SlideShare uma empresa Scribd logo
Tumores Cerebrais
Sistema Nervoso Central
As principais áreas do cérebro
incluem o cérebro, cerebelo e tronco
cerebral (que sustenta todo o
cérebro) e a medula espinhal, e
possuem diversos tipos de células. O
cérebro é protegido pelos ossos do
crânio. Da mesma forma, a medula
espinhal é protegida pelas vértebras
da coluna vertebral.
O cérebro e a medula são cercados e
protegidos pelo líquido
cefalorraquidiano (LCR), que
contém basicamente água com
proteínas, glicose (açúcar), glóbulos
brancos e hormônios.
Estruturas do Sistema Nervoso Central
De acordo com o Instituto Nacional
de Câncer (INCA), no Brasil, 4% das
mortes por câncer estão relacionadas
com os tumores cerebrais.
Além dos tumores próprios do
cérebro, 25% dos tumores que se
originam em outras regiões do corpo
se disseminam para o cérebro
(metástases).
Dados Estatísticos
A palavra tumor significa qualquer
crescimento anormal de células de
uma parte do corpo, podendo ser
benigno ou maligno. Os tumores
malignos são denominados câncer.
Nem todos os tumores cerebrais são
câncer, mas como o crânio é uma
“caixa fechada”, mesmo os tumores
benignos do SNC podem ser muito
perigosos, por comprimirem
estruturas vitais do cérebro.
???
O que é Tumor Cerebral
Os tumores do SNC afetam diferentes
funções podendo provocar sinais e
sintomas como:
• Dor de cabeça, náuseas e vômitos
persistentes.
• Alterações visuais e auditivas.
• Convulsões, agitação motora e
movimentos involuntários.
• Fraqueza ou rigidez muscular.
• Perda de sensibilidade em qualquer
parte do corpo.
• Falta de coordenação.
• Dificuldade para falar ou entender o
que é dito.
• Esquecimento das palavras ou
problemas de leitura e escrita.
Sinais e Sintomas
Os principais fatores de risco para os tumores do
SNC são:
• Gênero: É mais comum em homens do que
em mulheres.
• Idade: Embora possa desenvolver-se em
qualquer idade, é mais comum em pessoas
acima de 65 anos.
• Radiação: Ocorre com maior frequência em
pessoas que fizeram radioterapia prévia na
cabeça.
• É mais frequente em pessoas que fizeram
tratamento de leucemia durante a infância.
• Exposição ao cloreto de vinilo para produção
de plástico.
• Pacientes com baixa imunidade.
• Pacientes com HIV.
Fatores de Risco
Como parte da investigação diagnóstica
pode ser solicitado exames, como:
• Tomografia computadorizada para
observar possíveis lesões.
• Ressonância magnética para achar
possíveis lesões e estruturas
vasculares.
• Radiografia e tomografia do tórax para
determinar se o tumor encontrado no
SNC se originou em um órgão como os
pulmões.
• PET scan em casos específicos.
Além disso pode ser feita uma punção
lombar para análise do LCR.
Exames de Imagem
A biopsia é o exame definitivo para o
diagnóstico tanto de tumores do SNC,
como de outros órgãos. Consiste na
retirada de uma amostra do tumor para
ser examinada por um patologista.
Esta análise consegue, na maioria das vezes, determinar não só se o tumor é
originário do SNC ou se é uma metástase de outro órgão, mas também
informar o subtipo histológico, isto é, a célula de origem do tumor.
Biópsia
Tumor Cerebral Primário
Os tumores que têm origem no cérebro são
denominados tumores cerebrais primários e
geralmente só se disseminam no próprio SNC.
É raro se disseminarem para outros órgãos.
Tumor Cerebral Secundário
Os tumores que se originam em outros órgãos,
como mama ou pulmão, e se disseminam para
o cérebro, são denominados tumores
metastáticos ou tumores cerebrais secundários.
As metástases constituem a maioria das lesões cancerosas
encontradas no SNC de adultos.
Tipos de Tumores do SNC
Meningioma
Representa 25 % dos tumores
cerebrais e cerca de 85% dos casos
são benignos. É mais comum em
pessoas na faixa dos 70 a 80 anos e
em mulheres.
Se origina nas meninges e é
frequentemente encontrado na
parte frontal ou posterior do
cérebro.
Alguns meningiomas são atípicos,
tendo um comportamento mais
agressivo .
Gliomas
Os tumores cerebrais primários se
originam no próprio órgão. Quase
sempre, os tumores primários são
gliomas, que crescem a partir dos
tecidos que rodeiam e dão suporte
aos neurônios.
Existem vários tipos de gliomas: o
glioblastoma multiforme é o tipo
mais incidente e mais agressivo;
outros tipos podem ser o
astrocitoma e o oligodendroglioma.
Glioblastoma
O glioblastoma ou glioblastoma
multiforme (GM) é o tipo mais
comum de tumor cerebral maligno
em adultos e representa de 50% a
60% dos casos.
Embora o glioblastoma possa ocorrer
em qualquer faixa etária, é mais
comum em adultos entre 50 e 70
anos. Menos de 10% dos tumores
cerebrais infantis são glioblastomas.
O GM é de crescimento rápido e se
dissemina pelo cérebro de maneira
relativamente rápida.
Astrocitoma
Astrocitoma é um tumor que pode
aparecer no cérebro ou no cerebelo.
Pode ser de baixo grau (crescimento
muito lento) ou intermediário
(crescimento mais rápido, mas não
tão rápido ou ramificante como o
glioblastoma). Corresponde a cerca
de 35% dos tumores cerebrais.
Ocorre em idosos mas também em
faixas etárias mais jovens, assim
como na infância.
Ependimomas
Os ependimomas são originários das
células que cobrem a superfície interna
do cérebro, o que significa que cobrem
internamente os ventrículos cerebrais,
que são cavidades centrais preenchidas
pelo LCR.
A distribuição etária é ampla,
acometendo crianças e adultos. Formam
massas acinzentadas, bem delimitadas,
que podem ter aspecto de couve-flor,
infiltrando o tecido cerebral adjacente.
Têm tendência a repetidas recidivas pós-
cirúrgicas e seu prognóstico é reservado.
Oligodendrogliomas
Os oligodendrogliomas
correspondem a cerca de 4% dos
tumores cerebrais. São tumores de
crescimento lento e baixa
malignidade que acometem
predominantemente a chamada
substância branca dos hemisférios
cerebrais.
São mais frequentes entre 35 e 45
anos.
Ganglioglioma
Os gangliogliomas são tumores
raros, que contém tanto neurônios
como células gliais (células de
suporte).
A grande maioria dos
gangliogliomas têm bom
prognóstico após ressecção cirúrgica
adequada.
Meduloblastoma
O meduloblastoma é o tumor mais
comum em crianças, que ocorre,
