SlideShare uma empresa Scribd logo
Descrição da situação de aprendizagem (2)
Paciente R.A.S., do sexo masculino, 80 anos, idoso, internado na unidade de clínica
oncológica do Hospital SENAC, referência no tratamento de Oncologia para realização
de quimioterapia paliativa, de um câncer de esôfago com os quimioterápicos
antineoplásicos Cisplatina e 5-fluorouracilo, relata a dor física, falta de ar, fadiga,
náuseas, inapetência, queixa de dores muito fortes no corpo, como também, desabafou
dor emocional, que gera o medo da morte, ansiedade, depressão. O paciente apresenta
como comorbidade HAS, Depressão, relato de neuropatia periférica durante o
tratamento. Na evolução médica, consta que o paciente está cuidados paliativos
exclusivos, em estágio avançado do câncer. No momento, apresenta rebaixamento do
nível de consciência, respiração na modalidade de gasping, espontaneamente em ar
ambiente, eliminações fisiológicas sem regularidade. Ao exame físico céfalo-podal sem
alterações: couro cabeludo íntegro e limpo, olhos simétricos com pupilas midriáticas
(dilatadas) com lento retorno, cavidades nasal e bucal sem anomalias. Porém com
ausências dentes, cavidades auriculares limpas e inalteradas, pescoço sem alterações
visíveis, abdome parcialmente globoso, membros superiores com presença de
equimoses, genitália preservada e sem alterações, membros inferiores edemaciados
++++/++++, extremidades arroxeadas/ cianóticas. O paciente evoluiu para uma parada
cardiorrespiratória, não sendo indicado reanimação ou intervenção para instalação de
dispositivo respiratório, conforme relato médico.
Desafios:
1. Qual é a sua abordagem inicial perante essa situação de aprendizagem,
levando em consideração os indicadores propostos?
2. Quais medidas de proteção individual podem utilizadas durante o preparo do
óbito, que o técnico em enfermagem especialista em Oncologia, precisa utilizar?
3. Como especialista em Oncologia, quais os cuidados de enfermagem no
preparo do óbito, você deve realizar?
4. Desenvolva um roteiro com base no texto disponibilizado para preparo do
corpo após constatação do óbito.
5. Realizar uma anotação de enfermagem evidenciando, pontualmente as
informações acerca do óbito.
6. Identifique os termos técnicos presentes no relato de caso clínico, como
também, os conceitue.
Orientações:
- Em grupo/ tempo de realização de até 30min;
- Apresentação dos desafios;
- Entregar parte escrita (todos os desafios em grupo).
Indicadores que serão desenvolvidos:
1. Presta assistência de enfermagem humanizada considerando a Política
Nacional de Humanização;
2. Utiliza de medidas de proteção individual e coletiva conforme as normas
regulamentadoras;
3. Registra as atividades realizadas conforme as instituições de saúde;
4. Realiza cuidados paliativos em pacientes oncológicos em estágio final;
5. Utiliza medidas de conforto em pacientes oncológicos, proporcionando bem-
estar;
6. Administra analgesia pelas diversas vias, conforme prescrição médica.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Evolução de enfermagem
Evolução de enfermagemEvolução de enfermagem
Evolução de enfermagem
Jonathan Silva
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
resenfe2013
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Danilo Nunes Anunciação
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Rodrigo Abreu
 
Sequencia da anotação
Sequencia da anotaçãoSequencia da anotação
Sequencia da anotação
Carol Melo
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Yasmin Casini
 
Aula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_examesAula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_exames
Marci Oliveira
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
resenfe2013
 

Mais procurados (20)

Evolução de enfermagem
Evolução de enfermagemEvolução de enfermagem
Evolução de enfermagem
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Termologia da área de enfermagem
Termologia da área de enfermagemTermologia da área de enfermagem
Termologia da área de enfermagem
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagem
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 
Evolução pós parto
Evolução pós partoEvolução pós parto
Evolução pós parto
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
Sequencia da anotação
Sequencia da anotaçãoSequencia da anotação
Sequencia da anotação
 
Anotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagemAnotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagem
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 
Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAE
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 
Aula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_examesAula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_exames
 
Paciente internado
Paciente internadoPaciente internado
Paciente internado
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Anotação de Enfermagem.pdf
Anotação de Enfermagem.pdfAnotação de Enfermagem.pdf
Anotação de Enfermagem.pdf
 

Semelhante a Situação de Aprendizagem

1340058717tem raciocinio clinico_sala_urgencia
1340058717tem raciocinio clinico_sala_urgencia1340058717tem raciocinio clinico_sala_urgencia
1340058717tem raciocinio clinico_sala_urgencia
Bruno Machado
 
