SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Camões Lírico - Características dapoesiade Luís de Camões
Em Camõescoexistiuapoesiatradicional,comumapoesiacujosmodelosformaise temáticosrevelama
culturahumanísticae clássicado poeta.A estasinfluênciasjuntou-se aindaasua própriaexperiênciade vida.
Petrarca e Dante sãoos seusprincipaismestres.
Influências:
A obra líricacamonianaé marcada por uma dualidade:porumladoa poesiade carácter trovadorescodos
cancioneiros,poroutro,as novas composiçõesintroduzidaspeloRenascimento.
 Influênciada Tradição Lírica - Por influênciatradicional,fezusoda medidavelha e cultivouoverso
de cinco sílabasmétricas(redondilhamenor) e de sete sílabasmétricas(redondilhamaior),
escrevendovilancetes,cantigas,esparsas,endechasoutrovas.Astemáticastradicionaise populares
usadaspor Camõessão geralmente maisingénuase graciosase versam, sobretudo, oamor,
natureza, o ambiente palaciano e a saudade.
 InfluênciaRenascentista- Da influênciaclássicaRenascentista,Camões cultivouamedidanova
fazendousodoversodecassílabo,atravésdosoneto(compostoporduasquadrase doistercetos)
introduzidoemPortugal apartirdo séc.XVI.Nastemáticasde influênciaRenascentistacultivou o
amor platónico(amor ideal e inacessível),asaudade,o destino,a belezasuprema,a mulher vistaà
luzdo Petrarquismoe doDestino (retratoidealizadodaamada,cuja belezafísicae qualidades
moraise psicológicasresultamnumquadroperfeito,quase celestial), amudança, a brevidade da
vida e o desconcertodo mundo.
 Influênciada Experiênciapessoal (Autobiografia/confessionalismo) - Camõesenriqueceasua lírica
com a sua experiênciapessoal: oexílio,oserros,a má fortuna (Destino), oamor que lhe causa
sofrimento,predestinaçãoquase maldita e apocalíptica e a falta de reconhecimento.
Temáticas:
A sua poesiaé sustentadaempolosantagónicos:mulherideal e perfeita/mulherfeiticeira;amor
espiritual/amorsensual;humildade/orgulho;inocência/sentimentode culpa;naturezacomoespelhoda
alma/naturezacontrastante comoestadode alma.
 O amor - amor físicovs amor platónico;a divisãointeriordo sujeitopoético causada peloconflito
amoroso;o podertransformadordoamor e os seusefeitoscontraditórios. Oamoré umsentimento
contraditório; algoindefinidoe capazde provocarefeitoscontraditóriosnosujeitopoético.Fonte
de desconcertoemocional,é aomesmotempo:
1) Sentimentoessencial para a elevaçãodo sujeitopoético (Dimensãoeufórica);
2) Causa de uma dor constante (Dimensãodisfórica),sobretudo:quandoosimplesamorespiritual
não consegue satisfazeropoetaque buscaalgo maisfísico; quandoa sua amada estáausente e
as saudadesaumentamaopontode transformara própriavisãoque outroratinhada naturezae
da sua beleza;quandotemde se separardela;quandoosolhosclarosda amada o tomam
descuidado, tal comose fosse umpassarinho; quandoaamada é indiferenteaoseusofrimento.
 A mulher- retrato da mulherperspetivadanaconceçãode Petrarcae Dante;a amada surge umas
vezescomoserangélico,outrascomoser maléfico; amulherideal é inacessível e intocável:
1) Uma mulhercujaidealizaçãoe exaltaçãodabelezadenunciaaclara influência petrarquista.A
mulheré o reflexodabelezadivina,é aponte paraa perfeiçãodoamador.Porisso,não é
retratadacom traços físicosprecisos –a suabelezareside sobretudonoolhar,napostura
“humilde”e nabondade.Oseuretrato é,sobretudo,psicológicoe moral.Elaé a perfeiçãoe a
pureza.O sujeitopoéticoregistamaisaimpressãoque asua belezacausadoque a belezaemsi.
Esta é a causa frequente dofascíniodosujeitolíricoe dasua elevaçãoaum estadoespiritual
superior,mastambémcausade dor e de sofrimento,sobretudoquandoaimagemfemininanão
se adequaàs necessidadesfísicase reaisdosujeitopoético.
 A Natureza - encaradacomo fonte de recursosexpressivos,sempre ligadaàpoesiaamorosa;o locus
amoenus.A naturezaaparece nalírica camonianacomo:
1) Uma naturezaalegre,serena,luminosa,perfumada,emque avultamoverde,ocristal daságuas
límpidas,osfrutossaborosose as flores - onde se vivemsentimentosamorosos -;
2) Comouma naturezaindiferente átristezae às saudades dosujeitopoético;
3) Comotestemunhadaseparaçãodosamantes;
4) Comocenárioque se transformadiante datriste saudade dosujeitopoéticoe que lhe provoca
mesmoaborrecimentoe lhe intensificaador da saudade.
 A saudade - fazsofrermas inspira;a ausênciadaamada é insuportável e divideosujeitopoético.
 O tempo e a mudança - a mudançaé cíclica e o tempoanulaqualqueresperança.
 O destino- é sobretudonasuavidaamorosa que Camõessente apresençamaléficadodestino:
tentandolutarcontra a má fortuna,o sujeitopoéticorecorda,muitasvezesobempassado.
Variedade formal:
Trabalhouquase todosos génerosrestaurados:
 Influênciatradicional - vilancete,cantiga,esparsa,trova;
 Influênciaclássica/renascentista- soneto,canção,ode,elegia,écloga.
Verso:
 Medidavelha - versode 5 sílabasmétricas(redondilhamenor)e versode 7 sílabasmétricas
(redondilhamaior);
 Medidanova - versodecassílabocomacentona 6ª e 10ª sílabas(heroico) ouna4ª, 8ª e 10ª sílabas
(sáfico).
Linguageme estilo:
 Adjetivaçãoexpressiva;
 Pontuaçãoemotiva(exclamações,interrogações);
 Expressividade de tempose modosverbais;
 Uso de vocabulárioerudito(académico,adquiridoatravésdoestudo,opostoavocabuláriopopular);
 Recursoà mitologia;
 Predomíniode metáforas,apóstrofes,hipérboles,anáforas,hipérbatos,etc.
 Alternânciaentre ritmorápidoe lento.
Em suma:
Momentosestruturaisdopoemae linhasde forçadominantesaolongoda suapoesia:
 Reflexãosobre asuaexistência;
 Invocaçãoàs forças ativasna sua desgraça;
 Consideraçõessobre opoderdoAmor;
 Apeloàmulheramada.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
Ana Cristina Matias
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
mauro dinis
 

