Câncer de Mama

12.372 visualizações

Publicada em

Tudo sobre Câncer de Mama

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.372
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9.959
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
78
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Câncer de Mama

  1. 1. Tudo sobre Câncer de Mama
  2. 2. Mas... Temos uma boa notícia: Se diagnosticado em estágio inicial (ainda pequeno), o câncer de mama tem, hoje, 95% de chances de cura! O câncer é uma doença que ocorre devido à perda da capacidade das células de limitar o seu próprio crescimento, multiplicando-se rapidamente e fora de controle. Você sabe o que é Câncer de Mama?
  3. 3. O câncer de mama é o tipo de câncer de mais acomete as mulheres em todo o mundo. Estatísticas sobre o Câncer de Mama O Instituto Nacional de Câncer (INCA) estima para 2014 e 2015, 57.120 novos casos de câncer de mama no Brasil com um risco estimado de 56,09 casos a cada 100 mil mulheres.
  4. 4. O que devo fazer para Prevenir o Câncer de Mama? Comece a se exercitar ainda hoje. Alimente-se bem e controle seu peso. Conheça as suas mamas (toque e olhe). Peça para o seu médico ginecologista examinar as suas mamas. Ter casos de câncer na sua família requer mais atenção. Converse com seu médico! Está na menopausa e faz reposição hormonal, fale sobre câncer de mama com seu médico. Faça mamografia anualmente a partir dos 40 anos de idade.
  5. 5. Fatores de Risco Ser mulher já é um fator de risco para o câncer de mama. Ter mais do que 55 anos de idade ou ter parentes próximos que tenham desenvolvido a doença. Mas, é importante que saiba: 80% das mulheres com câncer de mama não possuem histórico familiar relacionados ao câncer. Homens também podem desenvolver a doença. Porém, o risco do câncer de mama em mulheres é 100 vezes maior.
  6. 6. Genética e Câncer de Mama Algumas mulheres apresentam alto risco de desenvolver câncer de mama devido à mutação de alguns genes específicos, como o BRCA1 e BRCA2. As mutações são raras e devem ser investigadas em pacientes jovens e, se presente, podem estender-se a parentes próximos. As mulheres com mutação nesses genes apresentam 80% de chances de desenvolver câncer de mama em algum momento da vida.
  7. 7. Fatores de Risco - Checklist • Qual a sua idade? • Qual a sua raça? (negra, parda, branca) • Com que idade teve sua primeira menstruação? • Se você tem filhos, qual a sua idade no primeiro parto? • Com quantos anos você entrou na menopausa? • Você já fez ou faz uso de reposição hormonal? • Você tem parentes de primeir0 grau que já tiveram câncer de mama? Quantos? • Você já foi submetida a uma biópsia de mama? • Quantas biópsias já foram feitas? • Alguma das biópsias mostrou laudo de hiperplasia atípica? • Você já fez radioterapia no tórax? • Você pratica exercícios físicos? • Você bebe, e se sim, com que frequência? • Você está acima do peso?
  8. 8. Sinais e Sintomas do Câncer de Mama • Região mais quente, inchada ou escura na mama. • Caroço, endurecimento ou engrossamento da pele. • Mudança na forma ou tamanho • Inversão do mamilo (quando o bico volta-se para dentro). • Covinha ou enrugamento da pele. • Dor contínua em alguma parte da mama, que não cede naturalmente. • Vermelhidão, coceira ou descamação no mamilo. • Secreção que inicia de repende no mamilo.
  9. 9. Exames de Imagem - Mamografia A mamografia é hoje uma prática comum para o diagnóstico precoce do câncer de mama. O rastreamento consiste na realização de exames periódicos em mulheres assintomáticas, acima de 40 anos, para detectar o câncer em estágios iniciais, o que pode levar a redução da mortalidade pela enfermidade. Para mulheres de risco elevado (histórico familiar), o exame é recomendado a partir dos 35 anos de idade. As alterações patológicas da mama que podem ser vistas na mamografia são: Massas, calcificações, áreas com densidades assimétricas ou distorção de arquitetura, ductos proeminentes, espessamento da pele ou mamilo e retração do mamilo.
