Realismo - Naturalismo

605 visualizações

Publicada em

Aula de literatura - Realismo / naturalismo

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
605
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Realismo - Naturalismo

  1. 1. Realismo Profª Andriane
  2. 2. Realismo A palavra Realismo denota ação e designa uma forma de interpretar a realidade. O Realismo propunha-se a reagir pela observação dos objetos e das situações, contra os excessos da imaginação na arte romântica. O seu princípio era REPRESENTAR A REALIDADE, quer o assunto fosse bonito ou feio, nobre ou trivial, com o objetivo de alcançar a beleza, a fraternidade e a justiça.
  3. 3. Surge o Realismo É na segunda metade do século XIX que a Europa se vê arejada por novos ventos políticos, científicos, sociais e religiosos. Neste contexto, surge na França um movimento artístico cuja influência se estendeu a numerosos países, chamado Realismo. Esta corrente aparece no momento em que ocorrem as primeiras lutas sociais, sendo também objeto de ação contra o capitalismo progressivamente mais dominador. O Realismo no Brasil tem como marco inicial a obra Memórias póstumas de Brás Cubas (1881), de Machado de Assis.
  4. 4. Contexto histórico - 2ª Revolução Industrial - Segundo Reinado (D. Pedro II) - Capital: Rio de Janeiro - Abolição da escravatura (1888) - Proclamação da República (1889)
  5. 5. Valores - Engajamento social e político; - Novas ideologias; - Retrato fiel da sociedade; - Crítica às instituições; - Literatura transforma a realidade; - Teorias científicas.
  6. 6. Teorias & Correntes ❖ O positivismo de Comte ( teoria científica que defende posturas exclusivamente materialistas e limita o conhecimento das coisas apenas quando estas podem ser provadas cientificamente); ❖ O socialismo de Marx e Engels (teoria científica que estimula as lutas de classe e a organização política do proletariado); ❖ O evolucionismo de Darwin (teoria científica que mostra o processo de evolução das espécies a partir da seleção natural); ❖ O determinismo de Taine (teoria que defende que o comportamento humano é determinado por três fatores: o meio, a raça, e o momento histórico); ❖ A psicanálise de Freud (teoria da alma ou da psique. Metodologia terapêuticaque examina o teor inconsciente das palavras, atos e/ou concepções imaginativas de um ser, baseando-se nas relações livres); ❖ A medicina de Claude Bernard (teorias da medicina experimental, mostrando a importância da fisiologia no comportamento do indivíduo).
  7. 7. Características ● Veracidade: despreza a imaginação romântica; ● Contemporaneidade: descreve a realidade; ● Retrato fiel das personagens: caráter, aspectos negativos da natureza humana; ● Gosto pelos detalhes: lentidão na narrativa; ● Materialismo do amor: mulher objeto de prazer/adultério; ● Denúncia das injustiças sociais; ● Determinismo e relação entre causa e efeito; ● Linguagem próxima à realidade: simples, natural, clara e equilibrada.
  8. 8. REALISMO ROMANTISMO Valoriza o que se é Valoriza o que se idealiza e sente Crítica direta Crítica indireta Objetividade Sentimentos à flor da pele Textos, às vezes, sem censura Textos geralmente respeitosos Imagens sem fantasias, reais Imagens fantasiadas, perfeitas Aversão ao amor platônico Amores platônicos Mistura de épico e lírico nos textos Separação Cosmopolita Nacionalista
  9. 9. Teatro Com o Realismo, os problemas do cotidiano ocupam os palcos no mundo do teatro. O herói romântico é substituído por personagens do dia a dia e a linguagem torna-se coloquial. O primeiro grande dramaturgo realista é o francês Alexandre Dumas Filho, autor da primeira peça realista, A Dama das Camélias (1852), que aborda o tema prostituição.
  10. 10. Pintura Na pintura, as obras passam a privilegiar cenas cotidianas de grupos sociais menos favorecidos e as telas tornam-se pesadas e tristes. Neste campo, destaca-se o pintor francês Gustave Coubert .
