SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 51
Baixar para ler offline
GERENCIAMENTO DO SERVIÇO DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAPREVISÃO E PROVISÃO DE RECURSOS HUMANOS 
PROF. ME. ENFo. AROLDO GAVIOLI
DESAFIO PARA ENFERMAGEM 
O processo de reorganização dos serviços de saúde, no que tange a assegurar uma distribuição e utilização dos recursos humanos, financeiros e materiais que contemplem a eficácia, eficiência e a economicidade do sistema de saúde.
RECURSOS HUMANOS 
Na área da saúde envolve tudo que se refere aos trabalhadores da saúde e possui múltiplas dimensões: 
composição e distribuição da força de trabalho 
Formação 
Qualificação profissional 
Mercado de trabalho 
Organização do trabalho 
Regulação do exercício profissional e relações de trabalho.
O ATENDIMENTO AO USUÁRIO 
Depende de um planejamento minucioso, que tem por base várias necessidades 
•É dever da enfermagem assegurar processos assistenciais em quantidade e qualidade capazes de satisfazer às necessidades da clientela. 
Para execução desses processos, devem utilizar um conjunto de instrumentos: 
•Dimensionamento de pessoal 
•Escala de pessoal 
•recrutamento e seleção 
•educação permanente 
•trabalho em equipe e avaliação de desempenho.
NAS UNIDADES DE EMERGÊNCIA 
Os desafios relacionados ao planejamento, alocação e avaliação de recursos humanos de enfermagem, assume maiores proporções devido: 
Dinâmica de trabalho da unidade 
Diversidade das ações desenvolvidas 
Rotatividade de pacientes 
Escassez de parâmetros 
Estes aspectos dificultam a operacionalização dos métodos convencionais de gerenciamento de recursos humanos.
RESOLUÇÃO DO COFEN 293 DE 21 DE SETEMBRO DE 2004. 
Resolução que trata do planejamento numérico de profissionais da enfermagem (dimensionamento de pessoal). 
Define também parâmetros qualitativos, ou seja, quantos de cada categoria profissional são necessários para viabilizar uma prestação de assistência de qualidade.
RESOLUÇÃO DO COFEN 293 DE 21 DE SETEMBRO DE 2004. 
O dimensionamento de pessoal de enfermagem 
•Instrumento de natureza gerencial a ser desenvolvido pelos enfermeiros 
•É uma fonte de constante preocupação 
•Necessidade de corresponder às finalidades e aos objetivos do serviço no que se refere à prestação de cuidados aos pacientes
DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL 
Foco de atenção de enfermeiros e administradores 
Interfere diretamente na eficácia da assistência e do custo da assistência
DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL DE ENFERMAGEM 
Definido como etapa inicial do processo de provimento de pessoal. 
Finalidade de prever a quantidade de funcionários por categoria para suprir as necessidades assistenciais de enfermagem
DIMENSIONAMENTO E GERENTES DE ENFERMAGEM 
Aspectos quantitativos e qualitativos: sinônimos de eficiência e eficácia dos gerentes 
Vincula-se à definição dos seus níveis de responsabilidade organizacional 
O gerente é o responsável pelo dimensionamento adequado ou inadequado 
Tal dimensionamento interfere no tipo de assistência prestada
DIMENSIONAMENTO NO LIMITE 
Implica nos resultados da assistência 
Trabalho inseguro 
Risco para clientela 
Gastos com processos 
Custos multiplicados em outras áreas
CENÁRIO COMPLEXO 
Capacitação ético-política do enfermeiro e dos gestores 
Questão crucial para o gerenciamento do cuidado nos serviços de atenção às urgências. 
Identificar o quantitativo de trabalhadores de enfermagem necessário e adequado ao volume de atividades desenvolvidas tem gerado conflitos de natureza econômica, técnica e ética.
A enfermagem, no âmbito da atenção às urgências, assume a responsabilidade de prover cuidados contínuos aos pacientes e para tanto necessita dispor de recursos humanos qualificados e em quantidade que lhe possibilite responder às expectativas institucionais.
DIMENSÃO POLÍTICA 
Embora alicerçada cientificamente, transcende a dimensão técnico-científica e se insere em uma dimensão política 
Requer capacidade de articulação, sensibilização, coalizões e negociação de projetos. 
Redução de despesas, por meio da diminuição numérica e quantitativa de pessoal de enfermagem. 
Instalação de conflitos que se estabelecem entre o custo e o benefício, entre o pessoal e o institucional, entre o capital e o trabalho, entre a técnica e o ético.
INADEQUAÇÃO NUMÉRICA DE PESSOAL DE ENFERMAGEM 
Lesa a clientela no seu direito de assistência à saúde livre de riscos. 
Os enfermeiros precisam comprometer a administração responsável pelo provimento do quadro de pessoal de enfermagem quanto aos riscos a que os pacientes estão expostos quando não são providos os recursos necessários, de modo que a instituição seja responsabilizada legalmente pelas eventuais falhas ocorridas na assistência.
CÁLCULO PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL 
Devem ser realizados por enfermeiros 
Ser embasadas na resolução COFEN nº 293/2004 
É permitido ao auxiliar de enfermagem desenvolver suas atividades no OS, no entanto, recomenda-se o profissional técnico de enfermagem para atividade de maior complexidade. 
Utilizar o sistema de classificação de pacientes para realizar o dimensionamento
SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE PACIENTES 
Connor 1960 
Critério para dimensionar pessoal de enfermagem 
Estudos de custos da assistência de enfermagem
SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE PACIENTES 
Alward, 1983 
•“ SCP pode auxiliar a enfermeira a justificar a necessidade de pessoal adicional, quando ocorre aumento do volume de trabalho na unidade.” 
