SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
O texto Narrativo
  O texto narrativo conta acontecimentos ou
experiências conhecidas ou imaginadas. Contar uma
história, ou seja, construir uma narrativa, implica uma
ação, desenvolvida num determinado espaço e num
determinado tempo, praticada por personagens, que
nos é transmitida por um narrador.
  Normalmente, o texto narrativo é constituído por
narração (a ação evolui), descrição (das personagens e
do espaço), diálogo (as personagens falam entre si) e
monólogo (uma personagem fala consigo mesma).
Etimologicamente, o vocábulo
narrar tem origem latina:
“narrãre significa contar, dizer,
(...) falar de,...”.

  Este tipo de texto surge em
      verso ou em prosa.
Categorias da Narrativa
• ação
• Tempo
• Espaço
• Personagens
• Narrador
• Modos de Expressão e representação
Ação
   A ação é o desenrolar de acontecimentos que se relacionam
entre si e se encaminham ou não para um desenlace.
   A ordenação ou estrutura de uma narrativa caracteriza-se
por uma situação inicial (introdução), um desenvolvimento
(acontecimentos) e um desenlace (desfecho ou conclusão),
que não existe em certas narrativas modernas.
   Quando existe desenlace, isto é, a resolução de todas as
dúvidas, expectativas, conflitos ou anseios acumulados, diz-se
que se trata de uma ação fechada. Quando não existe
desenlace, ou seja, se a narrativa deixar ao leitor a
possibilidade de imaginar a continuação da história, diz-se que
se trata de uma ação aberta.
Acontecimentos principais (ação
Relevância dos      central) e acontecimentos secundários
acontecimentos      (ação secundária).

                    Momentos determinantes no
                    desenrolar da ação:
                    •   situação inicial (introdução);
Estrutura da ação   •   desenvolvimento (acontecimentos);
                    •   desenlace (desfecho ou conclusão).




Final da ação
                    • Ação fechada (solucionada até ao pormenor) ;
                    • Ação aberta (não solucionada).
Organização das sequências narrativas

Encadeamento: as sequências narrativas sucedem-se numa
relação de causa e efeito, isto é, o final de uma dá origem à
seguinte.
            S1        S2        S3    S4



Encaixe: uma nova sequência é introduzida numa outra que
estava a ser narrada.
        S1                 S2                   S1



Alternância: várias sequências correspondentes a diferentes
histórias vão sendo narradas alternadamente.
                                        S1
       S1        S2             S3                   S2
Tempo
Tempo da história - É o tempo em que decorre a ação;

Tempo histórico — refere-se à época em que os
acontecimentos têm lugar.

Tempo do discurso - — trata-se da forma como o narrador
relata os acontecimentos — pode voltar atrás no tempo
(analepses), adiantar determinado episódio (prolepse), omitir
o que se passou em determinado período temporal (elipse),
contar sumariamente o que aconteceu num certo período de
tempo (resumo).

Tempo psicológico — é o tempo vivido pelas personagens de
forma subjetiva, ou seja, relaciona-se com o modo como as
personagens sentem a passagem do tempo.
Espaço
Espaço físico — trata-se do espaço onde as personagens se
movimentam e onde ocorrem os acontecimentos:
-geográfico
-interior
-exterior

Espaço social — é um espaço construído através de ambientes
vividos pelas personagens; liga-se às características da sociedade
em que as personagens se inserem.

Espaço psicológico — este espaço é construído pelo conjunto de
elementos que traduzem a interioridade das personagens (como,
por exemplo, o sonho, a memória, as emoções, as reflexões...).
Personagens
Relevo:
    As Personagens Principais (protagonistas) são aquelas que
desempenham o papel central, sendo fundamentais para o desenvolvimento
da história.

As Personagens Secundárias podem ser classificadas em Coadjuvantes e
Figurantes.
 • As Personagens Coadjuvantes são aquelas que assumem um papel de
    menor importância, mas não deixam de ser importantes para o
    desenrolar da trama, já que dão suporte à história tecendo pequenas
    ações em torno das personagens principais.

