• Tempo
• A obra é apoiada em dois tempos. Um é o tempo psicológico, do
autor além-túmulo, que, desse modo, pode contar su...
• Machado alia nesse romance
profundidade e sutileza, expondo muitos
problemas de nossa sociedade que
existem até hoje. Da...
• Aos poucos, acompanhando a trajetória de Rubião,
percebe-se como funciona a engrenagem social da
época, como ocorre a di...
• Louco e explorado até a miséria, o destino de Rubião
exemplifica a tese do filósofo Quincas, o Humanitismo
• AO VENCEDOR...
• Humanitismo
• Esse Principio de Quincas Borba: nunca há morte, há
encontro de duas expansões, ou expansão de duas
formas...
• "Supõe-se em um campo e duas tribos famintas. As
batatas apenas chegam para alimentam somente uma
das tribos, que assim ...
• Seguindo a trajetória do Humanitismo, a filosofia
inventada por Quincas Borba, de que a vida é um campo
de batalha onde ...
O Enredo:
• O enredo é um pretexto para uma profunda reflexão
sobre a condição humana. Dom Casmurro é uma obra
atemporal.
...
• O Narrador
• 1ª pessoa : personagem narrador : Bentinho
• Desejo de unir as duas pontas da vida: “a velhice e a adolescê...
CAPITU – O Centro do Enigma:
• A construção do enredo se dá com base em fatos ou
marcas linguísticas que revelam e negam
p...
“Olhos de ressaca”
Dissimulada
Oblíqua
Capit
u
Indeciso
“Carola”
Inseguro
Bentinh
o
“Olhos fugitivos”
“ Não falava claro, nem fitava de rosto”
Freqüentes visitas a Capitu
Bonito
Escob
ar
Diferente dos pais
Semelhança com Escobar
Forte
Ezequi
el
Não houve adultério
Dúvida sem fim
Houve adultério
Leito
r
• Exercícios das páginas 19, 21, 24 e 26
• Ler os textos de Dom Casmurro das páginas 22 e 23 e
anotar as características d...
Machado de assis   obras
Machado de assis   obras
Machado de assis   obras
Machado de assis   obras
Machado de assis   obras
Machado de assis   obras
Machado de assis   obras
Machado de assis   obras
Machado de assis   obras
Machado de assis   obras
Machado de assis   obras
Machado de assis   obras
Machado de assis   obras
Machado de assis   obras
Machado de assis   obras
Machado de assis   obras
Machado de assis   obras
Machado de assis   obras
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Machado de assis obras

678 visualizações

Publicada em

Aula sobre vida e principais obras de Machado de Assis: Dom Casmurro, Quincas Borba e Memórias Póstumas de Brás Cubas