•“O SCP possibilita à enfermeira avaliar e adequar o volume de trabalho requerido com o pessoal de enfermagem disponível.”
SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE PACIENTES 
SCP 
•“Forma de determinar o grau de dependência de uma paciente em relação a equipe de enfermagem, objetivando estabelecer o tempo dispendido no cuidado direito e indireto, bem como o qualitativo de pessoal, para a tender as necessidades dos pacientes” Gaidzinski, 1994
SCP –FUGULINET AL, 1994 
Cuidados intensivos 
Cuidados semi- intensivos 
Alta dependência 
Cuidados intermediários 
Cuidados mínimos
HORAS MÉDIAS DE ENFERMAGEM (RES. COFEN189/96) 
3,0 horas de enfermagem, por cliente, na assistência mínima; 
4,9 horas de enfermagem, por cliente, na assistência intermediária; 
8,5 horas de enfermagem, por cliente, na assistência semi-intensiva; 
15,4 horas de enfermagem, por cliente, na assistência intensiva.
DISTRIBUIÇÃO DE PERCENTUAL DE PROFISSIONALRES. COFEN189/96 
Assistência mínima e intermediária: 27% de enfermeiros e 73% de técnicos e auxiliares de enfermagem; 
Assistência semi-intensiva: 40% de enfermeiros e 60% de técnicos e auxiliares de enfermagem; 
Assistência intensiva: 55,6% de enfermeiros e 44,4% de técnicos de enfermagem
RESOLUÇÃO COFEN 293/04 
3,8 horas de enfermagem, por cliente, na assistência mínima; 
5,6 horas de enfermagem, por cliente, na assistência intermediária; 
9,4 horas de enfermagem, por cliente, na assistência semi-intensiva; 
7,9 horas de enfermagem, por cliente, na assistência intensiva. 
Assistência mínima e intermediária: 33 A 37% de enfermeiros e 67 a 63% de técnicos e auxiliares de enfermagem; 
Assistência semi-intensiva: 42 a 46% de enfermeiros e 58 a 54% de técnicos e auxiliares de enfermagem; 
Assistência intensiva: 52 a 56% de enfermeiros e 48 a 44% de técnicos de enfermagem
DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL DE ENFERMAGEM
AUSÊNCIAS POR FOLGA SEMANAL
FOLGAS (FERIADOS) NÃO COINCIDENTES A DOMINGOS
AUSÊNCIAS POR FÉRIAS
AUSENCIASNÃO PREVISTAS (FALTAS, LICENÇAS E SUSPENSÕES)
AUSÊNCIAS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM
ÍNDICE DE PRODUTIVIDADE 
Produtividade 
Avaliação 
<60% 
Insatisfatória 
> 60% a< 75% 
Satisfatória 
> 75% a < 875% 
Excelente 
> 85% 
Suspeita 
tefetivo= t.p
EQUAÇÃO PRA DIMENSIONAR PESSOAL DE ENFERMAGEM 
Q = quantidade total de pessoal de enfermagem; 
Pkj= proporção percentual da categoria k, de acordo com o tipo de cuidado j; 
nj= quantidade média diária de pacientes que necessitam do tipo de cuidado j; 
hj= horas de assistência de enfermagem por paciente que necessita do cuidado j; 
tk= tempo diário de trabalho de cada profissional da categoria k; 
pk= produtividade (tempo diário de trabalho dedicado ao cuidado ao paciente) da categoria k
ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL 
Para efetivação da assistência 
Enfermeiros são responsáveis pelas escalas de distribuição de pessoal 
(mensal, diária e férias) 
Conhecimento do perfil demográfico, epidemiológico e organizacional da clientela 
Dinâmica da unidade 
Características da equipe de enfermagem 
Leis trabalhistas.
ESCALA MENSAL 
Contempla os três turnos de trabalho e é onde são registrados as folgas, férias e licenças dos funcionários. 
•Deve-se garantir a assistência de enfermagem nas 24 horas, 
•O planejamento das folgas e férias, deverá garantir número suficiente de técnicos, auxiliares e enfermeiros. 
•Deve ser elaborada pelo Enfermeiro
ESCALA DIÁRIA 
É elaborada pelo enfermeiro responsável pelo plantão ou turno. 
É baseada na complexidade e características do setor e tem por objetivo a distribuição de atividades entre os funcionários de acordo com classe de trabalho
38 
ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL 
É obrigatório: 
•A concessão de um intervalo de no mínimo 1 hora e de no máximo 2 horas, para repouso ou alimentação em trabalho contínuo, cuja jornada exceda a 6 horas. Para trabalhos cuja jornada exceda a 4 horas e não ultrapasse 6 horas é obrigatório um intervalo de15 minutos.
39 
ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL 
A mulher tem direito, durante a jornada de trabalho, a dois descansos especiais, de meia hora cada um para amamentar o próprio filho, até que este complete seis meses de idade. Esse tempo pode ser dilatado a critério da autoridade competente, quando a saúde do filho exigir.
40 
ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL 
O funcionário tem direito a, no mínimo, um dia (24 horas) de descanso por semana, remunerado e preferencialmente no domingo, exceto quando a atividade profissional exija trabalho aos domingos. 
Nesse caso, o funcionário terá direito a pelo menos um domingo a cada sete semanas. 
No caso da mulher, deve haver um descanso dominical a cada 11 dias. 
Além das folgas a que o funcionário tem direito de acordo com a duração semanal do trabalho, devem ser incluídas também as folgas referentes aos feriados civis e religiosos.
41 
ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL 
Ficam asseguradas aos enfermeiros, gratificações de função nos seguintes termos: I -20% (vinte por cento) do salário base, para aqueles que exercem função de chefia-geral. 
II -10% (dez por cento) do salário base, para aqueles que exercem função em: UTI, Centro Cirúrgico, Unidade de Hemodiálise ou CCIH. 
III -05% (cinco por cento) do salário base, para aqueles que exercem função em psiquiatria. Adicional noturno -o trabalho realizado no horário das 22:00 (vinte e duas) horas às 05:00 (cinco) horas será remunerado com adicional de 20% (vinte por cento) sobre a hora diurna. 
Horas Extras -As horas extraordinárias serão remuneradas com acréscimo de 50% (cinqüenta por cento), sobre a hora normal.
