SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Camões   Erros meus, má fortuna, amor ardente
         Corrente renascentista
Erros meus, má fortuna, amor ardente
em minha perdição se conjuraram;
os erros e a fortuna sobejaram,
que para mim bastava o amor somente.

Tudo passei; mas tenho tão presente
a grande dor das cousas que passaram,
que as magoadas iras me ensinaram
a não querer já nunca ser contente.

Errei todo o discurso de meus anos;
dei causa [a] que a Fortuna castigasse
as minhas mal fundadas esperanças.

De amor não vi senão breves enganos.
Oh! quem tanto pudesse que fartasse
este meu duro génio de vinganças!
DESVENTURA


Várias foram as causas que contribuíram para
a vida desventurada do poeta: o amor, os
erros praticados ao longo da vida, a falta de
sorte de que frequentemente se lamenta, o
exílio a que por várias vezes se viu votado, o
contraste, feito de sonhos desfeitos, entre a
desejada Sião e a real e corrupta Babilónia...
Reais ou fictícios, muitos são os episódios
conhecidos que ditaram a criação uma
imagem      de     Camões       como     poeta
desafortunado, perseguido, incompreendido,
chorando    o    desterro   e   os   desgostos
amorosos, reduzido, quantas vezes, a uma
vida de mendicidade, e morrendo na miséria.
Tema
  O tema do soneto é o sofrimento do sujeito
poético.




                            O AUTOBIOGRAFISMO
Tema:
                                                          BALANÇO AUTOBIOGRÁFICO




O poeta faz uma retrospectiva à sua vida e verifica que as causas da sua desgraça
foram os erros que cometeu, a sua pouca sorte e o amor; mas bastava esta última
causa para a sua perdição..



    No poema “Erros meus, má fortuna, amor ardente”, o sujeito poético
    lamenta-se da sua vida desgraçada, que só o faz sofrer. Ele sente-se
    revoltado pelo facto de ter uma vida tão infeliz mostrando, no fim, um
    desejo intenso de vingança.
Assunto do poema


   O sujeito poético diz que os seus maiores inimigos
na vida foram os erros, a má sorte e o amor e refere
que estes três elementos foram os culpados da sua
vida de sofrimento.
Estrutura interna

                        Na primeira parte do poema, o eu poético
                        confessa que viveu uma vida de sofrimento,
      1ª parte
                        provocado pelos erros, pela má sorte e pelo amor.
   (12 primeiros
                        Diz ainda que o amor apenas lhe deu “breves
      versos)           enganos” e que, por isso, o sofrimento provocado
                        pelos erros e pela má sorte sobejaram.
                      Na segunda parte do poema, ele recorre a uma
                      interjeição (“oh!”) para mostrar a dor que lhe vai
       2ª parte
                      no coração e espera que o “Génio” que o
(dois últimos versos)
                      persegue se farte de o perseguir para ele poder
                      viver em paz.
O amor como causa do seu infortúnio
                                          Erros meus, má fortuna, amor ardente
                                          em minha perdição se conjuraram;
                                          os erros e a fortuna sobejaram,
                                          que para mim bastava o amor somente.

 1º momento: atribui o sofrimento a       Tudo passei; mas tenho tão presente
 certas forças – Fortuna e Amor - que     a grande dor das cousas que passaram,
 se aliaram contra o poeta.               que as magoadas iras me ensinaram
                                          a não querer já nunca ser contente.

                                          Errei todo o discurso de meus anos;
                                          dei causa [a] que a Fortuna castigasse
                                          as minhas mal fundadas esperanças.


  2º momento: exclamação          final   De amor não vi senão breves enganos.
  reveladora do seu desespero.            Oh! quem tanto pudesse que fartasse
                                          este meu duro génio de vinganças!
O soneto aborda a vida passada do poeta e a tristeza que ele sente ao recordá-la.



Erros meus, má fortuna, amor ardente         O sujeito poético exprime a sua tristeza em
Em minha perdição se conjuraram;             relação à vida que foi passando e os erros
Os erros e a fortuna sobejaram,              que foi cometendo.
Que para mim bastava o amor, somente.
                                             Para o fazer, evoca três razões que
Tudo passei; mas tenho tão presente          justificam um passado infeliz que, de forma
A grande dor das cousas que passaram,        intencional, se reuniram numa metafórica
Que as magoadas iras me ensinaram
                                             conjura para tramar contra o poeta.
A não querer já nunca ser contente.

