SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 50
DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS INFECÇÕES GENITO-URINÁRIAS
Chirlei A Ferreira A infecção genito-urinária em qualquer fase da vida é extremamente importante.  Mas, durante o período gestacional, único a mulheres, se torna de tamanha gravidade pelas alterações dessa fase que pode se tornar fatal! Uma infecção do trato genito-urinário nunca deve ser considerado um “problema” simples a resolver.
Chirlei A Ferreira EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA Nos Estados Unidos a Infecção Urinária é responsável por sete milhões de consultas médicas/ano e 100 mil hospitalizações, gerando um custo de 1,6 bilhões de dólares. Uma em três mulheres precisará de antibioticoterapia para tratamento da Infecção Urinária até a idade de 24 anos e 40-50% de todas as mulheres terão menos um episódio dessa patologia na vida. Chirlei A Ferreira
EPIDEMIOLOGIA A investigação epidemiológica das doenças genitais no Brasil é muito prejudicada, pois, depende de testes laboratoriais e de imagens,  Os critérios clínicos dificultam a acurácia dos casos, uma vez que não possui sinais e sintomas patognomônicos da doença, Há subnotificação e os sistemas de notificação do nosso país são precários, Os dados apresentados são praticamente dos Estados Unidos. Chirlei A Ferreira
EPIDEMIOLOGIA As infecções genitais podem ser causada por micoplasmas genitais, flora vaginal endógena (bactérias anaeróbicas e aeróbicas), estreptococos, Mycobacterium tuberculosis, e as doenças sexualmente transmissíveis, sendo as mais comuns, Chlamydia trachomatis e Neisseria gonorrhoeae (40%-60% das vezes),freqüentemente  é uma infecção polimicrobiana. As infecções do trato urinário é originada principalmente dos enterococus. Chirlei A Ferreira
Chirlei A Ferreira DEFINIÇÃO
DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS INFECÇÕES GENITO-URINÁRIAS INFECÇÕES ,[object Object]
UROLÓGICASChirlei A Ferreira
DEFINIÇÃOINFECÇÃO URINÁRIA Década de 50 Kass define bacteriúria significante como aquela amostra que apresenta 100.000 colônias por campo ou mais conseqüentes da coleta do jato médio da urina. Atualidade Esse conceito foi revisto para aumentar a sensibilidade e especificidade , mantendo o valor das colônias e acrescentando o antibiograma. Chirlei A Ferreira
PATOGÊNESE Maioria das vezes a Infecção Urinária é resultado da colonização de bactérias fecais na urina que crescem em meio aeróbio, A presença de infecção por fungos geralmente está associado a cateteres vesicais ou pacientes imunocomprometidos com disseminação hematogênica de outros locais, A presença de bacteriúria em homens pela sua longa uretra é sempre considerada anormal. Chirlei A Ferreira
AGENTES MAIS  COMUNS E. Coli 75-90% das cistites não complicadas  Staphylococus saprophyticus 5-15%, Padrão sazonal (40% em junho e agosto e quase nada em janeiro e fevereiro) Outros Klebsiella Enterococcus Proteus Chirlei A Ferreira
PATOGÊNESE Chirlei A Ferreira DISFUNÇÃO DO EPITÉLIO URETELIAL (AUMENTO DA PERMEABILIDADE) E ATIVAÇÃO (LIBERAÇÃO DE NEUROTRANSMISSORES/NEUROPEPTÍDEOS FEED-BACK POSITIVO SOBRE AS FIBRAS DOS NERVOS AFERENTES ATIVAÇÃO DAS CÉLULAS INFLAMATÓRIAS TRANSMISSÃO ATRAVÉS DOS NERVOS ESPINHAIS AO SISTEMA NERVOSO CENTRAL ÓRGÃOS VISCERAIS APRESENTAM HIPERALGESIA/ALDÍNIA GASTROINTESTINAL URINÁRIA ASSOALHO PÉLVICO GINECOLÓGICO
FATORES DE RISCO Mulheres sexualmente ativas, Grávidas, Idosos Uso de cateterismo vesical, Diabetes mellitus tipo II Esclerose múltipla Imunodeficiência História prévia de ITU Anormalidades do trato urinário Processo obstrutivo. Chirlei A Ferreira
AS DOENÇAS  DO TRATO URINÁRIO MAIS COMUM NAS MULHERES Cistite Pielonefrite Urolitíase Nefrolitíase Incontinência urinária Chirlei A Ferreira
DEFINIÇÃOINFECÇÃO GENITAIS Chirlei A Ferreira PACIENTE COM QUEIXA DE CORRIMENTO VAGINAL FATORES DE RISCO                      PONTOS Parceiro com corrimento uretral     2 Menor de 20 anos                             1 Mais de 1 parceiro últimos 3 meses        1 Novo parceiro últimos 3 meses               1 Sem parceiro fixo                                    1 ANAMNESE (Determinar escore de risco EXAME CLÍNICO-GINECOLÓGICO MUCO/PUS ENDOCERVICAL , COLO FRIÁVEL OU DOR À MOBILIZAÇÃO DO COLO OU ESCORE DE RISCO MAIOR OU IGUAL A DOIS? SIM NÃO CORRIMENTO VAGINAL PRESENTE TRATAR GONORRÉIA E CLAMÍDIA SIM NÃO
FATORES DE RISCO Atividade sexual precoce Promiscuidade Ectopia cervical Parceiro com Doenças Sexualmente Transmissíveis Uso de Dispositivo Intra-Uterino Manipulação do canal cervical ou endométrio Baixo nível sócio econômico  Duchas vaginais Pós-parto  Chirlei A Ferreira
