SlideShare uma empresa Scribd logo
Graziela Ferreira Escobar
• Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças
que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de
células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se
(metástase) para outras regiões do corpo.
Sexo Masculino: Estimativas, para o ano 2008, das taxas brutas de incidência por 100 mil
e de número de casos novos por câncer, em homens, segundo localização primária.
Localização Primária
Neoplasia maligna
Estimativa dos casos novos
Estado Capital
Casos Taxa Bruta Casos Taxa Bruta
Próstata 49.530 52,43 13.990 67,81
Traquéia, Brônquio e Pulmão 17.810 18,86 5.150 24,91
Estômago 14.080 14,92 3.590 17,42
Cólon e Reto 12.490 13,23 4.360 20,99
Cavidade Oral 10.380 11 3.000 14,45
Esôfago 7.900 8,35 1.640 7,84
Leucemias 5.220 5,52 1.460 7,06
Pele Melanoma 2.950 3,09 830 3,80
Outras Localizações 55.610 58,87 17.010 82,32
Subtotal 175.970 186,29 51.030 246,97
Pele não Melanoma 55.890 59,16 13.230 64,02
Todas as Neoplasias 231.860 245,47 64.260 310,93
Fonte: Estimativa 2008 – Incidência de Câncer no
Brasil, INCA (Instituto Nacional de Câncer)
Incidência de Câncer
Localização Primária
Neoplasia maligna
Estimativa dos casos novos
Estado Capital
Casos Taxa Bruta Casos Taxa Bruta
Mama Feminina 49.400 50,71 17.400 76,04
Colo do Útero 18.680 19,18 5.620 24,49
Cólon e Reto 14.500 14,88 5.450 23,8
Traquéia, Brônquio e Pulmão 9.460 9,72 3.070 13,49
Estômago 7.720 7,93 2.380 10,3
Leucemias 4.320 4,44 1.340 5,89
Cavidade Oral 3.780 3,88 1.140 4,83
Pele Melanoma 2.970 3,03 930 3,69
Esôfago 2.650 2,72 620 2,3
Outras Localizações 62.270 63,93 22.530 98,39
Subtotal 175.750 180,43 60.480 264,11
Pele não Melanoma 59.120 60,7 14.140 61,73
Todas as Neoplasias 234.870 241,09 74.620 325,77
Sexo Feminino: Estimativas, para o ano 2008, das taxas brutas de incidência por 100 mil
e de número de casos novos por câncer, em mulheres, segundo localização primária.
Incidência de Câncer
Fonte: Estimativa 2008 – Incidência de Câncer
no Brasil, INCA (Instituto Nacional de Câncer)
Serviços de Oncologia
22%
46%
21%
9%
2%
Quimioterapia/ Terapia Antineoplásica
Terapia Antineoplásica (TA): conjunto de
procedimentos terapêuticos medicamentosos
aplicados ao paciente oncológico ou a quem
deles necessitar.
 Portaria MS 3535/ 98
◦ CSB Classe II B2,
◦ Sala exclusiva com 5 m2
por cabine.
 RDC ANVISA 50/ 2002
◦ Unidade Funcional Apoio Técnico/ Farmácia
 CSB Classe II B2,
 Sala exclusiva com 5 m2
por cabine.
◦ Oncologista ou hematologista;
◦ Enfermeiro (RT atividades de enfermagem);
◦ Farmacêutico (RT atividades de farmácia).
Serviço de Terapia Antineoplásica (STA): serviço de
saúde composto por equipe multiprofissional
especializada na atenção à saúde de pacientes
oncológicos que necessitem de tratamento
medicamentoso.
 Atribuições EMTA:
◦ Supervisionar todas as etapas da TA;
◦ Criar mecanismos para farmacovigilância, tecnovigilância e
biosegurança;
◦ Estabelecer protocolos;
◦ Capacitar profissionais envolvidos.
◦ Observação clínica e prescrição médica;
◦ Preparação: avaliação da prescrição, manipulação, controle de
qualidade e conservação;
◦ Transporte;
◦ Administração;
◦ Descarte;
◦ Documentação e registros que garantam rastreabilidade em todas
as etapas do processo.
◦ Deve atender às Boas Práticas de Preparação da TA (Anexo III);
◦ Medicamentos e materiais devem atender a especificação técnica
detalhada pela EMTA;
◦ Fornecedores de medicamentos e materiais devem ser qualificados;
◦ Pode ser contratada:
 Alvará sanitário;
 Contrato formal de prestação de serviços;
 Farmacêutico deve compôr a EMTA.
 Qualificação de Fornecedores
 Padronização de Medicamentos e Produtos para Saúde
 Recebimento
 Armazenamento
 Manipulação
 Acondicionamento/ Transporte
 Descarte
• Atendimento às especificações definidas pela EMTA,
• Fornecer somente medicamentos e materiais regularizados junto
a ANVISA,
• Fornecer certificado de análise por lote, quando aplicável,
• Processo documentado.
 Verificação de recebimento documentada, observando a
integridade da embalagem, a correspondência entre o pedido, a
nota de entrega e os rótulos do material recebido.
 Quando uma única remessa de medicamentos, produtos
farmacêuticos e produtos para a saúde contiver lotes distintos,
cada lote deve ser levado em consideração separadamente para
inspeção e liberação.
 Todos os medicamentos destinados a TA devem ser separados
dos demais, armazenados sob condições apropriadas, de modo a
preservar a identidade e integridade dos mesmos.
 No caso de medicamentos que exijam condições especiais de
temperatura, deve existir registro e controle de temperatura que
comprovem o atendimento as exigências.
Armazenamento
 Prazo de utilização preconizado:
◦ Produtos manipulados para utilização em até 48h, do
início da preparação até o término de sua
administração, devem atender as disposições
estabelecidas neste regulamento, de maneira a
reduzir o risco de contaminação inerente ao
procedimento.
 Prazo de utilização acima de 48 horas:
◦ Deve atender requisitos da RDC ANVISA 67/07
sobre Manipulação Farmacêutica – Anexo Estéreis.
Exigências RDC Anvisa 220/04:
 Área destinada à paramentação: provida de lavatório para
higienização das mãos;
