SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: conceitos
, historia e estrutura
Prof. Gislaine Raposo
A Unidade de Terapia Intensiva (UTI) é conceituada como uma
“Unidade complexa dotada de sistema de monitorização contínua
que admite pacientes potencialmente graves ou com
descompensação de um ou mais sistemas orgânicos e que com
o suporte e tratamento intensivos tenham possibilidade de se
recuperar” (CREMESP, 1995).
Assim UTI tem como objetivo prestar assistência a pacientes
graves e de risco que exijam assistência médica e de
enfermagem ininterruptas, além de equipamento e recursos
humanos especializados
“ A história da UTI”
http://www.youtube.com/watch?v=KILH40yCoB0 >
UTI
 Histórico: O cuidado ao paciente crítico teve inicio em
1854;
 Dr. Walter Edwar, precursor da primeira UTI EM 1914;
 Peter Safer, primeiro médico intensivista, formulou o ABC
primário;
 No Brasil as primeiras UTIs foram instaladas na década
de 70.
Florence Nightingale idealiza a UTI como uma unidade de
monitoração de paciente grave na Guerra da Criméia que consegue
reduzir com suas ações uma mortalidade 40% para 2%.
A Unidade de Terapia Intensiva foi criada a partir da evolução das “Salas
de Recuperação Pós-Anestésica” na década de 20 para pacientes
submetidos à Neurocirurgia no Hospital Johns Hopkins – USA, e a 1ª UTI
foi criada em 1926 em Boston pelo Dr. Walter Dandy.
Walter Edward Dandy, uma das mais importantes contribuições para
neurocirurgia foi o método de ar na ventriculografia, no qual o fluido
cerebroespinal é substituído por ar para dar forma a imagem ao raio X do
espaço ventricular no cérebro.
Peter Safar foi o primeiro médico intensivista, estimulou e preconizou
o atendimento de urgência e emergência, formulou o ABC primário. Na
cidade de Baltimore estabeleceu a primeira UTI cirúrgica em 1962, criou a
primeira disciplina de “medicina de apoio crítico”
No Brasil, a implantação da 1ª UTI foi na década de 70, no Hospital Sírio
Libanês em São Paulo.
O surgimento da prática em UTI marcou um dos maiores progressos
obtidos pelos hospitais, visto que antes dela, o cuidado ao doente grave
realizava-se nas próprias enfermarias o que, muitas vezes, representava
um risco à evolução do paciente.
As Unidades de Tratamento Intensivo deve assegurar um
funcionamento que atenda a um parâmetro de qualidade assegurando a
cada paciente o direito à sobrevida, assim como a garantia, dentro dos
recursos tecnológicos existentes, da manutenção da estabilidade de seus
parâmetros vitais;
o direito a uma assistência humanizada; uma exposição
mínima aos riscos decorrentes dos métodos propedêuticos e do próprio
tratamento em relação aos benefícios obtidos
e o monitoramento permanente da evolução do tratamento assim como
de seus efeitos adversos.
Diagrama 1: Atividade e diferença na UTI, Semi-Intensiva e Intensivo Móvel
CONCEITOS
 CTI = Centro de Tratamento Intensivo. Conjunto de
UTIs agrupadas em um mesmo local.
 UTI = Unidade de terapia intensiva. Unidade que
abriga pacientes que requeiram assistência
médica, de enfermagem, laboratorial e radiológica
ininterrupta.
As UTI’s podem ser classificadas da seguinte forma:
Neonatal - atendem pacientes de 0 a 28 dias;
Pediátrico - atendem pacientes de 28 dias a 14 ou 18 anos de
acordo com as rotinas hospitalares internas;
Adulto - atendem pacientes maiores de 14 ou 18 anos de acordo
com as rotinas hospitalares internas;
Especializada - voltada para pacientes atendidos por
determinada especialidade ou pertencentes a grupo específico de
Doenças.- UTI Coronariana / covid/ queimados/ transplantes
Pacientes na faixa etária de 14 a 18 anos incompletos podem ser
atendidos nos Serviços de Tratamento Intensivo Adulto ou Pediátrico, de
acordo com o manual de rotinas do Serviço
Obs: Todo hospital de nível terciário, com capacidade
instalada igual ou superior a 100 leitos, deve dispor
de no minimo 6% dos leitos totais destinados a
UTIs.
Paciente Critico 1.ppt
LEITOS UTI POR ESPECIALIDADE
REGIÕES NO BRASIL
PASSADO ATUALMENTE
 Lugar para “morrer”;
 Circulações periféricas;
 Pouca ou nenhuma visita;
 Ambiente totalmente
fechado;
 Área restrita semelhante a
um centro cirúrgico;
 Pacientes inconscientes;
 Unidade única.
Lugar para “se recuperar e
viver”;
Circulações internas;
Visita como ajuda terapêutica;
 Ambiente com luz natural e
visão exterior;
Área acesso restrito, mas sem
necessidade de paramentação;
Pacientes inconscientes e
conscientes;
Unidades especializadas.
CONHECENDO A UTI
A rotina de trabalho numa Unidade de Terapia Intensiva (UTI) é
dinâmica, contínua e sistêmica. É necessário seguir padrões de
execução de tarefas e dedicar total atenção em cada etapa do
Trabalho.
É uma estrutura hospitalar que oferece suporte avançado de
vida a pacientes agudamente doentes e porventura possuam
chances de sobreviver. Possui uma gama de equipamentos
