SlideShare uma empresa Scribd logo
Dicentes: Anderson dos Santos
André Luiz Pereira Barbosa
Daniel César de Oliveira Cerqueira
Maciel de Oliveira Ramos
Ricardo Barros Silva
Taciana Ferreira dos Santos
Roteiro
Argissolo: Conceito
Formação do argissolo
Tipos de argissolo
Perfil e Horizontes
Capacidade, drenagem e armazenamento
Argissolos e seu manejo
Argissolo: Conceito
Solos minerais, não-
hidromórficos, com
horizonte A ou E seguido
de horizonte B textural, de
cor avermelhada até
amarelada. Podem ser
eutróficos, distróficos ou
álicos. Têm profundidade
variadas e ampla
variabilidade de classes
texturais. Fonte: Santos; etal; 2012.
Formação do argissolo
Fatores
Formação do argissolo
A
B
C
Adição e Remoção
Translocação
Transformação
Formação do argissolo
Este solo é derivado de rochas de arenito ou granítica
e se forma em áreas de relevo ondulado ou forte
ondulado.
Localização
Solos podzólicos
Fonte:http://www.dcs.ufla.br/Cerrados/Portugues/CArgissolo.htm
Área absoluta
(Km2)
Área relativa
(%)
2.28589,16 26,84
Tabela 1. Extensão e distribuição do Argissolo no
Brasil.
Fonte: Embrapa (2006)
Argissolo
Amarelo
Vermelho-Amarelo
Bruno–AcinzentadosAcinzentado
Vermelho
Tipos de argissolo
Tipos de argissolo
Argissolo Amarelo
Solos minerais bem
drenados, profundos, pobre
em ferro, com matiz 7,5YR
ou mais amarelos na maior
parte dos primeiros 100 cm
do horizonte B, comum nos
platôs litorâneos e na
Amazônia.
Tipos de argissolo
Argissolo Acinzentado
Solos com cores
acinzentadas na maior
parte dos primeiros 100
cm do horizonte B, o
qual tem sua parte
superior escurecida, e
ocorre em áreas de
clima subtropical.
Tipos de argissolo
Argissolo Vermelho
Solos com matiz 2,5YR ou
mais vermelho ou com
matiz 5YR e valores e
cromas iguais ou menores
que 4, na maior parte dos
primeiros 100 cm do
horizonte B.
Tipos de argissolo
Argissolo Vermelho
Tipos de argissolo
Eutrófico abrúptico
Eutroférrico
câmbico
Eutrófico típico
Argissolo Vermelho - Amarelo
Fonte: SiBCS – Embrapa, 2006.
Tipos de argissolo
Outros solos de cores
vermelho-amareladas e
amareloavermelhadas que
não se enquadram nas
classes anteriores.
Argissolo Vermelho - Amarelo
Fonte: SiBCS – Embrapa, 2006.
Tipos de argissolo
• Os teores de Fe2O3 normalmente
são menores que 11%.
• São profundos a pouco
profundos, moderado a bem
drenados.
Tipos de argissolo
Grade Grupo
Argissolo
Eutrófico Distrófico
Álico
Tipos de argissolo
distróficos
Solos que possui mais de 50% de sua capacidade de troca
ocupada pelo hidrogênio e alumínio, portanto são os
menos férteis.
Tipos de argissolo
eutróficos
Solos que possui mais de 50% de sua capacidade de troca
ocupada com as bases (cálcio, magnésio e potássio), sendo
portanto os mais férteis. O que influi favoravelmente no
crescimento radicular
Fonte: hotsites.cnps.embrapa.br Fonte: hotsites.cnps.embrapa.br
Tipos de argissolo
álicos
Indicativo de saturação por alumínio. Característica identificada
no horizonte B, ou então no horizonte A. O que influi
negativamente no crescimento radicular por bloquear a divisão
celular.
Figura .Crescimento radicular da cana-de-açúcar em solos quimicamente muito contrastantes.
Fonte: pedologia fácil
• Importância da água para o vegetal.
A água flui continuamente
através do corpo de uma
planta: deixa os estômatos via
