SlideShare uma empresa Scribd logo
“QUE MÉRITO HÁ EM AMAR OS QUE NOS AMAM?”
EÇA DE QUEIROZ
REALISMO
CONTEXTO HISTÓRICO
O QUE FOI?
ONDE COMEÇOU?
PORQUE RECEBEU ESSE NOME?
CARACTERÍSTICAS
REALISMO X NATURALISMO
EÇA DE QUEIROZ
MACHADO DE ASSIS
ALUÍZIO DE AZEVEDO
Índice
Contexto Histórico
O Realismo reflete as profundas transformações econômicas,
políticas, sociais e culturais da Segunda metade do século XIX. 
A Revolução Industrial, iniciada no século XVIII, entra numa
nova fase, caracterizada pela utilização do aço, do petróleo e da
eletricidade; ao mesmo tempo o avanço científico leva a novas
descobertas nos campos da Física e da Química. O capitalismo
se estrutura em moldes modernos, com o surgimento de grandes
complexos industriais; por outro lado, a massa operária urbana
avoluma-se, formando uma população marginalizada que não
partilha dos benefícios gerados pelo progresso industrial mas,
pelo contrário, é explorada e sujeita a condições subumanas de
trabalho.
O Brasil também passa por mudanças radicais tanto no campo
econômico como no político-social, no período compreendido entre
1850 e 1900, embora com profundas diferenças materiais, se
comparadas às da Europa.  A campanha abolicionista intensifica-se a
partir de 1850; a Guerra do Paraguai (1864/70) tem como
consequência o pensamento republicano – o Partido Republicano foi
fundado no ano em que essa guerra acabou –; a Monarquia vive uma
vertiginosa decadência.  A Lei Áurea, de 1888, não resolveu o
problema dos negros, mas criou uma nova realidade.  O fim da mão
de obra escrava e a sua substituição pela mão de obra assalariada,
então representada pelas levas de imigrantes europeus que vinham
trabalhar na lavoura cafeeira, originou uma nova economia voltada
para o mercado externo, mas agora sem a estrutura colonialista.
O que foi?
O realismo foi um movimento artístico e cultural que se
desenvolveu na segunda metade do século XIX. A característica
principal deste movimento foi a abordagem de temas sociais e
um tratamento objetivo da realidade do ser humano.
Onde começou?
O Realismo iniciou-se na França, em 1857, com a publicação de
“Madame Bovary”, de Gustave Flaubert.
No Brasil foi em 1881, com “Memórias Póstumas da Brás
Cubas” de Machado de Assis e “O Mulato” de Aluísio Azevedo.
Porque recebeu esse nome?
O próprio nome deste período fala a respeito de sua característica
mais marcante: a realidade. A contemporaneidade é um atributo
dos autores do Realismo que se preocupavam com o momento
histórico, com o momento presente da sociedade em seus
contextos políticos e econômicos. 
Caracaterísticas
Oposição ao idealismo romântico. Não há envolvimento
sentimental
Representação mais fiel da realidade
Romance como meio de combate e crítica às instituições
sociais decadentes, como o casamento, por exemplo
Análise dos valores burgueses com visão crítica denunciando a
hipocrisia e corrupção da classe
Influência dos métodos experimentais
Narrativa minuciosa (com muitos detalhes)
Personagens analisadas psicologicamente
As características do Realismo estão
intimamente ligadas ao momento histórico,
refletindo, dessa forma, a postura do Positivismo, do Socialismo e do
evolucionismo, com todas as suas variantes. Assim é que o objetivismo
aparece como negação do subjetivismo romântico e nos mostra o homem
voltado para aquilo que está diante e fora dele, o não-eu; o personalismo
cede terreno para o universalismo. O materialismo leva à negação do
sentimentalismo e da metafísica. 
O nacionalismo e a volta ao passado histórico são deixados de lado; o
Realismo só se preocupa com o presente, o contemporâneo.
Retrato fiel do personagem
Lentidão Narrativa
Interpretação do caráter
Materialização do amor
Determinismo e relação
entre causa efeito
Veracidade
Detalhes Específicos
Visão determinista e
mecanicista do homem
Centificismo
Personagens patológicas
Incorporação de termos
científicos e profissionais
Determinista,
evolucionista, positivista
REALISMO X NATURALISMO
“O realismo é uma reação contra o romantismo: o
romantismo era a apoteose do sentimento; - o realismo é a
anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte que
nos pinta a nossos próprios olhos – para condenar o que
houve de mau na nossa sociedade.” Eça de Queirós. 
Autores
Eça de Queiroz
José Maria Eça de Queirós , nasceu em Póvoa doVarzim 1845.
Passou a infância e juventude longe dos pais pois estes não eram
casados. Estudou direito na Universidade de Coimbra. Ligou-se
por essa ocasião ao grupo renovador chamado “Escola de
Coimbra” , Responsável pela introdução do Realismo em
Portugal. Eça não participou diretamente da “Questão
Coimbra” - 1865 - , a polêmica em que jovens defensores de
novas ideias literárias , artísticas e filosóficas liderados por
Antero de Quental , se defrontaram com os velhos românticos ,