altamente mecanizado e tecnológico que exige profissionais
capacitados e atualizados para desenvolver atividades nesse
seto
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
Conhecendo uma UTI – Hospital Barretos
https://www.youtube.com/watch?v=wGOOaoDfTI8
LEGISLAÇÃO
A infraestrutura de uma UTI deve seguir os requisitos
estabelecidos pela ANVISA. Garantir que sua estrutura
esteja regular, conforme as legislações:
– RDC 07 de 24 de fevereiro de 2010
– Portaria 3432 de 12 de agosto de 1998
– RDC/ANVISA 50 de fevereiro de 2002
– Portaria 895 de 31 de março de 2017
Elas determinam as normas para a elaboração dos
projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de
saúde e organização física funcional de internação de
pacientes
Por dentro do hospital: A UTI do Einstein e conheça
como funciona
a UTI.
https://www.youtube.com/watch?v=ocHQFsiDPbE
Essas legislações recomendam que, a localização da Unidade
de Terapia Intensiva esteja próxima ao
Bloco Cirúrgico (Centro
Cirúrgico e Obstétrico, Recuperação Anestésica, Pré-Parto,
e Central de Material Esterilizado),
Laboratório de Análises Clínicas
Unidade Transfusional
Além disso, elas determinam que o número de leitos deve
corresponder a 10% do total de leitos gerais do hospital, 6%
a 8% dos leitos correspondentes se houver internação semi intensiva e
de 15% a 20% dos leitos gerais para 1 leito que servir de isolamento.
Os leitos destinados ao isolamento deverão estar alocados em
quarto individual, com barreiras físicas e limites de acesso para
restringir a transmissão de agentes infecciosos
A disposição dos leitos na UTI deve ser em módulos de vigilância,
ou seja, em área comum e com divisórias laváveis. Essa área deve
ser projetada para fixação de equipamentos de atendimento e
permitir livre acesso da equipe de saúde entre os leitos.
O posto de enfermagem deve estar em local estratégico, que
permita o livre acesso de toda a equipe de enfermagem e destine
espaço para o preparo de medicamentos, armazenamentos de
materiais, medicamentos e roupas limpas.
A UTI também deve ter em sua infraestrutura locais separados
e destinados ao Expurgo, DML, Copa de funcionários, Confortos
de Enfermagem e Médico e Área de espera de visitantes
Equipe Multiprofissional e Interdisciplinar
Os profissionais que prestam assistências na Unidade de Terapia
Intensiva são nomeados como intensivistas. A equipe de atendimento é
multiprofissional e interdisciplinar, constituída por diversas profissões: médicos,
enfermeiros, fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos, assistentes sociais e
técnicos de enfermagem, dentre outro
É fundamental tanto para o paciente como para a família
compreender a UTI como etapa essencial para a superação da
doença,
porém, tão importante é aliviar e proporcionar conforto independente do
prognóstico. A equipe está orientada no respeito à dignidade e
autodeterminação de cada pessoa internada, estabelecendo e divulgando
a humanização nos seus trabalhos, buscando amenizar os momentos
vivenciados através do paciente e família
Paciente Critico 1.ppt
“Enfermagem em Unidade de Terapia
Intensiva” Disponível em: < http://www.youtube.com/watch?v=3Wseo4DbPQo >
TRABALHO PARTE 1
LEITURAS E RESUMO RDC / PORTARIAS
QUESTÕES
Como é uma UTI?
1) A localização da Unidade de Terapia Intensiva deve estar
próxima aos seguintes setores:
a. Centro Cirúrgico, Centro Obstétrico, Recuperação Anestésica,
Pré-Parto, Central de Material de Esterilizado, Laboratório de
Análises Clínicas e Unidade Transfusional.
b. Pronto Socorro, Centro Obstétrico, Recuperação Anestésica,
Pré-Parto, Central de Material de Esterilizado, Laboratório de
Análises Clínicas e Unidade Transfusional.
c. Centro Cirúrgico, Pronto Socorro, Unidade de Hemodiálise,
Laboratório de Análises Clínicas e Unidade Transfusional.
d. Centro Cirúrgico, Pronto Socorro, Semi - Intensiva, Berçário e
Unidade Transfusional
2) Assinale a alternativa CORRETA:
a. A UTI pode ser classificada em: UTI Neonatal – pacientes
com idades entre 0 e 18 dias; Pediátrico – pacientes com
idades entre 18 dias e 14 ou 16 anos; Adulto – pacientes com
idade acima de 16 anos; Especializada – pacientes atendidos
por determinada especialidade ou pertencentes a um grupo
específico de doenças.
b. A UTI pode ser classificada em: UTI Neonatal – pacientes
com idades entre 0 e 38 dias; Pediátrico – pacientes com
idade entre 38 dias e 12 ou 18 anos; Adulto – pacientes com
idade acima de 18 anos; Especializada – pacientes atendidos
por determinada especialidade ou pertencentes a um grupo
específico de doenças.
c. A UTI pode ser classificada em: UTI Neonatal – pacientes
com idades entre 0 e 28 dias; Pediátrico – pacientes com
idades entre 28 dias e 14 ou 18 anos; Adulto – pacientes com
idade acima de 18 anos; Especializada – pacientes atendidos
por determinada especialidade ou pertencentes a um grupo
específico de doenças