transpiração e entra pelas
raízes.
Capacidade, drenagem e armazenamento
• Horizonte A e E: Rápida drenagem.
• Horizonte B: Camada de impedimento da água, e
maior retenção da mesma.
Capacidade, drenagem e armazenamento
• Horizonte B superficial.
• Horizonte B profundo.
Sistemas radicular pequeno
Sistemas radicular profundo
Capacidade, drenagem e armazenamento
O Perfil de um
Argissolo pode ser
formado por três
horizontes, sendo
estes: A, E e Bt.
Perfil e Horizontes
Perfil e Horizontes
• A textura do argissolo é arenosa no horizonte A e
muito argilosa no horizonte B.
Figura . Exemplo do grande incremento de argila no horizonte B textura
Fonte: pedologia fácil
• O gradiente textural é a relação da porcentagem de
argila do horizonte B em comparação com a do
horizonte A.
Perfil e Horizontes
Horizonte A: Camada rica em húmus, que consiste em
material orgânico parcialmente decomposto misturado
com quartzo.
Figura. Argissolo com o horizonte A preservado (ao fundo) e Argissolo com horizonte A totalmente erodido
(primeiro plano).
Fonte: pedologia fácil
Perfil e Horizontes
Horizonte E: Horizonte eluviail empobrecido em partículas
de dimensão argilosa devido à sua migração. Encontram-se,
geralmente, sob o horizonte A.
E
Bt
A
Mudança textural abrúpta ocorre à profundidades variadas.
35cm
60cm
Perfil e Horizontes
Horizonte B Textural: Recebe esse nome devido ao
incremento no teor de argila tornando a textura desse
horizonte mais argilosa do que a do horizonte
imediatamente acima.
• PONTOS POSITIVOS
IRRIGAÇÃO (Os
horizontes A e E
apresentam alta
velocidade de
infiltração)
O horizonte B é rico em
argilas e possui ótima
capacidade de retenção
Argissolos e seu manejo
• PONTOS
NEGATIVOS
São solos velhos, muito
intemperizados e de
baixa fertilidade.
Precisam ser corrigidos e
adubados para melhores
rendimentos agrícolas.
Argissolos e seu manejo
Problemas sérios de erosão são
verificados nos argissolos devido a
grande diferença de textura entre os
horizontes A e B, sendo tanto maior
o problema quanto maior for a
declividade do terreno.
Figura . Erosão em sulcos no Argissolo.
Fonte: pedologia fácil
Figura . Água estagnada na superfície do Argissolo.
Fonte: pedologia fácil
•PONTOS
NEGATIVOS
Argissolos e seu manejo
Limitações Práticas de Manejo
Acidez, baixa CTC, baixa
reserva de
nutrientes,aumento da
fração argila
em profundidade,
adensamento/
compactação
Calagem, adubação,
subsolagem,
drenagem
Fonte: Embrapa Amazônia Oriental
Tabela 2. Argissolo limitações e recomendações de manejo.
Argissolos e seu manejo
Argissolos e seu manejo
Argissolos e seu manejo
www.agencia.cnptia.embrapa.br
http://wiki.sj.ifsc.edu.br
http://www.uniceub.br/museugeo/solo1
www.pedologiafacil.com.br
EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema Brasileiro de
Classificação de Solos. Brasília, 1999. 412p. il. (EMBRAPA/CNPS-RJ. Documentos, 5).
ANJOS, J. B. dos. Mecanização agrícola, manejo e conservação de solo. In: SOUZA
LEÃO, P. C. de; SOARES, J. M. (Ed.). A viticultura no semi-árido
brasileiro. Petrolina, PE: Embrapa Semi-Árido, 2000. Cap. 10, p. 259-272, il.
Apresentação argissolo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.
Leandro Araujo
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
Elvio Giasson
 
