SlideShare uma empresa Scribd logo
Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar
PLANEJAMENTO FPLANEJAMENTO FÍÍSICO DESICO DE UTIsUTIs
Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar
ConceitosConceitos
CTI =CTI = Centro de TratamentoCentro de Tratamento
Intensivo.Intensivo. Conjunto deConjunto de UTIsUTIs agrupadasagrupadas
num mesmo local;num mesmo local;
UTI =UTI = Unidade de terapia intensiva.Unidade de terapia intensiva.
1.1. UUnidade que abriga pacientes denidade que abriga pacientes de
requeiram assistência mrequeiram assistência méédica, dedica, de
enfermagem, laboratorial e radiolenfermagem, laboratorial e radiolóógicagica
ininterrupta.ininterrupta. 2.2. Unidade especUnidade especííficafica
dentro de uma CTI (coronariana,dentro de uma CTI (coronariana,
neonatal, pedineonatal, pediáátrica,trica, etcetc))
Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar
ConceitosConceitos
Assistência mAssistência méédica 24dica 24 hshs;;
Assistência de enfermagem 24Assistência de enfermagem 24 hshs;;
Assistência laboratorial 24Assistência laboratorial 24 hshs;;
Assistência de imagem 24Assistência de imagem 24 hshs;;
MMíínimo de 5 leitos.nimo de 5 leitos.
Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar
HistHistóóricorico
OntemOntem
Lugar paraLugar para ““morrermorrer””;;
CirculaCirculaçções perifões perifééricas;ricas;
Pouca ou nenhuma visita;Pouca ou nenhuma visita;
Ambiente totalmente fechado;Ambiente totalmente fechado;
ÁÁrea restrita semelhante a umrea restrita semelhante a um
centro circentro cirúúrgico;rgico;
Pacientes inconscientes;Pacientes inconscientes;
UnidadeUnidade úúnica.nica.
Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar
HistHistóóricorico
HojeHoje
Lugar paraLugar para ““se recuperar e viverse recuperar e viver””;;
CirculaCirculaçções internas;ões internas;
Visita como ajuda terapêutica;Visita como ajuda terapêutica;
Ambiente com luz natural e visãoAmbiente com luz natural e visão
exterior;exterior;
ÁÁrea acesso restrito, mas semrea acesso restrito, mas sem
necessidade denecessidade de paramentaparamentaççãoão;;
Pacientes inconscientes ePacientes inconscientes e
conscientes;conscientes;
Unidades especializadas.Unidades especializadas.
Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar
Fonte: HDR Architecture, Inc.
Omaha, Nebraska, USA
Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar
NormasNormas
Portaria nPortaria nºº 3.432/GM, de 12 de3.432/GM, de 12 de
agosto de 1998, estabelece critagosto de 1998, estabelece critéérios derios de
classificaclassificaçção entre diferentes unidadesão entre diferentes unidades
de tratamento intensivode tratamento intensivo –– UTI;UTI;
ResoluResoluçção ANVISA RDC 50/2002;ão ANVISA RDC 50/2002;
Portaria nPortaria nºº 332 de 28/03/2000.332 de 28/03/2000.
AlteraAlteraçção da Portaria não da Portaria nºº 3.432/GM;3.432/GM;
Consulta PConsulta Púública ANVISA nblica ANVISA nºº
21/2006;21/2006;
ResoluResoluççãoão Mercosul/XXVII SGT NMercosul/XXVII SGT Nºº
11 de 26/10/200611 de 26/10/2006
Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar
UNIDADE / AMBIENTEUNIDADE / AMBIENTE DIMENSIONAMENTODIMENSIONAMENTO
QUANTIFICAQUANTIFICAÇÇÃO (min.)ÃO (min.) DIMENSÃO(min.)DIMENSÃO(min.)
InternaInternaçção intensivaão intensiva--
UTI / CTIUTI / CTI
ÉÉ obrigatobrigatóória a existência emria a existência em hosphosp..
terciterciáários e em secundrios e em secundáários com cap.rios com cap. ≥≥
100 L., bem como nos especializados que100 L., bem como nos especializados que
atendam pacientes graves ou de risco eatendam pacientes graves ou de risco e
em EAS que atendam gravidez /parto deem EAS que atendam gravidez /parto de
alto risco. Nestealto risco. Neste úúltimo caso o EAS develtimo caso o EAS deve
dispor dedispor de UTIsUTIs adulto e neonatal.adulto e neonatal.
Posto de enfermagem /Posto de enfermagem /
áárea de servirea de serviçços deos de
enfermagemenfermagem
1 para cada1 para cada áárea coletiva ou conjunto derea coletiva ou conjunto de
quartos, independente do nquartos, independente do nºº de leitos.de leitos.
Ao menos um dos postos (quandoAo menos um dos postos (quando
houver mais de um) deve possuirhouver mais de um) deve possuir
6,0 m6,0 m²²..
ÁÁrea pararea para prescpresc. M. Méédicadica 1,5 m1,5 m
Quarto (isolamento ouQuarto (isolamento ou
não)não)
MMíínimo de 5 leitos podendo existirnimo de 5 leitos podendo existir
quartos ouquartos ou ááreas coletivas, ou ambos areas coletivas, ou ambos a
critcritéério do EAS. O nrio do EAS. O nºº de leitos de UTI devede leitos de UTI deve
corresponder a no mcorresponder a no míínimo 6% do total denimo 6% do total de
leitos do EAS.leitos do EAS.
10,0 m10,0 m²² com distância decom distância de 1 m entre1 m entre
paredes e leito, exceto cabeceira eparedes e leito, exceto cabeceira e
