SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
1799 - 1854
Iniciador do Romantismo, refundador do
teatro português, criador do lirismo
moderno, criador da prosa moderna,
jornalista, político, legislador, Garrett é
um exemplo de aliança inseparável entre
o homem político e o escritor, o cidadão
e o poeta. É considerado, por muitos
autores, como o escritor português mais
completo    de   todo    o   século   XIX,
porquanto nos deixou obras-primas na
poesia, no teatro e na prosa, inovando a
escrita e a composição em cada um
destes géneros literários.
Cronologia de uma vida
    João Baptista da Silva Leitão




              Biografia
       A viagem de Garrett
1799 - João Baptista da Silva Leitão,
   que mais tarde acrescentou os
   apelidos Almeida Garrett, nasceu no
   seio de uma família burguesa na
   cidade do Porto, a 4 de Fevereiro de
   1799.




                                                      Casa na Rua Dr. Barbosa de Castro, no Porto, onde
                                                                       Garrett nasceu



Vista do Porto tirada do convento da Serra do Pilar
1804 -1808 - Passou a infância repartida
pela Quinta do Castelo e a do Sardão, em
Vila Nova de Gaia, nas margens do Douro,
onde ouviu com agrado velhas histórias e
lendas populares narradas pelas suas
criadas velhas, que mais tarde viriam a
inspirar a sua obra.
1809-16 – Neste período, em que
 Portugal sofreu as invasões francesas, a
 sua família trasladou-se para a ilha
 Terceira, no arquipélago dos Açores, antes
 que as tropas de Soult entrassem no
 Porto.                                                Passagem do Douro, em 11
                                                             de Maio, 1809


Nos Açores, recebe uma educação clássica e iluminista (Voltaire e Rousseau, que
lhe ensinam o valor da Liberdade), orientada pelo tio, Frei Alexandre da
Conceição, Bispo de Angra, ele próprio escritor.
Estudou para seguir a carreira eclesiástica, mas cedo viu que não tinha vocação
religiosa.

Primeiras incursões literárias, sob o pseudónimo de Josino Duriense.
1816 – Regressa à pátria.

Funda, em 1817, uma loja maçónica.
Em 1817 matricula-se na a Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra
(foco de fermentação das ideias liberais).
Por esta altura conheceu as obras dos enciclopedistas franceses (Voltaire,
Rousseau, e outros), tendo contactado igualmente com as obras dos primeiros
escritores românticos.

Em 1818, primeira versão de "O Retrato de Vénus", que será acusada como
sendo "materialista, ateu e imoral". Participa na Revolução vintista. Vem para
Lisboa.

Em Coimbra, Garrett adere aos ideais revolucionários liberais, tendo em 1820
participado ativamente na Revolução Liberal Portuguesa, que se bateu contra
o regime absolutista que vigorava então.
Em 1820, finalista em Coimbra, recebe com entusiasmo e otimismo a notícia
da revolução liberal.

Em 1821, representa o Catão e publica em Coimbra O Retrato de Vénus, obras
marcadas ainda por um estilo arcádico. Arcádicos são igualmente os poemas
que escreve durante este período e que serão insertos, em 1829, na Lírica de
João Mínimo.

1822 – Funda e dirige, com Luís Francisco Midosi, o jornal 'O Toucador',
“periódico sem política, dedicado às senhoras portuguesas".
Ainda em 1822, é nomeado funcionário do Ministério do Reino.
Casa neste ano com Luísa Midosi: Garrett tem 23 anos, ela 14...




                 Retrato de Luísa Cândida Midosi com 18 anos de idade
1823-27 - Com a Vilafrancada, é preso no Limoeiro.
Aquando das contra revoluções lideradas por partidários absolutistas, Garrett
exilou-se. Vai para o primeiro exílio em Inglaterra, Birmingham. Vive numa
precária subsistência.

Em 1824, está em França, no Havre. Escreve "Camões“ e "Dona Branca". Em
Dezembro, fica desempregado.

Em 1825, escreveu em França o seu poema “Camões”, que é considerado o
marco introdutório do romantismo português.
Em 1826, publica também o Bosquejo da História da Poesia e Língua
Portuguesa, como introdução à antologia de poesia portuguesa Parnaso
Lusitano.