3) De acordo com RDC/ANVISA 50 de fevereiro de 2002, todos
os projetos de estabelecimentos assistenciais de saúde-EAS
deverão obrigatoriamente ser elaborados em conformidade
com as disposições da norma. Portanto, é correto afirmar que
a internação de pacientes em regime de terapia intensiva é:
a. proporcionar condições de internar pacientes críticos, em
ambientes individuais ou coletivos, grau de risco, faixa etária
(exceto neonatologia), patologia e requisitos de privacidade.
b. executar e registrar a assistência médica semi-intensiva.
c. executar e registrar a assistência de enfermagem eletiva.
d. prestar apoio diagnóstico laboratorial, de imagens,
hemoterápico, cirúrgico e terapêutico com agendamento prévio.
e. prestar assistência nutricional do paciente por meio apenas
de sondas enterais e gástricas
4) Segundo a RDC 07 de 24 de fevereiro de 2010:
I - Todo paciente internado em UTI deve receber [assistência] integral
e interdisciplinar.
II - A evolução do estado [clínico], as intercorrências e os cuidados
prestados devem ser registrados pelas equipes médica, de
[enfermagem] e de fisioterapia no prontuário do paciente, em cada
turno, e atendendo as [regulamentações] dos respectivos conselhos
de classe profissional e normas institucionais.
III - A presença de [acompanhantes] em UTI deve ser normatizada
pela instituição, com base na legislação vigente.
IV - O paciente [consciente] deve ser [informado] quanto aos
procedimentos aos quais será [submetido] e sobre os cuidados
requeridos para execução dos mesmos.
V - Todo paciente [grave] deve ser [transportado] com o
acompanhamento contínuo, no mínimo, de um médico e de um
[enfermeiro], ambos com habilidade [comprovada] para o atendimento
de [urgência] e [emergência].
a. As alternativas I, II, IV e V estão corretas
b. As alternativas II, III, IV e V estão corretas
c. As alternativas I, III, IV e V estão corretas
d. As alternativas I, II, III, IV e V estão corretas
5) Segundo a PORTARIA Nº 895, DE 31 DE MARÇO DE 2017, o cuidado
progressivo ao paciente crítico ou grave tem como objetivos:
a. Organizar a Atenção ao paciente semicrítico adulto e pediátrico
para que garanta acesso, acolhimento e resolubilidade;
b. Garantir o cuidado progressivo por meio de acesso aos
diferentes níveis da assistência adulta e pediátrica, pela
disponibilização de unidades de cuidados intensivos e
intermediários de forma integrada;
c. Garantir a qualificação dos profissionais de saúde e a segurança do
paciente nas Unidades de Cuidados Intensivos e Intermediários;
d. Apoiar a educação permanente dos familiares para a atenção
ao paciente crítico ou grave;
e. Induzir a implantação de mecanismos de regulação, fiscalização,
controle e avaliação dos serviços prestados pelos profissionais
de saúde aos pacientes críticos ou graves no SUS
6) De acordo com a PORTARIA Nº 3.432, DE 12 DE AGOSTO DE
1998 é CORRETO afirmar que:
A. A UTI deve ser um ambiente de Humanização, com garantia
de informações da evolução diária dos pacientes aos
familiares por meio de boletins.
B. A UTI deve ter um espaço mínimo individual por leito de
19m², sendo para UTI Neonatal o espaço de 4 m² por leito.
C. A UTI deve ter enfermeiro exclusivo da unidade para cada
dez leitos por turno de trabalho.
D. O hospital deve possuir condições de transportar os pacientes
inconscientes para realizar exames de ultrassonografia
portátil em outra instituição.
E. A UTI deve manter um conjunto padronizado de beira de
leito, contendo: copo de vidro (para higienização bucal),
esfigmonômetro, amnioscópio, máscara de pano (para
oferecer ao acompanhante), um para cada leito
a. as afirmativas A, B, D e E estão corretas
b. as afirmativas A, B, C e E estão corretas
c. as afirmativas A, B, D e C estão corretas
d. as afirmativas A e C estão corretas
TRABALHO PARTE 2:
Estrutura da UTI – Construindo uma Maquete
Em equipe irão pesquisar e sobre a estrutura da UTI.
Sugiro a leitura da portaria Nº 466, DE 04 DE JUNHO DE
1998 do Ministério da Saúde do Brasil.
Após a pesquisa, devem juntos debaterem e compreenderem os
aspectos importantes da estrutura da Unidade de Terapia Intensiva e
posteriormente a esse processo a equipe deve construir uma maquete
de uma UTI que segue as recomendações necessárias para o
funcionamento da mesma.
Objetivo:
Facilitar a compreensão da estrutura da Unidade de Terapia Intensiva.
Material necessário:
Cartolina ou papel madeira;
Pincéis para cartolina ou canetinha;
Lápis de cor;
Revistas;
Tesoura sem ponta;
Cola;
Material reciclado (Caixa de medicação, garrafa pet, dentre
outros);
Fita adesiva;
- cada equipe deverá construir uma maquete que representará a UTI, na visão da
equipe, com as recomendações estruturais do setor;
Após a construção da planta física a equipe deve apresentar a
maquete em plenário para uma rápida discussão em grupo;
APRESENTANDO AS MAQUETES