  11. 11. Escultura A escultura realista não se preocupa com a idealização da realidade, recria os seres tais como são. Aqui especial destaque para o franceses Auguste Rodin e Camille Claudel.
  12. 12. Autores e suas influências - Gustave Flaubert (Madame Bovary) - Honoré de Balzac (A Mulher de Trinta Anos, Ilusões Perdidas) - Charles Dickens (David Copperfield, Oliver Twist) - Eça de Queirós (Os Maias, O Crime do Padre Amaro) - Stendhal (O Vermelho e o Negro) - Émile Zola (Germinal) - Dostoievski (Os irmãos Karamazov) - Léon Tolstoi (Guerra e Paz, Anna Karenina)
  13. 13. Eça de Queirós (Portugal) José Maria de Eça de Queirós nasceu na Póvoa de Varzim a 25 de Novembro de 1845 e foi um dos maiores escritores portugueses. Foi autor, entre outros romances de importância reconhecida, de Os Maias e O Crime do Padre Amaro, tendo sido este último por muitos considerado o melhor romance realista português do século XIX. Morreu em Paris, a 16 de Agosto de 1900.
  14. 14. O Crime do Padre Amaro É uma das obras do escritor português Eça de Queirós mais difundidas por todo o mundo. Trata-se de uma obra polêmica, que causou protestos da Igreja Católica, ao ser publicada em 1875, em Portugal. É a primeira realização artística do realismo português. Trata do romance entre Amaro e a jovem Amélia, que surge num ambiente em que o próprio papel da religião é alvo de grandes discussões e a moralidade de cada um é posta à prova. Enquanto a trágica história de amor se desenvolve, personagens secundárias travam debates sobre o papel da fé.
  15. 15. Os Maias A obra ocupa-se da história de uma família (Maia) ao longo de três gerações, centrando-se depois na última geração e dando relevo aos amores incestuosos de Carlos da Maia e Maria Eduarda. Mas a história é também um pretexto para o autor fazer uma crítica à situação decadente do país (a nível político e cultural) e à alta burguesia lisboeta oitocentista, por onde perpassa um humor (ora fino, ora satírico) que configura a derrota e o desengano de todas as personagens.
  16. 16. Machado de Assis Machado de Assis nasceu na cidade do Rio de Janeiro (1839), era mestiço e de origem humilde. Cresceu sob os cuidados da madrasta Maria Inês, pois assim como a mãe, a portuguesa Maria Leopoldina, seu pai, o mulato Francisco José de Assis, morreu cedo. Apesar de ter frequentado escola pública e começado a trabalhar desde cedo, alcançou boa posição como funcionário público, cargo que lhe proporcionou tranquilidade financeira. Casado com Carolina Xavier de Novais, Machado de Assis dedicou-se à literatura e produziu a melhor prosa brasileira do século XIX. Morreu em 1908 O escritor compôs cerca de duzentos contos. Os romances e contos anteriores à década de 1880 revelam influências românticas, assim como Ressurreição (1872), A mão e a luva (1874), Helena (1876), Iaiá Garcia (1878), Contos Fluminenses (1870) e Histórias da meia-noite (1873).
  17. 17. Machado de Assis Machado revela-se mais maduro a partir da publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881); essa marca a segunda etapa de sua produção. O escritor desenvolve uma ironia feroz, retrata um humor velado e amargo em relação àquilo que retrata. Nessa nova fase incluem-se os romances Quincas Borba (1891), Dom Casmurro ( 1899), Esaú e Jacó (1904) e Memorial de Aires (1908). Entre seus inúmeros contos estão: “O alienista”, “A cartomante”, “Missa do galo”, “Uns braços”, “O espelho”, “Cantiga de esponsais”, “Teoria do medalhão”, “A causa secreta”.