Com a morte de D. João VI, em 1826, é amnistiado.
Durante um período de tréguas, regressa a Portugal e mostra-se confiante na
Carta Constitucional acordada entre D. Pedro e D. Miguel, mais moderada que
o programa vintista.

Dedica-se ao jornalismo político nos jornais O Português e O Cronista.
Em 1828, depois da retoma do poder absoluto por parte de D. Miguel, parte
para o segundo exílio, em Inglaterra, Plymouth.

Em Inglaterra e em França conheceu os autores clássicos ingleses e franceses,
mas também autores românticos como Southe e Wordsworth, Rousseau e
Victor Hugo.

Começa a escrever a "Lírica de João Mínimo".

Nesse ano Garrett, que vê morrer uma sua filha recém-nascida.

Em 1829, publica em Londres a Lírica de João Mínimo e o tratado Da Educação.

Ainda em Londres, é secretário de Palmela no governo exilado.
Em 1830, publica o tratado político Portugal na Balança da Europa, onde
analisa a história da crise portuguesa e exorta à unidade e à moderação.


1830-31 - Edita o violento panfleto "Carta de Múcio Cévola ao futuro
editor do primeiro jornal liberal em português", numa época marcada por
duas crises de saúde graves.
1832 - Um ano de fogo!
Em 1832, parte para a ilha Terceira, incorpora-se no
exército liberal, e participa no desembarque em Mindelo.
Escreve, durante o cerco do Porto, o romance histórico O
Arco de Santana e colabora com Mouzinho da Silveira nas
reformas administrativas.

É encarregue de várias missões diplomáticas, dissolvidas
em 1993. Desabafa: "Se não sou exilado ou proscrito, não
sei o que sou."




 1833 - Regresso a Lisboa, depois de saber da entrada das tropas liberais.
 Secretário da comissão de reforma geral dos estudos cujo projeto de lei
 inteiramente redige.
Após a guerra civil portuguesa, que
opôs durante 14 anos (1820-1834)
liberais a absolutistas, Garrett,
regressado à Pátria, torna-se numa
figura de peso na nação.
Em 1834, é nomeado cônsul-geral em Bruxelas, numa espécie de terceiro
exílio motivado pelo cada vez maior desencanto em relação à política
portuguesa (a divisão dos liberais, a corrida aos cargos públicos), onde
contacta com a língua e a literatura alemãs (Herder, Schiller e Goethe).
Também exerceu funções diplomáticas em Londres e em Paris.
Em 1836, regressa a Lisboa, separa-se de Luísa Midosi e funda o jornal O
Português Constitucional.

No mesmo ano, após a Revolução de setembro, é incumbido pelo governo
setembrista de Passos Manuel da organização do Teatro Nacional.

Nesse âmbito, desenvolverá uma ação notável, dirigindo a Inspeção Geral dos
Teatros e o Conservatório de Arte Dramática, intervindo no projeto do futuro
Teatro Nacional de D. Maria II e escrevendo ao longo dos anos seguintes todo
um repertório dramático nacional:
          • Um Auto de Gil Vicente (1838)
          • Dona Filipa de Vilhena (1840)
          • O Alfageme de Santarém (1842)
          • Frei Luís de Sousa (1843).
Em 1837, é deputado por Braga, para as Cortes Constituintes. Em Novembro,
nasce o primeiro filho de Adelaide Pastor - com quem começara a viver -,
Nuno, que morre com pouco mais de um ano.

1838: enquanto continua a redigir leis, escreve "Um Auto de Gil Vicente".
É nomeado cronista-mor do reino.
Nasce o segundo filho de Adelaide, que também morrerá.
Em 1838, torna-se deputado da Assembleia Constituinte e membro da
comissão de reforma do Código Administrativo.

Em 1840, é eleito por Lisboa e Angra na nova legislatura
1841-42 - Nascimento da sua filha Maria fruto do romance com Adelaide
Deville Pastor, que morrerá em 1841, com apenas 22 anos. (episódio que
inspirará o Frei Luís de Sousa).



