SlideShare uma empresa Scribd logo
Ver + ver2
A este mote alheio:

Verdes são os campos,
De cor de limão:        Voltas
Assim são os olhos
Do meu coração.         Campo, que te estendes
                        Com verdura bela;
                        Ovelhas, que nela
                        Vosso pasto tendes,
                        De ervas vos mantendes
                        Que traz o Verão,
                        E eu das lembranças
                        Do meu coração.

                        Gados que pasceis
                        Com contentamento,
                        Vosso mantimento
                        Não no entendereis;
                        Isso que comeis
                        Não são ervas, não:
                        São graças dos olhos
                        Do meu coração.
A este mote alheio:
                         O poema é uma cantiga cujo mote estabelece uma comparação
Verdes são os campos,    entre a natureza e os olhos da mulher amada:
De cor de limão:
Assim são os olhos       Os olhos da mulher amada são verdes, tal como os campos e o
Do meu coração.          limão.

Voltas                   Na 1ª volta o sujeito poético apresenta um cenário bucólico:
                         um campo verdejante onde pasta um rebanho.
Campo, que te estendes
Com verdura bela;
Ovelhas, que nela
Vosso pasto tendes,      Cromatismo: A cor dominante na estrofe é o verde. A beleza do
De ervas vos mantendes   campo verdejante é identificada com a beleza dos olhos da
Que traz o Verão,        mulher enaltecida
E eu das lembranças
Do meu coração.
                          Do mesmo modo que as ovelhas se alimentam de erva, o
Gados que pasceis         sentimento amoroso do sujeito poético permanece vivo através
Com contentamento,        das recordações da mulher amada.
Vosso mantimento
Não no entendereis;
Isso que comeis
Não são ervas, não:
São graças dos olhos        Metáfora: ao observar os campos verdes, o sujeito poético
Do meu coração.            recorda a beleza e graciosidade dos olhos da sua amada.
Relação o sujeito poético estabelece entre os campos e a amada.

Mote:

Verdes são os campos
da cor do limão
assim são os olhos
do meu coração.
                                Os campos

Voltas:                          ponto de partida para a recordação da amada
Campo que te estendes            semelhança entre a cor dos campos e os olhos da
com verdura bela;
ovelhas que nela                natureza
vosso pasto tendes:              os campos alimentam/ dão vida e a amada também
d’ervas vos mantendes           mantém o sujeito vivo através das recordações.
que traz o Verão,
 e eu das lembranças
                                 projecção e posterior união entre a amada e a
do meu coração.                 Natureza.

Gado que paceis,
co contentamento
vosso mantimento
não o entendeis;
isso que comeis
não são ervas , não:
São graças dos olhos
Do meu coração.

Recomendado para você

Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica

Este documento fornece instruções sobre como escrever um artigo de apreciação crítica, incluindo sua estrutura e linguagem. A estrutura inclui introdução, desenvolvimento e conclusão. O desenvolvimento contém opiniões pessoais e argumentos. Um exemplo analisa criticamente o concerto da banda portuguesa GNR no Rock in Rio.

Processos fonológicos
Processos fonológicosProcessos fonológicos
Processos fonológicos

Este documento descreve os principais processos fonológicos que ocorrem na evolução das línguas, incluindo inserção (prótese, epêntese e paragoge), supressão (aférese, síncope e apócope) e alteração de segmentos (metátese, assimilação, vocalização, dentre outros). Exemplos ilustram cada processo e exercícios pedem para identificar os processos envolvidos na evolução de determinadas palavras.

Um mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadosoUm mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadoso

Camões descreve a beleza da mulher amada de forma idealizada, atribuindo-lhe qualidades físicas e morais de forma reiterada. A amada é apresentada como detentora de uma beleza que transcende o físico e que fascina o poeta, comparando-a metaforicamente à feiticeira Circe, cujo "mágico veneno" transforma o seu pensamento.

lírica camoniana
A presença da cor tem um valor simbólico na construção desta cantiga.

