SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
Enfª Adelissa De Pizzol
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
Conhecimento
científico
Ética
Análise
Sistemática
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Gestão de Contas Hospitalares
HOSPITAL
CLIENTES
OPERADORAS
DE SAÚDE
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
VISÃO DE FUTURO
O hospital depende de seus clientes...
 Refere-se aos planos da alta administração para alcançar
resultados consistentes com a missão e os objetivos gerais
da organização;
 Significa elaborar planejamentos e executá-los, visando
alcançar os objetivos traçados de uma maneira eficaz;
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Atualmente, a auditoria é adotada como
ferramenta de controle e regulação da
utilização de serviços de saúde,
especialmente na área privada, e tem seu
foco dirigido para o controle de custos da
assistência prestada;
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Garantir resultados positivos e clientes
satisfeitos requer que as organizações
aprendam a associar baixos custos com
excelência de qualidade para seus clientes
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 É o processo de avaliação sistemática do
atendimento, visando uma melhor qualidade
para pacientes com custo compatível com a
assistência prestada.
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Auxiliar as organizações no processo de
gestão, buscando soluções de controle e
acompanhamento dos processos internos da
instituição de saúde.
 Propicir, às empresas, o controle dos erros,
dos desperdícios e irregularidades, além de
uma maior segurança para os usuários.
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 O foco financeiro-econômico :Controle de
fraudes, quantidade e valores cobrados são
condizentes com o procedimento prestado;
 A análise qualitativa:estruturas disponíveis,
qualidade do atendimento e percepção do
paciente.
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Auditoria operacional: análise da atuação,
controle e a execução da assistência;
 Autorização prévia de procedimentos.
 Visitação hospitalar;
 Busca e produção de informações relevantes
em saúde;
 Revisão de faturamento dos prestadores de
serviços de saúde;
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Auditoria analítica
 Tem como foco os indicadores dos processos da
assistência e da própria auditoria. Nesse
processo os auditores devem possuir
conhecimentos relacionados aos indicadores de
saúde e administrativos, e no que tange a
utilização de tabelas, gráficos, bancos de dados
e contratos;
 Dessa forma são capazes de reunir informações
relacionadas ao plano de saúde, bem como,
quanto aos problemas detectados em cada
prestador de serviços de saúde;
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Auditoria clínica: Tem como foco a melhoria
da qualidade dos processos e resultados dos
cuidados e é o processo sistemático pelo qual
os profissionais de saúde continuamente
monitoram e avaliam suas práticas clínicas, a
organização dos serviços, as funções
gerenciais e as atividades educacionais.
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Estratificar as informações:
 Construir uma planilha dinâmica (ou
programas específicos...)
 Identificação do paciente;
 Evolução Médica e de Enfermagem;
 CID;
 Discriminação de materiais e medicamentos
(quantidade e valores) De acordo com o
faturamento;
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Diárias e taxas;
 Honorários;
 Diárias;
 Taxas de salas de cirurgias;
 Taxas de salas de procedimentos
ambulatoriais;
 Gases medicinais;
 Procedimentos de enfermagem;
 Aluguéis de equipamentos;
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Cobrança compatível com a prescrição
médica;
 Seguir tabelas de preços:
 Brasíndice
 Simpro
 Tabela própria
 Protocolos
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Estabelecer as normas mediante contrato;
 Tipos de cobrança:
 Fee for service conta aberta – todo material,
procedimentos e medicamentos são
cobrados item a item.
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
FECHADO
 quando definido um valor
total para o procedimento,
sem definição dos itens
incluídos;
ABERTO
 na composição do pacote
são definidos todos os
itens incluídos: honorários,
diárias e taxas, gases
medicinais, materiais e
medicamentos, OPME
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 O pagamento com valor fixo para serviços
específicos por tempo pré determinado.
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 É a Auditoria que antecede o procedimento,
com embasamento de evidências científicas;
 Análise de solicitações médicas – Aplicação
da Medicina Baseada em Evidências;
 avaliação dos procedimentos médicos antes
de sua realização e analisa a cobertura do
plano, critérios de indicação e viabilidade do
plano de tratamento.
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Procedimentos eletivos: especialmente os
cirúrgicos e exames diagnósticos
disponibilizados pelo prestador, quando não
caracterizam atendimento de urgência e/ou
emergência.
 Uso de materiais implantáveis: órteses,
próteses e materiais especiais.

EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Procedimentos com custos elevados:
relacionados, ou não, aos métodos cirúrgicos
dos itens anteriores e tratamentos oncológicos.
 Sem cobertura: procedimentos que não tiverem
cobertura dos planos ou seguros de saúde, como
os estéticos e experimentais;
 Sem habilitação: procedimentos para os quais
não conste habilitação específica do prestador.
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Falta de código ou descrição do procedimento.
 Ausência de justificativa do médico assistente.
 Solicitação excessiva de códigos.
 Solicitação de produtos que não possuem
cobertura pelo plano contratado, ou de
procedimentos não reconhecidos pelas
sociedades médicas.
 Resistência no envio de relatórios
complementares, distorções, fraudes e
desobediências às regras.
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
Solicitaçã
o do
tratament
o/procedi
mento
proposto
Avaliação
médica –
medicina
baseada
em
evidências
Utilização
de
protocolos
Resposta
em até 48
horas
Inicio do
tratament
o ou
procedim
ento
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Realizada no curso do tratamento;
 focar-se na boa assistência, no plano de
cuidados traçado para atender cada caso
individualmente e na ação das diligências.
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Falta de justificativa médica para longa
permanência.
 Mudança ou inclusão de procedimentos sem
liberação prévia.
 Utilização de medicamentos especiais,
órteses, próteses e materiais especiais
(OPME) sem liberação prévia.
 Ausência de evoluções diárias e/ou registros
incompletos.
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Autorizada;
 Negada;
 Pendente;
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Um ou mais itens que não foram aceitos por
inconformidades na conta hospitalar;
 Pode ser procedimento, material ou
medicamento.
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Materiais e Medicamentos incompatíveis
com o tratamento;
 Tratamentos experimentais;
 Sem autorização da ANVISA (Off Label);
www.anvisa.org.br
 Não consta no rol;
 Uso excessivo de materiais e medicamentos;
 Anotações de Enfermagem não coerentes;
 Relatórios médicos incompletos;
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Auditoria realizada após tratamento;
 É de fundamental importância a participação
de profissionais das áreas médica e de
enfermagem;
 Levantamento e avaliação sistemática dos
materiais e medicamentos;
 Medicamentos: tipo, dosagem e quantidade;
 Materiais: tipo e quantidade;
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 É um processo minucioso, no qual são
verificados os seguintes aspectos:
 O diagnóstico médico.
 Os procedimentos realizados.
 Exames e seus laudos.
 Materiais e medicamentos gastos.
 Taxas hospitalares diversas.
 Relatórios de equipe multidisciplinar.
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 AVERIGUAR:
Compatibilidade:
Autorização Administração
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
Recebimento
do lote de
contas
Montagem
da planilha
Checagem da
prescrição
com as
anotações de
Enfermagem
Análise de
cada item da
conta
Relatório
final
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Quimioterápicos:
Herceptin 400 mg = R$ 11.940,00 – Câncer de mama
Avastin 400 mg = R$ 6.392,00 – Carcinoma de cólon e reto
Alimta 500 mg = R$ 7.139,42 – Câncer de pericárdio e peritônio
Mabthera 500 mg = R$ 8.068,63 – Artrite reumatoide
 Hemoterápicos: a partir de R$ 500,00
 Himunobiológicos: por volta de R$ 5.000,00 a dose
 Psicotrópicos: dorminid, propofol, morfina, dolantina - a
partir de R$ 100,00
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 OPME = ÓRTESE, PRÓTESE E MATERIAIS
ESPECIAIS;
 Implantes cardíacos; a partir de R$ 10.000,00
 Próteses e órteses; a partir de R$ 7.000,00