Com a assinatura de Joaquim António de
Aguiar (!), é demitido dos cargos de
inspetor dos teatros, de presidente do
conservatório e de cronista-mor.




Em 1842, é eleito deputado e entra nas
Cortes. Publica O Alfageme de Santarém.
1843 - 17 de Julho: inicia a celebérrima viagem ao vale de Santarém que na
está na origem de As Viagens da Minha Terra.

Escreve a sua outra obra-prima: Frei Luís de Sousa.

No ano de 1843 publica o 1.º volume do Romanceiro, uma recolha de
poesias de tradição popular.
1844 - Publica anonimamente uma autobiografia na revista
"Universo Pitoresco".
No Parlamento, reclama a reforma da Carta Constitucional e revela-
se contra a pena de morte.
Por ocasião dos acontecimentos de Torres Novas e das posições que
defende, a sua própria casa é por três vezes assaltada e devassada
pela polícia. Salvo de prisão certa e deportação, graças à imunidade
diplomática que lhe concede o acolhimento do embaixador
brasileiro.
Morre nos Açores a única irmã, Maria Amália.
1845 - Aparece em capítulos, em Junho, na
"Revista Universal Lisbonense", Viagens na
Minha Terra.
É representada a peça Falar Verdade a
Mentir, enquanto outra, As Profecias do
Bandarra se estreia.
Envolve-se na campanha eleitoral da
oposição ao cabralismo. Morre outro irmão,
Joaquim António.

Em 1845, lança o livro de poesias líricas
Flores sem Fruto e o 1.º volume do romance
histórico O Arco de Sant'Ana.
1845 - Conhece Rosa Montufar, com
quem tem uma ligação amorosa que
se prolongará até ao ano da sua
morte.

O último grande amor de Almeida
Garrett (1799-1854) terá sido Rosa
Montufar Infante, senhora de
ascendência espanhola, Viscondessa
da Luz, e casada.
Este idílio, ou paixão, veio a dar
origem ao livro de poemas Folhas
Caídas, publicado em 1853.
Em 1846, sai em volume o
"inclassificável" livro  das
Viagens na Minha Terra,
publicado um ano antes em
folhetim na Revista Universal
Lisbonense.

Com este livro, a crítica
considera iniciada a prosa
moderna em Portugal.
1847-50 - Anda escondido no auge dos episódios da Patuleia. Com
o regresso de Costa Cabral ao executivo, é remetido ao ostracismo
político.

No ano seguinte, é representado A Comédia do Marquês.
Em 1849, desgostoso de amores, passa uma breve temporada em
casa de Alexandre Herculano, à Ajuda. A política passa-lhe ao lado e
cultiva a vida dos salões lisboetas. Protesta contra o projeto de lei
de imprensa, a designada "lei das rolhas". Dedica-se com
regularidade à compilação final do seu "Romanceiro".
Em 1851, depois de um período de distanciamento face à vida política,
regressa com a Regeneração, movimento que prometia conciliação e
progresso. Nesse ano, funda o jornal A Regeneração, aceita o título de
visconde e reassume o seu papel de deputado, colaborando na proposta de
revisão da Carta.

Em 1852, torna-se, por pouco tempo, ministro dos Negócios Estrangeiros.


Em 1853, publica o livro de poesias líricas Folhas Caídas, recebido com algum
escândalo: o poeta era, na época, uma figura pública respeitável (deputado,
ministro, visconde), que se atrevia a cantar o amor desafiando todas as
convenções, e muitos souberam ver na obra ecos da paixão do autor pela
viscondessa da Luz, Rosa de Montufar.
1854 - Numa casa na Rua de Santa Isabel, em Lisboa, morre aos cinquenta e
cinco anos, vítima de cancro de origem hepática.

O seu biógrafo Francisco Gomes de Amorim escreve: "Eram seis horas e vinte e
cinco minutos da tarde de sábado nove de dezembro de mil oitocentos e
cinquenta e quatro."