usualmente, entre os 4 e 10 anos,
mais em meninos do que em meninas
e se origina nos neurônios do
cerebelo.
Têm crescimento rápido, mas pode
ser tratado e curado com cirurgia e
radioterapia.
Schwannoma
Os schwannomas têm origem nas
células de schwann, que revestem os
nervos e correspondem a 7% de todos
os tumores do SNC. São também os
principais tumores do sistema
nervoso periférico.
O tratamento é cirúrgico e o sucesso
dependerá do local de acometimento
e do tamanho do tumor.
Cordoma
Os cordomas são tumores raros que
começam no osso da base do crânio
ou na extremidade inferior da coluna
vertebral.
Eles são tratados com cirurgia, se
possível, muitas vezes seguida de
radioterapia. Eles geralmente não se
disseminam para outros órgãos.
Linfomas
Ocasionalmente, os linfomas
(cânceres dos linfonodos no
pescoço, axila, abdome e região
inguinal) ocorrem no cérebro e são
denominados linfomas cerebrais.
Os sintomas iniciais podem incluir
alterações na personalidade,
convulsões ou outras alterações
neurológicas. O tratamento
consiste em químio e radioterapia.
Os tumores da medula espinhal podem
ser primários (originados na medula
espinhal) ou secundários (metástases).
São menos frequentes que os tumores
cerebrais e raros em crianças.
Apenas 10% dos tumores primários da
medula espinhal originam-se das células
nervosas situadas nesse órgão. O
restante são metástases. Dois terços dos
tumores são meningiomas e
schwannomas, mais raramente, gliomas
e sarcomas.
Tumor da Medula Espinhal
Craniofaringioma
Os craniofaringiomas são tumores
que crescem na base do cérebro, logo
acima da glândula hipófise e são
frequentemente diagnosticados em
crianças, adolescentes e adultos
jovens.
Não costumam se disseminar, mas
estão próximos a estruturas
importantes do cérebro, podendo
provocar problemas à medida que
crescem, como na visão e no
equilíbrio hormonal.
As crianças com craniofaringioma
podem ser obesas e apresentar
problemas de crescimento.
Hemangioblastoma
Os hemangioblastomas
correspondem a cerca de 2% dos
tumores cerebrais.
São tumores que crescem a partir de
células dos vasos sanguíneos, mas
também podem se desenvolver no
tronco cerebral.
São mais frequentes a partir dos 30
anos de idade.
Neuroma Acústico
O neuroma acústico cresce no nervo auditivo que controla a audição e o
equilíbrio, e está localizado entre o cerebelo e a ponte. É de crescimento
lento, e mais frequente em pessoas de meia idade. Ocorre mais em
mulheres do que em homens.
A perda de audição em um dos ouvidos é um sinal importante da presença
do tumor.
Tratamento
dos Tumores do SNC
O tratamento do tumores do SNC é realizado de modo
multidisciplinar, com a decisão conjunta entre o neurocirurgião,
radioterapeuta, oncologista e neurologista.
A combinação individualizada das diversas modalidades de
tratamento (cirurgia, radioterapia, tratamento sistêmico) oferece as
melhores possibilidades terapêuticas aos pacientes.
O tratamento cirúrgico depende,
essencialmente, do tipos e localização do
tumor. Muitos tumores cerebrais podem ser
removidos sem causar lesão no tecido
cerebral normal. No entanto, alguns podem
se desenvolver em áreas que torna difícil a
remoção pela proximidade a estruturas
essenciais que podem ser comprometidas.
A ressecção do tumor é necessária se o seu
crescimento afeta estruturas cerebrais
importantes.
Mesmo em casos em que a cirurgia não seja curativa, o procedimento
poderá ser útil para reduzir o tamanho do tumor, aliviar sintomas e
permitir ao médico determinar a melhor opção terapêutica.
Tratamento Cirúrgico
A quimioterapia pode ser realizada apenas
com medicamentos ou em combinação
com outros tipos de tratamentos, como a
cirurgia ou a radioterapia.
A químio ataca não só as células tumorais,
mas também às células normais, por isso o
aparecimento de efeitos colaterais. Pode ser
administrada por via intravenosa, por via
oral ou ainda por um implante diretamente
no cérebro.
Tratamento Quimioterápico
Os medicamentos quimioterápicos são
direcionados às células que se dividem
rapidamente, por isso são muitas vezes
eficazes contra estas células. Mas existem
outros aspectos das células cancerígenas que
as tornam diferentes das células normais.
Recentemente, os pesquisadores
desenvolveram medicamentos alvo para
tentar explorar essas diferenças. As drogas
alvo geralmente não têm os mesmos tipos de
efeitos colaterais que os quimioterápicos
convencionais.
Terapia Alvo
A radioterapia pode ser administrada
isoladamente ou em combinação com
cirurgia, químio ou ambos. Os
quimioterápicos podem ser utilizados
como drogas radiossensibilizantes, que
tornam as células tumorais mais sensíveis
à radiação.
É essencial um equipamento moderno de
radioterapia, para tratar de maneira
adequada o tecido tumoral, poupando ao
máximo o tecido cerebral adjacente.
Tratamento Radioterápico
O tratamento das metástases cerebrais
depende, principalmente, da região onde se
originou o tumor. Muitas vezes, a opção
inicial é a radioterapia.
O tratamento cirúrgico pode ser útil no caso
de existirem apenas uma ou duas
metástases. Outros tratamentos incluem
quimioterapia, inserção de implantes
radioativos dentro do tumor e radiocirurgia.
Tratamentos de Metástases
Efeitos Colaterais do
Tratamento
• Corticosteroides - Ajudam a reduzir o
inchaço do cérebro. O tratamento é
contínuo e só pode ser interrompido
com autorização do médico. Os
efeitos colaterais dos corticosteroides
podem incluir ganho de peso,
retenção de água, insônia,
crescimento de pelos, úlceras
estomacais, risco aumentado de
infecção e mudanças de humor.
• Hormônios - São usados para tratar
certos tipos de tumores e substituir
hormônios que o organismo não
esteja mais produzindo.
Muitos dos efeitos colaterais dos tratamentos podem
ser amenizados com o uso de medicamentos:
• Anticonvulsivantes - Ajudam a
prevenir convulsões ou ataques
epiléticos. O tratamento é
contínuo. O médico pode pedir
exames de sangue para
determinar a dose apropriada
para o tratamento.
• Antieméticos - Ajudam a
controlar as náuseas.
• Antiácidos - Ajudam a reduzir e
controlar a dor.
Tumores Cerebrais / Sistema Nervoso Central

