança: Cumpre as diretrizes de notificação de incidentes e eventos adversos Gerencia a demanda dos serviços, promovendo ações de melhoria
  • 64. Seções, Subseções e Padrões - OPSS
  • 69. Manual para Serviços Odontológicos Nível 1 - Segurança Nível 2 – Gestão Integrada Nível 3 – Excelência e Maturidade
  • 70. Metodologia ONA – Manual Serviços Odontológicos Seção 1 Gestão e liderança Seção 2 Atenção ao paciente Seção 3 Diagnóstico Seção 4 Apoio técnico Seção 5 Abastecimento e apoio logístico Seção 6 Infraestrutura
  • 71. Manual do Selo de Qualificação – versão 2020 - 2024 • Serviço de Dietoterapia para a Saúde; • Serviço de Engenharia Clínica para a Saúde; • Serviço de Higienização para a Saúde; • Serviço de Manipulação e Atenção Farmacêutica para a Saúde; • Serviço de Nutrição de Produção e Clínica para a Saúde; • Serviço de Processamento de Produtos para a Saúde; • Serviço de Processamento de Roupa para a Saúde.
  • 72. Metodologia ONA – Manual Selo de Qualificação – versão 2020 -2024 Seção 1 Diretriz Organizacional Seção 2 Gestão Organizacional Seção 3 Gestão de Apoio Seção 4 Gestão da Operação Planejamento Execução Gerenciamento
  • 74. ONA – Organização Nacional de Acreditação Decisão da acreditação Escolha de uma IAC Verificação de Elegibilidade Diagnóstico Organizacional Avaliação para acreditação Manutenção da acreditação Recertificação / UPGRADE
  • 75. Decisão de Acreditação O processo de acreditação é pautado por três princípios fundamentais:  É voluntário, feito por escolha da Organização de saúde;  É periódico, com visitas realizadas de acordo com os prazos do nível de Certificação;  É reservado, as informações coletadas em cada Organização de saúde no processo de avaliação não são divulgadas. Decisão da acreditação
  • 76.  A Organização de saúde escolhe uma Instituição Acreditadora Credenciada (IAC); Escolha da IAC  As IACs são instituições de direito privado, com ou sem fins econômicos, credenciadas pela ONA, responsáveis por realizar as avaliações e as acreditações das organizações, de acordo com os procedimentos e metodologia definidos nas Normas Orientadoras e pelo Manual Brasileiro de Acreditação (ONA). Decisão da acreditação Escolha de uma IAC
  • 77. Verificação da elegibilidade  O Processo de verificação de elegibilidade da Organização é responsabilidade da IAC, antes de todo processo de avaliação ser realizado;  Deve seguir as Normas Orientadoras e Manual de Acreditação ONA. Decisão da acreditação Escolha de uma IAC Verificação de elegibilidade
  • 78. Verificação da elegibilidade - OPSS Norma Orientadora nº 04 – Processo de Acreditação, Portal ONA, Biblioteca, Normas Orientadoras
  • 79. Verificação da elegibilidade – Serviços Odontológicos Norma Orientadora nº 04 – Processo de Acreditação, Portal ONA, Biblioteca, Normas Orientadoras
  • 80. Verificação da elegibilidade – Selo de Qualificação Norma Orientadora nº 04 – Processo de Acreditação, Portal ONA, Biblioteca, Normas Orientadoras • Enquadrar-se no conceito de Serviço para a Saúde, conforme consta a elegibilidade no Manual dos Serviços para a Saúde Selo de Qualificação ONA versão 2020 – 2024, e de acordo com os critérios abaixo: • Estar legalmente constituído há pelo menos 1 (um) ano; • Possuir CNPJ distinto de qualquer Organização Prestadora de Serviços de Saúde (OPSS) e/ou Serviço Odontológico; • Possuir alvará de funcionamento; • Possuir licença sanitária; • Possuir licenças pertinentes à natureza das atividades; • Possuir registro do responsável técnico conforme o perfil do Serviço para a Saúde; • Possuir estrutura e processamento do produto totalmente independente da organização ou serviço cliente; • Dispor de prazo superior a 1 (um) ano no caso do processo de avaliação realizado resultar na não certificação, a contar da data de homologação pela ONA; • Dispor de prazo superior a 1 (um) ano, em caso de cancelamento da certificação vigente, a contar da data de homologação do cancelamento pela ONA.
  • 81. Verificação da elegibilidade Manual de Acreditação para Organizações Prestadoras dos Serviços de Saúde
  • 82. Verificação da elegibilidade Manual de Acreditação para Organizações Prestadoras dos Serviços de Saúde
  • 83. Verificação da elegibilidade Manual dos Serviços para a Saúde – Selo de Qualificação
  • 84. Diagnóstico Organizacional (DO)  É uma atividade de avaliação das organizações realizada com base na metodologia ONA e no Manual Brasileiro de Acreditação específico, mas sem fins de certificação;  Sua realização não é obrigatória, mas permite identificar processos não controlados e áreas que apresentam não conformidade com os padrões e requisitos definidos pela ONA, além de apontar os pontos fortes e onde é possível promover melhorias, através de um relatório elaborado pela IAC. Decisão da acreditação Escolha de uma IAC Verificação de Elegibilidade Diagnóstico Organizacion al
  • 86. Avaliação para acreditação  O resultado da avaliação para acreditação está baseado no atendimento do percentual dos requisitos por subseção. Decisão da acreditação Escolha de uma IAC Verificação de Elegibilidade Diagnóstico Organizaciona l Avaliação para acreditação
  • 87. Avaliação para acreditação Inscrição na ONA Agendamento da visita Taxa de avaliação Planejamento da visita Preparação da organização
  • 88. Reunião de abertura Realização da visita Reunião dos avaliadores Reunião de encerramento
  • 89. Resultado da Avaliação para acreditação
  • 90. Resultado da Avaliação para acreditação - OPSS
  • 91. Resultado da Avaliação para acreditação
  • 92. Resultado da Avaliação para acreditação
  • 93. Resultado da Avaliação para acreditação – Selo de Qualificação • Quando evidenciada uma ou mais não conformidade sistêmica, mesmo que dentro do percentual mínimo de pontuação, a avaliação resultará em Não Acreditado ou Nova Avaliação. • Para uma Organização ser considerada acreditada no Selo de Qualificação ONA, cada padrão deve atingir minimamente 85% dos requisitos atendidos.
