SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Camões

         Corrente renascentista
Ondados fios d'ouro reluzente,
que, agora da mão bela recolhidos,
agora sobre as rosas estendidos,
fazeis que sua beleza se acrecente;

Olhos, que vos moveis tão docemente,
em mil divinos raios entendidos,
se de cá me levais alma e sentidos,
que fora, se de vós não fora ausente?

Honesto riso, que entre a mor fineza
de perlas e corais nasce e parece,
se n'alma em doces ecos não o ouvisse!

Se imaginando só tanta beleza
de si, em nova glória, a alma se esquece,
que fará quando a vir? Ah! quem a visse!
BELEZA FEMININA


O poeta desenha o retrato da
sua amada, segundo o gosto
convencional    da    época,
recordando a sua sedução.
Assim, o poeta diz que, se a
sua amada lhe parece
formosa, contemplada na
ausência, muito mais seria se
a visse na sua presença
(manifesta uma enorme
vontade de a ver).
Neste soneto, o sujeito imagina e exalta a beleza da amada ausente, cujo retrato
reconstitui pela memória (influência platónica da teoria da reminiscência), e, no
último terceto, exprime grande desejo de a ver, através da interrogação retórica, da
interjeição (“Ah!”) e da exclamação.

Revela, sobretudo, influência petrarquista na idealização da mulher e na exaltação
das suas qualidades físicas (os cabelos, os olhos, o rosto, os dentes, os lábios) e,
também, das suas qualidades psicológicas ou morais (a doçura, a graça, a
honestidade). Este ideal é sempre descrito como uma mulher perfeita, bela, nobre,
só descritível em imagens hiperbólicas.

No soneto “Ondados fios de ouro reluzente”, verifica-se a descrição física, à maneira
de Petrarca, de uma mulher, que contribui para a sua caracterização moral.
Ondados fios d'ouro reluzente,
                                             que, agora da mão bela recolhidos,
                                             agora sobre as rosas estendidos,
1º momento:                                  fazeis que sua beleza se acrecente;
Caracteriza e exalta a beleza da
amada, concentrada nos cabelos, nos          Olhos, que vos moveis tão docemente,
olhos e no riso.
                                             em mil divinos raios entendidos,
A influência petrarquista revela-se na
                                             se de cá me levais alma e sentidos,
idealização da mulher e na exaltação das
                                             que fora, se de vós não fora ausente?
suas qualidades físicas e morais (a
doçura, a graça, a honestidade)
                                             Honesto riso, que entre a mor fineza
                                             de perlas e corais nasce e parece,
                                             se n'alma em doces ecos não o ouvisse!

2º momento:
                                             Se imaginando só tanta beleza
Os encantos da amada justificam o forte
desejo de a ver, expresso através da         de si, em nova glória, a alma se esquece,
interrogação retórica, da interjeição e da   que fará quando a vir? Ah! quem a visse!
exclamação.
A descrição da amada assenta na
                                            exaltação das suas qualidades físicas e
                                            psicológicas. O sujeito poético faz essa
Ondados fios de ouro reluzente,             descrição nos onze primeiros versos.
Que agora da mão bela recolhidos,
Agora sobre as rosas estendidos             Há versos que nos remetem para a
Fazeis que sua graça se acrecente;
                                            descrição física e outros nos quais o
Olhos, que vos moveis tão docemente,
                                            sujeito poético enumera as qualidades
Em mil divinos raios encendidos,            psicológicas ou morais da sua amada.
Se de cá me levais alma e sentidos,
Que fora, se de vós não fora ausente?

Honesto riso, que entre a mor fineza
De perlas e corais nace e parece,
Se n'alma em doces ecos não o ouvisse!