Aula 04 preparo do solo
Aula 04   preparo do soloAula 04   preparo do solo
Aula 04 preparo do solo
Willian Passos
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
Geagra UFG
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
Solos do Rio Grande do Sul
Solos do Rio Grande do SulSolos do Rio Grande do Sul
Solos do Rio Grande do Sul
Alessandro Samuel-Rosa
 
Aula 9 fertilidade dos solos
Aula 9   fertilidade dos solosAula 9   fertilidade dos solos
Aula 9 fertilidade dos solos
Jadson Belem de Moura
 
Os fatores e processos de formação dos solos
Os fatores e processos de formação dos solosOs fatores e processos de formação dos solos
Os fatores e processos de formação dos solos
Jadson Belem de Moura
 
Fatores de formação do solo
Fatores de formação do soloFatores de formação do solo
Fatores de formação do solo
Leandro Araujo
 
Manejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solosManejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solos
Jadson Belem de Moura
 
Morfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do FeijãoMorfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do Feijão
Killer Max
 
Cálculo da necessidade de calagem
Cálculo da necessidade de calagemCálculo da necessidade de calagem
Cálculo da necessidade de calagem
gastao ney monte braga
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
Killer Max
 
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxAULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
MateusGonalves85
 
Neossolo quartzarenico
Neossolo quartzarenicoNeossolo quartzarenico
Neossolo quartzarenico
João Antonio Pires
 
Produção de Mandioca
Produção de MandiocaProdução de Mandioca
Produção de Mandioca
Ítalo Arrais
 
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIOMANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
Geagra UFG
 
Manejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de PragasManejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de Pragas
AgriculturaSustentavel
 
Aula propriedades solo
Aula propriedades  soloAula propriedades  solo
Aula propriedades solo
Elton Mendes
 

Mais procurados (20)

Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
 
Aula 04 preparo do solo
Aula 04   preparo do soloAula 04   preparo do solo
Aula 04 preparo do solo
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
Solos do Rio Grande do Sul
Solos do Rio Grande do SulSolos do Rio Grande do Sul
Solos do Rio Grande do Sul
 
Aula 9 fertilidade dos solos
Aula 9   fertilidade dos solosAula 9   fertilidade dos solos
Aula 9 fertilidade dos solos
 
Os fatores e processos de formação dos solos
Os fatores e processos de formação dos solosOs fatores e processos de formação dos solos
Os fatores e processos de formação dos solos
 
Fatores de formação do solo
Fatores de formação do soloFatores de formação do solo
Fatores de formação do solo
 
Manejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solosManejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solos
 
Morfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do FeijãoMorfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do Feijão
 
Cálculo da necessidade de calagem
Cálculo da necessidade de calagemCálculo da necessidade de calagem
Cálculo da necessidade de calagem
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
 
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
 
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxAULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
 
Neossolo quartzarenico
Neossolo quartzarenicoNeossolo quartzarenico
Neossolo quartzarenico
 
Produção de Mandioca
Produção de MandiocaProdução de Mandioca
Produção de Mandioca
 
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIOMANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
 
Manejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de PragasManejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de Pragas
 
Aula propriedades solo
Aula propriedades  soloAula propriedades  solo
Aula propriedades solo
 

Semelhante a Apresentação argissolo

Solos tropicais e uso da terra
Solos tropicais e uso da terraSolos tropicais e uso da terra
Solos tropicais e uso da terra
Roberto Nunes
 
Solos Do Mundo (Pedologia)
Solos Do Mundo (Pedologia)Solos Do Mundo (Pedologia)
Solos Do Mundo (Pedologia)
Virna Salgado Barra
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
Ruana Viana
 
Formação do solo mjr
Formação do solo   mjrFormação do solo   mjr
Formação do solo mjr
fcanico
 
Gênese, morfologia e evolução das paisagens tropicais
Gênese, morfologia e evolução das paisagens tropicaisGênese, morfologia e evolução das paisagens tropicais
Gênese, morfologia e evolução das paisagens tropicais
CarlosAllanPereira1
 
Apresentação yiolanda
Apresentação   yiolandaApresentação   yiolanda
Apresentação yiolanda
Gabriel Reis
 