DOENÇAS GENITAIS MAIS COMUNS VULVO-VAGINITES Candidíase Tricomoníase Vaginose Clamídia Blenorragia Papilomavírus humano Outras DST DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA 	Infecção polimicrobiana que possui como fator propiciador infecções como Clamídia e Gonorréia. Chirlei A Ferreira
Chirlei A Ferreira CLASSIFICAÇÃO
CLASSIFICAÇÃOURINÁRIAS ,[object Object]
Sintomática
Assintomática
QUANTO A FREQUÊNCIA:
Esporádica
Menos de uma infecção em seis meses ou menos de duas infecções em um ano
Recorrente
Duas ou mais  infecções em seis meses ou mais que três em um ano.Chirlei A Ferreira
INFECÇÃO URINÁRIAEM RELAÇÃO A CO-MORBIDADES São aquelas associadas a co-morbidades ou condições que possam prolongar o tratamento ou aumentar as chances de falha desse, como; Anormalidades do trato urinário, Cálculos, Uso de sondas, patógenos resistentes a antibioticoterapia, Chirlei A Ferreira
CLASSIFICAÇÃOGENITAIS – DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA Estádio I Salpingite aguda sem peritonite Estádio II Salpingite aguda com peritonite Estádio III Salpingite aguda com sinais de oclusão tubária ou abscesso tubovariano Estágio IV Sinais clínicos de ruptura de abscesso tubovariano (queda acentuada do estado geral, refratariedade ao tratamento clínico, febre persistente, comprovação ultrassonográfica e abscesso acima de 10 cm. Chirlei A Ferreira
Chirlei A Ferreira PATOLOGIAS URO-GENITAIS MAIS COMUNS
CISTITES Chirlei A Ferreira
PATOFISIOLOGIACISTITES Colonização de bactérias com propriedades de adesão. Bactérias com fatores virulentos, tais como a E.coli hemolysin, aumentam a patogenecidade e seguem as bactérias acima O sistema imune do hospedeiro causa um aumento da susceptibilidade da bactéria sobre a bexiga O trauma sobre a mucosa da bexiga urinária devido a cálculos, traumas por cateterização e partos podem levar a erosões e hemorragias. Pode ocorrer retenção urinária por obstrução neurogênica, isso ocorre quando a bactéria leva ao mecanismo de defesa normal sobre a colonização da bactéria. CISTITE Chirlei A Ferreira
PATOGÊNESECISTITES Uretra curta nas mulheres Cepas de E.coli têm fimbrias que se aderem a receptores de algumas pessoas facilitando o transporte, A adesão da bactéria estimula a liberação de IL-6 e IL-8 causando febre, aumento da proteína C e mobilização dos leucócitos. Chirlei A Ferreira
SINAIS/SINTOMASCISTITES Urgência urinária, Sensação de queimação quando a urinar, Pouco conteúdo de urina em intervalos curtos de tempo = polaciúria Pode ocorrer hematúria Odor fétido urinário Desconforto na área pélvica Sensação de pressão sobre o baixo abdômen Febre em baixa temperatura. Chirlei A Ferreira
FISIOPATOLOGIACISTITE INTERSTICIAL Chirlei A Ferreira PACIENTE COM POSSÍVEL CISTITE INTERSTICIAL DIÁRIO DE 24 HORAS HISTÓRIA EXAME FÍSICO AVALIAÇÃO COM TOQUE BIMANUAL DA BEXIGA ASSOCIAÇÕES COMUNS: ,[object Object]
FIBROMIALGIA,
FADIGA CRÔNICA,
VULVODÍNIA,
INTESTINO IRRITÁVELROTINA: -INVASIVO E PRÉ-INVASIVO: CISTOSCOPIA COM OU SEM BIÓPSIA - UROCULTURA SINTOMAS: ,[object Object]
DISÚRIA
DOR SUPRA-PUBICA/PÉLVICA
REMISSÃOCONFIRMAÇÃO: CISTOSCOPIA E DISTENSÃO VESICAL SOB ANESTESIA, TESTE DE SENSIBILIDADE AO POTÁSSIO PONTOS: ,[object Object]
ATIVIDADE SEXUAL
ALERGENIOSCISTITE INTERSTICIAL
BACTERIÚRIA ASSINTOMÁTICA Pacientes com bacteriúria assintomática geralmente abrigam microrganismos menos virulentos, os quais são mortos pelo próprio sistema imune, Estão protegidos das infecções urinárias sintomáticas, as exceções são as grávidas e pacientes com Diabetes Mellitus. Chirlei A Ferreira
DIAGNÓSTICO TESTE E DIAGNÓSTICOS O exame de urina rotina comum revela a presença de leucócitos ou hemácias, A Urocultura demonstra a espécie de bactéria nos proporcionando o tratamento adequado ULTRASSONOGRAFIA Os exames de imagem comumente não são necessários, mas em algumas circunstâncias, pode ser útil no diagnóstico de cálculos ou outras causas potenciais. CISTOSCOPIA Avaliação da bexiga com um tubo fino associado a uma câmera que auxilia o diagnóstico, inclusive podendo ser realizado biópsia, especialmente, quando não há evidência de infecção encontrada nos exames anteriores. Chirlei A Ferreira
PIELONEFRITE Chirlei A Ferreira
CONCEITOEPIDEMIOLOGIA CONCEITO: Infecção do tecido e pelve renal que se originam de vários locais,  Sua manifestação pode ser aguda ou crônica O processo inflamatório pelvico-calicinal geralmente é bilateral, Têm maior prevalência entre as mulheres que entre os homens INCIDÊNCIA: Aproximadamente 3-7 em 10.000 pessoas. Chirlei A Ferreira
CLÍNICA PIELONEFRITE: ,[object Object]
Calafrios;

