SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
2011




Biografia
Eça de Queiroz

CULTURA, LÍNGUA E COMUNICAÇÃO




      Margarida Rodrigues
Cultura, Língua e Comunicação


                       Eça de Queirós
                             Biografia



José Maria de Eça de Queirós nasceu em 25 de Novembro de 1845, numa casa
da praça do Almada na Póvoa de Varzim, no centro da cidade; foi baptizado na
Igreja Matriz de Vila do Conde. Filho de José Maria Teixeira de Queirós, nascido
no Rio de Janeiro em 1820, e de Carolina Augusta Pereira d'Eça, nascida em
Monção em 1826.

Eça de Queirós foi baptizado como "filho natural de José Maria d'Almeida de
Teixeira de Queiroz e de Mãe incógnita", fórmula comum que traduzia a solução
usada em caso similar nos registos de baptismo quando a mãe pertencia a
estratos sociais elevados.

Uma das teses para tentar justificar o facto dos pais do escritor não se terem
casado antes do nascimento deste sustenta que Carolina Augusta Pereira de Eça
não teria obtido o necessário consentimento da parte de sua mãe, já viúva do
coronel José Pereira de Eça.

De facto, seis dias após a morte da avó que a isso se oporia, casaram-se os pais
de Eça de Queirós, quando o menino tinha quase quatro anos. Por via dessas
contingências foi entregue a uma ama, aos cuidados de quem ficou até passar
para a casa de Verdemilho em Aradas, Aveiro, a casa da sua avó paterna que em
1855 morreu.

Nessa altura, foi internado no Colégio da Lapa, no Porto, de onde saiu em 1861,
com dezasseis anos, para a Universidade de Coimbra onde estudou direito.

Em Coimbra, Eça foi amigo de Antero de Quental. Os seus primeiros trabalhos,
publicados avulsos na revista "Gazeta de Portugal", foram depois coligidos em
livro, publicado depois da sua morte sob o título Prosas Bárbaras.

Em 1869 e 1870, Eça de Queirós fez uma viagem de seis semanas ao Oriente (de
23 de Outubro de 1869 a 3 de Janeiro de 1870), em companhia de D. Luís de
Castro, 5.º Conde de Resende, irmão da sua futura mulher, Emília de Castro,
tendo assistido no Egipto à inauguração do canal do Suez. Visitaram,
igualmente, a Palestina. Aproveitou as notas de viagem para alguns dos seus

Margarida Rodrigues                                                           2
Cultura, Língua e Comunicação

trabalhos, o mais notável dos quais o “O mistério da estrada de Sintra”, em
1870, e “A relíquia”, publicado em 1887. Em 1871, foi um dos participantes das
chamadas Conferências do Casino.

Quando foi despachado mais tarde como administrador municipal de Leiria,
escreveu a sua primeira novela realista, O Crime do Padre Amaro, que apareceu
em 1875.

Tendo entrado na carreira diplomática, Eça de Queirós passou os anos mais
produtivos de sua vida em Inglaterra, como cônsul de Portugal em Newcastle e
em Bristol. Escreveu então alguns dos seus trabalhos mais importantes, A
Capital, escrito numa prosa hábil, plena de realismo. Suas obras mais
conhecidas, Os Maias e O Mandarim, foram escritas em Bristol e Paris,
respectivamente.

Seu último livro foi A Ilustre Casa de Ramires, sobre um fidalgo do séc. XIX com
problemas para se reconciliar com a grandeza de sua linhagem.

Morreu em 16 de Agosto de 1900 em Paris. Teve funerais nacionais. Está
sepultado em Santa Cruz do Douro.

Seus trabalhos foram traduzidos em aproximadamente vinte línguas.

Principais obras de Eça de Queiroz:

       A Cidade e as Serras
      A Ilustre Casa de Ramires
      A Relíquia
      A Tragédia da Rua das Flores
      As Farpas
      Contos e Prosas Bárbaras
      O Crime do Padre Amaro
      O Mandarim
      O Mistério da Estrada de Sintra
      O Primo Basílio
      Os Maias
      Uma Campanha Alegre




Margarida Rodrigues                                                           3
Cultura, Língua e Comunicação

Realismo
Eça de Queirós definiu o Realismo como "uma base filosófica para todas as
concepções de espírito - uma lei, uma carta de guia, um roteiro do pensamento
humano, na eterna região do belo, do bom e do justo (...) é a crítica do Homem
(...) para condenar o que houver de mau na nossa sociedade (...) É não
simplesmente o expôr (o real) minudente, trivial, fotográfico (...) mas sim partir
dele para a análise do Homem e sociedade."