  18. 18. Memórias Póstumas de Brás Cubas Brás Cubas é um homem rico e solteiro que, depois de morto, resolve se dedicar à tarefa de narrar sua própria vida. Dessa perspectiva, emite opiniões sem se preocupar com o julgamento que os vivos podem fazer dele. De sua infância, registra apenas o contato com um colega de escola, Quincas Borba, e o comportamento de menino endiabrado, que o fazia maltratar o escravo Prudêncio e atrapalhar os amores adúlteros de uma amiga da família, D. Eusébia. Da juventude, resgata o envolvimento com uma prostituta de luxo, Marcela. Depois de retornar de uma temporada de estudos na Europa, vive uma existência de moço rico, despreocupado e fútil. Conhece a filha de D. Eusébia, Eugênia, e a despreza por ser manca.
  19. 19. Memórias Póstumas de Brás Cubas Envolve-se com Virgília, uma namorada da juventude, agora casada com o político Lobo Neves. O adultério dura muitos anos e se desfaz de maneira fria. Brás ainda se aproxima de Nhã Loló, parenta de seu cunhado Cotrim, mas a morte da moça interrompe o projeto de casamento. Desse ponto até o fim da vida, Brás se dedica à carreira política, que exerce sem talento, e a ações beneficentes, que pratica sem nenhuma paixão. O balanço final, tão melancólico quanto a própria existência, arremata a narrativa de forma pessimista: “Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria”.
  20. 20. Dom Casmurro (1899) Bentinho (Bento Santiago): o narrador-personagem que conta suas memórias, membro da elite carioca do século XIX. Capitu (Capitolina): grande amor de Bentinho, personagem de origem pobre, mas independente e avançada. Escobar: o melhor amigo de Bentinho, a quem conheceu quando estudaram juntos no seminário. Dona Sancha: mulher de Escobar, ex-colega de colégio de Capitu. Dona Glória: mãe de Bentinho, adora o filho e é também muito religiosa. Quer que o garoto se ordene padre como cumprimento de uma promessa que fez. José Dias: agregado que vive de favores na casa de dona Glória. Suposto médico, tem o hábito de agradar aos proprietários da casa com o uso de superlativos. Ezequiel: filho de Capitu, sobre o qual o narrador sustenta forte dúvida quanto à paternidade, pois o garoto tinha grande semelhança física com Escobar.
  21. 21. Naturalismo
  22. 22. Naturalismo O Naturalismo foi um movimento cultural relacionado às artes plásticas, literatura e teatro. Surgiu na França, na segunda metade do século XIX. Este movimento foi uma radicalização do Realismo. Com a publicação de O Mulato(1881), Aluísio Azevedo consagrou-se como um escritor naturalista. A publicação dessa obra marca o início do Naturalismo brasileiro. O livro (que não é a nossa obra naturalista mais marcante) causou impacto na sociedade, principalmente entre o clero e a alta sociedade de São Luís do Maranhão. O Mulato aborda temas como o puritanismo sexual, o anticlericalismo e o racismo. Em 1890, o Naturalismo atinge o seu ápice com a publicação de O cortiço (obra repleta de personagens marginalizados).
  23. 23. Contexto histórico - 2ª Revolução Industrial - Segundo Reinado (D. Pedro II) - Capital: Rio de Janeiro - Abolição da escravatura (1888) - Proclamação da República (1889)
  24. 24. Características - Objetividade - Verossimilhança - Descritivismo - Razão, observação e análise - Universalismo - Retrato fiel das personagens
  25. 25. Características extras natulistas - Realismo científico - Romance de tese e/ou experimental - Instinto - Coletivo - Patologias - Homossexualidade
  26. 26. Aluísio Azevedo (1857-1913) Aluísio Azevedo conviveu com o preconceito desde muito cedo. O relacionamento dos pais, David Gonçalves de Azevedo e Emília Amália Pinto de Magalhães, era julgado pela sociedade tradicionalista, já que David era viúvo, Emília separada e os dois não oficializaram a união. Nascido em São Luís do Maranhão, o jovem foi cursar a Academia Imperial de Belas Artes em 1876, no Rio de Janeiro. Com a morte do pai, em 1878, precisa retornar ao Maranhão para ajudar os familiares. Com isso, encontra na escrita um sustento. A primeira publicação, com características do romantismo, é “Uma lágrima de mulher”. Mas a obra que reflete melhor as características literárias do autor é “O Mulato”. Nessa época, 1881, o autor volta ao Rio e passa a produzir peças, contos e romances. Em 1895 foi nomeado diplomata e passou por vários países, entre eles Argentina, Itália, Inglaterra e Japão. Vinte anos depois, Aluísio foi morar novamente em Buenos Aires como cônsul de primeira classe. A literatura foi deixada de lado.
