SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
DIAGNÓSTICO E   TRATAMENTO DA INCONTINÊNCIA URINÁRIA
“ Os mesmos acontecimentos, ou situações exteriores afetam de modo diverso cada pessoa e, em igual ambiente cada um vive num mundo diferente. “ (Arthur Schopenhauer) “Conclui-se que a Incontinência Urinária pode gerar sofrimento e que as mulheres incontinentes enfrentam dificuldades para lidar com esse problema.” Chirlei A Ferreira Rev Latino-am Enfermagem 2008 julho-agosto; 16(4):779-86 www.eerp.usp.br/rlae
INTRODUÇÃO INCONTINÊNCIA URINÁRIA Chirlei A Ferreira
INCONTINÊNCIA URINÁRIABREVE HISTÓRICO Os primeiros relatos vêm do Egito através dos Papiros (Papyrus Smith e PapyrusEbers) que descreviam casos de incontinência devido a trauma em  vértebras. Os Egipcios foram os primeiros a identificar diferentes formas de incontinência nas mulheres e criarem os pressários utilizados até hoje. Os gregos dominados pelos conhecimentos de Hipócrates (460-377 a.C) escreveram extensamente sobre as doenças do trato urinário: ClaudiusGalem (129-201)  foi um dos primeiros a compreender as contrações musculares e a diferença clínica da paralisia vesical após o trauma espinhal, assim como a obstrução vesical  devido a presença de pedras. WilhelmFabriciusHildanes (1560-1634) criou o modelo de deambulação utilizando bexiga de porço aderido ao corpo, Paré ou Fabricius sugeriram o clampeamento peniano que deu origem ao clamp utilizado até hoje. Chirlei A Ferreira
CONCEITO INCONTINÊNCIA URINÁRIA é a queixa de qualquer perda  involuntária de urina.  Deve estar associada a especificações para melhor defini-la: tipo, freqüência, gravidade, impacto social na higiene e qualidade de vida. Sua intensidade é medida através do número de proteção, mudança de roupa íntima ou roupas exteriores.  Chirlei A Ferreira
CLASSIFICAÇÃO Incontinência urinária de  :  é a perda de urina que ocorre quando a pessoa tosse, espirra, ri, sobe escada, corre etc. Geralmente estes casos são de causa anatômica. Incontinência por urgência:  as pessoas que tem este tipo de sintoma relatam que quando tem vontade de urinar não têm tempo de chegar ao banheiro. Isto também ocorre quando ouvem barulho de água.  Chirlei A Ferreira
CLASSIFICAÇÃO Incontinência urinária por bexiga hiper reflexa:   quadro é semelhante ao da urgência, mas tem como característica a presença de doenças neurológicas (AVC, Parkinson). Incontinência paradoxal : é a perda de urina que ocorre em pessoas com retenção urinária (obstrução uretral, hipocontratilidade da bexiga). Chirlei A Ferreira
PREVALÊNCIA De acordo com estimativas atuais , cerca de 5% da população brasileira sofre de perda de urina.  A prevalência é maior nas mulheres devido a fatores anatômicos e varia de 12% aos 50 anos até 25% aos 80 anos. Chirlei A Ferreira
REVISÃO ANATÔMICA INCONTINÊNCIA URINÁRIA Chirlei A Ferreira UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO
ESTRUTURAS ÓSSEAS E LIGAMENTOS Chirlei A Ferreira
SISTEMA DE SUSTENTAÇÃO DA PELVE Chirlei A Ferreira A   PELVE  ÓSSEA  É   REVESTIDA   EXTERIORMENTE   PELAS  PARTES  MOLES  E  A  SUPERFÍCIE  INTERNA  OU  ESCAVAÇÃO  PÉLVICA  POR MÚSCULOS  E  APONEUROSES  MÚSCULOS PARIETAIS M. PIRIFORME M. OBTURADOR DIAFRAGMA PÉLVICO DIAFRAGMA UROGENITAL MÚSCULOS  DO ASSOALHO PÉLVICO AS  FIBRAS   MUSCULARES  DE  UM  LADO  DO  DIAFRAGMA PÉLVICO NÃO SE JUNTAM  COM O LADO OPOSTO FORMANDO UM PONTO FRÁGIL  CHAMADO  “RETINÁCULO UTERIS” QUE FAVORECE  OS  PROLAPSOS GENITAIS
SISTEMA DE SUSTENTAÇÃO – ASSOALHO PÉLVICO Chirlei A Ferreira DIAFRAGMA PÉLVICO M. ELEVADOR         M. COCCÍGEO  DOÂNUS M. PUBORRETAL M. PUBOCOCCÍGEO M. ILIOCOCCÍGEO
SISTEMA DE SUSTENTAÇÃO – DIAFRAGMA URO-GENITAL Chirlei A Ferreira TRÍGONO UROGENITAL :  ,[object Object]
M. BULBOESPONJOSO
M. TRANSVERSO SUPERF.DO PERÍNEO ,[object Object]
M. ESFÍNCTER  DA URETRA,[object Object],[object Object]
FISIOLOGIA DA MICÇÃO INCONTINÊNCIA URINÁRIA Chirlei A Ferreira
NEUROFISIOLOGIA DA MICÇÃO  Chirlei A Ferreira INIBIÇÃO DO DETRUSOR CONSCIENTE INCONSCIENTE GÂNGLIOS BASAIS CÓRTEX CEREBRAL MAIS DE 50% DA CAPACIDADE VESICAL INICIO DO ENCHIMENTO MEDULA S2 e S4 NERVOS PÉLVICOS FIBRAS AFERENTES PROPRIOCEPTIVAS NOS RECEPTORES VESICAIS
NEUROFISIOLOGIA DA MICÇÃO  Chirlei A Ferreira Local e Hora Adequados  Relaxamento do assoalho pélvico e rabdoesfíncter Supressão dos efeitos inibitórios de córtex Descarga parassimpática Nervos pélvicos Contração detrusora (60cmH2O) Abertura do colo vesical e encurtamento da uretra Micção
NEUROFISIOLOGIA DA MICÇÃO  Chirlei A Ferreira Micção Diminuição do fluxo urinário Diminuição da pressão vesical Contração do assoalho pélvico e rabdoesfíncter Inibição  inconsciente nos gânglios basais  Inicio da Fase de Armazenamento
FISIOLOGIA DA MICÇÃO ENCHIMENTO RELAXAMENTO Chirlei A Ferreira
DIAGNÓSTICO INCONTINÊNCIA URINÁRIA Chirlei A Ferreira
DIAGNÓSTICO QUEIXAS FREQUENTES (FORMAS DE EXPRESSÃO) Stress Perda pelo esforço(tosse, riso, espirro...); Transbordamento Não esvazia completamente a bexiga Dorme a noite toda, mas, ao levantar-se perde urina.  Sente urgência para urinar, mas às vezes não pode;  Não esvazia completamente a bexiga após a micção;  Acordar a noite para urinar.  Chirlei A Ferreira
FATORES PREDISPONENTES FATORES Parto vaginal:  mais freqüente em multíparas; Alterações anatômicas:   relacionada a prolapsos comprometendo estruturas esfincterianas e nervos; Idade; Deficiência Estrogênica; Cirurgias Prévias para a correção de prolapso genital podem levar a incontinência; Tabagismo Obesidade Chirlei A Ferreira
FATORES PREDISPONENTES Chirlei A Ferreira
FATORES PREDISPONENTES Chirlei A Ferreira
ANAMNESE Queixa e duração dos sintomas; Tipos de sintomas; Tempo de aparecimento dos sintomas; Situações que ocorre a perda; Fator desencadeante; Hábitos de vida(cigarro, álcool, alimentação, obesidade); Medicações; Hábitos intestinais: número de evacuações por semana/ período de tempo para evacuar; Fatores que melhoram e que pioram os sintomas; Relacionamento com cirurgia ou parto normal. Chirlei A Ferreira
EXAME FÍSICO INSPECÇÃO ABDOMINAL Estado da pele,cicatrizes/aderências,estrias, zonas dolorosas,hérnias. ASSOALHO PÉLVICO Presença de irritação local; Presença de corrimentos; Presença de escoriações; Presença de micoses; Presença de cicatrizes; Presença de epsiotomias; Presença de varicosidades; Mucosa hiperêmica. Chirlei A Ferreira