Mais procurados (20)

Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante""Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 
As cantigas de amigo
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigo
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
 
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
Actos Ilocutórios
Actos IlocutóriosActos Ilocutórios
Actos Ilocutórios
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
 
Canto v 92_100
Canto v 92_100Canto v 92_100
Canto v 92_100
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 
Actos ilocutorios
Actos ilocutoriosActos ilocutorios
Actos ilocutorios
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumo
 

Destaque

Teste/Fevereiro/Camões Lírico
Teste/Fevereiro/Camões LíricoTeste/Fevereiro/Camões Lírico
Teste/Fevereiro/Camões Lírico
Vanda Sousa
 
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 75 76
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 75 76ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 75 76
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 75 76
luisprista
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Raffaella Ergün
 
Geografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União EuropeiaGeografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União Europeia
Raffaella Ergün
 
Resumos de português (intermédio)
Resumos de português (intermédio)Resumos de português (intermédio)
Resumos de português (intermédio)
Ana Beatriz Neiva
 

Destaque (20)

Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
 
Camões lírico teoria
Camões lírico teoriaCamões lírico teoria
Camões lírico teoria
 
Resumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoResumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do convento
 
U.E em 12 lições
U.E em 12 liçõesU.E em 12 lições
U.E em 12 lições
 
Teste/Fevereiro/Camões Lírico
Teste/Fevereiro/Camões LíricoTeste/Fevereiro/Camões Lírico
Teste/Fevereiro/Camões Lírico
 
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 75 76
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 75 76ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 75 76
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 75 76
 
English 10º
English 10ºEnglish 10º
English 10º
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
 
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos PeixesResumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
 
A paz mundial e o diálogo inter religioso
A paz mundial e o diálogo inter religiosoA paz mundial e o diálogo inter religioso
A paz mundial e o diálogo inter religioso
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
 
Português 11º gramática
Português 11º gramáticaPortuguês 11º gramática
Português 11º gramática
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
 
Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!
 
Geografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União EuropeiaGeografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União Europeia
 
Resumos de português (intermédio)
Resumos de português (intermédio)Resumos de português (intermédio)
Resumos de português (intermédio)
 
Resumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os MaiasResumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os Maias
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verde
 
Teste camões
Teste camõesTeste camões
Teste camões
 
Camões Lírico
Camões LíricoCamões Lírico
Camões Lírico
 

Semelhante a Resumos de Português: Camões lírico

TESTE ESCUTA ATIVA CAMOES 2017.docx
TESTE ESCUTA ATIVA CAMOES 2017.docxTESTE ESCUTA ATIVA CAMOES 2017.docx
TESTE ESCUTA ATIVA CAMOES 2017.docx
aliceferro3
 
Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)
Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)
Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)
Sofia Yuna
 
49065391 lirica-camoniana
49065391 lirica-camoniana49065391 lirica-camoniana
49065391 lirica-camoniana
Alcindo Correia
 