• Já as Personagens Figurantes têm como único objetivo ilustrar um
  ambiente ou o espaço social do qual são representantes durante o
  desenrolar de uma ação da trama.
Caracterização:

Física: características físicas atribuídas a uma
determinada personagem;

Psicológica: traços de caráter, qualidades de
uma personagem.
Processos de caracterização:

direto: as características são directamente
apontadas pela própria personagem (autocaracterização),
por outra personagem ou pelo narrador
(heterocaracterização);

Indireto: as características são deduzidas através de
comportamentos, atitudes ou ações da personagem.
Narrador
  O narrador é um ser ficcional, não devendo ser
confundido com o autor real que o cria.
  O narrador tem a função de enunciar e organizar
o discurso; é ele que nos transmite o mundo
inventado ou recriado numa narrativa.

  Distinguem-se diferentes tipos de narrador, tendo
em conta a sua presença ou ausência no universo
da narrativa, a adoção de determinado ponto de
vista e o grau de conhecimento que demonstra ter
da história que conta.
RELATIVAMENTE À PRESENÇA:

    O narrador classifica-se como participante ou não
participante.
     O narrador participante é aquele que se integra no mundo
narrado, estando presente na ação de dois modos possíveis,
participante como personagem (narra na primeira pessoa,
podendo ser também o protagonista - AUTODIEGÉTICO) ou
participante como observador (narra na primeira pessoa, mas
não interfere na ação, limita-se a acompanhá-la -
HOMODIEGÉTICO).

     O narrador não participante exprime-se na terceira pessoa
e está ausente do universo narrativo - HETERODIEGÉTICO.
Nota: O vocábulo diegese que se
encontra presente nas palavras:
homodiegético(a),
heterodiegético(a)
e autodiegético(a)
    tem origem grega e significa
            HISTÓRIA.
RELATIVAMENTE AO PONTO DE VISTA :

 O narrador classifica-se como objetivo ou subjetivo.
Se o narrador revela imparcialidade, ou seja, se não
assume posição face aos acontecimentos, é objetivo.

  Se o narrador é parcial, ou seja, se afirma ou sugere o
seu ponto de vista, é subjetivo.
RELATIVAMENTE À FOCALIZAÇÃO:

O narrador caracteriza-se também em função do
conhecimento da história.
  Focalização omnisciente - o narrador detém um
conhecimento total dos acontecimentos.
  Focalização interna — surge quando é instaurado o
ponto de vista de uma das personagens que vive a
história.
  Focalização externa — acontece quando o narrador
revela as características exteriores das personagens ou
apresenta um espaço físico onde decorre a ação.
Modos de representação e de expressão
 O texto narrativo pode apresentar várias modalidades de
discurso.
 O discurso do narrador, mais próximo da ficção narrada,
apresenta-se sob as formas de:

narração - relato de acontecimentos e de conflitos, situados no
tempo e encadeados de forma dinâmica, originando a ação
(verbos de movimento e formas verbais do pretérito perfeito,
imperfeito e mais-que-perfeito);

descrição - informações sobre as personagens, os objetos, o
tempo e os lugares, que interrompem a dinâmica da ação e vão
desenhando os cenários (verbos copulativos ou de ligação e
formas verbais do pretérito imperfeito).
O discurso das personagens, mais distante do narrador,
apresenta-se sob as formas de:

diálogo - interação verbal ou conversa entre duas ou mais
personagens (discurso direto com registos de língua variados);

monólogo - conversa da personagem consigo mesma, discurso
mental não pronunciado ou pronunciado, mas sem ouvinte
(discurso direto com frases simples e reduzidas, muitas vezes
com suspensões).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Lurdes Augusto
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativanando_reis
 
Texto dramático - características
Texto dramático - característicasTexto dramático - características
Texto dramático - característicasLurdes Augusto
 
Deixis pessoal temporal_espacial
Deixis pessoal temporal_espacialDeixis pessoal temporal_espacial
Deixis pessoal temporal_espacialEconomicSintese
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frasesnando_reis
 
Categorias Da Narrativa
Categorias Da NarrativaCategorias Da Narrativa
Categorias Da NarrativaMaria Fonseca
 
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os LusíadasOs Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os LusíadasMaria Gomes
 
Processos fonológicos
Processos fonológicosProcessos fonológicos
Processos fonológicosSílvia Faim
 
Classes e subclasses das palavras - 5º , 6º e 7º ano
Classes e subclasses das palavras - 5º , 6º e 7º anoClasses e subclasses das palavras - 5º , 6º e 7º ano
Classes e subclasses das palavras - 5º , 6º e 7º anocarol slides
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoGijasilvelitz 2
 