42 
ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL 
Condições em que ausência do funcionário não é considerada falta ao serviço, não havendo, portanto, prejuízo do salário: 
Até 15 dias, em caso de doença, mediante atestado fornecido por médico da instituição de previdência social a que estiver filiado o empregado. 
Até dois dias consecutivos, em caso de falecimento do cônjuge, ascendente, descendente, irmão ou pessoa que declarada em sua carteira de trabalho e Previdência Social, viva sob sua dependência econômica.
43 
ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL 
Até três dias consecutivos em virtude do casamento. 
Por cinco dias, para os homens em caso de nascimento do filho. 
Durante o período de licença gestante que corresponde a 120 dias. 
Por 15 dias, como prorrogação da licença à gestante, mediante atestado médico, quando a mãe amamenta e na instituição não tem creche. 
Por 15 dias, em caso de aborto não criminoso. 
Se a falta estiver fundamentada na lei sobre acidente do trabalho.
44 
ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL 
Por um dia, a cada 12 meses de trabalho, em caso de doação voluntária de sangue. 
No período de tempo em que tiver de cumprir o serviço militar. 
Durante suspensão preventiva para responder inquérito administrativo, ou de prisão preventiva quando for impronunciado ou absolvido. 
Quando servir como testemunha, devidamente arrolada ou convocada.
45 
ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL 
Entre uma jornada e outra deve haver um intervalo mínimo de 11 horas consecutivas. 
A hora noturna equivale a 52 min. e 30 seg. Portanto a cada 8 plantões noturnos de 12 horas o funcionário tem um de folga. 
Os intervalos de descanso não são computados na jornada de trabalho.
46 
ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL 
A duração semanal do trabalho varia de acordo com a instituição: 30, 36, 40 ou 44 horas. Os intervalos de turnos podem ser: 12X36, 12X48 ou 12X60, não podendo exceder 44 horas semanais. 
O número de folgas será de acordo com a duração semanal do trabalho, mais as folgas correspondentes aos feriados do mês.
47 
ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL 
Escala diária:É também denominada de escla de atividades e de escala de serviço. Objetiva dividir as atividades de enfermagem, diariamente, de maneira equitativa, entre os elementos da equipe de enfermagem. 
Essa distribuição pode ser realizada com base no método de prestação de cuidados utilizado na unidade. Estes podem ser: método funcional, integral ou do trabalho em equipe.
48 
ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL 
Escala de férias:É também denominada de escala anual. As férias devem ser distribuídas racionalmente, para o bom andamento do serviço e satisfação do pessoal. 
Após cada período de 12 meses o funcionário terá direito a 30 dias corridos, quando não houver faltado ao serviço mais de 05 vezes; 24 dias corridos, quando tido de 6 a 14 faltas; 18 dias corridos, quando houver tido de 15 a 23 faltas; 12 dias corridos, quando houver tido de 24 a 32 faltas. 
A concessão de férias deve ser participada ao funcionário com, no mínimo, 30 dias de antecedência.
49 
ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL 
A época das férias será a que melhor atenda o empregador. 
O empregado pode converter 1/3 do período de férias em abono pecuniário.
CONCLUINDO 
Para o enfermeiro, alcançar o melhor nível do trabalho em equipe é algo complexo, pois exige grande esforço, interesse e disponibilidade dos profissionais da equipe de enfermagem na busca de conhecimentos que subsidiem uma assistência qualificada e integral aos usuários. 
Os enfermeiros reconhecem a complementaridade entre as atividades dos diversos profissionais e sua responsabilidade na articulação e integração das diferentes ações profissionais que envolvem a produção do cuidado. Desse modo, trabalhar em equipe facilita a realização do trabalho em um contexto com as particularidades dos serviços de emergência
REFERÊNCIAS 
▪DAL SASSO, G. T. M.; DARLI, M. C. B. C., LUCIELI DIAS PEDRESCHI.; ET AL. Cursode EspecializaçãoemLinhasde CuidadoemEnfermagem: MóduloV -Classificaçãode riscoe acolhimentoFlorianópilis-SC: UniversidadeFederal de Santa Catarina-UFSCProgramade Pósgraduaçãoemenfermagem, 2013. 
▪FugulinFMT, Silva SHS, Shimizu HE, Campos FPF. Implantação do sistema de classificação de pacientes na clínica médica do hospital universitário da USP. Revde MedHU-USP 1994; 4(1/2):63-8. 
▪FugulinFMT. Sistema de classificação de pacientes: análise das horas de assistência de enfermagem. [dissertação] São Paulo (SP): Escola de Enfermagem da USP; 1997. 
▪GaidzinskiRR. O dimensionamentodo pessoalde enfermagemsegundoa percepçãode enfermeirasquevivenciamestaprática. [tese] São Paulo (SP): Escolade Enfermagemda USP; 1994. 
▪GaidzinskiRR. Dimensionamentode pessoalde enfermagememinstituiçõeshospitalares. [tese] São Paulo (SP): Escolade Enfermagemda USP; 1998. 
▪KurcgantP, Cunha K, GaidzinskiRR. Subsídiospara a estimativade pessoalde enfermagem. Enfoque1989; 17(3): 79-81. 
▪Connor RJ. A hospital inpatient classification systems: a dissertation submitted to the advisory Board of Engineering of Johns Hopkins University in conformity with the requirements for degree of Doctor of Engeneering. Baltimore: The Johns Hopkins University; 1960.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemGerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemAroldo Gavioli
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do pacienteHIAGO SANTOS
 