ultrapassados e conservadores , liderados porVisconde de
Castilho.
Eça de Queirós é o representante maior da prosa realista em Portugal.
Grande renovador do romance, abandonou a linha romântica, e
estabeleceu uma visão critica da realidade. Afastou-se do estilo
clássico, que pendurou por muito tempo na obra de diversos autores
românticos, deu a frase uma maior simplicidade , mudando a sintaxe e
inovando na combinação das palavras. Evitou a retórica tradicional e
os lugares comuns, criou novas formas de dizer, introduziu
neologismos e, principalmente utilizou o adjetivo de maneira inédita e
expressiva. Este novo estilo só teve antecessor em Almeida Garrett e
valeu a Eça a acusação de galicismo e estabeleceu os fundamentos da
prosa moderna da Língua Portuguesa.
Enfim , no dia 16 de Agosto de 1900 Eça morre em Paris. Deixava
um episódio literário que veio a ser publicado aos poucos.
Principais obras:
. A Cidade e as Serras
A Ilustre Casa de Ramires·
A Relíquia·
ATragédia da Rua das Flores·
As Farpas·
Contos e Prosas Bárbaras·
O Crime do Padre Amaro·
O Mandarim·
O Mistério da Estrada de Sintra·
O Primo Basílio·
Os Maias·
Uma Campanha Alegre·
Machado de Asssis
Joaquim Maria Machado de Assis é considerado o maior escritor
do século XIX, escreveu romances e contos, mas também
aventurou-se pelo mundo da poesia, teatro, crônica e critica
literária. Nasceu no Rio de Janeiro em 1839 e morreu em 1908.
Foi tipógrafo e revisor tornando-se colaborador da imprensa da
época. Sua infância foi muito pobre e a sua ascensão artística se
deve a muito trabalho e dedicação. Sua esposa, Carolina Xavier,
o incentivou muito na carreira literária, tanto que foi o primeiro
presidente da Academia Brasileira de Letras.
Embora sejam romances, essas obras também revelam algumas
características que futuramente marcarão a fase realista e madura
do autor, como a análise psicológica dos personagens, o humor,
monólogos interiores e cortes na narrativa (uma das suas
principais características). “Memórias Póstumas da Brás Cubas”
(considerado o divisor de águas na obra machadiana) “Quincas
Borba”, “Dom Casmurro”, “Esaú e Jacó” e “Memorial de
Aires”, revelam o interesse cada vez maior do autor de
aprofundar a análise do comportamento do homem,
revelando algumas características próprias do ser humano
como a inveja, a luxúria, o egoísmo e a vaidade, todas encobertas
por uma aparência boa e honesta.
Principais obras:
Ressurreição - 1872 
A mão e a luva - 1874 
Helena - 1876 
Iaiá Garcia - 1878 
Memórias Póstumas de Brás Cubas - 1881 
Quincas Borba - 1891 
Dom Casmurro - 1899 
Esaú e Jacó - 1904 
Memorial de Aires - 1908 
Aluízio de Azevedo
Considerado o pioneiro do naturalismo no Brasil, o romancista
AluísioTancredo Gonçalves de Azevedo nasceu em São Luís,
Maranhão em 14 de abril de 1857. Quando jovem ele fazia
caricaturas e poesias, como colaborador, para jornais e revistas
no Rio de Janeiro. Seu primeiro romance publicado foi: Uma
lágrima de mulher, em 1880.  Fundador da cadeira número
quatro da Academia Brasileira de Letras e crítico social, este
escritor naturalista foi autor de diversos livros, entre eles estão:
O Mulato, que provocou escândalo na época de seu lançamento,
Casa de Pensão, que o consagrou e O Cortiço, conhecido com
sua obra mais importante. 
Este autor, que não escondia seu inconformismo com a sociedade
brasileira e com suas regras, escreveu ainda outros títulos:
CondessaVésper, Girândola de Amores, Filomena Borges, O
Coruja, O Homem, O Esqueleto, A Mortalha de Alzira, O livro
de uma Sogra e contos como: Demônios. Durante grande parte
de sua vida, Aluísio de Azevedo viveu daquilo que ganhava
como escritor, mas ao entrar para a vida diplomática ele
abandonou a produção literária. Faleceu em Buenos
Aires, Argentina, no dia 21 de janeiro de 1913.
Principais obras:
Uma Lágrima de Mulher, novela, 1880 
O mulato, novela, 1881 
Mistério daTijuca ou Girândola de amores, novela, 1882 
Memórias de Um Condenado ou CondessaVesper, novela, 1882 
Casa de pensão, novela, 1884 
Filomena Borges, novela, 1884 
O homem, novela, 1887 
O cortiço, novela, 1890 
O coruja, novela, 1890 
A Mortalha de Alzira, novela, 1894 
Demônios, conto, 1895 
O livro de uma sogra, novela, 1895 
O Bom Negro, crônica 
O Esqueleto, (participação de  Olavo Bilac). 
•HTTP://WWW.COLADAWEB.COM/LITERATURA/REALISMO-E-NATURALISMO
•HTTP://WWW.SUAPESQUISA.COM/REALISMO/
•HTTP://WWW.INFOESCOLA.COM/LITERATURA/REALISMO/
•HTTP://WWW.BRASILESCOLA.COM/LITERATURA/ECA-QUEIROS.HTM
•HTTP://WWW.SUAPESQUISA.COM/BIOGRAFIAS/ECA_DE_QUEIROZ.HTM
•HTTP://WWW.SUAPESQUISA.COM/MACHADODEASSIS/
•HTTP://WWW.INFOESCOLA.COM/LITERATURA/REALISMO/
•HTTP://WWW.SUAPESQUISA.COM/BIOGRAFIAS/OBRAS_ALUISIO_AZEVEDO.HTM
FONTES:
ANA CLARA
BEATRIZ
GIOVANNA L.
SUSANE
VIRGÍNIA
YONÁ
Produzido por...