 Sondas e Catéteres; a partir de R$ 2.000,00
 Infusores quimioterápicos; (R$ 556,00)
 Alimentação especial; (400,00) lata de 400g
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Foram avaliados 3 operadoras de saúde do
Estado de São Paulo.
 Os Mat e Med foram avaliados por revisão de
contas em tratamento quimioterápico;
 Revisados: 1.815 contas
 Total: 5.149.226,12
 Glosas: 1.198 contas
 Equivalente: 613.647,57
 Gasto extra: 11,9%
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Articular profissionais que explorem a ciência
 Considera-se que “A vida não tem preço”, no
entanto, para sua manutenção há um custo
diário;
METAS PARA
REDUÇÃO DE
CUSTOS
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Estabilidade de Medicamentos:
 Estabelecer pacotes de cirurgias:
 Estabelecer anotações de enfermagem
padrão:
 Compras de medicamentos de várias
dosagens:
 Evitar adaptações de materiais
 Fazer uso de ferramentas administrativas
para estabelecer metas; 5w2h, PDCA
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Sistema informatizado;
 Profissionais capacitados para gerenciar e
controlar;
 Estocar o mínimo possível;
 Controle de entrada e saída de estoque;
 Gerenciamento de descarte de resíduos;
 Não trocar o certo pelo duvidoso... Nem tudo
que parece realmente é....!!!!!!!!!!!!!!
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Economizar sim.... Baixa qualidade .....
Nunca!!
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Se a gestão hospitalar é o conjunto de tarefas
para atingir eficazmente todos os recursos
disponibilizados pela organização, otimizar o
funcionamento dos setores e departamentos,
busca pelo crescimento e satisfação de todos
os envolvidos...
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Então... a função do gestor é administrar...
 Planejar estratégias decrescimento;
 Coordenar recursos físicos, materiais e
humanos;
 Monitorar os resultados;
 Obter a recuperação e a satisfação do
paciente;
 ...em consonância com seu Código de Ética
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 Padronizar medicamentos,equipamentos,
materiais de consumo, órteses e próteses.
 Não é simples quando se está discutindo
ganhos de empresas, profissionais e até
operadoras.
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
 CAMACHO, L. A. B.; RUBIN, H. R. Reliabity of Medical Audit in Quality Assessment of Medical Care.
Caderno de Saúde Pública, 12(Supl.2): 85-93, Rio de Janeiro, 1996.
 CAMELO, S. H. H.; PINHEIRO, A.; CAMPOS, D.; OLIVEIRA,T. L. Auditoria de Enfermagem e a
Qualidade da Assistência à Saúde: uma revisão de literatura. Revista Eletrônica Enfermagem
[Internet] 11(4): 1018-25; 2009.
 COSTA, M.T. DA; ALEVATO, H. Auditoria Odontológica: uma ferramenta de gestão em saúde
suplementar. VI Congresso Nacional de Excelência em Gestão. ISSN 1984-9354. Niterói, 2010.
 D’AVILLA, R. L. A Ética Médica e a Bioética como Requisitos do Ser Moral: ensinando habilidades
humanitárias em medicina. Revista Bioética, 18(2): 311-27; 2010.
 DEPARTAMENTO NACIONANAL DE AUDITORIA DO SUS (DENASUS) – MINISTÉRIO DA SAÙDE.
Manual de Glosas do Sistema Nacional de Auditoria, Brasília, 2004. Disponível em:
<http://sna.saude.gov.br/download/MANUAL%20DE%20GLOSA%20DO%20SNA.pdf>.
Acesso em 04 out. 2014.
 FERREIRA, A. B. H. Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. São Paulo: Positivo, 2010.
 FRANCISCO, M.T. R. Auditoria em Enfermagem: padrões, critérios de avaliação e
instrumentos. 3ªed. São Paulo: Cedas, 1993.
 MORAIS, M.V. DE. Auditoria em Saúde. São Paulo: Saraiva, 2014. CCDD – Centro de Criação e
Desenvolvimento Dialógico 19
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS EM
HOSPITAIS DE ENSINO - CONSIDERAÇÕES
TEÓRICAS
Medicina, Ribeirão Preto,
2008; 41 (2): 135-42, abr./jun. REVISÃO
EnfermeiraAdelissa De Pizzol
EnfermeiraAdelissa De Pizzol