                                     Casa onde morreu Almeida Garrett em Lisboa
No seu Curriculum Vitae, Almeida Garrett
tem de tudo um pouco: deputado, cronista-
mor,   poeta     e    prosador,    estudioso   e
compilador       da   literatura    popular    e
tradicional,    par   do   reino,     diplomata,
ministro       dos    negócios      estrangeiros,
Visconde e até criador de moda – quando o
governo liberal o nomeou Encarregado de
Negócios de Portugal em Bruxelas, Garrett
deu largas à sua vocação de “Dandy”,
frequentando os salões da alta sociedade.
Selo comemorativo do
                          «Centenário da Morte de
                          Almeida Garrett, 1957»




                Original do selo «Centenário
                da Morte de Almeida
                Garrett, 1957»




Selo comemorativo dos «200 Anos do
Nascimento de Almeida Garrett, 1999»
Almeida Garrett Biografia
Almeida Garrett Biografia
Almeida Garrett Biografia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Maria Góis
 
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de SousaMaria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousananasimao
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"gracacruz
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaLuisMagina
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana SofiaJoana Azevedo
 
Frei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei Jorge
Frei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei JorgeFrei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei Jorge
Frei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei JorgePatricia Martins
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraHelena Coutinho
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaLurdes Augusto
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasRaffaella Ergün
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maiasmauro dinis
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesvermar2010
 
D. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de SousaD. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de Sousananasimao
 

Mais procurados (20)

Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
 
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de SousaMaria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 
Os maias personagens
Os maias personagensOs maias personagens
Os maias personagens
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Frei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei Jorge
Frei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei JorgeFrei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei Jorge
Frei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei Jorge
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
 
Os Maias-Capitulo 9
Os Maias-Capitulo 9Os Maias-Capitulo 9
Os Maias-Capitulo 9
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Os Maias - Capítulo XVII
Os Maias - Capítulo XVIIOs Maias - Capítulo XVII
Os Maias - Capítulo XVII
 
Os Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo VOs Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo V
 
Os Maias - Capítulo XV
Os Maias - Capítulo XVOs Maias - Capítulo XV
Os Maias - Capítulo XV
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
D. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de SousaD. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de Sousa
 

Semelhante a Almeida Garrett Biografia

Almeida Garrett, historia
Almeida Garrett, historiaAlmeida Garrett, historia
Almeida Garrett, historiaTomás Verdelho
 
Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenário
Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenárioAlexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenário
Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenárioDomingos Boieiro
 
Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenário
Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenárioAlexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenário
Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenárioDomingos Boieiro
 
Biografia almeida garrett
Biografia almeida garrettBiografia almeida garrett
Biografia almeida garrettSara Gonçalves
 
Trabalho de história g.p.
Trabalho de história g.p.Trabalho de história g.p.
Trabalho de história g.p.maria.antonia
 
Alexandre Herculano Obras e Biografia
Alexandre Herculano Obras e BiografiaAlexandre Herculano Obras e Biografia
Alexandre Herculano Obras e BiografiaMichelly Alves
 
Destaques Enciclopédia 05-01-2015 a 11-01-2015
Destaques Enciclopédia 05-01-2015 a 11-01-2015Destaques Enciclopédia 05-01-2015 a 11-01-2015
Destaques Enciclopédia 05-01-2015 a 11-01-2015Umberto Neves
 
António Feliciano de Castilho
António Feliciano de CastilhoAntónio Feliciano de Castilho
António Feliciano de CastilhoMaiina
 
Almeida Garrett o apaixonado
Almeida Garrett o apaixonadoAlmeida Garrett o apaixonado
Almeida Garrett o apaixonadoPaula Andrade
 
A vida sobre D.Pedro I - Prof.Altair Aguilar
A vida sobre D.Pedro I - Prof.Altair AguilarA vida sobre D.Pedro I - Prof.Altair Aguilar
A vida sobre D.Pedro I - Prof.Altair AguilarAltair Moisés Aguilar
 
Escritores do século xix
Escritores do século xixEscritores do século xix
Escritores do século xixmaria.antonia
 
O mistério da estrada de sintra rita lopes
O mistério da estrada de sintra   rita lopesO mistério da estrada de sintra   rita lopes
O mistério da estrada de sintra rita lopesfantas45
 
