SlideShare uma empresa Scribd logo

Invocação e Dedicarória

Camões dirige-se às ninfas do Tejo pedindo ajuda para cantar os feitos dos portugueses de forma sublime. Ele estabelece um confronto entre a poesia lírica e a poesia épica, que exige um estilo mais elevado. Na dedicatória, Camões dedica a obra a D. Sebastião, então jovem rei de Portugal, elogiando-o e tentando convencê-lo a aceitar seu canto através de uma linguagem argumentativa e apelativa.

1 de 20
Baixar para ler offline
OS LUSÍADAS
     INVOCAÇÃO e DEDICATÓRIA
INVOCAÇÃO
E vós, Tágides minhas, pois criado
Tendes em mi um novo engenho ardente,
Se sempre, em verso humilde, celebrado
Foi de mi vosso rio alegremente,
Dai-me agora um som alto e sublimado,
Um estilo grandíloco e corrente,
Por que de vossas águas Febo ordene
Que não tenham enveja às de Hipocrene .
Dai-me uma fúria grande e sonorosa,
E não de agreste avena ou frauta ruda ,
Mas de tuba canora e belicosa,
Que o peito acende e a cor ao gesto muda.
Dai-me igual canto aos feitos da famosa
Gente vossa, que a Marte tanto ajuda;
Que se espalhe e se cante no Universo,
Se tão sublime preço cabe em verso.
INVOCAÇÃO
   Invocar significa apelar, pedir, suplicar.
   Nestas estrofes, Camões dirige-se às
    Tágides, as ninfas do Tejo, pedindo-lhe que
    o ajudem a cantar os feitos dos portugueses
    de uma forma sublime:

“Dai-me agora um som alto e sublimado,

Um estilo grandíloco e corrente”
INVOCAÇÃO

E vós, Tágides minhas, (...)
Dai-me (...)
Dai-me (...)
Dai-me (...)
INVOCAÇÃO

E vós, Tágides minhas, (...)
Dai-me (...)
Dai-me (...)
                        A Anáfora é uma figura de estilo
Dai-me (...)     que consiste em repetir a mesma
                       palavra no princípio de várias frases ou
                       versos.
                              A forma verbal “Dai-me” (modo
                       imperativo) surge repetido três vezes no
                       início do verso: trata-se da figura de estilo
                       anáfora.
INVOCAÇÃO
Tratando-se de um pedido, a Invocação
 assume a forma de discurso persuasivo, onde
 predomina a função apelativa da linguagem
 e as marcas características desse tipo de
 discurso – o vocativo e os verbos no modo
 imperativo - determinam a estrutura do texto.
INVOCAÇÃO

   Apóstrofe

          A apóstrofe consiste na interpelação ou invocação de
    alguém ou de alguma coisa personificada, por meio de um
    vocativo.

          Repara: para invocar as ninfas, Camões utiliza o vocativo.

           O vocativo pode estar presente numa frase quando se
    pretende chamar ou invocar alguém, utilizando-se para isso um
    nome ou expressão equivalente. O vocativo na frase é móvel, pois
    pode surgir no princípio, no meio ou no fim, mas está destacado
    por vírgulas.

INVOCAÇÃO
Como poeta experiente que é, sabe que a
tarefa a que agora se propôs exige um
estilo e uma linguagem de grau
superior, por isso estabelece ao longo
destas duas estâncias um confronto entre
a poesia lírica, há muito por ele cultivada, e
a poesia épica, a que agora se abalança
INVOCAÇÃO


   O poeta pede às Tágides o estilo elevado que
    a epopeia e a grandiosidade do assunto
    requerem; o " som alto e sublimado ", exigido
    pelo " novo engenho ardente " que as ninfas
    colocaram nele.
INVOCAÇÃO

  POESIA LÍRICA       POESIA ÉPICA


  verso humilde       novo engenho ardente
  agreste avena       som alto e sublimado
  frauta ruda         estilo grandíloco e corrente
                      fúria grande e sonorosa
                      tuba canora e belicosa