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteAula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteProqualis
 
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptxUrgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptxEnfermeiraLuciana1
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de EnfermagemCharles Lima
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergênciaresenfe2013
 
Aula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto SocorroAula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto Socorrozoeadas
 
Acolhimento e Classificação de Risco
Acolhimento e Classificação de RiscoAcolhimento e Classificação de Risco
Acolhimento e Classificação de RiscoAndressa Macena
 
gerenciamento de enfermagem
gerenciamento de enfermagemgerenciamento de enfermagem
gerenciamento de enfermagemjosi uchoa
 
Rede de urgência e emergência crs leste
Rede de urgência e emergência crs lesteRede de urgência e emergência crs leste
Rede de urgência e emergência crs lesteRubens Kon
 
Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Ismael Costa
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppttuttitutti1
 

Mais procurados (20)

Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemGerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
 
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteAula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
 
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptxUrgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
 
Urgências e emergências na atenção primária à saúde
Urgências e emergências na atenção primária à saúdeUrgências e emergências na atenção primária à saúde
Urgências e emergências na atenção primária à saúde
 
Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
 
Introduçao a urgencia e emergencia
Introduçao a urgencia e emergenciaIntroduçao a urgencia e emergencia
Introduçao a urgencia e emergencia
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
 
Gerência em Enfermagem
Gerência em EnfermagemGerência em Enfermagem
Gerência em Enfermagem
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
 
Aula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto SocorroAula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto Socorro
 
Acolhimento e Classificação de Risco
Acolhimento e Classificação de RiscoAcolhimento e Classificação de Risco
Acolhimento e Classificação de Risco
 
Classificação
ClassificaçãoClassificação
Classificação
 
gerenciamento de enfermagem
gerenciamento de enfermagemgerenciamento de enfermagem
gerenciamento de enfermagem
 
Rede de urgência e emergência crs leste
Rede de urgência e emergência crs lesteRede de urgência e emergência crs leste
Rede de urgência e emergência crs leste
 
Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
 

Destaque

Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergênciaHumanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergênciaAroldo Gavioli
 
Gerenciamento de enfermagem e trabalho em equipe.
Gerenciamento de enfermagem e trabalho em equipe.Gerenciamento de enfermagem e trabalho em equipe.
Gerenciamento de enfermagem e trabalho em equipe.Andressa Giovanni
 
Edital_sec_saude_paulista_1_2013_600vagas
Edital_sec_saude_paulista_1_2013_600vagasEdital_sec_saude_paulista_1_2013_600vagas
Edital_sec_saude_paulista_1_2013_600vagasVinícius Sobreira
 
Modelo de Escala de Servico
Modelo de Escala de ServicoModelo de Escala de Servico
Modelo de Escala de ServicoDGAC
 
Aula arh [modo de compatibilidade]
Aula   arh [modo de compatibilidade]Aula   arh [modo de compatibilidade]
Aula arh [modo de compatibilidade]07082001
 
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemGerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemLuciane Santana
 
Resumo, Relatório e Fichamento
Resumo, Relatório e FichamentoResumo, Relatório e Fichamento
Resumo, Relatório e FichamentoPatrícia Soares
 
Manual ESF/PSF - Ministério da Saúde
Manual ESF/PSF - Ministério da SaúdeManual ESF/PSF - Ministério da Saúde
Manual ESF/PSF - Ministério da Saúdecarlospolicarpo
 
Assistência de enfermagem ao paciente politraumatizado e queimado adulto iii
Assistência de enfermagem ao paciente politraumatizado e queimado adulto iiiAssistência de enfermagem ao paciente politraumatizado e queimado adulto iii
Assistência de enfermagem ao paciente politraumatizado e queimado adulto iiikevillykk
 
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de EnfermagemA Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de EnfermagemCentro Universitário Ages
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoSylvania Paiva
 
Enfermagem Obstétrica. Diretrizes assistenciais
Enfermagem Obstétrica. Diretrizes assistenciaisEnfermagem Obstétrica. Diretrizes assistenciais
Enfermagem Obstétrica. Diretrizes assistenciaisFabiana Oliveira
 
Normas e rotinas de enfermagem pronto atendimento
Normas e rotinas de enfermagem pronto atendimentoNormas e rotinas de enfermagem pronto atendimento
Normas e rotinas de enfermagem pronto atendimentoJeferson Silva
 
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergênciasjaddy xavier
 
Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...
Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...
Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 

Destaque (20)

Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergênciaHumanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
 
Cartilha Urgência e Emergência
Cartilha Urgência e EmergênciaCartilha Urgência e Emergência
Cartilha Urgência e Emergência
 
aulapronto-socorro
 aulapronto-socorro  aulapronto-socorro
aulapronto-socorro
 
Gerenciamento de enfermagem e trabalho em equipe.
Gerenciamento de enfermagem e trabalho em equipe.Gerenciamento de enfermagem e trabalho em equipe.
Gerenciamento de enfermagem e trabalho em equipe.
 
Edital_sec_saude_paulista_1_2013_600vagas
Edital_sec_saude_paulista_1_2013_600vagasEdital_sec_saude_paulista_1_2013_600vagas
Edital_sec_saude_paulista_1_2013_600vagas
 
Emer. parte 1
 Emer. parte 1 Emer. parte 1
Emer. parte 1
 
Modelo de Escala de Servico
Modelo de Escala de ServicoModelo de Escala de Servico
Modelo de Escala de Servico
 
Aula arh [modo de compatibilidade]
Aula   arh [modo de compatibilidade]Aula   arh [modo de compatibilidade]
Aula arh [modo de compatibilidade]
 
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemGerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
 
Exposição 05 Competências da Rede Hospitalar 2
Exposição 05 Competências da Rede Hospitalar 2Exposição 05 Competências da Rede Hospitalar 2
Exposição 05 Competências da Rede Hospitalar 2
 
Resumo, Relatório e Fichamento
Resumo, Relatório e FichamentoResumo, Relatório e Fichamento
Resumo, Relatório e Fichamento
 
Manual ESF/PSF - Ministério da Saúde
Manual ESF/PSF - Ministério da SaúdeManual ESF/PSF - Ministério da Saúde
Manual ESF/PSF - Ministério da Saúde
 
Assistência de enfermagem ao paciente politraumatizado e queimado adulto iii
Assistência de enfermagem ao paciente politraumatizado e queimado adulto iiiAssistência de enfermagem ao paciente politraumatizado e queimado adulto iii
Assistência de enfermagem ao paciente politraumatizado e queimado adulto iii
 
Emergencias clinicas
Emergencias clinicasEmergencias clinicas
Emergencias clinicas
 
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de EnfermagemA Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizado
 
Enfermagem Obstétrica. Diretrizes assistenciais
Enfermagem Obstétrica. Diretrizes assistenciaisEnfermagem Obstétrica. Diretrizes assistenciais
Enfermagem Obstétrica. Diretrizes assistenciais
 
Normas e rotinas de enfermagem pronto atendimento
Normas e rotinas de enfermagem pronto atendimentoNormas e rotinas de enfermagem pronto atendimento
Normas e rotinas de enfermagem pronto atendimento
 
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 
Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...
Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...
Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...
 