ppéé do leito = 1,2 m.do leito = 1,2 m.
ÁÁrea coletiva derea coletiva de
tratamento ( excetotratamento ( exceto
neonatologianeonatologia ))
Deve ser previsto um quarto deDeve ser previsto um quarto de
isolamento para cada 10 leitos de UTI, ouisolamento para cada 10 leitos de UTI, ou
frafraçção.ão.
9,0 m9,0 m²² por L. com distância depor L. com distância de 1 m1 m
entre paredes e L., excetoentre paredes e L., exceto
cabeceira, de 2 m entre L. e pcabeceira, de 2 m entre L. e péé dodo
L.= 1,2 m (o espaL.= 1,2 m (o espaçço destinado ao destinado a
circulacirculaçção da unidade pode estarão da unidade pode estar
incluincluíído nesta distância)do nesta distância)
Sala deSala de higenizahigenizaççãoão ee
preparo de equip./preparo de equip./ matmat..
1. Dispens1. Dispensáável se esta atividade ocorrervel se esta atividade ocorrer
na CMEna CME
4,0 m4,0 m²² comcom dimdim. m. míínima =nima = 1,5 m1,5 m
Sala de entrevistasSala de entrevistas 6,0 m6,0 m²²
Normas: RDC 50/2002Normas: RDC 50/2002
Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar
AMBIENTES DE APOIO:AMBIENTES DE APOIO:
--Sala de utilidadesSala de utilidades
--Sala de espera para acompanhantes e visitantesSala de espera para acompanhantes e visitantes
--Quarto de plantãoQuarto de plantão
--SecretariaSecretaria
--RoupariaRouparia
--DepDepóósito de material de limpezasito de material de limpeza
--DepDepóósito de equipamentos e materiaissito de equipamentos e materiais
--CopaCopa
--Banheiro para quarto de plantãoBanheiro para quarto de plantão
--SanitSanitáários com vestirios com vestiáários pararios para funcfunc. (mas. e. (mas. e femfem.).)
--SanitSanitáário para pacientes (geral).rio para pacientes (geral). Pode serPode ser
substitusubstituíído, quando se fizer uso de quartos individuais,do, quando se fizer uso de quartos individuais,
por equipamento ou bancada contendo lavatpor equipamento ou bancada contendo lavatóório e baciario e bacia
sanitsanitáária juntos.ria juntos.
**--ÁÁrea de estar para equipe de sarea de estar para equipe de saúúdede
**--SanitSanitáário para prio para púúblico (juntoblico (junto àà sala de espera)sala de espera)
Normas: RDC 50/2002Normas: RDC 50/2002
Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar
Distâncias nos leitosDistâncias nos leitos
BoxBox== no mno míínimo 3nimo 3
metros de largura. 1metros de largura. 1
metro em cada lateral emetro em cada lateral e
mais 1 metro para amais 1 metro para a
cama;cama;
Entre leitos=Entre leitos= nono
mmíínimo 2 metros comnimo 2 metros com
separaseparaççãoão ““movmovééll”” entreentre
eles;eles;
PPéé da cama=da cama= 1,2 metro;1,2 metro;
Entre leitos eEntre leitos e
paredes=paredes= no mno míínimo 1nimo 1
metro.metro.
Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar
LavatLavatóóriosrios
Geral: uGeral: um lavatm lavatóório a cada 5rio a cada 5
(cinco) leitos de não isolamento(cinco) leitos de não isolamento
Neonatal: um lavatNeonatal: um lavatóório a cadario a cada 44
(quatro) ber(quatro) berçços;os;
Torneiras ou comandos do tipoTorneiras ou comandos do tipo
que dispensem o contato das mãosque dispensem o contato das mãos
quando do fechamento daquando do fechamento da áágua,gua,
sabão lsabão lííquidoquido degermantedegermante, e, e
papeleirapapeleira para secagem das mãos,para secagem das mãos,
alaléém de provisão de antim de provisão de anti--sséépticoptico
junto as torneiras de lavagem dasjunto as torneiras de lavagem das
mãos.mãos.
Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar
InstalaInstalaçções elões eléétricastricas
ÁÁrea para prescrirea para prescriçções mões méédicas, saladicas, sala
de servide serviçço e demais salas de apoio:o e demais salas de apoio:
Grupo 0, Classe > 15;Grupo 0, Classe > 15;
Posto de enfermagem:Posto de enfermagem: Grupo 1, ClasseGrupo 1, Classe
15;15;
ÁÁreas e quartos de pacientes:reas e quartos de pacientes: GrupoGrupo
2, Classe 15 e 0,5 para equipamentos2, Classe 15 e 0,5 para equipamentos
eletromeletroméédicosdicos..
Sistema de emergênciaSistema de emergência
Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar
InstalaInstalaçções elões eléétricastricas
iluminailuminaçção geral em posião geral em posiçção que nãoão que não
incomode o paciente deitado;incomode o paciente deitado;
iluminailuminaçção de cabeceira de leito deão de cabeceira de leito de
parede (arandela);parede (arandela);
iluminailuminaçção de exame no leito comão de exame no leito com
lâmpada fluorescente no teto e/oulâmpada fluorescente no teto e/ou
arandela; earandela; e
iluminailuminaçção de vigão de vigíília nas paredes (alia nas paredes (a
50 cm do piso) inclusive banheiros.50 cm do piso) inclusive banheiros.
IluminaIluminaççãoão
Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar
InstalaInstalaçções elões eléétricastricas
8 tomadas para equipamento por leito,8 tomadas para equipamento por leito,
berberçço ou incubadora, alo ou incubadora, aléém de acessom de acesso àà
tomada para aparelhotomada para aparelho ransportransportáávelvel dede
raios X distante no mraios X distante no mááximo 15m de cadaximo 15m de cada
leito (RDC 50/2002);leito (RDC 50/2002);
Sugestão: no mSugestão: no míínimo 12 tomadas;nimo 12 tomadas;
DeveDeve--se levar em conta o fato dese levar em conta o fato de
existência de ambas as voltagens, 110v eexistência de ambas as voltagens, 110v e
220v.220v.
TomadasTomadas
Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar
LOCALLOCAL NNÚÚMERO DE POSTOSMERO DE POSTOS
OxigênioOxigênio ÓÓxidoxido
NitrosoNitroso
VVáácuocuo
ClClííniconico
ArAr
ComprimidoComprimido
MedicinalMedicinal
UTI neonatalUTI neonatal 2 para cada2 para cada
berberçço ouo ou
incubadoraincubadora
-- 1 por ber1 por berççoo 2 para cada2 para cada
berberçço ouo ou
incubadoraincubadora
UTIUTI 2 para cada2 para cada
leitoleito
-- 1 por leito1 por leito 2 para cada2 para cada
leitoleito
InstalaInstalaçções gasesões gases
Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar
ClimatizaClimatizaççãoão
AMBIENTESAMBIENTES NNíívelvel
de riscode risco
SituaSituaççãoão
aa
controlarcontrolar
Temp.Temp.
((°°C)C)
UmidUmid..
relativarelativa
(%)(%)
VazãoVazão
mmíín. den. de
ArAr exterexter..
(m(m33/h) //h) /
mm22
VazãoVazão
mmíín. den. de
Ar Total.Ar Total.
(m(m33/h) //h) /
mm22
NNíívelvel
dede
pressãopressão
FiltragemFiltragem
mmíínimanima
Insuflam.Insuflam.
NNíívelvel
dede
ruruíídodo
dB(A)dB(A)
InternaInternaçção intensivaão intensiva
(UTI/CTI)(UTI/CTI)
Quarto ouQuarto ou áárearea
coletivacoletiva
22 AgBAgB 2121 -- 2424 4040 --
6060
66 1818 (+)(+) G3 + F7G3 + F7
Quarto paraQuarto para
isolamento de TMO eisolamento de TMO e
outrosoutros
transplantadostransplantados
33 AgBAgB 2121 -- 2424 4040 ––
6060
66 1818 (+)(+) G3 + F7G3 + F7
+ A3+ A3
Quarto paraQuarto para
isolamento deisolamento de
paciente compaciente com
infecinfecçção transmitidaão transmitida
pelo arpelo ar
33 AgBAgB 2121 -- 2424 4040 ––
6060
1818 ((--)) G4G4
NBR 7256NBR 7256
Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar
ArqArq°° FlFláávio de Castrovio de Castro BicalhoBicalho
Arquiteto pela Universidade de BrasArquiteto pela Universidade de Brasíílialia--UnB (1982). Especialista em SaUnB (1982). Especialista em Saúúdede
coletiva/Vigilância sanitcoletiva/Vigilância sanitáária em serviria em serviçços de saos de saúúde pela UnB (2002). Trabalho,de pela UnB (2002). Trabalho,
entre 1983 e 2007, no Ministentre 1983 e 2007, no Ministéério da Sario da Saúúde / ANVISA, nade / ANVISA, na áárea de planejamentorea de planejamento
ffíísico de sasico de saúúde e qualidade do ar interior, onde foi um dos code e qualidade do ar interior, onde foi um dos co--autores dasautores das
atuais normas para projetos de estabelecimentos assistenciais deatuais normas para projetos de estabelecimentos assistenciais de sasaúúdede
(Resolu(Resoluçção ANVISA RDC não ANVISA RDC nºº 50/2002). Presidente50/2002). Presidente--futuro da Associafuturo da Associaççãoão
Brasileira para Desenvolvimento do EdifBrasileira para Desenvolvimento do Edifíício Hospitalarcio Hospitalar--ABDEH. Professor dosABDEH. Professor dos
cursos de especializacursos de especializaçção em controle de infecão em controle de infecçção hospitalar, administraão hospitalar, administraççãoão
hospitalar e auditoria da Universidade Cathospitalar e auditoria da Universidade Catóólica de Goilica de Goiáás/Centro de Estudos des/Centro de Estudos de
Enfermagem e NutriEnfermagem e Nutriççãoão--CEEN. Professor convidado do curso de especializaCEEN. Professor convidado do curso de especializaççãoão
em arquitetura de sistemas de saem arquitetura de sistemas de saúúde da Universidade Federal da Bahia.de da Universidade Federal da Bahia.
Professor do Curso de EspecializaProfessor do Curso de Especializaçção em Arquitetura de Saão em Arquitetura de Saúúde do UNIEURO,de do UNIEURO,
Autor e consultor de vAutor e consultor de váários projetos de hospitais e clrios projetos de hospitais e clíínicas privadas no Panicas privadas no Paíís.s.
e.e.mailmail:: flavio@criararquitetura.comflavio@criararquitetura.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1 aula souza completa aph
1 aula souza completa aph  1 aula souza completa aph
1 aula souza completa aph
Ulisses Souza
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
Rafaela Amanso
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgico
shaxa
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Aline Bandeira
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Aline Bandeira
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
resenfe2013
 