Mote:
                                  Verde
Verdes são os campos
da cor do limão                    – símbolo da Natureza, que é o elemento de
assim são os olhos
do meu coração.                   comparação com a amada;

Voltas:                           - Símbolo da esperança, uma vez que a separação
Campo que te estendes
com verdura bela;
                                  causa sofrimento, há o desejo de reencontrar a
ovelhas que nela                  amada.
vosso pasto tendes:
d’ervas vos mantendes
que traz o Verão,
 e eu das lembranças
do meu coração.

Gado que paceis,                    Cromatismo: A cor dominante na estrofe é o
co contentamento                    verde. A beleza do campo verdejante é
vosso mantimento
não o entendeis;
                                    identificada com a beleza dos olhos da mulher
isso que comeis                     enaltecida
não são ervas , não:
São graças dos olhos
Do meu coração.
Os sentimentos que dominam o sujeito poético ao longo da cantiga.


Mote:

Verdes são os campos
da cor do limão
assim são os olhos                Apaixonado – porque a natureza o faz
do meu coração.                   recordar as características da amada
Voltas:
Campo que te estendes
com verdura bela;
ovelhas que nela
vosso pasto tendes:
d’ervas vos mantendes
que traz o Verão,                 Nostálgico/ Saudoso – vive de
 e eu das lembranças              recordações de passado e não de
do meu coração.
                                  presente
Gado que paceis,
co contentamento
vosso mantimento
não o entendeis;                  Triste/Incompreendido/Apaixonado      –
isso que comeis                   porque os outros, a natureza não o
não são ervas , não:
São graças dos olhos              compreende; porque as saudades são
Do meu coração.                   muitas e tudo o que tem são recordações
As palavras “campo”, “ovelhas” e “gado” relacionam-se com o tema.

Mote:
                                   É apresentado o destinatário ou destinatários deste
Verdes são os campos               lamento: Campo, Ovelhas e Gado.
da cor do limão                    O sujeito poético dirige-se a estes elementos.
assim são os olhos
do meu coração.
                                   Primeiro começa por invocar o campo verde que se
Voltas:                            estende de forma bela, mas passa logo de seguida
Campo que te estendes              para as ovelhas que estão tão próximas dessa beleza
com verdura bela;
ovelhas que nela
                                   verde.
vosso pasto tendes:
d’ervas vos mantendes              O sujeito poético deixa-lhes um recado, ao lembrar-
que traz o Verão,                  lhes que, por um lado, elas se alimentam/ elas se
 e eu das lembranças
do meu coração.                    mantêm vivas por causa dessa verdura que o verão
                                   torna possível, por outro lado o sujeito poético
Gado que paceis,                   alimenta-se vive por causa das lembranças/ das
co contentamento
                                   memórias que tem da amada.
vosso mantimento
não o entendeis;
isso que comeis                    Pressupomos, portanto uma relação dominada pela
não são ervas , não:               saudade, pela tristeza e pela nostalgia.
São graças dos olhos
Do meu coração.
Este poema retoma aspectos característicos da poesia tradicional.


Mote:
                                    Formal :
Ver//des// são// os //cam//pos      • Cantiga / redondilha menor (5 sílabas métricas)
Da// cor// do// li//mão             • mote: quatro versos
assim são os olhos                  • voltas com oito versos
do meu coração.
                                    • repetição do último verso do mote no final de
Voltas:                             cada volta
Campo que te estendes
com verdura bela;
ovelhas que nela
                                    Conteúdo:
vosso pasto tendes:                 • Saudade
d’ervas vos mantendes               • elogio à beleza da amada
que traz o Verão,                   • as características da mulher : os olhos claros
 e eu das lembranças
do meu coração.                                                       a graciosidade
                                    • 0 bucolismo: a natureza, os campos, as ervas, as
Gado que paceis,                    ovelhas, o gado, o pasto
co contentamento
vosso mantimento
não o entendeis;                    • a simplicidade, trivialidade e banalidade dos
isso que comeis                     elementos que estão na base da inspiração poética:
não são ervas , não:                os campos verdes
São graças dos olhos
Do meu coração.

