SlideShare uma empresa Scribd logo
Autoria: Judicléia Marinho
 E essa grande história começou em
meados dos anos 70. O país passava por
mudanças político-sócio-econômicas
importantes. Várias entidades médicas
começavam a se formar e as que já
existiam a se fortalecer. Em 1977, surgiu a
SOPATI – Sociedade Paulista de Terapia
Intensiva, liderada pelos médicos João
Augustos Mattar Filho, Mariza D´Agostino
Dias, José Thales de Castro Lima e Max
Grimberg
 As sociedades regionais vinham sendo
inauguradas e já era preciso uma
entidade que reunisse todas elas e
elaborasse, com a ajuda de
profissionais de todo o país, padrões a
serem estabelecidos nos cuidados aos
pacientes críticos. Em 1979 foi criada a
SBTI – Sociedade Brasileira de Terapia
Intensiva, no Rio de Janeiro, que
permaneceu inativa desde seu início.
 em 11 de dezembro de 1980, foi divulgada no
Diário Oficial a formação da Associação
Brasileira de Medicina Intensiva, que contou
com a presença e adesão de médicos do
Distrito Federal, Minas Gerais, Rio de Janeiro,
Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina,
Bahia e São Paulo.
 E de lá pra cá, a trajetória da AMIB tem sido
marcada por muitas conquistas e,
principalmente, por muitas melhorias que
foram implantadas na terapia intensiva
brasileira. Resultado do trabalho daqueles que
abraçaram e acreditaram na especialidade.
Marcos importantes
1980
Fundação da AMIB
 “Era preciso reunir todos os intensivistas
em uma única sociedade para que
pudéssemos iniciar o desenvolvimento de
documentos que padronizassem o
atendimento ao paciente crítico, além de
fortalecer terapia intensiva como uma
especialidade”. Dra. Mariza D´Agostino
Dias, uma das fundadoras da AMIB e
primeira presidente da associação.
1982
 Incorporação da SBTI – Sociedade Brasileira
de Terapia Intensiva
 I Congresso Brasileiro de Medicina Intensiva
(SP)
 Realização do 1º Concurso do Título de
Especialista, com 507 candidatos aprovados
 Publicação da 1ª Edição do Boletim
Informativo AMIB

 “A AMIB tem valorizado o título de especialista
com a realização de uma prova séria e de alto
nível, ao logo desses anos”.
1987
 Presidente: Idunaldo Diniz Filho (DF)
 SOTIERJ publica a 1ª Edição da
Revista Brasileira de Terapia Intensiva
(RBTI).
1988
 Primeiro Curso de Pós-Graduação de
Medicina Intensiva na Escola de Pós-
Graduação do Rio de Janeiro
 IV Congresso Brasileiro de Medicina
Intensiva (DF)
 I Congresso Brasileiro de Medicina
Intensiva Pediátrica e Neonatal (DF)
 I Encontro de Enfermagem, Nutrição e
Fisioterapia em CTI (DF)

1992
 CFM reconhece a medicina intensiva como
especialidade
 Criado o Departamento de Enfermagem da
AMIB

 “O trabalho da AMIB tem contribuído para o
reconhecimento do que é um médico
intensivista do. Antes do seu surgimento, a
função poderia ser exercida por clínicos,
cardiologistas, anestesistas, que ficavam o
tempo todo em ambiente fechado, mas não
tinham a visão global da situação”.
1993
 VI Congresso Brasileiro de Medicina
Intensiva (RS)
 I Congresso Brasileiro de Enfermagem
em Terapia Intensiva (RS)
 I Congresso Brasileiro de Fisioterapia
em Medicina Intensiva (RS)
1994
 É publicada a primeira edição das
Normas Mínimas para o Funcionamento
de UTIs
 AMIB compra sua primeira sede
própria
1996
 Criação do Departamento de
Fisioterapia da AMIB.
1997
 É criado o Projeto AMIB do Tamanho do
Brasil
 Realizado o 1º Censo AMIB das UTIs
brasileiras
 VIII Congresso Brasileiro de Medicina
Intensiva (BA)
 I Fórum Latino-Americano de
Ressuscitação (BA)
2009
 “O mapeamento das UTIs brasileiras,
por meio do Censo Quantitativo, é um
importante documento para nortear o
desenvolvimento de novas estratégias
que visem o melhoramento do
atendimento ao paciente crítico”. Dr.
Álvaro Réa-Neto (PR)
2010/2013
 Criação da RDC nº 07:
 que dispõe sobre os requisitos mínimos
para funcionamento das Unidades de
Terapia Intensiva (UTI). A norma traz
parâmetros tanto para a estrutura,
organização e processos de trabalho quanto
para a obtenção e monitoramento de
indicadores de saúde que retratem o perfil
assistencial da unidade
Confira os principais pontos
da resolução