  10. 10. Outros Exames Além da mamografia, seu médico poderá solicitar outros exames de imagem, como ultrassom e ressonância magnética. O ultrassom pode determinar a presença de cistos. A ressonância magnética pode complementar a mamografia e dar um resultado específico para mulheres com alto risco de desenvolver câncer de mama.
  11. 11. E se encontrarem um nódulo? • Antes de qualquer coisa: NÃO entre em pânico! • 80% dos nódulos encontrados nas mamas não são câncer. São, geralmente, cistos benignos ou alterações relacionadas ao ciclo menstrual. • Porém, se algo diferente/estranho for encontrado, não deixe de avisar seu médico o mais rápido possível. • Se for câncer, quanto mais cedo for diagnosticado, maiores são as chances de cura.
  12. 12. Biópsia da Mama A única maneira de identificar se o nódulo é cancerígeno (ou não) é por meio da biópsia. Isso significa que será retirada um amostra do nódulo para análise pelo médico patologista e o resultado confirmará (ou não) o diagnóstico e o tipo específico de câncer de mama.
  13. 13. Autocuidado das Mamas O autoexame das mamas NÃO basta para diagnosticar precocemente o câncer de mama e também não apresenta eficácia para detecção de um tumor. É importante que você saiba o que é normal para você e que conheça as suas mamas. Fique atenta a qualquer tipo de mudança! Diante de qualquer alteração, entre em contato com seu médico imediatamente. Seja proativa com relação a sua própria saúde.
  14. 14. Hormônios ligados ao Câncer de Mama Alguns tipos de câncer de mama são potencializados por dois hormônios: Progesterona e Estrogênio. A biópsia pode revelar se o tumor tem relação com a presença do estrogênio (RE+) e/ou da progesterona (RP+). Aproximadamente 2 em cada 3 tumores de mama estão relacionados a esses hormônios. Existem diversas medicações que são utilizadas para controlar a produção desses tipos de hormônios. Estrogênio Progesterona
  15. 15. O que é HER2 – Positivo? Em aproximadamente 20% das pacientes, as células do câncer de mama estão ligadas à proteína HER2. Esse tipo de câncer de mama é conhecido como HER2+ e tende a se espalhar mais rápido do que outros tipos. É importante determinar o tipo de câncer, pois existem tratamentos específicos para as diferentes formas da doença.
  16. 16. Após o diagnóstico, determina-se o estágio da doença: • Estágio 0 - Tis, N0, M0. • Estágio IA - T1, N0, M0. • Estágio IB - T0 ou T1, N1mi, M0. • Estágio IIA - T0 ou T1, N1 (mas, não N1M1), M0; T2, N0, M0. • Estágio IIB - T2, N1, M0; T3, N0, M0. • Estágio IIIA - T0 a T2, N2, M0; T3, N1 ou N2, M0. • Estágio IIIB - T4, N0 a N2, M0. • Estágio IIIC - Qualquer T, N3, M0. • Estágio IV - Qualquer T, qualquer N, M1. Estadiamento do Câncer de Mama
  17. 17. Tratamento do Câncer - Cirurgia Conheça os diferentes tipos de cirurgias: • Tumorectomia - Remove apenas o tumor. • Quadrantectomia - Retira o tumor, parte do tecido normal que o envolve e o tecido que recobre o peito abaixo do tumor. • Mastectomia simples ou total - Remove a mama e às vezes os gânglios linfáticos próximos. • Mastectomia Radical Modificada - Retira a mama, os linfonodos axilares e o tecido que reveste os músculos peitorais. • Mastectomia Radical - Retira a mama, músculos do peito, linfonodos axilares, gordura em excesso e pele.
  18. 18. Tratamento do Câncer - Radioterapia A radioterapia utiliza radiações ionizantes para matar as células cancerígenas. Geralmente, é realizada após a cirurgia para destruir as possíveis células cancerígenas remanescentes. Também pode ser utilizada junto com a quimioterapia, para o tratamento da disseminação da doença para outros órgãos. A radioterapia, assim como outros tratamentos, pode ter alguns efeitos colaterais, como: Fadiga e sensação de queimação na área atingida pela radiação.