Aulas im 2012 13 fmuc
Aulas im 2012   13 fmucAulas im 2012   13 fmuc
Aulas im 2012 13 fmuc
commed1
 
Apresentação de casos clinico_Sedação e doenças reumaticas 2 (1).pptx
Apresentação de casos clinico_Sedação e doenças reumaticas 2 (1).pptxApresentação de casos clinico_Sedação e doenças reumaticas 2 (1).pptx
Apresentação de casos clinico_Sedação e doenças reumaticas 2 (1).pptx
KilvioMenesesCosta
 
Cuidados intensivos neonatais em cardiopatia congenita grave mudando o curso ...
Cuidados intensivos neonatais em cardiopatia congenita grave mudando o curso ...Cuidados intensivos neonatais em cardiopatia congenita grave mudando o curso ...
Cuidados intensivos neonatais em cardiopatia congenita grave mudando o curso ...
gisa_legal
 
Anais.jornada norteriograndense ped intesiva.texto do artigo 5682-1-10-20160921
Anais.jornada norteriograndense ped intesiva.texto do artigo 5682-1-10-20160921Anais.jornada norteriograndense ped intesiva.texto do artigo 5682-1-10-20160921
Anais.jornada norteriograndense ped intesiva.texto do artigo 5682-1-10-20160921
gisa_legal
 
Semiologia 01 anamnese e ectoscopia
Semiologia 01   anamnese e ectoscopiaSemiologia 01   anamnese e ectoscopia
Semiologia 01 anamnese e ectoscopia
Jucie Vasconcelos
 
Semiologia anamnese e ectoscopia
Semiologia   anamnese e ectoscopiaSemiologia   anamnese e ectoscopia
Semiologia anamnese e ectoscopia
leandrosdpsi
 
Aula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúde
Aula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúdeAula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúde
Aula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúde
LviaResende3
 
Avalia+º+úo col vertebral
Avalia+º+úo col vertebralAvalia+º+úo col vertebral
Avalia+º+úo col vertebral
juuliacarolina
 

Semelhante a Situação de Aprendizagem (20)

Plano de Ensino do Módulo Saúde do Adulto- I UC-III - 2011 - 1
Plano de Ensino do Módulo Saúde do Adulto- I  UC-III -  2011 - 1Plano de Ensino do Módulo Saúde do Adulto- I  UC-III -  2011 - 1
Plano de Ensino do Módulo Saúde do Adulto- I UC-III - 2011 - 1
 
1340058717tem raciocinio clinico_sala_urgencia
1340058717tem raciocinio clinico_sala_urgencia1340058717tem raciocinio clinico_sala_urgencia
1340058717tem raciocinio clinico_sala_urgencia
 
Apostila natalini completa
Apostila natalini completaApostila natalini completa
Apostila natalini completa
 
Aulas im 2012 13 fmuc
Aulas im 2012   13 fmucAulas im 2012   13 fmuc
Aulas im 2012 13 fmuc
 
Apresentação de casos clinico_Sedação e doenças reumaticas 2 (1).pptx
Apresentação de casos clinico_Sedação e doenças reumaticas 2 (1).pptxApresentação de casos clinico_Sedação e doenças reumaticas 2 (1).pptx
Apresentação de casos clinico_Sedação e doenças reumaticas 2 (1).pptx
 
Estudodecaso 140414212836-phpapp01
Estudodecaso 140414212836-phpapp01Estudodecaso 140414212836-phpapp01
Estudodecaso 140414212836-phpapp01
 
Como Interpretar um artigo em Fisioterapia - Básico
Como Interpretar um artigo em Fisioterapia - BásicoComo Interpretar um artigo em Fisioterapia - Básico
Como Interpretar um artigo em Fisioterapia - Básico
 
Aula 1 - respostas humanas para a área da enfermagem
Aula 1 - respostas humanas para a área da enfermagemAula 1 - respostas humanas para a área da enfermagem
Aula 1 - respostas humanas para a área da enfermagem
 
Cuidados intensivos neonatais em cardiopatia congenita grave mudando o curso ...
Cuidados intensivos neonatais em cardiopatia congenita grave mudando o curso ...Cuidados intensivos neonatais em cardiopatia congenita grave mudando o curso ...
Cuidados intensivos neonatais em cardiopatia congenita grave mudando o curso ...
 
