SlideShare uma empresa Scribd logo
Camões

         Corrente renascentista
Ondados fios d'ouro reluzente,
que, agora da mão bela recolhidos,
agora sobre as rosas estendidos,
fazeis que sua beleza se acrecente;

Olhos, que vos moveis tão docemente,
em mil divinos raios entendidos,
se de cá me levais alma e sentidos,
que fora, se de vós não fora ausente?

Honesto riso, que entre a mor fineza
de perlas e corais nasce e parece,
se n'alma em doces ecos não o ouvisse!

Se imaginando só tanta beleza
de si, em nova glória, a alma se esquece,
que fará quando a vir? Ah! quem a visse!
BELEZA FEMININA


O poeta desenha o retrato da
sua amada, segundo o gosto
convencional    da    época,
recordando a sua sedução.
Assim, o poeta diz que, se a
sua amada lhe parece
formosa, contemplada na
ausência, muito mais seria se
a visse na sua presença
(manifesta uma enorme
vontade de a ver).
Neste soneto, o sujeito imagina e exalta a beleza da amada ausente, cujo retrato
reconstitui pela memória (influência platónica da teoria da reminiscência), e, no
último terceto, exprime grande desejo de a ver, através da interrogação retórica, da
interjeição (“Ah!”) e da exclamação.

Revela, sobretudo, influência petrarquista na idealização da mulher e na exaltação
das suas qualidades físicas (os cabelos, os olhos, o rosto, os dentes, os lábios) e,
também, das suas qualidades psicológicas ou morais (a doçura, a graça, a
honestidade). Este ideal é sempre descrito como uma mulher perfeita, bela, nobre,
só descritível em imagens hiperbólicas.

No soneto “Ondados fios de ouro reluzente”, verifica-se a descrição física, à maneira
de Petrarca, de uma mulher, que contribui para a sua caracterização moral.
Ondados fios d'ouro reluzente,
                                             que, agora da mão bela recolhidos,
                                             agora sobre as rosas estendidos,
1º momento:                                  fazeis que sua beleza se acrecente;
Caracteriza e exalta a beleza da
amada, concentrada nos cabelos, nos          Olhos, que vos moveis tão docemente,
olhos e no riso.
                                             em mil divinos raios entendidos,
A influência petrarquista revela-se na
                                             se de cá me levais alma e sentidos,
idealização da mulher e na exaltação das
                                             que fora, se de vós não fora ausente?
suas qualidades físicas e morais (a
doçura, a graça, a honestidade)
                                             Honesto riso, que entre a mor fineza
                                             de perlas e corais nasce e parece,
                                             se n'alma em doces ecos não o ouvisse!

2º momento:
                                             Se imaginando só tanta beleza
Os encantos da amada justificam o forte
desejo de a ver, expresso através da         de si, em nova glória, a alma se esquece,
interrogação retórica, da interjeição e da   que fará quando a vir? Ah! quem a visse!
exclamação.
A descrição da amada assenta na
                                            exaltação das suas qualidades físicas e
                                            psicológicas. O sujeito poético faz essa
Ondados fios de ouro reluzente,             descrição nos onze primeiros versos.
Que agora da mão bela recolhidos,
Agora sobre as rosas estendidos             Há versos que nos remetem para a
Fazeis que sua graça se acrecente;
                                            descrição física e outros nos quais o
Olhos, que vos moveis tão docemente,
                                            sujeito poético enumera as qualidades
Em mil divinos raios encendidos,            psicológicas ou morais da sua amada.
Se de cá me levais alma e sentidos,
Que fora, se de vós não fora ausente?

Honesto riso, que entre a mor fineza
De perlas e corais nace e parece,
Se n'alma em doces ecos não o ouvisse!