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Literatura - Humanismo e o Teatro de Gil vicente
Literatura - Humanismo e o Teatro de Gil vicenteLiteratura - Humanismo e o Teatro de Gil vicente
Literatura - Humanismo e o Teatro de Gil vicente
 
O cortiço - Aluísio Azevedo
O cortiço - Aluísio AzevedoO cortiço - Aluísio Azevedo
O cortiço - Aluísio Azevedo
 
Romantismo no Brasil - Prosa
Romantismo no Brasil - ProsaRomantismo no Brasil - Prosa
Romantismo no Brasil - Prosa
 
Arcadismo 2010
Arcadismo 2010Arcadismo 2010
Arcadismo 2010
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
Toda a Literatura
Toda a LiteraturaToda a Literatura
Toda a Literatura
 
Análise de lira dos vinte anos, de álvares de azevedo
Análise de lira dos vinte anos, de álvares de azevedoAnálise de lira dos vinte anos, de álvares de azevedo
Análise de lira dos vinte anos, de álvares de azevedo
 
A Primeira Geração Romântica .pdf
A Primeira Geração Romântica .pdfA Primeira Geração Romântica .pdf
A Primeira Geração Romântica .pdf
 
Literatura no ENEM
Literatura no ENEMLiteratura no ENEM
Literatura no ENEM
 
Realismo e Naturalismo
Realismo e NaturalismoRealismo e Naturalismo
Realismo e Naturalismo
 
1 arcadismo power meire
1 arcadismo power meire 1 arcadismo power meire
1 arcadismo power meire
 
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosaRomantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
A (nova) literatura marginal (das periferias)
A (nova) literatura marginal (das periferias)A (nova) literatura marginal (das periferias)
A (nova) literatura marginal (das periferias)
 
2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 

Destaque

Eça de queiróz trabalho da universidade
Eça de queiróz trabalho da universidadeEça de queiróz trabalho da universidade
Eça de queiróz trabalho da universidademarcos pereira
 