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Infecção do trato urinário ppt
Infecção do trato urinário pptInfecção do trato urinário ppt
Infecção do trato urinário pptRenata Ricciardi
 
Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAELuana Santos
 
Saúde da Mulher - Mioma
Saúde da Mulher - MiomaSaúde da Mulher - Mioma
Saúde da Mulher - MiomaTIAGO SOUSA
 
Infe cções do Trato Urinário
Infe cções do Trato UrinárioInfe cções do Trato Urinário
Infe cções do Trato UrinárioUrovideo.org
 
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIAESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIAIvanilson Gomes
 
Afecções cardiovasculares
Afecções cardiovascularesAfecções cardiovasculares
Afecções cardiovascularesA_pri
 
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICOLÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICOpauloalambert
 
U. 11 - Infecções Urinárias - PowerPoint
U. 11 - Infecções Urinárias - PowerPointU. 11 - Infecções Urinárias - PowerPoint
U. 11 - Infecções Urinárias - PowerPointI.Braz Slideshares
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíacaresenfe2013
 
Propedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivasPropedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivasPaulo Alambert
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem universitária
 
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)Laped Ufrn
 
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de EnfermagemPaciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de EnfermagemBruna Guimarães
 
Sinais e sinomas do ap.urinário
Sinais e sinomas do ap.urinárioSinais e sinomas do ap.urinário
Sinais e sinomas do ap.urinárioPaulo Alambert
 

Mais procurados (20)

Tromboembolismo Pulmonar - TEP
Tromboembolismo Pulmonar - TEPTromboembolismo Pulmonar - TEP
Tromboembolismo Pulmonar - TEP
 
Infecção do trato urinário ppt
Infecção do trato urinário pptInfecção do trato urinário ppt
Infecção do trato urinário ppt
 
Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAE
 
Saúde da Mulher - Mioma
Saúde da Mulher - MiomaSaúde da Mulher - Mioma
Saúde da Mulher - Mioma
 
Infe cções do Trato Urinário
Infe cções do Trato UrinárioInfe cções do Trato Urinário
Infe cções do Trato Urinário
 
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIAESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
 
Cálculo Renal
Cálculo RenalCálculo Renal
Cálculo Renal
 
Apresentação endometriose
Apresentação endometrioseApresentação endometriose
Apresentação endometriose
 
Afecções cardiovasculares
Afecções cardiovascularesAfecções cardiovasculares
Afecções cardiovasculares
 
Úlceras Vasculogênicas
Úlceras VasculogênicasÚlceras Vasculogênicas
Úlceras Vasculogênicas
 
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICOLÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
 
U. 11 - Infecções Urinárias - PowerPoint
U. 11 - Infecções Urinárias - PowerPointU. 11 - Infecções Urinárias - PowerPoint
U. 11 - Infecções Urinárias - PowerPoint
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
 
Propedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivasPropedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivas
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
 
Gravidez ectópica
Gravidez ectópicaGravidez ectópica
Gravidez ectópica
 
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de EnfermagemPaciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
 
Sinais e sinomas do ap.urinário
Sinais e sinomas do ap.urinárioSinais e sinomas do ap.urinário
Sinais e sinomas do ap.urinário
 
HIV Aids Caso Clinico
HIV Aids Caso ClinicoHIV Aids Caso Clinico
HIV Aids Caso Clinico
 

Destaque

Infecções do trato urinário
Infecções do trato urinárioInfecções do trato urinário
Infecções do trato urinárioDiana Almeida
 
7605959 infeccao-urinaria-parte-1
7605959 infeccao-urinaria-parte-17605959 infeccao-urinaria-parte-1
7605959 infeccao-urinaria-parte-1idaval_1
 
Infecção Urinária - Pediatria
Infecção Urinária - PediatriaInfecção Urinária - Pediatria
Infecção Urinária - PediatriaDany Romeira
 
7145859 tratamento-racional-da-itu
7145859 tratamento-racional-da-itu7145859 tratamento-racional-da-itu
7145859 tratamento-racional-da-ituidaval_1
 
INFECÇÃO URINÁRIA NA GESTAÇÃO: conduta
INFECÇÃO URINÁRIA NA GESTAÇÃO: conduta INFECÇÃO URINÁRIA NA GESTAÇÃO: conduta
INFECÇÃO URINÁRIA NA GESTAÇÃO: conduta Claudio Sergio Batista
 
infecção urinária na gestação
infecção urinária na gestaçãoinfecção urinária na gestação
infecção urinária na gestaçãoAnderson Anisio
 
Infecção do Trato Urinário na Gravidez
Infecção do Trato Urinário na GravidezInfecção do Trato Urinário na Gravidez
Infecção do Trato Urinário na GravidezFrancisco Doria
 
Doença renal inflamatória
Doença renal inflamatóriaDoença renal inflamatória
Doença renal inflamatóriaMarcos Dias
 
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DA GRAVIDEZ
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DA GRAVIDEZALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DA GRAVIDEZ
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DA GRAVIDEZchirlei ferreira
 
Trabalho De A P G5 Inc
Trabalho De A P G5 IncTrabalho De A P G5 Inc
Trabalho De A P G5 IncDaniel Sousa
 
Densidade Urológica: Mercado de Trabalho
Densidade Urológica: Mercado de Trabalho Densidade Urológica: Mercado de Trabalho
Densidade Urológica: Mercado de Trabalho Urovideo.org
 
Itu recorrente seminário tomaz
Itu recorrente seminário tomazItu recorrente seminário tomaz
Itu recorrente seminário tomazuhgeri
 
Casos Conceito Cálculo Coraliforme Completo Cálculo Coraliforme Parcial em Po...
Casos Conceito Cálculo Coraliforme Completo Cálculo Coraliforme Parcial em Po...Casos Conceito Cálculo Coraliforme Completo Cálculo Coraliforme Parcial em Po...
Casos Conceito Cálculo Coraliforme Completo Cálculo Coraliforme Parcial em Po...Urovideo.org
 
Diretriz brasileira de_infeccao_urinaria_de_repeticao_(soc_bras_de_urologia)
Diretriz brasileira de_infeccao_urinaria_de_repeticao_(soc_bras_de_urologia)Diretriz brasileira de_infeccao_urinaria_de_repeticao_(soc_bras_de_urologia)
Diretriz brasileira de_infeccao_urinaria_de_repeticao_(soc_bras_de_urologia)Kashyra Rosania
 
Cistite Intersticial
Cistite Intersticial  Cistite Intersticial
Cistite Intersticial Urovideo.org
 
Midias virtuais na educação
Midias virtuais na educaçãoMidias virtuais na educação
Midias virtuais na educaçãolidianeccorreia
 

Destaque (20)

Infecções do trato urinário
Infecções do trato urinárioInfecções do trato urinário
Infecções do trato urinário
 
7605959 infeccao-urinaria-parte-1
7605959 infeccao-urinaria-parte-17605959 infeccao-urinaria-parte-1
7605959 infeccao-urinaria-parte-1
 
