Reprodução Assistida, Hoje.

4.863 visualizações

Publicada em

Reprodução Assistida, Hoje. - Dr. Jean Louis Maillard - Lages, 25 de abril de 2008.

Publicada em: Saúde e medicina, Tecnologia
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.863
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
528
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Reprodução Assistida, Hoje.

  1. 1. REPRODUÇÃO ASSISTIDA, HOJE. Jean Louis Maillard Lages – 25 de abril de 2008
  2. 2. Número projetado de mulheres inférteis - EUA (2000 - 2025) Modificado de Stephen & Chandra, 1998 ( x 10 3 )
  3. 4. Steptoe,P.C. and Edwards, R.G.(1976). Reimplantation of human embryo with subsequent tubal pregnancy. Lancet,1, 880-2.
  4. 5. This is the first time we´ve solved all the problems at once. We´re at the end of the beginning not the beginning of the end.
  5. 6. Reprodução Assistida <ul><li>Conjunto de técnicas laboratoriais que visa a obtenção de gestação, facilitando ou substituindo uma etapa deficiente do processo reprodutivo, sem concurso de ato sexual. </li></ul>
  6. 7. <ul><li>Transferência de espermatozóides </li></ul><ul><ul><li>inseminação artificial </li></ul></ul><ul><li>Transferência de gametas </li></ul><ul><ul><li>transferência de gametas para as trompas (GIFT) </li></ul></ul><ul><li>Transferência de embriões </li></ul><ul><ul><li>fertilização in vitro convencional (FIV) </li></ul></ul><ul><ul><li>injeção intracitoplasmática de espermatozóide (ICSI) </li></ul></ul>TÉCNICAS DE REPRODUÇÃO ASSISTIDA
  7. 8. INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL <ul><li>MASCULINAS </li></ul><ul><li>Oligoastenospermia leve </li></ul><ul><li>Fator imunológico (plasma ou cauda) </li></ul><ul><li>Volume seminal diminuído </li></ul><ul><li>Transtornos da ejaculação </li></ul><ul><li>Alterações penianas (anatômicas) </li></ul><ul><li>AIDS </li></ul><ul><ul><li>FEMININAS </li></ul></ul><ul><li>Fator cervical </li></ul><ul><li>Fator imunológico (muco) </li></ul><ul><li>Endometriose leve ? </li></ul><ul><li>Seleção sexual (doenças hereditárias) </li></ul><ul><li>CASAL </li></ul><ul><li>Infertilidade inexplicada </li></ul>Indicações
  8. 9. INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL Remohí et al - Cuad Med Reprod, 1995 Resultados Conforme a Causa da Infertilidade
  9. 10. Fertilização in vitro Convencional
  10. 11. INJEÇÃO INTRACITOPLASMÁTICA (ICSI)
  11. 12. INJEÇÃO INTRACITOPLASMÁTICA (ICSI) <ul><li>ESPERMATOZÓIDE </li></ul><ul><ul><li>Do ejaculado </li></ul></ul><ul><ul><li>Do epidídimo </li></ul></ul><ul><ul><li>Do testículo </li></ul></ul><ul><li>ESPERMÁTIDE </li></ul>
  12. 13. MICRO EPIDIDYMAL SPERM ASPIRATION (MESA) PERCUTANEOUS EPIDIDYMAL SPERM ASPIRATION (PESA) <ul><li>Azoospermia obstrutiva </li></ul><ul><ul><li>Agenesia de deferente </li></ul></ul><ul><ul><li>Falha vaso - vaso epididimostomia </li></ul></ul><ul><li>Ejaculação retrógrada </li></ul><ul><li>Dificuldade coleta de sêmen </li></ul><ul><li>Vasectomia </li></ul>Indicações
  13. 14. TESTICULAR SPERM ASPIRATION (TESA) TESTICULAR SPERM EXTRACTION (TESE) <ul><li>Azoospermia não obstrutiva </li></ul>Indicações
  14. 15. TÉCNICAS ACESSÓRIAS <ul><li>Sexagem </li></ul><ul><li>Utero de substituição temporária </li></ul><ul><li>Biópsia pré - implantação </li></ul><ul><li>Maturação in vitro de gametas </li></ul><ul><li>Congelamento de sêmen </li></ul><ul><li>Congelamento de tecidos </li></ul><ul><ul><li>Ovário </li></ul></ul><ul><ul><li>Testículo </li></ul></ul><ul><li>Doação de gametas </li></ul><ul><li>Congelamento de embriões </li></ul><ul><li>Congelamento de óvulos </li></ul>