Errei todo o discurso de meus anos;          Partindo desta ideia, o poeta desenvolve o
Dei causa a que a Fortuna castigasse         seu lamento ao longo das estrofes
As minhas mal fundadas esperanças.           seguintes.

De amor não vi senão breves enganos…         Assim, o sujeito poético aprendeu a não ter
Oh! Quem tanto pudesse que fartasse          esperança na alegria que a vida lhe podia
Este meu duro Génio de vinganças!            proporcionar.
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Em minha perdição se conjuraram;
Os erros e a fortuna sobejaram,
Que para mim bastava o amor, somente.

Tudo passei; mas tenho tão presente
A grande dor das cousas que passaram,   Concluindo que todo o seu percurso de
Que as magoadas iras me ensinaram       vida foi errado, pois foi sempre iludido pelo
A não querer já nunca ser contente.     amor e tendo em conta que o amor seria o
                                        suficiente para o levar à perdição, a
Errei todo o discurso de meus anos;     Fortuna, ou seja o destino, castigou as suas
Dei causa a que a Fortuna castigasse    sempre “mal fundadas esperanças” (v. 11),
As minhas mal fundadas esperanças.      pois estas foram sempre criadas por um
                                        amor ilusório.
De amor não vi senão breves enganos…
Oh! Quem tanto pudesse que fartasse
                                        O soneto encerra com um pedido, que
Este meu duro Génio de vinganças!
                                        traduz todo o sofrimento do sujeito
                                        poético, sendo toda a dor transmitida na
                                        utilização da interjeição e da frase
                                        exclamativa, e no qual é solicitado, no
                                        fundo um descanso que o poeta entende
                                        merecido.
Erros meus...




A importância atribuída ao papel desempenhado pelo Amor na perdição do Poeta.
                                       (vv. 3-4).
Erros meus, má fortuna, amor ardente    O sujeito poético transmite a ideia de
Em minha perdição se conjuraram;        que viveu muitos momentos difíceis e
Os erros e a fortuna sobejaram,
                                        de grande sofrimento que ainda estão
Que para mim bastava o amor, somente.
                                        bem presentes no seu espírito.
Tudo passei; mas tenho tão presente
A grande dor das cousas que passaram,   Nos últimos dois versos desta estrofe é
Que as magoadas iras me ensinaram       visível como o passado de sofrimento,
A não querer já nunca ser contente.     tão presente na sua memória, interfere
                                        no futuro.
Errei todo o discurso de meus anos;     O melhor, segundo o sujeito poético, é
Dei causa a que a Fortuna castigasse    não desejar nada nem ter ilusões ou
As minhas mal fundadas esperanças.      esperanças. É esta a melhor forma para
                                        não haver desilusões.
De amor não vi senão breves enganos…
Oh! Quem tanto pudesse que fartasse
Este meu duro Génio de vinganças!
Erros meus, má fortuna, amor ardente    No primeiro terceto, o sujeito poético
Em minha perdição se conjuraram;        tem consciência que o grande erro
Os erros e a fortuna sobejaram,         que cometeu foi o de ter esperanças
Que para mim bastava o amor, somente.   vãs e de ter acreditado que podia ser
                                        feliz. Como se deixou iludir, a Fortuna
Tudo passei; mas tenho tão presente
                                        (má sorte) castigou-o e encaminhou-o
A grande dor das cousas que passaram,
                                        para a sua perdição. As suas
Que as magoadas iras me ensinaram
A não querer já nunca ser contente.
                                        esperanças infundadas eram em
                                        relação ao amor. Este também o
Errei todo o discurso de meus anos;     enganou.
Dei causa a que a Fortuna castigasse
As minhas mal fundadas esperanças.      Nos últimos dois versos do segundo
                                        terceto, é notória a revolta do sujeito
De amor não vi senão breves enganos…    poético. Ele sente-se uma vítima e
Oh! Quem tanto pudesse que fartasse     quer vingar-se de tudo aquilo que
Este meu duro Génio de vinganças!       contribuiu para a sua perdição.
Camões nunca deixou de se analisar a si próprio. Ele reflectiu sistematicamente sobre a
sua vida. Dessa reflexão surgiram manifestações de impotência, de perplexidade, de
revolta, de frustração e de sofrimento. Como resultado das suas constantes interrogações,
Camões chegou a várias conclusões:


  •O amor é o responsável por tudo o que de mal está na sua vida pois priva o homem
  da sua liberdade; o amor dá esperanças que nunca se realizam.
  •A má sorte persegue-o incessantemente e castiga-o.
  •O destino persegue-o, retira-lhe a liberdade, castiga-o e não o deixa ser feliz. Ele
  sente-se impotente para lutar contra o destino.


   No entanto, e através dos seus poemas, Camões revela um certo orgulho em tudo
   isto pois, apesar de ser infeliz e desgraçado, ele sente que vive um destino
   grandioso. Só alguém tão especial como ele, poderia atrair um destino tão injusto e
   mau.
Processos figurativos
Neste soneto, estes processos querem mostrar como o sujeito poético se sente infeliz,
perseguido e revoltado. Encontras, então:

                                          Adjectivação valorativa
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Em minha perdição se conjuraram;
Os erros e a fortuna sobejaram,           Conotações negativas
Que pera mim bastava amor somente.
                                          Hipérbole
Tudo passei; mas tenho tão presente
A grande dor das cousas que passaram,     Exclamação Final
Que as magoadas iras me ensinaram
A não querer já nunca ser contente.
                                          Anástrofe (v.8)

Errei todo o discurso de meus anos;
Dei causa [a] que a Fortuna castigasse    Personificação (v. 7, 10)
As minhas mal fundadas esperanças.

De amor não vi senão breves enganos.      Enumeração – “Erros meus, má fortuna, amor
Oh! quem tanto pudesse, que fartasse      ardente” (verso 1)
Este meu duro Génio de vinganças!
                                          Interjeição – “Oh” (verso 13)
Erros meus, má fortuna, amor ardente
em minha perdição se conjuraram;         Q
os erros e a fortuna sobejaram,          U
que para mim bastava o amor somente.     A
                                         D   Este poema
Tudo passei; mas tenho tão presente      R   é um soneto
a grande dor das cousas que passaram,    A     porque é
que as magoadas iras me ensinaram
a não querer já nunca ser contente.
                                         S    constituído
                                               por duas
Errei todo o discurso de meus anos;      T      quadras
dei causa [a] que a Fortuna castigasse   E       e dois
as minhas mal fundadas esperanças.       R
                                         C     tercetos.
De amor não vi senão breves enganos.     E
Oh! quem tanto pudesse que fartasse      T
este meu duro génio de vinganças!        O
                                         S
Erros meus, má fortuna, amor ardente     A
Em minha perdição se conjuraram;         B
Os erros e a fortuna sobejaram,          B
                                         A              A rima é interpolada
Que pera mim bastava amor somente.
                                                              e emparelhada
Tudo passei; mas tenho tão presente      A                 nas quadras como
A grande dor das cousas que passaram,    B                  se pode verificar
Que as magoadas iras me ensinaram        B              no esquema rimático
A não querer já nunca ser contente.      A                             ABBA.
                                                               Nos tercetos a
Errei todo o discurso de meus anos;      C                rima é interpolada
Dei causa [a] que a Fortuna castigasse   D
                                                                 como podes
As minhas mal fundadas esperanças.       E
                                                             ver no esquema
De amor não vi senão breves enganos.     C
                                                            rimático CDECDE
Oh! quem tanto pudesse, que fartasse     D
Este meu duro Génio de vinganças!        E


                            Esquema rimático e tipo de rima
Erros meus, má fortuna, amor ardente          Este texto é constituído por duas quadras
em minha perdição se conjuraram;
                                              e dois tercetos, em metro decassilábico,
os erros e a fortuna sobejaram,
que para mim bastava o amor somente.          com esquema rimático:
                                               ABBA / ABBA / CDE / CDE,
Tudo passei; mas tenho tão presente           verificando a existência de rima
a grande dor das cousas que passaram,         interpolada em A, emparelhada em B e
que as magoadas iras me ensinaram             interpolada nos tercetos.
a não querer já nunca ser contente.