Recomendado para você

Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca

O documento descreve a origem e evolução da língua portuguesa a partir do latim vulgar falado na Península Ibérica. O português emergiu como uma língua distinta a partir do século XV através da fusão do latim com os dialetos locais pré-romanos (substrato) e influências posteriores de povos como os bárbaros e árabes (superstrato). A poesia trovadoresca desempenhou um papel importante na literatura medieval portuguesa entre os séculos XII-XIV.

poesia trovadoresca
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira

Este documento resume a peça Farsa de Inês Pereira, de Gil Vicente. A farsa descreve a personagem Inês Pereira, uma jovem que se casa duas vezes na esperança de ascender socialmente, mas acaba desiludida. A estrutura da peça segue uma série de episódios na vida de Inês. Aborda temas como a duplicidade, a dissolução dos costumes e a visão do casamento como um negócio na época de Gil Vicente.

farsa de inês pereirasantillanagil vicente
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizer

Este documento apresenta três parágrafos sobre a sátira trovadoresca medieval em Portugal e Galiza: 1) A sátira trovadoresca desenvolveu-se paralelamente às cantigas de amigo e de amor, satirizando aspectos da corte e figuras como jograis e clérigos. 2) Distingue-se entre cantigas de escárnio, que ridicularizam de forma indireta, e cantigas de maldizer, que o fazem diretamente. 3) Estas cantigas transmitem

literatura portuguesa
Apresenta a Paráfrase da última volta. Identificando e clarificando a intenção do recurso
expressivo presente nos últimos quatro versos.

                                 Dirige-se agora ao Gado, no geral, que não tem consciência
 Mote:
                                 da realidade do seu sofrimento.
 Verdes são os campos
 da cor do limão
 assim são os olhos              O sujeito poético de uma forma exagerada (hipérbole)
 do meu coração.
                                 assume a projecção da amada na Natureza, assumindo
 Voltas:
                                 que, sem se dar conta, o gado come a graciosidade dos
 Campo que te estendes
 com verdura bela;               olhos da amada.
 ovelhas que nela
 vosso pasto tendes:
 d’ervas vos mantendes           Ao longo da cantiga temos uma comparação entre os olhos
 que traz o Verão,
  e eu das lembranças            da amada e os campo que se vai tornando cada vez mais
 do meu coração.
                                 evidente aos olhos do sujeito poético.
 Gado que paceis,                A repetição do advérbio de negação “não” transmite um
 co contentamento                tom de oralidade ao poema, e temos a certeza de que o
 vosso mantimento                sujeito poético está convencido desta projecção da amada
 não o entendeis;                na Natureza.
 isso que comeis
 não são ervas , não:            No final da composição poética os campos não são como
 São graças dos olhos            os campos (comparação)
 Do meu coração.                 São os próprios campos verdes (metáfora).
A este mote alheio:

Verdes são os campos,
                         Classificação: cantiga
De cor de limão:         Constituída por mote de 4 versos (quadra) e duas
Assim são os olhos       voltas de 8 versos (oitavas)
Do meu coração.
                         Métrica: redondilha menor (versos pentassílabos)
Voltas
                         Esquema rimático ABAB // cddccbeB // deeddbab
Campo, que te estendes
Com verdura bela;
Ovelhas, que nela
                         Rimas
Vosso pasto tendes,      -no mote - rima cruzada
De ervas vos mantendes   -nas voltas      - rima interpolada (v1 e 7)
Que traz o Verão,        emparelhada (vv2,3,4,5) e cruzada no 6.º e 8º
E eu das lembranças      versos.
Do meu coração.
                         Há rima consoante e toante.
Gados que pasceis        Há rima rica e pobre.
Com contentamento,
Vosso mantimento
Não no entendereis;
Isso que comeis
Não são ervas, não:
São graças dos olhos
Do meu coração.
A este mote alheio:

Verdes são os campos,
De cor de limão:         A mulher
Assim são os olhos       -tem olhos verdes «da cor do limão»,
Do meu coração.          -é bela (causa a «verdura bela» dos campos),
                         -é graciosa (pois não são ervas, mas «são graças dos
Voltas
                         olhos.)
Campo, que te estendes   -provoca as saudades e lembranças no sujeito poético.
Com verdura bela;        -provoca alegria e «contentamento» na natureza
Ovelhas, que nela
Vosso pasto tendes,      O sujeito poético demonstra
De ervas vos mantendes   -admiração pela natureza,
Que traz o Verão,        -recordação e saudade pela mulher, que mantém de
E eu das lembranças      «lembranças»,
Do meu coração.
                         -amor, enquanto ela se apresenta como «meu coração"
Gados que pasceis
Com contentamento,       Da mulher resulta
Vosso mantimento         -a verdura para os campos. -o pasto para as ovelhas,
Não no entendereis;      -a alegria e mantimento para os gados.
Isso que comeis          -a recordação e saudade para o sujeito poético
Não são ervas, não:
São graças dos olhos
Do meu coração.
Disciplina de Português
Profª: Helena Maria Coutinho

Recomendado para você

Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos

O documento fornece informações sobre deícticos em língua portuguesa. Deícticos são palavras que estabelecem a articulação entre o ato de fala e o contexto em que é produzido. Existem três tipos de deícticos: pessoais, temporais e espaciais.

Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor

Este documento descreve as Cantigas de Amor, uma forma lírica trovadoresca portuguesa influenciada pela Provença. Resume suas origens, características, vocabulário, estrutura e regras do amor cortês, no qual o trovador serve sua dama de forma idealizada e passa por provações para conquistar seus favores.

literatura portuguesa
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana

O documento resume as principais características da lírica de Camões, distinguindo entre a influência da tradição peninsular e a influência clássica e renascentista. Apresenta os principais temas, formas poéticas e estilos presentes na obra de Camões, influenciada por ambas as correntes literárias.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
Helena Coutinho
 
Aquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e AnáliseAquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e Análise
Bruno Jardim
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
Raffaella Ergün
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Vanda Sousa
 
Processos fonológicos
Processos fonológicosProcessos fonológicos
Processos fonológicos
Sílvia Faim
 
Um mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadosoUm mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadoso
Helena Coutinho
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
Lurdes Augusto
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
David Caçador
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizer
Helena Coutinho
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
Paula Angelo
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
Helena Coutinho
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
Helena Coutinho
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
Margarida Rodrigues
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Analise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosaAnalise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosa
cnlx
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
nanasimao
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versos
domplex123
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Raffaella Ergün
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Joana Azevedo
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
Lurdes Augusto
 

Mais procurados (20)

A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
 
Aquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e AnáliseAquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e Análise
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Processos fonológicos
Processos fonológicosProcessos fonológicos
Processos fonológicos
 
Um mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadosoUm mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadoso
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizer
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Analise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosaAnalise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosa
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versos
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 

Semelhante a Verdes são os campos

Luís Vaz de Camões
Luís Vaz de CamõesLuís Vaz de Camões
Luís Vaz de Camões
José Trigo
 
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 35
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 35Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 35
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 35
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 73-74
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 73-74Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 73-74
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 73-74
luisprista
 
Verdes são os campos
Verdes são os camposVerdes são os campos
Verdes são os campos
mcruzgago
 
Alguns Poemas Escritos no Recanto das Letras
Alguns Poemas Escritos no Recanto das LetrasAlguns Poemas Escritos no Recanto das Letras
Alguns Poemas Escritos no Recanto das Letras
terreza lima
 
Aparados da serra rs
Aparados da serra rsAparados da serra rs
Aparados da serra rs
errehirtz
 
Verde sã0 os campos
Verde sã0 os camposVerde sã0 os campos
Verde sã0 os campos
albinasantos1
 
Verde sã0 os campos
Verde sã0 os camposVerde sã0 os campos
Verde sã0 os campos
albinasantos1
 