Se imaginando só tanta beleza,
De si, em nova glória, a alma se esquece,
Que será quando a vir? Ah! quem a visse!
A metáfora evidencia e valoriza algumas
                                            características            do           cabelo:
                                            louro, brilhante, precioso como o mais precioso
Ondados fios de ouro reluzente,             dos metais.
Que agora da mão bela recolhidos,
Agora sobre as rosas estendidos
Fazeis que sua graça se acrecente;          Refere metaforicamente as faces .
                                            Sugere a tonalidade rosada das faces, e também a
Olhos, que vos moveis tão docemente,        sua beleza e fragilidade.
Em mil divinos raios encendidos,
Se de cá me levais alma e sentidos,
Que fora, se de vós não fora ausente?
                                            Os olhos podem ser caracterizados através dos
                                            adjectivos:
Honesto riso, que entre a mor fineza
                                             doces, brilhantes e luminosos, sedutores.
De perlas e corais nace e parece,
Se n'alma em doces ecos não o ouvisse!
                                            Os olhos têm o efeito de fazer o sujeito poético
Se imaginando só tanta beleza,
                                            viver em função da senhora de tais olhos.
De si, em nova glória, a alma se esquece,
                                            Perante o poder que tais olhos exercem sobre
Que será quando a vir? Ah! quem a visse!
                                            ele, apesar de os não ver, o poeta questiona-se
                                            sobre o efeito que teriam se os visse realmente.
Ondados fios de ouro reluzente,             Lábios e dentes são representados através da
Que agora da mão bela recolhidos,           utilização da metáfora “perlas e corais” que
Agora sobre as rosas estendidos             são dois elementos da natureza de
Fazeis que sua graça se acrecente;          excepcional e extraordinária beleza.

Olhos, que vos moveis tão docemente,        Com corais revela-se a tonalidade dos lábios e
Em mil divinos raios encendidos,            a sua textura e através de “perlas” não só a
Se de cá me levais alma e sentidos,         cor dos dentes como o seu aspecto liso e
Que fora, se de vós não fora ausente?       macio.

Honesto riso, que entre a mor fineza        O honesto riso, transmite a sua honestidade.
De perlas e corais nace e parece,           Uma qualidade social que ela possui.
Se n'alma em doces ecos não o ouvisse!

Se imaginando só tanta beleza,              Na chave de ouro, que encerra o soneto, o
De si, em nova glória, a alma se esquece,   sujeito poético refere que a beleza retratada é
Que será quando a vir? Ah! quem a visse!    fruto da imaginação. Ele nunca a viu, mas deixa
                                            expresso esse desejo…
Ondados fios de ouro reluzente,
                                                   Que agora da mão bela recolhidos,
                                                   Agora sobre as rosas estendidos
                                                   Fazeis que sua graça se acrecente;

                                                   Olhos, que vos moveis tão docemente,
                                                   Em mil divinos raios encendidos,
                                                   Se de cá me levais alma e sentidos,
                                                   Que fora, se de vós não fora ausente?

                                                   Honesto riso, que entre a mor fineza
                                                   De perlas e corais nace e parece,
                                                   Se n'alma em doces ecos não o ouvisse!

                                                   Se imaginando só tanta beleza,
                                                   De si, em nova glória, a alma se esquece,
                                                   Que será quando a vir? Ah! quem a visse!




A mulher descrita é bela, honesta, graciosa e doce. Trata-se de uma mulher pura, angélica, imaterial
e perfeita.
A enumeração destas características torna visível a influência petrarquista.
No último terceto, o poeta revela um desejo enorme de ver a amada. O intenso desejo de a ver é
reforçado pelo emprego do advérbio “tanta”, da interrogação retórica e da exclamação final.
São vários os recursos figurativos ao serviço
                                              da caracterização da mulher amada.



Ondados fios de ouro reluzente,               Metáfora – “Ondados fios de ouro
Que, agora da mão bela recolhidos,            reluzente”, “as rosas” – as faces cor-de-
Agora sobre as rosas estendidos,              rosa, “perlas e corais” – dentes e lábios
Fazeis que a sua beleza se acrescente;
                                              Adjectivação expressiva – “Ondados”;
Olhos, que vos moveis tão docemente,          “reluzente”; “Honesto”; “doces”, entre
Em mil divinos raios encendidos,              outros
Se de cá me levais alma e sentidos,
Que fora, se de vós não fora ausente?         Hipérbole –     “Em    mil   divinos   raios
                                              incendidos”
Honesto riso, que entre a mor fineza
De perlas e corais nasce e parece,            Apóstrofe – dos cabelos e dos olhos que
Se na alma em doces ecos não o ouvisse!...    aparecem personificados