  19. 19. Tratamento do Câncer - Quimioterapia Tipo de tratamento que tem como finalidade matar às células cancerígenas em qualquer local do corpo (ação sistêmica). Geralmente a quimioterapia é realizada por via venosa, porém, também pode ser realizada por via oral. Em mulheres com câncer de mama avançado, a quimioterapia pode controlar o crescimento desordenado das células cancerígenas. Por ser um tratamento sistêmico, podem aparecer efeitos colaterais como: Náuseas, fadiga, queda de cabelo, queda do sistema imunológico e infecções.
  20. 20. Tratamento do Câncer - Hormonioterapia A mama necessita de hormônios sexuais para seu crescimento e funcionamento, mantendo certa dependência desses hormônios. A hormonioterapia busca inibir o crescimento do câncer pela retirada desses hormônios de circulação ou pela introdução de uma substância com efeito contrário a eles (antagonista). Assim como a quimioterapia, a hormonioterapia tem ação sistêmica, ou seja, age em todas as partes do corpo. Geralmente é utilizada em combinação com cirurgia, radioterapia e quimioterapia. É importante ressaltar que não deve se confundir hormonioterapia com tratamento de reposição hormonal.
  21. 21. Tratamento do Câncer – Terapia Alvo A terapia alvo é um tratamento inovador, que age diretamente em determinadas células cancerosas, como por exemplo, para as mulheres tipo HER2+. Com a terapia alvo, é possível barrar a ação dessa proteína e impedir que o tumor se desenvolva. Geralmente, esse tratamento é utilizado junto à quimioterapia e, como em qualquer outro tratamento, pode apresentar efeitos colaterais.
  22. 22. A vida após o diagnóstico de Câncer de Mama: Saúde Emocional Não há dúvida que o câncer provoca grandes mudanças na vida de uma pessoa. Os tratamentos realizados podem provocar efeitos colaterais difíceis de lidar, como fadiga ou queda dos cabelos e a mulher pode sentir-se perdida, com dificuldades de administrar suas atividades do dia a dia, como trabalho e vida social. Tudo isso pode levar a um sentimento de solidão e isolamento. Por isso, é importante contar com o apoio de amigos e familiares, que poderão lhe acompanhar durante o tratamento ou simplesmente lembrá-la que você não está sozinha.
  23. 23. Reconstrução Mamária Muitas mulheres que são submetidas a cirurgia optam pela reconstrução mamária. Trata-se de uma cirurgia que restaura a pele, mamilos e tecido mamário retirados durante a mastectomia. A reconstrução pode ser feita com um implante (silicone) ou com tecido de alguma parte do próprio corpo, como a do abdome. Algumas mulheres optam por fazer a reconstrução logo após a mastectomia. Porém, também é possível fazer a reconstrução meses ou anos após a cirurgia. Isso dependerá do tipo de tratamento e da recomendação médica.
  24. 24. Dicas para o Parceiro • Esteja sempre ao lado dela. • Defenda sempre o melhor tratamento. • Seja organizado. • Saiba: “Não é com Você!”. • Reorganize as tarefas diárias. • Seja mais sincero. • Saiba pedir ajuda. • Tire um tempo para você e cuide da sua saúde física e mental.
  25. 25. Sexualidade e Câncer de Mama A sexualidade é um dos pilares para construção de uma boa qualidade de vida. Durante o tratamento contra o câncer, a paciente vive situações físicas que podem interferir na vida sexual. Modificações no corpo, diminuição da libido, secura vaginal, falta de apetite sexual e alterações no humor, como: depressão, ansiedade e tristeza, acabam trazendo consequências não apenas para a vida da paciente, mas para a vida do casal. Isso é normal e bastante comum entre as pacientes. Tenha paciência e ofereça todo seu apoio a sua parceira.

×