Este confronto serve-lhe para marcar a
 superioridade relativa da poesia épica sobre a
 lírica.
INVOCAÇÃO
A Invocação, para Camões, é mais um
processo de engrandecimento do seu herói. De
facto, é a grandiosidade do assunto que se
propôs tratar que exige um estilo e uma
eloquência superiores.
INVOCAÇÃO

Para poder cantar devidamente tão altos
feitos,   necessito   que    vós,    Tágides
minhas, ninfas amadas do meu rio Tejo, já
por mim cantado em muitos poemas
líricos, me ajudeis a encontrar o estilo
grandioso, um estilo grandíloco adequado à
celebração dos Portugueses. Se me
ajudardes, ficareis ainda mais célebres e
afamadas do que a antiga fonte de
Hipocrene, nascida de uma patada do cavalo
de Pégaso, condutor do carro de Apolo, deus
do sol, da poesia e das artes. Essa fonte
dava inspiração poética a quem dela bebia.
       in Os Lusíadas em prosa (adaptação) de Amélia Pinto Pais
INVOCAÇÃO
DEDICATÓRIA

   A dedicatória é uma parte facultativa da estrutura da epopeia.
    Camões inclui-a n’ Os Lusíadas ao dedicar a sua obra ao rei D.
    Sebastião.
         Nessa altura, D. Sebastião era ainda muito jovem e por isso
    era visto como a esperança da pátria portuguesa na continuação
    da difusão da fé e do império.

   D. Sebastião, rei de Portugal de 1568 a 1578, foi o penúltimo rei
    antes do domínio espanhol (1580-1640). O seu prematuro
    desaparecimento numa manhã de nevoeiro na batalha de Alcácer
    Quibir deu origem ao mito sebastianista, um sentimento muito
    português, que nasceu de uma lenda e que tem povoado o
    imaginário coletivo do nosso povo, ao longo dos séculos.

DEDICATÓRIA



    E vós, ó bem nascida segurança
    Da Lusitana antiga liberdade,
DEDICATÓRIA
   Modificador do nome apositivo

    O Modificador do nome apositivo é uma
    expressão que vem imediatamente a seguir a
    outra, normalmente entre vírgulas e que surge
    como uma caracterização ou explicação
    complementar.

     A expressão “poderoso rei” exerce a função de
    Modificador do nome apositivo, pois surge a
    seguir ao pronome “Vós”, adicionando-lhe uma
    informação que o torna mais completo.
DEDICATÓRIA
   SINÉDOQUE

    Na caracterização de D. Sebastião, o poeta usa
    frequentemente a sinédoque – figura de estilo em
    que se troca a palavra que indica o todo de um ser
    por outra que indica apenas uma parte dele:

         “Vós, ó novo temor da Maura lança,”

     Embora só se refira à lança, o poeta pretende
    designar todo o exército de mouros.
DEDICATÓRIA
  Identifica as figuras de estilo presentes nos versos
     seguintes:

     “E vós, ó bem nascida segurança”

     “Tomai as rédeas vós do Reino vosso:”

     “Aqueles que, nos Reinos lá da Aurora”

     “O Sol, logo em nascendo, vê primeiro”

     “Por um pregão do ninho meu paterno”

     “Que afeiçoada ao gesto belo e tenro”

     “E julgareis qual é mais excelente,
      Se ser do mundo Rei, se de tal gente.”
DEDICATÓRIA
    Para além do elogio ao rei, Camões pretende
     convencê-lo a aceitar o seu canto, por isso
     recorre a uma linguagem
     argumentativa, sendo a função de linguagem
     predominante a apelativa. O poeta recorre a
     numerosos vocativos, apóstrofes e ao uso
     frequente do modo imperativo. Há quem
     considere que o discurso da Dedicatória
     segue a estrutura própria do género oratório.
     O poeta chama constantemente a atenção do
     seu destinatário, D. Sebastião, para o que o
     poema vai celebrar.
DEDICATÓRIA
    Para além do elogio ao rei, Camões pretende
     convencê-lo a aceitar o seu canto, por isso
     recorre a uma linguagem argumentativa,
     sendo a função de linguagem predominante a
     apelativa. O poeta recorre a numerosos
     vocativos, apóstrofes e ao uso frequente do
     modo imperativo. Há quem considere que o
     discurso da Dedicatória segue a estrutura
     própria do género oratório.
     O poeta chama constantemente a atenção do
     seu destinatário, D. Sebastião, para o que o
     poema vai celebrar.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerHelena Coutinho
 
