SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
Nomes:Camila,Genaldo,Luiz
Henrique,Raissa & Suzana

A história da inseminação artificial, assim como da clonagem tem séculos de existência. As primeiras
formas de clonagem foram desenvolvidas para a reprodução de plantas. Consistiam no plantio de um
talo ( ou ramo) retirado de um vegetal, obtendo-se uma nova planta geneticamente igual à anterior.
Trata-se da popular enxertia.
Outros marcos históricos:
A primeira gravidez por inseminação artificial data de 1791 e foi realizada pelo médico John Hunter.
A primeira fecundação in vitro animal remonta a 1878.
A primeira sugestão de um clonagem idêntica à realizada para o nascimento da ovelha Dolly, data de
1938 e foi feita pelo cientista nazi Hans Spemann que recebeu o Nobel de Fisiologia-Medicina pelas
suas investigações sobre a evolução dos seres vivos.
O primeiro bebê-proveta data de 1978.
No inicio da década de 90 do século XX, os médicos faziam já todo o tipo de experiências em termos de
inseminação artificial: mulheres virgens ou na menopausa davam à luz crianças... Algo impensável
poucos anos antes.
Em 1996 deu-se um acontecimento que abalou o mundo científico: Os investigadores do Roslin Institut
de Edimburgo, realizaram uma notável façanha laboratorial: a fusão do núcleo de uma célula retirada da
glândula mamária de uma ovelha de 6 anos com o óvulo de outra ovelha. Surgia desta forma o embrião
da célebre Dolly.
Entretanto continuaram as inseminações bizarras: sémen congelado de pessoas falecidas que fecundam
óvulos de pessoas vivas, avós que dão à luz os seus próprios netos...
Conclusão: Não há limites no campo na reprodução assistida.
Histórico

A inseminação artificial é uma técnica de reprodução
medicamente assistida que consiste na deposição mecânica
do sêmen no aparelho genital da fêmea.
O que é?

O tratamento é iniciado com o uso de medicamentos que estimulam a
produção de óvulos, mais de um por ciclo. Os óvulos serão aspirados por
uma agulha e colocados em meio de cultura com nutrientes, em seguida
são depositados os espermatozoides. Depois que os óvulos estiverem
fertilizados, serão encaminhados para um estufa onde passarão pelas
primeiras divisões celulares para formar o embrião. Dentro de 72 horas já
existirão entre oito e dezesseis células, o que já possibilita o seu
posicionamento no útero da mulher.
Para garantir a chance de a mulher desenvolver a gravidez, são
implantados mais de um embrião, por isso as chances de nascerem
gêmeos ou trigêmeos são grandes. Quanto a indicação, a fertilização in
vitro é feita em mulheres que já fizeram ligamento de trompas ou já
entraram na menopausa.
Como é?

 inseminação artificial intracervical: O esperma é injetado
no cérvix através de uma seringa. Esse método reproduz a
forma como o esperma é depositado pelo pênis, no cérvix,
no momento da ejaculação.
 Inseminação artificial intrauterina:Os espermatozoides
passam por um “tratamento”, no qual somente os que
estão aptos a fertilizar permanecem. Feito isso, os
espermatozoides são depositados diretamente no útero,
após a fêmea passar por um tratamento que induz a
ovulação.
Os tipos de inseminação

A inseminação artificial intrauterina tem algumas vantagens
sobre a inseminação artificial intracervical, porque nesse tipo
de inseminação não é necessária a presença de muco cervical,
importante para a migração dos espermatozoides até o óvulo.
Outro fator vantajoso é que na inseminação artificial
intrauterina, como os espermatozoides são inseridos além do
colo do útero, aumentam-se as chances de fecundação, pois
haverá um maior número de espermatozoides aptos na
cavidade intrauterina.
Vantagem e desvantagens

Antes da realização de qualquer método de inseminação artificial, é
preciso que haja uma estimulação ovariana na fêmea. Essa
ovulação é induzida de forma controlada através de hormônios
para evitar a hiperestimulação ovariana e consequente gravidez
múltipla.
Cuidados
A taxa de sucesso da inseminação
artificial fica em torno de 10% a 15%
na inseminação artificial
intracervical; e de 15% a 20%
na inseminação artificial
intrauterina, mas em ambos os casos
é preciso levar em consideração
outros fatores, como idade e saúde
da receptora.
Porcentagem

Identificando aparelho reprodutor feminino

Inseminação intrauterina
Esperma sendo inserido no
útero.