EXAME FÍSICO Força Muscular (Abdominal e assoalho pélvico) Diástase dos retos abdominais Núcleo fibroso central do períneo Chirlei A Ferreira
EXAME FÍSICO ,[object Object],através da palpação das  paredes vaginais, capacidade de realizar contração voluntária (introduzindo-se os dedos indicadores e dedos médios  devidamente calçados de luva, dentro do canal vaginal); ,[object Object],Chirlei A Ferreira
EXAME FÍSICO PRESENÇA DE PROLAPSOS A avaliação sistemática por prolapsos dos órgãos pélvicos é altamente recomendado,  Mulheres que apresentam prolapsos de órgãos pélvicos devem ter seus prolapsos tratados apropriadamente,  Chirlei A Ferreira
EXAMES COMPLEMENTARES Sedimento urinário e urocultura; Teste da elevação do colo vesical ou teste de Bonney: Bexiga vazia, posição de litotomia, introduz uma sonda de Foley n°12 na luz uretral, infla-se o balão e com um leve movimento traciona-se a sonda em direção a sínfise púbica, com o objetivo de avaliar a mobilidade do colo vesical, introduz soro fisiológico e posteriormente avalia a perda urinária sem e com manobra de elevação uretral; Teste contestado, considerado somente como avaliação cistométrica Chirlei A Ferreira
EXAMES COMPLEMENTARES Teste do Cotonete ou “Q tiptest”  Consiste na avaliação do desvio rotacional do colo vesical, para trás e para baixo da sínfise pública, aferido em graus, mediante esforço físico. Estudiosos como Stanton diz que esse teste por ter um falso positivo de até 50%, tem a vantagem da inocuidade e praticidade, uma vez realizado de forma correta. Chirlei A Ferreira
URODINÂMICA INDICAÇÕES: O estudo urodinâmico está indicado nos pacientes que apresentam incontinência urinária, obstrução infravesical e disfunção vesical de origem neurogênica primária ou adquirida, sendo utilizado como exame diagnóstico e de seguimento. Chirlei A Ferreira
ESTUDOS MICCIONAIS  DE FLUXO E PRESSÃO Estudos de fluxo-pressão são essenciais para uma classificação funcional completa das desordens do Trato Urinário Inferior. DEFINIÇÃO DOS PARÂMETROS: 		1. Tempo de abertura: tempo entre a elevação da pressão do detrusor e o início do fluxo. Tempos prolongados ocorrem em obstruções das vias de esvaziamento do trato urinário inferior. 		2. Pressões pré-miccionais: pressão imediatamente anterior ao início da contração da micção 		3. Pressões de abertura: pressão registrada no início da micção. 		4. Pressões de fluxo máximo: é a pressão que ocorre durante o fluxo máximo. 		5. Pressão vesical máxima: pressão máxima de micção independentemente do fluxo. 		6. Pressão de contração no fluxo máximo: Pves no fluxo máximo – Pvespré-miccional. Chirlei A Ferreira
ULTRASSOM NA MOBILIDADE DA JUNÇÃO URETRO-VESICAL O exame ultrassonográfico da Junção Uretro - Vesical e da Uretra Proximal tem sido usado cada vez mais na avaliação pré-operatória de pacientes com Incontinência Urinária de Esforço e no pós-operatório, para estabelecer parâmetros topográficos de posicionamento da junção e da uretra proximal. Chirlei A Ferreira
TRATAMENTO DA INCONTINÊNICA URINÁRIA Chirlei A Ferreira
ABORDAGEM  INICIAL INTERVENÇÕES NO ESTILO DE VIDA Treinamento do assoalho pélvico para mulheres com incontinência  por estresse, urgência ou mista, Redução do peso, do fumo, modificação da dieta e ingestão  de líquidos (evitar cafeína) DEFICIÊNCIA ESTROGÊNICA Reposição local ou sistêmica TRATAMENTO DE INFECÇÕES Uso de medicação adequada INCONTINÊNCIA URINÁRIA POR INSTABILIDADE DO DETRUSOR Casos de instabilidade do detrusor a introdução de antimuscarínicos. Chirlei A Ferreira Inicialmente mantida por 8-12 semanas antes de referência a tratamentos mais agressivos
TRATAMENTO CONSERVADOR REFORÇO DA ASSOALO PÉLVICO ATRAVÉS DA FISIOTERAPIA Uso de cones vaginais,  Eletro estimulação da musculatura pélvica Chirlei A Ferreira
TRATAMENTO CONSERVADOR PACIENTES COM PROLAPSOS SEM CONDIÇÕES CIRÚRGICAS USO DE PRESSÁRIOS Chirlei A Ferreira
TRATAMENTO ESPECIALIZADO INCONTINÊNCIA  URINÁRIA GENUÍNA Recomendado nas pacientes que apresentam  algum grau de mobilidade da junção uretra-vesical Inclui diversas formas de tratamento cirúrgico e não cirúrgico Procedimentos de suspensão retro-pubica,  Operação de Sling cuja finalidade é elevar essa junção Pacientes com DEFICIÊNCIA ESFINCTERIANA e limitada mobilidade junção uretro-vesical, os procedimentos de escolha são: Sling, injeções de agentes artificial para realizar a compressão da região do esfincter. URGÊNCIA URINÁRIA POR HIPERATIVIDADE DO DETRUSOR Pode ser tratada por neuromodulação ou  acréscimo vesical A toxina botulínica esta se mostrando como um bom tratamento sintomático dos casos de hiperatividade do  detrusor não responsiva a outras terapias. Chirlei A Ferreira
TRATAMENTO ESPECIALIZADO TRATAMENTO DOS PROLAPSOS Conservador, Reconstrução cirúrgica Chirlei A Ferreira
Chirlei A Ferreira
Chirlei A Ferreira
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Chirlei A Ferreira
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SCHULTHEISS D, A BriefHistoryofUrinaryIncontinenceand its Treatment, in EvaluationandTreatmentofUrinaryIncontinence, PelvicOrganProlapseandFaecalIncontinence, 2005, 21-34 GOODE AEP, MILLS I , SHULL B,  YOUSHIBA M,  ZUBIETA R.  InitialAssessmentofIncontinence, inEvaluationandTreatmentofUrinaryIncontinence, PelvicOrganProlapseandFaecalIncontinence, 2005, cap.9, 485-517. HIGA R, LOPES MHBM, TURATO EG.  PsiychoculturalMeaningsofUrinaryincontince in women: a rewiew. Rev. Latino-am Enfermagem, 2008 julho-agosto; 16(4):779-86 BRANDT FT, et.  Al. Ultrassonografia uretrovesical como método eficaz de avaliação dos parâmetros prognósticos de tratamento cirúrgico da incontinência de esforço. In RadiolBras, 2009 mai/Jun; 42 (3): 165-169 ABRAMS P et al. 3rd InternationalConsultationonIncontinenceRecommendationsoftheInternationalScientificCommittee: EvaluationandTreatmentofUrinaryIncontinence, PelvicOrganProlapseandFaecalIncontinence, 2005. Chirlei A Ferreira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Infe cções do Trato Urinário
Infe cções do Trato UrinárioInfe cções do Trato Urinário
Infe cções do Trato UrinárioUrovideo.org
 