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Amanda Moura
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
LarissaMachado97
 
Lei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissionalLei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissional
Fernando Dias
 
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
JONAS ARAUJO
 
Apostila fundamentos de enfermagem
Apostila fundamentos de enfermagemApostila fundamentos de enfermagem
Apostila fundamentos de enfermagem
Aretusa Delfino
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
resenfe2013
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
Ivanete Dias
 

Mais procurados (20)

AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdfAULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Teorias e modelos de enfermagem
Teorias e modelos de enfermagem Teorias e modelos de enfermagem
Teorias e modelos de enfermagem
 
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de EnfermagemA Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
 
Complicações em Terapia Intravenosa
Complicações em Terapia IntravenosaComplicações em Terapia Intravenosa
Complicações em Terapia Intravenosa
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
 
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanenteGerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
 
Lei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissionalLei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissional
 
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúdeGerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
 
Aula 01 O Hospital
Aula 01 O HospitalAula 01 O Hospital
Aula 01 O Hospital
 
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
 
Apostila fundamentos de enfermagem
Apostila fundamentos de enfermagemApostila fundamentos de enfermagem
Apostila fundamentos de enfermagem
 
Aula 6 POP
Aula 6   POPAula 6   POP
Aula 6 POP
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Aula Acreditação
Aula AcreditaçãoAula Acreditação
Aula Acreditação
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 

Semelhante a Auditoria em gestão hospitalar

atribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxatribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptx
ssuser51d27c1
 
4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Denise Funchal - Registro da P...
4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Denise Funchal - Registro da P...4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Denise Funchal - Registro da P...
4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Denise Funchal - Registro da P...
farmaefarma
 
gestão da clínica.ppt
gestão da clínica.pptgestão da clínica.ppt
gestão da clínica.ppt
Zoraide6
 
020 2010 terapia_intravenosa
020 2010 terapia_intravenosa020 2010 terapia_intravenosa
020 2010 terapia_intravenosa
Kelly Centurião
 

Semelhante a Auditoria em gestão hospitalar (20)

AUDITORIA EM SERVIÇO DE SAÚDE PUBLICA AB
AUDITORIA EM SERVIÇO DE SAÚDE PUBLICA ABAUDITORIA EM SERVIÇO DE SAÚDE PUBLICA AB
AUDITORIA EM SERVIÇO DE SAÚDE PUBLICA AB
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Educação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em EnfermagemEducação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em Enfermagem
 
Auditoria assistencial
Auditoria assistencialAuditoria assistencial
Auditoria assistencial
 
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdfplanejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
 
Planejamento de Enfermagem.pptx
Planejamento de Enfermagem.pptxPlanejamento de Enfermagem.pptx
Planejamento de Enfermagem.pptx
 
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
 
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínicaEpidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
 
atribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxatribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptx
 
Rafael Zarvos
Rafael ZarvosRafael Zarvos
Rafael Zarvos
 
Gestão Clínica
Gestão ClínicaGestão Clínica
Gestão Clínica
 
Lean Healthcare
Lean HealthcareLean Healthcare
Lean Healthcare
 
4º Fórum da Saúde Suplementar - João Manoel Pinho de Mello
4º Fórum da Saúde Suplementar - João Manoel Pinho de Mello4º Fórum da Saúde Suplementar - João Manoel Pinho de Mello
4º Fórum da Saúde Suplementar - João Manoel Pinho de Mello
 
4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Denise Funchal - Registro da P...
4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Denise Funchal - Registro da P...4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Denise Funchal - Registro da P...
4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Denise Funchal - Registro da P...
 