 Sala exclusiva para preparação de medicamentos para TA, com área
mínima de 5 (cinco) m2 por cabine de segurança biológica;
 Cabine de Segurança Biológica (CSB) Classe II B2;
 Área de armazenamento exclusiva para medicamentos da TA.
Utilização em 48 horas!
Exigências RDC Anvisa 67/07:
• Sala de paramentação com câmaras fechadas, preferencialmente
com dois ambientes (barreira sujo/ limpo) para troca de roupa;
• Sala para limpeza e higienização de medicamentos classe ISO 8
(100.000 partículas/ pé cúbico de ar) contígua à sala de
manipulação;
• Sala destinada à manipulação, independente e exclusiva, em área
ISO Classe 7 e cabine de segurança biológica ISO Classe 5.
– Pressão negativa em relação às salas adjacentes.
A CSB deve ser validada com periodicidade
semestral e sempre que houver movimentação ou
reparos, por pessoal treinado, e o processo
registrado.
 Avental longo ou macacão de uso restrito a área
de preparação, com baixa liberação de
partículas, baixa permeabilidade, frente fechada,
com mangas longas e punho elástico;
 Luvas (tipo cirúrgica) de látex, punho longo, sem
talco e estéreis.
 Procedimento:
 Coloque a touca e os propés no vestiário;
 Higienize as mãos com Álcool 70 ;⁰
 Vista o avental no vestiário;
 Calce o primeiro par de luvas cirúrgicas de látex;
 Calce o segundo par de luvas cirúrgicas de látex. Utilize o segundo
par de luvas apenas no ambiente interno da cabine de segurança
biológica, durante o preparo.
 Troque os pares de luvas a cada hora de manipulação e
imediatamente após acidentes, desprezando-os em lixo químico.
 Ao final do dia, despreze o avental, os propés e a touca em lixo
químico.
◦ Procedimentos escritos;
◦ Avaliação da prescrição médica;
◦ Registro de todas as manipulações, indicando lote e
fabricante;
◦ Rótulo com informações detalhadas, inclusive prazo de
validade e condições para conservação;
◦ Inspeção visual;
◦ Garantia de conservação e transporte.
PRESCRIÇÃO MÉDICA SEM
AVALIAÇÃO
RECEBA A PRESCRIÇÃO MÉDICA
CONFIRA AS INFORMAÇÕES DO
PACIENTE
CONFIRA CÁLCULO DE SUPERFÍCIE
CORPÓREA E ESQUEMA
TERAPÊUTICO
VERIFIQUE DILUIÇÃO, TEMPO DE
INFUSÃO E VIA DE
ADMINISTRAÇÃO
VERIFIQUE DOSE ACUMULADA E
RESTRIÇÃO DE DOSE
PRESCRIÇÃO
OK ?
ANOTE MATERIAL UTILIZADO E
ORIENTAÇÕES ESPECIAIS
CARIMBE E ASSINE
ENCAMINHE A PRESCRIÇÃO PARA
MANIPULAÇÃO
PRESCRIÇÃO AVALIADA
CONFIRME AS DÚVIDAS COM O
MÉDICO E ANOTE EM
FORMULÁRIO ESPECÍFICO
Fluxograma de Avaliação
Farmacêutica da Prescrição
Exemplo de POP
Manipulação – Técnica Asséptica
 Recipiente isotérmico exclusivo;
 Garantia de conservação;
 Treinamento do colaborador para
gerenciamento de riscos e acidentes.
◦ Deve atender às Boas Práticas
de Administração da TA (Anexo
IV);
◦ Deve dispor de materiais,
equipamentos e médico para
atendimento de emergências.
◦ EPIs: avental e luvas;
◦ Procedimentos escritos;
◦ Protocolos para acidentes de punção e extravasamentos;
◦ Avaliação da prescrição médica;
◦ Inspeção visual e verificação do produto preparado antes da
administração;
◦ Registro em prontuário de evolução de enfermagem, eventos
adversos e ocorrência de extravasamentos.
O STA deve dispor para atendimento de emergência
médica, no próprio local ou em área contígua e de
fácil acesso, e em plenas condições de funcionamento .
Materiais e equipamentos:
 a) Eletrocardiógrafo
 b) Carro de emergência com monitor cardíaco e
desfibrilador
 c) Ventilador pulmonar manual (AMBU com reservatório)
 d) Medicamentos de emergência
 e) Ponto de oxigênio
 f) Aspirador portátil
 g) Material de entubação completo (tubos endotraqueais,
cânulas, guias e laringoscópios com jogo completo de
lâminas).
• Kit de derramamento identificado e disponível em todas as áreas
onde são realizadas atividades de manipulação, armazenamento,
administração e transporte;
• Composição do Kit: luvas de procedimento, avental, compressas
absorventes, proteção respiratória, proteção ocular, sabão,
descrição do procedimento e formulário de notificação, recipiente
para recolhimento dos resíduos;
• Classificação de acidentes: pessoal, na cabine, ambiental.
◦ Infra-estrutura: RDC/ANVISA n.°50, de 21/02/2002.
◦ Limpeza e desinfecção: Manual de Processamento de Artigos e Superfícies em
Estabelecimentos de Saúde do Ministério da Saúde/1994.
◦ Descarte de resíduos: RDC/ANVISA n° 33 de 25/02/2003, substituída pela
RDC/ANVISA n° 306 de 07/12/2004.
◦ Prevenção e Controle de Infecção e Eventos Adversos: Portaria GM/MS n. º 2616,
de 12/05/1998.
◦ Frascos e equipos: RDC/ANVISA n° 45, de 12/03/2003.
◦ Saúde ocupacional: NR nº 7 do Ministério do Trabalho, substituída pela NR 32/ MT
de 11/11/2005.
◦ Farmácia de manipulação contratada: RDC/ANVISA nº 33, de 25/02/2000,
substituída pela RDC/ANVISA nº 67, de 08/10/2007.
◦ Cadastramento de serviços de alta complexidade: Portaria SAS nº 741, de
19/12/2005.
Obrigada!
Graziela Ferreira Escobar
gzescobar@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Farmacotécnica
FarmacotécnicaFarmacotécnica
Farmacotécnica
Julia Martins Ulhoa
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
Claudio Luis Venturini
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
Aroldo Gavioli
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
Marcelo Zanotti da Silva
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
Jaqueline Almeida
 
Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1
Renata de O. Marinho Sampaio
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
Ana Hollanders
 
aula 8 - CF2
aula 8 - CF2aula 8 - CF2
aula 8 - CF2
Caio Maximino
 
01 atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
01   atendente de farmácia (conceitos fundamentais)01   atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
01 atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
Elizeu Ferro
 
Farmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADMEFarmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADME
Caio Maximino
 
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas FarmacêuticasPES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
Farmacêutico Digital
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Sheilla Sandes
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
Leonardo Souza
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Luis Antonio Cezar Junior
 
Código de ética da profissão farmacêutica
Código de ética da profissão farmacêuticaCódigo de ética da profissão farmacêutica
Código de ética da profissão farmacêutica
Marcelo Polacow Bisson
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
resenfe2013
 
Atendente de Farmácia - Leis & Drogarias
Atendente de Farmácia -   Leis & DrogariasAtendente de Farmácia -   Leis & Drogarias
Atendente de Farmácia - Leis & Drogarias
Luis Antonio Cezar Junior
 
Farmacia Hospitalar Introducao
Farmacia Hospitalar IntroducaoFarmacia Hospitalar Introducao
Farmacia Hospitalar Introducao
Jose Carlos
 

Mais procurados (20)

Farmacotécnica
FarmacotécnicaFarmacotécnica
Farmacotécnica
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
 
Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
INTERAÇ
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
 
aula 8 - CF2
aula 8 - CF2aula 8 - CF2
aula 8 - CF2
 
01 atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
01   atendente de farmácia (conceitos fundamentais)01   atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
01 atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
 
Farmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADMEFarmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADME
 
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas FarmacêuticasPES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
 