Semelhante a Resumos de Português: Camões lírico (20)

Camões lírico 2017
Camões lírico 2017Camões lírico 2017
Camões lírico 2017
 
Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Resumos Exame Nacional Português 12º ano Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Resumos Exame Nacional Português 12º ano
 
TESTE ESCUTA ATIVA CAMOES 2017.docx
TESTE ESCUTA ATIVA CAMOES 2017.docxTESTE ESCUTA ATIVA CAMOES 2017.docx
TESTE ESCUTA ATIVA CAMOES 2017.docx
 
Dolce Stil Nuovo, Petrarca e o petrarquismo
Dolce Stil Nuovo, Petrarca e o petrarquismo Dolce Stil Nuovo, Petrarca e o petrarquismo
Dolce Stil Nuovo, Petrarca e o petrarquismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Poesia Trovadoresca_resumo.pdf
Poesia Trovadoresca_resumo.pdfPoesia Trovadoresca_resumo.pdf
Poesia Trovadoresca_resumo.pdf
 
A representação na amada na lírica de Camões.pptx
A representação na amada na lírica de Camões.pptxA representação na amada na lírica de Camões.pptx
A representação na amada na lírica de Camões.pptx
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
 
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
 
Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)
Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)
Cantigas do amigo (literatura portuguesa- resumo)
 
O Romantismo
O RomantismoO Romantismo
O Romantismo
 
49065391 lirica-camoniana
49065391 lirica-camoniana49065391 lirica-camoniana
49065391 lirica-camoniana
 
docsity-quadro-resumo-escolas-literarias.pdf
docsity-quadro-resumo-escolas-literarias.pdfdocsity-quadro-resumo-escolas-literarias.pdf
docsity-quadro-resumo-escolas-literarias.pdf
 
Camões lírico-épico-vb
Camões lírico-épico-vbCamões lírico-épico-vb
Camões lírico-épico-vb
 
Literatura Idade Média
Literatura Idade Média Literatura Idade Média
Literatura Idade Média
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
G. Literários
G. LiteráriosG. Literários
G. Literários
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 

Mais de Raffaella Ergün

Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
Raffaella Ergün
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Raffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Raffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Raffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarGeografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Raffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - População
Raffaella Ergün
 

Mais de Raffaella Ergün (16)

Central Business District
Central Business DistrictCentral Business District
Central Business District
 
Como funciona a União Europeia
Como funciona a União EuropeiaComo funciona a União Europeia
Como funciona a União Europeia
 
Saldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesaSaldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesa
 
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacionalResumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
 
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
 
Economia A 11º ano - União Europeia
Economia A 11º ano - União EuropeiaEconomia A 11º ano - União Europeia
Economia A 11º ano - União Europeia
 
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
 
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
 
Resumos 10ºano - Economia A (2ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (2ª parte)Resumos 10ºano - Economia A (2ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (2ª parte)
 
Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
 
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarGeografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
 
Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - População
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 

Último (20)