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
Aroldo Gavioli
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
blogped1
 
Câncer de Pulmão
Câncer de Pulmão Câncer de Pulmão
Câncer de Pulmão
Oncoguia
 
Neoplasia slide
Neoplasia slideNeoplasia slide
Neoplasia slide
Letícia Morais
 
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNCCâncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Laped Ufrn
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
resenfe2013
 
Tumores em pediatria (ppt)
Tumores em pediatria (ppt)Tumores em pediatria (ppt)
Tumores em pediatria (ppt)
Universidade Norte do Paraná
 
Hipotireoidismo e Hipertireoidismo
Hipotireoidismo e HipertireoidismoHipotireoidismo e Hipertireoidismo
Hipotireoidismo e Hipertireoidismo
Taillany Caroline
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
resenfe2013
 
Anemia 20
Anemia 20Anemia 20
Anemia 20
pauloalambert
 
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do Mediastino
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do MediastinoRadiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do Mediastino
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do Mediastino
Flávia Salame
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
Joziane Brunelli
 
Oncologia +i
Oncologia +iOncologia +i
Avaliação sistemática da radiografia do tórax
Avaliação sistemática da radiografia do tóraxAvaliação sistemática da radiografia do tórax
Avaliação sistemática da radiografia do tórax
Bruna Cesário
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Apresentação leucemia
Apresentação leucemiaApresentação leucemia
Apresentação leucemia
Laboratório Sérgio Franco
 
Slide 1 Aula 1 Hematologia
Slide 1   Aula 1 HematologiaSlide 1   Aula 1 Hematologia
Slide 1 Aula 1 Hematologia
samir12
 
Tudo Sobre Câncer de Próstata
Tudo Sobre Câncer de PróstataTudo Sobre Câncer de Próstata
Tudo Sobre Câncer de Próstata
Oncoguia
 
Traumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálicoTraumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálico
jessica sanielly
 
AVC Isquemico
AVC IsquemicoAVC Isquemico
AVC Isquemico
ctisaolucascopacabana
 

Mais procurados (20)

Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
 
Câncer de Pulmão
Câncer de Pulmão Câncer de Pulmão
Câncer de Pulmão
 
Neoplasia slide
Neoplasia slideNeoplasia slide
Neoplasia slide
 
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNCCâncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Tumores em pediatria (ppt)
Tumores em pediatria (ppt)Tumores em pediatria (ppt)
Tumores em pediatria (ppt)
 