Inseminação intracervical
Inseminação no cervix.

Na inseminação de embrião a ovulação é estimulada por uma
medicação que a própria paciente injeta, os óvulos são
colhidos e fecundados fora do corpo da mulher (fecundação
in vitro) com espermatozoides do futuro pai, logo depois o
óvulo fecundado é colocado no útero materno, gerando assim
o chamado "bebé de proveta"
Inseminação in-vitro

É legitimo manipular formas de vida humana ainda que estas não tenham nascido?
Deve realizar-se uma fecundação e estritamente "artificial" quando a natureza não o permitiu?
No caso de uma inseminação com esperma de um doador anônimo: o doador não tem nenhuma
responsabilidade sobre o seu filho genético? Não tem o direito de reclamar os seus direitos de
paternidade?
Um filho não tem o direito de saber quem é o seu pai?
É legitimo que uma mulher leve dentro da sua barriga o filho de outra pessoa? Tem o direito de o ter
quando o filho não é seu?
O que pensar quando os embriões congelados são destruídos após a fecundação? Não se está a destruir um
ser humano? O que se deve fazer com os que ficam congelados?
É um ato certo fazer experiências com embriões humanos?
Problemas Morais

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reprodução medicamente assistida
Reprodução medicamente assistidaReprodução medicamente assistida
Reprodução medicamente assistidaHelena Sousa
 
Slides de reprodução assistida alunos
Slides de reprodução assistida alunosSlides de reprodução assistida alunos
Slides de reprodução assistida alunosJaqueline Almeida
 
Póster Reprodução Medicamente Assistida
Póster Reprodução Medicamente AssistidaPóster Reprodução Medicamente Assistida
Póster Reprodução Medicamente AssistidaJoão Parracho
 
Reprodução medicamente assistida
Reprodução  medicamente assistida   Reprodução  medicamente assistida
Reprodução medicamente assistida gracindabento
 
2.7.ManipulaçãO Da Fertilidade
2.7.ManipulaçãO Da Fertilidade2.7.ManipulaçãO Da Fertilidade
2.7.ManipulaçãO Da FertilidadeCidalia Aguiar
 
Técnicas de Reprodução Assistida 12 ano
Técnicas de Reprodução Assistida 12 anoTécnicas de Reprodução Assistida 12 ano
Técnicas de Reprodução Assistida 12 anoDiana Carvalho
 
Aborto: questões éticas
Aborto: questões éticasAborto: questões éticas
Aborto: questões éticasSamuel Benjamin
 
Reprodução assistida
Reprodução assistida Reprodução assistida
Reprodução assistida Deise Silva
 
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidadeHugo Martins
 
Causas de infertilidade
Causas de infertilidade  Causas de infertilidade
Causas de infertilidade Isabel Lopes
 
Património Genético´- Trabalhos de Mendel
Património Genético´- Trabalhos de MendelPatrimónio Genético´- Trabalhos de Mendel
Património Genético´- Trabalhos de MendelIsabel Lopes
 

Mais procurados (20)

Reprodução medicamente assistida
Reprodução medicamente assistidaReprodução medicamente assistida
Reprodução medicamente assistida
 
Fertilização in vitro
Fertilização in vitroFertilização in vitro
Fertilização in vitro
 