Aula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto SocorroAula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto Socorro
zoeadas
 
Centro cirurgico
Centro cirurgico Centro cirurgico
Centro cirurgico
Alexandre Reis
 
Apostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgicoApostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgico
Wilmar Ribeiro
 
Apresentacao anvisa
Apresentacao anvisaApresentacao anvisa
Apresentacao anvisa
07082001
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
FatianeSantos
 
Monitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoMonitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leito
resenfe2013
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
tuttitutti1
 
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
Wellington Moreira Ribeiro
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
Centro Universitário Ages
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
Ricardo Augusto
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
Larissa Paulo
 

Mais procurados (20)

1 aula souza completa aph
1 aula souza completa aph  1 aula souza completa aph
1 aula souza completa aph
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgico
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
 
Aula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto SocorroAula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto Socorro
 
Centro cirurgico
Centro cirurgico Centro cirurgico
Centro cirurgico
 
Apostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgicoApostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgico
 
Apresentacao anvisa
Apresentacao anvisaApresentacao anvisa
Apresentacao anvisa
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
 
Monitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoMonitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leito
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
 
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
 

Destaque

Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
Fábio Falcão
 
Curso UTI adulto
Curso UTI adulto Curso UTI adulto
Curso UTI adulto
Quézia Barcelar
 
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesHumanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Cleiton Ribeiro Alves
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Aroldo Gavioli
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
Mateus Camargo
 
MonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMicaMonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMica
galegoo
 
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTIAVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
Aula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgicoAula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgico
4523ppp
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
Katia Pontes Remijo
 
História da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasilHistória da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasil
judicleia silva
 
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti PediátricaCuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Renato Bach
 
Acesso Venosos Em CriançAs E Adultos
Acesso Venosos Em CriançAs E AdultosAcesso Venosos Em CriançAs E Adultos
Acesso Venosos Em CriançAs E Adultos
Renato Bach
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
resenfe2013
 
Aula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTIAula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTI
Rodrigo Biondi
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
Amanda Corrêa
 
I rp a
I rp aI rp a
Tourism attractions
Tourism attractionsTourism attractions
Tourism attractions
Alicia Durand
 
Método canguru ou
Método canguru ouMétodo canguru ou
Método canguru ou
Silvia Marina Anaruma
 
Mãe Canguru - Dr. Luiz Alberto Mussa Tavares
Mãe Canguru - Dr. Luiz Alberto Mussa TavaresMãe Canguru - Dr. Luiz Alberto Mussa Tavares
Mãe Canguru - Dr. Luiz Alberto Mussa Tavares
Mima Badan
 
RDC_50_Climatizacao
RDC_50_ClimatizacaoRDC_50_Climatizacao
RDC_50_Climatizacao
Carlos Maciel
 

Destaque (20)

Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
 
Curso UTI adulto
Curso UTI adulto Curso UTI adulto
Curso UTI adulto
 
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesHumanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
 
MonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMicaMonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMica
 
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTIAVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
 
Aula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgicoAula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgico
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
 
História da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasilHistória da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasil
 
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti PediátricaCuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
 
Acesso Venosos Em CriançAs E Adultos
Acesso Venosos Em CriançAs E AdultosAcesso Venosos Em CriançAs E Adultos
Acesso Venosos Em CriançAs E Adultos
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
 
Aula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTIAula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTI
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
 
I rp a
I rp aI rp a
I rp a
 
Tourism attractions
Tourism attractionsTourism attractions
Tourism attractions
 
Método canguru ou
Método canguru ouMétodo canguru ou
Método canguru ou
 
Mãe Canguru - Dr. Luiz Alberto Mussa Tavares
Mãe Canguru - Dr. Luiz Alberto Mussa TavaresMãe Canguru - Dr. Luiz Alberto Mussa Tavares
Mãe Canguru - Dr. Luiz Alberto Mussa Tavares
 
RDC_50_Climatizacao
RDC_50_ClimatizacaoRDC_50_Climatizacao
RDC_50_Climatizacao
 

Semelhante a Uti - PLANEJAMENTO FÍSICO

Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
Terapia antineoplasica graziela_0110(2)Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
Kayo Alves Figueiredo
 