Anais.jornada norteriograndense ped intesiva.texto do artigo 5682-1-10-20160921
Anais.jornada norteriograndense ped intesiva.texto do artigo 5682-1-10-20160921Anais.jornada norteriograndense ped intesiva.texto do artigo 5682-1-10-20160921
Anais.jornada norteriograndense ped intesiva.texto do artigo 5682-1-10-20160921
 
Semiologia completa
Semiologia completaSemiologia completa
Semiologia completa
 
Semiologia 01 anamnese e ectoscopia
Semiologia 01   anamnese e ectoscopiaSemiologia 01   anamnese e ectoscopia
Semiologia 01 anamnese e ectoscopia
 
Semiologia anamnese e ectoscopia
Semiologia   anamnese e ectoscopiaSemiologia   anamnese e ectoscopia
Semiologia anamnese e ectoscopia
 
Semiologia
SemiologiaSemiologia
Semiologia
 
Semiologia ortopedica exame
Semiologia ortopedica   exameSemiologia ortopedica   exame
Semiologia ortopedica exame
 
Planejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagemPlanejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagem
 
Aula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúde
Aula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúdeAula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúde
Aula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúde
 
Semiologia e patologia aplicada
Semiologia e patologia aplicadaSemiologia e patologia aplicada
Semiologia e patologia aplicada
 
Avalia+º+úo col vertebral
Avalia+º+úo col vertebralAvalia+º+úo col vertebral
Avalia+º+úo col vertebral
 
A tecnica-condicionativa
A tecnica-condicionativaA tecnica-condicionativa
A tecnica-condicionativa
 

Último

GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
edjailmax
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
LisaneWerlang
 

Último (20)

hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 

Situação de Aprendizagem

  • 1. Descrição da situação de aprendizagem (2) Paciente R.A.S., do sexo masculino, 80 anos, idoso, internado na unidade de clínica oncológica do Hospital SENAC, referência no tratamento de Oncologia para realização de quimioterapia paliativa, de um câncer de esôfago com os quimioterápicos antineoplásicos Cisplatina e 5-fluorouracilo, relata a dor física, falta de ar, fadiga, náuseas, inapetência, queixa de dores muito fortes no corpo, como também, desabafou dor emocional, que gera o medo da morte, ansiedade, depressão. O paciente apresenta como comorbidade HAS, Depressão, relato de neuropatia periférica durante o tratamento. Na evolução médica, consta que o paciente está cuidados paliativos exclusivos, em estágio avançado do câncer. No momento, apresenta rebaixamento do nível de consciência, respiração na modalidade de gasping, espontaneamente em ar ambiente, eliminações fisiológicas sem regularidade. Ao exame físico céfalo-podal sem alterações: couro cabeludo íntegro e limpo, olhos simétricos com pupilas midriáticas (dilatadas) com lento retorno, cavidades nasal e bucal sem anomalias. Porém com ausências dentes, cavidades auriculares limpas e inalteradas, pescoço sem alterações visíveis, abdome parcialmente globoso, membros superiores com presença de equimoses, genitália preservada e sem alterações, membros inferiores edemaciados ++++/++++, extremidades arroxeadas/ cianóticas. O paciente evoluiu para uma parada cardiorrespiratória, não sendo indicado reanimação ou intervenção para instalação de dispositivo respiratório, conforme relato médico.
  • 2. Desafios: 1. Qual é a sua abordagem inicial perante essa situação de aprendizagem, levando em consideração os indicadores propostos? 2. Quais medidas de proteção individual podem utilizadas durante o preparo do óbito, que o técnico em enfermagem especialista em Oncologia, precisa utilizar? 3. Como especialista em Oncologia, quais os cuidados de enfermagem no preparo do óbito, você deve realizar? 4. Desenvolva um roteiro com base no texto disponibilizado para preparo do corpo após constatação do óbito. 5. Realizar uma anotação de enfermagem evidenciando, pontualmente as informações acerca do óbito. 6. Identifique os termos técnicos presentes no relato de caso clínico, como também, os conceitue.
  • 3. Orientações: - Em grupo/ tempo de realização de até 30min; - Apresentação dos desafios; - Entregar parte escrita (todos os desafios em grupo). Indicadores que serão desenvolvidos: 1. Presta assistência de enfermagem humanizada considerando a Política Nacional de Humanização; 2. Utiliza de medidas de proteção individual e coletiva conforme as normas regulamentadoras; 3. Registra as atividades realizadas conforme as instituições de saúde; 4. Realiza cuidados paliativos em pacientes oncológicos em estágio final; 5. Utiliza medidas de conforto em pacientes oncológicos, proporcionando bem- estar; 6. Administra analgesia pelas diversas vias, conforme prescrição médica.