Verde sã0 campos
Verde sã0 camposVerde sã0 campos
Verde sã0 campos
albinasantos1
 

Semelhante a Verdes são os campos (9)

Luís Vaz de Camões
Luís Vaz de CamõesLuís Vaz de Camões
Luís Vaz de Camões
 
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 35
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 35Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 35
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 35
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 73-74
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 73-74Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 73-74
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 73-74
 
Verdes são os campos
Verdes são os camposVerdes são os campos
Verdes são os campos
 
Alguns Poemas Escritos no Recanto das Letras
Alguns Poemas Escritos no Recanto das LetrasAlguns Poemas Escritos no Recanto das Letras
Alguns Poemas Escritos no Recanto das Letras
 
Aparados da serra rs
Aparados da serra rsAparados da serra rs
Aparados da serra rs
 
Verde sã0 os campos
Verde sã0 os camposVerde sã0 os campos
Verde sã0 os campos
 
Verde sã0 os campos
Verde sã0 os camposVerde sã0 os campos
Verde sã0 os campos
 
Verde sã0 campos
Verde sã0 camposVerde sã0 campos
Verde sã0 campos
 

Mais de Helena Coutinho

. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
Helena Coutinho
 
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Helena Coutinho
 
Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
Helena Coutinho
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
Helena Coutinho
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
Helena Coutinho
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
Helena Coutinho
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
Helena Coutinho
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
Helena Coutinho
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
Helena Coutinho
 
1. introd e estrutura
1. introd e estrutura1. introd e estrutura
1. introd e estrutura
Helena Coutinho
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
Helena Coutinho
 
. O texto dramático
. O texto dramático. O texto dramático
. O texto dramático
Helena Coutinho
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir
Helena Coutinho
 
Fls figuras reais
Fls figuras reaisFls figuras reais
Fls figuras reais
Helena Coutinho
 
. Enredo
. Enredo. Enredo
. Enredo
Helena Coutinho
 
. A obra e o contexto
. A obra e o contexto. A obra e o contexto
. A obra e o contexto
Helena Coutinho
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
Helena Coutinho
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Helena Coutinho
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
Helena Coutinho
 

Mais de Helena Coutinho (20)

. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
 
Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap vi
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
 
1. introd e estrutura
1. introd e estrutura1. introd e estrutura
1. introd e estrutura
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
 
. O texto dramático
. O texto dramático. O texto dramático
. O texto dramático
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir
 
Fls figuras reais
Fls figuras reaisFls figuras reais
Fls figuras reais
 
. Enredo
. Enredo. Enredo
. Enredo
 
. A obra e o contexto
. A obra e o contexto. A obra e o contexto
. A obra e o contexto
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em ano
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
 