Orações coordenadas e subordinadas esquema
Orações coordenadas e subordinadas   esquemaOrações coordenadas e subordinadas   esquema
Orações coordenadas e subordinadas esquemaPaulo Portelada
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosdomplex123
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerHelena Coutinho
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoquintaldasletras
 

Mais procurados (20)

Subclasses de verbos
Subclasses de verbosSubclasses de verbos
Subclasses de verbos
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
Texto dramático - características
Texto dramático - característicasTexto dramático - características
Texto dramático - características
 
Deixis pessoal temporal_espacial
Deixis pessoal temporal_espacialDeixis pessoal temporal_espacial
Deixis pessoal temporal_espacial
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Categorias Da Narrativa
Categorias Da NarrativaCategorias Da Narrativa
Categorias Da Narrativa
 
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os LusíadasOs Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
 
Processos fonológicos
Processos fonológicosProcessos fonológicos
Processos fonológicos
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
Classes e subclasses das palavras - 5º , 6º e 7º ano
Classes e subclasses das palavras - 5º , 6º e 7º anoClasses e subclasses das palavras - 5º , 6º e 7º ano
Classes e subclasses das palavras - 5º , 6º e 7º ano
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - Resumo
 
Orações coordenadas e subordinadas esquema
Orações coordenadas e subordinadas   esquemaOrações coordenadas e subordinadas   esquema
Orações coordenadas e subordinadas esquema
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versos
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizer
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento direto
 
Classe de palavras
Classe de palavrasClasse de palavras
Classe de palavras
 

Destaque

Características do código oral e do código escrito
Características do código oral e do código escritoCaracterísticas do código oral e do código escrito
Características do código oral e do código escritoMaria Costa
 
Ficha leitur pé de laranja lima
Ficha leitur  pé de laranja limaFicha leitur  pé de laranja lima
Ficha leitur pé de laranja limabibliotecap
 
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos  Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos complementoindirecto
 
Auto da barca do inferno - texto expositivo
Auto da barca do inferno - texto expositivoAuto da barca do inferno - texto expositivo
Auto da barca do inferno - texto expositivofranciscaf
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivojlsr1970
 

Destaque (8)

Características do código oral e do código escrito
Características do código oral e do código escritoCaracterísticas do código oral e do código escrito
Características do código oral e do código escrito
 
Teste conto sec xx
Teste  conto sec xxTeste  conto sec xx
Teste conto sec xx
 
Ficha leitur pé de laranja lima
Ficha leitur  pé de laranja limaFicha leitur  pé de laranja lima
Ficha leitur pé de laranja lima
 
O Meu Pé de Laranja Lima
O Meu Pé de Laranja LimaO Meu Pé de Laranja Lima
O Meu Pé de Laranja Lima
 
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos  Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
 
Auto da barca do inferno - texto expositivo
Auto da barca do inferno - texto expositivoAuto da barca do inferno - texto expositivo
Auto da barca do inferno - texto expositivo
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
 

Semelhante a Categorias da narrativa

Categoriasdanarrativa
CategoriasdanarrativaCategoriasdanarrativa
CategoriasdanarrativaHeliadora
 
Categorias da narrativa 7º Ano
Categorias da narrativa 7º AnoCategorias da narrativa 7º Ano
Categorias da narrativa 7º AnoHeliadora
 
Texto Narrativo Categorias
Texto Narrativo CategoriasTexto Narrativo Categorias
Texto Narrativo CategoriasElsa Maximiano
 
Categorias da narrativa 9º ano
Categorias da narrativa   9º anoCategorias da narrativa   9º ano
Categorias da narrativa 9º anoElisabeteMarques
 
Texto Narrativo Categorias
Texto Narrativo CategoriasTexto Narrativo Categorias
Texto Narrativo CategoriasJosé Ferreira
 
Categorias da narrativa 8.º ano
Categorias da narrativa   8.º anoCategorias da narrativa   8.º ano
Categorias da narrativa 8.º anoCélia Gonçalves
 
Categoriasdanarrativa 7ano
Categoriasdanarrativa 7anoCategoriasdanarrativa 7ano
Categoriasdanarrativa 7anoHeliadora
 
Categorias narrativa
Categorias narrativaCategorias narrativa
Categorias narrativaCarlos Lima
 
categoriasnarrativa.PDF
categoriasnarrativa.PDFcategoriasnarrativa.PDF
categoriasnarrativa.PDFssuser7869761
 
Categorias da Narrativa
Categorias da NarrativaCategorias da Narrativa
Categorias da NarrativaTeresa Pombo
 
ppt categorias Narrativa
ppt categorias Narrativappt categorias Narrativa
ppt categorias NarrativaTeresa Pombo
 
Narrativa
NarrativaNarrativa
Narrativatiagofl
 
Narrativa 0004
Narrativa 0004Narrativa 0004
Narrativa 0004Bruno G.
 
