SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Baixar para ler offline
C.E. Prof.ª MARIA LUIZA RODRIGUES DE SOUSA
Anexo I, Povoado Cassimiro, Bom Jardim – MA.
2° Ano, 1ª Aula do 4º Período – Não presencial, 2020
O Realismo e o Naturalismo em
Portugal e no Brasil
Prof. José Arnaldo da Silva
Licenciado em Letras
O Realismo foi um movimento artístico e
cultural que se desenvolveu na segunda metade
do séc. XIX, na França. Um período repleto de
mudanças: Revolução Industrial e Francesa,
teorias científica e filosóficas.
Sob a modernização e o surgimento de
novos pensamentos, o Realismo retratava a
realidade economica e social, evidenciando o lado
mediocre e desprezível da sociedade.
História Realismo e Naturalismo
Diferenças entre Realismo e Naturalismo
Todo naturalista é realista, mas nem todo realista é
naturalista.
Podemos falar de Naturalismo como uma tendência dentro
do Realismo, tendência que se baseia numa concepção
predominantemente materialista do homem e da sociedade.
O que diferencia o Naturalismo é a abordagem patológica
das personagens e situações. Enquanto o realismo privilegia
mergulhos psicológicos nas personagens, o naturalismo
possui um olhar anatômico, ressaltando a doença e o
aspecto animalesco do ser humano.
Pode-se identificar como particularidades do estilo
naturalista o romance experimental que substitui o estudo do
homem abstrato e metafísico pelo homem natural, sujeito a
leis físico-químicas e determinado pela influencia do meio.
Pintura do Realismo (Mulheres peneirando trigo,
G. Courbet)
O Realismo e o Naturalismo em
Portugal (1865 – 1890)
O primo Basílio (trecho)
Eça de Queirós
“Havia doze dias que Jorge tinha partido e, apesar do calor e
da poeira, Luísa vestia-se para ir a casa de Leopoldina. Se Jorge
soubesse não havia de gostar não. Mas estava tão farta de estar
só! Aborrecia-se tanto! De manhã ainda tinha os arranjos a
costura, a toalete, algum romance... Mas de tarde!
A hora em que Jorge costumava voltar do ministério, a
solidão parecia alargar-se em torno dela. Fazia-lhe tanta falta o
seu toque de campainha, os seus passos no corredor!...
Ao crepúsculo, ao ver cair o dia, entristecia-se sem razão,
caía numa vaga sentimentalidade; [...] O que pensava em tolices
então!” (Cap. III)
O Realismo em Portugal foi um movimento artístico e
cultural desenvolvido nos anos de 1960. A corrente
criticava o Romantismo e a estrutura social que estava
em vigor desde então. A tendência artística portuguesa
desejava a renovação dos valores e tentava contribuir
para que o país alcançasse os ideais do mundo moderno.
O Realismo em Portugal teve início a partir da Questão
Coimbrã – confronto das ideias do Realismo e
Romantismo. Os principais representantes do movimento
foram Antero de Quental e Eça de Queiroz.
Entenda agora o contexto histórico que possibilitou o
nascimento do Realismo em Portugal, o que foi a
Questão Coimbrã e as características da corrente neste
país.
Realismo em Portugal
Contexto histórico do Realismo em Portugal
O Realismo foi uma corrente artística iniciada na França do século XIX.
Surgiu em oposição ao Romantismo e a centralização do indivíduo.
Tinha uma visão mais materialista, objetiva e centrada na crítica social.
As artes do movimento tentavam se livrar do academicismo e
desejavam se inspirar no cotidiano das pessoas.
A Independência do Brasil deixou consequências econômicas em
Portugal e os portugueses entraram em decadência financeira. Para
minimizar os impactos econômicos, Portugal começa a investir na
industrialização. Assim como no restante da Europa, esse processo de
desenvolvimento contribui para aflorar as ideais socialistas, o
questionamento sobre a ordem econômica e a crítica a estrutura
burguesa capitalista. O desenvolvimento e urbanização de Portugal
surgem, então, atrasados.
Nesse contexto nasce o Realismo em Portugal. Os participantes do
movimento se reuniam em locais públicos para atacar o atraso na
estrutura portuguesa, promover o diálogo entre as doutrinas
filosóficas da época e a realidade portuguesa, além de tentar
encaminhar o país para a modernidade.
Questão Coimbrã
A Questão Coimbrã (também chamada de “Questão do Bom
Senso e Bom Gosto”) representou uma polêmica travada em
1865 entre os literatos portugueses.
De um lado, estava Antônio Feliciano de Castilho, escritor
romântico português. De outro, o grupo de estudantes da
Universidade de Coimbra: Antero de Quental, Teófilo Braga e
Vieira de Castro.
A Questão Coimbrã foi o marco inicial do movimento realista em
Portugal. Ela representou uma nova forma de fazer literatura,
trazendo à tona aspectos de renovação literária aliado as ideias
que surgiram na época em torno de questões científicas.
Por isso, ela se afasta dos moldes ultrapassados dos
ultrarromânticos, atacando assim, as posturas de atraso cultural
da sociedade portuguesa da época.
Romantismo x Realismo
Romantismo
Base de composição – Fonte
de inspiração: “Fuga da
realidade”- Imaginação (mundo
dos sonhos, da morte,
natureza, etc.)
Indivíduo