Infecção Urinária - Pediatria
Infecção Urinária - PediatriaInfecção Urinária - Pediatria
Infecção Urinária - Pediatria
 
7145859 tratamento-racional-da-itu
7145859 tratamento-racional-da-itu7145859 tratamento-racional-da-itu
7145859 tratamento-racional-da-itu
 
INFECÇÃO URINÁRIA NA GESTAÇÃO: conduta
INFECÇÃO URINÁRIA NA GESTAÇÃO: conduta INFECÇÃO URINÁRIA NA GESTAÇÃO: conduta
INFECÇÃO URINÁRIA NA GESTAÇÃO: conduta
 
infecção urinária na gestação
infecção urinária na gestaçãoinfecção urinária na gestação
infecção urinária na gestação
 
Infecção do Trato Urinário na Gravidez
Infecção do Trato Urinário na GravidezInfecção do Trato Urinário na Gravidez
Infecção do Trato Urinário na Gravidez
 
Doença renal inflamatória
Doença renal inflamatóriaDoença renal inflamatória
Doença renal inflamatória
 
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DA GRAVIDEZ
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DA GRAVIDEZALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DA GRAVIDEZ
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DA GRAVIDEZ
 
Trabalho De A P G5 Inc
Trabalho De A P G5 IncTrabalho De A P G5 Inc
Trabalho De A P G5 Inc
 
Densidade Urológica: Mercado de Trabalho
Densidade Urológica: Mercado de Trabalho Densidade Urológica: Mercado de Trabalho
Densidade Urológica: Mercado de Trabalho
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
Itu recorrente seminário tomaz
Itu recorrente seminário tomazItu recorrente seminário tomaz
Itu recorrente seminário tomaz
 
Casos Conceito Cálculo Coraliforme Completo Cálculo Coraliforme Parcial em Po...
Casos Conceito Cálculo Coraliforme Completo Cálculo Coraliforme Parcial em Po...Casos Conceito Cálculo Coraliforme Completo Cálculo Coraliforme Parcial em Po...
Casos Conceito Cálculo Coraliforme Completo Cálculo Coraliforme Parcial em Po...
 
Diretriz brasileira de_infeccao_urinaria_de_repeticao_(soc_bras_de_urologia)
Diretriz brasileira de_infeccao_urinaria_de_repeticao_(soc_bras_de_urologia)Diretriz brasileira de_infeccao_urinaria_de_repeticao_(soc_bras_de_urologia)
Diretriz brasileira de_infeccao_urinaria_de_repeticao_(soc_bras_de_urologia)
 
Infecção urinária e gravidez
Infecção urinária e gravidezInfecção urinária e gravidez
Infecção urinária e gravidez
 
Cistite
CistiteCistite
Cistite
 
Cistite Intersticial
Cistite Intersticial  Cistite Intersticial
Cistite Intersticial
 
Midias virtuais na educação
Midias virtuais na educaçãoMidias virtuais na educação
Midias virtuais na educação
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
 

Semelhante a DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias

ITU.pptx
ITU.pptxITU.pptx
ITU.pptxketecah
 
Nefrologia infeccao trato urinario sbp
Nefrologia infeccao trato urinario sbpNefrologia infeccao trato urinario sbp
Nefrologia infeccao trato urinario sbpMarieana Medeiros
 
Itu
ItuItu
Itutvf
 
Newslab especial protocolos de microbiologia parte3 200872411239
Newslab especial protocolos de microbiologia parte3 200872411239Newslab especial protocolos de microbiologia parte3 200872411239
Newslab especial protocolos de microbiologia parte3 200872411239Daniberg Rimenis
 
ITU na criança
ITU na criançaITU na criança
ITU na criançagisa_legal
 
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professorLayanneStephanneFigu
 
DiagnóStico E Tratamento Da Oncologia GinecolóGica
DiagnóStico E Tratamento Da Oncologia GinecolóGicaDiagnóStico E Tratamento Da Oncologia GinecolóGica
DiagnóStico E Tratamento Da Oncologia GinecolóGicachirlei ferreira
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISUrovideo.org
 
HEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptx
HEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptxHEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptx
HEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptxWerla Mirela
 
DiagnóStico E Tratamento Das DoençAs Do Colo Uterino
DiagnóStico E Tratamento  Das DoençAs Do Colo UterinoDiagnóStico E Tratamento  Das DoençAs Do Colo Uterino
DiagnóStico E Tratamento Das DoençAs Do Colo Uterinochirlei ferreira
 
Caso Clínico infecção
Caso Clínico  infecçãoCaso Clínico  infecção
Caso Clínico infecçãokaheluis
 
Lesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de colo
Lesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de coloLesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de colo
Lesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de coloAuro Gonçalves
 
Doenças Intestinais
Doenças IntestinaisDoenças Intestinais
Doenças IntestinaisThamyNoronha
 
Doenças Intestinais
Doenças IntestinaisDoenças Intestinais
Doenças IntestinaisThamyNoronha
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisIsmael Costa
 

Semelhante a DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias (20)

ITU.pptx
ITU.pptxITU.pptx
ITU.pptx
 
Nefrologia infeccao trato urinario sbp
Nefrologia infeccao trato urinario sbpNefrologia infeccao trato urinario sbp
Nefrologia infeccao trato urinario sbp
 
Itu
ItuItu
Itu
 
Newslab especial protocolos de microbiologia parte3 200872411239
Newslab especial protocolos de microbiologia parte3 200872411239Newslab especial protocolos de microbiologia parte3 200872411239
Newslab especial protocolos de microbiologia parte3 200872411239
 
ITU na criança
ITU na criançaITU na criança
ITU na criança
 
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor
 
DiagnóStico E Tratamento Da Oncologia GinecolóGica
DiagnóStico E Tratamento Da Oncologia GinecolóGicaDiagnóStico E Tratamento Da Oncologia GinecolóGica
DiagnóStico E Tratamento Da Oncologia GinecolóGica
 
Infec
InfecInfec
Infec
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
 
HEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptx
HEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptxHEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptx
HEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptx
 