Hipotireoidismo e Hipertireoidismo
Hipotireoidismo e HipertireoidismoHipotireoidismo e Hipertireoidismo
Hipotireoidismo e Hipertireoidismo
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Anemia 20
Anemia 20Anemia 20
Anemia 20
 
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do Mediastino
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do MediastinoRadiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do Mediastino
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do Mediastino
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
 
Oncologia +i
Oncologia +iOncologia +i
Oncologia +i
 
Avaliação sistemática da radiografia do tórax
Avaliação sistemática da radiografia do tóraxAvaliação sistemática da radiografia do tórax
Avaliação sistemática da radiografia do tórax
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
 
Apresentação leucemia
Apresentação leucemiaApresentação leucemia
Apresentação leucemia
 
Slide 1 Aula 1 Hematologia
Slide 1   Aula 1 HematologiaSlide 1   Aula 1 Hematologia
Slide 1 Aula 1 Hematologia
 
Tudo Sobre Câncer de Próstata
Tudo Sobre Câncer de PróstataTudo Sobre Câncer de Próstata
Tudo Sobre Câncer de Próstata
 
Traumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálicoTraumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálico
 
AVC Isquemico
AVC IsquemicoAVC Isquemico
AVC Isquemico
 

Destaque

Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.
Luciane Santana
 
Conceito saude
Conceito saudeConceito saude
Conceito saude
Deolinda Silva
 
Apresentação meningite
Apresentação meningiteApresentação meningite
Apresentação meningite
Laboratório Sérgio Franco
 
Paraplegia
ParaplegiaParaplegia
Paraplegia
Abino David
 
Saude mental aula 3
Saude mental aula 3Saude mental aula 3
Saude mental aula 3
Aroldo Gavioli
 
Hemiplegia
HemiplegiaHemiplegia
Hemiplegia
Daniel Augustine
 
Meningite
MeningiteMeningite
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
Rosemar Prota
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
Andressa Macena
 
Brain mets video
Brain mets videoBrain mets video
Brain mets video
Robert J Miller MD
 
Paraplegia
ParaplegiaParaplegia
Paraplegia
Naveen Kumar
 
Trabalho Saúde Mental
Trabalho Saúde MentalTrabalho Saúde Mental
Trabalho Saúde Mental
Faculdade União das Américas
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
Aliny Lima
 
Saúde Mental
Saúde Mental Saúde Mental
Saúde Mental
Marco Aurélio Leão
 
Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
Simone Elisa Heitor
 

Destaque (15)

Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.
 
Conceito saude
Conceito saudeConceito saude
Conceito saude
 
Apresentação meningite
Apresentação meningiteApresentação meningite
Apresentação meningite
 
Paraplegia
ParaplegiaParaplegia
Paraplegia
 
Saude mental aula 3
Saude mental aula 3Saude mental aula 3
Saude mental aula 3
 
Hemiplegia
HemiplegiaHemiplegia
Hemiplegia
 
Meningite
MeningiteMeningite
Meningite
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Brain mets video
Brain mets videoBrain mets video
Brain mets video
 
Paraplegia
ParaplegiaParaplegia
Paraplegia
 
Trabalho Saúde Mental
Trabalho Saúde MentalTrabalho Saúde Mental
Trabalho Saúde Mental
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
 
Saúde Mental
Saúde Mental Saúde Mental
Saúde Mental
 
Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
 

Semelhante a Tumores Cerebrais / Sistema Nervoso Central

Neuroblastoma
NeuroblastomaNeuroblastoma
Neuroblastoma
Oncoguia
 
Jornada Paulista de Radiologia - cobertura jornalística
Jornada Paulista de Radiologia - cobertura jornalísticaJornada Paulista de Radiologia - cobertura jornalística
Jornada Paulista de Radiologia - cobertura jornalística
CBPortfolio
 
Nódulo Pulmonar Solitário
Nódulo Pulmonar SolitárioNódulo Pulmonar Solitário
Nódulo Pulmonar Solitário
Alex Eduardo Ribeiro
 
Câncer 1 D
Câncer 1 DCâncer 1 D
Radioterapia: Braquiterapia e Teleterapia
Radioterapia: Braquiterapia e TeleterapiaRadioterapia: Braquiterapia e Teleterapia
Radioterapia: Braquiterapia e Teleterapia
brunaraevely1
 
Apresentação_grupo 4.pptx
Apresentação_grupo 4.pptxApresentação_grupo 4.pptx
Apresentação_grupo 4.pptx
brunaraevely1
 
pdf_20230315_191333_0000.pdf
pdf_20230315_191333_0000.pdfpdf_20230315_191333_0000.pdf
pdf_20230315_191333_0000.pdf
ClaraluaSilva
 
Câncer de cérebro 🧠🧠
Câncer de cérebro 🧠🧠 Câncer de cérebro 🧠🧠
Câncer de cérebro 🧠🧠
ClaraluaSilva
 
pdf_20230315_191237_0000.pdf
pdf_20230315_191237_0000.pdfpdf_20230315_191237_0000.pdf
pdf_20230315_191237_0000.pdf
ClaraluaSilva
 
Câncer de cérebro
Câncer de cérebro Câncer de cérebro
Câncer de cérebro
ClaraluaSilva
 
