SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
Episódio do Velho do
Restelo
Estrutura externa
– canto IV (94-104)
Estrutura interna
- Reinado de D. Manuel
- Após os preparativos
da viagem
- Despedida de Belém
O episódio é constituído por duas
partes:
1- apresentação da personagem ( est.
94)
11- discurso do Velho do Restelo
(est. 95 a 104).
1- Caracterização
do Velho do Restelo
- a idade ("velho"),
- o aspecto respeitável ("aspeito venerando"),
- a atitude de descontentamento ("meneando
a
cabeça, descontente"),
- a voz solene e audível ("A voz pesada”)
- a sabedoria resultante da experiência de vida
(“Cum saber de experiências feito; experto
peito”)
11- Discurso do Velho
a) Primeira parte (est. 95-97)
- condena o envolvimento do país na
aventura dos descobrimentos
b) Segunda parte (est. 98-101)
- propõe uma alternativa à geração de
Adão: o Norte de África.
c)Terceira parte (est.102-104)
- recorda figuras míticas do passado
que representam a ambição
a) Visão negativa dos descobrimentos
Causas da aventura marítima
« -"vã cobiça", “glória de
mandar”,"vaidade",
« - "fraudulento gosto", “inquietação de
alma”, “digna de infames vitupérios"
« - "Fama", "honra",“chamam-te ilustre,
chamam-te subida",
« - “chamam-te Fama e Glória
soberana"
“Nomes com quem se o povo néscio engana".
Consequências da aventura marítima:
- mortes, perigos, tormentas,
- crueldades, desamparo das
famílias,
- adultérios, desastres,
- empobrecimento material,
- destruição de fazendas e impérios.
b) Razões para uma alternativa
- religiosa ("Se tu pola Lei de Cristo só
pelejas?"),
- material ("Se terras e riquezas mais
desejas?"),
- militar ("Se queres por vitórias ser louvado?").
Novas consequências maléficas
- fortalecimento do inimigo ("Deixas criar às
portas o inimigo")
- despovoamento e enfraquecimento do reino.
c)- Exemplificação através de figuras míticas
- o inventor da navegação à vela - "o primeiro
que, no mundo, / Nas ondas vela pôs em seco
lenho!".
- Prometeu, criador da espécie humana -"Fogo
que o mundo em armas acendeu”.
- Os casos de Faetonte e Ícaro, “Não cometera o
moço miserando e o grande arquitector co filho”
MALDITOS / SE ACABE O NOME E GLÓRIA
Síntese do desejo desmedido
de ultrapassar os limites:
“Nenhum cometimento alto e nefando
Por fogo, ferro, água, calma e frio,
Deixa intentado a humana geração.
Mísera sorte! Estranha condição!”
Simbologia
do Velho do Restelo
O que representa este Velho?
- a voz do bom senso
- contrária à viagem para a Índia
- opção pela ligação à terra-mãe
- voz do próprio Camões
- o poeta humanista
- o plano da sabedoria
- tese (antítese) a que a epopeia se contrapõe
- lealdade ao Rei e à pátria (amor da pátria)
- procura de um ideal (Ilha dos Amores)

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasClaudia Lazarini
 
Realismo naturalismo revisão
Realismo naturalismo revisãoRealismo naturalismo revisão
Realismo naturalismo revisãoClaudia Lazarini
 
Jose Maria-de-Eça-de-Queirós
Jose Maria-de-Eça-de-QueirósJose Maria-de-Eça-de-Queirós
Jose Maria-de-Eça-de-QueirósClaudia Lazarini
 
Memorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - okMemorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - okClaudia Lazarini
 
Literatura Medieval Poesia e a Prosa Trovadoresca
Literatura Medieval  Poesia e a Prosa TrovadorescaLiteratura Medieval  Poesia e a Prosa Trovadoresca
Literatura Medieval Poesia e a Prosa TrovadorescaClaudia Lazarini
 
O Ateneu especial
O Ateneu especialO Ateneu especial
O Ateneu especialAna Batista
 
Geo 8 FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)
Geo 8   FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)Geo 8   FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)
Geo 8 FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)Nuno Correia
 

Destaque (15)

Gil vicente ok
Gil vicente okGil vicente ok
Gil vicente ok
 
Inês de castro e pedro
Inês de castro e pedroInês de castro e pedro
Inês de castro e pedro
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
o-gigante-adamastor
 o-gigante-adamastor o-gigante-adamastor
o-gigante-adamastor
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
 
1890 O Cortiço
 1890 O Cortiço 1890 O Cortiço
1890 O Cortiço
 
Realismo naturalismo revisão
Realismo naturalismo revisãoRealismo naturalismo revisão
Realismo naturalismo revisão
 
Jose Maria-de-Eça-de-Queirós
Jose Maria-de-Eça-de-QueirósJose Maria-de-Eça-de-Queirós
Jose Maria-de-Eça-de-Queirós
 
Memorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - okMemorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - ok
 
Literatura Medieval Poesia e a Prosa Trovadoresca
Literatura Medieval  Poesia e a Prosa TrovadorescaLiteratura Medieval  Poesia e a Prosa Trovadoresca
Literatura Medieval Poesia e a Prosa Trovadoresca
 