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do PoetaCanto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do PoetaCatarina Sousa
 
Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Inês Moreira
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Episódio de inês de castro
Episódio de inês de castroEpisódio de inês de castro
Episódio de inês de castroQuezia Neves
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesAntónio Fernandes
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesvermar2010
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaHelena Coutinho
 
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os LusíadasOs Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os LusíadasMaria Gomes
 
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Inês Moreira
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraDavid Caçador
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frasesnando_reis
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaDina Baptista
 

Mais procurados (20)

Canto viii 96_99
Canto viii 96_99Canto viii 96_99
Canto viii 96_99
 
Analise os lusiadas 1
Analise os lusiadas 1Analise os lusiadas 1
Analise os lusiadas 1
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizer
 
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do PoetaCanto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
 
Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"
 
Canto v 92_100
Canto v 92_100Canto v 92_100
Canto v 92_100
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Episódio de inês de castro
Episódio de inês de castroEpisódio de inês de castro
Episódio de inês de castro
 
Ilha dos Amores
Ilha dos AmoresIlha dos Amores
Ilha dos Amores
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
 
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os LusíadasOs Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
 
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 

Destaque

Consílio dos deuses
Consílio dos deusesConsílio dos deuses
Consílio dos deusesLurdes
 
Consílio dos deuses
Consílio dos deusesConsílio dos deuses
Consílio dos deusespauloprofport
 
Exercícios sobre classes de palavras: substantivo, adjetivo e advérbio
Exercícios sobre classes de palavras: substantivo, adjetivo e advérbioExercícios sobre classes de palavras: substantivo, adjetivo e advérbio
Exercícios sobre classes de palavras: substantivo, adjetivo e advérbioma.no.el.ne.ves
 
Invocação
InvocaçãoInvocação
InvocaçãoLurdes
 
A fragilidade da vida humana
A fragilidade da vida humanaA fragilidade da vida humana
A fragilidade da vida humanaJorge Lopes
 
Funçoes sintacticas vocativo
Funçoes sintacticas vocativoFunçoes sintacticas vocativo
Funçoes sintacticas vocativoElsa Maximiano
 
Novos Programas de Português IX
Novos Programas de Português IXNovos Programas de Português IX
Novos Programas de Português IXLuís Ferreira
 
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos CantosOs Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos Cantossin3stesia
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106nanasimao
 
Exercícios sobre classes de palavras
Exercícios sobre classes de palavrasExercícios sobre classes de palavras
Exercícios sobre classes de palavrasMaria Gnv
 

Destaque (15)

Consílio dos deuses
Consílio dos deusesConsílio dos deuses
Consílio dos deuses
 
Consílio dos deuses
Consílio dos deusesConsílio dos deuses
Consílio dos deuses
 
Recursos EstilíSticos
Recursos EstilíSticosRecursos EstilíSticos
Recursos EstilíSticos
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
 
Lusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas FigurasdeestiloLusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas Figurasdeestilo
 
Os Lusíadas - a estrutura
Os Lusíadas - a estruturaOs Lusíadas - a estrutura
Os Lusíadas - a estrutura
 
Exercícios sobre classes de palavras: substantivo, adjetivo e advérbio
Exercícios sobre classes de palavras: substantivo, adjetivo e advérbioExercícios sobre classes de palavras: substantivo, adjetivo e advérbio
Exercícios sobre classes de palavras: substantivo, adjetivo e advérbio
 