DiagnóStico E Tratamento Das DoençAs Do Colo Uterino
DiagnóStico E Tratamento  Das DoençAs Do Colo UterinoDiagnóStico E Tratamento  Das DoençAs Do Colo Uterino
DiagnóStico E Tratamento Das DoençAs Do Colo Uterino
 
Caso Clínico infecção
Caso Clínico  infecçãoCaso Clínico  infecção
Caso Clínico infecção
 
Cancer colo do utero
Cancer colo do uteroCancer colo do utero
Cancer colo do utero
 
Lesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de colo
Lesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de coloLesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de colo
Lesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de colo
 
DST
DSTDST
DST
 
Doenças do TGI
Doenças do TGIDoenças do TGI
Doenças do TGI
 
Doenças Intestinais
Doenças IntestinaisDoenças Intestinais
Doenças Intestinais
 
Doenças Intestinais
Doenças IntestinaisDoenças Intestinais
Doenças Intestinais
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Trabalho de gonorreia
Trabalho de gonorreiaTrabalho de gonorreia
Trabalho de gonorreia
 

Mais de chirlei ferreira

Alterações benignas da mama
Alterações benignas da mamaAlterações benignas da mama
Alterações benignas da mamachirlei ferreira
 
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmicaCorrelacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmicachirlei ferreira
 
Sangramento uterino anormal
Sangramento uterino anormalSangramento uterino anormal
Sangramento uterino anormalchirlei ferreira
 
Gravidez na adolescência aula
Gravidez na adolescência   aulaGravidez na adolescência   aula
Gravidez na adolescência aulachirlei ferreira
 
Gravidez após técnica de reprodução assistida
Gravidez   após  técnica de   reprodução  assistidaGravidez   após  técnica de   reprodução  assistida
Gravidez após técnica de reprodução assistidachirlei ferreira
 
Dor pélvica aguda em ginecologia
Dor pélvica aguda em ginecologiaDor pélvica aguda em ginecologia
Dor pélvica aguda em ginecologiachirlei ferreira
 
Desafios atuais do ensino de go
Desafios atuais do ensino de goDesafios atuais do ensino de go
Desafios atuais do ensino de gochirlei ferreira
 
Câncer de mama rastreamento e diagnostico
Câncer de mama   rastreamento e diagnosticoCâncer de mama   rastreamento e diagnostico
Câncer de mama rastreamento e diagnosticochirlei ferreira
 
Assistencia a mulher vitima de violencia sexual
Assistencia a mulher vitima de violencia sexualAssistencia a mulher vitima de violencia sexual
Assistencia a mulher vitima de violencia sexualchirlei ferreira
 
Abordagem das infecções congênitas na gravidez
Abordagem das infecções congênitas na gravidezAbordagem das infecções congênitas na gravidez
Abordagem das infecções congênitas na gravidezchirlei ferreira
 
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvicaCorrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvicachirlei ferreira
 
DiagnóStico E Tratamento Da Infertilidade
DiagnóStico E Tratamento Da InfertilidadeDiagnóStico E Tratamento Da Infertilidade
DiagnóStico E Tratamento Da Infertilidadechirlei ferreira
 

Mais de chirlei ferreira (20)

Alterações benignas da mama
Alterações benignas da mamaAlterações benignas da mama
Alterações benignas da mama
 
Spinoza slides
Spinoza slidesSpinoza slides
Spinoza slides
 
O banquete
O banqueteO banquete
O banquete
 
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmicaCorrelacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
 
Tumores de ovário
Tumores de ovárioTumores de ovário
Tumores de ovário
 
Sangramento uterino anormal
Sangramento uterino anormalSangramento uterino anormal
Sangramento uterino anormal
 
O sus e o ensino médico
O sus e o ensino médicoO sus e o ensino médico
O sus e o ensino médico
 
Gravidez na adolescência aula
Gravidez na adolescência   aulaGravidez na adolescência   aula
Gravidez na adolescência aula
 
Gravidez após técnica de reprodução assistida
Gravidez   após  técnica de   reprodução  assistidaGravidez   após  técnica de   reprodução  assistida
Gravidez após técnica de reprodução assistida
 
Dor pélvica aguda em ginecologia
Dor pélvica aguda em ginecologiaDor pélvica aguda em ginecologia
Dor pélvica aguda em ginecologia
 
Desafios atuais do ensino de go
Desafios atuais do ensino de goDesafios atuais do ensino de go
Desafios atuais do ensino de go
 
Câncer de mama rastreamento e diagnostico
Câncer de mama   rastreamento e diagnosticoCâncer de mama   rastreamento e diagnostico
Câncer de mama rastreamento e diagnostico
 
Assistencia a mulher vitima de violencia sexual
Assistencia a mulher vitima de violencia sexualAssistencia a mulher vitima de violencia sexual
Assistencia a mulher vitima de violencia sexual
 
Abordagem das infecções congênitas na gravidez
Abordagem das infecções congênitas na gravidezAbordagem das infecções congênitas na gravidez
Abordagem das infecções congênitas na gravidez
 
O Banquete
O BanqueteO Banquete
O Banquete
 
Endometriose
EndometrioseEndometriose
Endometriose
 
O Lago
O LagoO Lago
O Lago
 
Tumores Ovarianos
Tumores OvarianosTumores Ovarianos
Tumores Ovarianos
 
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvicaCorrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
 
DiagnóStico E Tratamento Da Infertilidade
DiagnóStico E Tratamento Da InfertilidadeDiagnóStico E Tratamento Da Infertilidade
DiagnóStico E Tratamento Da Infertilidade
 

Último

O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxssuser4ba5b7
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfAlberto205764
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxLeonardoSauro1
 

Último (9)