- A preservação da identidade e da
privacidade do paciente deve ser
assegurada por todos os profissionais que
atuam na UTI. O paciente que estiver
consciente e o seu responsável legal
devem ser informados quanto aos
procedimentos que serão adotados.
 - As equipes de UTI e a Comissão de
Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
são co-responsáveis pelas ações de
prevenção e controle de infecções
relacionadas à assistência à saúde.
 - O hospital deve realizar gerenciamento
dos riscos inerentes às atividades
realizadas na unidade, bem como aos
produtos submetidos ao controle e
fiscalização sanitária.
 - As preparações alcoólicas para
higienização das mãos devem estar na
entrada da unidade, entre os leitos e em
outros locais estratégicos definidos pela
Comissão de Controle de Infecção
Hospitalar (CCIH).
 - A CCIH deve divulgar os resultados das
vigilâncias e o perfil de sensibilidade dos
microrganismos à equipe multiprofissional
da UTI, visando a avaliação periódica das
medidas de prevenção e controle. A equipe
da UTI deve proceder ao uso racional de
antimicrobianos, estabelecendo normas e
rotinas de forma interdisciplinar e em
conjunto com CCIH, Farmácia Hospitalar e
Laboratório de Microbiologia.
História da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasil

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Edison Santos
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
Cintia da Cruz Silva
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Aline Bandeira
 
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxAula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
NaraLcia2
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
Proqualis
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidade
ISCISA
 
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptxUrgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
EnfermeiraLuciana1
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Luziane Costa
 
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdfAula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
JorgeFlix14
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
Fernando Dias
 
Uti
UtiUti
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
Vanessa Farias
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
tuttitutti1
 
Fundamentos de Enfermagem
Fundamentos de EnfermagemFundamentos de Enfermagem
Fundamentos de Enfermagem
Marina Axer
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
Alexandre Donha
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
hospital
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
Rafaela Amanso
 
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdfPacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
ThiagosilvaDeoliveir6
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Charles Lima
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
resenfe2013
 

Mais procurados (20)

Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
 
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxAula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidade
 
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptxUrgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdfAula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
 
Fundamentos de Enfermagem
Fundamentos de EnfermagemFundamentos de Enfermagem
Fundamentos de Enfermagem
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdfPacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
 

Destaque

Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
Fábio Falcão
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
Elisama Cruz
 
A história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânicaA história da Ventilação mecânica
Uti - PLANEJAMENTO FÍSICO
Uti - PLANEJAMENTO FÍSICOUti - PLANEJAMENTO FÍSICO
Uti - PLANEJAMENTO FÍSICO
Gibran Neves
 
Curso UTI adulto
Curso UTI adulto Curso UTI adulto
Curso UTI adulto
Quézia Barcelar
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Aroldo Gavioli
 
MonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMicaMonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMica
galegoo
 
Monitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoMonitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leito
resenfe2013
 
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesHumanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Cleiton Ribeiro Alves
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
Mateus Camargo
 
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismoVm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Hemodinâmica
HemodinâmicaHemodinâmica
Hemodinâmica
Roberto Rabat Chame
 
Aula5 sistema cti_brasil
Aula5 sistema cti_brasilAula5 sistema cti_brasil
Aula5 sistema cti_brasil
Fernando Palma
 
E Nf. 02
E Nf. 02E Nf. 02
E Nf. 02
julianafel
 
Bate papo cti julho 2011
Bate papo cti julho 2011Bate papo cti julho 2011
Bate papo cti julho 2011
ctisaolucascopacabana
 
Fisioterapia cardiorrespiratória
Fisioterapia cardiorrespiratória   Fisioterapia cardiorrespiratória
Fisioterapia cardiorrespiratória
Luana Dias
 