O câncer infantil corresponde a um grupo de várias doenças que tem em comum a...
O câncer infantil corresponde a um grupo de várias doenças que tem em comum a...O câncer infantil corresponde a um grupo de várias doenças que tem em comum a...
O câncer infantil corresponde a um grupo de várias doenças que tem em comum a...
Alex Astor Maia
 
O câncer infantil corresponde a um grupo de várias doenças que tem em comum a...
O câncer infantil corresponde a um grupo de várias doenças que tem em comum a...O câncer infantil corresponde a um grupo de várias doenças que tem em comum a...
O câncer infantil corresponde a um grupo de várias doenças que tem em comum a...
Alex Astor Maia
 
Síndromes Respiratórias PL 03
Síndromes Respiratórias PL 03Síndromes Respiratórias PL 03
Síndromes Respiratórias PL 03
rdgomlk
 
TC tórax: tumores do mediastino
TC tórax: tumores do mediastinoTC tórax: tumores do mediastino
TC tórax: tumores do mediastino
arbarretto
 
Apresentação câncer de pulmão
Apresentação câncer de pulmãoApresentação câncer de pulmão
Apresentação câncer de pulmão
Laboratório Sérgio Franco
 
Apresentação câncer de pulmão
Apresentação câncer de pulmãoApresentação câncer de pulmão
Apresentação câncer de pulmão
Sérgio Franco - CDPI
 
CâNcer
CâNcerCâNcer
CâNcer
ISJ
 
Final
FinalFinal
Câncer de Pênis
Câncer de PênisCâncer de Pênis
Câncer de Pênis
Oncoguia
 
Sarcoma de Partes Moles
Sarcoma de Partes MolesSarcoma de Partes Moles
Sarcoma de Partes Moles
Oncoguia
 

Semelhante a Tumores Cerebrais / Sistema Nervoso Central (20)

Neuroblastoma
NeuroblastomaNeuroblastoma
Neuroblastoma
 
Jornada Paulista de Radiologia - cobertura jornalística
Jornada Paulista de Radiologia - cobertura jornalísticaJornada Paulista de Radiologia - cobertura jornalística
Jornada Paulista de Radiologia - cobertura jornalística
 
Nódulo Pulmonar Solitário
Nódulo Pulmonar SolitárioNódulo Pulmonar Solitário
Nódulo Pulmonar Solitário
 
Câncer 1 D
Câncer 1 DCâncer 1 D
Câncer 1 D
 
Radioterapia: Braquiterapia e Teleterapia
Radioterapia: Braquiterapia e TeleterapiaRadioterapia: Braquiterapia e Teleterapia
Radioterapia: Braquiterapia e Teleterapia
 
Apresentação_grupo 4.pptx
Apresentação_grupo 4.pptxApresentação_grupo 4.pptx
Apresentação_grupo 4.pptx
 
pdf_20230315_191333_0000.pdf
pdf_20230315_191333_0000.pdfpdf_20230315_191333_0000.pdf
pdf_20230315_191333_0000.pdf
 
Câncer de cérebro 🧠🧠
Câncer de cérebro 🧠🧠 Câncer de cérebro 🧠🧠
Câncer de cérebro 🧠🧠
 
pdf_20230315_191237_0000.pdf
pdf_20230315_191237_0000.pdfpdf_20230315_191237_0000.pdf
pdf_20230315_191237_0000.pdf
 
Câncer de cérebro
Câncer de cérebro Câncer de cérebro
Câncer de cérebro
 
O câncer infantil corresponde a um grupo de várias doenças que tem em comum a...
O câncer infantil corresponde a um grupo de várias doenças que tem em comum a...O câncer infantil corresponde a um grupo de várias doenças que tem em comum a...
O câncer infantil corresponde a um grupo de várias doenças que tem em comum a...
 
O câncer infantil corresponde a um grupo de várias doenças que tem em comum a...
O câncer infantil corresponde a um grupo de várias doenças que tem em comum a...O câncer infantil corresponde a um grupo de várias doenças que tem em comum a...
O câncer infantil corresponde a um grupo de várias doenças que tem em comum a...
 
Síndromes Respiratórias PL 03
Síndromes Respiratórias PL 03Síndromes Respiratórias PL 03
Síndromes Respiratórias PL 03
 
TC tórax: tumores do mediastino
TC tórax: tumores do mediastinoTC tórax: tumores do mediastino
TC tórax: tumores do mediastino
 
Apresentação câncer de pulmão
Apresentação câncer de pulmãoApresentação câncer de pulmão
Apresentação câncer de pulmão
 
Apresentação câncer de pulmão
Apresentação câncer de pulmãoApresentação câncer de pulmão
Apresentação câncer de pulmão
 
CâNcer
CâNcerCâNcer
CâNcer
 
Final
FinalFinal
Final
 
Câncer de Pênis
Câncer de PênisCâncer de Pênis
Câncer de Pênis
 
Sarcoma de Partes Moles
Sarcoma de Partes MolesSarcoma de Partes Moles
Sarcoma de Partes Moles
 

Mais de Oncoguia

Relatório de atividades do Instituto Oncoguia2022
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia2022Relatório de atividades do Instituto Oncoguia2022
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia2022
Oncoguia
 