Errei todo o discurso de meus anos;
dei causa [a] que a Fortuna castigasse
as minhas mal fundadas esperanças.

De amor não vi senão breves enganos.
Oh! quem tanto pudesse que fartasse
este meu duro génio de vinganças!
                                         E/rros /meus,/ má /for / tu / na, a / mor / ar/ den (te)
                                         1 2       3    4     5 6        7      8    9 10
Observa-se claramente neste soneto a vida do poeta, onde autor e eu-
lírico se fundem, sendo enfatizados seus erros, causa de castigo da
deusa Fortuna: “Errei todo o discurso de meus anos; dei causa a que a
Fortuna castigasse”. O sentimento de arrependimento se faz presente
numa confissão e também, a compreensão de que somente o amor, na
sua essência, era o suficiente.
Encontramos a força do lirismo último, quando o autor apresenta um
questionamento sobre suas ambições, que de uma forma geral, são as
ambições humanas. Esta acaba por englobar a força intelectual com
suas questões existenciais (que exigem conhecimento) e a força
dramática com seus contrates (no caso, o certo e o errado).
Olhando por uma outra ótica, podemos também incluir este poema na
tensão “os desconcertos do mundo”, que será vista com mais detalhe
posteriormente, e que nos apresenta o desengano com a existência. O
autor demonstra uma desesperança diante da vida quando diz “a não
querer já nunca ser contente”, com um toque de dramaticidade
causada, como vimos, pelo conflito entre o que é certo e errado.
Disciplina: Português
Prof.ª: Helena Maria Coutinho

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesCristina Martins
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesGijasilvelitz 2
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaDina Baptista
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Lurdes Augusto
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesvermar2010
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemPaulo Vitorino
 
Episódio de inês de castro
Episódio de inês de castroEpisódio de inês de castro
Episódio de inês de castroQuezia Neves
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frasesnando_reis
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoAlexandra Canané
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana SofiaJoana Azevedo
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraHelena Coutinho
 

Mais procurados (20)

Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
Canto v 92_100
Canto v 92_100Canto v 92_100
Canto v 92_100
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 
Episódio de inês de castro
Episódio de inês de castroEpisódio de inês de castro
Episódio de inês de castro
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 
Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
 

Semelhante a Erros meus, má fortuna, amor ardente

Errosmeusmfortunaamorardente 130402002701-phpapp01
Errosmeusmfortunaamorardente 130402002701-phpapp01Errosmeusmfortunaamorardente 130402002701-phpapp01
Errosmeusmfortunaamorardente 130402002701-phpapp01Ana Paula
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardenteErros meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardenteJoão Paulo Freire
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente - Trabalho de Português
Erros meus, má fortuna, amor ardente - Trabalho de PortuguêsErros meus, má fortuna, amor ardente - Trabalho de Português
Erros meus, má fortuna, amor ardente - Trabalho de PortuguêsFrancisco Vitorino
 
arcadismo - questoes discursivas.pdf
arcadismo - questoes discursivas.pdfarcadismo - questoes discursivas.pdf
arcadismo - questoes discursivas.pdfProfessoraAline7
 
Aquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugadaAquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugadaHelena Coutinho
 
Enquanto quis fortuna que tivesse
Enquanto quis fortuna que tivesseEnquanto quis fortuna que tivesse
Enquanto quis fortuna que tivesseHelena Coutinho
 
Lírica e sátira na poesia de bocage
Lírica e sátira na poesia de bocageLírica e sátira na poesia de bocage
Lírica e sátira na poesia de bocagema.no.el.ne.ves
 
Livro fragmentos(1) (1)
 Livro fragmentos(1) (1) Livro fragmentos(1) (1)
Livro fragmentos(1) (1)Sylvia Seny
 
Lírica Camoniana Autobiografia
Lírica Camoniana AutobiografiaLírica Camoniana Autobiografia
Lírica Camoniana AutobiografiaDaniela Sousa
 