Invocação
InvocaçãoInvocação
Invocação
 
A fragilidade da vida humana
A fragilidade da vida humanaA fragilidade da vida humana
A fragilidade da vida humana
 
Funçoes sintacticas vocativo
Funçoes sintacticas vocativoFunçoes sintacticas vocativo
Funçoes sintacticas vocativo
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Novos Programas de Português IX
Novos Programas de Português IXNovos Programas de Português IX
Novos Programas de Português IX
 
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos CantosOs Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
 
Exercícios sobre classes de palavras
Exercícios sobre classes de palavrasExercícios sobre classes de palavras
Exercícios sobre classes de palavras
 

Semelhante a Invocação e Dedicarória

Semelhante a Invocação e Dedicarória (20)

Invocar literatura
Invocar literaturaInvocar literatura
Invocar literatura
 
O classicismo em portugal
O classicismo em portugalO classicismo em portugal
O classicismo em portugal
 
Revisando o parnasianismo, 03
Revisando o parnasianismo, 03Revisando o parnasianismo, 03
Revisando o parnasianismo, 03
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
2º ANO MATUTINO - PARNASIANISMO NO BRASIL
2º ANO MATUTINO - PARNASIANISMO NO BRASIL2º ANO MATUTINO - PARNASIANISMO NO BRASIL
2º ANO MATUTINO - PARNASIANISMO NO BRASIL
 
Construção de poemas
Construção de poemasConstrução de poemas
Construção de poemas
 
Redação: Versificação
Redação: VersificaçãoRedação: Versificação
Redação: Versificação
 
Tipos De Poesias
Tipos De PoesiasTipos De Poesias
Tipos De Poesias
 
Língua Portuguesa - O que é literatura
Língua Portuguesa - O que é literaturaLíngua Portuguesa - O que é literatura
Língua Portuguesa - O que é literatura
 
Parnasianismo.pptx
Parnasianismo.pptxParnasianismo.pptx
Parnasianismo.pptx
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
Versificação
 
AULA - TRABALHANDO POESIA E POEMA.pptx
AULA - TRABALHANDO POESIA E POEMA.pptxAULA - TRABALHANDO POESIA E POEMA.pptx
AULA - TRABALHANDO POESIA E POEMA.pptx
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Revisão 2o bimestre 2012 primeiros anos
Revisão 2o bimestre 2012   primeiros anosRevisão 2o bimestre 2012   primeiros anos
Revisão 2o bimestre 2012 primeiros anos
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Introdução aos gêneros do discurso e literários
Introdução aos gêneros do discurso e literáriosIntrodução aos gêneros do discurso e literários
Introdução aos gêneros do discurso e literários
 
D. dinis
D. dinisD. dinis
D. dinis
 
Introdução texto poético
Introdução texto poéticoIntrodução texto poético
Introdução texto poético
 

Mais de Paula Oliveira Cruz (20)

Friso cronológico literário
Friso cronológico literárioFriso cronológico literário
Friso cronológico literário
 
géneros da poesia_trovadoresca
  géneros da poesia_trovadoresca  géneros da poesia_trovadoresca
géneros da poesia_trovadoresca
 
Ai flores, ai flores
Ai flores, ai floresAi flores, ai flores
Ai flores, ai flores
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
 
Ondas do mar de vigo
Ondas do mar de vigoOndas do mar de vigo
Ondas do mar de vigo
 
o paralelismo
 o paralelismo o paralelismo
o paralelismo
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Subordinação
SubordinaçãoSubordinação
Subordinação
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
História da língua
História da línguaHistória da língua
História da língua
 
Farsa de Inês Pereira
Farsa de Inês PereiraFarsa de Inês Pereira
Farsa de Inês Pereira
 
Sedia m'eu na ermida
Sedia m'eu na ermidaSedia m'eu na ermida
Sedia m'eu na ermida
 
Lírica Trovadoresca
Lírica TrovadorescaLírica Trovadoresca
Lírica Trovadoresca
 
Formação de palavra (paratextos)
Formação de palavra (paratextos)Formação de palavra (paratextos)
Formação de palavra (paratextos)
 