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
Wagner Lima Teixeira
 
PLANEJAMENTO DA _REA DE UMA U.T.I.pptx
PLANEJAMENTO DA _REA DE UMA U.T.I.pptxPLANEJAMENTO DA _REA DE UMA U.T.I.pptx
PLANEJAMENTO DA _REA DE UMA U.T.I.pptx
ProfEnfoLeonidasMour
 
Introdução de enfermagem
Introdução de enfermagemIntrodução de enfermagem
Introdução de enfermagem
Wagner Lima Teixeira
 
UNIDADE DO PACIENTE
UNIDADE DO PACIENTEUNIDADE DO PACIENTE
UNIDADE DO PACIENTE
RafaelaCristinaAmori
 
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdfaula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
TARCIA1
 
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...
ZairaLessa
 
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I – 1ª ATIVIDADE TEMA GERENCIAME...
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I  – 1ª ATIVIDADE TEMA GERENCIAME...PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I  – 1ª ATIVIDADE TEMA GERENCIAME...
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I – 1ª ATIVIDADE TEMA GERENCIAME...
HELENO FAVACHO
 
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...
HELENO FAVACHO
 
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I DO CURSO DE ENFERMAGEM – 1ª ATI...
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I DO CURSO DE ENFERMAGEM – 1ª ATI...PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I DO CURSO DE ENFERMAGEM – 1ª ATI...
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I DO CURSO DE ENFERMAGEM – 1ª ATI...
HELENO FAVACHO
 
Arquitetura da Infecção
Arquitetura da InfecçãoArquitetura da Infecção
Arquitetura da Infecção
Shirley Afonso
 
Proyecto arqutetónico de un centro de salud sin camas
Proyecto arqutetónico de un centro de salud sin camasProyecto arqutetónico de un centro de salud sin camas
Proyecto arqutetónico de un centro de salud sin camas
Elza Sabino Mendes
 
Slide cirurgia
Slide cirurgiaSlide cirurgia
Slide cirurgia
Rene Junior
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
gizaraposo
 
programa_arquitetonico_upa_24h.pdf
programa_arquitetonico_upa_24h.pdfprograma_arquitetonico_upa_24h.pdf
programa_arquitetonico_upa_24h.pdf
EleandroPerondi
 
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptxInstrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
MilkaPassos1
 
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Carine Silvestrini
 
Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
Rosimeyre Lira
 
Prova i, 2015 1
Prova i, 2015 1Prova i, 2015 1
Prova i, 2015 1
Sandra Oliveira
 
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxAula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
NaraLcia2
 

Semelhante a Uti - PLANEJAMENTO FÍSICO (20)

Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
Terapia antineoplasica graziela_0110(2)Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
 
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
 
PLANEJAMENTO DA _REA DE UMA U.T.I.pptx
PLANEJAMENTO DA _REA DE UMA U.T.I.pptxPLANEJAMENTO DA _REA DE UMA U.T.I.pptx
PLANEJAMENTO DA _REA DE UMA U.T.I.pptx
 
Introdução de enfermagem
Introdução de enfermagemIntrodução de enfermagem
Introdução de enfermagem
 
UNIDADE DO PACIENTE
UNIDADE DO PACIENTEUNIDADE DO PACIENTE
UNIDADE DO PACIENTE
 
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdfaula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
 
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...
 
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I – 1ª ATIVIDADE TEMA GERENCIAME...
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I  – 1ª ATIVIDADE TEMA GERENCIAME...PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I  – 1ª ATIVIDADE TEMA GERENCIAME...
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I – 1ª ATIVIDADE TEMA GERENCIAME...
 
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...
 
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I DO CURSO DE ENFERMAGEM – 1ª ATI...
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I DO CURSO DE ENFERMAGEM – 1ª ATI...PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I DO CURSO DE ENFERMAGEM – 1ª ATI...
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I DO CURSO DE ENFERMAGEM – 1ª ATI...
 
Arquitetura da Infecção
Arquitetura da InfecçãoArquitetura da Infecção
Arquitetura da Infecção
 
Proyecto arqutetónico de un centro de salud sin camas
Proyecto arqutetónico de un centro de salud sin camasProyecto arqutetónico de un centro de salud sin camas
Proyecto arqutetónico de un centro de salud sin camas
 
Slide cirurgia
Slide cirurgiaSlide cirurgia
Slide cirurgia
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
 
programa_arquitetonico_upa_24h.pdf
programa_arquitetonico_upa_24h.pdfprograma_arquitetonico_upa_24h.pdf
programa_arquitetonico_upa_24h.pdf
 
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptxInstrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
 
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
 
Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
 
Prova i, 2015 1
Prova i, 2015 1Prova i, 2015 1
Prova i, 2015 1
 
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxAula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
 