FERTILIZAÇÃO IN VITRO
FERTILIZAÇÃO IN VITROFERTILIZAÇÃO IN VITRO
FERTILIZAÇÃO IN VITRO
 
Slides de reprodução assistida alunos
Slides de reprodução assistida alunosSlides de reprodução assistida alunos
Slides de reprodução assistida alunos
 
Póster Reprodução Medicamente Assistida
Póster Reprodução Medicamente AssistidaPóster Reprodução Medicamente Assistida
Póster Reprodução Medicamente Assistida
 
Reprodução medicamente assistida
Reprodução  medicamente assistida   Reprodução  medicamente assistida
Reprodução medicamente assistida
 
2.7.ManipulaçãO Da Fertilidade
2.7.ManipulaçãO Da Fertilidade2.7.ManipulaçãO Da Fertilidade
2.7.ManipulaçãO Da Fertilidade
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Técnicas de Reprodução Assistida 12 ano
Técnicas de Reprodução Assistida 12 anoTécnicas de Reprodução Assistida 12 ano
Técnicas de Reprodução Assistida 12 ano
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
IIU - 1
IIU - 1IIU - 1
IIU - 1
 
FIV- 2
FIV- 2FIV- 2
FIV- 2
 
Aborto: questões éticas
Aborto: questões éticasAborto: questões éticas
Aborto: questões éticas
 
Reprodução assistida
Reprodução assistida Reprodução assistida
Reprodução assistida
 
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Causas de infertilidade
Causas de infertilidade  Causas de infertilidade
Causas de infertilidade
 
Património Genético´- Trabalhos de Mendel
Património Genético´- Trabalhos de MendelPatrimónio Genético´- Trabalhos de Mendel
Património Genético´- Trabalhos de Mendel
 
Reprodução assistida
Reprodução assistida Reprodução assistida
Reprodução assistida
 
Inseminacao intrauterina
Inseminacao intrauterina Inseminacao intrauterina
Inseminacao intrauterina
 

Semelhante a História da reprodução assistida

Bebês de proveta e clonagem humana
Bebês de proveta e clonagem humanaBebês de proveta e clonagem humana
Bebês de proveta e clonagem humanawelkley
 
Fertilização in Vitro
Fertilização in VitroFertilização in Vitro
Fertilização in VitroGoogle
 
BIODIREITO - AULA 8 - REPRODUÇÃO H. ASSISTIDA.ppt
BIODIREITO - AULA 8 - REPRODUÇÃO H. ASSISTIDA.pptBIODIREITO - AULA 8 - REPRODUÇÃO H. ASSISTIDA.ppt
BIODIREITO - AULA 8 - REPRODUÇÃO H. ASSISTIDA.pptGabrielTeixeiradeOli1
 
Gravidez na adolescência e Aborto.
Gravidez na adolescência e Aborto. Gravidez na adolescência e Aborto.
Gravidez na adolescência e Aborto. Rayene Matias Diniz
 
Aborto - História, religião, politica e ética.
Aborto - História, religião, politica e ética.Aborto - História, religião, politica e ética.
Aborto - História, religião, politica e ética.Ana Santos
 
Aborto apresentaçao palestra
Aborto apresentaçao palestraAborto apresentaçao palestra
Aborto apresentaçao palestraRita Jussara
 
Reproduo medicamente-assistida-1199534861961760-4
Reproduo medicamente-assistida-1199534861961760-4Reproduo medicamente-assistida-1199534861961760-4
Reproduo medicamente-assistida-1199534861961760-4Paulo Botica
 
Bioética
BioéticaBioética
BioéticaAlan
 
Aborto
AbortoAborto
AbortoURCA
 
Reprodução humana artigo
Reprodução humana   artigoReprodução humana   artigo
Reprodução humana artigoMagobatista
 
Fertilizacao in vitro - Perguntas frequentes
Fertilizacao in vitro - Perguntas frequentesFertilizacao in vitro - Perguntas frequentes
Fertilizacao in vitro - Perguntas frequentesMalo Clinic - Ginemed
 

Semelhante a História da reprodução assistida (20)