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publica
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publicafisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publica
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publicaDelainy Batista
 
Principais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes GeriatricasPrincipais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes GeriatricasJoão Paulo França
 
Coordenação motora
Coordenação motoraCoordenação motora
Coordenação motorapauloalambert
 
Gigantes da Geriatria
Gigantes da GeriatriaGigantes da Geriatria
Gigantes da GeriatriaDany Romeira
 
Conceitos Básicos
Conceitos BásicosConceitos Básicos
Conceitos Básicosagemais
 
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)Davyson Sampaio
 
Disfunção miccional Bexiga Neurogênica
Disfunção miccional Bexiga NeurogênicaDisfunção miccional Bexiga Neurogênica
Disfunção miccional Bexiga NeurogênicaUrovideo.org
 
Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
 Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idosoKeylla Tayne
 
Síndromes diarréicas 17
Síndromes diarréicas 17Síndromes diarréicas 17
Síndromes diarréicas 17pauloalambert
 
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhosDesenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhosJessica Monteiro
 
Parede abdominal (Anatomia e Hérnias)
Parede abdominal (Anatomia e Hérnias)Parede abdominal (Anatomia e Hérnias)
Parede abdominal (Anatomia e Hérnias)Brenda Lahlou
 

Mais procurados (20)

Incontinência Urinária
Incontinência UrináriaIncontinência Urinária
Incontinência Urinária
 
Infe cções do Trato Urinário
Infe cções do Trato UrinárioInfe cções do Trato Urinário
Infe cções do Trato Urinário
 
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publica
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publicafisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publica
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publica
 
Principais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes GeriatricasPrincipais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes Geriatricas
 
Alterações Envelhecimento
Alterações EnvelhecimentoAlterações Envelhecimento
Alterações Envelhecimento
 
SEXUALIDADE E ENVELHECIMENTO
SEXUALIDADE E ENVELHECIMENTOSEXUALIDADE E ENVELHECIMENTO
SEXUALIDADE E ENVELHECIMENTO
 
Coordenação motora
Coordenação motoraCoordenação motora
Coordenação motora
 
Disfunção Erétil
Disfunção ErétilDisfunção Erétil
Disfunção Erétil
 
Gigantes da Geriatria
Gigantes da GeriatriaGigantes da Geriatria
Gigantes da Geriatria
 
Conceitos Básicos
Conceitos BásicosConceitos Básicos
Conceitos Básicos
 
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
 
Disfunção miccional Bexiga Neurogênica
Disfunção miccional Bexiga NeurogênicaDisfunção miccional Bexiga Neurogênica
Disfunção miccional Bexiga Neurogênica
 
Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
 Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
 
Saúde do idoso
 Saúde do idoso Saúde do idoso
Saúde do idoso
 
Síndromes diarréicas 17
Síndromes diarréicas 17Síndromes diarréicas 17
Síndromes diarréicas 17
 
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhosDesenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
 
Parede abdominal (Anatomia e Hérnias)
Parede abdominal (Anatomia e Hérnias)Parede abdominal (Anatomia e Hérnias)
Parede abdominal (Anatomia e Hérnias)
 
Queda do idoso
Queda do idosoQueda do idoso
Queda do idoso
 
Pnps
Pnps   Pnps
Pnps
 
Saude do idoso
Saude do idosoSaude do idoso
Saude do idoso
 

Destaque

Incontinencia urinaria
Incontinencia urinariaIncontinencia urinaria
Incontinencia urinariaAriana Garcia
 