Sonetos de camões
Sonetos de camões Sonetos de camões
Sonetos de camões TVUERJ
 

Semelhante a Erros meus, má fortuna, amor ardente (20)

Errosmeusmfortunaamorardente 130402002701-phpapp01
Errosmeusmfortunaamorardente 130402002701-phpapp01Errosmeusmfortunaamorardente 130402002701-phpapp01
Errosmeusmfortunaamorardente 130402002701-phpapp01
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardenteErros meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente - Trabalho de Português
Erros meus, má fortuna, amor ardente - Trabalho de PortuguêsErros meus, má fortuna, amor ardente - Trabalho de Português
Erros meus, má fortuna, amor ardente - Trabalho de Português
 
arcadismo - questoes discursivas.pdf
arcadismo - questoes discursivas.pdfarcadismo - questoes discursivas.pdf
arcadismo - questoes discursivas.pdf
 
Aquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugadaAquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugada
 
Camões Lírico
Camões LíricoCamões Lírico
Camões Lírico
 
Enquanto quis fortuna que tivesse
Enquanto quis fortuna que tivesseEnquanto quis fortuna que tivesse
Enquanto quis fortuna que tivesse
 
Camões Lírico
Camões LíricoCamões Lírico
Camões Lírico
 
Camões lírico
Camões líricoCamões lírico
Camões lírico
 
Camões Lírico
Camões LíricoCamões Lírico
Camões Lírico
 
Camões Lírico
Camões LíricoCamões Lírico
Camões Lírico
 
Lírica e sátira na poesia de bocage
Lírica e sátira na poesia de bocageLírica e sátira na poesia de bocage
Lírica e sátira na poesia de bocage
 
Obras PAS 1 serie.pdf
Obras PAS 1 serie.pdfObras PAS 1 serie.pdf
Obras PAS 1 serie.pdf
 
Livro fragmentos(1) (1)
 Livro fragmentos(1) (1) Livro fragmentos(1) (1)
Livro fragmentos(1) (1)
 
Lírica Camoniana Autobiografia
Lírica Camoniana AutobiografiaLírica Camoniana Autobiografia
Lírica Camoniana Autobiografia
 
Camões
Camões Camões
Camões
 
Sonetos de camões
Sonetos de camões Sonetos de camões
Sonetos de camões
 
Luís Vaz de Camões
Luís Vaz de CamõesLuís Vaz de Camões
Luís Vaz de Camões
 
Amor é
Amor éAmor é
Amor é
 
Amorfogoquearde
Amorfogoquearde Amorfogoquearde
Amorfogoquearde
 

Mais de Helena Coutinho

Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasHelena Coutinho
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particularHelena Coutinho
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralHelena Coutinho
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particularHelena Coutinho
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraHelena Coutinho
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibirHelena Coutinho
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteHelena Coutinho
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaHelena Coutinho
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoHelena Coutinho
 

Mais de Helena Coutinho (20)

. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
 
Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap vi
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
 
1. introd e estrutura
1. introd e estrutura1. introd e estrutura
1. introd e estrutura
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
 
. O texto dramático
. O texto dramático. O texto dramático
. O texto dramático
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir
 
Fls figuras reais
Fls figuras reaisFls figuras reais
Fls figuras reais
 
. Enredo
. Enredo. Enredo
. Enredo
 
. A obra e o contexto
. A obra e o contexto. A obra e o contexto
. A obra e o contexto
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em ano
 