Semelhante a Gerenciamento urgências

Demostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalarDemostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalarLuciane Santana
 
Resolução 293 2004 - dimensionamento
Resolução  293   2004 - dimensionamentoResolução  293   2004 - dimensionamento
Resolução 293 2004 - dimensionamentoRodrigo Vargas
 
USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...
USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...
USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...rrbonci
 
Padrões-de-Qualidade-slides.pptx
Padrões-de-Qualidade-slides.pptxPadrões-de-Qualidade-slides.pptx
Padrões-de-Qualidade-slides.pptxFrederico Brandão
 
Unidade de Internação Pediátrica - Projeto.pptx
Unidade de Internação Pediátrica - Projeto.pptxUnidade de Internação Pediátrica - Projeto.pptx
Unidade de Internação Pediátrica - Projeto.pptxLUCIENESOUZANASCIMEN
 
Manual pratico fim 1b -21-&amp;&amp;
Manual pratico fim 1b -21-&amp;&amp;Manual pratico fim 1b -21-&amp;&amp;
Manual pratico fim 1b -21-&amp;&amp;Toni Magalhaes
 
Dimencionamento de pessoal em enf
Dimencionamento de pessoal em enfDimencionamento de pessoal em enf
Dimencionamento de pessoal em enfSandro Casu
 
Gestão eficiente de agendas e atendimento ao paciente em clínicas odontológic...
Gestão eficiente de agendas e atendimento ao paciente em clínicas odontológic...Gestão eficiente de agendas e atendimento ao paciente em clínicas odontológic...
Gestão eficiente de agendas e atendimento ao paciente em clínicas odontológic...Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Proqualis
 
Protocolos de urgência e emergência em empresas
Protocolos de urgência e emergência em empresasProtocolos de urgência e emergência em empresas
Protocolos de urgência e emergência em empresasCosmo Palasio
 
Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem - campo mourao
Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem - campo mouraoDimensionamento de Pessoal de Enfermagem - campo mourao
Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem - campo mouraoToni Magalhaes
 
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Luciane Santana
 
Universidade Corporativa para Área da Saúde
Universidade Corporativa para Área da SaúdeUniversidade Corporativa para Área da Saúde
Universidade Corporativa para Área da Saúdegfgdias
 
Manual de integracao pares[1113].pptx
Manual de integracao pares[1113].pptxManual de integracao pares[1113].pptx
Manual de integracao pares[1113].pptxCatarinaBessa8
 
Resolução no 2.079, de 14 de agosto de 2014
Resolução no  2.079, de 14 de agosto de 2014Resolução no  2.079, de 14 de agosto de 2014
Resolução no 2.079, de 14 de agosto de 2014Farmacêutico Digital
 

Semelhante a Gerenciamento urgências (20)

Manual cofen
Manual cofenManual cofen
Manual cofen
 
Anais
AnaisAnais
Anais
 
Demostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalarDemostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalar
 
Resolução 293 2004 - dimensionamento
Resolução  293   2004 - dimensionamentoResolução  293   2004 - dimensionamento
Resolução 293 2004 - dimensionamento
 
USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...
USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...
USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...
 
Padrões-de-Qualidade-slides.pptx
Padrões-de-Qualidade-slides.pptxPadrões-de-Qualidade-slides.pptx
Padrões-de-Qualidade-slides.pptx
 
Unidade de Internação Pediátrica - Projeto.pptx
Unidade de Internação Pediátrica - Projeto.pptxUnidade de Internação Pediátrica - Projeto.pptx
Unidade de Internação Pediátrica - Projeto.pptx
 
Manual pratico fim 1b -21-&amp;&amp;
Manual pratico fim 1b -21-&amp;&amp;Manual pratico fim 1b -21-&amp;&amp;
Manual pratico fim 1b -21-&amp;&amp;
 
Dimencionamento de pessoal em enf
Dimencionamento de pessoal em enfDimencionamento de pessoal em enf
Dimencionamento de pessoal em enf
 
Dimencionamento de pessoal
Dimencionamento de pessoalDimencionamento de pessoal
Dimencionamento de pessoal
 
Gestão eficiente de agendas e atendimento ao paciente em clínicas odontológic...
Gestão eficiente de agendas e atendimento ao paciente em clínicas odontológic...Gestão eficiente de agendas e atendimento ao paciente em clínicas odontológic...
Gestão eficiente de agendas e atendimento ao paciente em clínicas odontológic...
 
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
 
Protocolos de urgência e emergência em empresas
Protocolos de urgência e emergência em empresasProtocolos de urgência e emergência em empresas
Protocolos de urgência e emergência em empresas
 
Art5 perfil
Art5 perfilArt5 perfil
Art5 perfil
 
Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem - campo mourao
Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem - campo mouraoDimensionamento de Pessoal de Enfermagem - campo mourao
Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem - campo mourao
 
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
Universidade Corporativa para Área da Saúde
Universidade Corporativa para Área da SaúdeUniversidade Corporativa para Área da Saúde
Universidade Corporativa para Área da Saúde
 
Manual de integracao pares[1113].pptx
Manual de integracao pares[1113].pptxManual de integracao pares[1113].pptx
Manual de integracao pares[1113].pptx
 
Resolução no 2.079, de 14 de agosto de 2014
Resolução no  2.079, de 14 de agosto de 2014Resolução no  2.079, de 14 de agosto de 2014
Resolução no 2.079, de 14 de agosto de 2014
 

Mais de Aroldo Gavioli

Transtornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosTranstornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosAroldo Gavioli
 