Se, imaginando só tanta beleza,               Interrogação retórica – “Que fará quando
De si em nova glória a alma se esquece,       a vir?”
Que será quando a vir?... Ah! Quem a visse…
                                              Exclamação e interjeição – “? Ah! quem a
                                              visse!”
Ondados fios de ouro reluzente,
  Que, agora da mão bela recolhidos,
  Agora sobre as rosas estendidos,
  Fazeis que sua graça se acrescente;
                                                Quadras
  Olhos, que vos moveis tão docemente,                                    Este poema é um
  Em mil divinos raios incendidos,                                        soneto     porque      é
  Se de cá me levais alma e sentidos,                                     constituído por duas
  Que fora, se de vós não fora ausente?                                   quadras e dois tercetos.

  Honesto riso, que entre a mor fineza
  De perlas e corais nasce e parece,
  Se na alma em doces ecos não o ouvisse!       Tercetos

  Se, imaginando só tanta beleza,
  De si em nova glória, a alma se esquece,
  Que fará quando a vir? Ah! quem a visse!
                                                                         Versos Decassílabos

                                                   On /da / dos / fi /os / de ou /ro /re / lu / zen ( te)

Os versos são decassílabos, isto é, versos que têm dez sílabas métricas. Trata-se da medida nova.
Esquema rimático e tipos de Rima


Ondados fios de ouro reluzente,               A
Que, agora da mão bela recolhidos,            B                O texto é constituído por duas
Agora sobre as rosas estendidos,              B                quadras e dois tercetos em metro
Fazeis que sua graça se acrescente;           A                decassilábico, com um esquema
                                                               rimático ABBA // ABBA // CDE //
Olhos, que vos moveis tão docemente,          A                CDE
Em mil divinos raios incendidos,              B
Se de cá me levais alma e sentidos,           B                A rima é interpolada e
Que fora, se de vós não fora ausente?         A                emparelhada nas quadras ABBA.
                                                               Nos tercetos a rima é interpolada
Honesto riso, que entre a mor fineza          C                CDECDE
De perlas e corais nasce e parece,            D
Se na alma em doces ecos não o ouvisse!       E
Se, imaginando só tanta beleza,               C
De si em nova glória, a alma se esquece,      D
Que fará quando a vir? Ah! quem a visse!      E
Disciplina: Português
Prof.ª: Helena Maria Coutinho

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteHelena Coutinho
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lurdes Augusto
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesvermar2010
 
Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoGijasilvelitz 2
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesCristina Martins
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraDavid Caçador
 
Aquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e AnáliseAquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e AnáliseBruno Jardim
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesPaula Oliveira Cruz
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaDina Baptista
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesAntónio Fernandes
 

Mais procurados (20)

Canto v 92_100
Canto v 92_100Canto v 92_100
Canto v 92_100
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonte
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumo
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Aquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e AnáliseAquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e Análise
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
 
Endechas a bárbara
Endechas a bárbaraEndechas a bárbara
Endechas a bárbara
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Verdes são os campos
Verdes são os camposVerdes são os campos
Verdes são os campos
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
 

Semelhante a Ondados fios de ouro reluzente

Livro do Poeta Daniel Amaral - O Floral Poético
Livro do Poeta Daniel Amaral - O Floral PoéticoLivro do Poeta Daniel Amaral - O Floral Poético
Livro do Poeta Daniel Amaral - O Floral PoéticoDaniel Amaral
 
LIVRO DE POESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICO
LIVRO DE POESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICOLIVRO DE POESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICO
LIVRO DE POESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICODaniel Amaral
 
Alma GêMea Juliana Ramires1
Alma GêMea   Juliana Ramires1Alma GêMea   Juliana Ramires1
Alma GêMea Juliana Ramires1guest6657ee
 
Homenagem ao poeta Nivaldo Ferreira
Homenagem ao poeta Nivaldo FerreiraHomenagem ao poeta Nivaldo Ferreira
Homenagem ao poeta Nivaldo FerreiraLuna Di Primo
 
