HIV Aids Aspectos Básicos (Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Prevenção)

4.792 visualizações

Publicada em

HIV Aids Aspectos Básicos (Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Prevenção)

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.792
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.582
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

HIV Aids Aspectos Básicos (Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Prevenção)

  1. 1. Alexandre Naime Barbosa MD, PhD Professor Assistente - Infectologista Programa Municipal DST/Aids Secretaria Municipal de Saúde Set/2014 - Botucatu - SP
  2. 2. Barbosa AN, 2014
  3. 3. Barbosa AN, 2014
  4. 4. Saúde Global Barbosa AN, 2014
  5. 5. 6ª 3ª Barbosa AN, 2014
  6. 6. MS – Boletim Epidemiológico, 2011 Unaids - Aids Epidemic Update, 2011 Mundo Brasil Prevalência 34 milhões 0.6 - 1.0 milhão Incidência/ano 2,7 milhões 34 mil Mortalidade/ano 1,8 milhão 12 mil Barbosa AN, 2014
  7. 7. Unaids - Aids Epidemic Update, 2013  1981-2012: 75 milhões de casos  1981-2012: 40 milhões de mortes  2012: 35 milhões de PVHA  2012: 2,3 milhões de casos novos  2012: 1,6 milhões de mortes Barbosa AN, 2014
  8. 8. MS – Boletim Epidemiológico, 2012 Unaids - Aids Epidemic Update, 2013 Prevalência ND Mundo Brasil Prevalência 35 milhões 0,5 - 0,6 milhão (0,5%) Incidência/ano 2,3 milhões 40 mil Mortalidade/ano 1,5 milhão 15 mil Barbosa AN, 2014
  9. 9. Dçs Cerebrovasculares 17.08% Infarto Miocárdio 13.66% Câncer 12.42% Pneumonias 9.47% Cirrose e Dçs Fígado 3,31% Outras Dçs Isq Coração Dçs Hipertensivas 7.66% Sepse 2.25% Dçs Pulmonares Crônicas Diabete Mellitus 9.39% 8.88% 3.46% Insuf. Cardíaca 4.72% Miocardiopatia 2.29% 13º: Aids 2,08% Insuf. Renal 1.98% Demais Doenças Perinatais 1.35% Barbosa AN, 2014
  10. 10. Grangeiro A - Congresso Brasileiro de Infectologia, 2013 Barbosa AN, 2014
  11. 11. Slide Cedido pela Dra. Maria Clara Gianna Barbosa AN, 2014
  12. 12. Grangeiro A - Congresso Brasileiro de Infectologia, 2013 Barbosa AN, 2014
  13. 13. MS – Boletim Epidemiológico, 2011 Barbosa AN, 2014
  14. 14. Slide Cedido pela Dra. Maria Clara Gianna Barbosa AN, 2014
  15. 15. Barbosa AN, 2014
  16. 16. Barbosa AN, 2014
  17. 17.  Mucosa ou Epitélio  Vascularização  Rede Linfática  Área de Exposição  DSTs ou Lesões de Órgãos Prepúcio Barbosa AN, 2014
  18. 18.  Lesões por Atrito  Lubrificação  Retenção fluídos  Fluídos Sexuais  Muco anal  Sangue Barbosa AN, 2014
  19. 19.  Uso de Drogas  Uso de Álcool Barbosa AN, 2014
  20. 20.  Festas Barebacking  Saunas e Casas de Banho  Casas de Swing  Gang Bang  Roleta Russa Barbosa AN, 2014
  21. 21. Barbosa AN, 2014
  22. 22. MS – Boletim Epidemiológico, 2010 Barbosa AN, 2014
  23. 23. Barbosa AN, 2014
  24. 24. Barbosa AN, 2014
  25. 25. Barbosa AN, 2014
  26. 26. Barbosa AN, 2014  RNA: 2 moléculas  Capsídeo Protéico (p17, p24)  Envelope (gp41, gp120)  Enzimas: TR, PT, IT, RNAse  Células Alvo: Receptores CD4 (LT)  Co-receptores: CCR5, CXCR4 RT: transcriptase reversa; PT: protease; IT: integrase
  27. 27. Barbosa AN, 2014 < 72h, chance de impedir a formação de pró-vírus, ARVs impedem a perpetuação da infecção Infecção crônica pelo HIV, ARVs controlam replicação, mas não esterilizam as células
  28. 28. Barbosa AN, 2014
  29. 29. Barbosa AN, 2014
  30. 30. Barbosa AN, 2014 Linfócito T CD4
  31. 31. Barbosa AN, 2014
  32. 32. Barbosa AN, 2014
  33. 33. Barbosa AN, 2014 Sintomas ou não Teste HIV pode ser negativo Elevada Carga Viral
  34. 34. Barbosa AN, 2014 Oligo ou Assintomático Teste HIV Positivo Carga Viral Alta
  35. 35. Barbosa AN, 2014 Doenças Oportunistas Teste HIV Positivo Carga Viral Alta
  36. 36. Barbosa AN, 2014
  37. 37. Barbosa AN, 2014
  38. 38. Barbosa AN, 2014
  39. 39. Barbosa AN, 2014
  40. 40. Barbosa AN, 2014
