SlideShare uma empresa Scribd logo
11/11/19
HÉRNIA DE DISCO
www.traumatologiaeortopedia.com.br
11/11/19
11/11/19
Estrutura do disco intervertebral
 Articulação semi-móvel: anfiartrose.
 Núcleo pulposo: gelatinoso (88% água)
• Mucopolissacarídeos, sulfato de condroitina,
proteínas, ácido hialurônico e ceratosulfato
• Contido sob pressão
 Ânulo Fibroso: camadas fibrosas
• a) Obliquidade cruzada.
• b) Na periferia verticais e oblíquas no centro.
11/11/19
CARACTERÍSTICAS DO DISCO
11/11/19
CONSIDERAÇÕES INICIAIS
 O NÚCLEO PULPOSO TEM CARACTERÍSTICA DE
UM GEL, SENDO CAPAZ DE RECEBER E
DISTRIBUIR AS PRESSÕES QUE SÃO CONTIDAS
PELO ÂNULO, ATUANDO COM O DISCO, EM
CONJUNTO, COMO AMORTECEDOR
 MODIFICAÇÕES SE INICIAM NA TERCEIRA
DÉCADA DE VIDA
 OCORRE PERDA DA CONDIÇÃO DE GEL DO
NÚCLEO E DA SUA CAPACIDADE DE DISTRIBUIR
ADEQUADAMENTE AS CARGAS
 CARGAS DESIGUAIS NO ÂNULO PODE OCORRE
FISSURAS NAS CAMADAS DESTE COM
INSINUAÇÃO DO MATERIAL NUCLEAR
11/11/19
11/11/19
11/11/19
HÉRNIAS
 200 MIL OPERAÇÕES POR ANO NOS EUA
 Coluna cervical C5-C6 , parte inferior da
coluna torácica, coluna lombar L4-L5; L5-S1
 Posição bípedes
 Mais de 80% das hérnias são reabsorvidas
com resolução do quadro algico em um
período de 1 a 3 meses, com tratamento
conservador habitual (repouso relativo por
poucos dias, fisioterapia, aines, analgésicos,
exercícios, reeducação postural)
 Na falha do tto conservador pode se fazer
bloqueio foraminal guiada por TC, ou
infiltração peridural com corticóides
www.traumatologiaeortopedia.com.br
11/11/19
11/11/19
HÉRNIA TORÁCICA
 A dificuldade em se fazer o diagnóstico da
hérnia de disco torácica talvez se deva ao
variável grau de sintomas sendo os mais
freqüentes, em ordem decrescente:
• dor não especifica na região dorsal,
• face anterior do tórax ou parte proximal dos
membros inferiores,
• diminuição da força muscular dos membros
inferiores,
• hiper-reflexia,
• distúrbios urinários e intestinais
• paraplegia
11/11/19
Hérnia Torácica (RBO)
 O primeiro caso de hérnia de disco torácica
causando comprometimento da medula espinal
foi descrito por Key, em 1838. Outro caso
semelhante, de Middleton & Teacher, foi
publicado em 1911.
 Somente mais recentemente, com o avanço
ocorrido no campo do diagnóstico por imagem,
essa afecção passou a ser reconhecida com
mais freqüência, embora sua incidência
corresponda de 0,2 a 1% de todas as cirurgias
realizadas por hérnia discal .
 (Tarcisio Eloi – 1993) → 5 casos
11/11/19
Quadro Clínico
 Hérnias laterais→ compressão do
nervo intercostal
 Hérnias centrais→ mielopatia
(parestesias, paresia radicular,
alterações esfincterianas)
 Hérnias centrolaterais→ mielopatia e
dor radicular
 40 a 60 anos
 Demora do diagn: em média de 2 anos
após o começo dos sintomas
11/11/19
TRATAMENTO
 O uso do acesso anterior com ressecção do
disco intervertebral é possível, sem que haja
mobilização exagerada da medula;
 O resultado do tratamento da hérnia de disco
torácica através de um acesso anterior
mostrou-se bom nos pacientes que
apresentaram um quadro neurológico
associado;
 O acesso anterior para a ressecção das hérnias
de disco torácica é a melhor abordagem para
esses pacientes,pela facilidade da via e pela
pouca manipulação da medula.