Se imaginando só tanta beleza,
De si, em nova glória, a alma se esquece,
Que será quando a vir? Ah! quem a visse!
A metáfora evidencia e valoriza algumas
                                            características            do           cabelo:
                                            louro, brilhante, precioso como o mais precioso
Ondados fios de ouro reluzente,             dos metais.
Que agora da mão bela recolhidos,
Agora sobre as rosas estendidos
Fazeis que sua graça se acrecente;          Refere metaforicamente as faces .
                                            Sugere a tonalidade rosada das faces, e também a
Olhos, que vos moveis tão docemente,        sua beleza e fragilidade.
Em mil divinos raios encendidos,
Se de cá me levais alma e sentidos,
Que fora, se de vós não fora ausente?
                                            Os olhos podem ser caracterizados através dos
                                            adjectivos:
Honesto riso, que entre a mor fineza
                                             doces, brilhantes e luminosos, sedutores.
De perlas e corais nace e parece,
Se n'alma em doces ecos não o ouvisse!
                                            Os olhos têm o efeito de fazer o sujeito poético
Se imaginando só tanta beleza,
                                            viver em função da senhora de tais olhos.
De si, em nova glória, a alma se esquece,
                                            Perante o poder que tais olhos exercem sobre
Que será quando a vir? Ah! quem a visse!
                                            ele, apesar de os não ver, o poeta questiona-se
                                            sobre o efeito que teriam se os visse realmente.
Ondados fios de ouro reluzente,             Lábios e dentes são representados através da
Que agora da mão bela recolhidos,           utilização da metáfora “perlas e corais” que
Agora sobre as rosas estendidos             são dois elementos da natureza de
Fazeis que sua graça se acrecente;          excepcional e extraordinária beleza.

Olhos, que vos moveis tão docemente,        Com corais revela-se a tonalidade dos lábios e
Em mil divinos raios encendidos,            a sua textura e através de “perlas” não só a
Se de cá me levais alma e sentidos,         cor dos dentes como o seu aspecto liso e
Que fora, se de vós não fora ausente?       macio.

Honesto riso, que entre a mor fineza        O honesto riso, transmite a sua honestidade.
De perlas e corais nace e parece,           Uma qualidade social que ela possui.
Se n'alma em doces ecos não o ouvisse!

Se imaginando só tanta beleza,              Na chave de ouro, que encerra o soneto, o
De si, em nova glória, a alma se esquece,   sujeito poético refere que a beleza retratada é
Que será quando a vir? Ah! quem a visse!    fruto da imaginação. Ele nunca a viu, mas deixa
                                            expresso esse desejo…
Ondados fios de ouro reluzente,
                                                   Que agora da mão bela recolhidos,
                                                   Agora sobre as rosas estendidos
                                                   Fazeis que sua graça se acrecente;

                                                   Olhos, que vos moveis tão docemente,
                                                   Em mil divinos raios encendidos,
                                                   Se de cá me levais alma e sentidos,
                                                   Que fora, se de vós não fora ausente?

                                                   Honesto riso, que entre a mor fineza
                                                   De perlas e corais nace e parece,
                                                   Se n'alma em doces ecos não o ouvisse!

                                                   Se imaginando só tanta beleza,
                                                   De si, em nova glória, a alma se esquece,
                                                   Que será quando a vir? Ah! quem a visse!




A mulher descrita é bela, honesta, graciosa e doce. Trata-se de uma mulher pura, angélica, imaterial
e perfeita.
A enumeração destas características torna visível a influência petrarquista.
No último terceto, o poeta revela um desejo enorme de ver a amada. O intenso desejo de a ver é
reforçado pelo emprego do advérbio “tanta”, da interrogação retórica e da exclamação final.
São vários os recursos figurativos ao serviço
                                              da caracterização da mulher amada.



Ondados fios de ouro reluzente,               Metáfora – “Ondados fios de ouro
Que, agora da mão bela recolhidos,            reluzente”, “as rosas” – as faces cor-de-
Agora sobre as rosas estendidos,              rosa, “perlas e corais” – dentes e lábios
Fazeis que a sua beleza se acrescente;
                                              Adjectivação expressiva – “Ondados”;
Olhos, que vos moveis tão docemente,          “reluzente”; “Honesto”; “doces”, entre
Em mil divinos raios encendidos,              outros
Se de cá me levais alma e sentidos,
Que fora, se de vós não fora ausente?         Hipérbole –     “Em    mil   divinos   raios
                                              incendidos”
Honesto riso, que entre a mor fineza
De perlas e corais nasce e parece,            Apóstrofe – dos cabelos e dos olhos que
Se na alma em doces ecos não o ouvisse!...    aparecem personificados

Se, imaginando só tanta beleza,               Interrogação retórica – “Que fará quando
De si em nova glória a alma se esquece,       a vir?”
Que será quando a vir?... Ah! Quem a visse…
                                              Exclamação e interjeição – “? Ah! quem a
                                              visse!”
Ondados fios de ouro reluzente,
  Que, agora da mão bela recolhidos,
  Agora sobre as rosas estendidos,
  Fazeis que sua graça se acrescente;
                                                Quadras
  Olhos, que vos moveis tão docemente,                                    Este poema é um
  Em mil divinos raios incendidos,                                        soneto     porque      é
  Se de cá me levais alma e sentidos,                                     constituído por duas
  Que fora, se de vós não fora ausente?                                   quadras e dois tercetos.