Subjetivismo
Emoção
Realismo
Base de composição – Fonte
de inspiração: “Realidade do
homem em sociedade”.
Sociedade
Objetividade
Razão
Doutrinas filosóficas
 Positivismo de Augusto Comte – Rejeição de qualquer
interpretação metafísica, pautava-se no experimento
científico, na razão, organização
 Manifesto Comunista de Karl Max – Que dá início ao seu
socialismo diretamente ligado ao movimento operariado,
aos trabalhadores, esses tem que ter espaços na
sociedade e serem respeitados
 Teoria da Evolução das espécies de Charles Darwin – O
mais apto sobrevive, aquele que melhor se adapta a uma
mudança circunstancial
 O Determinismo de Taine – O comportamento do homem
é influenciado por 3 fatores: meio, raça e momento histórico
 A psicanálise de Freud – diretamente ligada ao sonho, a
libido. Mostra os instintos, a natureza do ser humano.
Conferências do Cassino Lisbonense
Reuniões em que esses jovens realistas discutiam as
questões ligadas a nova tendência ao realismo e também
mostravam-se contrários as ideias românticas que ainda
perduravam em Portugal.
Características Gerais do Realismo e
Naturalismo
 Ênfase nas ideias socialistas e de revolução;
 Objetivismo e cientificismo;
 Contemporaneidade;
 Foco na vida cotidiana e destaque para as pessoas
comuns;
 Ataque aos falsos valores;
 Rejeição ao clérigo e a monarquia;
 Negação da idealização;
 Opiniões objetivas.
Principais autores
O Realismo foi considerado pelos estudiosos como um dos
períodos mais férteis da literatura portuguesa. Ele contribuiu
para o crescimento de vários autores e obras da época.
Conheça agora os dois maiores representantes do movimento
em Portugal: Antero de Quental e Eça de Queirós.
Principais obras de Antero de Quental: Odes Modernas
(1865); Bom Senso e Bom Gosto (cartas de 1865); A
Dignidade das Letras e as Literaturas Oficiais (1865); Defesa
da Carta Encíclica de Sua Santidade Pio IX (1865) e Causas
da decadência dos povos peninsulares (1871).
Principais obras de Eça de Queirós: O Mistério da Estrada
de Sintra (1870); O Crime do Padre Amaro (1875); A Tragédia
da Rua das Flores (1877-78); O Primo Basílio (1878); O
Mandarim (1880); A Relíquia (1887) e Os Maias (1888)
Principais obras de Antero de Quental:
Odes Modernas (1865); Bom Senso e Bom Gosto (cartas de 1865); A
Dignidade das Letras e as Literaturas Oficiais (1865); Defesa da Carta
Encíclica de Sua Santidade Pio IX (1865) e Causas da decadência dos povos
peninsulares (1871).
Nirvana
Viver assim: sem ciúmes, sem saudades,
Sem amor, sem anseios, sem carinhos,
Livre de angústias e felicidades,
Deixando pelo chão rosas e espinhos;
Poder viver em todas as idades;
Poder andar por todos os caminhos;
Indiferente ao bem e às falsidades,
Confundindo chacais e passarinhos;
Passear pela terra, e achar tristonho
Tudo que em torno se vê, nela espalhado;
A vida olhar como através de um sonho;
Chegar onde eu cheguei, subir à altura
Onde agora me encontro - é ter chegado
Aos extremos da Paz e da Ventura!
Antero de Quental
Principais obras de Eça de Queirós:
O Mistério da Estrada de Sintra (1870); O Crime do Padre Amaro (1875); A
Tragédia da Rua das Flores (1877-78); O Primo Basílio (1878); O Mandarim
(1880); A Relíquia (1887) e Os Maias (1888)
O Crime do Padre Amaro (trecho)
Eça de Queirós
“– A verdade, meus senhores, é que os estrangeiros invejam-nos... E o que vou a
dizer não é para lisonjear a vossas senhorias: mas enquanto neste país houver
sacerdotes respeitáveis como vossas senhorias, Portugal há de manter com
dignidade o seu lugar na Europa! Porque a fé, meus senhores, é a base da ordem!
– Sem dúvida, senhor conde, sem dúvida, disseram com força os dois sacerdotes.
– Senão, vejam vossas senhorias isto! Que paz, que animação, que
prosperidade!
(...) Tipóias vazias rodavam devagar; (...) nalguma magra pileca, ia trotando algum
moço de nome histórico, com a face ainda esverdeada da noitada de vinho; pelos
bancos de praça gente estirava-se num torpor de vadiagem; um carro de bois, aos
solavancos sobre as suas altas rodas, era como o símbolo de agriculturas atrasadas
de séculos (...).
E o homem de Estado, os dois homens de religião, todos três em linha, junto às
grades do monumento (a estátua de Camões), gozavam de cabeça alta esta certeza
gloriosa da grandeza do seu país (...).”
O Realismo e o Naturalismo no Brasil
(1881- 1893)
O cortiço (trecho)
Aluísio de Azevedo
“Estalagem de São Romão. Alugam-se casinhas e tinas para
lavadeiras”.
As casinhas eram alugadas por mês e as tinas por dia; tudo pago
adiantado. O preço de cada tina, metendo a água, quinhentos réis; sabão
à parte. As moradoras do cortiço tinham preferência e não pagavam nada
para lavar. [...]
E aquilo se foi constituindo numa grande lavanderia, agitada e
barulhenta, com as suas cercas de varas, as suas hortaliças verdejantes
e os seus jardinzinhos de três e quatro palmos, que apareciam como
manchas alegres por entre a negrura das limosas tinas transbordantes e o
revérbero das claras barracas de algodão cru, armadas sobre os lustrosos