Câncer de mama: pontos que merecem atenção!
Câncer de mama: pontos que merecem atenção!Câncer de mama: pontos que merecem atenção!
Câncer de mama: pontos que merecem atenção!
Oncoguia
 
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' PerspectiveFeelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
Oncoguia
 
Insights from a Brazilian Patient Group
Insights from a Brazilian Patient GroupInsights from a Brazilian Patient Group
Insights from a Brazilian Patient Group
Oncoguia
 
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
Oncoguia
 
Obesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicasObesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicas
Oncoguia
 
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favelaPesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Oncoguia
 
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileirasPercepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
Oncoguia
 
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
Oncoguia
 
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadoresImpactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
Oncoguia
 
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicasCosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
Oncoguia
 
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
Oncoguia
 
Por uma oncologia mais atual e justa
 Por uma oncologia mais atual e justa Por uma oncologia mais atual e justa
Por uma oncologia mais atual e justa
Oncoguia
 
Percepções da população brasileira sobre o câncer
Percepções da população brasileira sobre o câncerPercepções da população brasileira sobre o câncer
Percepções da população brasileira sobre o câncer
Oncoguia
 
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdfDatafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
Oncoguia
 
Como contribuir em Consulta Pública da Conitec
Como contribuir em Consulta Pública da ConitecComo contribuir em Consulta Pública da Conitec
Como contribuir em Consulta Pública da Conitec
Oncoguia
 
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
Oncoguia
 
Study of cancer patient's communication of pain to the health team
Study of cancer patient's communication of pain to the health teamStudy of cancer patient's communication of pain to the health team
Study of cancer patient's communication of pain to the health team
Oncoguia
 
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
Oncoguia
 
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
Oncoguia
 

Mais de Oncoguia (20)

Relatório de atividades do Instituto Oncoguia2022
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia2022Relatório de atividades do Instituto Oncoguia2022
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia2022
 
Câncer de mama: pontos que merecem atenção!
Câncer de mama: pontos que merecem atenção!Câncer de mama: pontos que merecem atenção!
Câncer de mama: pontos que merecem atenção!
 
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' PerspectiveFeelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
 
Insights from a Brazilian Patient Group
Insights from a Brazilian Patient GroupInsights from a Brazilian Patient Group
Insights from a Brazilian Patient Group
 
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
 
Obesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicasObesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicas
 
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favelaPesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
 
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileirasPercepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
 
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
 
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadoresImpactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
 
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicasCosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
 
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
 
Por uma oncologia mais atual e justa
 Por uma oncologia mais atual e justa Por uma oncologia mais atual e justa
Por uma oncologia mais atual e justa
 
Percepções da população brasileira sobre o câncer
Percepções da população brasileira sobre o câncerPercepções da população brasileira sobre o câncer
Percepções da população brasileira sobre o câncer
 
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdfDatafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
 
Como contribuir em Consulta Pública da Conitec
Como contribuir em Consulta Pública da ConitecComo contribuir em Consulta Pública da Conitec
Como contribuir em Consulta Pública da Conitec
 
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
 
Study of cancer patient's communication of pain to the health team
Study of cancer patient's communication of pain to the health teamStudy of cancer patient's communication of pain to the health team
Study of cancer patient's communication of pain to the health team
 