Bebês de proveta e clonagem humana
Bebês de proveta e clonagem humanaBebês de proveta e clonagem humana
Bebês de proveta e clonagem humana
 
Aula 18 e19
Aula 18 e19Aula 18 e19
Aula 18 e19
 
Fertilização in Vitro
Fertilização in VitroFertilização in Vitro
Fertilização in Vitro
 
BIODIREITO - AULA 8 - REPRODUÇÃO H. ASSISTIDA.ppt
BIODIREITO - AULA 8 - REPRODUÇÃO H. ASSISTIDA.pptBIODIREITO - AULA 8 - REPRODUÇÃO H. ASSISTIDA.ppt
BIODIREITO - AULA 8 - REPRODUÇÃO H. ASSISTIDA.ppt
 
Gravidez na adolescência e Aborto.
Gravidez na adolescência e Aborto. Gravidez na adolescência e Aborto.
Gravidez na adolescência e Aborto.
 
Aborto - História, religião, politica e ética.
Aborto - História, religião, politica e ética.Aborto - História, religião, politica e ética.
Aborto - História, religião, politica e ética.
 
Bebe Proveta
Bebe ProvetaBebe Proveta
Bebe Proveta
 
Bebe Proveta
Bebe ProvetaBebe Proveta
Bebe Proveta
 
Aborto apresentaçao palestra
Aborto apresentaçao palestraAborto apresentaçao palestra
Aborto apresentaçao palestra
 
Apresentação 2
Apresentação 2Apresentação 2
Apresentação 2
 
Reproduo medicamente-assistida-1199534861961760-4
Reproduo medicamente-assistida-1199534861961760-4Reproduo medicamente-assistida-1199534861961760-4
Reproduo medicamente-assistida-1199534861961760-4
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Reprodução humana artigo
Reprodução humana   artigoReprodução humana   artigo
Reprodução humana artigo
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
Fertilizacao in vitro - Perguntas frequentes
Fertilizacao in vitro - Perguntas frequentesFertilizacao in vitro - Perguntas frequentes
Fertilizacao in vitro - Perguntas frequentes
 
Aborto yane
Aborto yaneAborto yane
Aborto yane
 
Aborto yane
Aborto yaneAborto yane
Aborto yane
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 

Mais de Ste Escola Bernardino

Aula de ingles 8ºano foods and drinks (cópia)
Aula de ingles 8ºano foods and drinks (cópia)Aula de ingles 8ºano foods and drinks (cópia)
Aula de ingles 8ºano foods and drinks (cópia)Ste Escola Bernardino
 
5º geo 6 ano formação da terra e litosfera - interior da terra e crosta te...
5º geo 6 ano   formação da terra e litosfera -  interior da terra e crosta te...5º geo 6 ano   formação da terra e litosfera -  interior da terra e crosta te...
5º geo 6 ano formação da terra e litosfera - interior da terra e crosta te...Ste Escola Bernardino
 
Cap.13 brasil-a paisagem e o espaço do centro-sul.
Cap.13  brasil-a paisagem e o espaço do centro-sul.Cap.13  brasil-a paisagem e o espaço do centro-sul.
Cap.13 brasil-a paisagem e o espaço do centro-sul.Ste Escola Bernardino
 
Os climas e as paisagens naturais da américa.
Os climas e as paisagens naturais da américa.Os climas e as paisagens naturais da américa.
Os climas e as paisagens naturais da américa.Ste Escola Bernardino
 
Os climas e as paisagens naturais da américa.
Os climas e as paisagens naturais da américa.Os climas e as paisagens naturais da américa.
Os climas e as paisagens naturais da américa.Ste Escola Bernardino
 

Mais de Ste Escola Bernardino (20)

Biografia
BiografiaBiografia
Biografia
 
Aula de ingles 8ºano foods and drinks (cópia)
Aula de ingles 8ºano foods and drinks (cópia)Aula de ingles 8ºano foods and drinks (cópia)
Aula de ingles 8ºano foods and drinks (cópia)
 