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Machado de assis obras

  1. 1. • Tempo • A obra é apoiada em dois tempos. Um é o tempo psicológico, do autor além-túmulo, que, desse modo, pode contar sua vida de maneira arbitrária, com digressão e manipulando os fatos á revelia, sem segui uma ordem temporal linear. No tempo cronológico, os acontecimentos obedecem a uma ordem: infância, adolescência, ida para Coimbra, volta ao Brasil e morte. • Espaço • O romance tem como espaço o Rio de Janeiro no século XIX
  2. 2. • Machado alia nesse romance profundidade e sutileza, expondo muitos problemas de nossa sociedade que existem até hoje. Daí o prazer da leitura e a importância de seu texto, pois atualiza, de forma irônica, os processos em que nosso país foi formado, suas contradições e os desmandos que ainda estão presentes
  3. 3. • Aos poucos, acompanhando a trajetória de Rubião, percebe-se como funciona a engrenagem social da época, como ocorre a disputa entre as pessoas, as lutas pelo poder político e pela ascensão econômica da época. • O romance projeta um quadro também bastante crítico das relações sociais da época • Manipulado por Sofia, depois de algum tempo, Rubião começa a manifestar sintomas de loucura, a mesma loucura de que fora vítima o seu amigo, o filósofo Quincas Borba, de quem herda a fortuna. • Acaba sendo internado em um asilo por D. Fernanda, mas foge e volta para Barbacena
  4. 4. • Louco e explorado até a miséria, o destino de Rubião exemplifica a tese do filósofo Quincas, o Humanitismo • AO VENCEDOR, AS BATATAS
  5. 5. • Humanitismo • Esse Principio de Quincas Borba: nunca há morte, há encontro de duas expansões, ou expansão de duas formas. Explicando de uma melhor maneira, criou a frase: "Ao vencedor às Batatas!", principio este, que marcou e é o enfoque principal do enredo.
  6. 6. • "Supõe-se em um campo e duas tribos famintas. As batatas apenas chegam para alimentam somente uma das tribos, que assim adquire forças para transpor a montanha e ir à outra vertente, onde há batatas em abundância; mas se as duas tribos dividirem em paz as batatas do campo, não chegam a nutrir-se suficientemente e morrerão de inanição. A paz, neste caso, é a destruição; a guerra, é a esperança. Uma das tribos extermina a outra recolhe os despojos. Daí a alegria da vitória, os hinos, as aclamações. Se a guerra não fosse isso, tais demonstrações não chegariam a dar-se. Ao vencido, o ódio ou compaixão... Ao vencedor, as batatas !"
  7. 7. • Seguindo a trajetória do Humanitismo, a filosofia inventada por Quincas Borba, de que a vida é um campo de batalha onde só os mais fortes sobrevivem. • Os fracos e ingênuos, como Rubião, são manipulados e aniquilados pelos mais fortes e mais espertos, como Palha e Sofia, que no final, estão vivos e ricos, tal como dizia a teoria do Humanitismo.
  8. 8. O Enredo: • O enredo é um pretexto para uma profunda reflexão sobre a condição humana. Dom Casmurro é uma obra atemporal. • Bentinho, viúvo e solitário, narra a história de sua união com Capitu, destruída pela dúvida e pelo ciúmes. • À primeira vista, o romance trata sobre o adultério feminino, mas, na verdade, o seu tema é a dor do ser humano diante da dúvida. • A suspeita de Bentinho não se confirma, nem é negada, o que aumenta a proporção da dor. • O adultério fica, então, como uma relação de casualidade.
  9. 9. • O Narrador • 1ª pessoa : personagem narrador : Bentinho • Desejo de unir as duas pontas da vida: “a velhice e a adolescência”. • Escrever sobre a própria história foi o meio encontrado pelo narrador de fugir: • da própria solidão • da angústia da dúvida • da incapacidade de fugir de si mesmo, tentando escrever sobre política, filosofia... • O narrador não sustenta os determinismos que comprovem e/ou justifiquem o adultério de Capitu. • Constrói uma “teia” de indícios e contraprovas, deixando ao leitor a função de resolver a problemática da obra.
  10. 10. CAPITU – O Centro do Enigma: • A construção do enredo se dá com base em fatos ou marcas linguísticas que revelam e negam possibilidades. • Nesse grande enigma, que é Dom Casmurro, Capitu está no centro, cercada por personagens masculinos: Bentinho, Escobar, Ezequiel. • Na relação entre eles, paira uma dúvida que não é sanada pelo autor. • Os indícios do adultério de Capitu estão no livro, assim como as marcas que negam o mesmo.
  11. 11. “Olhos de ressaca” Dissimulada Oblíqua Capit u
  12. 12. Indeciso “Carola” Inseguro Bentinh o
  13. 13. “Olhos fugitivos” “ Não falava claro, nem fitava de rosto” Freqüentes visitas a Capitu Bonito Escob ar
  14. 14. Diferente dos pais Semelhança com Escobar Forte Ezequi el
  15. 15. Não houve adultério Dúvida sem fim Houve adultério Leito r
  16. 16. • Exercícios das páginas 19, 21, 24 e 26 • Ler os textos de Dom Casmurro das páginas 22 e 23 e anotar as características do realismo (que nós vimos nas primeiras aulas)

×