106670377 categorias-da-narrativa
106670377 categorias-da-narrativa106670377 categorias-da-narrativa
106670377 categorias-da-narrativaManuela Marques
 
Categorias da Narrativa
Categorias da NarrativaCategorias da Narrativa
Categorias da NarrativaVanda Sousa
 
Categorias do texto narrativo
Categorias do texto narrativoCategorias do texto narrativo
Categorias do texto narrativojanaosei
 

Semelhante a Categorias da narrativa (20)

Categoriasdanarrativa
CategoriasdanarrativaCategoriasdanarrativa
Categoriasdanarrativa
 
Categorias da narrativa 7º Ano
Categorias da narrativa 7º AnoCategorias da narrativa 7º Ano
Categorias da narrativa 7º Ano
 
Texto Narrativo Categorias
Texto Narrativo CategoriasTexto Narrativo Categorias
Texto Narrativo Categorias
 
Categorias da narrativa 9º ano
Categorias da narrativa   9º anoCategorias da narrativa   9º ano
Categorias da narrativa 9º ano
 
Texto Narrativo Categorias
Texto Narrativo CategoriasTexto Narrativo Categorias
Texto Narrativo Categorias
 
Categorias da narrativa 8.º ano
Categorias da narrativa   8.º anoCategorias da narrativa   8.º ano
Categorias da narrativa 8.º ano
 
Categoriasdanarrativa 7ano
Categoriasdanarrativa 7anoCategoriasdanarrativa 7ano
Categoriasdanarrativa 7ano
 
Categorias narrativa
Categorias narrativaCategorias narrativa
Categorias narrativa
 
categoriasnarrativa.PDF
categoriasnarrativa.PDFcategoriasnarrativa.PDF
categoriasnarrativa.PDF
 
Categorias da Narrativa
Categorias da NarrativaCategorias da Narrativa
Categorias da Narrativa
 
ppt categorias Narrativa
ppt categorias Narrativappt categorias Narrativa
ppt categorias Narrativa
 
Narrativa
NarrativaNarrativa
Narrativa
 
Narrativa 0004
Narrativa 0004Narrativa 0004
Narrativa 0004
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
106670377 categorias-da-narrativa
106670377 categorias-da-narrativa106670377 categorias-da-narrativa
106670377 categorias-da-narrativa
 
Texto Narrativo
Texto NarrativoTexto Narrativo
Texto Narrativo
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativa Categorias da narrativa
Categorias da narrativa
 
Categorias da Narrativa
Categorias da NarrativaCategorias da Narrativa
Categorias da Narrativa
 
Categorias do texto narrativo
Categorias do texto narrativoCategorias do texto narrativo
Categorias do texto narrativo
 

Mais de Cristina Fontes (20)

Fi verbos que pedem co
Fi  verbos que pedem coFi  verbos que pedem co
Fi verbos que pedem co
 
Conjugação do verbo "Fazer"
Conjugação do verbo "Fazer"Conjugação do verbo "Fazer"
Conjugação do verbo "Fazer"
 
Metas na gramática
Metas na gramáticaMetas na gramática
Metas na gramática
 
Fi adjetivo
Fi adjetivoFi adjetivo
Fi adjetivo
 
Inaudita guerra texto integral
Inaudita guerra texto integralInaudita guerra texto integral
Inaudita guerra texto integral
 
Ppt advérbio
Ppt advérbioPpt advérbio
Ppt advérbio
 
Fi entrevista
Fi entrevistaFi entrevista
Fi entrevista
 
Fi reportagem
Fi reportagemFi reportagem
Fi reportagem
 
Conjugação verbal
Conjugação verbalConjugação verbal
Conjugação verbal
 
FI-reportagem
FI-reportagemFI-reportagem
FI-reportagem
 
FI-notícia
FI-notíciaFI-notícia
FI-notícia
 
Ficha de currículo para o 8.º ano
Ficha de currículo para o 8.º anoFicha de currículo para o 8.º ano
Ficha de currículo para o 8.º ano
 