Código de ética da profissão farmacêutica
Código de ética da profissão farmacêuticaCódigo de ética da profissão farmacêutica
Código de ética da profissão farmacêutica
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
 
Atendente de Farmácia - Leis & Drogarias
Atendente de Farmácia -   Leis & DrogariasAtendente de Farmácia -   Leis & Drogarias
Atendente de Farmácia - Leis & Drogarias
 
Farmacia Hospitalar Introducao
Farmacia Hospitalar IntroducaoFarmacia Hospitalar Introducao
Farmacia Hospitalar Introducao
 

Destaque

Manipulacao qt
Manipulacao qtManipulacao qt
Manipulacao qt
Kayo Alves Figueiredo
 
Terapia antineoplásica
Terapia antineoplásicaTerapia antineoplásica
Terapia antineoplásica
Folha de Pernambuco
 
Exposição a quimioterápicos antineoplasicos.
Exposição a quimioterápicos antineoplasicos.Exposição a quimioterápicos antineoplasicos.
Exposição a quimioterápicos antineoplasicos.
Fernando Dias
 
10. quimioterápicos 20 e 21 maio
10. quimioterápicos 20 e 21 maio 10. quimioterápicos 20 e 21 maio
10. quimioterápicos 20 e 21 maio
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
Quimioterápicos
QuimioterápicosQuimioterápicos
Quimioterápicos
rodrigobauer3
 
Porque treinar operadores de empilhadeira
Porque treinar operadores de empilhadeiraPorque treinar operadores de empilhadeira
Porque treinar operadores de empilhadeira
Eduardo Matarazzo
 
10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos
Thaís Prado
 
Apresentação AFE ELETRONICA
Apresentação AFE ELETRONICAApresentação AFE ELETRONICA
Apresentação AFE ELETRONICA
Thiago Santos
 
FARMACOS ANTINEOPLASICOS
FARMACOS ANTINEOPLASICOSFARMACOS ANTINEOPLASICOS
FARMACOS ANTINEOPLASICOS
pablenq1
 
Quimioterapia
QuimioterapiaQuimioterapia
Quimioterapia
Kayo Alves Figueiredo
 
Exames laboratoriais e-intervencoes-de-enfermagem
Exames laboratoriais e-intervencoes-de-enfermagemExames laboratoriais e-intervencoes-de-enfermagem
Exames laboratoriais e-intervencoes-de-enfermagem
Elys Regina
 
Manual de quimoterapia
Manual de quimoterapiaManual de quimoterapia
Manual de quimoterapia
Laryssasampaio
 
Segurança e Gestão na Manipulação de Produtos Químicos
Segurança e Gestão na Manipulação de Produtos QuímicosSegurança e Gestão na Manipulação de Produtos Químicos
Segurança e Gestão na Manipulação de Produtos Químicos
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saudeSlides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Veras Reis Reis
 
Principios de Quimioterapia 2010
Principios de Quimioterapia 2010Principios de Quimioterapia 2010
Principios de Quimioterapia 2010
Frank Bonilla
 
2 enfermeria en la administracion de quimioterapia
2 enfermeria en la administracion de quimioterapia2 enfermeria en la administracion de quimioterapia
2 enfermeria en la administracion de quimioterapia
Vale VM
 
quimioterapia
 quimioterapia quimioterapia
quimioterapia
Ana Lilia Hernandez
 
RDC 44/09 - ANVISA
RDC 44/09 - ANVISARDC 44/09 - ANVISA
RDC 44/09 - ANVISA
Marcelo Polacow Bisson
 
Quimioterapia
QuimioterapiaQuimioterapia
Quimioterapia
DrMandingo WEB
 
Quimioterapia
QuimioterapiaQuimioterapia
Quimioterapia
ady_tavo
 

Destaque (20)

Manipulacao qt
Manipulacao qtManipulacao qt
Manipulacao qt
 
Terapia antineoplásica
Terapia antineoplásicaTerapia antineoplásica
Terapia antineoplásica
 
Exposição a quimioterápicos antineoplasicos.
Exposição a quimioterápicos antineoplasicos.Exposição a quimioterápicos antineoplasicos.
Exposição a quimioterápicos antineoplasicos.
 