Último

Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 

Erros meus, má fortuna, amor ardente

  • 1. Camões Erros meus, má fortuna, amor ardente Corrente renascentista
  • 2. Erros meus, má fortuna, amor ardente em minha perdição se conjuraram; os erros e a fortuna sobejaram, que para mim bastava o amor somente. Tudo passei; mas tenho tão presente a grande dor das cousas que passaram, que as magoadas iras me ensinaram a não querer já nunca ser contente. Errei todo o discurso de meus anos; dei causa [a] que a Fortuna castigasse as minhas mal fundadas esperanças. De amor não vi senão breves enganos. Oh! quem tanto pudesse que fartasse este meu duro génio de vinganças!
  • 3. DESVENTURA Várias foram as causas que contribuíram para a vida desventurada do poeta: o amor, os erros praticados ao longo da vida, a falta de sorte de que frequentemente se lamenta, o exílio a que por várias vezes se viu votado, o contraste, feito de sonhos desfeitos, entre a desejada Sião e a real e corrupta Babilónia... Reais ou fictícios, muitos são os episódios conhecidos que ditaram a criação uma imagem de Camões como poeta desafortunado, perseguido, incompreendido, chorando o desterro e os desgostos amorosos, reduzido, quantas vezes, a uma vida de mendicidade, e morrendo na miséria.
  • 4. Tema O tema do soneto é o sofrimento do sujeito poético. O AUTOBIOGRAFISMO
  • 5. Tema: BALANÇO AUTOBIOGRÁFICO O poeta faz uma retrospectiva à sua vida e verifica que as causas da sua desgraça foram os erros que cometeu, a sua pouca sorte e o amor; mas bastava esta última causa para a sua perdição.. No poema “Erros meus, má fortuna, amor ardente”, o sujeito poético lamenta-se da sua vida desgraçada, que só o faz sofrer. Ele sente-se revoltado pelo facto de ter uma vida tão infeliz mostrando, no fim, um desejo intenso de vingança.
  • 6. Assunto do poema O sujeito poético diz que os seus maiores inimigos na vida foram os erros, a má sorte e o amor e refere que estes três elementos foram os culpados da sua vida de sofrimento.
  • 7. Estrutura interna Na primeira parte do poema, o eu poético confessa que viveu uma vida de sofrimento, 1ª parte provocado pelos erros, pela má sorte e pelo amor. (12 primeiros Diz ainda que o amor apenas lhe deu “breves versos) enganos” e que, por isso, o sofrimento provocado pelos erros e pela má sorte sobejaram. Na segunda parte do poema, ele recorre a uma interjeição (“oh!”) para mostrar a dor que lhe vai 2ª parte no coração e espera que o “Génio” que o (dois últimos versos) persegue se farte de o perseguir para ele poder viver em paz.
  • 8. O amor como causa do seu infortúnio Erros meus, má fortuna, amor ardente em minha perdição se conjuraram; os erros e a fortuna sobejaram, que para mim bastava o amor somente. 1º momento: atribui o sofrimento a Tudo passei; mas tenho tão presente certas forças – Fortuna e Amor - que a grande dor das cousas que passaram, se aliaram contra o poeta. que as magoadas iras me ensinaram a não querer já nunca ser contente. Errei todo o discurso de meus anos; dei causa [a] que a Fortuna castigasse as minhas mal fundadas esperanças. 2º momento: exclamação final De amor não vi senão breves enganos. reveladora do seu desespero. Oh! quem tanto pudesse que fartasse este meu duro génio de vinganças!
  • 9. O soneto aborda a vida passada do poeta e a tristeza que ele sente ao recordá-la. Erros meus, má fortuna, amor ardente O sujeito poético exprime a sua tristeza em Em minha perdição se conjuraram; relação à vida que foi passando e os erros Os erros e a fortuna sobejaram, que foi cometendo. Que para mim bastava o amor, somente. Para o fazer, evoca três razões que Tudo passei; mas tenho tão presente justificam um passado infeliz que, de forma A grande dor das cousas que passaram, intencional, se reuniram numa metafórica Que as magoadas iras me ensinaram conjura para tramar contra o poeta. A não querer já nunca ser contente. Errei todo o discurso de meus anos; Partindo desta ideia, o poeta desenvolve o Dei causa a que a Fortuna castigasse seu lamento ao longo das estrofes As minhas mal fundadas esperanças. seguintes. De amor não vi senão breves enganos… Assim, o sujeito poético aprendeu a não ter Oh! Quem tanto pudesse que fartasse esperança na alegria que a vida lhe podia Este meu duro Génio de vinganças! proporcionar.