Arritmias
ArritmiasArritmias
Arritmias
Alien
 
FISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICO
FISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICOFISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICO
FISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICO
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Organograma departamentalizado do Hospital
Organograma departamentalizado do HospitalOrganograma departamentalizado do Hospital
Organograma departamentalizado do Hospital
Alberto N. Vargas Callejas
 
Arritmias
ArritmiasArritmias
Arritmias
Quézia Barcelar
 

Destaque (20)

Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
 
A história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânicaA história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânica
 
Uti - PLANEJAMENTO FÍSICO
Uti - PLANEJAMENTO FÍSICOUti - PLANEJAMENTO FÍSICO
Uti - PLANEJAMENTO FÍSICO
 
Curso UTI adulto
Curso UTI adulto Curso UTI adulto
Curso UTI adulto
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
MonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMicaMonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMica
 
Monitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoMonitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leito
 
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesHumanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
 
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismoVm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
 
Hemodinâmica
HemodinâmicaHemodinâmica
Hemodinâmica
 
Aula5 sistema cti_brasil
Aula5 sistema cti_brasilAula5 sistema cti_brasil
Aula5 sistema cti_brasil
 
E Nf. 02
E Nf. 02E Nf. 02
E Nf. 02
 
Bate papo cti julho 2011
Bate papo cti julho 2011Bate papo cti julho 2011
Bate papo cti julho 2011
 
Fisioterapia cardiorrespiratória
Fisioterapia cardiorrespiratória   Fisioterapia cardiorrespiratória
Fisioterapia cardiorrespiratória
 
Arritmias
ArritmiasArritmias
Arritmias
 
FISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICO
FISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICOFISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICO
FISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICO
 
Organograma departamentalizado do Hospital
Organograma departamentalizado do HospitalOrganograma departamentalizado do Hospital
Organograma departamentalizado do Hospital
 
Arritmias
ArritmiasArritmias
Arritmias
 

Semelhante a História da unidade de terapia intensiva no brasil

8274 agosto
8274 agosto8274 agosto
8274 agosto
Vagner Machado
 
Cartilha de saúde funcional
Cartilha de saúde funcionalCartilha de saúde funcional
Cartilha de saúde funcional
Eduardo Santana Cordeiro
 
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legalAssistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
Marcelo Polacow Bisson
 
OS ASPECTOS DA DOR
OS ASPECTOS DA DOROS ASPECTOS DA DOR
OS ASPECTOS DA DOR
Andréa Dantas
 
Prontuário médico
Prontuário médicoProntuário médico
Prontuário médico
eduardo guagliardi
 
Prontuário médico
Prontuário médicoProntuário médico
Prontuário médico
eduardo guagliardi
 
Seguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manualSeguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manual
Helena Vianna
 
Seguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manualSeguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manual
Ilanna Albuquerque
 
Cirurgias seguras salvam vidas
Cirurgias seguras salvam vidasCirurgias seguras salvam vidas
Cirurgias seguras salvam vidas
Kelly Jennifer Sales
 
centro de apoio e atenção a vida CAAV. pptx
centro de apoio e atenção a vida CAAV. pptxcentro de apoio e atenção a vida CAAV. pptx
centro de apoio e atenção a vida CAAV. pptx
JorgeAlmeida365719
 
AULA 01.PARTE 01 - SAÚDE PÚBLICA - ENF DOUGLAS.pdf
AULA 01.PARTE 01 - SAÚDE PÚBLICA - ENF DOUGLAS.pdfAULA 01.PARTE 01 - SAÚDE PÚBLICA - ENF DOUGLAS.pdf
AULA 01.PARTE 01 - SAÚDE PÚBLICA - ENF DOUGLAS.pdf
douglas870578
 
Cbhpm 5 edicao
Cbhpm 5 edicaoCbhpm 5 edicao
Cbhpm 5 edicao
Arlindo Carvalho
 
Mural sus
Mural susMural sus
Mural sus
Palomapsi
 
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptxVigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
NgelaNascimento11
 
Manual cirurgias seguras salvam vidas
Manual cirurgias seguras salvam vidasManual cirurgias seguras salvam vidas
Manual cirurgias seguras salvam vidas
JlioAlmeida21
 