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
 
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
 

Tumores Cerebrais / Sistema Nervoso Central

  • 1.
  • 3. As principais áreas do cérebro incluem o cérebro, cerebelo e tronco cerebral (que sustenta todo o cérebro) e a medula espinhal, e possuem diversos tipos de células. O cérebro é protegido pelos ossos do crânio. Da mesma forma, a medula espinhal é protegida pelas vértebras da coluna vertebral. O cérebro e a medula são cercados e protegidos pelo líquido cefalorraquidiano (LCR), que contém basicamente água com proteínas, glicose (açúcar), glóbulos brancos e hormônios. Estruturas do Sistema Nervoso Central
  • 4. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), no Brasil, 4% das mortes por câncer estão relacionadas com os tumores cerebrais. Além dos tumores próprios do cérebro, 25% dos tumores que se originam em outras regiões do corpo se disseminam para o cérebro (metástases). Dados Estatísticos
  • 5. A palavra tumor significa qualquer crescimento anormal de células de uma parte do corpo, podendo ser benigno ou maligno. Os tumores malignos são denominados câncer. Nem todos os tumores cerebrais são câncer, mas como o crânio é uma “caixa fechada”, mesmo os tumores benignos do SNC podem ser muito perigosos, por comprimirem estruturas vitais do cérebro. ??? O que é Tumor Cerebral
  • 6. Os tumores do SNC afetam diferentes funções podendo provocar sinais e sintomas como: • Dor de cabeça, náuseas e vômitos persistentes. • Alterações visuais e auditivas. • Convulsões, agitação motora e movimentos involuntários. • Fraqueza ou rigidez muscular. • Perda de sensibilidade em qualquer parte do corpo. • Falta de coordenação. • Dificuldade para falar ou entender o que é dito. • Esquecimento das palavras ou problemas de leitura e escrita. Sinais e Sintomas
  • 7. Os principais fatores de risco para os tumores do SNC são: • Gênero: É mais comum em homens do que em mulheres. • Idade: Embora possa desenvolver-se em qualquer idade, é mais comum em pessoas acima de 65 anos. • Radiação: Ocorre com maior frequência em pessoas que fizeram radioterapia prévia na cabeça. • É mais frequente em pessoas que fizeram tratamento de leucemia durante a infância. • Exposição ao cloreto de vinilo para produção de plástico. • Pacientes com baixa imunidade. • Pacientes com HIV. Fatores de Risco
  • 8. Como parte da investigação diagnóstica pode ser solicitado exames, como: • Tomografia computadorizada para observar possíveis lesões. • Ressonância magnética para achar possíveis lesões e estruturas vasculares. • Radiografia e tomografia do tórax para determinar se o tumor encontrado no SNC se originou em um órgão como os pulmões. • PET scan em casos específicos. Além disso pode ser feita uma punção lombar para análise do LCR. Exames de Imagem
  • 9. A biopsia é o exame definitivo para o diagnóstico tanto de tumores do SNC, como de outros órgãos. Consiste na retirada de uma amostra do tumor para ser examinada por um patologista. Esta análise consegue, na maioria das vezes, determinar não só se o tumor é originário do SNC ou se é uma metástase de outro órgão, mas também informar o subtipo histológico, isto é, a célula de origem do tumor. Biópsia
  • 10. Tumor Cerebral Primário Os tumores que têm origem no cérebro são denominados tumores cerebrais primários e geralmente só se disseminam no próprio SNC. É raro se disseminarem para outros órgãos. Tumor Cerebral Secundário Os tumores que se originam em outros órgãos, como mama ou pulmão, e se disseminam para o cérebro, são denominados tumores metastáticos ou tumores cerebrais secundários. As metástases constituem a maioria das lesões cancerosas encontradas no SNC de adultos.
  • 12. Meningioma Representa 25 % dos tumores cerebrais e cerca de 85% dos casos são benignos. É mais comum em pessoas na faixa dos 70 a 80 anos e em mulheres. Se origina nas meninges e é frequentemente encontrado na parte frontal ou posterior do cérebro. Alguns meningiomas são atípicos, tendo um comportamento mais agressivo . Gliomas Os tumores cerebrais primários se originam no próprio órgão. Quase sempre, os tumores primários são gliomas, que crescem a partir dos tecidos que rodeiam e dão suporte aos neurônios. Existem vários tipos de gliomas: o glioblastoma multiforme é o tipo mais incidente e mais agressivo; outros tipos podem ser o astrocitoma e o oligodendroglioma.
  • 13. Glioblastoma O glioblastoma ou glioblastoma multiforme (GM) é o tipo mais comum de tumor cerebral maligno em adultos e representa de 50% a 60% dos casos. Embora o glioblastoma possa ocorrer em qualquer faixa etária, é mais comum em adultos entre 50 e 70 anos. Menos de 10% dos tumores cerebrais infantis são glioblastomas. O GM é de crescimento rápido e se dissemina pelo cérebro de maneira relativamente rápida. Astrocitoma Astrocitoma é um tumor que pode aparecer no cérebro ou no cerebelo. Pode ser de baixo grau (crescimento muito lento) ou intermediário (crescimento mais rápido, mas não tão rápido ou ramificante como o glioblastoma). Corresponde a cerca de 35% dos tumores cerebrais. Ocorre em idosos mas também em faixas etárias mais jovens, assim como na infância.
  • 14. Ependimomas Os ependimomas são originários das células que cobrem a superfície interna do cérebro, o que significa que cobrem internamente os ventrículos cerebrais, que são cavidades centrais preenchidas pelo LCR. A distribuição etária é ampla, acometendo crianças e adultos. Formam massas acinzentadas, bem delimitadas, que podem ter aspecto de couve-flor, infiltrando o tecido cerebral adjacente. Têm tendência a repetidas recidivas pós- cirúrgicas e seu prognóstico é reservado. Oligodendrogliomas Os oligodendrogliomas correspondem a cerca de 4% dos tumores cerebrais. São tumores de crescimento lento e baixa malignidade que acometem predominantemente a chamada substância branca dos hemisférios cerebrais. São mais frequentes entre 35 e 45 anos.