O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
 

DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias

  • 1. DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS INFECÇÕES GENITO-URINÁRIAS
  • 2. Chirlei A Ferreira A infecção genito-urinária em qualquer fase da vida é extremamente importante. Mas, durante o período gestacional, único a mulheres, se torna de tamanha gravidade pelas alterações dessa fase que pode se tornar fatal! Uma infecção do trato genito-urinário nunca deve ser considerado um “problema” simples a resolver.
  • 3. Chirlei A Ferreira EPIDEMIOLOGIA
  • 4. EPIDEMIOLOGIA Nos Estados Unidos a Infecção Urinária é responsável por sete milhões de consultas médicas/ano e 100 mil hospitalizações, gerando um custo de 1,6 bilhões de dólares. Uma em três mulheres precisará de antibioticoterapia para tratamento da Infecção Urinária até a idade de 24 anos e 40-50% de todas as mulheres terão menos um episódio dessa patologia na vida. Chirlei A Ferreira
  • 5. EPIDEMIOLOGIA A investigação epidemiológica das doenças genitais no Brasil é muito prejudicada, pois, depende de testes laboratoriais e de imagens, Os critérios clínicos dificultam a acurácia dos casos, uma vez que não possui sinais e sintomas patognomônicos da doença, Há subnotificação e os sistemas de notificação do nosso país são precários, Os dados apresentados são praticamente dos Estados Unidos. Chirlei A Ferreira
  • 6. EPIDEMIOLOGIA As infecções genitais podem ser causada por micoplasmas genitais, flora vaginal endógena (bactérias anaeróbicas e aeróbicas), estreptococos, Mycobacterium tuberculosis, e as doenças sexualmente transmissíveis, sendo as mais comuns, Chlamydia trachomatis e Neisseria gonorrhoeae (40%-60% das vezes),freqüentemente é uma infecção polimicrobiana. As infecções do trato urinário é originada principalmente dos enterococus. Chirlei A Ferreira
  • 7. Chirlei A Ferreira DEFINIÇÃO
  • 8.
  • 10. DEFINIÇÃOINFECÇÃO URINÁRIA Década de 50 Kass define bacteriúria significante como aquela amostra que apresenta 100.000 colônias por campo ou mais conseqüentes da coleta do jato médio da urina. Atualidade Esse conceito foi revisto para aumentar a sensibilidade e especificidade , mantendo o valor das colônias e acrescentando o antibiograma. Chirlei A Ferreira
  • 11. PATOGÊNESE Maioria das vezes a Infecção Urinária é resultado da colonização de bactérias fecais na urina que crescem em meio aeróbio, A presença de infecção por fungos geralmente está associado a cateteres vesicais ou pacientes imunocomprometidos com disseminação hematogênica de outros locais, A presença de bacteriúria em homens pela sua longa uretra é sempre considerada anormal. Chirlei A Ferreira
  • 12. AGENTES MAIS COMUNS E. Coli 75-90% das cistites não complicadas Staphylococus saprophyticus 5-15%, Padrão sazonal (40% em junho e agosto e quase nada em janeiro e fevereiro) Outros Klebsiella Enterococcus Proteus Chirlei A Ferreira
  • 13. PATOGÊNESE Chirlei A Ferreira DISFUNÇÃO DO EPITÉLIO URETELIAL (AUMENTO DA PERMEABILIDADE) E ATIVAÇÃO (LIBERAÇÃO DE NEUROTRANSMISSORES/NEUROPEPTÍDEOS FEED-BACK POSITIVO SOBRE AS FIBRAS DOS NERVOS AFERENTES ATIVAÇÃO DAS CÉLULAS INFLAMATÓRIAS TRANSMISSÃO ATRAVÉS DOS NERVOS ESPINHAIS AO SISTEMA NERVOSO CENTRAL ÓRGÃOS VISCERAIS APRESENTAM HIPERALGESIA/ALDÍNIA GASTROINTESTINAL URINÁRIA ASSOALHO PÉLVICO GINECOLÓGICO
  • 14. FATORES DE RISCO Mulheres sexualmente ativas, Grávidas, Idosos Uso de cateterismo vesical, Diabetes mellitus tipo II Esclerose múltipla Imunodeficiência História prévia de ITU Anormalidades do trato urinário Processo obstrutivo. Chirlei A Ferreira
  • 15. AS DOENÇAS DO TRATO URINÁRIO MAIS COMUM NAS MULHERES Cistite Pielonefrite Urolitíase Nefrolitíase Incontinência urinária Chirlei A Ferreira
  • 16. DEFINIÇÃOINFECÇÃO GENITAIS Chirlei A Ferreira PACIENTE COM QUEIXA DE CORRIMENTO VAGINAL FATORES DE RISCO PONTOS Parceiro com corrimento uretral 2 Menor de 20 anos 1 Mais de 1 parceiro últimos 3 meses 1 Novo parceiro últimos 3 meses 1 Sem parceiro fixo 1 ANAMNESE (Determinar escore de risco EXAME CLÍNICO-GINECOLÓGICO MUCO/PUS ENDOCERVICAL , COLO FRIÁVEL OU DOR À MOBILIZAÇÃO DO COLO OU ESCORE DE RISCO MAIOR OU IGUAL A DOIS? SIM NÃO CORRIMENTO VAGINAL PRESENTE TRATAR GONORRÉIA E CLAMÍDIA SIM NÃO
  • 17. FATORES DE RISCO Atividade sexual precoce Promiscuidade Ectopia cervical Parceiro com Doenças Sexualmente Transmissíveis Uso de Dispositivo Intra-Uterino Manipulação do canal cervical ou endométrio Baixo nível sócio econômico Duchas vaginais Pós-parto Chirlei A Ferreira
  • 18. DOENÇAS GENITAIS MAIS COMUNS VULVO-VAGINITES Candidíase Tricomoníase Vaginose Clamídia Blenorragia Papilomavírus humano Outras DST DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA Infecção polimicrobiana que possui como fator propiciador infecções como Clamídia e Gonorréia. Chirlei A Ferreira
  • 19. Chirlei A Ferreira CLASSIFICAÇÃO
  • 20.
  • 25. Menos de uma infecção em seis meses ou menos de duas infecções em um ano
  • 27. Duas ou mais infecções em seis meses ou mais que três em um ano.Chirlei A Ferreira