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdfPacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
ThiagosilvaDeoliveir6
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
Elisama Cruz
 
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
ssuser51d27c1
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Edison Santos
 
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdfAula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
JorgeFlix14
 
Pacientes Graves - 1.pptx
Pacientes Graves - 1.pptxPacientes Graves - 1.pptx
Pacientes Graves - 1.pptx
JosPauloFerreiraVial
 
Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
Renata Araújo
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
Cintia da Cruz Silva
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Aroldo Gavioli
 
Aula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto SocorroAula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto Socorro
zoeadas
 
Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1
Eduardo Gomes da Silva
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
resenfe2013
 
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
Wellington Moreira Ribeiro
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
resenfe2013
 
Preparação da sala cirúrgica
Preparação da sala cirúrgicaPreparação da sala cirúrgica
Preparação da sala cirúrgica
Paulo Filho Caldas
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
resenfe2013
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Aula Drenos[1]
Aula   Drenos[1]Aula   Drenos[1]
Aula Drenos[1]
Madalena Silveira
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Aline Bandeira
 
Uti
UtiUti

Mais procurados (20)

Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdfPacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
 
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
 
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdfAula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
 
Pacientes Graves - 1.pptx
Pacientes Graves - 1.pptxPacientes Graves - 1.pptx
Pacientes Graves - 1.pptx
 
Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
Aula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto SocorroAula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto Socorro
 
Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
 
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
 
Preparação da sala cirúrgica
Preparação da sala cirúrgicaPreparação da sala cirúrgica
Preparação da sala cirúrgica
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
 
Aula Drenos[1]
Aula   Drenos[1]Aula   Drenos[1]
Aula Drenos[1]
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
 
Uti
UtiUti
Uti
 

Semelhante a Paciente Critico 1.ppt

ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
contatofelipearaujos
 
AULA UTI.pptx
AULA UTI.pptxAULA UTI.pptx
AULA UTI.pptx
RosaSantos738119
 
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigjAULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
ElainneChrisFerreira
 
UTI.pptx
UTI.pptxUTI.pptx
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDFUPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
CaroBatista3
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
voceduardomscsousa
 
Em DEFESA dos Centros de Parto Normal e das Enfermeiras Obstétricas e Obstetr...
Em DEFESA dos Centros de Parto Normal e das Enfermeiras Obstétricas e Obstetr...Em DEFESA dos Centros de Parto Normal e das Enfermeiras Obstétricas e Obstetr...
Em DEFESA dos Centros de Parto Normal e das Enfermeiras Obstétricas e Obstetr...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
Dario Barbosa
 
Folheto informativo uti
Folheto informativo utiFolheto informativo uti
Folheto informativo uti
Fabiane Fabihh
 
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdfaula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
TARCIA1
 
Unopar (TrabalhoInterdisciplinar de Grupo) upa 24 horas
Unopar (TrabalhoInterdisciplinar de Grupo) upa 24 horasUnopar (TrabalhoInterdisciplinar de Grupo) upa 24 horas
Unopar (TrabalhoInterdisciplinar de Grupo) upa 24 horas
João Silva
 
UTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.ppt
UTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.pptUTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.ppt
UTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.ppt
EvaWilmaMartinsTimb
 
Organização e funcionamento de unidade de enfermagem.pdf
Organização e funcionamento de unidade de enfermagem.pdfOrganização e funcionamento de unidade de enfermagem.pdf
Organização e funcionamento de unidade de enfermagem.pdf
rogerioxavier22
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
Vanessa Farias
 
Aula 5_Gestão hospitalar.pptx
Aula 5_Gestão hospitalar.pptxAula 5_Gestão hospitalar.pptx
Aula 5_Gestão hospitalar.pptx
joanaires52
 
Aula 1 - Enf. em pacientes críticos, conhecendo a UTI e sinais vitais.pdf
Aula 1 - Enf. em pacientes críticos, conhecendo a UTI e sinais vitais.pdfAula 1 - Enf. em pacientes críticos, conhecendo a UTI e sinais vitais.pdf
Aula 1 - Enf. em pacientes críticos, conhecendo a UTI e sinais vitais.pdf
profalicebolelli
 
manual sobre emergência médica na hotelaria
manual sobre emergência médica na hotelariamanual sobre emergência médica na hotelaria
manual sobre emergência médica na hotelaria
AureaLopes7
 
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICOFUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
JessicaAngelo5
 
Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátricaEnfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Regiane Ribeiro
 

Semelhante a Paciente Critico 1.ppt (20)

ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
AULA UTI.pptx
AULA UTI.pptxAULA UTI.pptx
AULA UTI.pptx
 
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigjAULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
 
UTI.pptx
UTI.pptxUTI.pptx
UTI.pptx
 
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDFUPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
 
Em DEFESA dos Centros de Parto Normal e das Enfermeiras Obstétricas e Obstetr...
Em DEFESA dos Centros de Parto Normal e das Enfermeiras Obstétricas e Obstetr...Em DEFESA dos Centros de Parto Normal e das Enfermeiras Obstétricas e Obstetr...
Em DEFESA dos Centros de Parto Normal e das Enfermeiras Obstétricas e Obstetr...
 