  • 15. Ganglioglioma Os gangliogliomas são tumores raros, que contém tanto neurônios como células gliais (células de suporte). A grande maioria dos gangliogliomas têm bom prognóstico após ressecção cirúrgica adequada. Meduloblastoma O meduloblastoma é o tumor mais comum em crianças, que ocorre, usualmente, entre os 4 e 10 anos, mais em meninos do que em meninas e se origina nos neurônios do cerebelo. Têm crescimento rápido, mas pode ser tratado e curado com cirurgia e radioterapia.
  • 16. Schwannoma Os schwannomas têm origem nas células de schwann, que revestem os nervos e correspondem a 7% de todos os tumores do SNC. São também os principais tumores do sistema nervoso periférico. O tratamento é cirúrgico e o sucesso dependerá do local de acometimento e do tamanho do tumor. Cordoma Os cordomas são tumores raros que começam no osso da base do crânio ou na extremidade inferior da coluna vertebral. Eles são tratados com cirurgia, se possível, muitas vezes seguida de radioterapia. Eles geralmente não se disseminam para outros órgãos.
  • 17. Linfomas Ocasionalmente, os linfomas (cânceres dos linfonodos no pescoço, axila, abdome e região inguinal) ocorrem no cérebro e são denominados linfomas cerebrais. Os sintomas iniciais podem incluir alterações na personalidade, convulsões ou outras alterações neurológicas. O tratamento consiste em químio e radioterapia. Os tumores da medula espinhal podem ser primários (originados na medula espinhal) ou secundários (metástases). São menos frequentes que os tumores cerebrais e raros em crianças. Apenas 10% dos tumores primários da medula espinhal originam-se das células nervosas situadas nesse órgão. O restante são metástases. Dois terços dos tumores são meningiomas e schwannomas, mais raramente, gliomas e sarcomas. Tumor da Medula Espinhal
  • 18. Craniofaringioma Os craniofaringiomas são tumores que crescem na base do cérebro, logo acima da glândula hipófise e são frequentemente diagnosticados em crianças, adolescentes e adultos jovens. Não costumam se disseminar, mas estão próximos a estruturas importantes do cérebro, podendo provocar problemas à medida que crescem, como na visão e no equilíbrio hormonal. As crianças com craniofaringioma podem ser obesas e apresentar problemas de crescimento. Hemangioblastoma Os hemangioblastomas correspondem a cerca de 2% dos tumores cerebrais. São tumores que crescem a partir de células dos vasos sanguíneos, mas também podem se desenvolver no tronco cerebral. São mais frequentes a partir dos 30 anos de idade.
  • 19. Neuroma Acústico O neuroma acústico cresce no nervo auditivo que controla a audição e o equilíbrio, e está localizado entre o cerebelo e a ponte. É de crescimento lento, e mais frequente em pessoas de meia idade. Ocorre mais em mulheres do que em homens. A perda de audição em um dos ouvidos é um sinal importante da presença do tumor.
  • 21. O tratamento do tumores do SNC é realizado de modo multidisciplinar, com a decisão conjunta entre o neurocirurgião, radioterapeuta, oncologista e neurologista. A combinação individualizada das diversas modalidades de tratamento (cirurgia, radioterapia, tratamento sistêmico) oferece as melhores possibilidades terapêuticas aos pacientes.
  • 22. O tratamento cirúrgico depende, essencialmente, do tipos e localização do tumor. Muitos tumores cerebrais podem ser removidos sem causar lesão no tecido cerebral normal. No entanto, alguns podem se desenvolver em áreas que torna difícil a remoção pela proximidade a estruturas essenciais que podem ser comprometidas. A ressecção do tumor é necessária se o seu crescimento afeta estruturas cerebrais importantes. Mesmo em casos em que a cirurgia não seja curativa, o procedimento poderá ser útil para reduzir o tamanho do tumor, aliviar sintomas e permitir ao médico determinar a melhor opção terapêutica. Tratamento Cirúrgico
  • 23. A quimioterapia pode ser realizada apenas com medicamentos ou em combinação com outros tipos de tratamentos, como a cirurgia ou a radioterapia. A químio ataca não só as células tumorais, mas também às células normais, por isso o aparecimento de efeitos colaterais. Pode ser administrada por via intravenosa, por via oral ou ainda por um implante diretamente no cérebro. Tratamento Quimioterápico
  • 24. Os medicamentos quimioterápicos são direcionados às células que se dividem rapidamente, por isso são muitas vezes eficazes contra estas células. Mas existem outros aspectos das células cancerígenas que as tornam diferentes das células normais. Recentemente, os pesquisadores desenvolveram medicamentos alvo para tentar explorar essas diferenças. As drogas alvo geralmente não têm os mesmos tipos de efeitos colaterais que os quimioterápicos convencionais. Terapia Alvo
  • 25. A radioterapia pode ser administrada isoladamente ou em combinação com cirurgia, químio ou ambos. Os quimioterápicos podem ser utilizados como drogas radiossensibilizantes, que tornam as células tumorais mais sensíveis à radiação. É essencial um equipamento moderno de radioterapia, para tratar de maneira adequada o tecido tumoral, poupando ao máximo o tecido cerebral adjacente. Tratamento Radioterápico
  • 26. O tratamento das metástases cerebrais depende, principalmente, da região onde se originou o tumor. Muitas vezes, a opção inicial é a radioterapia. O tratamento cirúrgico pode ser útil no caso de existirem apenas uma ou duas metástases. Outros tratamentos incluem quimioterapia, inserção de implantes radioativos dentro do tumor e radiocirurgia. Tratamentos de Metástases
  • 28. • Corticosteroides - Ajudam a reduzir o inchaço do cérebro. O tratamento é contínuo e só pode ser interrompido com autorização do médico. Os efeitos colaterais dos corticosteroides podem incluir ganho de peso, retenção de água, insônia, crescimento de pelos, úlceras estomacais, risco aumentado de infecção e mudanças de humor. • Hormônios - São usados para tratar certos tipos de tumores e substituir hormônios que o organismo não esteja mais produzindo. Muitos dos efeitos colaterais dos tratamentos podem ser amenizados com o uso de medicamentos: • Anticonvulsivantes - Ajudam a prevenir convulsões ou ataques epiléticos. O tratamento é contínuo. O médico pode pedir exames de sangue para determinar a dose apropriada para o tratamento. • Antieméticos - Ajudam a controlar as náuseas. • Antiácidos - Ajudam a reduzir e controlar a dor.