  Honesto riso, que entre a mor fineza
  De perlas e corais nasce e parece,
  Se na alma em doces ecos não o ouvisse!       Tercetos

  Se, imaginando só tanta beleza,
  De si em nova glória, a alma se esquece,
  Que fará quando a vir? Ah! quem a visse!
                                                                         Versos Decassílabos

                                                   On /da / dos / fi /os / de ou /ro /re / lu / zen ( te)

Os versos são decassílabos, isto é, versos que têm dez sílabas métricas. Trata-se da medida nova.
Esquema rimático e tipos de Rima


Ondados fios de ouro reluzente,               A
Que, agora da mão bela recolhidos,            B                O texto é constituído por duas
Agora sobre as rosas estendidos,              B                quadras e dois tercetos em metro
Fazeis que sua graça se acrescente;           A                decassilábico, com um esquema
                                                               rimático ABBA // ABBA // CDE //
Olhos, que vos moveis tão docemente,          A                CDE
Em mil divinos raios incendidos,              B
Se de cá me levais alma e sentidos,           B                A rima é interpolada e
Que fora, se de vós não fora ausente?         A                emparelhada nas quadras ABBA.
                                                               Nos tercetos a rima é interpolada
Honesto riso, que entre a mor fineza          C                CDECDE
De perlas e corais nasce e parece,            D
Se na alma em doces ecos não o ouvisse!       E
Se, imaginando só tanta beleza,               C
De si em nova glória, a alma se esquece,      D
Que fará quando a vir? Ah! quem a visse!      E
Disciplina: Português
Prof.ª: Helena Maria Coutinho

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
Lurdes Augusto
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
Helena Coutinho
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
Helena Coutinho
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
Helena Coutinho
 
As cantigas de amigo
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigo
Helena Coutinho
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
Helena Coutinho
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Dina Baptista
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
Lurdes Augusto
 
Endechas a bárbara
Endechas a bárbaraEndechas a bárbara
Endechas a bárbara
Helena Coutinho
 
Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97
Maria Teresa Soveral
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
David Caçador
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Dina Baptista
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
nanasimao
 
Aquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugadaAquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugada
Helena Coutinho
 
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º anoAnálise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Fatima Mendonca
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Gijasilvelitz 2
 
Aquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e AnáliseAquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e Análise
Bruno Jardim
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
Helena Coutinho
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
Dina Baptista
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
Paula Oliveira Cruz
 

Mais procurados (20)

Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
 
As cantigas de amigo
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigo
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
 
Endechas a bárbara
Endechas a bárbaraEndechas a bárbara
Endechas a bárbara
 
Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
 
Aquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugadaAquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugada
 
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º anoAnálise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
Aquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e AnáliseAquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e Análise
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
 

Semelhante a Ondados fios de ouro reluzente

Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Teste lirica-camoniana
Teste lirica-camonianaTeste lirica-camoniana
Teste lirica-camoniana
Maria José Silva
 
Alma gêmea
Alma gêmeaAlma gêmea
Alma gêmea
Alfweb Sistemas
 
O livro-d-ele
O livro-d-eleO livro-d-ele
O livro-d-ele
Eliudson Sousa
 
Feras da Poetica
Feras da PoeticaFeras da Poetica
Feras da Poetica
Luna Di Primo
 
Livro do Poeta Daniel Amaral - O Floral Poético
Livro do Poeta Daniel Amaral - O Floral PoéticoLivro do Poeta Daniel Amaral - O Floral Poético
Livro do Poeta Daniel Amaral - O Floral Poético
Daniel Amaral
 
LIVRO DE POESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICO
LIVRO DE POESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICOLIVRO DE POESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICO
LIVRO DE POESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICO
Daniel Amaral
 
Alma GêMea Juliana Ramires1
Alma GêMea   Juliana Ramires1Alma GêMea   Juliana Ramires1
Alma GêMea Juliana Ramires1
guest6657ee
 
Homenagem ao poeta Nivaldo Ferreira
Homenagem ao poeta Nivaldo FerreiraHomenagem ao poeta Nivaldo Ferreira
Homenagem ao poeta Nivaldo Ferreira
Luna Di Primo
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
João Henrique
 