áGua, pra que te quero no meu corpo
áGua, pra que te quero no meu corpoáGua, pra que te quero no meu corpo
áGua, pra que te quero no meu corpoadrianamarcia2011
 
Letter of Reco - GK
Letter of Reco - GKLetter of Reco - GK
Letter of Reco - GKGladys West
 
IMG_0010_NEW (2)
IMG_0010_NEW (2)IMG_0010_NEW (2)
IMG_0010_NEW (2)Katie LeMay
 
Segovia, Spain (西班牙 塞哥維亞)
Segovia, Spain (西班牙 塞哥維亞)Segovia, Spain (西班牙 塞哥維亞)
Segovia, Spain (西班牙 塞哥維亞)Chung Yen Chang
 
Key Competency eLearn
Key Competency eLearnKey Competency eLearn
Key Competency eLearnSunny Jamati
 
Linking nitrogen pollution in estuaries to rocky shores: A stable isotope app...
Linking nitrogen pollution in estuaries to rocky shores: A stable isotope app...Linking nitrogen pollution in estuaries to rocky shores: A stable isotope app...
Linking nitrogen pollution in estuaries to rocky shores: A stable isotope app...Deborah Robertson-Andersson
 
2nd Pacific Agribusiness Forum: Henry Sanday "MSG Agrifood Opportunities and ...
2nd Pacific Agribusiness Forum: Henry Sanday "MSG Agrifood Opportunities and ...2nd Pacific Agribusiness Forum: Henry Sanday "MSG Agrifood Opportunities and ...
2nd Pacific Agribusiness Forum: Henry Sanday "MSG Agrifood Opportunities and ...Brussels Briefings (brusselsbriefings.net)
 
Savannah beebot mat readysteadysmileandlearn
Savannah beebot mat readysteadysmileandlearnSavannah beebot mat readysteadysmileandlearn
Savannah beebot mat readysteadysmileandlearnmapi plaza
 
Resumo da obra o crime do padre amaro
Resumo da obra o crime do padre amaroResumo da obra o crime do padre amaro
Resumo da obra o crime do padre amaroLeandro Carreira
 
Realismo: pressupostos históricos
Realismo: pressupostos históricosRealismo: pressupostos históricos
Realismo: pressupostos históricosvinivs
 

Destaque (20)

Eça de queiróz trabalho da universidade
Eça de queiróz trabalho da universidadeEça de queiróz trabalho da universidade
Eça de queiróz trabalho da universidade
 
REALISMO
REALISMOREALISMO
REALISMO
 
Formas ingles
Formas inglesFormas ingles
Formas ingles
 
Business Plan Mistakes
Business Plan MistakesBusiness Plan Mistakes
Business Plan Mistakes
 
14 SBA - NEXT AUTOMATION
14 SBA - NEXT AUTOMATION14 SBA - NEXT AUTOMATION
14 SBA - NEXT AUTOMATION
 
áGua, pra que te quero no meu corpo
áGua, pra que te quero no meu corpoáGua, pra que te quero no meu corpo
áGua, pra que te quero no meu corpo
 
Letter of Reco - GK
Letter of Reco - GKLetter of Reco - GK
Letter of Reco - GK
 
IMG_0010_NEW (2)
IMG_0010_NEW (2)IMG_0010_NEW (2)
IMG_0010_NEW (2)
 
NIKHIL-RESUME
NIKHIL-RESUMENIKHIL-RESUME
NIKHIL-RESUME
 
Segovia, Spain (西班牙 塞哥維亞)
Segovia, Spain (西班牙 塞哥維亞)Segovia, Spain (西班牙 塞哥維亞)
Segovia, Spain (西班牙 塞哥維亞)
 
Key Competency eLearn
Key Competency eLearnKey Competency eLearn
Key Competency eLearn
 
Linking nitrogen pollution in estuaries to rocky shores: A stable isotope app...
Linking nitrogen pollution in estuaries to rocky shores: A stable isotope app...Linking nitrogen pollution in estuaries to rocky shores: A stable isotope app...
Linking nitrogen pollution in estuaries to rocky shores: A stable isotope app...
 