2 ano ambiguidade 2 ano
2 ano ambiguidade 2 ano2 ano ambiguidade 2 ano
2 ano ambiguidade 2 ano
 
Poemas 29 05
Poemas 29 05Poemas 29 05
Poemas 29 05
 
5º geo 6 ano formação da terra e litosfera - interior da terra e crosta te...
5º geo 6 ano   formação da terra e litosfera -  interior da terra e crosta te...5º geo 6 ano   formação da terra e litosfera -  interior da terra e crosta te...
5º geo 6 ano formação da terra e litosfera - interior da terra e crosta te...
 
Eua sociedade e economia.
Eua sociedade e economia.Eua sociedade e economia.
Eua sociedade e economia.
 
Cap.13 brasil-a paisagem e o espaço do centro-sul.
Cap.13  brasil-a paisagem e o espaço do centro-sul.Cap.13  brasil-a paisagem e o espaço do centro-sul.
Cap.13 brasil-a paisagem e o espaço do centro-sul.
 
Europa sociedade.
Europa  sociedade.Europa  sociedade.
Europa sociedade.
 
Biografia
BiografiaBiografia
Biografia
 
Dança
DançaDança
Dança
 
Projeto minha profissão zootecnia
Projeto minha profissão   zootecniaProjeto minha profissão   zootecnia
Projeto minha profissão zootecnia
 
Projeto minha profissão zootecnia
Projeto minha profissão   zootecniaProjeto minha profissão   zootecnia
Projeto minha profissão zootecnia
 
Direito
DireitoDireito
Direito
 
Medicina veterinária
Medicina veterináriaMedicina veterinária
Medicina veterinária
 
Contabilidade
ContabilidadeContabilidade
Contabilidade
 
Os climas e as paisagens naturais da américa.
Os climas e as paisagens naturais da américa.Os climas e as paisagens naturais da américa.
Os climas e as paisagens naturais da américa.
 
Oceania colonização e natureza.
Oceania  colonização e natureza.Oceania  colonização e natureza.
Oceania colonização e natureza.
 
Os climas e as paisagens naturais da américa.
Os climas e as paisagens naturais da américa.Os climas e as paisagens naturais da américa.
Os climas e as paisagens naturais da américa.
 