Fisioterapia em ginecologia e obstetrícia
Fisioterapia em ginecologia e obstetríciaFisioterapia em ginecologia e obstetrícia
Fisioterapia em ginecologia e obstetríciaSilvia  Monteiro
 
75253165 urofisioterapia-br
75253165 urofisioterapia-br75253165 urofisioterapia-br
75253165 urofisioterapia-brCENTER FISIO
 
Aula fisioterapia assoalho rn 2013
Aula fisioterapia assoalho rn 2013Aula fisioterapia assoalho rn 2013
Aula fisioterapia assoalho rn 2013Ariel Scafuri
 
Anatomia Funcional do Assoalho Pélvico
Anatomia Funcional do Assoalho PélvicoAnatomia Funcional do Assoalho Pélvico
Anatomia Funcional do Assoalho PélvicoUrovideo.org
 
Aula x pelve e musculo do assoalho pelvico
Aula x pelve e musculo do assoalho pelvicoAula x pelve e musculo do assoalho pelvico
Aula x pelve e musculo do assoalho pelvicofernando
 
Enfermagem na assistencia ao idoso slid
Enfermagem na assistencia ao idoso slidEnfermagem na assistencia ao idoso slid
Enfermagem na assistencia ao idoso slidAna Paula Oliveira
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularIsmael Costa
 
A relação do grau de força muscular do assoalho pélvico com a satisfação sexu...
A relação do grau de força muscular do assoalho pélvico com a satisfação sexu...A relação do grau de força muscular do assoalho pélvico com a satisfação sexu...
A relação do grau de força muscular do assoalho pélvico com a satisfação sexu...Physical Therapy
 
Medico fisioterapeuta
Medico fisioterapeutaMedico fisioterapeuta
Medico fisioterapeutaabdiellow
 
Fisioterapia no climatério
Fisioterapia no climatério Fisioterapia no climatério
Fisioterapia no climatério Dagila Rodrigues
 

Destaque (20)

Incontinencia Urinaria
Incontinencia UrinariaIncontinencia Urinaria
Incontinencia Urinaria
 
(2014-06-12) Incontinencia urinaria (PPT)
(2014-06-12) Incontinencia urinaria (PPT)(2014-06-12) Incontinencia urinaria (PPT)
(2014-06-12) Incontinencia urinaria (PPT)
 
Incontinencia urinaria
Incontinencia urinaria Incontinencia urinaria
Incontinencia urinaria
 
Incontinencia urinaria
Incontinencia urinariaIncontinencia urinaria
Incontinencia urinaria
 
Incontinência Urinaria
Incontinência UrinariaIncontinência Urinaria
Incontinência Urinaria
 
Fisioterapia em ginecologia e obstetrícia
Fisioterapia em ginecologia e obstetríciaFisioterapia em ginecologia e obstetrícia
Fisioterapia em ginecologia e obstetrícia
 
75253165 urofisioterapia-br
75253165 urofisioterapia-br75253165 urofisioterapia-br
75253165 urofisioterapia-br
 
Aula fisioterapia assoalho rn 2013
Aula fisioterapia assoalho rn 2013Aula fisioterapia assoalho rn 2013
Aula fisioterapia assoalho rn 2013
 
Incontinencia Urinaria
Incontinencia UrinariaIncontinencia Urinaria
Incontinencia Urinaria
 
Anatomia Funcional do Assoalho Pélvico
Anatomia Funcional do Assoalho PélvicoAnatomia Funcional do Assoalho Pélvico
Anatomia Funcional do Assoalho Pélvico
 
Incontinencia urinaria en postparto y premenopausia
Incontinencia  urinaria en postparto y premenopausiaIncontinencia  urinaria en postparto y premenopausia
Incontinencia urinaria en postparto y premenopausia
 
Aula x pelve e musculo do assoalho pelvico
Aula x pelve e musculo do assoalho pelvicoAula x pelve e musculo do assoalho pelvico
Aula x pelve e musculo do assoalho pelvico
 
Enfermagem na assistencia ao idoso slid
Enfermagem na assistencia ao idoso slidEnfermagem na assistencia ao idoso slid
Enfermagem na assistencia ao idoso slid
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regular
 
Terceira Idade
Terceira IdadeTerceira Idade
Terceira Idade
 
Incontinencia urinaria
Incontinencia urinariaIncontinencia urinaria
Incontinencia urinaria
 
A relação do grau de força muscular do assoalho pélvico com a satisfação sexu...
A relação do grau de força muscular do assoalho pélvico com a satisfação sexu...A relação do grau de força muscular do assoalho pélvico com a satisfação sexu...
A relação do grau de força muscular do assoalho pélvico com a satisfação sexu...
 
Medico fisioterapeuta
Medico fisioterapeutaMedico fisioterapeuta
Medico fisioterapeuta
 
Fisioterapia no climatério
Fisioterapia no climatério Fisioterapia no climatério
Fisioterapia no climatério
 
O valor ..compatibilidade
O valor ..compatibilidadeO valor ..compatibilidade
O valor ..compatibilidade
 

Semelhante a Diagnóstico e tratamento da incontinência urinária

DiagnóStico E Tratamento Da Infertilidade
DiagnóStico E Tratamento Da InfertilidadeDiagnóStico E Tratamento Da Infertilidade
DiagnóStico E Tratamento Da Infertilidadechirlei ferreira
 
Incontinência urinária na pessa idosa
Incontinência urinária na pessa idosaIncontinência urinária na pessa idosa
Incontinência urinária na pessa idosaHumberto Amadori
 
Anamnese RelaçãO Medico Paciente Exame FíSico
Anamnese RelaçãO Medico Paciente  Exame FíSicoAnamnese RelaçãO Medico Paciente  Exame FíSico
Anamnese RelaçãO Medico Paciente Exame FíSicochirlei ferreira
 
DiagnóStico E Tratamento Do ClimatéRio
DiagnóStico E Tratamento Do ClimatéRioDiagnóStico E Tratamento Do ClimatéRio
DiagnóStico E Tratamento Do ClimatéRiochirlei ferreira
 
Apresentação de Caso Clínico Professor Robson
Apresentação de Caso Clínico Professor RobsonApresentação de Caso Clínico Professor Robson
Apresentação de Caso Clínico Professor RobsonProfessor Robson
 