Almeida garette -area de pro
Almeida garette -area de proAlmeida garette -area de pro
Almeida garette -area de protyaguinho26
 
Viagens na minha terra (Garrett)
Viagens na minha terra (Garrett)Viagens na minha terra (Garrett)
Viagens na minha terra (Garrett)maariane27
 

Semelhante a Almeida Garrett Biografia (20)

Biografia almeida garret
Biografia almeida garretBiografia almeida garret
Biografia almeida garret
 
Almeida Garrett, historia
Almeida Garrett, historiaAlmeida Garrett, historia
Almeida Garrett, historia
 
Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenário
Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenárioAlexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenário
Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenário
 
Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenário
Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenárioAlexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenário
Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenário
 
Biografia almeida garrett
Biografia almeida garrettBiografia almeida garrett
Biografia almeida garrett
 
Trabalho de história g.p.
Trabalho de história g.p.Trabalho de história g.p.
Trabalho de história g.p.
 
Trabalho diana, eduardo, emanuel
Trabalho diana, eduardo, emanuelTrabalho diana, eduardo, emanuel
Trabalho diana, eduardo, emanuel
 
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
 
Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A - 2013
Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A -  2013Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A -  2013
Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A - 2013
 
..
....
..
 
Alexandre Herculano Obras e Biografia
Alexandre Herculano Obras e BiografiaAlexandre Herculano Obras e Biografia
Alexandre Herculano Obras e Biografia
 
Destaques Enciclopédia 05-01-2015 a 11-01-2015
Destaques Enciclopédia 05-01-2015 a 11-01-2015Destaques Enciclopédia 05-01-2015 a 11-01-2015
Destaques Enciclopédia 05-01-2015 a 11-01-2015
 
António Feliciano de Castilho
António Feliciano de CastilhoAntónio Feliciano de Castilho
António Feliciano de Castilho
 
Almeida Garrett o apaixonado
Almeida Garrett o apaixonadoAlmeida Garrett o apaixonado
Almeida Garrett o apaixonado
 
Alexandre herculano
Alexandre herculanoAlexandre herculano
Alexandre herculano
 
A vida sobre D.Pedro I - Prof.Altair Aguilar
A vida sobre D.Pedro I - Prof.Altair AguilarA vida sobre D.Pedro I - Prof.Altair Aguilar
A vida sobre D.Pedro I - Prof.Altair Aguilar
 
Escritores do século xix
Escritores do século xixEscritores do século xix
Escritores do século xix
 
O mistério da estrada de sintra rita lopes
O mistério da estrada de sintra   rita lopesO mistério da estrada de sintra   rita lopes
O mistério da estrada de sintra rita lopes
 
Almeida garette -area de pro
Almeida garette -area de proAlmeida garette -area de pro
Almeida garette -area de pro
 
Viagens na minha terra (Garrett)
Viagens na minha terra (Garrett)Viagens na minha terra (Garrett)
Viagens na minha terra (Garrett)
 

Mais de Helena Coutinho

Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasHelena Coutinho
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particularHelena Coutinho
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralHelena Coutinho
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particularHelena Coutinho
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibirHelena Coutinho
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteHelena Coutinho
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaHelena Coutinho
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoHelena Coutinho
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaHelena Coutinho
 

Mais de Helena Coutinho (20)

. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
 
Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap vi
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
 
1. introd e estrutura
1. introd e estrutura1. introd e estrutura
1. introd e estrutura
 
. O texto dramático
. O texto dramático. O texto dramático
. O texto dramático
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir
 
Fls figuras reais
Fls figuras reaisFls figuras reais
Fls figuras reais
 
. Enredo
. Enredo. Enredo
. Enredo
 
. A obra e o contexto
. A obra e o contexto. A obra e o contexto
. A obra e o contexto
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em ano
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
 

Último

Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 

Último (20)

Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 

Almeida Garrett Biografia

  • 2. Iniciador do Romantismo, refundador do teatro português, criador do lirismo moderno, criador da prosa moderna, jornalista, político, legislador, Garrett é um exemplo de aliança inseparável entre o homem político e o escritor, o cidadão e o poeta. É considerado, por muitos autores, como o escritor português mais completo de todo o século XIX, porquanto nos deixou obras-primas na poesia, no teatro e na prosa, inovando a escrita e a composição em cada um destes géneros literários.
  • 3.
  • 4. Cronologia de uma vida João Baptista da Silva Leitão Biografia A viagem de Garrett
  • 5. 1799 - João Baptista da Silva Leitão, que mais tarde acrescentou os apelidos Almeida Garrett, nasceu no seio de uma família burguesa na cidade do Porto, a 4 de Fevereiro de 1799. Casa na Rua Dr. Barbosa de Castro, no Porto, onde Garrett nasceu Vista do Porto tirada do convento da Serra do Pilar
  • 6. 1804 -1808 - Passou a infância repartida pela Quinta do Castelo e a do Sardão, em Vila Nova de Gaia, nas margens do Douro, onde ouviu com agrado velhas histórias e lendas populares narradas pelas suas criadas velhas, que mais tarde viriam a inspirar a sua obra.
  • 7. 1809-16 – Neste período, em que Portugal sofreu as invasões francesas, a sua família trasladou-se para a ilha Terceira, no arquipélago dos Açores, antes que as tropas de Soult entrassem no Porto. Passagem do Douro, em 11 de Maio, 1809 Nos Açores, recebe uma educação clássica e iluminista (Voltaire e Rousseau, que lhe ensinam o valor da Liberdade), orientada pelo tio, Frei Alexandre da Conceição, Bispo de Angra, ele próprio escritor. Estudou para seguir a carreira eclesiástica, mas cedo viu que não tinha vocação religiosa. Primeiras incursões literárias, sob o pseudónimo de Josino Duriense.
  • 8. 1816 – Regressa à pátria. Funda, em 1817, uma loja maçónica. Em 1817 matricula-se na a Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (foco de fermentação das ideias liberais). Por esta altura conheceu as obras dos enciclopedistas franceses (Voltaire, Rousseau, e outros), tendo contactado igualmente com as obras dos primeiros escritores românticos. Em 1818, primeira versão de "O Retrato de Vénus", que será acusada como sendo "materialista, ateu e imoral". Participa na Revolução vintista. Vem para Lisboa. Em Coimbra, Garrett adere aos ideais revolucionários liberais, tendo em 1820 participado ativamente na Revolução Liberal Portuguesa, que se bateu contra o regime absolutista que vigorava então.
  • 9. Em 1820, finalista em Coimbra, recebe com entusiasmo e otimismo a notícia da revolução liberal. Em 1821, representa o Catão e publica em Coimbra O Retrato de Vénus, obras marcadas ainda por um estilo arcádico. Arcádicos são igualmente os poemas que escreve durante este período e que serão insertos, em 1829, na Lírica de João Mínimo. 1822 – Funda e dirige, com Luís Francisco Midosi, o jornal 'O Toucador', “periódico sem política, dedicado às senhoras portuguesas". Ainda em 1822, é nomeado funcionário do Ministério do Reino. Casa neste ano com Luísa Midosi: Garrett tem 23 anos, ela 14... Retrato de Luísa Cândida Midosi com 18 anos de idade
  • 10. 1823-27 - Com a Vilafrancada, é preso no Limoeiro. Aquando das contra revoluções lideradas por partidários absolutistas, Garrett exilou-se. Vai para o primeiro exílio em Inglaterra, Birmingham. Vive numa precária subsistência. Em 1824, está em França, no Havre. Escreve "Camões“ e "Dona Branca". Em Dezembro, fica desempregado. Em 1825, escreveu em França o seu poema “Camões”, que é considerado o marco introdutório do romantismo português.