bancos de lavar. E os gotejantes jiraus, cobertos de roupa molhada,
cintilavam ao sol, que nem lagos de metal branco.
E naquela terra encharcada e fumegante, naquela umidade quente e
lodosa, começou a minhocar, a esfervilhar, a crescer, um mundo, uma
coisa viva, uma geração, que parecia brotar espontânea, ali mesmo,
daquele lameiro, e multiplicar-se como larvas no esterco.
Contexto histórico do Realismo e o
Naturalismo no Brasil
Como enfatizado antes, a partir da segunda metade do
século 20, as concepções estéticas que nortearam o
ideário romântico começaram a perder espaço. Uma
nova tendência, baseada na trama psicológica e em
personagens inspirados na realidade, toma conta da
literatura ocidental. Estava inaugurado o
Realismo/Naturalismo.
No Brasil, o Realismo e o Naturalismo ocorrem em 1881,
com a publicação de Memória Póstumas de Brás Cubas,
de Machado de Assis (1839-1908), e de O Mulato, de
Aluísio Azevedo (1857-1913). Enquanto o livro de
Machado de Assis apresenta acentuado viés realista, o
de o de Aluísio de Azevedo é claramente naturalista.
Características Gerais Realismo-Naturalismo
 Objetividade;
 Contemporaneidade;
 Contra o romantismo;
 Universalismo;
 Antimonárquicos e anticlericais;
 Descrevem um amor carnal;
 Contra o sentimentalismo;
 Veracidade.Realismo | Enciclopédia Itaú Cultural
Realismo
O Realismo brasileiro é completamente diferente do europeu.
A obra de seu principal autor, Machado de Assis, escapa de
qualquer tentativa de classificação esquemática.
Na fase madura, Machado de Assis produz uma literatura
essencialmente problematizadora. Com minuciosa
investigação psicológica, ele indaga a existência humana.
Ele ainda substitui o determinismo biológico por acentuado
pessimismo existencialista e discute temas como a
relatividade da loucura e a exploração do homem pelo
próprio homem.
A intertextualidade e a metalinguagem marcam o estilo de
Machado. O uso da linguagem poética, do jogo proposital de
ambiguidades, da recuperação de lugares comuns e do
microrrealismo psicológico também são características
fundamentais da obra machadiana. Dom Casmurro, Esaú e
Jacó e Memorial de Aires são alguns romances do autor.
"Capitu, apesar daqueles olhos que o diabo
lhe deu...
Você já reparou nos olhos dela?
São assim de cigana oblíqua e dissimulada.
Pois apesar deles, poderia passar, se não
fosse a vaidade e a adulação. Oh! a
adulação!“
"Dá-me uma comparação exata e poética para
dizer o que foram aqueles olhos de Capitu.
Não me acode imagem capaz de dizer, sem
quebra da dignidade do estilo, o que eles
foram e me fizeram.
Olhos de ressaca? Vá, de ressaca."
Maria Fernanda Cândido, Capitu (Minissérie
2008), personagem de Dom Casmurro, de
Machado de Assis
Dom Casmurro (trecho)
Machado de Assis
Naturalismo
O principal autor naturalista no Brasil é Aluísio Azevedo. O
determinismo social predomina em sua obra, construída através
de observação rigorosa do mundo físico e da zoomorfização das
personagens. Aluísio é autor de O mulato, Casa de pensão e O
cortiço, obras com acentuado caráter investigativo e cuidadosa
análise de comportamentos sociais.
A riqueza literária do Realismo-Naturalismo no Brasil não se
restringe à prosa de ficção. A dramaturgia também evolui e
consolida a comédia de costumes como um gênero maior na obra
de França Júnior e Artur Azevedo, por exemplo.
Vale lembrar que o Realismo-Naturalismo brasileiro oferece
amplo painel de uma época em que o país era monárquico,
escravocrata, patriarcalista e passava por profundas mudanças
socioeconômicas e culturais.
O Mulato
Aluísio de Azevedo
O Dias, que completava o pessoal da casa de Manuel Pescada, era
um tipo fechado como um ovo, um ovo choco que mal denuncia na casca a
podridão interior. Todavia, nas cores biliosas do rosto, no desprezo do
próprio corpo, na taciturnidade paciente daquela exagerada economia,
adivinhava-se-lhe uma ideia fixa um alvo, para o qual caminhava o
acrobata, sem olhar dos lados, preocupado, nem que se equilibrasse sobre
um corda tesa. Não desdenhava qualquer meio para chegar mais depressa
aos fins; aceitava, sem examinar, qualquer caminho desde que lhe
parecesse mais curto; tudo servia, tudo era bom, contanto que o levasse
mais rapidamente ao ponto desejado. Lama ou brasa - havia de passar por
cima; havia de chegar ao alvo - enriquecer.
Quanto à figura, repugnante: magro e macilento, um tanto baixo um
tanto curvado, pouca barba, testa curta e olhos fundos. O uso constante
dos chinelos de trança fizera-lhe os pés monstruosos e chatos quando ele
andava, lançava-os desairosamente para os lados, como o movimento dos
palmípedes nadando. Aborrecia-o o charuto, o passeio, o teatro e as
reuniões em que fosse necessário despender alguma coisa; quando estava
perto da gente senta-se logo um cheiro azedo de roupas sugas.
O Mulato, Aluísio de Azevedo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
Pós-modernismo slide
Pós-modernismo slidePós-modernismo slide
Pós-modernismo slide
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
 
Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
 
Romantismo em portugal aula 03
Romantismo em portugal   aula 03Romantismo em portugal   aula 03
Romantismo em portugal aula 03
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
 

Semelhante a Realismo em Portugal e Brasil

Do Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao RealismoDo Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao RealismoLurdes Augusto
 
Os Maias Apresentação
Os Maias   Apresentação Os Maias   Apresentação
Os Maias Apresentação joanana
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaLuisMagina
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismonagelaviana
 
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)Silmara Braz
 
2ª série - LP 19.pptx
2ª série - LP 19.pptx2ª série - LP 19.pptx
2ª série - LP 19.pptxGoisTec
 
A geração de 70
A geração de 70A geração de 70
A geração de 70Cainha18
 
Escola estadual professor João Cruz
Escola estadual professor João CruzEscola estadual professor João Cruz
Escola estadual professor João CruzLuizFernandoBicudo
 
Cultura em Portugal
Cultura em PortugalCultura em Portugal
Cultura em Portugalnanasimao
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Josi Motta
 
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_históriaLilian Lima
 
POESIA REALISTA PORTUGUESA
POESIA REALISTA PORTUGUESAPOESIA REALISTA PORTUGUESA
POESIA REALISTA PORTUGUESAItalo Delavechia
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).pptANDRESSASILVADESOUSA
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptAliceEmanuelladeOliv
 

Semelhante a Realismo em Portugal e Brasil (20)

Cenáculo
CenáculoCenáculo
Cenáculo
 
Do Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao RealismoDo Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao Realismo
 
Os Maias Apresentação
Os Maias   Apresentação Os Maias   Apresentação
Os Maias Apresentação
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
 
Ppt realismo (2)
Ppt realismo (2)Ppt realismo (2)
Ppt realismo (2)
 
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
 
2ª série - LP 19.pptx
2ª série - LP 19.pptx2ª série - LP 19.pptx
2ª série - LP 19.pptx
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
 
O realismo e o naturalismo na literatura
O realismo e o naturalismo na literaturaO realismo e o naturalismo na literatura
O realismo e o naturalismo na literatura
 
A geração de 70
A geração de 70A geração de 70
A geração de 70
 
Escola estadual professor João Cruz
Escola estadual professor João CruzEscola estadual professor João Cruz
Escola estadual professor João Cruz
 
Realismo em Portugal
Realismo em Portugal Realismo em Portugal
Realismo em Portugal
 
Cultura em Portugal
Cultura em PortugalCultura em Portugal
Cultura em Portugal
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016
 
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
 
POESIA REALISTA PORTUGUESA
POESIA REALISTA PORTUGUESAPOESIA REALISTA PORTUGUESA
POESIA REALISTA PORTUGUESA
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
 

Mais de Jose Arnaldo Silva

Romantismo em-portugal-e-no-brasil
Romantismo em-portugal-e-no-brasilRomantismo em-portugal-e-no-brasil
Romantismo em-portugal-e-no-brasilJose Arnaldo Silva
 
Projeto de pesquisa de mestrado
Projeto de pesquisa de mestradoProjeto de pesquisa de mestrado
Projeto de pesquisa de mestradoJose Arnaldo Silva
 
Marketing estrategico-e-operacional-de-instituicoes-de-ensino
Marketing estrategico-e-operacional-de-instituicoes-de-ensinoMarketing estrategico-e-operacional-de-instituicoes-de-ensino
Marketing estrategico-e-operacional-de-instituicoes-de-ensinoJose Arnaldo Silva
 
O valente soldadinho de chumbo
O valente soldadinho de chumboO valente soldadinho de chumbo
O valente soldadinho de chumboJose Arnaldo Silva
 
Atividades - Estudo de caso: Seleção de um executivo
Atividades - Estudo de caso: Seleção de um executivo Atividades - Estudo de caso: Seleção de um executivo
Atividades - Estudo de caso: Seleção de um executivo Jose Arnaldo Silva
 