10. quimioterápicos 20 e 21 maio
10. quimioterápicos 20 e 21 maio 10. quimioterápicos 20 e 21 maio
10. quimioterápicos 20 e 21 maio
 
Quimioterápicos
QuimioterápicosQuimioterápicos
Quimioterápicos
 
Porque treinar operadores de empilhadeira
Porque treinar operadores de empilhadeiraPorque treinar operadores de empilhadeira
Porque treinar operadores de empilhadeira
 
10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos
 
Apresentação AFE ELETRONICA
Apresentação AFE ELETRONICAApresentação AFE ELETRONICA
Apresentação AFE ELETRONICA
 
FARMACOS ANTINEOPLASICOS
FARMACOS ANTINEOPLASICOSFARMACOS ANTINEOPLASICOS
FARMACOS ANTINEOPLASICOS
 
Quimioterapia
QuimioterapiaQuimioterapia
Quimioterapia
 
Exames laboratoriais e-intervencoes-de-enfermagem
Exames laboratoriais e-intervencoes-de-enfermagemExames laboratoriais e-intervencoes-de-enfermagem
Exames laboratoriais e-intervencoes-de-enfermagem
 
Manual de quimoterapia
Manual de quimoterapiaManual de quimoterapia
Manual de quimoterapia
 
Segurança e Gestão na Manipulação de Produtos Químicos
Segurança e Gestão na Manipulação de Produtos QuímicosSegurança e Gestão na Manipulação de Produtos Químicos
Segurança e Gestão na Manipulação de Produtos Químicos
 
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saudeSlides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
 
Principios de Quimioterapia 2010
Principios de Quimioterapia 2010Principios de Quimioterapia 2010
Principios de Quimioterapia 2010
 
2 enfermeria en la administracion de quimioterapia
2 enfermeria en la administracion de quimioterapia2 enfermeria en la administracion de quimioterapia
2 enfermeria en la administracion de quimioterapia
 
quimioterapia
 quimioterapia quimioterapia
quimioterapia
 
RDC 44/09 - ANVISA
RDC 44/09 - ANVISARDC 44/09 - ANVISA
RDC 44/09 - ANVISA
 
Quimioterapia
QuimioterapiaQuimioterapia
Quimioterapia
 
Quimioterapia
QuimioterapiaQuimioterapia
Quimioterapia
 

Semelhante a Terapia antineoplasica graziela_0110(2)

Aula SOBECC 2011 Cristiane Pavanello
Aula  SOBECC 2011 Cristiane PavanelloAula  SOBECC 2011 Cristiane Pavanello
Aula SOBECC 2011 Cristiane Pavanello
cristiane pavanello rodrigues silva
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
voceduardomscsousa
 
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptxInstrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
MilkaPassos1
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgência
Aroldo Gavioli
 
Atividade profissional ii estudo dirigido
Atividade profissional ii   estudo dirigidoAtividade profissional ii   estudo dirigido
Atividade profissional ii estudo dirigido
Vanessa Marques
 
BIOSSEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS.pdf
BIOSSEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS.pdfBIOSSEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS.pdf
BIOSSEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS.pdf
BRENORIBEIRO49
 
ATUACAO DA CCIH NO CONTEXTO HOSPITALAR - PALESTRA UNITEC.pptx
ATUACAO DA CCIH NO CONTEXTO HOSPITALAR - PALESTRA UNITEC.pptxATUACAO DA CCIH NO CONTEXTO HOSPITALAR - PALESTRA UNITEC.pptx
ATUACAO DA CCIH NO CONTEXTO HOSPITALAR - PALESTRA UNITEC.pptx
ThaisOliveira108042
 
Instrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thatyInstrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thaty
T̶i̶a̶g̶o̶ ̶f̶a̶s̶c̶
 
Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
Rosimeyre Lira
 
Manual cir. 2017 hrl r2
Manual cir. 2017  hrl r2Manual cir. 2017  hrl r2
Manual cir. 2017 hrl r2
cfecury
 
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdf
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdfCURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdf
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdf
ssuserf1aeac2
 
Procedimentos medicos
Procedimentos medicosProcedimentos medicos
Procedimentos medicos
Seta Trevisan
 
Katia02
Katia02Katia02
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
Gabriela Montargil
 
AULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptx
AULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptxAULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptx
AULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptx
Renata Sousa
 
Katia
KatiaKatia
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Pop manipulação de horm, citostáticos e antib
Pop   manipulação de horm, citostáticos e antibPop   manipulação de horm, citostáticos e antib
Pop manipulação de horm, citostáticos e antib
Juciê Vasconcelos
 
Norma regulamentadora 32
Norma regulamentadora 32Norma regulamentadora 32
Norma regulamentadora 32
SonynhaRegis
 
guia_tecnico_portaria_veterinarias_1470426533.pdf
guia_tecnico_portaria_veterinarias_1470426533.pdfguia_tecnico_portaria_veterinarias_1470426533.pdf
guia_tecnico_portaria_veterinarias_1470426533.pdf
RenatoRibeiroRusso
 

Semelhante a Terapia antineoplasica graziela_0110(2) (20)

Aula SOBECC 2011 Cristiane Pavanello
Aula  SOBECC 2011 Cristiane PavanelloAula  SOBECC 2011 Cristiane Pavanello
Aula SOBECC 2011 Cristiane Pavanello
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
 