  15. 16. RA - maternidade substitutiva <ul><li>Admitida apenas se houver impedimento físico ou clínico em relação à gestação (indicação médica). </li></ul><ul><li>Não há consenso em relação a seleção da mãe substituta. </li></ul><ul><li>3º elemento na relação conjugal </li></ul><ul><li>Seleção da mãe substituta </li></ul><ul><li>Disputa pela criança </li></ul><ul><li>Abandono da criança </li></ul>
  16. 17. DIAGNÓSTICO PRÉ-IMPLANTACIONAL (PGD)
  17. 18. R EPRODUCAO ASSISTIDA <ul><li>Aumenta chance de gravidez </li></ul><ul><li>Evita risco de filhos afetados </li></ul><ul><li>Evita interrupção da gravidez </li></ul><ul><li>Imunocompatibilidade </li></ul><ul><li>Descarte de embriões com patologia compatível com a vida </li></ul><ul><li>Descarte de embriões do sexo “indesejado” </li></ul><ul><li>“ Designer Baby” </li></ul>PGD Indicações Terapia gênica Doença ligada ao cromossomo X Translocação Desordens ligadas ao DNA Falhas repetidas em TRA Vantagens Problemas
  18. 19. <ul><li>Inserção da mulher no mercado de trabalho </li></ul><ul><li>Valorização da carreira </li></ul><ul><li>Revolução sexual: separação entre prazer e reprodução </li></ul><ul><li>Contraceptivos: decisão sobre quando ter filhos. </li></ul><ul><li>Outras possibilidade de realização da feminilidade </li></ul><ul><li>Postergação do casamento e segundo matrimônio </li></ul>Motivação e aspectos psicosociais da parentalidade tardia
  19. 20. Ilha Fértil – out/06 a set/07 n: 39 Oócitos aspirados 421 Fertilizados 224 Embriões Transferidos 112 Gestações clínicas 9 Bebe em casa 6
  20. 21. Ilha Fértil – out/06 a set/07 n: 39 36 ciclos com transferência 92,3% HCG + 25% 6 gestações a termo 15,38%
  21. 22. Ilha Fértil – out/06 a set/07 n: 39 Idade das pacientes < 30 03 (7,6%) 31 a 35 19 (48,71%) 36 a 39 05 (12,82%) >/= 40 12 (30,76%)
  22. 23. CRIOPRESERVAÇÃO OOCITÁRIA: DESEMPENHO REPRODUTIVO NA FERTILIZAÇÃO ASSISTIDA
  23. 24. * Teste exato de Fisher Oócitos descongelados (n=99) Embriões descongelados (n=117) P* Taxa de gravidez clínica 25% 9,4% 0,20 Taxa de implantação embrionária 11,3% 2,8% 0,06
  24. 25. O desempenho reprodutivo das mulheres submetidas a Fertilização assistida com oócitos criopreservados ou a fresco é semelhante, na maioria dos aspectos analisados. CONCLUSÕES
  25. 26. <ul><li>Alternativa à criopreservação embrionária. </li></ul><ul><li>Preservação da fertilidade . </li></ul>Indicações atuais
  26. 27. <ul><li>Devemos traçar uma linha entre o que é teoricamente possível e o aceitável na prática, e o que é tecnicamente factível e socialmente aceitável. </li></ul><ul><li>B. Lunenfeld </li></ul>
  27. 28. <ul><li>E lembrar que os números são importantes para o laboratório mas que para os casais o que conta é o seu filho no colo! </li></ul><ul><li>Desta forma devemos ser otimistas mas, sobretudo, realistas com esses casais para não vendermos promessas sem respaldo estatístico! </li></ul>
  28. 30. OBRIGADA POR SUA ATENÇÃO!
  29. 31. CICLO ESPONTÂNEO 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 M Desaparecimento do folículo + líquido livre. Redução do volume e irregularidade. Colapso progressivo. Perda do reforço posterior. (-) 2-4 h Crenação (-) 12 h Duplo contorno (-) 24 h Sinal do halo (-) 24-36 h Cumulus Postura ovular Imagem 11-12 Linha econegativa Estadio IV (1-4mm) 8-9 Linhas brilantes (+) Estadio III (+++) 6-8 Linha brilhantes (++) edema Estadio II (++) 4-5 Linha brilhante completa Estadio I (+) Dia do ciclo Imagem Classificação Perda da linha tripla hiperecogênico C Linha tripla Linha central pouco definida Isoecogênico B Linha tripla Linha central definida Hiperecogênico A Imagem Tipo/padrão
  30. 32. INDUÇÃO DA OVULAÇÃO COM CC + hMG 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 hCG Folículos = Ø ± 20mm
  31. 33. 9. CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROTOCOLO IDEAL
  32. 34. “ TAILORING”

×