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosSíndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosAroldo Gavioli
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...Aroldo Gavioli
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaAroldo Gavioli
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalAroldo Gavioli
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalAroldo Gavioli
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaAroldo Gavioli
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaAroldo Gavioli
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crisesAroldo Gavioli
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaAroldo Gavioli
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesAroldo Gavioli
 
Métodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosMétodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosAroldo Gavioli
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 

Mais de Aroldo Gavioli (20)

Transtornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosTranstornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicos
 
Transtornos ansiosos
Transtornos ansiososTranstornos ansiosos
Transtornos ansiosos
 
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosSíndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em família
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde Mental
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mental
 
Drogas psicotrópica
Drogas psicotrópicaDrogas psicotrópica
Drogas psicotrópica
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crises
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgência
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentes
 
Métodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosMétodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuos
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 

Último

avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinajarlianezootecnista
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemCarlosLinsJr
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 

Último (15)

avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 

Gerenciamento urgências

  • 1. GERENCIAMENTO DO SERVIÇO DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAPREVISÃO E PROVISÃO DE RECURSOS HUMANOS PROF. ME. ENFo. AROLDO GAVIOLI
  • 2. DESAFIO PARA ENFERMAGEM O processo de reorganização dos serviços de saúde, no que tange a assegurar uma distribuição e utilização dos recursos humanos, financeiros e materiais que contemplem a eficácia, eficiência e a economicidade do sistema de saúde.
  • 3. RECURSOS HUMANOS Na área da saúde envolve tudo que se refere aos trabalhadores da saúde e possui múltiplas dimensões: composição e distribuição da força de trabalho Formação Qualificação profissional Mercado de trabalho Organização do trabalho Regulação do exercício profissional e relações de trabalho.
  • 4. O ATENDIMENTO AO USUÁRIO Depende de um planejamento minucioso, que tem por base várias necessidades •É dever da enfermagem assegurar processos assistenciais em quantidade e qualidade capazes de satisfazer às necessidades da clientela. Para execução desses processos, devem utilizar um conjunto de instrumentos: •Dimensionamento de pessoal •Escala de pessoal •recrutamento e seleção •educação permanente •trabalho em equipe e avaliação de desempenho.
  • 5. NAS UNIDADES DE EMERGÊNCIA Os desafios relacionados ao planejamento, alocação e avaliação de recursos humanos de enfermagem, assume maiores proporções devido: Dinâmica de trabalho da unidade Diversidade das ações desenvolvidas Rotatividade de pacientes Escassez de parâmetros Estes aspectos dificultam a operacionalização dos métodos convencionais de gerenciamento de recursos humanos.
  • 6. RESOLUÇÃO DO COFEN 293 DE 21 DE SETEMBRO DE 2004. Resolução que trata do planejamento numérico de profissionais da enfermagem (dimensionamento de pessoal). Define também parâmetros qualitativos, ou seja, quantos de cada categoria profissional são necessários para viabilizar uma prestação de assistência de qualidade.
  • 7. RESOLUÇÃO DO COFEN 293 DE 21 DE SETEMBRO DE 2004. O dimensionamento de pessoal de enfermagem •Instrumento de natureza gerencial a ser desenvolvido pelos enfermeiros •É uma fonte de constante preocupação •Necessidade de corresponder às finalidades e aos objetivos do serviço no que se refere à prestação de cuidados aos pacientes
  • 8. DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL Foco de atenção de enfermeiros e administradores Interfere diretamente na eficácia da assistência e do custo da assistência
  • 9. DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL DE ENFERMAGEM Definido como etapa inicial do processo de provimento de pessoal. Finalidade de prever a quantidade de funcionários por categoria para suprir as necessidades assistenciais de enfermagem
  • 10. DIMENSIONAMENTO E GERENTES DE ENFERMAGEM Aspectos quantitativos e qualitativos: sinônimos de eficiência e eficácia dos gerentes Vincula-se à definição dos seus níveis de responsabilidade organizacional O gerente é o responsável pelo dimensionamento adequado ou inadequado Tal dimensionamento interfere no tipo de assistência prestada
  • 11. DIMENSIONAMENTO NO LIMITE Implica nos resultados da assistência Trabalho inseguro Risco para clientela Gastos com processos Custos multiplicados em outras áreas
  • 12. CENÁRIO COMPLEXO Capacitação ético-política do enfermeiro e dos gestores Questão crucial para o gerenciamento do cuidado nos serviços de atenção às urgências. Identificar o quantitativo de trabalhadores de enfermagem necessário e adequado ao volume de atividades desenvolvidas tem gerado conflitos de natureza econômica, técnica e ética.
  • 13. A enfermagem, no âmbito da atenção às urgências, assume a responsabilidade de prover cuidados contínuos aos pacientes e para tanto necessita dispor de recursos humanos qualificados e em quantidade que lhe possibilite responder às expectativas institucionais.
  • 14. DIMENSÃO POLÍTICA Embora alicerçada cientificamente, transcende a dimensão técnico-científica e se insere em uma dimensão política Requer capacidade de articulação, sensibilização, coalizões e negociação de projetos. Redução de despesas, por meio da diminuição numérica e quantitativa de pessoal de enfermagem. Instalação de conflitos que se estabelecem entre o custo e o benefício, entre o pessoal e o institucional, entre o capital e o trabalho, entre a técnica e o ético.