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptxInstrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgência
 
Atividade profissional ii estudo dirigido
Atividade profissional ii   estudo dirigidoAtividade profissional ii   estudo dirigido
Atividade profissional ii estudo dirigido
 
BIOSSEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS.pdf
BIOSSEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS.pdfBIOSSEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS.pdf
BIOSSEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS.pdf
 
ATUACAO DA CCIH NO CONTEXTO HOSPITALAR - PALESTRA UNITEC.pptx
ATUACAO DA CCIH NO CONTEXTO HOSPITALAR - PALESTRA UNITEC.pptxATUACAO DA CCIH NO CONTEXTO HOSPITALAR - PALESTRA UNITEC.pptx
ATUACAO DA CCIH NO CONTEXTO HOSPITALAR - PALESTRA UNITEC.pptx
 
Instrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thatyInstrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thaty
 
Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
 
Manual cir. 2017 hrl r2
Manual cir. 2017  hrl r2Manual cir. 2017  hrl r2
Manual cir. 2017 hrl r2
 
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdf
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdfCURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdf
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdf
 
Procedimentos medicos
Procedimentos medicosProcedimentos medicos
Procedimentos medicos
 
Katia02
Katia02Katia02
Katia02
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
 
AULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptx
AULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptxAULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptx
AULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptx
 
Katia
KatiaKatia
Katia
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Hist rico uti
 
Pop manipulação de horm, citostáticos e antib
Pop   manipulação de horm, citostáticos e antibPop   manipulação de horm, citostáticos e antib
Pop manipulação de horm, citostáticos e antib
 
Norma regulamentadora 32
Norma regulamentadora 32Norma regulamentadora 32
Norma regulamentadora 32
 
guia_tecnico_portaria_veterinarias_1470426533.pdf
guia_tecnico_portaria_veterinarias_1470426533.pdfguia_tecnico_portaria_veterinarias_1470426533.pdf
guia_tecnico_portaria_veterinarias_1470426533.pdf
 

Terapia antineoplasica graziela_0110(2)