Descrever te
Descrever teDescrever te
Descrever te
Mensagens Virtuais
 
Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
Ana Clara San
 
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em portuguêsUm coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Leonor Costa
 
Camilo pessanha poemas
Camilo pessanha poemasCamilo pessanha poemas
Camilo pessanha poemas
agnes2012
 

Semelhante a Ondados fios de ouro reluzente (14)

Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Teste lirica-camoniana
Teste lirica-camonianaTeste lirica-camoniana
Teste lirica-camoniana
 
Alma gêmea
Alma gêmeaAlma gêmea
Alma gêmea
 
O livro-d-ele
O livro-d-eleO livro-d-ele
O livro-d-ele
 
Feras da Poetica
Feras da PoeticaFeras da Poetica
Feras da Poetica
 
Livro do Poeta Daniel Amaral - O Floral Poético
Livro do Poeta Daniel Amaral - O Floral PoéticoLivro do Poeta Daniel Amaral - O Floral Poético
Livro do Poeta Daniel Amaral - O Floral Poético
 
LIVRO DE POESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICO
LIVRO DE POESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICOLIVRO DE POESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICO
LIVRO DE POESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICO
 
Alma GêMea Juliana Ramires1
Alma GêMea   Juliana Ramires1Alma GêMea   Juliana Ramires1
Alma GêMea Juliana Ramires1
 
Homenagem ao poeta Nivaldo Ferreira
Homenagem ao poeta Nivaldo FerreiraHomenagem ao poeta Nivaldo Ferreira
Homenagem ao poeta Nivaldo Ferreira
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Descrever te
Descrever teDescrever te
Descrever te
 
Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
 
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em portuguêsUm coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
 
Camilo pessanha poemas
Camilo pessanha poemasCamilo pessanha poemas
Camilo pessanha poemas
 

Mais de Helena Coutinho

. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
Helena Coutinho
 
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Helena Coutinho
 
Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
Helena Coutinho
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
Helena Coutinho
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
Helena Coutinho
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
Helena Coutinho
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
Helena Coutinho
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
Helena Coutinho
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
Helena Coutinho
 
1. introd e estrutura
1. introd e estrutura1. introd e estrutura
1. introd e estrutura
Helena Coutinho
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
Helena Coutinho
 
. O texto dramático
. O texto dramático. O texto dramático
. O texto dramático
Helena Coutinho
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir
Helena Coutinho
 
Fls figuras reais
Fls figuras reaisFls figuras reais
Fls figuras reais
Helena Coutinho
 
. Enredo
. Enredo. Enredo
. Enredo
Helena Coutinho
 
. A obra e o contexto
. A obra e o contexto. A obra e o contexto
. A obra e o contexto
Helena Coutinho
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
Helena Coutinho
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Helena Coutinho
 
Enquanto quis fortuna que tivesse
Enquanto quis fortuna que tivesseEnquanto quis fortuna que tivesse
Enquanto quis fortuna que tivesse
Helena Coutinho
 

Mais de Helena Coutinho (20)

. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
 
Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap vi
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
 
1. introd e estrutura
1. introd e estrutura1. introd e estrutura
1. introd e estrutura
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
 
. O texto dramático
. O texto dramático. O texto dramático
. O texto dramático
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir
 
Fls figuras reais
Fls figuras reaisFls figuras reais
Fls figuras reais
 
. Enredo
. Enredo. Enredo
. Enredo
 
. A obra e o contexto
. A obra e o contexto. A obra e o contexto
. A obra e o contexto
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em ano
 
Enquanto quis fortuna que tivesse
Enquanto quis fortuna que tivesseEnquanto quis fortuna que tivesse
Enquanto quis fortuna que tivesse
 

Último

Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 

Último (20)

Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 

Ondados fios de ouro reluzente

  • 1. Camões Corrente renascentista
  • 2. Ondados fios d'ouro reluzente, que, agora da mão bela recolhidos, agora sobre as rosas estendidos, fazeis que sua beleza se acrecente; Olhos, que vos moveis tão docemente, em mil divinos raios entendidos, se de cá me levais alma e sentidos, que fora, se de vós não fora ausente? Honesto riso, que entre a mor fineza de perlas e corais nasce e parece, se n'alma em doces ecos não o ouvisse! Se imaginando só tanta beleza de si, em nova glória, a alma se esquece, que fará quando a vir? Ah! quem a visse!
  • 3. BELEZA FEMININA O poeta desenha o retrato da sua amada, segundo o gosto convencional da época, recordando a sua sedução. Assim, o poeta diz que, se a sua amada lhe parece formosa, contemplada na ausência, muito mais seria se a visse na sua presença (manifesta uma enorme vontade de a ver).
  • 4. Neste soneto, o sujeito imagina e exalta a beleza da amada ausente, cujo retrato reconstitui pela memória (influência platónica da teoria da reminiscência), e, no último terceto, exprime grande desejo de a ver, através da interrogação retórica, da interjeição (“Ah!”) e da exclamação. Revela, sobretudo, influência petrarquista na idealização da mulher e na exaltação das suas qualidades físicas (os cabelos, os olhos, o rosto, os dentes, os lábios) e, também, das suas qualidades psicológicas ou morais (a doçura, a graça, a honestidade). Este ideal é sempre descrito como uma mulher perfeita, bela, nobre, só descritível em imagens hiperbólicas. No soneto “Ondados fios de ouro reluzente”, verifica-se a descrição física, à maneira de Petrarca, de uma mulher, que contribui para a sua caracterização moral.
  • 5. Ondados fios d'ouro reluzente, que, agora da mão bela recolhidos, agora sobre as rosas estendidos, 1º momento: fazeis que sua beleza se acrecente; Caracteriza e exalta a beleza da amada, concentrada nos cabelos, nos Olhos, que vos moveis tão docemente, olhos e no riso. em mil divinos raios entendidos, A influência petrarquista revela-se na se de cá me levais alma e sentidos, idealização da mulher e na exaltação das que fora, se de vós não fora ausente? suas qualidades físicas e morais (a doçura, a graça, a honestidade) Honesto riso, que entre a mor fineza de perlas e corais nasce e parece, se n'alma em doces ecos não o ouvisse! 2º momento: Se imaginando só tanta beleza Os encantos da amada justificam o forte desejo de a ver, expresso através da de si, em nova glória, a alma se esquece, interrogação retórica, da interjeição e da que fará quando a vir? Ah! quem a visse! exclamação.
  • 6. A descrição da amada assenta na exaltação das suas qualidades físicas e psicológicas. O sujeito poético faz essa Ondados fios de ouro reluzente, descrição nos onze primeiros versos. Que agora da mão bela recolhidos, Agora sobre as rosas estendidos Há versos que nos remetem para a Fazeis que sua graça se acrecente; descrição física e outros nos quais o Olhos, que vos moveis tão docemente, sujeito poético enumera as qualidades Em mil divinos raios encendidos, psicológicas ou morais da sua amada. Se de cá me levais alma e sentidos, Que fora, se de vós não fora ausente? Honesto riso, que entre a mor fineza De perlas e corais nace e parece, Se n'alma em doces ecos não o ouvisse! Se imaginando só tanta beleza, De si, em nova glória, a alma se esquece, Que será quando a vir? Ah! quem a visse!
  • 7. A metáfora evidencia e valoriza algumas características do cabelo: louro, brilhante, precioso como o mais precioso Ondados fios de ouro reluzente, dos metais. Que agora da mão bela recolhidos, Agora sobre as rosas estendidos Fazeis que sua graça se acrecente; Refere metaforicamente as faces . Sugere a tonalidade rosada das faces, e também a Olhos, que vos moveis tão docemente, sua beleza e fragilidade. Em mil divinos raios encendidos, Se de cá me levais alma e sentidos, Que fora, se de vós não fora ausente? Os olhos podem ser caracterizados através dos adjectivos: Honesto riso, que entre a mor fineza  doces, brilhantes e luminosos, sedutores. De perlas e corais nace e parece, Se n'alma em doces ecos não o ouvisse! Os olhos têm o efeito de fazer o sujeito poético Se imaginando só tanta beleza, viver em função da senhora de tais olhos. De si, em nova glória, a alma se esquece, Perante o poder que tais olhos exercem sobre Que será quando a vir? Ah! quem a visse! ele, apesar de os não ver, o poeta questiona-se sobre o efeito que teriam se os visse realmente.