As características gerais do Realismo são: a análise e síntese da realidade com
objectividade, em oposição à subjectividade romântica; exactidão, veracidade e
abundância de pormenores, com o retrato fidelíssimo da natureza; total
indiferença perante o "Eu" subjectivo e pensante perante a natureza (o "Eu"
romântico); neutralidade de coração perante o bem e o mal, o feio e o bonito,
vício e virtude; análise corajosa de vícios e podridão da sociedade;
relacionamento lógico entre as causas desse comportamento (biológicas ou
sociais, e a natureza interior e exterior da personagem); admissão de temas
cosmopolitas na literatura; uso de expressões simples e sem convencionalismos
(por oposição ao tom declamatório romântico).

O Realismo é uma forma de expressão artística que procura reproduzir de forma
mais ou menos evidente e naturalista o mundo e os objectos da realidade
envolvente, surgindo de forma cíclica ao longo da história e tendo como grande
impulsionadora a França.

O Realismo apresenta-se como uma doutrina filosófica e uma corrente estética e
literária que procura a conformação com a realidade. As suas características
estão intimamente ligadas ao momento histórico, reflectindo as novas
descobertas científicas, as evoluções tecnológicas e as ideias sociais, políticas e
económicas da época.

O Realismo preocupa-se com a verdade dos factos, a realidade concreta, a
explicação lógica dos comportamentos. Procura ver a realidade de forma
objectiva e surge como reacção ao idealismo e ao subjectivismo emocional
românticos. Como movimento da arte e da literatura, procura representar o
mundo exterior de uma forma fidedigna, sem interferência de reflexões
intelectuais nem preconceitos, e voltada para a análise das condições políticas,
económicas e sociais.

Eça de Queirós, na 4.ª Conferência do Casino Lisbonense afirma que "O
Realismo é uma reacção contra o Romantismo: O Romantismo era a apoteose
do sentimento; - o Realismo é a anatomia do carácter. É a crítica do homem. É a
arte que nos pinta a nossos próprios olhos - para nos conhecermos, para que
saibamos se somos verdadeiros ou falsos, para condenar o que houver de mau
na nossa sociedade".


Margarida Rodrigues                                                              4

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eça de queirós
Eça de queirósEça de queirós
Eça de queirós
mecca1337
 
Eça de queiroz biografia
Eça de queiroz   biografiaEça de queiroz   biografia
Eça de queiroz biografia
Sofia Yuna
 
Eça de queiroz trabalho portugues
Eça de queiroz trabalho portuguesEça de queiroz trabalho portugues
Eça de queiroz trabalho portugues
Pedro Martins
 
Biografia de José de Sousa Saramago
Biografia de José de Sousa SaramagoBiografia de José de Sousa Saramago
Biografia de José de Sousa Saramago
letrasbriteiros
 

Mais procurados (20)

Eça de queirós
Eça de queirósEça de queirós
Eça de queirós
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
 
Vida e obra de eça de queirós
Vida e obra de eça de queirósVida e obra de eça de queirós
Vida e obra de eça de queirós
 
Eça de queiroz biografia
Eça de queiroz   biografiaEça de queiroz   biografia
Eça de queiroz biografia
 
Cesário Verde
Cesário VerdeCesário Verde
Cesário Verde
 
Geração de 70
Geração de 70Geração de 70
Geração de 70
 
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasilO realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
 
Eça de Queiroz
Eça de Queiroz Eça de Queiroz
Eça de Queiroz
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
 
Eça de queiroz trabalho portugues
Eça de queiroz trabalho portuguesEça de queiroz trabalho portugues
Eça de queiroz trabalho portugues
 
Os Maias - Capítulo II
Os Maias - Capítulo IIOs Maias - Capítulo II
Os Maias - Capítulo II
 
os-maias-capitulo-final (1).pptx
os-maias-capitulo-final (1).pptxos-maias-capitulo-final (1).pptx
os-maias-capitulo-final (1).pptx
 