  • 2. • Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões do corpo.
  • 3. Sexo Masculino: Estimativas, para o ano 2008, das taxas brutas de incidência por 100 mil e de número de casos novos por câncer, em homens, segundo localização primária. Localização Primária Neoplasia maligna Estimativa dos casos novos Estado Capital Casos Taxa Bruta Casos Taxa Bruta Próstata 49.530 52,43 13.990 67,81 Traquéia, Brônquio e Pulmão 17.810 18,86 5.150 24,91 Estômago 14.080 14,92 3.590 17,42 Cólon e Reto 12.490 13,23 4.360 20,99 Cavidade Oral 10.380 11 3.000 14,45 Esôfago 7.900 8,35 1.640 7,84 Leucemias 5.220 5,52 1.460 7,06 Pele Melanoma 2.950 3,09 830 3,80 Outras Localizações 55.610 58,87 17.010 82,32 Subtotal 175.970 186,29 51.030 246,97 Pele não Melanoma 55.890 59,16 13.230 64,02 Todas as Neoplasias 231.860 245,47 64.260 310,93 Fonte: Estimativa 2008 – Incidência de Câncer no Brasil, INCA (Instituto Nacional de Câncer) Incidência de Câncer
  • 4. Localização Primária Neoplasia maligna Estimativa dos casos novos Estado Capital Casos Taxa Bruta Casos Taxa Bruta Mama Feminina 49.400 50,71 17.400 76,04 Colo do Útero 18.680 19,18 5.620 24,49 Cólon e Reto 14.500 14,88 5.450 23,8 Traquéia, Brônquio e Pulmão 9.460 9,72 3.070 13,49 Estômago 7.720 7,93 2.380 10,3 Leucemias 4.320 4,44 1.340 5,89 Cavidade Oral 3.780 3,88 1.140 4,83 Pele Melanoma 2.970 3,03 930 3,69 Esôfago 2.650 2,72 620 2,3 Outras Localizações 62.270 63,93 22.530 98,39 Subtotal 175.750 180,43 60.480 264,11 Pele não Melanoma 59.120 60,7 14.140 61,73 Todas as Neoplasias 234.870 241,09 74.620 325,77 Sexo Feminino: Estimativas, para o ano 2008, das taxas brutas de incidência por 100 mil e de número de casos novos por câncer, em mulheres, segundo localização primária. Incidência de Câncer Fonte: Estimativa 2008 – Incidência de Câncer no Brasil, INCA (Instituto Nacional de Câncer)
  • 6. Quimioterapia/ Terapia Antineoplásica Terapia Antineoplásica (TA): conjunto de procedimentos terapêuticos medicamentosos aplicados ao paciente oncológico ou a quem deles necessitar.
  • 7.  Portaria MS 3535/ 98 ◦ CSB Classe II B2, ◦ Sala exclusiva com 5 m2 por cabine.  RDC ANVISA 50/ 2002 ◦ Unidade Funcional Apoio Técnico/ Farmácia  CSB Classe II B2,  Sala exclusiva com 5 m2 por cabine.
  • 8. ◦ Oncologista ou hematologista; ◦ Enfermeiro (RT atividades de enfermagem); ◦ Farmacêutico (RT atividades de farmácia). Serviço de Terapia Antineoplásica (STA): serviço de saúde composto por equipe multiprofissional especializada na atenção à saúde de pacientes oncológicos que necessitem de tratamento medicamentoso.
  • 9.  Atribuições EMTA: ◦ Supervisionar todas as etapas da TA; ◦ Criar mecanismos para farmacovigilância, tecnovigilância e biosegurança; ◦ Estabelecer protocolos; ◦ Capacitar profissionais envolvidos.
  • 10. ◦ Observação clínica e prescrição médica; ◦ Preparação: avaliação da prescrição, manipulação, controle de qualidade e conservação; ◦ Transporte; ◦ Administração; ◦ Descarte; ◦ Documentação e registros que garantam rastreabilidade em todas as etapas do processo.
  • 11. ◦ Deve atender às Boas Práticas de Preparação da TA (Anexo III); ◦ Medicamentos e materiais devem atender a especificação técnica detalhada pela EMTA; ◦ Fornecedores de medicamentos e materiais devem ser qualificados; ◦ Pode ser contratada:  Alvará sanitário;  Contrato formal de prestação de serviços;  Farmacêutico deve compôr a EMTA.
  • 12.  Qualificação de Fornecedores  Padronização de Medicamentos e Produtos para Saúde  Recebimento  Armazenamento  Manipulação  Acondicionamento/ Transporte  Descarte
  • 13. • Atendimento às especificações definidas pela EMTA, • Fornecer somente medicamentos e materiais regularizados junto a ANVISA, • Fornecer certificado de análise por lote, quando aplicável, • Processo documentado.
  • 14.  Verificação de recebimento documentada, observando a integridade da embalagem, a correspondência entre o pedido, a nota de entrega e os rótulos do material recebido.  Quando uma única remessa de medicamentos, produtos farmacêuticos e produtos para a saúde contiver lotes distintos, cada lote deve ser levado em consideração separadamente para inspeção e liberação.
  • 15.  Todos os medicamentos destinados a TA devem ser separados dos demais, armazenados sob condições apropriadas, de modo a preservar a identidade e integridade dos mesmos.  No caso de medicamentos que exijam condições especiais de temperatura, deve existir registro e controle de temperatura que comprovem o atendimento as exigências.
  • 17.
  • 18.  Prazo de utilização preconizado: ◦ Produtos manipulados para utilização em até 48h, do início da preparação até o término de sua administração, devem atender as disposições estabelecidas neste regulamento, de maneira a reduzir o risco de contaminação inerente ao procedimento.  Prazo de utilização acima de 48 horas: ◦ Deve atender requisitos da RDC ANVISA 67/07 sobre Manipulação Farmacêutica – Anexo Estéreis.