Atividades - Estudo de caso: Diálogo de atenas
Atividades - Estudo de caso: Diálogo de atenasAtividades - Estudo de caso: Diálogo de atenas
Atividades - Estudo de caso: Diálogo de atenasJose Arnaldo Silva
 
Atividades - Estudo de caso: Afinal, quem manda aqui?
Atividades - Estudo de caso: Afinal, quem manda aqui?Atividades - Estudo de caso: Afinal, quem manda aqui?
Atividades - Estudo de caso: Afinal, quem manda aqui?Jose Arnaldo Silva
 
Venha ver o pôr do sol - Lygia fagundes telles
Venha ver o pôr do sol  - Lygia fagundes tellesVenha ver o pôr do sol  - Lygia fagundes telles
Venha ver o pôr do sol - Lygia fagundes tellesJose Arnaldo Silva
 
Língua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
Língua portuguesa com ênfase em gramática e literaturaLíngua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
Língua portuguesa com ênfase em gramática e literaturaJose Arnaldo Silva
 
Apostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
Apostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literaturaApostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
Apostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literaturaJose Arnaldo Silva
 
Redação e comunicação linguística
Redação e comunicação linguísticaRedação e comunicação linguística
Redação e comunicação linguísticaJose Arnaldo Silva
 

Mais de Jose Arnaldo Silva (20)

Semana de-arte-moderma
Semana de-arte-modermaSemana de-arte-moderma
Semana de-arte-moderma
 
Romantismo em-portugal-e-no-brasil
Romantismo em-portugal-e-no-brasilRomantismo em-portugal-e-no-brasil
Romantismo em-portugal-e-no-brasil
 
Projeto de pesquisa de mestrado
Projeto de pesquisa de mestradoProjeto de pesquisa de mestrado
Projeto de pesquisa de mestrado
 
Pressupostos e-subentendidos
Pressupostos e-subentendidosPressupostos e-subentendidos
Pressupostos e-subentendidos
 
Pre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasilPre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasil
 
Marketing estrategico-e-operacional-de-instituicoes-de-ensino
Marketing estrategico-e-operacional-de-instituicoes-de-ensinoMarketing estrategico-e-operacional-de-instituicoes-de-ensino
Marketing estrategico-e-operacional-de-instituicoes-de-ensino
 
Funcoes da-linguagem
Funcoes da-linguagemFuncoes da-linguagem
Funcoes da-linguagem
 
Figuras de-construcao
Figuras de-construcaoFiguras de-construcao
Figuras de-construcao
 
O valente soldadinho de chumbo
O valente soldadinho de chumboO valente soldadinho de chumbo
O valente soldadinho de chumbo
 
Atividades - Estudo de caso: Seleção de um executivo
Atividades - Estudo de caso: Seleção de um executivo Atividades - Estudo de caso: Seleção de um executivo
Atividades - Estudo de caso: Seleção de um executivo
 
Atividades - Estudo de caso: Diálogo de atenas
Atividades - Estudo de caso: Diálogo de atenasAtividades - Estudo de caso: Diálogo de atenas
Atividades - Estudo de caso: Diálogo de atenas
 
Atividades - Estudo de caso: Afinal, quem manda aqui?
Atividades - Estudo de caso: Afinal, quem manda aqui?Atividades - Estudo de caso: Afinal, quem manda aqui?
Atividades - Estudo de caso: Afinal, quem manda aqui?
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagem Figuras de linguagem
Figuras de linguagem
 
O Humanismo
O Humanismo O Humanismo
O Humanismo
 
O Trovadorismo
O Trovadorismo O Trovadorismo
O Trovadorismo
 
Venha ver o pôr do sol - Lygia fagundes telles
Venha ver o pôr do sol  - Lygia fagundes tellesVenha ver o pôr do sol  - Lygia fagundes telles
Venha ver o pôr do sol - Lygia fagundes telles
 
Língua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
Língua portuguesa com ênfase em gramática e literaturaLíngua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
Língua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
 
Apostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
Apostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literaturaApostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
Apostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
 
Psicologia da educação
Psicologia da educaçãoPsicologia da educação
Psicologia da educação
 
Redação e comunicação linguística
Redação e comunicação linguísticaRedação e comunicação linguística
Redação e comunicação linguística
 

Último

Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 

Último (20)

Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 

Realismo em Portugal e Brasil

  • 1. C.E. Prof.ª MARIA LUIZA RODRIGUES DE SOUSA Anexo I, Povoado Cassimiro, Bom Jardim – MA. 2° Ano, 1ª Aula do 4º Período – Não presencial, 2020 O Realismo e o Naturalismo em Portugal e no Brasil Prof. José Arnaldo da Silva Licenciado em Letras
  • 2. O Realismo foi um movimento artístico e cultural que se desenvolveu na segunda metade do séc. XIX, na França. Um período repleto de mudanças: Revolução Industrial e Francesa, teorias científica e filosóficas. Sob a modernização e o surgimento de novos pensamentos, o Realismo retratava a realidade economica e social, evidenciando o lado mediocre e desprezível da sociedade. História Realismo e Naturalismo
  • 3. Diferenças entre Realismo e Naturalismo Todo naturalista é realista, mas nem todo realista é naturalista. Podemos falar de Naturalismo como uma tendência dentro do Realismo, tendência que se baseia numa concepção predominantemente materialista do homem e da sociedade. O que diferencia o Naturalismo é a abordagem patológica das personagens e situações. Enquanto o realismo privilegia mergulhos psicológicos nas personagens, o naturalismo possui um olhar anatômico, ressaltando a doença e o aspecto animalesco do ser humano. Pode-se identificar como particularidades do estilo naturalista o romance experimental que substitui o estudo do homem abstrato e metafísico pelo homem natural, sujeito a leis físico-químicas e determinado pela influencia do meio.
  • 4. Pintura do Realismo (Mulheres peneirando trigo, G. Courbet) O Realismo e o Naturalismo em Portugal (1865 – 1890)
  • 5. O primo Basílio (trecho) Eça de Queirós “Havia doze dias que Jorge tinha partido e, apesar do calor e da poeira, Luísa vestia-se para ir a casa de Leopoldina. Se Jorge soubesse não havia de gostar não. Mas estava tão farta de estar só! Aborrecia-se tanto! De manhã ainda tinha os arranjos a costura, a toalete, algum romance... Mas de tarde! A hora em que Jorge costumava voltar do ministério, a solidão parecia alargar-se em torno dela. Fazia-lhe tanta falta o seu toque de campainha, os seus passos no corredor!... Ao crepúsculo, ao ver cair o dia, entristecia-se sem razão, caía numa vaga sentimentalidade; [...] O que pensava em tolices então!” (Cap. III)
  • 6. O Realismo em Portugal foi um movimento artístico e cultural desenvolvido nos anos de 1960. A corrente criticava o Romantismo e a estrutura social que estava em vigor desde então. A tendência artística portuguesa desejava a renovação dos valores e tentava contribuir para que o país alcançasse os ideais do mundo moderno. O Realismo em Portugal teve início a partir da Questão Coimbrã – confronto das ideias do Realismo e Romantismo. Os principais representantes do movimento foram Antero de Quental e Eça de Queiroz. Entenda agora o contexto histórico que possibilitou o nascimento do Realismo em Portugal, o que foi a Questão Coimbrã e as características da corrente neste país. Realismo em Portugal
  • 7. Contexto histórico do Realismo em Portugal O Realismo foi uma corrente artística iniciada na França do século XIX. Surgiu em oposição ao Romantismo e a centralização do indivíduo. Tinha uma visão mais materialista, objetiva e centrada na crítica social. As artes do movimento tentavam se livrar do academicismo e desejavam se inspirar no cotidiano das pessoas. A Independência do Brasil deixou consequências econômicas em Portugal e os portugueses entraram em decadência financeira. Para minimizar os impactos econômicos, Portugal começa a investir na industrialização. Assim como no restante da Europa, esse processo de desenvolvimento contribui para aflorar as ideais socialistas, o questionamento sobre a ordem econômica e a crítica a estrutura burguesa capitalista. O desenvolvimento e urbanização de Portugal surgem, então, atrasados. Nesse contexto nasce o Realismo em Portugal. Os participantes do movimento se reuniam em locais públicos para atacar o atraso na estrutura portuguesa, promover o diálogo entre as doutrinas filosóficas da época e a realidade portuguesa, além de tentar encaminhar o país para a modernidade.
  • 8. Questão Coimbrã A Questão Coimbrã (também chamada de “Questão do Bom Senso e Bom Gosto”) representou uma polêmica travada em 1865 entre os literatos portugueses. De um lado, estava Antônio Feliciano de Castilho, escritor romântico português. De outro, o grupo de estudantes da Universidade de Coimbra: Antero de Quental, Teófilo Braga e Vieira de Castro. A Questão Coimbrã foi o marco inicial do movimento realista em Portugal. Ela representou uma nova forma de fazer literatura, trazendo à tona aspectos de renovação literária aliado as ideias que surgiram na época em torno de questões científicas. Por isso, ela se afasta dos moldes ultrapassados dos ultrarromânticos, atacando assim, as posturas de atraso cultural da sociedade portuguesa da época.