Cenáculo
CenáculoCenáculo
Cenáculo
 
Biografia de José de Sousa Saramago
Biografia de José de Sousa SaramagoBiografia de José de Sousa Saramago
Biografia de José de Sousa Saramago
 
Os Maias - Capítulo VIII
Os Maias - Capítulo VIIIOs Maias - Capítulo VIII
Os Maias - Capítulo VIII
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Questão coimbrã
Questão coimbrãQuestão coimbrã
Questão coimbrã
 
Os Maias, capítulos I a IV
Os Maias, capítulos I a IVOs Maias, capítulos I a IV
Os Maias, capítulos I a IV
 
Os maias a intriga
Os maias   a intrigaOs maias   a intriga
Os maias a intriga
 

Destaque

7040527 vida-e-obra-de-sao-francisco-de-assis
7040527 vida-e-obra-de-sao-francisco-de-assis7040527 vida-e-obra-de-sao-francisco-de-assis
7040527 vida-e-obra-de-sao-francisco-de-assis
Fernanda Rafaela
 
Reportagem do haiti
Reportagem do haitiReportagem do haiti
Reportagem do haiti
stcnsaidjv
 
UMA PITADA DE LITERATURA: ANÁLISE DOS NARRADORES DE DOM CASMURRO E BOM LADRÃO.
UMA PITADA DE LITERATURA: ANÁLISE DOS NARRADORES DE DOM CASMURRO E BOM LADRÃO.UMA PITADA DE LITERATURA: ANÁLISE DOS NARRADORES DE DOM CASMURRO E BOM LADRÃO.
UMA PITADA DE LITERATURA: ANÁLISE DOS NARRADORES DE DOM CASMURRO E BOM LADRÃO.
eloine123
 
Machado de assis
Machado de assisMachado de assis
Machado de assis
Simonetc
 

Destaque (13)

Machado de assis vida e obra
Machado de assis  vida e obraMachado de assis  vida e obra
Machado de assis vida e obra
 
Machado De Assis (Literatura) Eduardo
Machado De Assis (Literatura) EduardoMachado De Assis (Literatura) Eduardo
Machado De Assis (Literatura) Eduardo
 
Machado de assis obras
Machado de assis   obrasMachado de assis   obras
Machado de assis obras
 
7040527 vida-e-obra-de-sao-francisco-de-assis
7040527 vida-e-obra-de-sao-francisco-de-assis7040527 vida-e-obra-de-sao-francisco-de-assis
7040527 vida-e-obra-de-sao-francisco-de-assis
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Edgar Allan Poe e Machado de Assis: estranhamento e sedução da cidade
Edgar Allan Poe e Machado de Assis: estranhamento e sedução da cidadeEdgar Allan Poe e Machado de Assis: estranhamento e sedução da cidade
Edgar Allan Poe e Machado de Assis: estranhamento e sedução da cidade
 
Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis
Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de AssisMemórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis
Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis
 
Machado De Assis
Machado De AssisMachado De Assis
Machado De Assis
 
Reportagem do haiti
Reportagem do haitiReportagem do haiti
Reportagem do haiti
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
UMA PITADA DE LITERATURA: ANÁLISE DOS NARRADORES DE DOM CASMURRO E BOM LADRÃO.
UMA PITADA DE LITERATURA: ANÁLISE DOS NARRADORES DE DOM CASMURRO E BOM LADRÃO.UMA PITADA DE LITERATURA: ANÁLISE DOS NARRADORES DE DOM CASMURRO E BOM LADRÃO.
UMA PITADA DE LITERATURA: ANÁLISE DOS NARRADORES DE DOM CASMURRO E BOM LADRÃO.
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Machado de assis
Machado de assisMachado de assis
Machado de assis
 

Semelhante a Biografia eça de queiroz

Júlio Dinis
Júlio DinisJúlio Dinis
Júlio Dinis
Bia Reis
 
O realismo na literatura oitocentista
O realismo na literatura oitocentistaO realismo na literatura oitocentista
O realismo na literatura oitocentista
Tina Lima
 

Semelhante a Biografia eça de queiroz (20)

Eça de queiróz trabalho da universidade
Eça de queiróz trabalho da universidadeEça de queiróz trabalho da universidade
Eça de queiróz trabalho da universidade
 
Maias
MaiasMaias
Maias
 
Maias
MaiasMaias
Maias
 
Eça de queiroz para lpo
Eça de queiroz para lpoEça de queiroz para lpo
Eça de queiroz para lpo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Júlio Dinis
Júlio DinisJúlio Dinis
Júlio Dinis
 