  • 19. Exigências RDC Anvisa 220/04:  Área destinada à paramentação: provida de lavatório para higienização das mãos;  Sala exclusiva para preparação de medicamentos para TA, com área mínima de 5 (cinco) m2 por cabine de segurança biológica;  Cabine de Segurança Biológica (CSB) Classe II B2;  Área de armazenamento exclusiva para medicamentos da TA. Utilização em 48 horas!
  • 20. Exigências RDC Anvisa 67/07: • Sala de paramentação com câmaras fechadas, preferencialmente com dois ambientes (barreira sujo/ limpo) para troca de roupa; • Sala para limpeza e higienização de medicamentos classe ISO 8 (100.000 partículas/ pé cúbico de ar) contígua à sala de manipulação; • Sala destinada à manipulação, independente e exclusiva, em área ISO Classe 7 e cabine de segurança biológica ISO Classe 5. – Pressão negativa em relação às salas adjacentes.
  • 21.
  • 22. A CSB deve ser validada com periodicidade semestral e sempre que houver movimentação ou reparos, por pessoal treinado, e o processo registrado.
  • 23.  Avental longo ou macacão de uso restrito a área de preparação, com baixa liberação de partículas, baixa permeabilidade, frente fechada, com mangas longas e punho elástico;  Luvas (tipo cirúrgica) de látex, punho longo, sem talco e estéreis.
  • 24.  Procedimento:  Coloque a touca e os propés no vestiário;  Higienize as mãos com Álcool 70 ;⁰  Vista o avental no vestiário;  Calce o primeiro par de luvas cirúrgicas de látex;  Calce o segundo par de luvas cirúrgicas de látex. Utilize o segundo par de luvas apenas no ambiente interno da cabine de segurança biológica, durante o preparo.  Troque os pares de luvas a cada hora de manipulação e imediatamente após acidentes, desprezando-os em lixo químico.  Ao final do dia, despreze o avental, os propés e a touca em lixo químico.
  • 25. ◦ Procedimentos escritos; ◦ Avaliação da prescrição médica; ◦ Registro de todas as manipulações, indicando lote e fabricante; ◦ Rótulo com informações detalhadas, inclusive prazo de validade e condições para conservação; ◦ Inspeção visual; ◦ Garantia de conservação e transporte.
  • 26. PRESCRIÇÃO MÉDICA SEM AVALIAÇÃO RECEBA A PRESCRIÇÃO MÉDICA CONFIRA AS INFORMAÇÕES DO PACIENTE CONFIRA CÁLCULO DE SUPERFÍCIE CORPÓREA E ESQUEMA TERAPÊUTICO VERIFIQUE DILUIÇÃO, TEMPO DE INFUSÃO E VIA DE ADMINISTRAÇÃO VERIFIQUE DOSE ACUMULADA E RESTRIÇÃO DE DOSE PRESCRIÇÃO OK ? ANOTE MATERIAL UTILIZADO E ORIENTAÇÕES ESPECIAIS CARIMBE E ASSINE ENCAMINHE A PRESCRIÇÃO PARA MANIPULAÇÃO PRESCRIÇÃO AVALIADA CONFIRME AS DÚVIDAS COM O MÉDICO E ANOTE EM FORMULÁRIO ESPECÍFICO Fluxograma de Avaliação Farmacêutica da Prescrição
  • 29.
  • 30.  Recipiente isotérmico exclusivo;  Garantia de conservação;  Treinamento do colaborador para gerenciamento de riscos e acidentes.
  • 31. ◦ Deve atender às Boas Práticas de Administração da TA (Anexo IV); ◦ Deve dispor de materiais, equipamentos e médico para atendimento de emergências.
  • 32. ◦ EPIs: avental e luvas; ◦ Procedimentos escritos; ◦ Protocolos para acidentes de punção e extravasamentos; ◦ Avaliação da prescrição médica; ◦ Inspeção visual e verificação do produto preparado antes da administração; ◦ Registro em prontuário de evolução de enfermagem, eventos adversos e ocorrência de extravasamentos.
  • 33. O STA deve dispor para atendimento de emergência médica, no próprio local ou em área contígua e de fácil acesso, e em plenas condições de funcionamento . Materiais e equipamentos:  a) Eletrocardiógrafo  b) Carro de emergência com monitor cardíaco e desfibrilador  c) Ventilador pulmonar manual (AMBU com reservatório)  d) Medicamentos de emergência  e) Ponto de oxigênio  f) Aspirador portátil  g) Material de entubação completo (tubos endotraqueais, cânulas, guias e laringoscópios com jogo completo de lâminas).
  • 34. • Kit de derramamento identificado e disponível em todas as áreas onde são realizadas atividades de manipulação, armazenamento, administração e transporte; • Composição do Kit: luvas de procedimento, avental, compressas absorventes, proteção respiratória, proteção ocular, sabão, descrição do procedimento e formulário de notificação, recipiente para recolhimento dos resíduos; • Classificação de acidentes: pessoal, na cabine, ambiental.
  • 35. ◦ Infra-estrutura: RDC/ANVISA n.°50, de 21/02/2002. ◦ Limpeza e desinfecção: Manual de Processamento de Artigos e Superfícies em Estabelecimentos de Saúde do Ministério da Saúde/1994. ◦ Descarte de resíduos: RDC/ANVISA n° 33 de 25/02/2003, substituída pela RDC/ANVISA n° 306 de 07/12/2004. ◦ Prevenção e Controle de Infecção e Eventos Adversos: Portaria GM/MS n. º 2616, de 12/05/1998.
  • 36. ◦ Frascos e equipos: RDC/ANVISA n° 45, de 12/03/2003. ◦ Saúde ocupacional: NR nº 7 do Ministério do Trabalho, substituída pela NR 32/ MT de 11/11/2005. ◦ Farmácia de manipulação contratada: RDC/ANVISA nº 33, de 25/02/2000, substituída pela RDC/ANVISA nº 67, de 08/10/2007. ◦ Cadastramento de serviços de alta complexidade: Portaria SAS nº 741, de 19/12/2005.

Notas do Editor

  1. Todas as cabines possuem uma abertura frontal e o fluxo de ar no seu interior forma uma barreira ou cortina que protege o manipulador e o ambiente de contaminantes gerados no interior da cabine. O local não pode apresentar correntes de ar