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
 
Folheto informativo uti
Folheto informativo utiFolheto informativo uti
Folheto informativo uti
 
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdfaula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
 
Unopar (TrabalhoInterdisciplinar de Grupo) upa 24 horas
Unopar (TrabalhoInterdisciplinar de Grupo) upa 24 horasUnopar (TrabalhoInterdisciplinar de Grupo) upa 24 horas
Unopar (TrabalhoInterdisciplinar de Grupo) upa 24 horas
 
UTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.ppt
UTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.pptUTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.ppt
UTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.ppt
 
Organização e funcionamento de unidade de enfermagem.pdf
Organização e funcionamento de unidade de enfermagem.pdfOrganização e funcionamento de unidade de enfermagem.pdf
Organização e funcionamento de unidade de enfermagem.pdf
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
Aulas 1 semana.pdf
Aulas                       1 semana.pdfAulas                       1 semana.pdf
Aulas 1 semana.pdf
 
Aula 5_Gestão hospitalar.pptx
Aula 5_Gestão hospitalar.pptxAula 5_Gestão hospitalar.pptx
Aula 5_Gestão hospitalar.pptx
 
Aula 1 - Enf. em pacientes críticos, conhecendo a UTI e sinais vitais.pdf
Aula 1 - Enf. em pacientes críticos, conhecendo a UTI e sinais vitais.pdfAula 1 - Enf. em pacientes críticos, conhecendo a UTI e sinais vitais.pdf
Aula 1 - Enf. em pacientes críticos, conhecendo a UTI e sinais vitais.pdf
 
manual sobre emergência médica na hotelaria
manual sobre emergência médica na hotelariamanual sobre emergência médica na hotelaria
manual sobre emergência médica na hotelaria
 
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICOFUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
 
Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátricaEnfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
 

Mais de gizaraposo

atenção a saude da mulher segundo protocolo
atenção a saude da mulher segundo protocoloatenção a saude da mulher segundo protocolo
atenção a saude da mulher segundo protocolo
gizaraposo
 
CRONOGRAMA ETICA.ppt
CRONOGRAMA ETICA.pptCRONOGRAMA ETICA.ppt
CRONOGRAMA ETICA.ppt
gizaraposo
 
aula etica 2.ppt
aula etica 2.pptaula etica 2.ppt
aula etica 2.ppt
gizaraposo
 
aula etica 1.ppt
aula etica 1.pptaula etica 1.ppt
aula etica 1.ppt
gizaraposo
 
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptx
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptxSaúde da Criança - 10.07 campinas.pptx
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptx
gizaraposo
 
Assistencia de enfermagem saude mulher 1. campinas 2023.pptx
Assistencia de enfermagem saude mulher 1. campinas 2023.pptxAssistencia de enfermagem saude mulher 1. campinas 2023.pptx
Assistencia de enfermagem saude mulher 1. campinas 2023.pptx
gizaraposo
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
gizaraposo
 
Sondas_e_Drenos.pdf
Sondas_e_Drenos.pdfSondas_e_Drenos.pdf
Sondas_e_Drenos.pdf
gizaraposo
 
P490-Anexo03-Ata489-Gestão 2009.ppt
P490-Anexo03-Ata489-Gestão 2009.pptP490-Anexo03-Ata489-Gestão 2009.ppt
P490-Anexo03-Ata489-Gestão 2009.ppt
gizaraposo
 
AUDITORIA E ADM.pdf
AUDITORIA E ADM.pdfAUDITORIA E ADM.pdf
AUDITORIA E ADM.pdf
gizaraposo
 
CRONOGRAMA PCTE CRITICO.pptx
CRONOGRAMA  PCTE CRITICO.pptxCRONOGRAMA  PCTE CRITICO.pptx
CRONOGRAMA PCTE CRITICO.pptx
gizaraposo
 
Psicofarmacologia.pptx
Psicofarmacologia.pptxPsicofarmacologia.pptx
Psicofarmacologia.pptx
gizaraposo
 
Noçoes de Anatomia e Fisiologia.vunesp.tec 22.pptx
Noçoes de Anatomia e Fisiologia.vunesp.tec 22.pptxNoçoes de Anatomia e Fisiologia.vunesp.tec 22.pptx
Noçoes de Anatomia e Fisiologia.vunesp.tec 22.pptx
gizaraposo
 
Sistema Pulmonar.pptx
Sistema Pulmonar.pptxSistema Pulmonar.pptx
Sistema Pulmonar.pptx
gizaraposo
 

Mais de gizaraposo (14)

atenção a saude da mulher segundo protocolo
atenção a saude da mulher segundo protocoloatenção a saude da mulher segundo protocolo
atenção a saude da mulher segundo protocolo
 
CRONOGRAMA ETICA.ppt
CRONOGRAMA ETICA.pptCRONOGRAMA ETICA.ppt
CRONOGRAMA ETICA.ppt
 
aula etica 2.ppt
aula etica 2.pptaula etica 2.ppt
aula etica 2.ppt
 
aula etica 1.ppt
aula etica 1.pptaula etica 1.ppt
aula etica 1.ppt
 
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptx
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptxSaúde da Criança - 10.07 campinas.pptx
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptx
 
Assistencia de enfermagem saude mulher 1. campinas 2023.pptx
Assistencia de enfermagem saude mulher 1. campinas 2023.pptxAssistencia de enfermagem saude mulher 1. campinas 2023.pptx
Assistencia de enfermagem saude mulher 1. campinas 2023.pptx
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
 
Sondas_e_Drenos.pdf
Sondas_e_Drenos.pdfSondas_e_Drenos.pdf
Sondas_e_Drenos.pdf
 
P490-Anexo03-Ata489-Gestão 2009.ppt
P490-Anexo03-Ata489-Gestão 2009.pptP490-Anexo03-Ata489-Gestão 2009.ppt
P490-Anexo03-Ata489-Gestão 2009.ppt
 