  • 15. INADEQUAÇÃO NUMÉRICA DE PESSOAL DE ENFERMAGEM Lesa a clientela no seu direito de assistência à saúde livre de riscos. Os enfermeiros precisam comprometer a administração responsável pelo provimento do quadro de pessoal de enfermagem quanto aos riscos a que os pacientes estão expostos quando não são providos os recursos necessários, de modo que a instituição seja responsabilizada legalmente pelas eventuais falhas ocorridas na assistência.
  • 16. CÁLCULO PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL Devem ser realizados por enfermeiros Ser embasadas na resolução COFEN nº 293/2004 É permitido ao auxiliar de enfermagem desenvolver suas atividades no OS, no entanto, recomenda-se o profissional técnico de enfermagem para atividade de maior complexidade. Utilizar o sistema de classificação de pacientes para realizar o dimensionamento
  • 17. SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE PACIENTES Connor 1960 Critério para dimensionar pessoal de enfermagem Estudos de custos da assistência de enfermagem
  • 18. SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE PACIENTES Alward, 1983 •“ SCP pode auxiliar a enfermeira a justificar a necessidade de pessoal adicional, quando ocorre aumento do volume de trabalho na unidade.” •“O SCP possibilita à enfermeira avaliar e adequar o volume de trabalho requerido com o pessoal de enfermagem disponível.”
  • 19. SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE PACIENTES SCP •“Forma de determinar o grau de dependência de uma paciente em relação a equipe de enfermagem, objetivando estabelecer o tempo dispendido no cuidado direito e indireto, bem como o qualitativo de pessoal, para a tender as necessidades dos pacientes” Gaidzinski, 1994
  • 20. SCP –FUGULINET AL, 1994 Cuidados intensivos Cuidados semi- intensivos Alta dependência Cuidados intermediários Cuidados mínimos
  • 21.
  • 22.
  • 23. HORAS MÉDIAS DE ENFERMAGEM (RES. COFEN189/96) 3,0 horas de enfermagem, por cliente, na assistência mínima; 4,9 horas de enfermagem, por cliente, na assistência intermediária; 8,5 horas de enfermagem, por cliente, na assistência semi-intensiva; 15,4 horas de enfermagem, por cliente, na assistência intensiva.
  • 24. DISTRIBUIÇÃO DE PERCENTUAL DE PROFISSIONALRES. COFEN189/96 Assistência mínima e intermediária: 27% de enfermeiros e 73% de técnicos e auxiliares de enfermagem; Assistência semi-intensiva: 40% de enfermeiros e 60% de técnicos e auxiliares de enfermagem; Assistência intensiva: 55,6% de enfermeiros e 44,4% de técnicos de enfermagem
  • 25. RESOLUÇÃO COFEN 293/04 3,8 horas de enfermagem, por cliente, na assistência mínima; 5,6 horas de enfermagem, por cliente, na assistência intermediária; 9,4 horas de enfermagem, por cliente, na assistência semi-intensiva; 7,9 horas de enfermagem, por cliente, na assistência intensiva. Assistência mínima e intermediária: 33 A 37% de enfermeiros e 67 a 63% de técnicos e auxiliares de enfermagem; Assistência semi-intensiva: 42 a 46% de enfermeiros e 58 a 54% de técnicos e auxiliares de enfermagem; Assistência intensiva: 52 a 56% de enfermeiros e 48 a 44% de técnicos de enfermagem
  • 26. DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL DE ENFERMAGEM
  • 28. FOLGAS (FERIADOS) NÃO COINCIDENTES A DOMINGOS
  • 30. AUSENCIASNÃO PREVISTAS (FALTAS, LICENÇAS E SUSPENSÕES)
  • 31. AUSÊNCIAS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM
  • 32. ÍNDICE DE PRODUTIVIDADE Produtividade Avaliação <60% Insatisfatória > 60% a< 75% Satisfatória > 75% a < 875% Excelente > 85% Suspeita tefetivo= t.p
  • 33. EQUAÇÃO PRA DIMENSIONAR PESSOAL DE ENFERMAGEM Q = quantidade total de pessoal de enfermagem; Pkj= proporção percentual da categoria k, de acordo com o tipo de cuidado j; nj= quantidade média diária de pacientes que necessitam do tipo de cuidado j; hj= horas de assistência de enfermagem por paciente que necessita do cuidado j; tk= tempo diário de trabalho de cada profissional da categoria k; pk= produtividade (tempo diário de trabalho dedicado ao cuidado ao paciente) da categoria k
  • 34.
  • 35. ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL Para efetivação da assistência Enfermeiros são responsáveis pelas escalas de distribuição de pessoal (mensal, diária e férias) Conhecimento do perfil demográfico, epidemiológico e organizacional da clientela Dinâmica da unidade Características da equipe de enfermagem Leis trabalhistas.
  • 36. ESCALA MENSAL Contempla os três turnos de trabalho e é onde são registrados as folgas, férias e licenças dos funcionários. •Deve-se garantir a assistência de enfermagem nas 24 horas, •O planejamento das folgas e férias, deverá garantir número suficiente de técnicos, auxiliares e enfermeiros. •Deve ser elaborada pelo Enfermeiro
  • 37. ESCALA DIÁRIA É elaborada pelo enfermeiro responsável pelo plantão ou turno. É baseada na complexidade e características do setor e tem por objetivo a distribuição de atividades entre os funcionários de acordo com classe de trabalho
  • 38. 38 ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL É obrigatório: •A concessão de um intervalo de no mínimo 1 hora e de no máximo 2 horas, para repouso ou alimentação em trabalho contínuo, cuja jornada exceda a 6 horas. Para trabalhos cuja jornada exceda a 4 horas e não ultrapasse 6 horas é obrigatório um intervalo de15 minutos.
  • 39. 39 ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL A mulher tem direito, durante a jornada de trabalho, a dois descansos especiais, de meia hora cada um para amamentar o próprio filho, até que este complete seis meses de idade. Esse tempo pode ser dilatado a critério da autoridade competente, quando a saúde do filho exigir.
  • 40. 40 ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL O funcionário tem direito a, no mínimo, um dia (24 horas) de descanso por semana, remunerado e preferencialmente no domingo, exceto quando a atividade profissional exija trabalho aos domingos. Nesse caso, o funcionário terá direito a pelo menos um domingo a cada sete semanas. No caso da mulher, deve haver um descanso dominical a cada 11 dias. Além das folgas a que o funcionário tem direito de acordo com a duração semanal do trabalho, devem ser incluídas também as folgas referentes aos feriados civis e religiosos.