AULA_Qualidade.ppt
AULA_Qualidade.pptAULA_Qualidade.ppt
AULA_Qualidade.ppt
 
gestão da clínica.ppt
gestão da clínica.pptgestão da clínica.ppt
gestão da clínica.ppt
 
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
 
020 2010 terapia_intravenosa
020 2010 terapia_intravenosa020 2010 terapia_intravenosa
020 2010 terapia_intravenosa
 
aula 03 PNSP.pptx
aula 03 PNSP.pptxaula 03 PNSP.pptx
aula 03 PNSP.pptx
 

Último

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (8)

Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 

Auditoria em gestão hospitalar

  • 1. Enfª Adelissa De Pizzol EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 3.  Gestão de Contas Hospitalares HOSPITAL CLIENTES OPERADORAS DE SAÚDE EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 4. VISÃO DE FUTURO O hospital depende de seus clientes...  Refere-se aos planos da alta administração para alcançar resultados consistentes com a missão e os objetivos gerais da organização;  Significa elaborar planejamentos e executá-los, visando alcançar os objetivos traçados de uma maneira eficaz; EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 5.  Atualmente, a auditoria é adotada como ferramenta de controle e regulação da utilização de serviços de saúde, especialmente na área privada, e tem seu foco dirigido para o controle de custos da assistência prestada; EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 6.  Garantir resultados positivos e clientes satisfeitos requer que as organizações aprendam a associar baixos custos com excelência de qualidade para seus clientes EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 7.  É o processo de avaliação sistemática do atendimento, visando uma melhor qualidade para pacientes com custo compatível com a assistência prestada. EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 8.  Auxiliar as organizações no processo de gestão, buscando soluções de controle e acompanhamento dos processos internos da instituição de saúde.  Propicir, às empresas, o controle dos erros, dos desperdícios e irregularidades, além de uma maior segurança para os usuários. EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 9.  O foco financeiro-econômico :Controle de fraudes, quantidade e valores cobrados são condizentes com o procedimento prestado;  A análise qualitativa:estruturas disponíveis, qualidade do atendimento e percepção do paciente. EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 10.  Auditoria operacional: análise da atuação, controle e a execução da assistência;  Autorização prévia de procedimentos.  Visitação hospitalar;  Busca e produção de informações relevantes em saúde;  Revisão de faturamento dos prestadores de serviços de saúde; EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 11.  Auditoria analítica  Tem como foco os indicadores dos processos da assistência e da própria auditoria. Nesse processo os auditores devem possuir conhecimentos relacionados aos indicadores de saúde e administrativos, e no que tange a utilização de tabelas, gráficos, bancos de dados e contratos;  Dessa forma são capazes de reunir informações relacionadas ao plano de saúde, bem como, quanto aos problemas detectados em cada prestador de serviços de saúde; EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 12.  Auditoria clínica: Tem como foco a melhoria da qualidade dos processos e resultados dos cuidados e é o processo sistemático pelo qual os profissionais de saúde continuamente monitoram e avaliam suas práticas clínicas, a organização dos serviços, as funções gerenciais e as atividades educacionais. EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 13.  Estratificar as informações:  Construir uma planilha dinâmica (ou programas específicos...)  Identificação do paciente;  Evolução Médica e de Enfermagem;  CID;  Discriminação de materiais e medicamentos (quantidade e valores) De acordo com o faturamento; EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 14.  Diárias e taxas;  Honorários;  Diárias;  Taxas de salas de cirurgias;  Taxas de salas de procedimentos ambulatoriais;  Gases medicinais;  Procedimentos de enfermagem;  Aluguéis de equipamentos; EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 15.  Cobrança compatível com a prescrição médica;  Seguir tabelas de preços:  Brasíndice  Simpro  Tabela própria  Protocolos EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 17.  