  • 94. Resultado da Avaliação para acreditação – Manual Selo
  • 95. OPSS
  • 96. Selo
  • 97. Relatório de avaliação  O resultado da avaliação para acreditação está baseado no atendimento do percentual dos requisitos por subseção. Decisão da acreditação Escolha de uma IAC Verificação de Elegibilidade Diagnóstico Organizacional Avaliação para acreditação Organização Acreditada
  • 98. Etapas do Relatório de Avaliação TOTAL DE 35 DIAS PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO CONTANDO DO ÚLTIMO DIA DA VISITA
  • 99. Princípio: Segurança:  As exigências deste nível contemplam o atendimento aos requisitos de segurança e qualidade na assistência prestada ao cliente;  O resultado de Acreditado é válido por 02 anos, com duas manutenções no período da validade da certificação. Acreditado
  • 100. Acreditado Pleno Princípio: Gestão Integrada:  As exigências deste nível contemplam evidencias de interação entre os processos, bem como o acompanhamento e avaliação de resultados.  O resultado de Acreditado é válido por 02 anos, com duas manutenções no período da validade da certificação.
  • 101. Acreditado com Excelência Princípio: Excelência em Gestão:  As exigências deste nível contemplam evidências de uma gestão em excelência, buscando melhores resultados, a sustentabilidade e a responsabilidade socioambiental, promovendo ciclos de melhoria.  O resultado de Acreditado com Excelência é válido por 03 anos, com duas manutenções no período de validade do certificado.
  • 102. Acreditação Selo de Qualificação ONA • Acreditada: Para uma organização ser considerada acreditada no Selo de Qualificação ONA, cada padrão deve atingir minimamente 85% dos requisitos atendidos. • Não acreditada. O Selo de Qualificação ONA é válido por 2 (dois) anos, com a realização de uma manutenção ordinária remota, após um ano, a contar da data de homologação da ONA.
  • 103. Manutenção da Acreditação Visita de Manutenção Ordinária:  Organização Acreditada Nível I e II - duas avaliações s a cada 8 meses a contar da data de homologação;  Organização Acreditada Nível III - duas avaliações anuais a contar da data de homologação;  Organização Qualificada – Selo – uma avaliação remota de manutenção anual; Visita de Manutenção Extraordinária:  Mudança da alta administração;  Ocorrência de incidente ou eventos (pode deliberar visita extraordinária). Decisão da acreditação Escolha de uma IAC Verificação de Elegibilidade Diagnóstico Organizacional Avaliação para acreditação Manutenção da acreditação
  • 104. Manutenção da Acreditação – Rebaixamento ou perda Perda do certificado
  • 105. Recertificação  Recertificação é o processo de avaliação realizado por ocasião do término de validade do certificado, ou seja, é uma nova avaliação para dar continuidade à condição de Acreditado.  Pode ser realizado com outra IAC. Decisão da acreditação Escolha de uma IAC Verificação de Elegibilidade Diagnóstico Organizacional Avaliação para acreditação Manutenção da acreditação Recertificação
  • 106. Upgrade  É o processo de avaliação de recertificação solicitado antecipadamente ao término da validade da atual certificação, na tentativa de avançar para um nível mais elevado  É considerado um novo ciclo de certificação  O upgrade só pode ser solicitado num prazo mínimo de um ano após a última certificação e deve ser realizado pela mesma IAC Decisão da acreditação Escolha de uma IAC Verificação de Elegibilidade Diagnóstico Organizacion al Avaliação para acreditação Manutenção da acreditação Upgrade
  • 107. Comemore as suas vitórias, por menores que sejam!!! Sempre que um passo for dado, que algo evoluir de maneira satisfatória, COMEMORE COM SUA EQUIPE, assim todos irão perceber que vale a pena!
  • 108. E no final se não agregou... de nada adiantou. #SOMOSAGENTESDEMUDANÇA
  • 109.
  • 110. Normas Orientadoras relacionadas ao processo de acreditação:  Inscrição na Organização Nacional de Acreditação (NO 2)  Avaliação de Diagnóstico Organizacional (NO 3)  Avaliação para Acreditação (NO 4)  Divulgação da Certificação Concedida (NO 7)  Acompanhamento da Certificação (NO 8)  Avaliação para Recertificação (NO 9)  Avaliação de Upgrade (NO 10)  Avaliação para o selo de qualificação ONA (NO 5) *Disponíveis na biblioteca virtual ONA (www.ona.org.br) Normas Orientadoras