  • 28. INFECÇÃO URINÁRIAEM RELAÇÃO A CO-MORBIDADES São aquelas associadas a co-morbidades ou condições que possam prolongar o tratamento ou aumentar as chances de falha desse, como; Anormalidades do trato urinário, Cálculos, Uso de sondas, patógenos resistentes a antibioticoterapia, Chirlei A Ferreira
  • 29. CLASSIFICAÇÃOGENITAIS – DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA Estádio I Salpingite aguda sem peritonite Estádio II Salpingite aguda com peritonite Estádio III Salpingite aguda com sinais de oclusão tubária ou abscesso tubovariano Estágio IV Sinais clínicos de ruptura de abscesso tubovariano (queda acentuada do estado geral, refratariedade ao tratamento clínico, febre persistente, comprovação ultrassonográfica e abscesso acima de 10 cm. Chirlei A Ferreira
  • 30. Chirlei A Ferreira PATOLOGIAS URO-GENITAIS MAIS COMUNS
  • 31. CISTITES Chirlei A Ferreira
  • 32. PATOFISIOLOGIACISTITES Colonização de bactérias com propriedades de adesão. Bactérias com fatores virulentos, tais como a E.coli hemolysin, aumentam a patogenecidade e seguem as bactérias acima O sistema imune do hospedeiro causa um aumento da susceptibilidade da bactéria sobre a bexiga O trauma sobre a mucosa da bexiga urinária devido a cálculos, traumas por cateterização e partos podem levar a erosões e hemorragias. Pode ocorrer retenção urinária por obstrução neurogênica, isso ocorre quando a bactéria leva ao mecanismo de defesa normal sobre a colonização da bactéria. CISTITE Chirlei A Ferreira
  • 33. PATOGÊNESECISTITES Uretra curta nas mulheres Cepas de E.coli têm fimbrias que se aderem a receptores de algumas pessoas facilitando o transporte, A adesão da bactéria estimula a liberação de IL-6 e IL-8 causando febre, aumento da proteína C e mobilização dos leucócitos. Chirlei A Ferreira
  • 34. SINAIS/SINTOMASCISTITES Urgência urinária, Sensação de queimação quando a urinar, Pouco conteúdo de urina em intervalos curtos de tempo = polaciúria Pode ocorrer hematúria Odor fétido urinário Desconforto na área pélvica Sensação de pressão sobre o baixo abdômen Febre em baixa temperatura. Chirlei A Ferreira
  • 35.
  • 39.
  • 42.
  • 45. BACTERIÚRIA ASSINTOMÁTICA Pacientes com bacteriúria assintomática geralmente abrigam microrganismos menos virulentos, os quais são mortos pelo próprio sistema imune, Estão protegidos das infecções urinárias sintomáticas, as exceções são as grávidas e pacientes com Diabetes Mellitus. Chirlei A Ferreira
  • 46. DIAGNÓSTICO TESTE E DIAGNÓSTICOS O exame de urina rotina comum revela a presença de leucócitos ou hemácias, A Urocultura demonstra a espécie de bactéria nos proporcionando o tratamento adequado ULTRASSONOGRAFIA Os exames de imagem comumente não são necessários, mas em algumas circunstâncias, pode ser útil no diagnóstico de cálculos ou outras causas potenciais. CISTOSCOPIA Avaliação da bexiga com um tubo fino associado a uma câmera que auxilia o diagnóstico, inclusive podendo ser realizado biópsia, especialmente, quando não há evidência de infecção encontrada nos exames anteriores. Chirlei A Ferreira
  • 48. CONCEITOEPIDEMIOLOGIA CONCEITO: Infecção do tecido e pelve renal que se originam de vários locais, Sua manifestação pode ser aguda ou crônica O processo inflamatório pelvico-calicinal geralmente é bilateral, Têm maior prevalência entre as mulheres que entre os homens INCIDÊNCIA: Aproximadamente 3-7 em 10.000 pessoas. Chirlei A Ferreira
  • 49.
  • 52.
  • 53. A pielonefrite crônica pode ocorrer da associação com processo obstrutivo ou refluxo devido a litíase ou a bexiga neurogênica. Chirlei A Ferreira
  • 54.
  • 55.
  • 57. -> alta resistência bacteriana -> baixa taxa de cura *amoxacilina + clavulonato -> melhor que Ampicilina ou Amoxacilina -> alto custo -> alt. gastrointestinais frequentes Chirlei A Ferreira
  • 59. CONCEITOEPIDEMIOLOGIA CONCEITO: Refere a formação de cálculos em qualquer parte do trato urinário. Sua formação é conseqüente da concentração de oxalato de cálcio, fosfato de cálcio e ácido úrico, cuja saturação é aumentada devido a alterações iônicas e o pH urinário. EPIDEMIOLOGIA: A maioria dos problemas urológicos 13% em homens e 7% nas mulheres, aumentando no mundo industrializado. Chirlei A Ferreira FATORES PREDISPONENTES Dieta rica em oxalado de cálcio, níveis aumentados de ácido úrico, vida sedentária, história familiar, hiperparatireoidismo. AVALIAÇÃO CLÍNICA Dor abdominal ou em região de flanco, Colica renal irradiando para a região crural, Hematúria, Náuseas e vômitos, Sudorese.
  • 60. DIAGNÓSTICO IMAGINOLOGIA Ultrassom e raio-x: localizar o ponto e tamanho do cálculo Urografia Excretora: identifica o local da obstrução e presença de cálculos radiopacos. URINÁLISE Indica a presença de bactérias, presença de leucócitos ou hemácias. COMPLICAÇÕES Recorrência de litíase, levando a infecções, obstrução de ureter, A recorrência dos fatos acima podem danificar o parênquima renal levando a sua falência. Chirlei A Ferreira
  • 61. TRATAMENTO TRATAMENTO CLÍNICO Litotripsia: ondas de choque que pulveriza o cálculo Analgésico Modificação da dieta TRATAMENTO CIRÚRGICO Nefrostomia Percutânea: um tubo é inserido através da pele atingindo o tecido renal e removendo o cálculo Nefrostolitotomia Percutânea: guiado por ultrassonografia as ondas de choque pulverizam o cálculo. Chirlei A Ferreira