Planificação 8.º ano-alunos
Planificação 8.º ano-alunosPlanificação 8.º ano-alunos
Planificação 8.º ano-alunos
 
PPT7 sintaxe-frases
PPT7 sintaxe-frasesPPT7 sintaxe-frases
PPT7 sintaxe-frases
 
PPT6 -sintaxe-funções
PPT6 -sintaxe-funçõesPPT6 -sintaxe-funções
PPT6 -sintaxe-funções
 
PPT5- sintaxe-grupos
PPT5- sintaxe-gruposPPT5- sintaxe-grupos
PPT5- sintaxe-grupos
 
PPT-4 classe de palavras
PPT-4 classe de palavrasPPT-4 classe de palavras
PPT-4 classe de palavras
 
PPT3-Morfologia
PPT3-MorfologiaPPT3-Morfologia
PPT3-Morfologia
 
PPT2-Dicionário Terminológico
PPT2-Dicionário TerminológicoPPT2-Dicionário Terminológico
PPT2-Dicionário Terminológico
 
PPT1-Apresentação
PPT1-ApresentaçãoPPT1-Apresentação
PPT1-Apresentação
 

Último

Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 

Último (20)

Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 

Categorias da narrativa

  • 1. O texto Narrativo O texto narrativo conta acontecimentos ou experiências conhecidas ou imaginadas. Contar uma história, ou seja, construir uma narrativa, implica uma ação, desenvolvida num determinado espaço e num determinado tempo, praticada por personagens, que nos é transmitida por um narrador. Normalmente, o texto narrativo é constituído por narração (a ação evolui), descrição (das personagens e do espaço), diálogo (as personagens falam entre si) e monólogo (uma personagem fala consigo mesma).
  • 2. Etimologicamente, o vocábulo narrar tem origem latina: “narrãre significa contar, dizer, (...) falar de,...”. Este tipo de texto surge em verso ou em prosa.
  • 3. Categorias da Narrativa • ação • Tempo • Espaço • Personagens • Narrador • Modos de Expressão e representação
  • 4. Ação A ação é o desenrolar de acontecimentos que se relacionam entre si e se encaminham ou não para um desenlace. A ordenação ou estrutura de uma narrativa caracteriza-se por uma situação inicial (introdução), um desenvolvimento (acontecimentos) e um desenlace (desfecho ou conclusão), que não existe em certas narrativas modernas. Quando existe desenlace, isto é, a resolução de todas as dúvidas, expectativas, conflitos ou anseios acumulados, diz-se que se trata de uma ação fechada. Quando não existe desenlace, ou seja, se a narrativa deixar ao leitor a possibilidade de imaginar a continuação da história, diz-se que se trata de uma ação aberta.
  • 5. Acontecimentos principais (ação Relevância dos central) e acontecimentos secundários acontecimentos (ação secundária). Momentos determinantes no desenrolar da ação: • situação inicial (introdução); Estrutura da ação • desenvolvimento (acontecimentos); • desenlace (desfecho ou conclusão). Final da ação • Ação fechada (solucionada até ao pormenor) ; • Ação aberta (não solucionada).
  • 6. Organização das sequências narrativas Encadeamento: as sequências narrativas sucedem-se numa relação de causa e efeito, isto é, o final de uma dá origem à seguinte. S1 S2 S3 S4 Encaixe: uma nova sequência é introduzida numa outra que estava a ser narrada. S1 S2 S1 Alternância: várias sequências correspondentes a diferentes histórias vão sendo narradas alternadamente. S1 S1 S2 S3 S2
  • 7. Tempo Tempo da história - É o tempo em que decorre a ação; Tempo histórico — refere-se à época em que os acontecimentos têm lugar. Tempo do discurso - — trata-se da forma como o narrador relata os acontecimentos — pode voltar atrás no tempo (analepses), adiantar determinado episódio (prolepse), omitir o que se passou em determinado período temporal (elipse), contar sumariamente o que aconteceu num certo período de tempo (resumo). Tempo psicológico — é o tempo vivido pelas personagens de forma subjetiva, ou seja, relaciona-se com o modo como as personagens sentem a passagem do tempo.
  • 8. Espaço Espaço físico — trata-se do espaço onde as personagens se movimentam e onde ocorrem os acontecimentos: -geográfico -interior -exterior Espaço social — é um espaço construído através de ambientes vividos pelas personagens; liga-se às características da sociedade em que as personagens se inserem. Espaço psicológico — este espaço é construído pelo conjunto de elementos que traduzem a interioridade das personagens (como, por exemplo, o sonho, a memória, as emoções, as reflexões...).