Sangramento uterino anormal
Sangramento uterino anormalSangramento uterino anormal
Sangramento uterino anormalchirlei ferreira
 
É UM SEMINARIO SOBRE O SISTEMA URINÁRIO.pptx
É UM SEMINARIO SOBRE O SISTEMA URINÁRIO.pptxÉ UM SEMINARIO SOBRE O SISTEMA URINÁRIO.pptx
É UM SEMINARIO SOBRE O SISTEMA URINÁRIO.pptxmiressmonteiro0105
 
Anatomia e fisiologia vesical
Anatomia e fisiologia vesical Anatomia e fisiologia vesical
Anatomia e fisiologia vesical Ketinlly
 
Abdomen Agudo GinecolóGico
Abdomen Agudo GinecolóGicoAbdomen Agudo GinecolóGico
Abdomen Agudo GinecolóGicochirlei ferreira
 
Caso Clínico infecção
Caso Clínico  infecçãoCaso Clínico  infecção
Caso Clínico infecçãokaheluis
 
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRiasDiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRiaschirlei ferreira
 
Abordagem A Paciente Com Sangramento Chirlei
Abordagem A Paciente Com Sangramento ChirleiAbordagem A Paciente Com Sangramento Chirlei
Abordagem A Paciente Com Sangramento Chirleichirlei ferreira
 
APENDICITE AGUDA.pdf
APENDICITE AGUDA.pdfAPENDICITE AGUDA.pdf
APENDICITE AGUDA.pdfSamuel Dianin
 
Azoospermia e Técnica de Extração de Espermatozóides
Azoospermia e Técnica de Extração de EspermatozóidesAzoospermia e Técnica de Extração de Espermatozóides
Azoospermia e Técnica de Extração de EspermatozóidesSandro Esteves
 
Aula 2 - Sistema reprodutor masculino 1.pptx
Aula 2 - Sistema reprodutor masculino 1.pptxAula 2 - Sistema reprodutor masculino 1.pptx
Aula 2 - Sistema reprodutor masculino 1.pptxkayofernandesflorenc
 

Semelhante a Diagnóstico e tratamento da incontinência urinária (20)

DiagnóStico E Tratamento Da Infertilidade
DiagnóStico E Tratamento Da InfertilidadeDiagnóStico E Tratamento Da Infertilidade
DiagnóStico E Tratamento Da Infertilidade
 
Incontinência urinária na pessa idosa
Incontinência urinária na pessa idosaIncontinência urinária na pessa idosa
Incontinência urinária na pessa idosa
 
Anamnese RelaçãO Medico Paciente Exame FíSico
Anamnese RelaçãO Medico Paciente  Exame FíSicoAnamnese RelaçãO Medico Paciente  Exame FíSico
Anamnese RelaçãO Medico Paciente Exame FíSico
 
DiagnóStico E Tratamento Do ClimatéRio
DiagnóStico E Tratamento Do ClimatéRioDiagnóStico E Tratamento Do ClimatéRio
DiagnóStico E Tratamento Do ClimatéRio
 
Apresentação de Caso Clínico Professor Robson
Apresentação de Caso Clínico Professor RobsonApresentação de Caso Clínico Professor Robson
Apresentação de Caso Clínico Professor Robson
 
Amenorréias: o que está por trás da ausência de menstruação?
Amenorréias: o que está por trás da ausência de menstruação?Amenorréias: o que está por trás da ausência de menstruação?
Amenorréias: o que está por trás da ausência de menstruação?
 
Anatomia e fisiologia vesical
Anatomia e fisiologia vesicalAnatomia e fisiologia vesical
Anatomia e fisiologia vesical
 
Sangramento uterino anormal
Sangramento uterino anormalSangramento uterino anormal
Sangramento uterino anormal
 
É UM SEMINARIO SOBRE O SISTEMA URINÁRIO.pptx
É UM SEMINARIO SOBRE O SISTEMA URINÁRIO.pptxÉ UM SEMINARIO SOBRE O SISTEMA URINÁRIO.pptx
É UM SEMINARIO SOBRE O SISTEMA URINÁRIO.pptx
 
Pronto !! distúrbios urinários do climatér ioooo
Pronto !!   distúrbios urinários do climatér iooooPronto !!   distúrbios urinários do climatér ioooo
Pronto !! distúrbios urinários do climatér ioooo
 
Anatomia e fisiologia vesical
Anatomia e fisiologia vesical Anatomia e fisiologia vesical
Anatomia e fisiologia vesical
 
Abdomen Agudo GinecolóGico
Abdomen Agudo GinecolóGicoAbdomen Agudo GinecolóGico
Abdomen Agudo GinecolóGico
 
Caso Clínico infecção
Caso Clínico  infecçãoCaso Clínico  infecção
Caso Clínico infecção
 
Climatério e PF 2017
Climatério e PF 2017Climatério e PF 2017
Climatério e PF 2017
 
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRiasDiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias
 
Abordagem A Paciente Com Sangramento Chirlei
Abordagem A Paciente Com Sangramento ChirleiAbordagem A Paciente Com Sangramento Chirlei
Abordagem A Paciente Com Sangramento Chirlei
 
APENDICITE AGUDA.pdf
APENDICITE AGUDA.pdfAPENDICITE AGUDA.pdf
APENDICITE AGUDA.pdf
 
Uretrocistografia Miccional e Retrógrada
Uretrocistografia Miccional e RetrógradaUretrocistografia Miccional e Retrógrada
Uretrocistografia Miccional e Retrógrada
 
Azoospermia e Técnica de Extração de Espermatozóides
Azoospermia e Técnica de Extração de EspermatozóidesAzoospermia e Técnica de Extração de Espermatozóides
Azoospermia e Técnica de Extração de Espermatozóides
 
Aula 2 - Sistema reprodutor masculino 1.pptx
Aula 2 - Sistema reprodutor masculino 1.pptxAula 2 - Sistema reprodutor masculino 1.pptx
Aula 2 - Sistema reprodutor masculino 1.pptx
 

Mais de chirlei ferreira

Alterações benignas da mama
Alterações benignas da mamaAlterações benignas da mama
Alterações benignas da mamachirlei ferreira
 
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmicaCorrelacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmicachirlei ferreira
 