2nd Pacific Agribusiness Forum: Henry Sanday "MSG Agrifood Opportunities and ...
2nd Pacific Agribusiness Forum: Henry Sanday "MSG Agrifood Opportunities and ...2nd Pacific Agribusiness Forum: Henry Sanday "MSG Agrifood Opportunities and ...
2nd Pacific Agribusiness Forum: Henry Sanday "MSG Agrifood Opportunities and ...
 
Savannah beebot mat readysteadysmileandlearn
Savannah beebot mat readysteadysmileandlearnSavannah beebot mat readysteadysmileandlearn
Savannah beebot mat readysteadysmileandlearn
 
Realismo
Realismo Realismo
Realismo
 
Resumo da obra o crime do padre amaro
Resumo da obra o crime do padre amaroResumo da obra o crime do padre amaro
Resumo da obra o crime do padre amaro
 
Realismo: pressupostos históricos
Realismo: pressupostos históricosRealismo: pressupostos históricos
Realismo: pressupostos históricos
 
O naturalismo
O naturalismoO naturalismo
O naturalismo
 
O contexto do Realismo
O contexto do Realismo O contexto do Realismo
O contexto do Realismo
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
 

Semelhante a Realismo

Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaLuisMagina
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismonagelaviana
 
Literaturas sobre realismo (2)
Literaturas sobre realismo (2)Literaturas sobre realismo (2)
Literaturas sobre realismo (2)Equipemundi2014
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Josi Motta
 
O realismo na literatura oitocentista
O realismo na literatura oitocentistaO realismo na literatura oitocentista
O realismo na literatura oitocentistaTina Lima
 
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)Silmara Braz
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).pptANDRESSASILVADESOUSA
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptAliceEmanuelladeOliv
 
realismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.pptrealismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.pptCarlos100coliCoimbra
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptLeandroBolivar1
 
A percepção critica pelo olhar de Eça de Queirós
 A percepção critica pelo olhar de Eça de Queirós  A percepção critica pelo olhar de Eça de Queirós
A percepção critica pelo olhar de Eça de Queirós Laryssa Prudencio
 

Semelhante a Realismo (20)

Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
 
Literaturas sobre realismo (2)
Literaturas sobre realismo (2)Literaturas sobre realismo (2)
Literaturas sobre realismo (2)
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
O realismo na literatura oitocentista
O realismo na literatura oitocentistaO realismo na literatura oitocentista
O realismo na literatura oitocentista
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
Realismo
Realismo Realismo
Realismo
 
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Realismo-naturalismo.ppt
Realismo-naturalismo.pptRealismo-naturalismo.ppt
Realismo-naturalismo.ppt
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
 
realismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.pptrealismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.ppt
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
 
A percepção critica pelo olhar de Eça de Queirós
 A percepção critica pelo olhar de Eça de Queirós  A percepção critica pelo olhar de Eça de Queirós
A percepção critica pelo olhar de Eça de Queirós
 
O realismo
O realismoO realismo
O realismo
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
 

Último

Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40vitoriaalyce2011
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosbiancaborges0906
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédioifbauab
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxmairaviani
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade geneticMrMartnoficial
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]ESCRIBA DE CRISTO
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoPedroFerreira53928
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessRodrigoGonzlez461291
 

Último (20)

Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
 

Realismo

  • 1. “QUE MÉRITO HÁ EM AMAR OS QUE NOS AMAM?” EÇA DE QUEIROZ REALISMO
  • 2. CONTEXTO HISTÓRICO O QUE FOI? ONDE COMEÇOU? PORQUE RECEBEU ESSE NOME? CARACTERÍSTICAS REALISMO X NATURALISMO EÇA DE QUEIROZ MACHADO DE ASSIS ALUÍZIO DE AZEVEDO Índice
  • 3. Contexto Histórico O Realismo reflete as profundas transformações econômicas, políticas, sociais e culturais da Segunda metade do século XIX.  A Revolução Industrial, iniciada no século XVIII, entra numa nova fase, caracterizada pela utilização do aço, do petróleo e da eletricidade; ao mesmo tempo o avanço científico leva a novas descobertas nos campos da Física e da Química. O capitalismo se estrutura em moldes modernos, com o surgimento de grandes complexos industriais; por outro lado, a massa operária urbana avoluma-se, formando uma população marginalizada que não partilha dos benefícios gerados pelo progresso industrial mas, pelo contrário, é explorada e sujeita a condições subumanas de trabalho.
  • 4. O Brasil também passa por mudanças radicais tanto no campo econômico como no político-social, no período compreendido entre 1850 e 1900, embora com profundas diferenças materiais, se comparadas às da Europa.  A campanha abolicionista intensifica-se a partir de 1850; a Guerra do Paraguai (1864/70) tem como consequência o pensamento republicano – o Partido Republicano foi fundado no ano em que essa guerra acabou –; a Monarquia vive uma vertiginosa decadência.  A Lei Áurea, de 1888, não resolveu o problema dos negros, mas criou uma nova realidade.  O fim da mão de obra escrava e a sua substituição pela mão de obra assalariada, então representada pelas levas de imigrantes europeus que vinham trabalhar na lavoura cafeeira, originou uma nova economia voltada para o mercado externo, mas agora sem a estrutura colonialista.
  • 5. O que foi? O realismo foi um movimento artístico e cultural que se desenvolveu na segunda metade do século XIX. A característica principal deste movimento foi a abordagem de temas sociais e um tratamento objetivo da realidade do ser humano.
  • 6. Onde começou? O Realismo iniciou-se na França, em 1857, com a publicação de “Madame Bovary”, de Gustave Flaubert. No Brasil foi em 1881, com “Memórias Póstumas da Brás Cubas” de Machado de Assis e “O Mulato” de Aluísio Azevedo.
  • 7. Porque recebeu esse nome? O próprio nome deste período fala a respeito de sua característica mais marcante: a realidade. A contemporaneidade é um atributo dos autores do Realismo que se preocupavam com o momento histórico, com o momento presente da sociedade em seus contextos políticos e econômicos. 
  • 8. Caracaterísticas Oposição ao idealismo romântico. Não há envolvimento sentimental Representação mais fiel da realidade Romance como meio de combate e crítica às instituições sociais decadentes, como o casamento, por exemplo Análise dos valores burgueses com visão crítica denunciando a hipocrisia e corrupção da classe Influência dos métodos experimentais Narrativa minuciosa (com muitos detalhes) Personagens analisadas psicologicamente
  • 9. As características do Realismo estão intimamente ligadas ao momento histórico, refletindo, dessa forma, a postura do Positivismo, do Socialismo e do evolucionismo, com todas as suas variantes. Assim é que o objetivismo aparece como negação do subjetivismo romântico e nos mostra o homem voltado para aquilo que está diante e fora dele, o não-eu; o personalismo cede terreno para o universalismo. O materialismo leva à negação do sentimentalismo e da metafísica.  O nacionalismo e a volta ao passado histórico são deixados de lado; o Realismo só se preocupa com o presente, o contemporâneo.
  • 10. Retrato fiel do personagem Lentidão Narrativa Interpretação do caráter Materialização do amor Determinismo e relação entre causa efeito Veracidade Detalhes Específicos Visão determinista e mecanicista do homem Centificismo Personagens patológicas Incorporação de termos científicos e profissionais Determinista, evolucionista, positivista REALISMO X NATURALISMO
  • 11. “O realismo é uma reação contra o romantismo: o romantismo era a apoteose do sentimento; - o realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte que nos pinta a nossos próprios olhos – para condenar o que houve de mau na nossa sociedade.” Eça de Queirós.  Autores