Teste 5
Teste 5Teste 5
Teste 5
joseeira
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
Teste 5 versão ii
Teste 5 versão iiTeste 5 versão ii
Teste 5 versão ii
joseeira
 
Solos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No MundoSolos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No Mundo
ProfMario De Mori
 
Geologia e geomorfologia - Aula e exercícios
Geologia e geomorfologia - Aula e exercíciosGeologia e geomorfologia - Aula e exercícios
Geologia e geomorfologia - Aula e exercícios
Saulo Lucena
 
1 solos
1 solos 1 solos
Geologia de Roraima
Geologia de RoraimaGeologia de Roraima
Geologia de Roraima
Ezequias Guimaraes
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
dela28
 
Origem dos Solos
Origem dos SolosOrigem dos Solos
Origem dos Solos
Murilo Sierro
 
Powerpoint Solo
Powerpoint   SoloPowerpoint   Solo
Powerpoint Solo
Rosa Pereira
 
Solo
SoloSolo
O solo
O soloO solo
Solos Salinos.pptx
Solos Salinos.pptxSolos Salinos.pptx
Solos Salinos.pptx
ThatyBastos1
 

Semelhante a Apresentação argissolo (20)

Solos tropicais e uso da terra
Solos tropicais e uso da terraSolos tropicais e uso da terra
Solos tropicais e uso da terra
 
Solos Do Mundo (Pedologia)
Solos Do Mundo (Pedologia)Solos Do Mundo (Pedologia)
Solos Do Mundo (Pedologia)
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
Formação do solo mjr
Formação do solo   mjrFormação do solo   mjr
Formação do solo mjr
 
Gênese, morfologia e evolução das paisagens tropicais
Gênese, morfologia e evolução das paisagens tropicaisGênese, morfologia e evolução das paisagens tropicais
Gênese, morfologia e evolução das paisagens tropicais
 
Apresentação yiolanda
Apresentação   yiolandaApresentação   yiolanda
Apresentação yiolanda
 
Teste 5
Teste 5Teste 5
Teste 5
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
Teste 5 versão ii
Teste 5 versão iiTeste 5 versão ii
Teste 5 versão ii
 
Solos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No MundoSolos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No Mundo
 
Geologia e geomorfologia - Aula e exercícios
Geologia e geomorfologia - Aula e exercíciosGeologia e geomorfologia - Aula e exercícios
Geologia e geomorfologia - Aula e exercícios
 
1 solos
1 solos 1 solos
1 solos
 
Geologia de Roraima
Geologia de RoraimaGeologia de Roraima
Geologia de Roraima
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
 
Origem dos Solos
Origem dos SolosOrigem dos Solos
Origem dos Solos
 
Powerpoint Solo
Powerpoint   SoloPowerpoint   Solo
Powerpoint Solo
 
Solo
SoloSolo
Solo
 
O solo
O soloO solo
O solo
 
Solos Salinos.pptx
Solos Salinos.pptxSolos Salinos.pptx
Solos Salinos.pptx
 

Mais de Anderson Santos

Apresentaçã adubação do cultivo de banana
Apresentaçã adubação do cultivo de bananaApresentaçã adubação do cultivo de banana
Apresentaçã adubação do cultivo de banana
Anderson Santos
 
Antracnose e Morte Descendente da Mangueira
Antracnose e Morte Descendente da MangueiraAntracnose e Morte Descendente da Mangueira
Antracnose e Morte Descendente da Mangueira
Anderson Santos
 
Apresentação pragas do abacaxi
Apresentação pragas do abacaxiApresentação pragas do abacaxi
Apresentação pragas do abacaxi
Anderson Santos
 
Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes
Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes   Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes
Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes
Anderson Santos
 
Apresentação orthoptera
Apresentação orthopteraApresentação orthoptera
Apresentação orthoptera
Anderson Santos
 
Apresentação el ñino la ñina
Apresentação el ñino la ñinaApresentação el ñino la ñina
Apresentação el ñino la ñina
Anderson Santos
 

Mais de Anderson Santos (6)