  • 9. Romantismo x Realismo Romantismo Base de composição – Fonte de inspiração: “Fuga da realidade”- Imaginação (mundo dos sonhos, da morte, natureza, etc.) Indivíduo Subjetivismo Emoção Realismo Base de composição – Fonte de inspiração: “Realidade do homem em sociedade”. Sociedade Objetividade Razão
  • 10. Doutrinas filosóficas  Positivismo de Augusto Comte – Rejeição de qualquer interpretação metafísica, pautava-se no experimento científico, na razão, organização  Manifesto Comunista de Karl Max – Que dá início ao seu socialismo diretamente ligado ao movimento operariado, aos trabalhadores, esses tem que ter espaços na sociedade e serem respeitados  Teoria da Evolução das espécies de Charles Darwin – O mais apto sobrevive, aquele que melhor se adapta a uma mudança circunstancial  O Determinismo de Taine – O comportamento do homem é influenciado por 3 fatores: meio, raça e momento histórico  A psicanálise de Freud – diretamente ligada ao sonho, a libido. Mostra os instintos, a natureza do ser humano.
  • 11. Conferências do Cassino Lisbonense Reuniões em que esses jovens realistas discutiam as questões ligadas a nova tendência ao realismo e também mostravam-se contrários as ideias românticas que ainda perduravam em Portugal.
  • 12. Características Gerais do Realismo e Naturalismo  Ênfase nas ideias socialistas e de revolução;  Objetivismo e cientificismo;  Contemporaneidade;  Foco na vida cotidiana e destaque para as pessoas comuns;  Ataque aos falsos valores;  Rejeição ao clérigo e a monarquia;  Negação da idealização;  Opiniões objetivas.
  • 13. Principais autores O Realismo foi considerado pelos estudiosos como um dos períodos mais férteis da literatura portuguesa. Ele contribuiu para o crescimento de vários autores e obras da época. Conheça agora os dois maiores representantes do movimento em Portugal: Antero de Quental e Eça de Queirós. Principais obras de Antero de Quental: Odes Modernas (1865); Bom Senso e Bom Gosto (cartas de 1865); A Dignidade das Letras e as Literaturas Oficiais (1865); Defesa da Carta Encíclica de Sua Santidade Pio IX (1865) e Causas da decadência dos povos peninsulares (1871). Principais obras de Eça de Queirós: O Mistério da Estrada de Sintra (1870); O Crime do Padre Amaro (1875); A Tragédia da Rua das Flores (1877-78); O Primo Basílio (1878); O Mandarim (1880); A Relíquia (1887) e Os Maias (1888)
  • 14. Principais obras de Antero de Quental: Odes Modernas (1865); Bom Senso e Bom Gosto (cartas de 1865); A Dignidade das Letras e as Literaturas Oficiais (1865); Defesa da Carta Encíclica de Sua Santidade Pio IX (1865) e Causas da decadência dos povos peninsulares (1871). Nirvana Viver assim: sem ciúmes, sem saudades, Sem amor, sem anseios, sem carinhos, Livre de angústias e felicidades, Deixando pelo chão rosas e espinhos; Poder viver em todas as idades; Poder andar por todos os caminhos; Indiferente ao bem e às falsidades, Confundindo chacais e passarinhos; Passear pela terra, e achar tristonho Tudo que em torno se vê, nela espalhado; A vida olhar como através de um sonho; Chegar onde eu cheguei, subir à altura Onde agora me encontro - é ter chegado Aos extremos da Paz e da Ventura! Antero de Quental
  • 15. Principais obras de Eça de Queirós: O Mistério da Estrada de Sintra (1870); O Crime do Padre Amaro (1875); A Tragédia da Rua das Flores (1877-78); O Primo Basílio (1878); O Mandarim (1880); A Relíquia (1887) e Os Maias (1888) O Crime do Padre Amaro (trecho) Eça de Queirós “– A verdade, meus senhores, é que os estrangeiros invejam-nos... E o que vou a dizer não é para lisonjear a vossas senhorias: mas enquanto neste país houver sacerdotes respeitáveis como vossas senhorias, Portugal há de manter com dignidade o seu lugar na Europa! Porque a fé, meus senhores, é a base da ordem! – Sem dúvida, senhor conde, sem dúvida, disseram com força os dois sacerdotes. – Senão, vejam vossas senhorias isto! Que paz, que animação, que prosperidade! (...) Tipóias vazias rodavam devagar; (...) nalguma magra pileca, ia trotando algum moço de nome histórico, com a face ainda esverdeada da noitada de vinho; pelos bancos de praça gente estirava-se num torpor de vadiagem; um carro de bois, aos solavancos sobre as suas altas rodas, era como o símbolo de agriculturas atrasadas de séculos (...). E o homem de Estado, os dois homens de religião, todos três em linha, junto às grades do monumento (a estátua de Camões), gozavam de cabeça alta esta certeza gloriosa da grandeza do seu país (...).”
  • 16. O Realismo e o Naturalismo no Brasil (1881- 1893)
  • 17. O cortiço (trecho) Aluísio de Azevedo “Estalagem de São Romão. Alugam-se casinhas e tinas para lavadeiras”. As casinhas eram alugadas por mês e as tinas por dia; tudo pago adiantado. O preço de cada tina, metendo a água, quinhentos réis; sabão à parte. As moradoras do cortiço tinham preferência e não pagavam nada para lavar. [...] E aquilo se foi constituindo numa grande lavanderia, agitada e barulhenta, com as suas cercas de varas, as suas hortaliças verdejantes e os seus jardinzinhos de três e quatro palmos, que apareciam como manchas alegres por entre a negrura das limosas tinas transbordantes e o revérbero das claras barracas de algodão cru, armadas sobre os lustrosos bancos de lavar. E os gotejantes jiraus, cobertos de roupa molhada, cintilavam ao sol, que nem lagos de metal branco. E naquela terra encharcada e fumegante, naquela umidade quente e lodosa, começou a minhocar, a esfervilhar, a crescer, um mundo, uma coisa viva, uma geração, que parecia brotar espontânea, ali mesmo, daquele lameiro, e multiplicar-se como larvas no esterco.