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 

Resumos de Português: Camões lírico

  • 1. Camões Lírico - Características dapoesiade Luís de Camões Em Camõescoexistiuapoesiatradicional,comumapoesiacujosmodelosformaise temáticosrevelama culturahumanísticae clássicado poeta.A estasinfluênciasjuntou-se aindaasua própriaexperiênciade vida. Petrarca e Dante sãoos seusprincipaismestres. Influências: A obra líricacamonianaé marcada por uma dualidade:porumladoa poesiade carácter trovadorescodos cancioneiros,poroutro,as novas composiçõesintroduzidaspeloRenascimento.  Influênciada Tradição Lírica - Por influênciatradicional,fezusoda medidavelha e cultivouoverso de cinco sílabasmétricas(redondilhamenor) e de sete sílabasmétricas(redondilhamaior), escrevendovilancetes,cantigas,esparsas,endechasoutrovas.Astemáticastradicionaise populares usadaspor Camõessão geralmente maisingénuase graciosase versam, sobretudo, oamor, natureza, o ambiente palaciano e a saudade.  InfluênciaRenascentista- Da influênciaclássicaRenascentista,Camões cultivouamedidanova fazendousodoversodecassílabo,atravésdosoneto(compostoporduasquadrase doistercetos) introduzidoemPortugal apartirdo séc.XVI.Nastemáticasde influênciaRenascentistacultivou o amor platónico(amor ideal e inacessível),asaudade,o destino,a belezasuprema,a mulher vistaà luzdo Petrarquismoe doDestino (retratoidealizadodaamada,cuja belezafísicae qualidades moraise psicológicasresultamnumquadroperfeito,quase celestial), amudança, a brevidade da vida e o desconcertodo mundo.  Influênciada Experiênciapessoal (Autobiografia/confessionalismo) - Camõesenriqueceasua lírica com a sua experiênciapessoal: oexílio,oserros,a má fortuna (Destino), oamor que lhe causa sofrimento,predestinaçãoquase maldita e apocalíptica e a falta de reconhecimento. Temáticas: A sua poesiaé sustentadaempolosantagónicos:mulherideal e perfeita/mulherfeiticeira;amor espiritual/amorsensual;humildade/orgulho;inocência/sentimentode culpa;naturezacomoespelhoda alma/naturezacontrastante comoestadode alma.  O amor - amor físicovs amor platónico;a divisãointeriordo sujeitopoético causada peloconflito amoroso;o podertransformadordoamor e os seusefeitoscontraditórios. Oamoré umsentimento contraditório; algoindefinidoe capazde provocarefeitoscontraditóriosnosujeitopoético.Fonte de desconcertoemocional,é aomesmotempo: 1) Sentimentoessencial para a elevaçãodo sujeitopoético (Dimensãoeufórica);
  • 2. 2) Causa de uma dor constante (Dimensãodisfórica),sobretudo:quandoosimplesamorespiritual não consegue satisfazeropoetaque buscaalgo maisfísico; quandoa sua amada estáausente e as saudadesaumentamaopontode transformara própriavisãoque outroratinhada naturezae da sua beleza;quandotemde se separardela;quandoosolhosclarosda amada o tomam descuidado, tal comose fosse umpassarinho; quandoaamada é indiferenteaoseusofrimento.  A mulher- retrato da mulherperspetivadanaconceçãode Petrarcae Dante;a amada surge umas vezescomoserangélico,outrascomoser maléfico; amulherideal é inacessível e intocável: 1) Uma mulhercujaidealizaçãoe exaltaçãodabelezadenunciaaclara influência petrarquista.A mulheré o reflexodabelezadivina,é aponte paraa perfeiçãodoamador.Porisso,não é retratadacom traços físicosprecisos –a suabelezareside sobretudonoolhar,napostura “humilde”e nabondade.Oseuretrato é,sobretudo,psicológicoe moral.Elaé a perfeiçãoe a pureza.O sujeitopoéticoregistamaisaimpressãoque asua belezacausadoque a belezaemsi. Esta é a causa frequente dofascíniodosujeitolíricoe dasua elevaçãoaum estadoespiritual superior,mastambémcausade dor e de sofrimento,sobretudoquandoaimagemfemininanão se adequaàs necessidadesfísicase reaisdosujeitopoético.  A Natureza - encaradacomo fonte de recursosexpressivos,sempre ligadaàpoesiaamorosa;o locus amoenus.A naturezaaparece nalírica camonianacomo: 1) Uma naturezaalegre,serena,luminosa,perfumada,emque avultamoverde,ocristal daságuas límpidas,osfrutossaborosose as flores - onde se vivemsentimentosamorosos -; 2) Comouma naturezaindiferente átristezae às saudades dosujeitopoético; 3) Comotestemunhadaseparaçãodosamantes; 4) Comocenárioque se transformadiante datriste saudade dosujeitopoéticoe que lhe provoca mesmoaborrecimentoe lhe intensificaador da saudade.  A saudade - fazsofrermas inspira;a ausênciadaamada é insuportável e divideosujeitopoético.  O tempo e a mudança - a mudançaé cíclica e o tempoanulaqualqueresperança.  O destino- é sobretudonasuavidaamorosa que Camõessente apresençamaléficadodestino: tentandolutarcontra a má fortuna,o sujeitopoéticorecorda,muitasvezesobempassado.
  • 3. Variedade formal: Trabalhouquase todosos génerosrestaurados:  Influênciatradicional - vilancete,cantiga,esparsa,trova;  Influênciaclássica/renascentista- soneto,canção,ode,elegia,écloga. Verso:  Medidavelha - versode 5 sílabasmétricas(redondilhamenor)e versode 7 sílabasmétricas (redondilhamaior);  Medidanova - versodecassílabocomacentona 6ª e 10ª sílabas(heroico) ouna4ª, 8ª e 10ª sílabas (sáfico). Linguageme estilo:  Adjetivaçãoexpressiva;  Pontuaçãoemotiva(exclamações,interrogações);  Expressividade de tempose modosverbais;  Uso de vocabulárioerudito(académico,adquiridoatravésdoestudo,opostoavocabuláriopopular);  Recursoà mitologia;  Predomíniode metáforas,apóstrofes,hipérboles,anáforas,hipérbatos,etc.  Alternânciaentre ritmorápidoe lento. Em suma: Momentosestruturaisdopoemae linhasde forçadominantesaolongoda suapoesia:  Reflexãosobre asuaexistência;  Invocaçãoàs forças ativasna sua desgraça;  Consideraçõessobre opoderdoAmor;  Apeloàmulheramada.