Adilia Lopes - autobiografia
Adilia Lopes -  autobiografiaAdilia Lopes -  autobiografia
Adilia Lopes - autobiografia
 
Autorretrato bocage e o'neill
Autorretrato bocage e o'neillAutorretrato bocage e o'neill
Autorretrato bocage e o'neill
 
Adjetivo lp
Adjetivo lpAdjetivo lp
Adjetivo lp
 

Invocação e Dedicarória

  • 1. OS LUSÍADAS INVOCAÇÃO e DEDICATÓRIA
  • 2. INVOCAÇÃO E vós, Tágides minhas, pois criado Tendes em mi um novo engenho ardente, Se sempre, em verso humilde, celebrado Foi de mi vosso rio alegremente, Dai-me agora um som alto e sublimado, Um estilo grandíloco e corrente, Por que de vossas águas Febo ordene Que não tenham enveja às de Hipocrene . Dai-me uma fúria grande e sonorosa, E não de agreste avena ou frauta ruda , Mas de tuba canora e belicosa, Que o peito acende e a cor ao gesto muda. Dai-me igual canto aos feitos da famosa Gente vossa, que a Marte tanto ajuda; Que se espalhe e se cante no Universo, Se tão sublime preço cabe em verso.
  • 3. INVOCAÇÃO  Invocar significa apelar, pedir, suplicar.  Nestas estrofes, Camões dirige-se às Tágides, as ninfas do Tejo, pedindo-lhe que o ajudem a cantar os feitos dos portugueses de uma forma sublime: “Dai-me agora um som alto e sublimado, Um estilo grandíloco e corrente”
  • 4. INVOCAÇÃO E vós, Tágides minhas, (...) Dai-me (...) Dai-me (...) Dai-me (...)
  • 5. INVOCAÇÃO E vós, Tágides minhas, (...) Dai-me (...) Dai-me (...) A Anáfora é uma figura de estilo Dai-me (...) que consiste em repetir a mesma palavra no princípio de várias frases ou versos. A forma verbal “Dai-me” (modo imperativo) surge repetido três vezes no início do verso: trata-se da figura de estilo anáfora.
  • 6. INVOCAÇÃO Tratando-se de um pedido, a Invocação assume a forma de discurso persuasivo, onde predomina a função apelativa da linguagem e as marcas características desse tipo de discurso – o vocativo e os verbos no modo imperativo - determinam a estrutura do texto.
  • 7. INVOCAÇÃO  Apóstrofe  A apóstrofe consiste na interpelação ou invocação de alguém ou de alguma coisa personificada, por meio de um vocativo.  Repara: para invocar as ninfas, Camões utiliza o vocativo.  O vocativo pode estar presente numa frase quando se pretende chamar ou invocar alguém, utilizando-se para isso um nome ou expressão equivalente. O vocativo na frase é móvel, pois pode surgir no princípio, no meio ou no fim, mas está destacado por vírgulas. 
  • 8. INVOCAÇÃO Como poeta experiente que é, sabe que a tarefa a que agora se propôs exige um estilo e uma linguagem de grau superior, por isso estabelece ao longo destas duas estâncias um confronto entre a poesia lírica, há muito por ele cultivada, e a poesia épica, a que agora se abalança
  • 9. INVOCAÇÃO  O poeta pede às Tágides o estilo elevado que a epopeia e a grandiosidade do assunto requerem; o " som alto e sublimado ", exigido pelo " novo engenho ardente " que as ninfas colocaram nele.
  • 10. INVOCAÇÃO POESIA LÍRICA POESIA ÉPICA verso humilde novo engenho ardente agreste avena som alto e sublimado frauta ruda estilo grandíloco e corrente fúria grande e sonorosa tuba canora e belicosa Este confronto serve-lhe para marcar a superioridade relativa da poesia épica sobre a lírica.
  • 11. INVOCAÇÃO A Invocação, para Camões, é mais um processo de engrandecimento do seu herói. De facto, é a grandiosidade do assunto que se propôs tratar que exige um estilo e uma eloquência superiores.