  • 18. Contexto histórico do Realismo e o Naturalismo no Brasil Como enfatizado antes, a partir da segunda metade do século 20, as concepções estéticas que nortearam o ideário romântico começaram a perder espaço. Uma nova tendência, baseada na trama psicológica e em personagens inspirados na realidade, toma conta da literatura ocidental. Estava inaugurado o Realismo/Naturalismo. No Brasil, o Realismo e o Naturalismo ocorrem em 1881, com a publicação de Memória Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis (1839-1908), e de O Mulato, de Aluísio Azevedo (1857-1913). Enquanto o livro de Machado de Assis apresenta acentuado viés realista, o de o de Aluísio de Azevedo é claramente naturalista.
  • 19. Características Gerais Realismo-Naturalismo  Objetividade;  Contemporaneidade;  Contra o romantismo;  Universalismo;  Antimonárquicos e anticlericais;  Descrevem um amor carnal;  Contra o sentimentalismo;  Veracidade.Realismo | Enciclopédia Itaú Cultural
  • 20. Realismo O Realismo brasileiro é completamente diferente do europeu. A obra de seu principal autor, Machado de Assis, escapa de qualquer tentativa de classificação esquemática. Na fase madura, Machado de Assis produz uma literatura essencialmente problematizadora. Com minuciosa investigação psicológica, ele indaga a existência humana. Ele ainda substitui o determinismo biológico por acentuado pessimismo existencialista e discute temas como a relatividade da loucura e a exploração do homem pelo próprio homem. A intertextualidade e a metalinguagem marcam o estilo de Machado. O uso da linguagem poética, do jogo proposital de ambiguidades, da recuperação de lugares comuns e do microrrealismo psicológico também são características fundamentais da obra machadiana. Dom Casmurro, Esaú e Jacó e Memorial de Aires são alguns romances do autor.
  • 21. "Capitu, apesar daqueles olhos que o diabo lhe deu... Você já reparou nos olhos dela? São assim de cigana oblíqua e dissimulada. Pois apesar deles, poderia passar, se não fosse a vaidade e a adulação. Oh! a adulação!“ "Dá-me uma comparação exata e poética para dizer o que foram aqueles olhos de Capitu. Não me acode imagem capaz de dizer, sem quebra da dignidade do estilo, o que eles foram e me fizeram. Olhos de ressaca? Vá, de ressaca." Maria Fernanda Cândido, Capitu (Minissérie 2008), personagem de Dom Casmurro, de Machado de Assis Dom Casmurro (trecho) Machado de Assis
  • 22. Naturalismo O principal autor naturalista no Brasil é Aluísio Azevedo. O determinismo social predomina em sua obra, construída através de observação rigorosa do mundo físico e da zoomorfização das personagens. Aluísio é autor de O mulato, Casa de pensão e O cortiço, obras com acentuado caráter investigativo e cuidadosa análise de comportamentos sociais. A riqueza literária do Realismo-Naturalismo no Brasil não se restringe à prosa de ficção. A dramaturgia também evolui e consolida a comédia de costumes como um gênero maior na obra de França Júnior e Artur Azevedo, por exemplo. Vale lembrar que o Realismo-Naturalismo brasileiro oferece amplo painel de uma época em que o país era monárquico, escravocrata, patriarcalista e passava por profundas mudanças socioeconômicas e culturais.
  • 23. O Mulato Aluísio de Azevedo O Dias, que completava o pessoal da casa de Manuel Pescada, era um tipo fechado como um ovo, um ovo choco que mal denuncia na casca a podridão interior. Todavia, nas cores biliosas do rosto, no desprezo do próprio corpo, na taciturnidade paciente daquela exagerada economia, adivinhava-se-lhe uma ideia fixa um alvo, para o qual caminhava o acrobata, sem olhar dos lados, preocupado, nem que se equilibrasse sobre um corda tesa. Não desdenhava qualquer meio para chegar mais depressa aos fins; aceitava, sem examinar, qualquer caminho desde que lhe parecesse mais curto; tudo servia, tudo era bom, contanto que o levasse mais rapidamente ao ponto desejado. Lama ou brasa - havia de passar por cima; havia de chegar ao alvo - enriquecer. Quanto à figura, repugnante: magro e macilento, um tanto baixo um tanto curvado, pouca barba, testa curta e olhos fundos. O uso constante dos chinelos de trança fizera-lhe os pés monstruosos e chatos quando ele andava, lançava-os desairosamente para os lados, como o movimento dos palmípedes nadando. Aborrecia-o o charuto, o passeio, o teatro e as reuniões em que fosse necessário despender alguma coisa; quando estava perto da gente senta-se logo um cheiro azedo de roupas sugas.
  • 24. O Mulato, Aluísio de Azevedo