Gravidez na adolescência aula
Gravidez na adolescência   aulaGravidez na adolescência   aula
Gravidez na adolescência aulachirlei ferreira
 
Gravidez após técnica de reprodução assistida
Gravidez   após  técnica de   reprodução  assistidaGravidez   após  técnica de   reprodução  assistida
Gravidez após técnica de reprodução assistidachirlei ferreira
 
Dor pélvica aguda em ginecologia
Dor pélvica aguda em ginecologiaDor pélvica aguda em ginecologia
Dor pélvica aguda em ginecologiachirlei ferreira
 
Desafios atuais do ensino de go
Desafios atuais do ensino de goDesafios atuais do ensino de go
Desafios atuais do ensino de gochirlei ferreira
 
Câncer de mama rastreamento e diagnostico
Câncer de mama   rastreamento e diagnosticoCâncer de mama   rastreamento e diagnostico
Câncer de mama rastreamento e diagnosticochirlei ferreira
 
Assistencia a mulher vitima de violencia sexual
Assistencia a mulher vitima de violencia sexualAssistencia a mulher vitima de violencia sexual
Assistencia a mulher vitima de violencia sexualchirlei ferreira
 
Abordagem das infecções congênitas na gravidez
Abordagem das infecções congênitas na gravidezAbordagem das infecções congênitas na gravidez
Abordagem das infecções congênitas na gravidezchirlei ferreira
 
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvicaCorrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvicachirlei ferreira
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Riscochirlei ferreira
 
DoençA Hipertensiva EspecíFica Da Gravidez
DoençA Hipertensiva EspecíFica Da GravidezDoençA Hipertensiva EspecíFica Da Gravidez
DoençA Hipertensiva EspecíFica Da Gravidezchirlei ferreira
 

Mais de chirlei ferreira (20)

Alterações benignas da mama
Alterações benignas da mamaAlterações benignas da mama
Alterações benignas da mama
 
Spinoza slides
Spinoza slidesSpinoza slides
Spinoza slides
 
O banquete
O banqueteO banquete
O banquete
 
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmicaCorrelacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
 
Tumores de ovário
Tumores de ovárioTumores de ovário
Tumores de ovário
 
O sus e o ensino médico
O sus e o ensino médicoO sus e o ensino médico
O sus e o ensino médico
 
Gravidez na adolescência aula
Gravidez na adolescência   aulaGravidez na adolescência   aula
Gravidez na adolescência aula
 
Gravidez após técnica de reprodução assistida
Gravidez   após  técnica de   reprodução  assistidaGravidez   após  técnica de   reprodução  assistida
Gravidez após técnica de reprodução assistida
 
Dor pélvica aguda em ginecologia
Dor pélvica aguda em ginecologiaDor pélvica aguda em ginecologia
Dor pélvica aguda em ginecologia
 
Desafios atuais do ensino de go
Desafios atuais do ensino de goDesafios atuais do ensino de go
Desafios atuais do ensino de go
 
Câncer de mama rastreamento e diagnostico
Câncer de mama   rastreamento e diagnosticoCâncer de mama   rastreamento e diagnostico
Câncer de mama rastreamento e diagnostico
 
Assistencia a mulher vitima de violencia sexual
Assistencia a mulher vitima de violencia sexualAssistencia a mulher vitima de violencia sexual
Assistencia a mulher vitima de violencia sexual
 
Abordagem das infecções congênitas na gravidez
Abordagem das infecções congênitas na gravidezAbordagem das infecções congênitas na gravidez
Abordagem das infecções congênitas na gravidez
 
O Banquete
O BanqueteO Banquete
O Banquete
 
Endometriose
EndometrioseEndometriose
Endometriose
 
O Lago
O LagoO Lago
O Lago
 
Tumores Ovarianos
Tumores OvarianosTumores Ovarianos
Tumores Ovarianos
 
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvicaCorrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
DoençA Hipertensiva EspecíFica Da Gravidez
DoençA Hipertensiva EspecíFica Da GravidezDoençA Hipertensiva EspecíFica Da Gravidez
DoençA Hipertensiva EspecíFica Da Gravidez
 

Último

Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfAlberto205764
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxLeonardoSauro1
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxssuser4ba5b7
 

Último (9)

Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
 

Diagnóstico e tratamento da incontinência urinária

  • 1. DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INCONTINÊNCIA URINÁRIA
  • 2. “ Os mesmos acontecimentos, ou situações exteriores afetam de modo diverso cada pessoa e, em igual ambiente cada um vive num mundo diferente. “ (Arthur Schopenhauer) “Conclui-se que a Incontinência Urinária pode gerar sofrimento e que as mulheres incontinentes enfrentam dificuldades para lidar com esse problema.” Chirlei A Ferreira Rev Latino-am Enfermagem 2008 julho-agosto; 16(4):779-86 www.eerp.usp.br/rlae
  • 4. INCONTINÊNCIA URINÁRIABREVE HISTÓRICO Os primeiros relatos vêm do Egito através dos Papiros (Papyrus Smith e PapyrusEbers) que descreviam casos de incontinência devido a trauma em vértebras. Os Egipcios foram os primeiros a identificar diferentes formas de incontinência nas mulheres e criarem os pressários utilizados até hoje. Os gregos dominados pelos conhecimentos de Hipócrates (460-377 a.C) escreveram extensamente sobre as doenças do trato urinário: ClaudiusGalem (129-201) foi um dos primeiros a compreender as contrações musculares e a diferença clínica da paralisia vesical após o trauma espinhal, assim como a obstrução vesical devido a presença de pedras. WilhelmFabriciusHildanes (1560-1634) criou o modelo de deambulação utilizando bexiga de porço aderido ao corpo, Paré ou Fabricius sugeriram o clampeamento peniano que deu origem ao clamp utilizado até hoje. Chirlei A Ferreira
  • 5. CONCEITO INCONTINÊNCIA URINÁRIA é a queixa de qualquer perda involuntária de urina. Deve estar associada a especificações para melhor defini-la: tipo, freqüência, gravidade, impacto social na higiene e qualidade de vida. Sua intensidade é medida através do número de proteção, mudança de roupa íntima ou roupas exteriores. Chirlei A Ferreira
  • 6. CLASSIFICAÇÃO Incontinência urinária de : é a perda de urina que ocorre quando a pessoa tosse, espirra, ri, sobe escada, corre etc. Geralmente estes casos são de causa anatômica. Incontinência por urgência: as pessoas que tem este tipo de sintoma relatam que quando tem vontade de urinar não têm tempo de chegar ao banheiro. Isto também ocorre quando ouvem barulho de água. Chirlei A Ferreira
  • 7. CLASSIFICAÇÃO Incontinência urinária por bexiga hiper reflexa: quadro é semelhante ao da urgência, mas tem como característica a presença de doenças neurológicas (AVC, Parkinson). Incontinência paradoxal : é a perda de urina que ocorre em pessoas com retenção urinária (obstrução uretral, hipocontratilidade da bexiga). Chirlei A Ferreira
  • 8. PREVALÊNCIA De acordo com estimativas atuais , cerca de 5% da população brasileira sofre de perda de urina. A prevalência é maior nas mulheres devido a fatores anatômicos e varia de 12% aos 50 anos até 25% aos 80 anos. Chirlei A Ferreira
  • 9. REVISÃO ANATÔMICA INCONTINÊNCIA URINÁRIA Chirlei A Ferreira UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO
  • 10. ESTRUTURAS ÓSSEAS E LIGAMENTOS Chirlei A Ferreira
  • 11. SISTEMA DE SUSTENTAÇÃO DA PELVE Chirlei A Ferreira A PELVE ÓSSEA É REVESTIDA EXTERIORMENTE PELAS PARTES MOLES E A SUPERFÍCIE INTERNA OU ESCAVAÇÃO PÉLVICA POR MÚSCULOS E APONEUROSES MÚSCULOS PARIETAIS M. PIRIFORME M. OBTURADOR DIAFRAGMA PÉLVICO DIAFRAGMA UROGENITAL MÚSCULOS DO ASSOALHO PÉLVICO AS FIBRAS MUSCULARES DE UM LADO DO DIAFRAGMA PÉLVICO NÃO SE JUNTAM COM O LADO OPOSTO FORMANDO UM PONTO FRÁGIL CHAMADO “RETINÁCULO UTERIS” QUE FAVORECE OS PROLAPSOS GENITAIS
  • 12. SISTEMA DE SUSTENTAÇÃO – ASSOALHO PÉLVICO Chirlei A Ferreira DIAFRAGMA PÉLVICO M. ELEVADOR M. COCCÍGEO DOÂNUS M. PUBORRETAL M. PUBOCOCCÍGEO M. ILIOCOCCÍGEO
  • 13.
  • 15.
  • 16.
  • 17. FISIOLOGIA DA MICÇÃO INCONTINÊNCIA URINÁRIA Chirlei A Ferreira
  • 18. NEUROFISIOLOGIA DA MICÇÃO Chirlei A Ferreira INIBIÇÃO DO DETRUSOR CONSCIENTE INCONSCIENTE GÂNGLIOS BASAIS CÓRTEX CEREBRAL MAIS DE 50% DA CAPACIDADE VESICAL INICIO DO ENCHIMENTO MEDULA S2 e S4 NERVOS PÉLVICOS FIBRAS AFERENTES PROPRIOCEPTIVAS NOS RECEPTORES VESICAIS
  • 19. NEUROFISIOLOGIA DA MICÇÃO Chirlei A Ferreira Local e Hora Adequados Relaxamento do assoalho pélvico e rabdoesfíncter Supressão dos efeitos inibitórios de córtex Descarga parassimpática Nervos pélvicos Contração detrusora (60cmH2O) Abertura do colo vesical e encurtamento da uretra Micção
  • 20. NEUROFISIOLOGIA DA MICÇÃO Chirlei A Ferreira Micção Diminuição do fluxo urinário Diminuição da pressão vesical Contração do assoalho pélvico e rabdoesfíncter Inibição inconsciente nos gânglios basais Inicio da Fase de Armazenamento
  • 21. FISIOLOGIA DA MICÇÃO ENCHIMENTO RELAXAMENTO Chirlei A Ferreira
  • 23. DIAGNÓSTICO QUEIXAS FREQUENTES (FORMAS DE EXPRESSÃO) Stress Perda pelo esforço(tosse, riso, espirro...); Transbordamento Não esvazia completamente a bexiga Dorme a noite toda, mas, ao levantar-se perde urina. Sente urgência para urinar, mas às vezes não pode; Não esvazia completamente a bexiga após a micção; Acordar a noite para urinar. Chirlei A Ferreira
  • 24. FATORES PREDISPONENTES FATORES Parto vaginal: mais freqüente em multíparas; Alterações anatômicas: relacionada a prolapsos comprometendo estruturas esfincterianas e nervos; Idade; Deficiência Estrogênica; Cirurgias Prévias para a correção de prolapso genital podem levar a incontinência; Tabagismo Obesidade Chirlei A Ferreira
  • 27. ANAMNESE Queixa e duração dos sintomas; Tipos de sintomas; Tempo de aparecimento dos sintomas; Situações que ocorre a perda; Fator desencadeante; Hábitos de vida(cigarro, álcool, alimentação, obesidade); Medicações; Hábitos intestinais: número de evacuações por semana/ período de tempo para evacuar; Fatores que melhoram e que pioram os sintomas; Relacionamento com cirurgia ou parto normal. Chirlei A Ferreira