  • 11. Em 1826, publica também o Bosquejo da História da Poesia e Língua Portuguesa, como introdução à antologia de poesia portuguesa Parnaso Lusitano. Com a morte de D. João VI, em 1826, é amnistiado. Durante um período de tréguas, regressa a Portugal e mostra-se confiante na Carta Constitucional acordada entre D. Pedro e D. Miguel, mais moderada que o programa vintista. Dedica-se ao jornalismo político nos jornais O Português e O Cronista.
  • 12. Em 1828, depois da retoma do poder absoluto por parte de D. Miguel, parte para o segundo exílio, em Inglaterra, Plymouth. Em Inglaterra e em França conheceu os autores clássicos ingleses e franceses, mas também autores românticos como Southe e Wordsworth, Rousseau e Victor Hugo. Começa a escrever a "Lírica de João Mínimo". Nesse ano Garrett, que vê morrer uma sua filha recém-nascida. Em 1829, publica em Londres a Lírica de João Mínimo e o tratado Da Educação. Ainda em Londres, é secretário de Palmela no governo exilado.
  • 13. Em 1830, publica o tratado político Portugal na Balança da Europa, onde analisa a história da crise portuguesa e exorta à unidade e à moderação. 1830-31 - Edita o violento panfleto "Carta de Múcio Cévola ao futuro editor do primeiro jornal liberal em português", numa época marcada por duas crises de saúde graves.
  • 14. 1832 - Um ano de fogo! Em 1832, parte para a ilha Terceira, incorpora-se no exército liberal, e participa no desembarque em Mindelo. Escreve, durante o cerco do Porto, o romance histórico O Arco de Santana e colabora com Mouzinho da Silveira nas reformas administrativas. É encarregue de várias missões diplomáticas, dissolvidas em 1993. Desabafa: "Se não sou exilado ou proscrito, não sei o que sou." 1833 - Regresso a Lisboa, depois de saber da entrada das tropas liberais. Secretário da comissão de reforma geral dos estudos cujo projeto de lei inteiramente redige.
  • 15. Após a guerra civil portuguesa, que opôs durante 14 anos (1820-1834) liberais a absolutistas, Garrett, regressado à Pátria, torna-se numa figura de peso na nação.
  • 16. Em 1834, é nomeado cônsul-geral em Bruxelas, numa espécie de terceiro exílio motivado pelo cada vez maior desencanto em relação à política portuguesa (a divisão dos liberais, a corrida aos cargos públicos), onde contacta com a língua e a literatura alemãs (Herder, Schiller e Goethe). Também exerceu funções diplomáticas em Londres e em Paris.
  • 17. Em 1836, regressa a Lisboa, separa-se de Luísa Midosi e funda o jornal O Português Constitucional. No mesmo ano, após a Revolução de setembro, é incumbido pelo governo setembrista de Passos Manuel da organização do Teatro Nacional. Nesse âmbito, desenvolverá uma ação notável, dirigindo a Inspeção Geral dos Teatros e o Conservatório de Arte Dramática, intervindo no projeto do futuro Teatro Nacional de D. Maria II e escrevendo ao longo dos anos seguintes todo um repertório dramático nacional: • Um Auto de Gil Vicente (1838) • Dona Filipa de Vilhena (1840) • O Alfageme de Santarém (1842) • Frei Luís de Sousa (1843).
  • 18.
  • 19. Em 1837, é deputado por Braga, para as Cortes Constituintes. Em Novembro, nasce o primeiro filho de Adelaide Pastor - com quem começara a viver -, Nuno, que morre com pouco mais de um ano. 1838: enquanto continua a redigir leis, escreve "Um Auto de Gil Vicente". É nomeado cronista-mor do reino. Nasce o segundo filho de Adelaide, que também morrerá. Em 1838, torna-se deputado da Assembleia Constituinte e membro da comissão de reforma do Código Administrativo. Em 1840, é eleito por Lisboa e Angra na nova legislatura
  • 20. 1841-42 - Nascimento da sua filha Maria fruto do romance com Adelaide Deville Pastor, que morrerá em 1841, com apenas 22 anos. (episódio que inspirará o Frei Luís de Sousa). Com a assinatura de Joaquim António de Aguiar (!), é demitido dos cargos de inspetor dos teatros, de presidente do conservatório e de cronista-mor. Em 1842, é eleito deputado e entra nas Cortes. Publica O Alfageme de Santarém.