Uti - PLANEJAMENTO FÍSICO

  • 1. Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar PLANEJAMENTO FPLANEJAMENTO FÍÍSICO DESICO DE UTIsUTIs
  • 2. Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar ConceitosConceitos CTI =CTI = Centro de TratamentoCentro de Tratamento Intensivo.Intensivo. Conjunto deConjunto de UTIsUTIs agrupadasagrupadas num mesmo local;num mesmo local; UTI =UTI = Unidade de terapia intensiva.Unidade de terapia intensiva. 1.1. UUnidade que abriga pacientes denidade que abriga pacientes de requeiram assistência mrequeiram assistência méédica, dedica, de enfermagem, laboratorial e radiolenfermagem, laboratorial e radiolóógicagica ininterrupta.ininterrupta. 2.2. Unidade especUnidade especííficafica dentro de uma CTI (coronariana,dentro de uma CTI (coronariana, neonatal, pedineonatal, pediáátrica,trica, etcetc))
  • 3. Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar ConceitosConceitos Assistência mAssistência méédica 24dica 24 hshs;; Assistência de enfermagem 24Assistência de enfermagem 24 hshs;; Assistência laboratorial 24Assistência laboratorial 24 hshs;; Assistência de imagem 24Assistência de imagem 24 hshs;; MMíínimo de 5 leitos.nimo de 5 leitos.
  • 4. Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar HistHistóóricorico OntemOntem Lugar paraLugar para ““morrermorrer””;; CirculaCirculaçções perifões perifééricas;ricas; Pouca ou nenhuma visita;Pouca ou nenhuma visita; Ambiente totalmente fechado;Ambiente totalmente fechado; ÁÁrea restrita semelhante a umrea restrita semelhante a um centro circentro cirúúrgico;rgico; Pacientes inconscientes;Pacientes inconscientes; UnidadeUnidade úúnica.nica.
  • 5. Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar HistHistóóricorico HojeHoje Lugar paraLugar para ““se recuperar e viverse recuperar e viver””;; CirculaCirculaçções internas;ões internas; Visita como ajuda terapêutica;Visita como ajuda terapêutica; Ambiente com luz natural e visãoAmbiente com luz natural e visão exterior;exterior; ÁÁrea acesso restrito, mas semrea acesso restrito, mas sem necessidade denecessidade de paramentaparamentaççãoão;; Pacientes inconscientes ePacientes inconscientes e conscientes;conscientes; Unidades especializadas.Unidades especializadas.
  • 6. Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar Fonte: HDR Architecture, Inc. Omaha, Nebraska, USA
  • 7. Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar NormasNormas Portaria nPortaria nºº 3.432/GM, de 12 de3.432/GM, de 12 de agosto de 1998, estabelece critagosto de 1998, estabelece critéérios derios de classificaclassificaçção entre diferentes unidadesão entre diferentes unidades de tratamento intensivode tratamento intensivo –– UTI;UTI; ResoluResoluçção ANVISA RDC 50/2002;ão ANVISA RDC 50/2002; Portaria nPortaria nºº 332 de 28/03/2000.332 de 28/03/2000. AlteraAlteraçção da Portaria não da Portaria nºº 3.432/GM;3.432/GM; Consulta PConsulta Púública ANVISA nblica ANVISA nºº 21/2006;21/2006; ResoluResoluççãoão Mercosul/XXVII SGT NMercosul/XXVII SGT Nºº 11 de 26/10/200611 de 26/10/2006
  • 8. Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar UNIDADE / AMBIENTEUNIDADE / AMBIENTE DIMENSIONAMENTODIMENSIONAMENTO QUANTIFICAQUANTIFICAÇÇÃO (min.)ÃO (min.) DIMENSÃO(min.)DIMENSÃO(min.) InternaInternaçção intensivaão intensiva-- UTI / CTIUTI / CTI ÉÉ obrigatobrigatóória a existência emria a existência em hosphosp.. terciterciáários e em secundrios e em secundáários com cap.rios com cap. ≥≥ 100 L., bem como nos especializados que100 L., bem como nos especializados que atendam pacientes graves ou de risco eatendam pacientes graves ou de risco e em EAS que atendam gravidez /parto deem EAS que atendam gravidez /parto de alto risco. Nestealto risco. Neste úúltimo caso o EAS develtimo caso o EAS deve dispor dedispor de UTIsUTIs adulto e neonatal.adulto e neonatal. Posto de enfermagem /Posto de enfermagem / áárea de servirea de serviçços deos de enfermagemenfermagem 1 para cada1 para cada áárea coletiva ou conjunto derea coletiva ou conjunto de quartos, independente do nquartos, independente do nºº de leitos.de leitos. Ao menos um dos postos (quandoAo menos um dos postos (quando houver mais de um) deve possuirhouver mais de um) deve possuir 6,0 m6,0 m²².. ÁÁrea pararea para prescpresc. M. Méédicadica 1,5 m1,5 m Quarto (isolamento ouQuarto (isolamento ou não)não) MMíínimo de 5 leitos podendo existirnimo de 5 leitos podendo existir quartos ouquartos ou ááreas coletivas, ou ambos areas coletivas, ou ambos a critcritéério do EAS. O nrio do EAS. O nºº de leitos de UTI devede leitos de UTI deve corresponder a no mcorresponder a no míínimo 6% do total denimo 6% do total de leitos do EAS.leitos do EAS. 10,0 m10,0 m²² com distância decom distância de 1 m entre1 m entre paredes e leito, exceto cabeceira eparedes e leito, exceto cabeceira e ppéé do leito = 1,2 m.do leito = 1,2 m. ÁÁrea coletiva derea coletiva de tratamento ( excetotratamento ( exceto neonatologianeonatologia )) Deve ser previsto um quarto deDeve ser previsto um quarto de isolamento para cada 10 leitos de UTI, ouisolamento para cada 10 leitos de UTI, ou frafraçção.