Realismo - Naturalismo
Realismo - NaturalismoRealismo - Naturalismo
Realismo - Naturalismo
 
Eça de queiroz
 Eça de queiroz Eça de queiroz
Eça de queiroz
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Slide arcadismo[1]
Slide arcadismo[1]Slide arcadismo[1]
Slide arcadismo[1]
 
A percepção critica pelo olhar de Eça de Queirós
 A percepção critica pelo olhar de Eça de Queirós  A percepção critica pelo olhar de Eça de Queirós
A percepção critica pelo olhar de Eça de Queirós
 
Realismo Português
Realismo PortuguêsRealismo Português
Realismo Português
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
O realismo na literatura oitocentista
O realismo na literatura oitocentistaO realismo na literatura oitocentista
O realismo na literatura oitocentista
 
trabalho de portugues.pptx
trabalho de portugues.pptxtrabalho de portugues.pptx
trabalho de portugues.pptx
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
 
Trabalho de pesquisa
Trabalho de pesquisaTrabalho de pesquisa
Trabalho de pesquisa
 
José de alencar
José de alencarJosé de alencar
José de alencar
 
Boletim informativo "Contacto"
Boletim informativo "Contacto"Boletim informativo "Contacto"
Boletim informativo "Contacto"
 

Mais de stcnsaidjv

Residuos de reciclagem
Residuos de reciclagemResiduos de reciclagem
Residuos de reciclagem
stcnsaidjv
 
O que é o adn
O que é o adnO que é o adn
O que é o adn
stcnsaidjv
 
As causas da revolução francesa
As causas da revolução francesaAs causas da revolução francesa
As causas da revolução francesa
stcnsaidjv
 
Exclusão social
Exclusão socialExclusão social
Exclusão social
stcnsaidjv
 
Sociedade tecnologia e ciência doenças contagiosas
Sociedade tecnologia e ciência doenças contagiosasSociedade tecnologia e ciência doenças contagiosas
Sociedade tecnologia e ciência doenças contagiosas
stcnsaidjv
 
Patologias e prevenções
Patologias e prevençõesPatologias e prevenções
Patologias e prevenções
stcnsaidjv
 
Patologias e prevenção
Patologias e prevençãoPatologias e prevenção
Patologias e prevenção
stcnsaidjv
 
Direitos, liberdade e garantias da constituição da república portuguesa
Direitos, liberdade e garantias da constituição da república portuguesaDireitos, liberdade e garantias da constituição da república portuguesa
Direitos, liberdade e garantias da constituição da república portuguesa
stcnsaidjv
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
stcnsaidjv
 
Segurança no trabalho
Segurança no trabalhoSegurança no trabalho
Segurança no trabalho
stcnsaidjv
 
Economia nacional
Economia nacionalEconomia nacional
Economia nacional
stcnsaidjv
 
Carta internacional dos direitos humanos
Carta internacional dos direitos humanosCarta internacional dos direitos humanos
Carta internacional dos direitos humanos
stcnsaidjv
 
A origem do universo
A origem do universoA origem do universo
A origem do universo
stcnsaidjv
 
Prevenção e segurança no trabalho
Prevenção e segurança no trabalhoPrevenção e segurança no trabalho
Prevenção e segurança no trabalho
stcnsaidjv
 
Mecanismo despositivo da concertação social
Mecanismo despositivo da concertação socialMecanismo despositivo da concertação social
Mecanismo despositivo da concertação social
stcnsaidjv
 
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveisDst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
stcnsaidjv
 
Tolerância reflexão
Tolerância   reflexãoTolerância   reflexão
Tolerância reflexão
stcnsaidjv
 
Reflexão crítica das tic
Reflexão crítica das ticReflexão crítica das tic
Reflexão crítica das tic
stcnsaidjv
 
O que são medicinas alternativas
O que são medicinas alternativasO que são medicinas alternativas
O que são medicinas alternativas
stcnsaidjv
 

Mais de stcnsaidjv (20)

Residuos de reciclagem
Residuos de reciclagemResiduos de reciclagem
Residuos de reciclagem
 
O que é o adn
O que é o adnO que é o adn
O que é o adn
 
As causas da revolução francesa
As causas da revolução francesaAs causas da revolução francesa
As causas da revolução francesa
 