  • 12. INVOCAÇÃO Para poder cantar devidamente tão altos feitos, necessito que vós, Tágides minhas, ninfas amadas do meu rio Tejo, já por mim cantado em muitos poemas líricos, me ajudeis a encontrar o estilo grandioso, um estilo grandíloco adequado à celebração dos Portugueses. Se me ajudardes, ficareis ainda mais célebres e afamadas do que a antiga fonte de Hipocrene, nascida de uma patada do cavalo de Pégaso, condutor do carro de Apolo, deus do sol, da poesia e das artes. Essa fonte dava inspiração poética a quem dela bebia. in Os Lusíadas em prosa (adaptação) de Amélia Pinto Pais
  • 14. DEDICATÓRIA  A dedicatória é uma parte facultativa da estrutura da epopeia. Camões inclui-a n’ Os Lusíadas ao dedicar a sua obra ao rei D. Sebastião.  Nessa altura, D. Sebastião era ainda muito jovem e por isso era visto como a esperança da pátria portuguesa na continuação da difusão da fé e do império.  D. Sebastião, rei de Portugal de 1568 a 1578, foi o penúltimo rei antes do domínio espanhol (1580-1640). O seu prematuro desaparecimento numa manhã de nevoeiro na batalha de Alcácer Quibir deu origem ao mito sebastianista, um sentimento muito português, que nasceu de uma lenda e que tem povoado o imaginário coletivo do nosso povo, ao longo dos séculos. 
  • 15. DEDICATÓRIA E vós, ó bem nascida segurança Da Lusitana antiga liberdade,
  • 16. DEDICATÓRIA  Modificador do nome apositivo O Modificador do nome apositivo é uma expressão que vem imediatamente a seguir a outra, normalmente entre vírgulas e que surge como uma caracterização ou explicação complementar. A expressão “poderoso rei” exerce a função de Modificador do nome apositivo, pois surge a seguir ao pronome “Vós”, adicionando-lhe uma informação que o torna mais completo.
  • 17. DEDICATÓRIA  SINÉDOQUE Na caracterização de D. Sebastião, o poeta usa frequentemente a sinédoque – figura de estilo em que se troca a palavra que indica o todo de um ser por outra que indica apenas uma parte dele: “Vós, ó novo temor da Maura lança,” Embora só se refira à lança, o poeta pretende designar todo o exército de mouros.
  • 18. DEDICATÓRIA Identifica as figuras de estilo presentes nos versos seguintes:  “E vós, ó bem nascida segurança”  “Tomai as rédeas vós do Reino vosso:”  “Aqueles que, nos Reinos lá da Aurora”  “O Sol, logo em nascendo, vê primeiro”  “Por um pregão do ninho meu paterno”  “Que afeiçoada ao gesto belo e tenro”  “E julgareis qual é mais excelente, Se ser do mundo Rei, se de tal gente.”
  • 19. DEDICATÓRIA  Para além do elogio ao rei, Camões pretende convencê-lo a aceitar o seu canto, por isso recorre a uma linguagem argumentativa, sendo a função de linguagem predominante a apelativa. O poeta recorre a numerosos vocativos, apóstrofes e ao uso frequente do modo imperativo. Há quem considere que o discurso da Dedicatória segue a estrutura própria do género oratório.  O poeta chama constantemente a atenção do seu destinatário, D. Sebastião, para o que o poema vai celebrar.
  • 20. DEDICATÓRIA  Para além do elogio ao rei, Camões pretende convencê-lo a aceitar o seu canto, por isso recorre a uma linguagem argumentativa, sendo a função de linguagem predominante a apelativa. O poeta recorre a numerosos vocativos, apóstrofes e ao uso frequente do modo imperativo. Há quem considere que o discurso da Dedicatória segue a estrutura própria do género oratório.  O poeta chama constantemente a atenção do seu destinatário, D. Sebastião, para o que o poema vai celebrar.