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em portuguêsUm coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em portuguêsLeonor Costa
 
Camilo pessanha poemas
Camilo pessanha poemasCamilo pessanha poemas
Camilo pessanha poemasagnes2012
 

Semelhante a Ondados fios de ouro reluzente (13)

Teste lirica-camoniana
Teste lirica-camonianaTeste lirica-camoniana
Teste lirica-camoniana
 
Alma gêmea
Alma gêmeaAlma gêmea
Alma gêmea
 
O livro-d-ele
O livro-d-eleO livro-d-ele
O livro-d-ele
 
Feras da Poetica
Feras da PoeticaFeras da Poetica
Feras da Poetica
 
Livro do Poeta Daniel Amaral - O Floral Poético
Livro do Poeta Daniel Amaral - O Floral PoéticoLivro do Poeta Daniel Amaral - O Floral Poético
Livro do Poeta Daniel Amaral - O Floral Poético
 
LIVRO DE POESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICO
LIVRO DE POESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICOLIVRO DE POESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICO
LIVRO DE POESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICO
 
Alma GêMea Juliana Ramires1
Alma GêMea   Juliana Ramires1Alma GêMea   Juliana Ramires1
Alma GêMea Juliana Ramires1
 
Homenagem ao poeta Nivaldo Ferreira
Homenagem ao poeta Nivaldo FerreiraHomenagem ao poeta Nivaldo Ferreira
Homenagem ao poeta Nivaldo Ferreira
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Descrever te
Descrever teDescrever te
Descrever te
 
Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
 
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em portuguêsUm coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
 
Camilo pessanha poemas
Camilo pessanha poemasCamilo pessanha poemas
Camilo pessanha poemas
 

Mais de Helena Coutinho

Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasHelena Coutinho
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particularHelena Coutinho
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralHelena Coutinho
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particularHelena Coutinho
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraHelena Coutinho
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibirHelena Coutinho
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaHelena Coutinho
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoHelena Coutinho
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaHelena Coutinho
 

Mais de Helena Coutinho (20)

. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
 
Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap vi
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
 
1. introd e estrutura
1. introd e estrutura1. introd e estrutura
1. introd e estrutura
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
 
. O texto dramático
. O texto dramático. O texto dramático
. O texto dramático
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir
 
Fls figuras reais
Fls figuras reaisFls figuras reais
Fls figuras reais
 
. Enredo
. Enredo. Enredo
. Enredo
 
. A obra e o contexto
. A obra e o contexto. A obra e o contexto
. A obra e o contexto
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em ano
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
 

Último

BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 

Último (20)

BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 

Ondados fios de ouro reluzente

  • 1. Camões Corrente renascentista
  • 2. Ondados fios d'ouro reluzente, que, agora da mão bela recolhidos, agora sobre as rosas estendidos, fazeis que sua beleza se acrecente; Olhos, que vos moveis tão docemente, em mil divinos raios entendidos, se de cá me levais alma e sentidos, que fora, se de vós não fora ausente? Honesto riso, que entre a mor fineza de perlas e corais nasce e parece, se n'alma em doces ecos não o ouvisse! Se imaginando só tanta beleza de si, em nova glória, a alma se esquece, que fará quando a vir? Ah! quem a visse!
  • 3. BELEZA FEMININA O poeta desenha o retrato da sua amada, segundo o gosto convencional da época, recordando a sua sedução. Assim, o poeta diz que, se a sua amada lhe parece formosa, contemplada na ausência, muito mais seria se a visse na sua presença (manifesta uma enorme vontade de a ver).
  • 4. Neste soneto, o sujeito imagina e exalta a beleza da amada ausente, cujo retrato reconstitui pela memória (influência platónica da teoria da reminiscência), e, no último terceto, exprime grande desejo de a ver, através da interrogação retórica, da interjeição (“Ah!”) e da exclamação. Revela, sobretudo, influência petrarquista na idealização da mulher e na exaltação das suas qualidades físicas (os cabelos, os olhos, o rosto, os dentes, os lábios) e, também, das suas qualidades psicológicas ou morais (a doçura, a graça, a honestidade). Este ideal é sempre descrito como uma mulher perfeita, bela, nobre, só descritível em imagens hiperbólicas. No soneto “Ondados fios de ouro reluzente”, verifica-se a descrição física, à maneira de Petrarca, de uma mulher, que contribui para a sua caracterização moral.
  • 5. Ondados fios d'ouro reluzente, que, agora da mão bela recolhidos, agora sobre as rosas estendidos, 1º momento: fazeis que sua beleza se acrecente; Caracteriza e exalta a beleza da amada, concentrada nos cabelos, nos Olhos, que vos moveis tão docemente, olhos e no riso. em mil divinos raios entendidos, A influência petrarquista revela-se na se de cá me levais alma e sentidos, idealização da mulher e na exaltação das que fora, se de vós não fora ausente? suas qualidades físicas e morais (a doçura, a graça, a honestidade) Honesto riso, que entre a mor fineza de perlas e corais nasce e parece, se n'alma em doces ecos não o ouvisse! 2º momento: Se imaginando só tanta beleza Os encantos da amada justificam o forte desejo de a ver, expresso através da de si, em nova glória, a alma se esquece, interrogação retórica, da interjeição e da que fará quando a vir? Ah! quem a visse! exclamação.
  • 6. A descrição da amada assenta na exaltação das suas qualidades físicas e psicológicas. O sujeito poético faz essa Ondados fios de ouro reluzente, descrição nos onze primeiros versos. Que agora da mão bela recolhidos, Agora sobre as rosas estendidos Há versos que nos remetem para a Fazeis que sua graça se acrecente; descrição física e outros nos quais o Olhos, que vos moveis tão docemente, sujeito poético enumera as qualidades Em mil divinos raios encendidos, psicológicas ou morais da sua amada. Se de cá me levais alma e sentidos, Que fora, se de vós não fora ausente? Honesto riso, que entre a mor fineza De perlas e corais nace e parece, Se n'alma em doces ecos não o ouvisse! Se imaginando só tanta beleza, De si, em nova glória, a alma se esquece, Que será quando a vir? Ah! quem a visse!
  • 7. A metáfora evidencia e valoriza algumas características do cabelo: louro, brilhante, precioso como o mais precioso Ondados fios de ouro reluzente, dos metais. Que agora da mão bela recolhidos, Agora sobre as rosas estendidos Fazeis que sua graça se acrecente; Refere metaforicamente as faces . Sugere a tonalidade rosada das faces, e também a Olhos, que vos moveis tão docemente, sua beleza e fragilidade. Em mil divinos raios encendidos, Se de cá me levais alma e sentidos, Que fora, se de vós não fora ausente? Os olhos podem ser caracterizados através dos adjectivos: Honesto riso, que entre a mor fineza  doces, brilhantes e luminosos, sedutores. De perlas e corais nace e parece, Se n'alma em doces ecos não o ouvisse! Os olhos têm o efeito de fazer o sujeito poético Se imaginando só tanta beleza, viver em função da senhora de tais olhos. De si, em nova glória, a alma se esquece, Perante o poder que tais olhos exercem sobre Que será quando a vir? Ah! quem a visse! ele, apesar de os não ver, o poeta questiona-se sobre o efeito que teriam se os visse realmente.