Estabelecer as normas mediante contrato;  Tipos de cobrança:  Fee for service conta aberta – todo material, procedimentos e medicamentos são cobrados item a item. EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 18. FECHADO  quando definido um valor total para o procedimento, sem definição dos itens incluídos; ABERTO  na composição do pacote são definidos todos os itens incluídos: honorários, diárias e taxas, gases medicinais, materiais e medicamentos, OPME EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 19.  O pagamento com valor fixo para serviços específicos por tempo pré determinado. EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 20.  É a Auditoria que antecede o procedimento, com embasamento de evidências científicas;  Análise de solicitações médicas – Aplicação da Medicina Baseada em Evidências;  avaliação dos procedimentos médicos antes de sua realização e analisa a cobertura do plano, critérios de indicação e viabilidade do plano de tratamento. EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 21.  Procedimentos eletivos: especialmente os cirúrgicos e exames diagnósticos disponibilizados pelo prestador, quando não caracterizam atendimento de urgência e/ou emergência.  Uso de materiais implantáveis: órteses, próteses e materiais especiais.  EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 22.  Procedimentos com custos elevados: relacionados, ou não, aos métodos cirúrgicos dos itens anteriores e tratamentos oncológicos.  Sem cobertura: procedimentos que não tiverem cobertura dos planos ou seguros de saúde, como os estéticos e experimentais;  Sem habilitação: procedimentos para os quais não conste habilitação específica do prestador. EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 23.  Falta de código ou descrição do procedimento.  Ausência de justificativa do médico assistente.  Solicitação excessiva de códigos.  Solicitação de produtos que não possuem cobertura pelo plano contratado, ou de procedimentos não reconhecidos pelas sociedades médicas.  Resistência no envio de relatórios complementares, distorções, fraudes e desobediências às regras. EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 25.  Realizada no curso do tratamento;  focar-se na boa assistência, no plano de cuidados traçado para atender cada caso individualmente e na ação das diligências. EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 26.  Falta de justificativa médica para longa permanência.  Mudança ou inclusão de procedimentos sem liberação prévia.  Utilização de medicamentos especiais, órteses, próteses e materiais especiais (OPME) sem liberação prévia.  Ausência de evoluções diárias e/ou registros incompletos. EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 27.  Autorizada;  Negada;  Pendente; EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 28.  Um ou mais itens que não foram aceitos por inconformidades na conta hospitalar;  Pode ser procedimento, material ou medicamento. EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 29.  Materiais e Medicamentos incompatíveis com o tratamento;  Tratamentos experimentais;  Sem autorização da ANVISA (Off Label); www.anvisa.org.br  Não consta no rol;  Uso excessivo de materiais e medicamentos;  Anotações de Enfermagem não coerentes;  Relatórios médicos incompletos; EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 30.  Auditoria realizada após tratamento;  É de fundamental importância a participação de profissionais das áreas médica e de enfermagem;  Levantamento e avaliação sistemática dos materiais e medicamentos;  Medicamentos: tipo, dosagem e quantidade;  Materiais: tipo e quantidade; EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 31.  É um processo minucioso, no qual são verificados os seguintes aspectos:  O diagnóstico médico.  Os procedimentos realizados.  Exames e seus laudos.  Materiais e medicamentos gastos.  Taxas hospitalares diversas.  Relatórios de equipe multidisciplinar. EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 33. Recebimento do lote de contas Montagem da planilha Checagem da prescrição com as anotações de Enfermagem Análise de cada item da conta Relatório final EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 34.  