  • 10. Erros meus, má fortuna, amor ardente Em minha perdição se conjuraram; Os erros e a fortuna sobejaram, Que para mim bastava o amor, somente. Tudo passei; mas tenho tão presente A grande dor das cousas que passaram, Concluindo que todo o seu percurso de Que as magoadas iras me ensinaram vida foi errado, pois foi sempre iludido pelo A não querer já nunca ser contente. amor e tendo em conta que o amor seria o suficiente para o levar à perdição, a Errei todo o discurso de meus anos; Fortuna, ou seja o destino, castigou as suas Dei causa a que a Fortuna castigasse sempre “mal fundadas esperanças” (v. 11), As minhas mal fundadas esperanças. pois estas foram sempre criadas por um amor ilusório. De amor não vi senão breves enganos… Oh! Quem tanto pudesse que fartasse O soneto encerra com um pedido, que Este meu duro Génio de vinganças! traduz todo o sofrimento do sujeito poético, sendo toda a dor transmitida na utilização da interjeição e da frase exclamativa, e no qual é solicitado, no fundo um descanso que o poeta entende merecido.
  • 11. Erros meus... A importância atribuída ao papel desempenhado pelo Amor na perdição do Poeta. (vv. 3-4).
  • 12. Erros meus, má fortuna, amor ardente O sujeito poético transmite a ideia de Em minha perdição se conjuraram; que viveu muitos momentos difíceis e Os erros e a fortuna sobejaram, de grande sofrimento que ainda estão Que para mim bastava o amor, somente. bem presentes no seu espírito. Tudo passei; mas tenho tão presente A grande dor das cousas que passaram, Nos últimos dois versos desta estrofe é Que as magoadas iras me ensinaram visível como o passado de sofrimento, A não querer já nunca ser contente. tão presente na sua memória, interfere no futuro. Errei todo o discurso de meus anos; O melhor, segundo o sujeito poético, é Dei causa a que a Fortuna castigasse não desejar nada nem ter ilusões ou As minhas mal fundadas esperanças. esperanças. É esta a melhor forma para não haver desilusões. De amor não vi senão breves enganos… Oh! Quem tanto pudesse que fartasse Este meu duro Génio de vinganças!
  • 13. Erros meus, má fortuna, amor ardente No primeiro terceto, o sujeito poético Em minha perdição se conjuraram; tem consciência que o grande erro Os erros e a fortuna sobejaram, que cometeu foi o de ter esperanças Que para mim bastava o amor, somente. vãs e de ter acreditado que podia ser feliz. Como se deixou iludir, a Fortuna Tudo passei; mas tenho tão presente (má sorte) castigou-o e encaminhou-o A grande dor das cousas que passaram, para a sua perdição. As suas Que as magoadas iras me ensinaram A não querer já nunca ser contente. esperanças infundadas eram em relação ao amor. Este também o Errei todo o discurso de meus anos; enganou. Dei causa a que a Fortuna castigasse As minhas mal fundadas esperanças. Nos últimos dois versos do segundo terceto, é notória a revolta do sujeito De amor não vi senão breves enganos… poético. Ele sente-se uma vítima e Oh! Quem tanto pudesse que fartasse quer vingar-se de tudo aquilo que Este meu duro Génio de vinganças! contribuiu para a sua perdição.
  • 14. Camões nunca deixou de se analisar a si próprio. Ele reflectiu sistematicamente sobre a sua vida. Dessa reflexão surgiram manifestações de impotência, de perplexidade, de revolta, de frustração e de sofrimento. Como resultado das suas constantes interrogações, Camões chegou a várias conclusões: •O amor é o responsável por tudo o que de mal está na sua vida pois priva o homem da sua liberdade; o amor dá esperanças que nunca se realizam. •A má sorte persegue-o incessantemente e castiga-o. •O destino persegue-o, retira-lhe a liberdade, castiga-o e não o deixa ser feliz. Ele sente-se impotente para lutar contra o destino. No entanto, e através dos seus poemas, Camões revela um certo orgulho em tudo isto pois, apesar de ser infeliz e desgraçado, ele sente que vive um destino grandioso. Só alguém tão especial como ele, poderia atrair um destino tão injusto e mau.