  • 12. Eça de Queiroz José Maria Eça de Queirós , nasceu em Póvoa doVarzim 1845. Passou a infância e juventude longe dos pais pois estes não eram casados. Estudou direito na Universidade de Coimbra. Ligou-se por essa ocasião ao grupo renovador chamado “Escola de Coimbra” , Responsável pela introdução do Realismo em Portugal. Eça não participou diretamente da “Questão Coimbra” - 1865 - , a polêmica em que jovens defensores de novas ideias literárias , artísticas e filosóficas liderados por Antero de Quental , se defrontaram com os velhos românticos , ultrapassados e conservadores , liderados porVisconde de Castilho.
  • 13. Eça de Queirós é o representante maior da prosa realista em Portugal. Grande renovador do romance, abandonou a linha romântica, e estabeleceu uma visão critica da realidade. Afastou-se do estilo clássico, que pendurou por muito tempo na obra de diversos autores românticos, deu a frase uma maior simplicidade , mudando a sintaxe e inovando na combinação das palavras. Evitou a retórica tradicional e os lugares comuns, criou novas formas de dizer, introduziu neologismos e, principalmente utilizou o adjetivo de maneira inédita e expressiva. Este novo estilo só teve antecessor em Almeida Garrett e valeu a Eça a acusação de galicismo e estabeleceu os fundamentos da prosa moderna da Língua Portuguesa. Enfim , no dia 16 de Agosto de 1900 Eça morre em Paris. Deixava um episódio literário que veio a ser publicado aos poucos.
  • 14. Principais obras: . A Cidade e as Serras A Ilustre Casa de Ramires· A Relíquia· ATragédia da Rua das Flores· As Farpas· Contos e Prosas Bárbaras· O Crime do Padre Amaro· O Mandarim· O Mistério da Estrada de Sintra· O Primo Basílio· Os Maias· Uma Campanha Alegre·
  • 15. Machado de Asssis Joaquim Maria Machado de Assis é considerado o maior escritor do século XIX, escreveu romances e contos, mas também aventurou-se pelo mundo da poesia, teatro, crônica e critica literária. Nasceu no Rio de Janeiro em 1839 e morreu em 1908. Foi tipógrafo e revisor tornando-se colaborador da imprensa da época. Sua infância foi muito pobre e a sua ascensão artística se deve a muito trabalho e dedicação. Sua esposa, Carolina Xavier, o incentivou muito na carreira literária, tanto que foi o primeiro presidente da Academia Brasileira de Letras.
  • 16. Embora sejam romances, essas obras também revelam algumas características que futuramente marcarão a fase realista e madura do autor, como a análise psicológica dos personagens, o humor, monólogos interiores e cortes na narrativa (uma das suas principais características). “Memórias Póstumas da Brás Cubas” (considerado o divisor de águas na obra machadiana) “Quincas Borba”, “Dom Casmurro”, “Esaú e Jacó” e “Memorial de Aires”, revelam o interesse cada vez maior do autor de aprofundar a análise do comportamento do homem, revelando algumas características próprias do ser humano como a inveja, a luxúria, o egoísmo e a vaidade, todas encobertas por uma aparência boa e honesta.
  • 17. Principais obras: Ressurreição - 1872  A mão e a luva - 1874  Helena - 1876  Iaiá Garcia - 1878  Memórias Póstumas de Brás Cubas - 1881  Quincas Borba - 1891  Dom Casmurro - 1899  Esaú e Jacó - 1904  Memorial de Aires - 1908 
  • 18. Aluízio de Azevedo Considerado o pioneiro do naturalismo no Brasil, o romancista AluísioTancredo Gonçalves de Azevedo nasceu em São Luís, Maranhão em 14 de abril de 1857. Quando jovem ele fazia caricaturas e poesias, como colaborador, para jornais e revistas no Rio de Janeiro. Seu primeiro romance publicado foi: Uma lágrima de mulher, em 1880.  Fundador da cadeira número quatro da Academia Brasileira de Letras e crítico social, este escritor naturalista foi autor de diversos livros, entre eles estão: O Mulato, que provocou escândalo na época de seu lançamento, Casa de Pensão, que o consagrou e O Cortiço, conhecido com sua obra mais importante. 
  • 19. Este autor, que não escondia seu inconformismo com a sociedade brasileira e com suas regras, escreveu ainda outros títulos: CondessaVésper, Girândola de Amores, Filomena Borges, O Coruja, O Homem, O Esqueleto, A Mortalha de Alzira, O livro de uma Sogra e contos como: Demônios. Durante grande parte de sua vida, Aluísio de Azevedo viveu daquilo que ganhava como escritor, mas ao entrar para a vida diplomática ele abandonou a produção literária. Faleceu em Buenos Aires, Argentina, no dia 21 de janeiro de 1913.
  • 20. Principais obras: Uma Lágrima de Mulher, novela, 1880  O mulato, novela, 1881  Mistério daTijuca ou Girândola de amores, novela, 1882  Memórias de Um Condenado ou CondessaVesper, novela, 1882  Casa de pensão, novela, 1884  Filomena Borges, novela, 1884  O homem, novela, 1887  O cortiço, novela, 1890  O coruja, novela, 1890  A Mortalha de Alzira, novela, 1894  Demônios, conto, 1895  O livro de uma sogra, novela, 1895  O Bom Negro, crônica  O Esqueleto, (participação de  Olavo Bilac). 
  • 21.
  • 22.