  41. 41. Barbosa AN, 2014
  42. 42. Barbosa AN, 2014
  43. 43. Barbosa AN, 2014
  44. 44. Barbosa AN, 2014
  45. 45. Barbosa AN, 2014
  46. 46. Hutter G, et al N Engl J Med, 2009. Barbosa AN, 2014
  47. 47. Serves as proof-of-concept that HIV CURE is possible Barbosa AN, 2014
  48. 48. Barbosa AN, 2014
  49. 49. Barbosa AN, 2014
  50. 50. Barbosa AN, 2014 POPULAÇÃO SEXUALMENTE ATIVA EM RISCO INFECTADAS PERCEBEM SINTOMAS PROCURAM ATENDIMENTO ATENDIDAS DIAGNÓSTICO CORRETO TRATAMENTO ADEQUADO PARCEIROS TRATADOS
  51. 51. Barbosa AN, 2014
  52. 52. Barbosa AN, 2014
  53. 53. Barbosa AN, 2014
  54. 54. Grangeiro A - Congresso Brasileiro de Infectologia, 2013 Barbosa AN, 2014
  55. 55. Barbosa AN, 2014
  56. 56. Barbosa AN, 2014 2013: 26 drogas , DTV
  57. 57. Barbosa AN, 2014
  58. 58. Barbosa AN, 2014 Consenso Vigente em 2013: Esquemas para Início de TARV Esquemas Preferenciais - 2 ITRN + ITRNN - ITRN: TDF ou AZT + 3TC - ITRNN: EFZ (NVP como alternativa) Esquemas Alternativos - 2 ITRN + IP/r - 2 ITRN + IP* - ITRN: ddI ou ABC - IP: LOP/r (ATV/r ou FPV/r como alternativa) - IP: ATV Objetivo da TARV Tempo Carga Viral 4 - 6 semanas ↓ 1 log 4 meses ↓ 2 log 6 meses Indetectável À longo prazo Indetectável
  59. 59. Bhaskaran K, Hamouda O, Sannes M, et al. Changes in the risk of death after hiv seroconversion compared with mortality in the general population. JAMA. 2008;300(1):51-59. Barbosa AN, 2014  HAART: CV indetectável  Supressão em virgens ou não  Grande redução da mortalidade  Taxas próximas do normal  Objetivo: supressão virológica sustentada
  60. 60. Grangeiro A - Congresso Brasileiro de Infectologia, 2013 Barbosa AN, 2014
  61. 61. Grangeiro A - Congresso Brasileiro de Infectologia, 2013 Barbosa AN, 2014
  62. 62. Barbosa AN, 2014
  63. 63. Revista Unesp Ciência - Out/2011 www2.unesp.br/revista/?p=4095 www.unesp.br/revista/24 Barbosa AN, 2014
  64. 64. Número de comorbidades aumenta mais rápido e acontecem mais cedo Guaraldi G et al. CID 2011; 53:1120 Barbosa AN, 2014 Hypertension, Type 2 Diabetes, Cardiovascular Disease and Osteoporosis.
  65. 65. Guaraldi G et al. CID 2011; 53:1120 Barbosa AN, 2014
  66. 66. Barbosa AN, 2014  Doença Cardiovascular (IAM, AVE)  Câncer (Não-Aids)  Osteopenias e Fraturas  Disfunção Ventricular Esquerda  Insuficiência Hepática  Insuficiência Renal  Distúrbios Neuro-Cognitivos  “Síndrome da Fragilidade” HIV+ HIV+ HIV+ HIV -  Imunossenescência Weber et al. HIV Med 2013; 14:195
  67. 67. PRÉ HAART Barbosa AN, 2014 PÓS
  68. 68. Barbosa AN, 2014 ↑ Comorbidades Aumento da Sobrevida Contágio na 3ª Idade Inflamação Crônica Hábitos de Vida Toxicidade dos ARVs
  69. 69. Deeks, 2011 Barbosa AN, 2014
  70. 70. Barbosa AN, 2014 Maus Hábitos de Vida Inflamação, ARVs
  71. 71. Barbosa AN, 2014
  72. 72. Barbosa AN, 2014
  73. 73. Barbosa AN, 2014 < 72h, chance de impedir a formação de pró-vírus, ARVs impedem a perpetuação da infecção Infecção crônica pelo HIV, ARVs controlam replicação, mas não esterilizam as células
  74. 74. Barbosa AN, 2014
  75. 75. Barbosa AN, 2014
  76. 76. Barbosa AN, 2014
  77. 77. Barbosa AN, 2014
  78. 78. Barbosa AN, 2014
  79. 79. Barbosa AN, 2014
  80. 80. Barbosa AN, 2014 Comparação de Eficácia entre as Estratégias de Prevenção Abdool Karim S, Abdool Karim Q, et al. Lancet. 2011;378:e23-e25.
  81. 81. Barbosa AN, 2014
  82. 82.  HIV/Aids: um dos mais graves problemas de saúde global  Brasil: desperdício oportunidades, mais infecções e mortes  Importante otimizar ferramentas disponíveis, sem banalizar  Referenciar sempre que tiver dúvidas  Oferecer sempre a possibilidade  Divulgar em grupos mais vulneráveis  Promover sempre o uso do preservativo Barbosa AN, 2014
  83. 83. (14) 3811-6537 (14) 3811-6129 Barbosa AN, 2014
  84. 84. www.slideshare.net/spitalex

×