  27. 27. O cortiço
  28. 28. O cortiço Jerônimo assume a condição de gerente da pedreira de João Romão e passa a viver no cortiço com a esposa Piedade. Sua honestidade, força e nobreza de caráter logo chamam a atenção de todos. No entanto, seduzido pela envolvente Rita Baiana, assassina o namorado desta, Firmo. Jerônimo abandona a esposa e vai viver com Rita. Entra então em um acelerado processo de decadência física e moral, assim como sua esposa, que termina alcoólatra. A decadência atinge também outros moradores do cortiço. É o caso de Pombinha, moça culta que aguardava a primeira menstruação para se casar. Seduzida pela prostituta Léonie, abandona o marido e vai viver com a amante, prostituindo-se também.
  29. 29. Impressionismo
  30. 30. Raul Pompéia Raul d’Ávila Pompéia nasceu no dia 12 de abril de 1863, em Angra dos Reis, RJ. Começou o curso de Direito em São Paulo, no ano de 1881. Nesse contexto influenciou-se com as causas abolicionistas e republicanas. Por causa de seus ataques à oligarquia, sofreu perseguições políticas, essas provocaram sua reprovação na faculdade. Raul e mais noventa e três acadêmicos partiram para o Recife a fim de concluir o curso. Após alcançar seu objetivo retornou ao Rio de Janeiro, em 1885, mas não exerceu a advocacia. Na cidade do Rio de Janeiro escreveu crônicas, folhetins, artigos e contos. Foi nesse período que escreveu O Ateneu, romance de cunho autobiográfico.
  31. 31. Raul Pompéia Em 1893, publicou a charge “O Brasil crucificado entre dois ladrões” combatendo ingleses e portugueses, tal publicação provocou escândalo no meio político. Olavo Bilac atacou-o num artigo de jornal. Em 1895, foi demitido da direção da Biblioteca Nacional. Foi caluniado por Luís Murat e desprezado por toda parte, essa situação trouxe-lhe grande abatimento moral. No dia 25 de dezembro de 1895, dia de Natal, Raul põe fim em sua vida com um tiro no coração
  32. 32. O Ateneu Trata-se de uma narrativa na primeira pessoa, em que o personagem Sérgio, já adulto, conta sobre seu tempo de aluno interno no Colégio Ateneu. A ação do livro transcorre no ambiente fechado e corrupto do internato, onde convivem crianças, adolescentes, professores e empregados. Dr. Aristarco é o diretor do colégio. Figura soberba que visava apenas o lucro. Tinha o sonho de ver um busto com a sua face. Sérgio vai narrando as decepções, os medos, as dúvidas, a rígida disciplina, as amizades, os acontecimentos em torno da própria sexualidade, as questões nem sempre respondidas. O romance é um diário de um internato. Misturando alegria e tristezas, decepções e entusiasmos, Sérgio, pacientemente reconstrói, por meio da memória, a adolescência vivida e perdida entre as paredes do famoso internato. A obra acaba com o incêndio do Ateneu pelo estudante Américo. No incêndio o diretor fica perdido, estático com o que está acontecendo com seu patrimônio e naquele mesmo dia é abandonado pela esposa.

×