Renascimento
 Renascimento Renascimento
Renascimento
 
Renascimento cultural2
Renascimento cultural2Renascimento cultural2
Renascimento cultural2
 
Noesdeversificao2
Noesdeversificao2Noesdeversificao2
Noesdeversificao2
 
O Ateneu especial
O Ateneu especialO Ateneu especial
O Ateneu especial
 
Geo 8 FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)
Geo 8   FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)Geo 8   FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)
Geo 8 FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)
 

Semelhante a O Velho do Restelo

Semelhante a O Velho do Restelo (7)

Velho do Restelo
Velho do ResteloVelho do Restelo
Velho do Restelo
 
Gramaticaelusiadas
GramaticaelusiadasGramaticaelusiadas
Gramaticaelusiadas
 
O velho do restelo - Lusíadas
O velho do restelo - LusíadasO velho do restelo - Lusíadas
O velho do restelo - Lusíadas
 
Os Lusíadas O Velho do Restelo - IV Canto
Os Lusíadas   O Velho do Restelo -  IV CantoOs Lusíadas   O Velho do Restelo -  IV Canto
Os Lusíadas O Velho do Restelo - IV Canto
 
Estrutura d'Os Lusíadas
Estrutura d'Os LusíadasEstrutura d'Os Lusíadas
Estrutura d'Os Lusíadas
 
Lusiadas 10º ano
Lusiadas 10º anoLusiadas 10º ano
Lusiadas 10º ano
 
Lusiadas pontosessenciais
Lusiadas pontosessenciaisLusiadas pontosessenciais
Lusiadas pontosessenciais
 

Mais de Claudia Lazarini

Mais de Claudia Lazarini (7)

O velho do restelo
O velho do resteloO velho do restelo
O velho do restelo
 
O Gigante Adamastor
O Gigante AdamastorO Gigante Adamastor
O Gigante Adamastor
 
Inês de Castro e Pedro
Inês de Castro e PedroInês de Castro e Pedro
Inês de Castro e Pedro
 
Oslusiadas modificado
Oslusiadas modificadoOslusiadas modificado
Oslusiadas modificado
 
Realismo naturalismo 01
Realismo naturalismo 01Realismo naturalismo 01
Realismo naturalismo 01
 
Realismo ok
Realismo okRealismo ok
Realismo ok
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 

O Velho do Restelo

  • 1. Episódio do Velho do Restelo Estrutura externa – canto IV (94-104) Estrutura interna - Reinado de D. Manuel - Após os preparativos da viagem - Despedida de Belém
  • 2. O episódio é constituído por duas partes: 1- apresentação da personagem ( est. 94) 11- discurso do Velho do Restelo (est. 95 a 104).
  • 3. 1- Caracterização do Velho do Restelo - a idade ("velho"), - o aspecto respeitável ("aspeito venerando"), - a atitude de descontentamento ("meneando a cabeça, descontente"), - a voz solene e audível ("A voz pesada”) - a sabedoria resultante da experiência de vida (“Cum saber de experiências feito; experto peito”)
  • 4. 11- Discurso do Velho a) Primeira parte (est. 95-97) - condena o envolvimento do país na aventura dos descobrimentos b) Segunda parte (est. 98-101) - propõe uma alternativa à geração de Adão: o Norte de África. c)Terceira parte (est.102-104) - recorda figuras míticas do passado que representam a ambição
  • 5. a) Visão negativa dos descobrimentos Causas da aventura marítima « -"vã cobiça", “glória de mandar”,"vaidade", « - "fraudulento gosto", “inquietação de alma”, “digna de infames vitupérios" « - "Fama", "honra",“chamam-te ilustre, chamam-te subida", « - “chamam-te Fama e Glória soberana" “Nomes com quem se o povo néscio engana".
  • 6. Consequências da aventura marítima: - mortes, perigos, tormentas, - crueldades, desamparo das famílias, - adultérios, desastres, - empobrecimento material, - destruição de fazendas e impérios.
  • 7. b) Razões para uma alternativa - religiosa ("Se tu pola Lei de Cristo só pelejas?"), - material ("Se terras e riquezas mais desejas?"), - militar ("Se queres por vitórias ser louvado?"). Novas consequências maléficas - fortalecimento do inimigo ("Deixas criar às portas o inimigo") - despovoamento e enfraquecimento do reino.
  • 8. c)- Exemplificação através de figuras míticas - o inventor da navegação à vela - "o primeiro que, no mundo, / Nas ondas vela pôs em seco lenho!". - Prometeu, criador da espécie humana -"Fogo que o mundo em armas acendeu”. - Os casos de Faetonte e Ícaro, “Não cometera o moço miserando e o grande arquitector co filho” MALDITOS / SE ACABE O NOME E GLÓRIA
  • 9. Síntese do desejo desmedido de ultrapassar os limites: “Nenhum cometimento alto e nefando Por fogo, ferro, água, calma e frio, Deixa intentado a humana geração. Mísera sorte! Estranha condição!”
  • 11. O que representa este Velho? - a voz do bom senso - contrária à viagem para a Índia - opção pela ligação à terra-mãe - voz do próprio Camões - o poeta humanista - o plano da sabedoria - tese (antítese) a que a epopeia se contrapõe - lealdade ao Rei e à pátria (amor da pátria) - procura de um ideal (Ilha dos Amores)