Verdes são os campos

  • 2. A este mote alheio: Verdes são os campos, De cor de limão: Voltas Assim são os olhos Do meu coração. Campo, que te estendes Com verdura bela; Ovelhas, que nela Vosso pasto tendes, De ervas vos mantendes Que traz o Verão, E eu das lembranças Do meu coração. Gados que pasceis Com contentamento, Vosso mantimento Não no entendereis; Isso que comeis Não são ervas, não: São graças dos olhos Do meu coração.
  • 3. A este mote alheio: O poema é uma cantiga cujo mote estabelece uma comparação Verdes são os campos, entre a natureza e os olhos da mulher amada: De cor de limão: Assim são os olhos Os olhos da mulher amada são verdes, tal como os campos e o Do meu coração. limão. Voltas Na 1ª volta o sujeito poético apresenta um cenário bucólico: um campo verdejante onde pasta um rebanho. Campo, que te estendes Com verdura bela; Ovelhas, que nela Vosso pasto tendes, Cromatismo: A cor dominante na estrofe é o verde. A beleza do De ervas vos mantendes campo verdejante é identificada com a beleza dos olhos da Que traz o Verão, mulher enaltecida E eu das lembranças Do meu coração. Do mesmo modo que as ovelhas se alimentam de erva, o Gados que pasceis sentimento amoroso do sujeito poético permanece vivo através Com contentamento, das recordações da mulher amada. Vosso mantimento Não no entendereis; Isso que comeis Não são ervas, não: São graças dos olhos Metáfora: ao observar os campos verdes, o sujeito poético Do meu coração. recorda a beleza e graciosidade dos olhos da sua amada.
  • 4. Relação o sujeito poético estabelece entre os campos e a amada. Mote: Verdes são os campos da cor do limão assim são os olhos do meu coração. Os campos Voltas:  ponto de partida para a recordação da amada Campo que te estendes  semelhança entre a cor dos campos e os olhos da com verdura bela; ovelhas que nela natureza vosso pasto tendes:  os campos alimentam/ dão vida e a amada também d’ervas vos mantendes mantém o sujeito vivo através das recordações. que traz o Verão, e eu das lembranças  projecção e posterior união entre a amada e a do meu coração. Natureza. Gado que paceis, co contentamento vosso mantimento não o entendeis; isso que comeis não são ervas , não: São graças dos olhos Do meu coração.
  • 5. A presença da cor tem um valor simbólico na construção desta cantiga. Mote: Verde Verdes são os campos da cor do limão – símbolo da Natureza, que é o elemento de assim são os olhos do meu coração. comparação com a amada; Voltas: - Símbolo da esperança, uma vez que a separação Campo que te estendes com verdura bela; causa sofrimento, há o desejo de reencontrar a ovelhas que nela amada. vosso pasto tendes: d’ervas vos mantendes que traz o Verão, e eu das lembranças do meu coração. Gado que paceis, Cromatismo: A cor dominante na estrofe é o co contentamento verde. A beleza do campo verdejante é vosso mantimento não o entendeis; identificada com a beleza dos olhos da mulher isso que comeis enaltecida não são ervas , não: São graças dos olhos Do meu coração.
  • 6. Os sentimentos que dominam o sujeito poético ao longo da cantiga. Mote: Verdes são os campos da cor do limão assim são os olhos Apaixonado – porque a natureza o faz do meu coração. recordar as características da amada Voltas: Campo que te estendes com verdura bela; ovelhas que nela vosso pasto tendes: d’ervas vos mantendes que traz o Verão, Nostálgico/ Saudoso – vive de e eu das lembranças recordações de passado e não de do meu coração. presente Gado que paceis, co contentamento vosso mantimento não o entendeis; Triste/Incompreendido/Apaixonado – isso que comeis porque os outros, a natureza não o não são ervas , não: São graças dos olhos compreende; porque as saudades são Do meu coração. muitas e tudo o que tem são recordações
  • 7. As palavras “campo”, “ovelhas” e “gado” relacionam-se com o tema. Mote: É apresentado o destinatário ou destinatários deste Verdes são os campos lamento: Campo, Ovelhas e Gado. da cor do limão O sujeito poético dirige-se a estes elementos. assim são os olhos do meu coração. Primeiro começa por invocar o campo verde que se Voltas: estende de forma bela, mas passa logo de seguida Campo que te estendes para as ovelhas que estão tão próximas dessa beleza com verdura bela; ovelhas que nela verde. vosso pasto tendes: d’ervas vos mantendes O sujeito poético deixa-lhes um recado, ao lembrar- que traz o Verão, lhes que, por um lado, elas se alimentam/ elas se e eu das lembranças do meu coração. mantêm vivas por causa dessa verdura que o verão torna possível, por outro lado o sujeito poético Gado que paceis, alimenta-se vive por causa das lembranças/ das co contentamento memórias que tem da amada. vosso mantimento não o entendeis; isso que comeis Pressupomos, portanto uma relação dominada pela não são ervas , não: saudade, pela tristeza e pela nostalgia. São graças dos olhos Do meu coração.