Apresentaçã adubação do cultivo de banana
Apresentaçã adubação do cultivo de bananaApresentaçã adubação do cultivo de banana
Apresentaçã adubação do cultivo de banana
 
Antracnose e Morte Descendente da Mangueira
Antracnose e Morte Descendente da MangueiraAntracnose e Morte Descendente da Mangueira
Antracnose e Morte Descendente da Mangueira
 
Apresentação pragas do abacaxi
Apresentação pragas do abacaxiApresentação pragas do abacaxi
Apresentação pragas do abacaxi
 
Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes
Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes   Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes
Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes
 
Apresentação orthoptera
Apresentação orthopteraApresentação orthoptera
Apresentação orthoptera
 
Apresentação el ñino la ñina
Apresentação el ñino la ñinaApresentação el ñino la ñina
Apresentação el ñino la ñina
 

Apresentação argissolo

  • 1. Dicentes: Anderson dos Santos André Luiz Pereira Barbosa Daniel César de Oliveira Cerqueira Maciel de Oliveira Ramos Ricardo Barros Silva Taciana Ferreira dos Santos
  • 2. Roteiro Argissolo: Conceito Formação do argissolo Tipos de argissolo Perfil e Horizontes Capacidade, drenagem e armazenamento Argissolos e seu manejo
  • 3. Argissolo: Conceito Solos minerais, não- hidromórficos, com horizonte A ou E seguido de horizonte B textural, de cor avermelhada até amarelada. Podem ser eutróficos, distróficos ou álicos. Têm profundidade variadas e ampla variabilidade de classes texturais. Fonte: Santos; etal; 2012.
  • 5. Formação do argissolo A B C Adição e Remoção Translocação Transformação
  • 6. Formação do argissolo Este solo é derivado de rochas de arenito ou granítica e se forma em áreas de relevo ondulado ou forte ondulado.
  • 7. Localização Solos podzólicos Fonte:http://www.dcs.ufla.br/Cerrados/Portugues/CArgissolo.htm Área absoluta (Km2) Área relativa (%) 2.28589,16 26,84 Tabela 1. Extensão e distribuição do Argissolo no Brasil. Fonte: Embrapa (2006)
  • 10. Argissolo Amarelo Solos minerais bem drenados, profundos, pobre em ferro, com matiz 7,5YR ou mais amarelos na maior parte dos primeiros 100 cm do horizonte B, comum nos platôs litorâneos e na Amazônia. Tipos de argissolo
  • 11. Argissolo Acinzentado Solos com cores acinzentadas na maior parte dos primeiros 100 cm do horizonte B, o qual tem sua parte superior escurecida, e ocorre em áreas de clima subtropical. Tipos de argissolo
  • 12. Argissolo Vermelho Solos com matiz 2,5YR ou mais vermelho ou com matiz 5YR e valores e cromas iguais ou menores que 4, na maior parte dos primeiros 100 cm do horizonte B. Tipos de argissolo
  • 13. Argissolo Vermelho Tipos de argissolo Eutrófico abrúptico Eutroférrico câmbico Eutrófico típico
  • 14. Argissolo Vermelho - Amarelo Fonte: SiBCS – Embrapa, 2006. Tipos de argissolo Outros solos de cores vermelho-amareladas e amareloavermelhadas que não se enquadram nas classes anteriores.
  • 15. Argissolo Vermelho - Amarelo Fonte: SiBCS – Embrapa, 2006. Tipos de argissolo • Os teores de Fe2O3 normalmente são menores que 11%. • São profundos a pouco profundos, moderado a bem drenados.
  • 16. Tipos de argissolo Grade Grupo Argissolo Eutrófico Distrófico Álico
  • 17. Tipos de argissolo distróficos Solos que possui mais de 50% de sua capacidade de troca ocupada pelo hidrogênio e alumínio, portanto são os menos férteis.
  • 18. Tipos de argissolo eutróficos Solos que possui mais de 50% de sua capacidade de troca ocupada com as bases (cálcio, magnésio e potássio), sendo portanto os mais férteis. O que influi favoravelmente no crescimento radicular Fonte: hotsites.cnps.embrapa.br Fonte: hotsites.cnps.embrapa.br