ão. 9,0 m9,0 m²² por L. com distância depor L. com distância de 1 m1 m entre paredes e L., excetoentre paredes e L., exceto cabeceira, de 2 m entre L. e pcabeceira, de 2 m entre L. e péé dodo L.= 1,2 m (o espaL.= 1,2 m (o espaçço destinado ao destinado a circulacirculaçção da unidade pode estarão da unidade pode estar incluincluíído nesta distância)do nesta distância) Sala deSala de higenizahigenizaççãoão ee preparo de equip./preparo de equip./ matmat.. 1. Dispens1. Dispensáável se esta atividade ocorrervel se esta atividade ocorrer na CMEna CME 4,0 m4,0 m²² comcom dimdim. m. míínima =nima = 1,5 m1,5 m Sala de entrevistasSala de entrevistas 6,0 m6,0 m²² Normas: RDC 50/2002Normas: RDC 50/2002
  • 9. Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar AMBIENTES DE APOIO:AMBIENTES DE APOIO: --Sala de utilidadesSala de utilidades --Sala de espera para acompanhantes e visitantesSala de espera para acompanhantes e visitantes --Quarto de plantãoQuarto de plantão --SecretariaSecretaria --RoupariaRouparia --DepDepóósito de material de limpezasito de material de limpeza --DepDepóósito de equipamentos e materiaissito de equipamentos e materiais --CopaCopa --Banheiro para quarto de plantãoBanheiro para quarto de plantão --SanitSanitáários com vestirios com vestiáários pararios para funcfunc. (mas. e. (mas. e femfem.).) --SanitSanitáário para pacientes (geral).rio para pacientes (geral). Pode serPode ser substitusubstituíído, quando se fizer uso de quartos individuais,do, quando se fizer uso de quartos individuais, por equipamento ou bancada contendo lavatpor equipamento ou bancada contendo lavatóório e baciario e bacia sanitsanitáária juntos.ria juntos. **--ÁÁrea de estar para equipe de sarea de estar para equipe de saúúdede **--SanitSanitáário para prio para púúblico (juntoblico (junto àà sala de espera)sala de espera) Normas: RDC 50/2002Normas: RDC 50/2002
  • 10. Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar Distâncias nos leitosDistâncias nos leitos BoxBox== no mno míínimo 3nimo 3 metros de largura. 1metros de largura. 1 metro em cada lateral emetro em cada lateral e mais 1 metro para amais 1 metro para a cama;cama; Entre leitos=Entre leitos= nono mmíínimo 2 metros comnimo 2 metros com separaseparaççãoão ““movmovééll”” entreentre eles;eles; PPéé da cama=da cama= 1,2 metro;1,2 metro; Entre leitos eEntre leitos e paredes=paredes= no mno míínimo 1nimo 1 metro.metro.
  • 11. Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar LavatLavatóóriosrios Geral: uGeral: um lavatm lavatóório a cada 5rio a cada 5 (cinco) leitos de não isolamento(cinco) leitos de não isolamento Neonatal: um lavatNeonatal: um lavatóório a cadario a cada 44 (quatro) ber(quatro) berçços;os; Torneiras ou comandos do tipoTorneiras ou comandos do tipo que dispensem o contato das mãosque dispensem o contato das mãos quando do fechamento daquando do fechamento da áágua,gua, sabão lsabão lííquidoquido degermantedegermante, e, e papeleirapapeleira para secagem das mãos,para secagem das mãos, alaléém de provisão de antim de provisão de anti--sséépticoptico junto as torneiras de lavagem dasjunto as torneiras de lavagem das mãos.mãos.
  • 12. Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar InstalaInstalaçções elões eléétricastricas ÁÁrea para prescrirea para prescriçções mões méédicas, saladicas, sala de servide serviçço e demais salas de apoio:o e demais salas de apoio: Grupo 0, Classe > 15;Grupo 0, Classe > 15; Posto de enfermagem:Posto de enfermagem: Grupo 1, ClasseGrupo 1, Classe 15;15; ÁÁreas e quartos de pacientes:reas e quartos de pacientes: GrupoGrupo 2, Classe 15 e 0,5 para equipamentos2, Classe 15 e 0,5 para equipamentos eletromeletroméédicosdicos.. Sistema de emergênciaSistema de emergência
  • 13. Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar InstalaInstalaçções elões eléétricastricas iluminailuminaçção geral em posião geral em posiçção que nãoão que não incomode o paciente deitado;incomode o paciente deitado; iluminailuminaçção de cabeceira de leito deão de cabeceira de leito de parede (arandela);parede (arandela); iluminailuminaçção de exame no leito comão de exame no leito com lâmpada fluorescente no teto e/oulâmpada fluorescente no teto e/ou arandela; earandela; e iluminailuminaçção de vigão de vigíília nas paredes (alia nas paredes (a 50 cm do piso) inclusive banheiros.50 cm do piso) inclusive banheiros. IluminaIluminaççãoão