AUDITORIA E ADM.pdf
AUDITORIA E ADM.pdfAUDITORIA E ADM.pdf
AUDITORIA E ADM.pdf
 
CRONOGRAMA PCTE CRITICO.pptx
CRONOGRAMA  PCTE CRITICO.pptxCRONOGRAMA  PCTE CRITICO.pptx
CRONOGRAMA PCTE CRITICO.pptx
 
Psicofarmacologia.pptx
Psicofarmacologia.pptxPsicofarmacologia.pptx
Psicofarmacologia.pptx
 
Noçoes de Anatomia e Fisiologia.vunesp.tec 22.pptx
Noçoes de Anatomia e Fisiologia.vunesp.tec 22.pptxNoçoes de Anatomia e Fisiologia.vunesp.tec 22.pptx
Noçoes de Anatomia e Fisiologia.vunesp.tec 22.pptx
 
Sistema Pulmonar.pptx
Sistema Pulmonar.pptxSistema Pulmonar.pptx
Sistema Pulmonar.pptx
 

Paciente Critico 1.ppt

  • 1. UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: conceitos , historia e estrutura Prof. Gislaine Raposo
  • 2. A Unidade de Terapia Intensiva (UTI) é conceituada como uma “Unidade complexa dotada de sistema de monitorização contínua que admite pacientes potencialmente graves ou com descompensação de um ou mais sistemas orgânicos e que com o suporte e tratamento intensivos tenham possibilidade de se recuperar” (CREMESP, 1995). Assim UTI tem como objetivo prestar assistência a pacientes graves e de risco que exijam assistência médica e de enfermagem ininterruptas, além de equipamento e recursos humanos especializados
  • 3. “ A história da UTI” http://www.youtube.com/watch?v=KILH40yCoB0 >
  • 4. UTI  Histórico: O cuidado ao paciente crítico teve inicio em 1854;  Dr. Walter Edwar, precursor da primeira UTI EM 1914;  Peter Safer, primeiro médico intensivista, formulou o ABC primário;  No Brasil as primeiras UTIs foram instaladas na década de 70.
  • 5. Florence Nightingale idealiza a UTI como uma unidade de monitoração de paciente grave na Guerra da Criméia que consegue reduzir com suas ações uma mortalidade 40% para 2%. A Unidade de Terapia Intensiva foi criada a partir da evolução das “Salas de Recuperação Pós-Anestésica” na década de 20 para pacientes submetidos à Neurocirurgia no Hospital Johns Hopkins – USA, e a 1ª UTI foi criada em 1926 em Boston pelo Dr. Walter Dandy. Walter Edward Dandy, uma das mais importantes contribuições para neurocirurgia foi o método de ar na ventriculografia, no qual o fluido cerebroespinal é substituído por ar para dar forma a imagem ao raio X do espaço ventricular no cérebro. Peter Safar foi o primeiro médico intensivista, estimulou e preconizou o atendimento de urgência e emergência, formulou o ABC primário. Na cidade de Baltimore estabeleceu a primeira UTI cirúrgica em 1962, criou a primeira disciplina de “medicina de apoio crítico”
  • 6. No Brasil, a implantação da 1ª UTI foi na década de 70, no Hospital Sírio Libanês em São Paulo. O surgimento da prática em UTI marcou um dos maiores progressos obtidos pelos hospitais, visto que antes dela, o cuidado ao doente grave realizava-se nas próprias enfermarias o que, muitas vezes, representava um risco à evolução do paciente. As Unidades de Tratamento Intensivo deve assegurar um funcionamento que atenda a um parâmetro de qualidade assegurando a cada paciente o direito à sobrevida, assim como a garantia, dentro dos recursos tecnológicos existentes, da manutenção da estabilidade de seus parâmetros vitais; o direito a uma assistência humanizada; uma exposição mínima aos riscos decorrentes dos métodos propedêuticos e do próprio tratamento em relação aos benefícios obtidos e o monitoramento permanente da evolução do tratamento assim como de seus efeitos adversos.
  • 7. Diagrama 1: Atividade e diferença na UTI, Semi-Intensiva e Intensivo Móvel
  • 8. CONCEITOS  CTI = Centro de Tratamento Intensivo. Conjunto de UTIs agrupadas em um mesmo local.  UTI = Unidade de terapia intensiva. Unidade que abriga pacientes que requeiram assistência médica, de enfermagem, laboratorial e radiológica ininterrupta.
  • 9. As UTI’s podem ser classificadas da seguinte forma: Neonatal - atendem pacientes de 0 a 28 dias; Pediátrico - atendem pacientes de 28 dias a 14 ou 18 anos de acordo com as rotinas hospitalares internas; Adulto - atendem pacientes maiores de 14 ou 18 anos de acordo com as rotinas hospitalares internas; Especializada - voltada para pacientes atendidos por determinada especialidade ou pertencentes a grupo específico de Doenças.- UTI Coronariana / covid/ queimados/ transplantes Pacientes na faixa etária de 14 a 18 anos incompletos podem ser atendidos nos Serviços de Tratamento Intensivo Adulto ou Pediátrico, de acordo com o manual de rotinas do Serviço Obs: Todo hospital de nível terciário, com capacidade instalada igual ou superior a 100 leitos, deve dispor de no minimo 6% dos leitos totais destinados a UTIs.
  • 11. LEITOS UTI POR ESPECIALIDADE
  • 13. PASSADO ATUALMENTE  Lugar para “morrer”;  Circulações periféricas;  Pouca ou nenhuma visita;  Ambiente totalmente fechado;  Área restrita semelhante a um centro cirúrgico;  Pacientes inconscientes;  Unidade única. Lugar para “se recuperar e viver”; Circulações internas; Visita como ajuda terapêutica;  Ambiente com luz natural e visão exterior; Área acesso restrito, mas sem necessidade de paramentação; Pacientes inconscientes e conscientes; Unidades especializadas.