Empresa cp
Empresa cpEmpresa cp
Empresa cp
 
Exclusão social
Exclusão socialExclusão social
Exclusão social
 
Sociedade tecnologia e ciência doenças contagiosas
Sociedade tecnologia e ciência doenças contagiosasSociedade tecnologia e ciência doenças contagiosas
Sociedade tecnologia e ciência doenças contagiosas
 
Patologias e prevenções
Patologias e prevençõesPatologias e prevenções
Patologias e prevenções
 
Patologias e prevenção
Patologias e prevençãoPatologias e prevenção
Patologias e prevenção
 
Direitos, liberdade e garantias da constituição da república portuguesa
Direitos, liberdade e garantias da constituição da república portuguesaDireitos, liberdade e garantias da constituição da república portuguesa
Direitos, liberdade e garantias da constituição da república portuguesa
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
 
Segurança no trabalho
Segurança no trabalhoSegurança no trabalho
Segurança no trabalho
 
Economia nacional
Economia nacionalEconomia nacional
Economia nacional
 
Carta internacional dos direitos humanos
Carta internacional dos direitos humanosCarta internacional dos direitos humanos
Carta internacional dos direitos humanos
 
A origem do universo
A origem do universoA origem do universo
A origem do universo
 
Prevenção e segurança no trabalho
Prevenção e segurança no trabalhoPrevenção e segurança no trabalho
Prevenção e segurança no trabalho
 
Mecanismo despositivo da concertação social
Mecanismo despositivo da concertação socialMecanismo despositivo da concertação social
Mecanismo despositivo da concertação social
 
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveisDst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
 
Tolerância reflexão
Tolerância   reflexãoTolerância   reflexão
Tolerância reflexão
 
Reflexão crítica das tic
Reflexão crítica das ticReflexão crítica das tic
Reflexão crítica das tic
 
O que são medicinas alternativas
O que são medicinas alternativasO que são medicinas alternativas
O que são medicinas alternativas
 

Último

ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
azulassessoria9
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
FLAVIA LEZAN
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 