  • 21. 1843 - 17 de Julho: inicia a celebérrima viagem ao vale de Santarém que na está na origem de As Viagens da Minha Terra. Escreve a sua outra obra-prima: Frei Luís de Sousa. No ano de 1843 publica o 1.º volume do Romanceiro, uma recolha de poesias de tradição popular.
  • 22. 1844 - Publica anonimamente uma autobiografia na revista "Universo Pitoresco". No Parlamento, reclama a reforma da Carta Constitucional e revela- se contra a pena de morte. Por ocasião dos acontecimentos de Torres Novas e das posições que defende, a sua própria casa é por três vezes assaltada e devassada pela polícia. Salvo de prisão certa e deportação, graças à imunidade diplomática que lhe concede o acolhimento do embaixador brasileiro. Morre nos Açores a única irmã, Maria Amália.
  • 23. 1845 - Aparece em capítulos, em Junho, na "Revista Universal Lisbonense", Viagens na Minha Terra. É representada a peça Falar Verdade a Mentir, enquanto outra, As Profecias do Bandarra se estreia. Envolve-se na campanha eleitoral da oposição ao cabralismo. Morre outro irmão, Joaquim António. Em 1845, lança o livro de poesias líricas Flores sem Fruto e o 1.º volume do romance histórico O Arco de Sant'Ana.
  • 24. 1845 - Conhece Rosa Montufar, com quem tem uma ligação amorosa que se prolongará até ao ano da sua morte. O último grande amor de Almeida Garrett (1799-1854) terá sido Rosa Montufar Infante, senhora de ascendência espanhola, Viscondessa da Luz, e casada.
  • 25. Este idílio, ou paixão, veio a dar origem ao livro de poemas Folhas Caídas, publicado em 1853.
  • 26. Em 1846, sai em volume o "inclassificável" livro das Viagens na Minha Terra, publicado um ano antes em folhetim na Revista Universal Lisbonense. Com este livro, a crítica considera iniciada a prosa moderna em Portugal.
  • 27. 1847-50 - Anda escondido no auge dos episódios da Patuleia. Com o regresso de Costa Cabral ao executivo, é remetido ao ostracismo político. No ano seguinte, é representado A Comédia do Marquês. Em 1849, desgostoso de amores, passa uma breve temporada em casa de Alexandre Herculano, à Ajuda. A política passa-lhe ao lado e cultiva a vida dos salões lisboetas. Protesta contra o projeto de lei de imprensa, a designada "lei das rolhas". Dedica-se com regularidade à compilação final do seu "Romanceiro".
  • 28. Em 1851, depois de um período de distanciamento face à vida política, regressa com a Regeneração, movimento que prometia conciliação e progresso. Nesse ano, funda o jornal A Regeneração, aceita o título de visconde e reassume o seu papel de deputado, colaborando na proposta de revisão da Carta. Em 1852, torna-se, por pouco tempo, ministro dos Negócios Estrangeiros. Em 1853, publica o livro de poesias líricas Folhas Caídas, recebido com algum escândalo: o poeta era, na época, uma figura pública respeitável (deputado, ministro, visconde), que se atrevia a cantar o amor desafiando todas as convenções, e muitos souberam ver na obra ecos da paixão do autor pela viscondessa da Luz, Rosa de Montufar.
  • 29. 1854 - Numa casa na Rua de Santa Isabel, em Lisboa, morre aos cinquenta e cinco anos, vítima de cancro de origem hepática. O seu biógrafo Francisco Gomes de Amorim escreve: "Eram seis horas e vinte e cinco minutos da tarde de sábado nove de dezembro de mil oitocentos e cinquenta e quatro." Casa onde morreu Almeida Garrett em Lisboa
  • 30. No seu Curriculum Vitae, Almeida Garrett tem de tudo um pouco: deputado, cronista- mor, poeta e prosador, estudioso e compilador da literatura popular e tradicional, par do reino, diplomata, ministro dos negócios estrangeiros, Visconde e até criador de moda – quando o governo liberal o nomeou Encarregado de Negócios de Portugal em Bruxelas, Garrett deu largas à sua vocação de “Dandy”, frequentando os salões da alta sociedade.
  • 31. Selo comemorativo do «Centenário da Morte de Almeida Garrett, 1957» Original do selo «Centenário da Morte de Almeida Garrett, 1957» Selo comemorativo dos «200 Anos do Nascimento de Almeida Garrett, 1999»