Ato medico
Ato medicoAto medico
Ato medico
Roberto Steffen
 
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDESaúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
Andressa Carmo
 
Boletim biossimilar
Boletim biossimilarBoletim biossimilar
Boletim biossimilar
biossimilar
 
Volume 2 edição 08
Volume 2 edição 08Volume 2 edição 08
Volume 2 edição 08
espacogirassol
 
Volume 2 edição 08
Volume 2 edição 08Volume 2 edição 08
Volume 2 edição 08
espacogirassol
 

Semelhante a História da unidade de terapia intensiva no brasil (20)

8274 agosto
8274 agosto8274 agosto
8274 agosto
 
Cartilha de saúde funcional
Cartilha de saúde funcionalCartilha de saúde funcional
Cartilha de saúde funcional
 
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legalAssistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
 
OS ASPECTOS DA DOR
OS ASPECTOS DA DOROS ASPECTOS DA DOR
OS ASPECTOS DA DOR
 
Prontuário médico
Prontuário médicoProntuário médico
Prontuário médico
 
Prontuário médico
Prontuário médicoProntuário médico
Prontuário médico
 
Seguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manualSeguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manual
 
Seguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manualSeguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manual
 
Cirurgias seguras salvam vidas
Cirurgias seguras salvam vidasCirurgias seguras salvam vidas
Cirurgias seguras salvam vidas
 
centro de apoio e atenção a vida CAAV. pptx
centro de apoio e atenção a vida CAAV. pptxcentro de apoio e atenção a vida CAAV. pptx
centro de apoio e atenção a vida CAAV. pptx
 
AULA 01.PARTE 01 - SAÚDE PÚBLICA - ENF DOUGLAS.pdf
AULA 01.PARTE 01 - SAÚDE PÚBLICA - ENF DOUGLAS.pdfAULA 01.PARTE 01 - SAÚDE PÚBLICA - ENF DOUGLAS.pdf
AULA 01.PARTE 01 - SAÚDE PÚBLICA - ENF DOUGLAS.pdf
 
Cbhpm 5 edicao
Cbhpm 5 edicaoCbhpm 5 edicao
Cbhpm 5 edicao
 
Mural sus
Mural susMural sus
Mural sus
 
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptxVigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
 
Manual cirurgias seguras salvam vidas
Manual cirurgias seguras salvam vidasManual cirurgias seguras salvam vidas
Manual cirurgias seguras salvam vidas
 
Ato medico
Ato medicoAto medico
Ato medico
 
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDESaúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
 
Boletim biossimilar
Boletim biossimilarBoletim biossimilar
Boletim biossimilar
 
Volume 2 edição 08
Volume 2 edição 08Volume 2 edição 08
Volume 2 edição 08
 
Volume 2 edição 08
Volume 2 edição 08Volume 2 edição 08
Volume 2 edição 08
 

Último

planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 

Último (20)

planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 

História da unidade de terapia intensiva no brasil

  • 2.  E essa grande história começou em meados dos anos 70. O país passava por mudanças político-sócio-econômicas importantes. Várias entidades médicas começavam a se formar e as que já existiam a se fortalecer. Em 1977, surgiu a SOPATI – Sociedade Paulista de Terapia Intensiva, liderada pelos médicos João Augustos Mattar Filho, Mariza D´Agostino Dias, José Thales de Castro Lima e Max Grimberg
  • 3.  As sociedades regionais vinham sendo inauguradas e já era preciso uma entidade que reunisse todas elas e elaborasse, com a ajuda de profissionais de todo o país, padrões a serem estabelecidos nos cuidados aos pacientes críticos. Em 1979 foi criada a SBTI – Sociedade Brasileira de Terapia Intensiva, no Rio de Janeiro, que permaneceu inativa desde seu início.
  • 4.  em 11 de dezembro de 1980, foi divulgada no Diário Oficial a formação da Associação Brasileira de Medicina Intensiva, que contou com a presença e adesão de médicos do Distrito Federal, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, Bahia e São Paulo.  E de lá pra cá, a trajetória da AMIB tem sido marcada por muitas conquistas e, principalmente, por muitas melhorias que foram implantadas na terapia intensiva brasileira. Resultado do trabalho daqueles que abraçaram e acreditaram na especialidade.
  • 6. 1980 Fundação da AMIB  “Era preciso reunir todos os intensivistas em uma única sociedade para que pudéssemos iniciar o desenvolvimento de documentos que padronizassem o atendimento ao paciente crítico, além de fortalecer terapia intensiva como uma especialidade”. Dra. Mariza D´Agostino Dias, uma das fundadoras da AMIB e primeira presidente da associação.
  • 7. 1982  Incorporação da SBTI – Sociedade Brasileira de Terapia Intensiva  I Congresso Brasileiro de Medicina Intensiva (SP)  Realização do 1º Concurso do Título de Especialista, com 507 candidatos aprovados  Publicação da 1ª Edição do Boletim Informativo AMIB   “A AMIB tem valorizado o título de especialista com a realização de uma prova séria e de alto nível, ao logo desses anos”.
  • 8. 1987  Presidente: Idunaldo Diniz Filho (DF)  SOTIERJ publica a 1ª Edição da Revista Brasileira de Terapia Intensiva (RBTI).
  • 9. 1988  Primeiro Curso de Pós-Graduação de Medicina Intensiva na Escola de Pós- Graduação do Rio de Janeiro  IV Congresso Brasileiro de Medicina Intensiva (DF)  I Congresso Brasileiro de Medicina Intensiva Pediátrica e Neonatal (DF)  I Encontro de Enfermagem, Nutrição e Fisioterapia em CTI (DF) 
  • 10. 1992  CFM reconhece a medicina intensiva como especialidade  Criado o Departamento de Enfermagem da AMIB   “O trabalho da AMIB tem contribuído para o reconhecimento do que é um médico intensivista do. Antes do seu surgimento, a função poderia ser exercida por clínicos, cardiologistas, anestesistas, que ficavam o tempo todo em ambiente fechado, mas não tinham a visão global da situação”.
  • 11. 1993  VI Congresso Brasileiro de Medicina Intensiva (RS)  I Congresso Brasileiro de Enfermagem em Terapia Intensiva (RS)  I Congresso Brasileiro de Fisioterapia em Medicina Intensiva (RS)
  • 12. 1994  É publicada a primeira edição das Normas Mínimas para o Funcionamento de UTIs  AMIB compra sua primeira sede própria
  • 13. 1996  Criação do Departamento de Fisioterapia da AMIB.
  • 14. 1997  É criado o Projeto AMIB do Tamanho do Brasil  Realizado o 1º Censo AMIB das UTIs brasileiras  VIII Congresso Brasileiro de Medicina Intensiva (BA)  I Fórum Latino-Americano de Ressuscitação (BA)
  • 15. 2009  “O mapeamento das UTIs brasileiras, por meio do Censo Quantitativo, é um importante documento para nortear o desenvolvimento de novas estratégias que visem o melhoramento do atendimento ao paciente crítico”. Dr. Álvaro Réa-Neto (PR)
  • 16. 2010/2013  Criação da RDC nº 07:  que dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento das Unidades de Terapia Intensiva (UTI). A norma traz parâmetros tanto para a estrutura, organização e processos de trabalho quanto para a obtenção e monitoramento de indicadores de saúde que retratem o perfil assistencial da unidade
  • 17. Confira os principais pontos da resolução  - A preservação da identidade e da privacidade do paciente deve ser assegurada por todos os profissionais que atuam na UTI. O paciente que estiver consciente e o seu responsável legal devem ser informados quanto aos procedimentos que serão adotados.
  • 18.  - As equipes de UTI e a Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) são co-responsáveis pelas ações de prevenção e controle de infecções relacionadas à assistência à saúde.
  • 19.  - O hospital deve realizar gerenciamento dos riscos inerentes às atividades realizadas na unidade, bem como aos produtos submetidos ao controle e fiscalização sanitária.
  • 20.  - As preparações alcoólicas para higienização das mãos devem estar na entrada da unidade, entre os leitos e em outros locais estratégicos definidos pela Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH).
  • 21.  - A CCIH deve divulgar os resultados das vigilâncias e o perfil de sensibilidade dos microrganismos à equipe multiprofissional da UTI, visando a avaliação periódica das medidas de prevenção e controle. A equipe da UTI deve proceder ao uso racional de antimicrobianos, estabelecendo normas e rotinas de forma interdisciplinar e em conjunto com CCIH, Farmácia Hospitalar e Laboratório de Microbiologia.