Quimioterápicos: Herceptin 400 mg = R$ 11.940,00 – Câncer de mama Avastin 400 mg = R$ 6.392,00 – Carcinoma de cólon e reto Alimta 500 mg = R$ 7.139,42 – Câncer de pericárdio e peritônio Mabthera 500 mg = R$ 8.068,63 – Artrite reumatoide  Hemoterápicos: a partir de R$ 500,00  Himunobiológicos: por volta de R$ 5.000,00 a dose  Psicotrópicos: dorminid, propofol, morfina, dolantina - a partir de R$ 100,00 EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 35.  OPME = ÓRTESE, PRÓTESE E MATERIAIS ESPECIAIS;  Implantes cardíacos; a partir de R$ 10.000,00  Próteses e órteses; a partir de R$ 7.000,00  Sondas e Catéteres; a partir de R$ 2.000,00  Infusores quimioterápicos; (R$ 556,00)  Alimentação especial; (400,00) lata de 400g EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 36.  Foram avaliados 3 operadoras de saúde do Estado de São Paulo.  Os Mat e Med foram avaliados por revisão de contas em tratamento quimioterápico;  Revisados: 1.815 contas  Total: 5.149.226,12  Glosas: 1.198 contas  Equivalente: 613.647,57  Gasto extra: 11,9% EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 37.  Articular profissionais que explorem a ciência  Considera-se que “A vida não tem preço”, no entanto, para sua manutenção há um custo diário; METAS PARA REDUÇÃO DE CUSTOS EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 38.  Estabilidade de Medicamentos:  Estabelecer pacotes de cirurgias:  Estabelecer anotações de enfermagem padrão:  Compras de medicamentos de várias dosagens:  Evitar adaptações de materiais  Fazer uso de ferramentas administrativas para estabelecer metas; 5w2h, PDCA EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 39.  Sistema informatizado;  Profissionais capacitados para gerenciar e controlar;  Estocar o mínimo possível;  Controle de entrada e saída de estoque;  Gerenciamento de descarte de resíduos;  Não trocar o certo pelo duvidoso... Nem tudo que parece realmente é....!!!!!!!!!!!!!! EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 40.  Economizar sim.... Baixa qualidade ..... Nunca!! EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 41.  Se a gestão hospitalar é o conjunto de tarefas para atingir eficazmente todos os recursos disponibilizados pela organização, otimizar o funcionamento dos setores e departamentos, busca pelo crescimento e satisfação de todos os envolvidos... EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 42.  Então... a função do gestor é administrar...  Planejar estratégias decrescimento;  Coordenar recursos físicos, materiais e humanos;  Monitorar os resultados;  Obter a recuperação e a satisfação do paciente;  ...em consonância com seu Código de Ética EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 43.  Padronizar medicamentos,equipamentos, materiais de consumo, órteses e próteses.  Não é simples quando se está discutindo ganhos de empresas, profissionais e até operadoras. EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 44.  CAMACHO, L. A. B.; RUBIN, H. R. Reliabity of Medical Audit in Quality Assessment of Medical Care. Caderno de Saúde Pública, 12(Supl.2): 85-93, Rio de Janeiro, 1996.  CAMELO, S. H. H.; PINHEIRO, A.; CAMPOS, D.; OLIVEIRA,T. L. Auditoria de Enfermagem e a Qualidade da Assistência à Saúde: uma revisão de literatura. Revista Eletrônica Enfermagem [Internet] 11(4): 1018-25; 2009.  COSTA, M.T. DA; ALEVATO, H. Auditoria Odontológica: uma ferramenta de gestão em saúde suplementar. VI Congresso Nacional de Excelência em Gestão. ISSN 1984-9354. Niterói, 2010.  D’AVILLA, R. L. A Ética Médica e a Bioética como Requisitos do Ser Moral: ensinando habilidades humanitárias em medicina. Revista Bioética, 18(2): 311-27; 2010.  DEPARTAMENTO NACIONANAL DE AUDITORIA DO SUS (DENASUS) – MINISTÉRIO DA SAÙDE. Manual de Glosas do Sistema Nacional de Auditoria, Brasília, 2004. Disponível em: <http://sna.saude.gov.br/download/MANUAL%20DE%20GLOSA%20DO%20SNA.pdf>. Acesso em 04 out. 2014.  FERREIRA, A. B. H. Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. São Paulo: Positivo, 2010.  FRANCISCO, M.T. R. Auditoria em Enfermagem: padrões, critérios de avaliação e instrumentos. 3ªed. São Paulo: Cedas, 1993.  MORAIS, M.V. DE. Auditoria em Saúde. São Paulo: Saraiva, 2014. CCDD – Centro de Criação e Desenvolvimento Dialógico 19 EnfermeiraAdelissa De Pizzol
  • 45. A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS EM HOSPITAIS DE ENSINO - CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS Medicina, Ribeirão Preto, 2008; 41 (2): 135-42, abr./jun. REVISÃO EnfermeiraAdelissa De Pizzol