  • 8. Ondados fios de ouro reluzente, Lábios e dentes são representados através da Que agora da mão bela recolhidos, utilização da metáfora “perlas e corais” que Agora sobre as rosas estendidos são dois elementos da natureza de Fazeis que sua graça se acrecente; excepcional e extraordinária beleza. Olhos, que vos moveis tão docemente, Com corais revela-se a tonalidade dos lábios e Em mil divinos raios encendidos, a sua textura e através de “perlas” não só a Se de cá me levais alma e sentidos, cor dos dentes como o seu aspecto liso e Que fora, se de vós não fora ausente? macio. Honesto riso, que entre a mor fineza O honesto riso, transmite a sua honestidade. De perlas e corais nace e parece, Uma qualidade social que ela possui. Se n'alma em doces ecos não o ouvisse! Se imaginando só tanta beleza, Na chave de ouro, que encerra o soneto, o De si, em nova glória, a alma se esquece, sujeito poético refere que a beleza retratada é Que será quando a vir? Ah! quem a visse! fruto da imaginação. Ele nunca a viu, mas deixa expresso esse desejo…
  • 9. Ondados fios de ouro reluzente, Que agora da mão bela recolhidos, Agora sobre as rosas estendidos Fazeis que sua graça se acrecente; Olhos, que vos moveis tão docemente, Em mil divinos raios encendidos, Se de cá me levais alma e sentidos, Que fora, se de vós não fora ausente? Honesto riso, que entre a mor fineza De perlas e corais nace e parece, Se n'alma em doces ecos não o ouvisse! Se imaginando só tanta beleza, De si, em nova glória, a alma se esquece, Que será quando a vir? Ah! quem a visse! A mulher descrita é bela, honesta, graciosa e doce. Trata-se de uma mulher pura, angélica, imaterial e perfeita. A enumeração destas características torna visível a influência petrarquista. No último terceto, o poeta revela um desejo enorme de ver a amada. O intenso desejo de a ver é reforçado pelo emprego do advérbio “tanta”, da interrogação retórica e da exclamação final.
  • 10. São vários os recursos figurativos ao serviço da caracterização da mulher amada. Ondados fios de ouro reluzente, Metáfora – “Ondados fios de ouro Que, agora da mão bela recolhidos, reluzente”, “as rosas” – as faces cor-de- Agora sobre as rosas estendidos, rosa, “perlas e corais” – dentes e lábios Fazeis que a sua beleza se acrescente; Adjectivação expressiva – “Ondados”; Olhos, que vos moveis tão docemente, “reluzente”; “Honesto”; “doces”, entre Em mil divinos raios encendidos, outros Se de cá me levais alma e sentidos, Que fora, se de vós não fora ausente? Hipérbole – “Em mil divinos raios incendidos” Honesto riso, que entre a mor fineza De perlas e corais nasce e parece, Apóstrofe – dos cabelos e dos olhos que Se na alma em doces ecos não o ouvisse!... aparecem personificados Se, imaginando só tanta beleza, Interrogação retórica – “Que fará quando De si em nova glória a alma se esquece, a vir?” Que será quando a vir?... Ah! Quem a visse… Exclamação e interjeição – “? Ah! quem a visse!”
  • 11. Ondados fios de ouro reluzente, Que, agora da mão bela recolhidos, Agora sobre as rosas estendidos, Fazeis que sua graça se acrescente; Quadras Olhos, que vos moveis tão docemente, Este poema é um Em mil divinos raios incendidos, soneto porque é Se de cá me levais alma e sentidos, constituído por duas Que fora, se de vós não fora ausente? quadras e dois tercetos. Honesto riso, que entre a mor fineza De perlas e corais nasce e parece, Se na alma em doces ecos não o ouvisse! Tercetos Se, imaginando só tanta beleza, De si em nova glória, a alma se esquece, Que fará quando a vir? Ah! quem a visse! Versos Decassílabos On /da / dos / fi /os / de ou /ro /re / lu / zen ( te) Os versos são decassílabos, isto é, versos que têm dez sílabas métricas. Trata-se da medida nova.
  • 12. Esquema rimático e tipos de Rima Ondados fios de ouro reluzente, A Que, agora da mão bela recolhidos, B O texto é constituído por duas Agora sobre as rosas estendidos, B quadras e dois tercetos em metro Fazeis que sua graça se acrescente; A decassilábico, com um esquema rimático ABBA // ABBA // CDE // Olhos, que vos moveis tão docemente, A CDE Em mil divinos raios incendidos, B Se de cá me levais alma e sentidos, B A rima é interpolada e Que fora, se de vós não fora ausente? A emparelhada nas quadras ABBA. Nos tercetos a rima é interpolada Honesto riso, que entre a mor fineza C CDECDE De perlas e corais nasce e parece, D Se na alma em doces ecos não o ouvisse! E Se, imaginando só tanta beleza, C De si em nova glória, a alma se esquece, D Que fará quando a vir? Ah! quem a visse! E
  • 13.