  • 8. Este poema retoma aspectos característicos da poesia tradicional. Mote: Formal : Ver//des// são// os //cam//pos • Cantiga / redondilha menor (5 sílabas métricas) Da// cor// do// li//mão • mote: quatro versos assim são os olhos • voltas com oito versos do meu coração. • repetição do último verso do mote no final de Voltas: cada volta Campo que te estendes com verdura bela; ovelhas que nela Conteúdo: vosso pasto tendes: • Saudade d’ervas vos mantendes • elogio à beleza da amada que traz o Verão, • as características da mulher : os olhos claros e eu das lembranças do meu coração. a graciosidade • 0 bucolismo: a natureza, os campos, as ervas, as Gado que paceis, ovelhas, o gado, o pasto co contentamento vosso mantimento não o entendeis; • a simplicidade, trivialidade e banalidade dos isso que comeis elementos que estão na base da inspiração poética: não são ervas , não: os campos verdes São graças dos olhos Do meu coração.
  • 9. Apresenta a Paráfrase da última volta. Identificando e clarificando a intenção do recurso expressivo presente nos últimos quatro versos. Dirige-se agora ao Gado, no geral, que não tem consciência Mote: da realidade do seu sofrimento. Verdes são os campos da cor do limão assim são os olhos O sujeito poético de uma forma exagerada (hipérbole) do meu coração. assume a projecção da amada na Natureza, assumindo Voltas: que, sem se dar conta, o gado come a graciosidade dos Campo que te estendes com verdura bela; olhos da amada. ovelhas que nela vosso pasto tendes: d’ervas vos mantendes Ao longo da cantiga temos uma comparação entre os olhos que traz o Verão, e eu das lembranças da amada e os campo que se vai tornando cada vez mais do meu coração. evidente aos olhos do sujeito poético. Gado que paceis, A repetição do advérbio de negação “não” transmite um co contentamento tom de oralidade ao poema, e temos a certeza de que o vosso mantimento sujeito poético está convencido desta projecção da amada não o entendeis; na Natureza. isso que comeis não são ervas , não: No final da composição poética os campos não são como São graças dos olhos os campos (comparação) Do meu coração. São os próprios campos verdes (metáfora).
  • 10. A este mote alheio: Verdes são os campos, Classificação: cantiga De cor de limão: Constituída por mote de 4 versos (quadra) e duas Assim são os olhos voltas de 8 versos (oitavas) Do meu coração. Métrica: redondilha menor (versos pentassílabos) Voltas Esquema rimático ABAB // cddccbeB // deeddbab Campo, que te estendes Com verdura bela; Ovelhas, que nela Rimas Vosso pasto tendes, -no mote - rima cruzada De ervas vos mantendes -nas voltas - rima interpolada (v1 e 7) Que traz o Verão, emparelhada (vv2,3,4,5) e cruzada no 6.º e 8º E eu das lembranças versos. Do meu coração. Há rima consoante e toante. Gados que pasceis Há rima rica e pobre. Com contentamento, Vosso mantimento Não no entendereis; Isso que comeis Não são ervas, não: São graças dos olhos Do meu coração.
  • 11. A este mote alheio: Verdes são os campos, De cor de limão: A mulher Assim são os olhos -tem olhos verdes «da cor do limão», Do meu coração. -é bela (causa a «verdura bela» dos campos), -é graciosa (pois não são ervas, mas «são graças dos Voltas olhos.) Campo, que te estendes -provoca as saudades e lembranças no sujeito poético. Com verdura bela; -provoca alegria e «contentamento» na natureza Ovelhas, que nela Vosso pasto tendes, O sujeito poético demonstra De ervas vos mantendes -admiração pela natureza, Que traz o Verão, -recordação e saudade pela mulher, que mantém de E eu das lembranças «lembranças», Do meu coração. -amor, enquanto ela se apresenta como «meu coração" Gados que pasceis Com contentamento, Da mulher resulta Vosso mantimento -a verdura para os campos. -o pasto para as ovelhas, Não no entendereis; -a alegria e mantimento para os gados. Isso que comeis -a recordação e saudade para o sujeito poético Não são ervas, não: São graças dos olhos Do meu coração.
  • 12. Disciplina de Português Profª: Helena Maria Coutinho