Eng.produçao
Eng.produçaoEng.produçao
Eng.produçao
 
Agronomia
AgronomiaAgronomia
Agronomia
 

História da reprodução assistida

  • 2.
  • 3. A história da inseminação artificial, assim como da clonagem tem séculos de existência. As primeiras formas de clonagem foram desenvolvidas para a reprodução de plantas. Consistiam no plantio de um talo ( ou ramo) retirado de um vegetal, obtendo-se uma nova planta geneticamente igual à anterior. Trata-se da popular enxertia. Outros marcos históricos: A primeira gravidez por inseminação artificial data de 1791 e foi realizada pelo médico John Hunter. A primeira fecundação in vitro animal remonta a 1878. A primeira sugestão de um clonagem idêntica à realizada para o nascimento da ovelha Dolly, data de 1938 e foi feita pelo cientista nazi Hans Spemann que recebeu o Nobel de Fisiologia-Medicina pelas suas investigações sobre a evolução dos seres vivos. O primeiro bebê-proveta data de 1978. No inicio da década de 90 do século XX, os médicos faziam já todo o tipo de experiências em termos de inseminação artificial: mulheres virgens ou na menopausa davam à luz crianças... Algo impensável poucos anos antes. Em 1996 deu-se um acontecimento que abalou o mundo científico: Os investigadores do Roslin Institut de Edimburgo, realizaram uma notável façanha laboratorial: a fusão do núcleo de uma célula retirada da glândula mamária de uma ovelha de 6 anos com o óvulo de outra ovelha. Surgia desta forma o embrião da célebre Dolly. Entretanto continuaram as inseminações bizarras: sémen congelado de pessoas falecidas que fecundam óvulos de pessoas vivas, avós que dão à luz os seus próprios netos... Conclusão: Não há limites no campo na reprodução assistida. Histórico
  • 4.  A inseminação artificial é uma técnica de reprodução medicamente assistida que consiste na deposição mecânica do sêmen no aparelho genital da fêmea. O que é?
  • 5.  O tratamento é iniciado com o uso de medicamentos que estimulam a produção de óvulos, mais de um por ciclo. Os óvulos serão aspirados por uma agulha e colocados em meio de cultura com nutrientes, em seguida são depositados os espermatozoides. Depois que os óvulos estiverem fertilizados, serão encaminhados para um estufa onde passarão pelas primeiras divisões celulares para formar o embrião. Dentro de 72 horas já existirão entre oito e dezesseis células, o que já possibilita o seu posicionamento no útero da mulher. Para garantir a chance de a mulher desenvolver a gravidez, são implantados mais de um embrião, por isso as chances de nascerem gêmeos ou trigêmeos são grandes. Quanto a indicação, a fertilização in vitro é feita em mulheres que já fizeram ligamento de trompas ou já entraram na menopausa. Como é?
  • 6.   inseminação artificial intracervical: O esperma é injetado no cérvix através de uma seringa. Esse método reproduz a forma como o esperma é depositado pelo pênis, no cérvix, no momento da ejaculação.  Inseminação artificial intrauterina:Os espermatozoides passam por um “tratamento”, no qual somente os que estão aptos a fertilizar permanecem. Feito isso, os espermatozoides são depositados diretamente no útero, após a fêmea passar por um tratamento que induz a ovulação. Os tipos de inseminação
  • 7.  A inseminação artificial intrauterina tem algumas vantagens sobre a inseminação artificial intracervical, porque nesse tipo de inseminação não é necessária a presença de muco cervical, importante para a migração dos espermatozoides até o óvulo. Outro fator vantajoso é que na inseminação artificial intrauterina, como os espermatozoides são inseridos além do colo do útero, aumentam-se as chances de fecundação, pois haverá um maior número de espermatozoides aptos na cavidade intrauterina. Vantagem e desvantagens
  • 8.  Antes da realização de qualquer método de inseminação artificial, é preciso que haja uma estimulação ovariana na fêmea. Essa ovulação é induzida de forma controlada através de hormônios para evitar a hiperestimulação ovariana e consequente gravidez múltipla. Cuidados
  • 9. A taxa de sucesso da inseminação artificial fica em torno de 10% a 15% na inseminação artificial intracervical; e de 15% a 20% na inseminação artificial intrauterina, mas em ambos os casos é preciso levar em consideração outros fatores, como idade e saúde da receptora. Porcentagem
  • 13.  Na inseminação de embrião a ovulação é estimulada por uma medicação que a própria paciente injeta, os óvulos são colhidos e fecundados fora do corpo da mulher (fecundação in vitro) com espermatozoides do futuro pai, logo depois o óvulo fecundado é colocado no útero materno, gerando assim o chamado "bebé de proveta" Inseminação in-vitro
  • 14.
  • 15. É legitimo manipular formas de vida humana ainda que estas não tenham nascido? Deve realizar-se uma fecundação e estritamente "artificial" quando a natureza não o permitiu? No caso de uma inseminação com esperma de um doador anônimo: o doador não tem nenhuma responsabilidade sobre o seu filho genético? Não tem o direito de reclamar os seus direitos de paternidade? Um filho não tem o direito de saber quem é o seu pai? É legitimo que uma mulher leve dentro da sua barriga o filho de outra pessoa? Tem o direito de o ter quando o filho não é seu? O que pensar quando os embriões congelados são destruídos após a fecundação? Não se está a destruir um ser humano? O que se deve fazer com os que ficam congelados? É um ato certo fazer experiências com embriões humanos? Problemas Morais