  • 14. CONHECENDO A UTI A rotina de trabalho numa Unidade de Terapia Intensiva (UTI) é dinâmica, contínua e sistêmica. É necessário seguir padrões de execução de tarefas e dedicar total atenção em cada etapa do Trabalho. É uma estrutura hospitalar que oferece suporte avançado de vida a pacientes agudamente doentes e porventura possuam chances de sobreviver. Possui uma gama de equipamentos altamente mecanizado e tecnológico que exige profissionais capacitados e atualizados para desenvolver atividades nesse seto
  • 17. Conhecendo uma UTI – Hospital Barretos https://www.youtube.com/watch?v=wGOOaoDfTI8
  • 18. LEGISLAÇÃO A infraestrutura de uma UTI deve seguir os requisitos estabelecidos pela ANVISA. Garantir que sua estrutura esteja regular, conforme as legislações: – RDC 07 de 24 de fevereiro de 2010 – Portaria 3432 de 12 de agosto de 1998 – RDC/ANVISA 50 de fevereiro de 2002 – Portaria 895 de 31 de março de 2017 Elas determinam as normas para a elaboração dos projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde e organização física funcional de internação de pacientes
  • 19. Por dentro do hospital: A UTI do Einstein e conheça como funciona a UTI. https://www.youtube.com/watch?v=ocHQFsiDPbE
  • 20. Essas legislações recomendam que, a localização da Unidade de Terapia Intensiva esteja próxima ao Bloco Cirúrgico (Centro Cirúrgico e Obstétrico, Recuperação Anestésica, Pré-Parto, e Central de Material Esterilizado), Laboratório de Análises Clínicas Unidade Transfusional
  • 21. Além disso, elas determinam que o número de leitos deve corresponder a 10% do total de leitos gerais do hospital, 6% a 8% dos leitos correspondentes se houver internação semi intensiva e de 15% a 20% dos leitos gerais para 1 leito que servir de isolamento. Os leitos destinados ao isolamento deverão estar alocados em quarto individual, com barreiras físicas e limites de acesso para restringir a transmissão de agentes infecciosos
  • 22. A disposição dos leitos na UTI deve ser em módulos de vigilância, ou seja, em área comum e com divisórias laváveis. Essa área deve ser projetada para fixação de equipamentos de atendimento e permitir livre acesso da equipe de saúde entre os leitos. O posto de enfermagem deve estar em local estratégico, que permita o livre acesso de toda a equipe de enfermagem e destine espaço para o preparo de medicamentos, armazenamentos de materiais, medicamentos e roupas limpas. A UTI também deve ter em sua infraestrutura locais separados e destinados ao Expurgo, DML, Copa de funcionários, Confortos de Enfermagem e Médico e Área de espera de visitantes
  • 23. Equipe Multiprofissional e Interdisciplinar Os profissionais que prestam assistências na Unidade de Terapia Intensiva são nomeados como intensivistas. A equipe de atendimento é multiprofissional e interdisciplinar, constituída por diversas profissões: médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos, assistentes sociais e técnicos de enfermagem, dentre outro É fundamental tanto para o paciente como para a família compreender a UTI como etapa essencial para a superação da doença, porém, tão importante é aliviar e proporcionar conforto independente do prognóstico. A equipe está orientada no respeito à dignidade e autodeterminação de cada pessoa internada, estabelecendo e divulgando a humanização nos seus trabalhos, buscando amenizar os momentos vivenciados através do paciente e família
  • 25. “Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva” Disponível em: < http://www.youtube.com/watch?v=3Wseo4DbPQo >
  • 26. TRABALHO PARTE 1 LEITURAS E RESUMO RDC / PORTARIAS
  • 28. Como é uma UTI? 1) A localização da Unidade de Terapia Intensiva deve estar próxima aos seguintes setores: a. Centro Cirúrgico, Centro Obstétrico, Recuperação Anestésica, Pré-Parto, Central de Material de Esterilizado, Laboratório de Análises Clínicas e Unidade Transfusional. b. Pronto Socorro, Centro Obstétrico, Recuperação Anestésica, Pré-Parto, Central de Material de Esterilizado, Laboratório de Análises Clínicas e Unidade Transfusional. c. Centro Cirúrgico, Pronto Socorro, Unidade de Hemodiálise, Laboratório de Análises Clínicas e Unidade Transfusional. d. Centro Cirúrgico, Pronto Socorro, Semi - Intensiva, Berçário e Unidade Transfusional
  • 29. 2) Assinale a alternativa CORRETA: a. A UTI pode ser classificada em: UTI Neonatal – pacientes com idades entre 0 e 18 dias; Pediátrico – pacientes com idades entre 18 dias e 14 ou 16 anos; Adulto – pacientes com idade acima de 16 anos; Especializada – pacientes atendidos por determinada especialidade ou pertencentes a um grupo específico de doenças. b. A UTI pode ser classificada em: UTI Neonatal – pacientes com idades entre 0 e 38 dias; Pediátrico – pacientes com idade entre 38 dias e 12 ou 18 anos; Adulto – pacientes com idade acima de 18 anos; Especializada – pacientes atendidos por determinada especialidade ou pertencentes a um grupo específico de doenças. c. A UTI pode ser classificada em: UTI Neonatal – pacientes com idades entre 0 e 28 dias; Pediátrico – pacientes com idades entre 28 dias e 14 ou 18 anos; Adulto – pacientes com idade acima de 18 anos; Especializada – pacientes atendidos por determinada especialidade ou pertencentes a um grupo específico de doenças