  • 28. EXAME FÍSICO INSPECÇÃO ABDOMINAL Estado da pele,cicatrizes/aderências,estrias, zonas dolorosas,hérnias. ASSOALHO PÉLVICO Presença de irritação local; Presença de corrimentos; Presença de escoriações; Presença de micoses; Presença de cicatrizes; Presença de epsiotomias; Presença de varicosidades; Mucosa hiperêmica. Chirlei A Ferreira
  • 29. EXAME FÍSICO Força Muscular (Abdominal e assoalho pélvico) Diástase dos retos abdominais Núcleo fibroso central do períneo Chirlei A Ferreira
  • 30.
  • 31. EXAME FÍSICO PRESENÇA DE PROLAPSOS A avaliação sistemática por prolapsos dos órgãos pélvicos é altamente recomendado, Mulheres que apresentam prolapsos de órgãos pélvicos devem ter seus prolapsos tratados apropriadamente, Chirlei A Ferreira
  • 32. EXAMES COMPLEMENTARES Sedimento urinário e urocultura; Teste da elevação do colo vesical ou teste de Bonney: Bexiga vazia, posição de litotomia, introduz uma sonda de Foley n°12 na luz uretral, infla-se o balão e com um leve movimento traciona-se a sonda em direção a sínfise púbica, com o objetivo de avaliar a mobilidade do colo vesical, introduz soro fisiológico e posteriormente avalia a perda urinária sem e com manobra de elevação uretral; Teste contestado, considerado somente como avaliação cistométrica Chirlei A Ferreira
  • 33. EXAMES COMPLEMENTARES Teste do Cotonete ou “Q tiptest” Consiste na avaliação do desvio rotacional do colo vesical, para trás e para baixo da sínfise pública, aferido em graus, mediante esforço físico. Estudiosos como Stanton diz que esse teste por ter um falso positivo de até 50%, tem a vantagem da inocuidade e praticidade, uma vez realizado de forma correta. Chirlei A Ferreira
  • 34. URODINÂMICA INDICAÇÕES: O estudo urodinâmico está indicado nos pacientes que apresentam incontinência urinária, obstrução infravesical e disfunção vesical de origem neurogênica primária ou adquirida, sendo utilizado como exame diagnóstico e de seguimento. Chirlei A Ferreira
  • 35. ESTUDOS MICCIONAIS DE FLUXO E PRESSÃO Estudos de fluxo-pressão são essenciais para uma classificação funcional completa das desordens do Trato Urinário Inferior. DEFINIÇÃO DOS PARÂMETROS: 1. Tempo de abertura: tempo entre a elevação da pressão do detrusor e o início do fluxo. Tempos prolongados ocorrem em obstruções das vias de esvaziamento do trato urinário inferior. 2. Pressões pré-miccionais: pressão imediatamente anterior ao início da contração da micção 3. Pressões de abertura: pressão registrada no início da micção. 4. Pressões de fluxo máximo: é a pressão que ocorre durante o fluxo máximo. 5. Pressão vesical máxima: pressão máxima de micção independentemente do fluxo. 6. Pressão de contração no fluxo máximo: Pves no fluxo máximo – Pvespré-miccional. Chirlei A Ferreira
  • 36. ULTRASSOM NA MOBILIDADE DA JUNÇÃO URETRO-VESICAL O exame ultrassonográfico da Junção Uretro - Vesical e da Uretra Proximal tem sido usado cada vez mais na avaliação pré-operatória de pacientes com Incontinência Urinária de Esforço e no pós-operatório, para estabelecer parâmetros topográficos de posicionamento da junção e da uretra proximal. Chirlei A Ferreira
  • 37. TRATAMENTO DA INCONTINÊNICA URINÁRIA Chirlei A Ferreira
  • 38. ABORDAGEM INICIAL INTERVENÇÕES NO ESTILO DE VIDA Treinamento do assoalho pélvico para mulheres com incontinência por estresse, urgência ou mista, Redução do peso, do fumo, modificação da dieta e ingestão de líquidos (evitar cafeína) DEFICIÊNCIA ESTROGÊNICA Reposição local ou sistêmica TRATAMENTO DE INFECÇÕES Uso de medicação adequada INCONTINÊNCIA URINÁRIA POR INSTABILIDADE DO DETRUSOR Casos de instabilidade do detrusor a introdução de antimuscarínicos. Chirlei A Ferreira Inicialmente mantida por 8-12 semanas antes de referência a tratamentos mais agressivos
  • 39. TRATAMENTO CONSERVADOR REFORÇO DA ASSOALO PÉLVICO ATRAVÉS DA FISIOTERAPIA Uso de cones vaginais, Eletro estimulação da musculatura pélvica Chirlei A Ferreira
  • 40. TRATAMENTO CONSERVADOR PACIENTES COM PROLAPSOS SEM CONDIÇÕES CIRÚRGICAS USO DE PRESSÁRIOS Chirlei A Ferreira
  • 41. TRATAMENTO ESPECIALIZADO INCONTINÊNCIA URINÁRIA GENUÍNA Recomendado nas pacientes que apresentam algum grau de mobilidade da junção uretra-vesical Inclui diversas formas de tratamento cirúrgico e não cirúrgico Procedimentos de suspensão retro-pubica, Operação de Sling cuja finalidade é elevar essa junção Pacientes com DEFICIÊNCIA ESFINCTERIANA e limitada mobilidade junção uretro-vesical, os procedimentos de escolha são: Sling, injeções de agentes artificial para realizar a compressão da região do esfincter. URGÊNCIA URINÁRIA POR HIPERATIVIDADE DO DETRUSOR Pode ser tratada por neuromodulação ou acréscimo vesical A toxina botulínica esta se mostrando como um bom tratamento sintomático dos casos de hiperatividade do detrusor não responsiva a outras terapias. Chirlei A Ferreira
  • 42. TRATAMENTO ESPECIALIZADO TRATAMENTO DOS PROLAPSOS Conservador, Reconstrução cirúrgica Chirlei A Ferreira
  • 46. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SCHULTHEISS D, A BriefHistoryofUrinaryIncontinenceand its Treatment, in EvaluationandTreatmentofUrinaryIncontinence, PelvicOrganProlapseandFaecalIncontinence, 2005, 21-34 GOODE AEP, MILLS I , SHULL B, YOUSHIBA M, ZUBIETA R. InitialAssessmentofIncontinence, inEvaluationandTreatmentofUrinaryIncontinence, PelvicOrganProlapseandFaecalIncontinence, 2005, cap.9, 485-517. HIGA R, LOPES MHBM, TURATO EG. PsiychoculturalMeaningsofUrinaryincontince in women: a rewiew. Rev. Latino-am Enfermagem, 2008 julho-agosto; 16(4):779-86 BRANDT FT, et. Al. Ultrassonografia uretrovesical como método eficaz de avaliação dos parâmetros prognósticos de tratamento cirúrgico da incontinência de esforço. In RadiolBras, 2009 mai/Jun; 42 (3): 165-169 ABRAMS P et al. 3rd InternationalConsultationonIncontinenceRecommendationsoftheInternationalScientificCommittee: EvaluationandTreatmentofUrinaryIncontinence, PelvicOrganProlapseandFaecalIncontinence, 2005. Chirlei A Ferreira
  • 47. Chirlei A Ferreira Obrigada, Chirlei/2009!