Biografia eça de queiroz

  • 1. 2011 Biografia Eça de Queiroz CULTURA, LÍNGUA E COMUNICAÇÃO Margarida Rodrigues
  • 2. Cultura, Língua e Comunicação Eça de Queirós Biografia José Maria de Eça de Queirós nasceu em 25 de Novembro de 1845, numa casa da praça do Almada na Póvoa de Varzim, no centro da cidade; foi baptizado na Igreja Matriz de Vila do Conde. Filho de José Maria Teixeira de Queirós, nascido no Rio de Janeiro em 1820, e de Carolina Augusta Pereira d'Eça, nascida em Monção em 1826. Eça de Queirós foi baptizado como "filho natural de José Maria d'Almeida de Teixeira de Queiroz e de Mãe incógnita", fórmula comum que traduzia a solução usada em caso similar nos registos de baptismo quando a mãe pertencia a estratos sociais elevados. Uma das teses para tentar justificar o facto dos pais do escritor não se terem casado antes do nascimento deste sustenta que Carolina Augusta Pereira de Eça não teria obtido o necessário consentimento da parte de sua mãe, já viúva do coronel José Pereira de Eça. De facto, seis dias após a morte da avó que a isso se oporia, casaram-se os pais de Eça de Queirós, quando o menino tinha quase quatro anos. Por via dessas contingências foi entregue a uma ama, aos cuidados de quem ficou até passar para a casa de Verdemilho em Aradas, Aveiro, a casa da sua avó paterna que em 1855 morreu. Nessa altura, foi internado no Colégio da Lapa, no Porto, de onde saiu em 1861, com dezasseis anos, para a Universidade de Coimbra onde estudou direito. Em Coimbra, Eça foi amigo de Antero de Quental. Os seus primeiros trabalhos, publicados avulsos na revista "Gazeta de Portugal", foram depois coligidos em livro, publicado depois da sua morte sob o título Prosas Bárbaras. Em 1869 e 1870, Eça de Queirós fez uma viagem de seis semanas ao Oriente (de 23 de Outubro de 1869 a 3 de Janeiro de 1870), em companhia de D. Luís de Castro, 5.º Conde de Resende, irmão da sua futura mulher, Emília de Castro, tendo assistido no Egipto à inauguração do canal do Suez. Visitaram, igualmente, a Palestina. Aproveitou as notas de viagem para alguns dos seus Margarida Rodrigues 2
  • 3. Cultura, Língua e Comunicação trabalhos, o mais notável dos quais o “O mistério da estrada de Sintra”, em 1870, e “A relíquia”, publicado em 1887. Em 1871, foi um dos participantes das chamadas Conferências do Casino. Quando foi despachado mais tarde como administrador municipal de Leiria, escreveu a sua primeira novela realista, O Crime do Padre Amaro, que apareceu em 1875. Tendo entrado na carreira diplomática, Eça de Queirós passou os anos mais produtivos de sua vida em Inglaterra, como cônsul de Portugal em Newcastle e em Bristol. Escreveu então alguns dos seus trabalhos mais importantes, A Capital, escrito numa prosa hábil, plena de realismo. Suas obras mais conhecidas, Os Maias e O Mandarim, foram escritas em Bristol e Paris, respectivamente. Seu último livro foi A Ilustre Casa de Ramires, sobre um fidalgo do séc. XIX com problemas para se reconciliar com a grandeza de sua linhagem. Morreu em 16 de Agosto de 1900 em Paris. Teve funerais nacionais. Está sepultado em Santa Cruz do Douro. Seus trabalhos foram traduzidos em aproximadamente vinte línguas. Principais obras de Eça de Queiroz: A Cidade e as Serras A Ilustre Casa de Ramires A Relíquia A Tragédia da Rua das Flores As Farpas Contos e Prosas Bárbaras O Crime do Padre Amaro O Mandarim O Mistério da Estrada de Sintra O Primo Basílio Os Maias Uma Campanha Alegre Margarida Rodrigues 3
  • 4. Cultura, Língua e Comunicação Realismo Eça de Queirós definiu o Realismo como "uma base filosófica para todas as concepções de espírito - uma lei, uma carta de guia, um roteiro do pensamento humano, na eterna região do belo, do bom e do justo (...) é a crítica do Homem (...) para condenar o que houver de mau na nossa sociedade (...) É não simplesmente o expôr (o real) minudente, trivial, fotográfico (...) mas sim partir dele para a análise do Homem e sociedade." As características gerais do Realismo são: a análise e síntese da realidade com objectividade, em oposição à subjectividade romântica; exactidão, veracidade e abundância de pormenores, com o retrato fidelíssimo da natureza; total indiferença perante o "Eu" subjectivo e pensante perante a natureza (o "Eu" romântico); neutralidade de coração perante o bem e o mal, o feio e o bonito, vício e virtude; análise corajosa de vícios e podridão da sociedade; relacionamento lógico entre as causas desse comportamento (biológicas ou sociais, e a natureza interior e exterior da personagem); admissão de temas cosmopolitas na literatura; uso de expressões simples e sem convencionalismos (por oposição ao tom declamatório romântico). O Realismo é uma forma de expressão artística que procura reproduzir de forma mais ou menos evidente e naturalista o mundo e os objectos da realidade envolvente, surgindo de forma cíclica ao longo da história e tendo como grande impulsionadora a França. O Realismo apresenta-se como uma doutrina filosófica e uma corrente estética e literária que procura a conformação com a realidade. As suas características estão intimamente ligadas ao momento histórico, reflectindo as novas descobertas científicas, as evoluções tecnológicas e as ideias sociais, políticas e económicas da época. O Realismo preocupa-se com a verdade dos factos, a realidade concreta, a explicação lógica dos comportamentos. Procura ver a realidade de forma objectiva e surge como reacção ao idealismo e ao subjectivismo emocional românticos. Como movimento da arte e da literatura, procura representar o mundo exterior de uma forma fidedigna, sem interferência de reflexões intelectuais nem preconceitos, e voltada para a análise das condições políticas, económicas e sociais. Eça de Queirós, na 4.ª Conferência do Casino Lisbonense afirma que "O Realismo é uma reacção contra o Romantismo: O Romantismo era a apoteose do sentimento; - o Realismo é a anatomia do carácter. É a crítica do homem. É a arte que nos pinta a nossos próprios olhos - para nos conhecermos, para que saibamos se somos verdadeiros ou falsos, para condenar o que houver de mau na nossa sociedade". Margarida Rodrigues 4