  • 9. Personagens Relevo: As Personagens Principais (protagonistas) são aquelas que desempenham o papel central, sendo fundamentais para o desenvolvimento da história. As Personagens Secundárias podem ser classificadas em Coadjuvantes e Figurantes. • As Personagens Coadjuvantes são aquelas que assumem um papel de menor importância, mas não deixam de ser importantes para o desenrolar da trama, já que dão suporte à história tecendo pequenas ações em torno das personagens principais. • Já as Personagens Figurantes têm como único objetivo ilustrar um ambiente ou o espaço social do qual são representantes durante o desenrolar de uma ação da trama.
  • 10. Caracterização: Física: características físicas atribuídas a uma determinada personagem; Psicológica: traços de caráter, qualidades de uma personagem.
  • 11. Processos de caracterização: direto: as características são directamente apontadas pela própria personagem (autocaracterização), por outra personagem ou pelo narrador (heterocaracterização); Indireto: as características são deduzidas através de comportamentos, atitudes ou ações da personagem.
  • 12. Narrador O narrador é um ser ficcional, não devendo ser confundido com o autor real que o cria. O narrador tem a função de enunciar e organizar o discurso; é ele que nos transmite o mundo inventado ou recriado numa narrativa. Distinguem-se diferentes tipos de narrador, tendo em conta a sua presença ou ausência no universo da narrativa, a adoção de determinado ponto de vista e o grau de conhecimento que demonstra ter da história que conta.
  • 13. RELATIVAMENTE À PRESENÇA: O narrador classifica-se como participante ou não participante. O narrador participante é aquele que se integra no mundo narrado, estando presente na ação de dois modos possíveis, participante como personagem (narra na primeira pessoa, podendo ser também o protagonista - AUTODIEGÉTICO) ou participante como observador (narra na primeira pessoa, mas não interfere na ação, limita-se a acompanhá-la - HOMODIEGÉTICO). O narrador não participante exprime-se na terceira pessoa e está ausente do universo narrativo - HETERODIEGÉTICO.
  • 14. Nota: O vocábulo diegese que se encontra presente nas palavras: homodiegético(a), heterodiegético(a) e autodiegético(a) tem origem grega e significa HISTÓRIA.
  • 15. RELATIVAMENTE AO PONTO DE VISTA : O narrador classifica-se como objetivo ou subjetivo. Se o narrador revela imparcialidade, ou seja, se não assume posição face aos acontecimentos, é objetivo. Se o narrador é parcial, ou seja, se afirma ou sugere o seu ponto de vista, é subjetivo.
  • 16. RELATIVAMENTE À FOCALIZAÇÃO: O narrador caracteriza-se também em função do conhecimento da história. Focalização omnisciente - o narrador detém um conhecimento total dos acontecimentos. Focalização interna — surge quando é instaurado o ponto de vista de uma das personagens que vive a história. Focalização externa — acontece quando o narrador revela as características exteriores das personagens ou apresenta um espaço físico onde decorre a ação.
  • 17. Modos de representação e de expressão O texto narrativo pode apresentar várias modalidades de discurso. O discurso do narrador, mais próximo da ficção narrada, apresenta-se sob as formas de: narração - relato de acontecimentos e de conflitos, situados no tempo e encadeados de forma dinâmica, originando a ação (verbos de movimento e formas verbais do pretérito perfeito, imperfeito e mais-que-perfeito); descrição - informações sobre as personagens, os objetos, o tempo e os lugares, que interrompem a dinâmica da ação e vão desenhando os cenários (verbos copulativos ou de ligação e formas verbais do pretérito imperfeito).
  • 18. O discurso das personagens, mais distante do narrador, apresenta-se sob as formas de: diálogo - interação verbal ou conversa entre duas ou mais personagens (discurso direto com registos de língua variados); monólogo - conversa da personagem consigo mesma, discurso mental não pronunciado ou pronunciado, mas sem ouvinte (discurso direto com frases simples e reduzidas, muitas vezes com suspensões).