  • 62. CORRIMENTOS MAIS COMUNS Chirlei A Ferreira
  • 63. DIAGNÓSTICO Chirlei A Ferreira TESTE DO pH VAGINALE E/OU TESTE DAS AMINAS (KOH) DISPONÍVEIS ? SIM NÃO pH >4,5 ou Teste do KOH positivo Todos negativos Tratar TRICOMONÍASE VAGINOSE BACTERIANA CANDIDÍASE pH < 4 Investigar Causa fisiológica e/ou infecciosa TRICOMONÍASE VAGINOSE BACTERIANA CANDIDÍASE Coletar material para Papanicolaou, VDRL, Anti-HIV
  • 64. TRATAMENTO TRICOMONÍASE/VAGINOSE Metronidazol 2g, VO, dose única; ou Tinidazol, 2g, VO, dose única; ou Metronidazol, 500 mg, VO, de 12/12 horas, por 07 dias; ou Secnidazol 2g, VO, dose única CANDIDÍASE Itraconazol, 200 mg, VO, 12/12 horas, 2 doses; Fluconazol, 150 mg, VO, dose única. Ou Cetoconazol, 400 mg, VO, um por dia, por 5 dias. Chirlei A Ferreira
  • 65. DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA Chirlei A Ferreira
  • 66. CONCEITO/CLINICA CONCEITO Entidade clínica freqüente constitui a complicação mais comum das doenças sexualmente transmissíveis, especialmente Chlamydia e Gonorrhoea; Pode levar a sérias complicações, incluindo: Infertilidade, Gravidez ectópica Abscessos pélvicos Dor pélvica crônica AGENTES ETIOLÓGICOS Pode ser causada por micoplasmas genitais, flora vaginal endógena (bactérias anaeróbicas e aeróbicas), estreptococos, Mycobacterium tuberculosis, e as doenças sexualmente transmissíveis, sendo as mais comuns, Chlamydia trachomatis e Neisseria gonorrhoeae (40%-60% das vezes) Freqüentemente é uma infecção polimicrobiana. QUADRO CLÍNICO O valor de predição positiva do diagnóstico clínico da doença em sua forma aguda é de 65-90% comparada com o diagnóstico laparoscópico; A maioria dos episódios não são identificados, pois, a mulher pode ser assintomática, pouco sintomática ou apresentar sintomas atípicos. Chirlei A Ferreira
  • 67. TRATAMENTO Estádio I Salpingite Aguda Sem Peritonite Tratamento a nível ambulatorial, Se usuária de DIU, esse deve ser retirado, Antibioticoterapia: Ceftriaxona 250 mg IM e Doxicilina 100 mg a cada 12 horas por 14 dias, Tiafenicol 2,5 g VO e Doxiclina 100 mg de 12/12 horas por 14 dias. Estádio II Salpingite aguda com peritonite Estádio III Salpingite aguda com sinais de oclusão tubária ou abscesso tubovariano Internação Terapia dupla: Doxiciclina 200mg VO como dose de ataque, seguidos de 100 mg a cada 12 horas , associado a cefoxitina – 2g EV como dose de ataque seguidos de 1g a cada 6 horas Alta Hospitalar: manutenção do tratamento em nível ambulatorial com Doxiciclina 100 mg VO a cada 12 horas até se completar 10 dias de tratamento. Chirlei A Ferreira
  • 68. TRATAMENTO Estágio IV Sinais clínicos de ruptura de abscesso tubovariano (queda acentuada do estado geral, refratariedade ao tratamento clínico, febre persistente, comprovação ultrassonográfica e abscesso acima de 10 cm. CONCLUINDO... A doença inflamatória pélvica é uma das principais causas de esterilidade em nosso meio, principalmente pelo fator tubário. A existência de um processo inflamatório no aparelho genital interno, determina o surgimento de bridas, sinéquia, abscessos e aderências que impedem que o espermatozóide possa chegar ao seu destino. A principal causa de DIP são os processos infecciosos, facilmente evitáveis. O tratamento na maioria das vezes se dá com a antibioticoterapia. Chirlei A Ferreira
  • 69. DOENÇAS GENITO-URINÁRIAS EM GESTANTES Chirlei A Ferreira
  • 70. INFECÇÃO URINÁRIA A incidência de bacteriúria entre gestantes e não gestantes são similares, Há um aumento acentuado da incidência de pielonefrite aguda em gestantes devido a bacteriúria, As alterações hormonais durante a gestação aumenta sua susceptibilidade. CLASSIFICAÇÃO Bacteriuria significativa. Urocultura = 100.000 colônias/ ml de único patógeno emduasamostras de urina Invasão da mucosa vesical Inflamaçãoassociadaaoparênquima e a pelve renal. Chirlei A Ferreira Schnarr J., Smaill F. Asymptomatic bacteriuria and symptomatic urinary tractinfections in pregnancy. Reviewarticle. EurJ ClinInvest 2008; 38 (S2): 50–57
  • 71. INFECÇÃO URINÁRIARASTREAMENTO/TRATAMENTO RASTREAMENTO: Urocultura entre 12-16 semanas de gestação, identificarão 80% das mulheres com bacteriúria assintomática, Urocultura na primeira visita de pré-natal associado a dois exames recentes estudos têm sugerido a realização de uma urocultura a cada trimestre. TRATAMENTO MAIS RECOMENDADOS: Sulfisoxazole: 500 mg oral c/8h por 3 a 7 días Amoxacilina:500 mg oral c/8h por 3 a7 días Amoxacilina clavulonato:500mg c/12h por 3 a 7 días Nitrofurantoina: 50 mg c/ 6 h por 3 a 7 días Terapia supresiva: Nitrofurantoina 50 a 100 mg /día en todo a gestação. Chirlei A Ferreira
  • 72. INFECÇÕES GENITAIS ASSOCIA-SE AO PARTO PRÉ-TERMO: Independentemente da integridade das membranas, Origem: flora vaginal Micro-organismos de maior risco: Streptococcos grupo B, Escherichiacoli COMPLICAÇÕES MATERNAS Corioamnionite, endometriose, etc COMPLICAÇÕES NEONATAIS: Sepsis, pneumonia, onfalite, paralisia cerebral, doença pulmonar Chirlei A Ferreira
  • 73. Chirlei A Ferreira Muito obrigada! Chirlei/2009