  • 19. Tipos de argissolo álicos Indicativo de saturação por alumínio. Característica identificada no horizonte B, ou então no horizonte A. O que influi negativamente no crescimento radicular por bloquear a divisão celular. Figura .Crescimento radicular da cana-de-açúcar em solos quimicamente muito contrastantes. Fonte: pedologia fácil
  • 20. • Importância da água para o vegetal. A água flui continuamente através do corpo de uma planta: deixa os estômatos via transpiração e entra pelas raízes. Capacidade, drenagem e armazenamento
  • 21. • Horizonte A e E: Rápida drenagem. • Horizonte B: Camada de impedimento da água, e maior retenção da mesma. Capacidade, drenagem e armazenamento
  • 22. • Horizonte B superficial. • Horizonte B profundo. Sistemas radicular pequeno Sistemas radicular profundo Capacidade, drenagem e armazenamento
  • 23. O Perfil de um Argissolo pode ser formado por três horizontes, sendo estes: A, E e Bt. Perfil e Horizontes
  • 24. Perfil e Horizontes • A textura do argissolo é arenosa no horizonte A e muito argilosa no horizonte B. Figura . Exemplo do grande incremento de argila no horizonte B textura Fonte: pedologia fácil • O gradiente textural é a relação da porcentagem de argila do horizonte B em comparação com a do horizonte A.
  • 25. Perfil e Horizontes Horizonte A: Camada rica em húmus, que consiste em material orgânico parcialmente decomposto misturado com quartzo. Figura. Argissolo com o horizonte A preservado (ao fundo) e Argissolo com horizonte A totalmente erodido (primeiro plano). Fonte: pedologia fácil
  • 26. Perfil e Horizontes Horizonte E: Horizonte eluviail empobrecido em partículas de dimensão argilosa devido à sua migração. Encontram-se, geralmente, sob o horizonte A. E Bt A Mudança textural abrúpta ocorre à profundidades variadas. 35cm 60cm
  • 27. Perfil e Horizontes Horizonte B Textural: Recebe esse nome devido ao incremento no teor de argila tornando a textura desse horizonte mais argilosa do que a do horizonte imediatamente acima.
  • 28. • PONTOS POSITIVOS IRRIGAÇÃO (Os horizontes A e E apresentam alta velocidade de infiltração) O horizonte B é rico em argilas e possui ótima capacidade de retenção Argissolos e seu manejo
  • 29. • PONTOS NEGATIVOS São solos velhos, muito intemperizados e de baixa fertilidade. Precisam ser corrigidos e adubados para melhores rendimentos agrícolas. Argissolos e seu manejo
  • 30. Problemas sérios de erosão são verificados nos argissolos devido a grande diferença de textura entre os horizontes A e B, sendo tanto maior o problema quanto maior for a declividade do terreno. Figura . Erosão em sulcos no Argissolo. Fonte: pedologia fácil Figura . Água estagnada na superfície do Argissolo. Fonte: pedologia fácil •PONTOS NEGATIVOS Argissolos e seu manejo
  • 31. Limitações Práticas de Manejo Acidez, baixa CTC, baixa reserva de nutrientes,aumento da fração argila em profundidade, adensamento/ compactação Calagem, adubação, subsolagem, drenagem Fonte: Embrapa Amazônia Oriental Tabela 2. Argissolo limitações e recomendações de manejo. Argissolos e seu manejo
  • 34. www.agencia.cnptia.embrapa.br http://wiki.sj.ifsc.edu.br http://www.uniceub.br/museugeo/solo1 www.pedologiafacil.com.br EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Brasília, 1999. 412p. il. (EMBRAPA/CNPS-RJ. Documentos, 5). ANJOS, J. B. dos. Mecanização agrícola, manejo e conservação de solo. In: SOUZA LEÃO, P. C. de; SOARES, J. M. (Ed.). A viticultura no semi-árido brasileiro. Petrolina, PE: Embrapa Semi-Árido, 2000. Cap. 10, p. 259-272, il.