  • 15. Processos figurativos Neste soneto, estes processos querem mostrar como o sujeito poético se sente infeliz, perseguido e revoltado. Encontras, então: Adjectivação valorativa Erros meus, má fortuna, amor ardente Em minha perdição se conjuraram; Os erros e a fortuna sobejaram, Conotações negativas Que pera mim bastava amor somente. Hipérbole Tudo passei; mas tenho tão presente A grande dor das cousas que passaram, Exclamação Final Que as magoadas iras me ensinaram A não querer já nunca ser contente. Anástrofe (v.8) Errei todo o discurso de meus anos; Dei causa [a] que a Fortuna castigasse Personificação (v. 7, 10) As minhas mal fundadas esperanças. De amor não vi senão breves enganos. Enumeração – “Erros meus, má fortuna, amor Oh! quem tanto pudesse, que fartasse ardente” (verso 1) Este meu duro Génio de vinganças! Interjeição – “Oh” (verso 13)
  • 16. Erros meus, má fortuna, amor ardente em minha perdição se conjuraram; Q os erros e a fortuna sobejaram, U que para mim bastava o amor somente. A D Este poema Tudo passei; mas tenho tão presente R é um soneto a grande dor das cousas que passaram, A porque é que as magoadas iras me ensinaram a não querer já nunca ser contente. S constituído por duas Errei todo o discurso de meus anos; T quadras dei causa [a] que a Fortuna castigasse E e dois as minhas mal fundadas esperanças. R C tercetos. De amor não vi senão breves enganos. E Oh! quem tanto pudesse que fartasse T este meu duro génio de vinganças! O S
  • 17. Erros meus, má fortuna, amor ardente A Em minha perdição se conjuraram; B Os erros e a fortuna sobejaram, B A A rima é interpolada Que pera mim bastava amor somente. e emparelhada Tudo passei; mas tenho tão presente A nas quadras como A grande dor das cousas que passaram, B se pode verificar Que as magoadas iras me ensinaram B no esquema rimático A não querer já nunca ser contente. A ABBA. Nos tercetos a Errei todo o discurso de meus anos; C rima é interpolada Dei causa [a] que a Fortuna castigasse D como podes As minhas mal fundadas esperanças. E ver no esquema De amor não vi senão breves enganos. C rimático CDECDE Oh! quem tanto pudesse, que fartasse D Este meu duro Génio de vinganças! E Esquema rimático e tipo de rima
  • 18. Erros meus, má fortuna, amor ardente Este texto é constituído por duas quadras em minha perdição se conjuraram; e dois tercetos, em metro decassilábico, os erros e a fortuna sobejaram, que para mim bastava o amor somente. com esquema rimático: ABBA / ABBA / CDE / CDE, Tudo passei; mas tenho tão presente verificando a existência de rima a grande dor das cousas que passaram, interpolada em A, emparelhada em B e que as magoadas iras me ensinaram interpolada nos tercetos. a não querer já nunca ser contente. Errei todo o discurso de meus anos; dei causa [a] que a Fortuna castigasse as minhas mal fundadas esperanças. De amor não vi senão breves enganos. Oh! quem tanto pudesse que fartasse este meu duro génio de vinganças! E/rros /meus,/ má /for / tu / na, a / mor / ar/ den (te) 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
  • 19.
  • 20. Observa-se claramente neste soneto a vida do poeta, onde autor e eu- lírico se fundem, sendo enfatizados seus erros, causa de castigo da deusa Fortuna: “Errei todo o discurso de meus anos; dei causa a que a Fortuna castigasse”. O sentimento de arrependimento se faz presente numa confissão e também, a compreensão de que somente o amor, na sua essência, era o suficiente. Encontramos a força do lirismo último, quando o autor apresenta um questionamento sobre suas ambições, que de uma forma geral, são as ambições humanas. Esta acaba por englobar a força intelectual com suas questões existenciais (que exigem conhecimento) e a força dramática com seus contrates (no caso, o certo e o errado). Olhando por uma outra ótica, podemos também incluir este poema na tensão “os desconcertos do mundo”, que será vista com mais detalhe posteriormente, e que nos apresenta o desengano com a existência. O autor demonstra uma desesperança diante da vida quando diz “a não querer já nunca ser contente”, com um toque de dramaticidade causada, como vimos, pelo conflito entre o que é certo e errado.