  • 14. Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar InstalaInstalaçções elões eléétricastricas 8 tomadas para equipamento por leito,8 tomadas para equipamento por leito, berberçço ou incubadora, alo ou incubadora, aléém de acessom de acesso àà tomada para aparelhotomada para aparelho ransportransportáávelvel dede raios X distante no mraios X distante no mááximo 15m de cadaximo 15m de cada leito (RDC 50/2002);leito (RDC 50/2002); Sugestão: no mSugestão: no míínimo 12 tomadas;nimo 12 tomadas; DeveDeve--se levar em conta o fato dese levar em conta o fato de existência de ambas as voltagens, 110v eexistência de ambas as voltagens, 110v e 220v.220v. TomadasTomadas
  • 15. Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar LOCALLOCAL NNÚÚMERO DE POSTOSMERO DE POSTOS OxigênioOxigênio ÓÓxidoxido NitrosoNitroso VVáácuocuo ClClííniconico ArAr ComprimidoComprimido MedicinalMedicinal UTI neonatalUTI neonatal 2 para cada2 para cada berberçço ouo ou incubadoraincubadora -- 1 por ber1 por berççoo 2 para cada2 para cada berberçço ouo ou incubadoraincubadora UTIUTI 2 para cada2 para cada leitoleito -- 1 por leito1 por leito 2 para cada2 para cada leitoleito InstalaInstalaçções gasesões gases
  • 16. Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar ClimatizaClimatizaççãoão AMBIENTESAMBIENTES NNíívelvel de riscode risco SituaSituaççãoão aa controlarcontrolar Temp.Temp. ((°°C)C) UmidUmid.. relativarelativa (%)(%) VazãoVazão mmíín. den. de ArAr exterexter.. (m(m33/h) //h) / mm22 VazãoVazão mmíín. den. de Ar Total.Ar Total. (m(m33/h) //h) / mm22 NNíívelvel dede pressãopressão FiltragemFiltragem mmíínimanima Insuflam.Insuflam. NNíívelvel dede ruruíídodo dB(A)dB(A) InternaInternaçção intensivaão intensiva (UTI/CTI)(UTI/CTI) Quarto ouQuarto ou áárearea coletivacoletiva 22 AgBAgB 2121 -- 2424 4040 -- 6060 66 1818 (+)(+) G3 + F7G3 + F7 Quarto paraQuarto para isolamento de TMO eisolamento de TMO e outrosoutros transplantadostransplantados 33 AgBAgB 2121 -- 2424 4040 –– 6060 66 1818 (+)(+) G3 + F7G3 + F7 + A3+ A3 Quarto paraQuarto para isolamento deisolamento de paciente compaciente com infecinfecçção transmitidaão transmitida pelo arpelo ar 33 AgBAgB 2121 -- 2424 4040 –– 6060 1818 ((--)) G4G4 NBR 7256NBR 7256
  • 17. Projetos e Consultoria HospitalarProjetos e Consultoria Hospitalar ArqArq°° FlFláávio de Castrovio de Castro BicalhoBicalho Arquiteto pela Universidade de BrasArquiteto pela Universidade de Brasíílialia--UnB (1982). Especialista em SaUnB (1982). Especialista em Saúúdede coletiva/Vigilância sanitcoletiva/Vigilância sanitáária em serviria em serviçços de saos de saúúde pela UnB (2002). Trabalho,de pela UnB (2002). Trabalho, entre 1983 e 2007, no Ministentre 1983 e 2007, no Ministéério da Sario da Saúúde / ANVISA, nade / ANVISA, na áárea de planejamentorea de planejamento ffíísico de sasico de saúúde e qualidade do ar interior, onde foi um dos code e qualidade do ar interior, onde foi um dos co--autores dasautores das atuais normas para projetos de estabelecimentos assistenciais deatuais normas para projetos de estabelecimentos assistenciais de sasaúúdede (Resolu(Resoluçção ANVISA RDC não ANVISA RDC nºº 50/2002). Presidente50/2002). Presidente--futuro da Associafuturo da Associaççãoão Brasileira para Desenvolvimento do EdifBrasileira para Desenvolvimento do Edifíício Hospitalarcio Hospitalar--ABDEH. Professor dosABDEH. Professor dos cursos de especializacursos de especializaçção em controle de infecão em controle de infecçção hospitalar, administraão hospitalar, administraççãoão hospitalar e auditoria da Universidade Cathospitalar e auditoria da Universidade Catóólica de Goilica de Goiáás/Centro de Estudos des/Centro de Estudos de Enfermagem e NutriEnfermagem e Nutriççãoão--CEEN. Professor convidado do curso de especializaCEEN. Professor convidado do curso de especializaççãoão em arquitetura de sistemas de saem arquitetura de sistemas de saúúde da Universidade Federal da Bahia.de da Universidade Federal da Bahia. Professor do Curso de EspecializaProfessor do Curso de Especializaçção em Arquitetura de Saão em Arquitetura de Saúúde do UNIEURO,de do UNIEURO, Autor e consultor de vAutor e consultor de váários projetos de hospitais e clrios projetos de hospitais e clíínicas privadas no Panicas privadas no Paíís.s. e.e.mailmail:: flavio@criararquitetura.comflavio@criararquitetura.com