  • 30. 3) De acordo com RDC/ANVISA 50 de fevereiro de 2002, todos os projetos de estabelecimentos assistenciais de saúde-EAS deverão obrigatoriamente ser elaborados em conformidade com as disposições da norma. Portanto, é correto afirmar que a internação de pacientes em regime de terapia intensiva é: a. proporcionar condições de internar pacientes críticos, em ambientes individuais ou coletivos, grau de risco, faixa etária (exceto neonatologia), patologia e requisitos de privacidade. b. executar e registrar a assistência médica semi-intensiva. c. executar e registrar a assistência de enfermagem eletiva. d. prestar apoio diagnóstico laboratorial, de imagens, hemoterápico, cirúrgico e terapêutico com agendamento prévio. e. prestar assistência nutricional do paciente por meio apenas de sondas enterais e gástricas
  • 31. 4) Segundo a RDC 07 de 24 de fevereiro de 2010: I - Todo paciente internado em UTI deve receber [assistência] integral e interdisciplinar. II - A evolução do estado [clínico], as intercorrências e os cuidados prestados devem ser registrados pelas equipes médica, de [enfermagem] e de fisioterapia no prontuário do paciente, em cada turno, e atendendo as [regulamentações] dos respectivos conselhos de classe profissional e normas institucionais. III - A presença de [acompanhantes] em UTI deve ser normatizada pela instituição, com base na legislação vigente. IV - O paciente [consciente] deve ser [informado] quanto aos procedimentos aos quais será [submetido] e sobre os cuidados requeridos para execução dos mesmos. V - Todo paciente [grave] deve ser [transportado] com o acompanhamento contínuo, no mínimo, de um médico e de um [enfermeiro], ambos com habilidade [comprovada] para o atendimento de [urgência] e [emergência]. a. As alternativas I, II, IV e V estão corretas b. As alternativas II, III, IV e V estão corretas c. As alternativas I, III, IV e V estão corretas d. As alternativas I, II, III, IV e V estão corretas
  • 32. 5) Segundo a PORTARIA Nº 895, DE 31 DE MARÇO DE 2017, o cuidado progressivo ao paciente crítico ou grave tem como objetivos: a. Organizar a Atenção ao paciente semicrítico adulto e pediátrico para que garanta acesso, acolhimento e resolubilidade; b. Garantir o cuidado progressivo por meio de acesso aos diferentes níveis da assistência adulta e pediátrica, pela disponibilização de unidades de cuidados intensivos e intermediários de forma integrada; c. Garantir a qualificação dos profissionais de saúde e a segurança do paciente nas Unidades de Cuidados Intensivos e Intermediários; d. Apoiar a educação permanente dos familiares para a atenção ao paciente crítico ou grave; e. Induzir a implantação de mecanismos de regulação, fiscalização, controle e avaliação dos serviços prestados pelos profissionais de saúde aos pacientes críticos ou graves no SUS
  • 33. 6) De acordo com a PORTARIA Nº 3.432, DE 12 DE AGOSTO DE 1998 é CORRETO afirmar que: A. A UTI deve ser um ambiente de Humanização, com garantia de informações da evolução diária dos pacientes aos familiares por meio de boletins. B. A UTI deve ter um espaço mínimo individual por leito de 19m², sendo para UTI Neonatal o espaço de 4 m² por leito. C. A UTI deve ter enfermeiro exclusivo da unidade para cada dez leitos por turno de trabalho. D. O hospital deve possuir condições de transportar os pacientes inconscientes para realizar exames de ultrassonografia portátil em outra instituição. E. A UTI deve manter um conjunto padronizado de beira de leito, contendo: copo de vidro (para higienização bucal), esfigmonômetro, amnioscópio, máscara de pano (para oferecer ao acompanhante), um para cada leito a. as afirmativas A, B, D e E estão corretas b. as afirmativas A, B, C e E estão corretas c. as afirmativas A, B, D e C estão corretas d. as afirmativas A e C estão corretas
  • 34. TRABALHO PARTE 2: Estrutura da UTI – Construindo uma Maquete Em equipe irão pesquisar e sobre a estrutura da UTI. Sugiro a leitura da portaria Nº 466, DE 04 DE JUNHO DE 1998 do Ministério da Saúde do Brasil. Após a pesquisa, devem juntos debaterem e compreenderem os aspectos importantes da estrutura da Unidade de Terapia Intensiva e posteriormente a esse processo a equipe deve construir uma maquete de uma UTI que segue as recomendações necessárias para o funcionamento da mesma.
  • 35. Objetivo: Facilitar a compreensão da estrutura da Unidade de Terapia Intensiva. Material necessário: Cartolina ou papel madeira; Pincéis para cartolina ou canetinha; Lápis de cor; Revistas; Tesoura sem ponta; Cola; Material reciclado (Caixa de medicação, garrafa pet, dentre outros); Fita adesiva; - cada equipe deverá construir uma maquete que representará a UTI, na visão da equipe, com as recomendações estruturais do setor; Após a construção da planta física a equipe deve apresentar a maquete em plenário para uma rápida discussão em grupo;