  • 41. 41 ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL Ficam asseguradas aos enfermeiros, gratificações de função nos seguintes termos: I -20% (vinte por cento) do salário base, para aqueles que exercem função de chefia-geral. II -10% (dez por cento) do salário base, para aqueles que exercem função em: UTI, Centro Cirúrgico, Unidade de Hemodiálise ou CCIH. III -05% (cinco por cento) do salário base, para aqueles que exercem função em psiquiatria. Adicional noturno -o trabalho realizado no horário das 22:00 (vinte e duas) horas às 05:00 (cinco) horas será remunerado com adicional de 20% (vinte por cento) sobre a hora diurna. Horas Extras -As horas extraordinárias serão remuneradas com acréscimo de 50% (cinqüenta por cento), sobre a hora normal.
  • 42. 42 ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL Condições em que ausência do funcionário não é considerada falta ao serviço, não havendo, portanto, prejuízo do salário: Até 15 dias, em caso de doença, mediante atestado fornecido por médico da instituição de previdência social a que estiver filiado o empregado. Até dois dias consecutivos, em caso de falecimento do cônjuge, ascendente, descendente, irmão ou pessoa que declarada em sua carteira de trabalho e Previdência Social, viva sob sua dependência econômica.
  • 43. 43 ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL Até três dias consecutivos em virtude do casamento. Por cinco dias, para os homens em caso de nascimento do filho. Durante o período de licença gestante que corresponde a 120 dias. Por 15 dias, como prorrogação da licença à gestante, mediante atestado médico, quando a mãe amamenta e na instituição não tem creche. Por 15 dias, em caso de aborto não criminoso. Se a falta estiver fundamentada na lei sobre acidente do trabalho.
  • 44. 44 ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL Por um dia, a cada 12 meses de trabalho, em caso de doação voluntária de sangue. No período de tempo em que tiver de cumprir o serviço militar. Durante suspensão preventiva para responder inquérito administrativo, ou de prisão preventiva quando for impronunciado ou absolvido. Quando servir como testemunha, devidamente arrolada ou convocada.
  • 45. 45 ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL Entre uma jornada e outra deve haver um intervalo mínimo de 11 horas consecutivas. A hora noturna equivale a 52 min. e 30 seg. Portanto a cada 8 plantões noturnos de 12 horas o funcionário tem um de folga. Os intervalos de descanso não são computados na jornada de trabalho.
  • 46. 46 ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL A duração semanal do trabalho varia de acordo com a instituição: 30, 36, 40 ou 44 horas. Os intervalos de turnos podem ser: 12X36, 12X48 ou 12X60, não podendo exceder 44 horas semanais. O número de folgas será de acordo com a duração semanal do trabalho, mais as folgas correspondentes aos feriados do mês.
  • 47. 47 ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL Escala diária:É também denominada de escla de atividades e de escala de serviço. Objetiva dividir as atividades de enfermagem, diariamente, de maneira equitativa, entre os elementos da equipe de enfermagem. Essa distribuição pode ser realizada com base no método de prestação de cuidados utilizado na unidade. Estes podem ser: método funcional, integral ou do trabalho em equipe.
  • 48. 48 ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL Escala de férias:É também denominada de escala anual. As férias devem ser distribuídas racionalmente, para o bom andamento do serviço e satisfação do pessoal. Após cada período de 12 meses o funcionário terá direito a 30 dias corridos, quando não houver faltado ao serviço mais de 05 vezes; 24 dias corridos, quando tido de 6 a 14 faltas; 18 dias corridos, quando houver tido de 15 a 23 faltas; 12 dias corridos, quando houver tido de 24 a 32 faltas. A concessão de férias deve ser participada ao funcionário com, no mínimo, 30 dias de antecedência.
  • 49. 49 ESCALAS DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL A época das férias será a que melhor atenda o empregador. O empregado pode converter 1/3 do período de férias em abono pecuniário.
  • 50. CONCLUINDO Para o enfermeiro, alcançar o melhor nível do trabalho em equipe é algo complexo, pois exige grande esforço, interesse e disponibilidade dos profissionais da equipe de enfermagem na busca de conhecimentos que subsidiem uma assistência qualificada e integral aos usuários. Os enfermeiros reconhecem a complementaridade entre as atividades dos diversos profissionais e sua responsabilidade na articulação e integração das diferentes ações profissionais que envolvem a produção do cuidado. Desse modo, trabalhar em equipe facilita a realização do trabalho em um contexto com as particularidades dos serviços de emergência
  • 51. REFERÊNCIAS ▪DAL SASSO, G. T. M.; DARLI, M. C. B. C., LUCIELI DIAS PEDRESCHI.; ET AL. Cursode EspecializaçãoemLinhasde CuidadoemEnfermagem: MóduloV -Classificaçãode riscoe acolhimentoFlorianópilis-SC: UniversidadeFederal de Santa Catarina-UFSCProgramade Pósgraduaçãoemenfermagem, 2013. ▪FugulinFMT, Silva SHS, Shimizu HE, Campos FPF. Implantação do sistema de classificação de pacientes na clínica médica do hospital universitário da USP. Revde MedHU-USP 1994; 4(1/2):63-8. ▪FugulinFMT. Sistema de classificação de pacientes: análise das horas de assistência de enfermagem. [dissertação] São Paulo (SP): Escola de Enfermagem da USP; 1997. ▪GaidzinskiRR. O dimensionamentodo pessoalde enfermagemsegundoa percepçãode enfermeirasquevivenciamestaprática. [tese] São Paulo (SP): Escolade Enfermagemda USP; 1994. ▪GaidzinskiRR. Dimensionamentode pessoalde enfermagememinstituiçõeshospitalares. [tese] São Paulo (SP): Escolade Enfermagemda USP; 1998. ▪KurcgantP, Cunha K, GaidzinskiRR. Subsídiospara a estimativade pessoalde enfermagem. Enfoque1989; 17(3): 79-81. ▪Connor RJ. A hospital inpatient classification systems: a dissertation submitted to the advisory Board of Engineering of Johns Hopkins University in conformity with the requirements for degree of Doctor of Engeneering. Baltimore: The Johns Hopkins University; 1960.