  • 8. Ondados fios de ouro reluzente, Lábios e dentes são representados através da Que agora da mão bela recolhidos, utilização da metáfora “perlas e corais” que Agora sobre as rosas estendidos são dois elementos da natureza de Fazeis que sua graça se acrecente; excepcional e extraordinária beleza. Olhos, que vos moveis tão docemente, Com corais revela-se a tonalidade dos lábios e Em mil divinos raios encendidos, a sua textura e através de “perlas” não só a Se de cá me levais alma e sentidos, cor dos dentes como o seu aspecto liso e Que fora, se de vós não fora ausente? macio. Honesto riso, que entre a mor fineza O honesto riso, transmite a sua honestidade. De perlas e corais nace e parece, Uma qualidade social que ela possui. Se n'alma em doces ecos não o ouvisse! Se imaginando só tanta beleza, Na chave de ouro, que encerra o soneto, o De si, em nova glória, a alma se esquece, sujeito poético refere que a beleza retratada é Que será quando a vir? Ah! quem a visse! fruto da imaginação. Ele nunca a viu, mas deixa expresso esse desejo…
  • 9. Ondados fios de ouro reluzente, Que agora da mão bela recolhidos, Agora sobre as rosas estendidos Fazeis que sua graça se acrecente; Olhos, que vos moveis tão docemente, Em mil divinos raios encendidos, Se de cá me levais alma e sentidos, Que fora, se de vós não fora ausente? Honesto riso, que entre a mor fineza De perlas e corais nace e parece, Se n'alma em doces ecos não o ouvisse! Se imaginando só tanta beleza, De si, em nova glória, a alma se esquece, Que será quando a vir? Ah! quem a visse! A mulher descrita é bela, honesta, graciosa e doce. Trata-se de uma mulher pura, angélica, imaterial e perfeita. A enumeração destas características torna visível a influência petrarquista. No último terceto, o poeta revela um desejo enorme de ver a amada. O intenso desejo de a ver é reforçado pelo emprego do advérbio “tanta”, da interrogação retórica e da exclamação final.
  • 10. São vários os recursos figurativos ao serviço da caracterização da mulher amada. Ondados fios de ouro reluzente, Metáfora – “Ondados fios de ouro Que, agora da mão bela recolhidos, reluzente”, “as rosas” – as faces cor-de- Agora sobre as rosas estendidos, rosa, “perlas e corais” – dentes e lábios Fazeis que a sua beleza se acrescente; Adjectivação expressiva – “Ondados”; Olhos, que vos moveis tão docemente, “reluzente”; “Honesto”; “doces”, entre Em mil divinos raios encendidos, outros Se de cá me levais alma e sentidos, Que fora, se de vós não fora ausente? Hipérbole – “Em mil divinos raios incendidos” Honesto riso, que entre a mor fineza De perlas e corais nasce e parece, Apóstrofe – dos cabelos e dos olhos que Se na alma em doces ecos não o ouvisse!... aparecem personificados Se, imaginando só tanta beleza, Interrogação retórica – “Que fará quando De si em nova glória a alma se esquece, a vir?” Que será quando a vir?... Ah! Quem a visse… Exclamação e interjeição – “? Ah! quem a visse!”
  • 11. Ondados fios de ouro reluzente, Que, agora da mão bela recolhidos, Agora sobre as rosas estendidos, Fazeis que sua graça se acrescente; Quadras Olhos, que vos moveis tão docemente, Este poema é um Em mil divinos raios incendidos, soneto porque é Se de cá me levais alma e sentidos, constituído por duas Que fora, se de vós não fora ausente? quadras e dois tercetos. Honesto riso, que entre a mor fineza De perlas e corais nasce e parece, Se na alma em doces ecos não o ouvisse! Tercetos Se, imaginando só tanta beleza, De si em nova glória, a alma se esquece, Que fará quando a vir? Ah! quem a visse! Versos Decassílabos On /da / dos / fi /os / de ou /ro /re / lu / zen ( te) Os versos são decassílabos, isto é, versos que têm dez sílabas métricas. Trata-se da medida nova.
  • 12. Esquema rimático e tipos de Rima Ondados fios de ouro reluzente, A Que, agora da mão bela recolhidos, B O texto é constituído por duas Agora sobre as rosas estendidos, B quadras e dois tercetos em metro Fazeis que sua graça se acrescente; A decassilábico, com um esquema rimático ABBA // ABBA // CDE // Olhos, que vos moveis tão docemente, A CDE Em mil divinos raios incendidos, B Se de cá me levais alma e sentidos, B A rima é interpolada e Que fora, se de vós não fora ausente? A emparelhada nas quadras ABBA. Nos tercetos a rima é interpolada Honesto riso, que entre a mor fineza C CDECDE De perlas e corais nasce e parece, D Se na alma em doces ecos não o ouvisse! E Se, imaginando só tanta beleza, C De si em nova glória, a alma se esquece, D Que fará quando a vir? Ah! quem a visse! E
  • 13.