11/11/19
HÉRNIA LOMBAR
 Mais freqüente hérnia de disco
 Weber (1984) ciatalgia por hérnia lombar,
comparou 126 pacientes com tto conservador e
cirúrgico, foram acompanhados por 10 anos de
evolução, após 4 anos mesmo resultados
 Modic (1986) demonstra que a RNM apresenta a
melhor avaliação dignóstica do que a mielografia
e a TC
 Boden (1990) encontrou 22% de alterações
discais (abaixo de 40 anos), 58% de alterações
discais (acima de 40 anos) na RNM em pessoas
assintomáticas
www.traumatologiaeortopedia.com.brwww.traumatologiaeortopedia.com.br
11/11/19
11/11/19
 Dor contínua que começa de forma
insidiosa e piora gradualmente
apresentando períodos de dor mais
intensa
 Dor de origem mecânica que melhora
com repouso e piora com atividade
 Se acentua com períodos sentados e
em pé, correlacionados com
sobrecarga nessas posições
Quadro clínico
11/11/19
Exame físico
 Marcha antálgica
 Pé caído (L4-L5)
 Dificuldade para ficar na ponta dos
pés (S1)
O paciente normalmente prefere a
flexão da coluna lombar
11/11/19
 Palpação
• Pode indicar o local sintomático
• Espasmo da musculatura paravertebral
• Art. Sacroilíacas
11/11/19
Exame neurológico
11/11/19
Quadril L2-L3 flexão
L4-L5 extensão
Joelho L3-L4 extensão
L5-S1 flexão
Tornozelo L4-L5 Flexão dorsal
S1-S2 Flexão plantar
11/11/19 Marcos Gomes De Lima-UTO/HRPa
11/11/19
11/11/19
11/11/19
11/11/19
Exame do Sensório
Cervical Toracica Lombosacra
C-5 Deltoide T-4 Mamilo L-4 Perna
medial
C-6 Polegar T-8 Xifóide L-5 1 e 2
dedos do pé
C-7 Dedo
médio
T-10 Umbigo S-1 Pé lateral
C-8 Dedo
mínimo
T-12 Sínfise S 4-5 Perianal
11/11/19
Dor ciática
 Pode haver dor muito intensa
irradiada abaixo do joelho, sem dor
lombar, apesar de alguma limitação
ou espasmo ser visível ao exame
clínico
 Raízes de L5 e S1 são envolvidas
com mais frequencia
 A dor pode piorar com a manobra de
valsalva
11/11/19
Sínd. da cauda equina
 1 a 2%
 Recuperação neurológica variável
com tto cirúrgico
11/11/19
HÉRNIA LOMBAR
 Tratamento conservador 6 a 8 semanas
 Repouso inicial, Fisioterapia, AINES,
analgésicos
 Em déficit neurológicos progressivos, falha do
tratamento conservador, episódios de dores
recorrentes muito freqüentes, que limitem a
atividade do paciente Cirúrgico
 A indicação de tto cirúrgico absoluta e de
urgência: nos casos de Sind. da Cauda Eqüina
com hérnia de grande volume, comprimindo as
raízes e levando o quadro de anestesia em sela
e alterações de esfíncteres
11/11/19
HÉRNIA LOMBAR
 Discectomia clássica ( deslocamento
de um dos lados , com retirada de
uma pequena lamina e com abertura
do ligamento amarelo, expondo o
saco dural
 Microdiscetomia
 Discectomias percutâneas
 Nucleotomia percutânea
 Quimionucleólise
 Artrodese pós discectomias
11/11/19 www.traumatologiaeortopedia.com.br
11/11/19
HÉRNIA CERVICAL
11/11/19
EPIDEMIOLOGIA
 PROTUSÃO DO DISCO
INTERVERTEBRAL É MAIS COMUM NO
SEXO MASCULINO E NA 4ª A 5ª
DÉCADA
 ESPONDILOSE CERVICAL É MAIS
COMUM EM PACIENTES DE MAIS
IDADE
 ALTERAÇÕES DEGENERATIVAS NA
COLUNA CERVICAL SÃO UNIVERSAIS
NO GRUPO DE MAIS IDADE
11/11/19
PATOGÊNESE DEGENERAÇÃO
DISCAL
 ENVELHECIMENTO E
ALTERAÇÕES DO CONTÉUDO DE
ÁGUA NO DISCO
 POSTURA E EFEITOS MECÂNICOS
 FENÔMENO AUTO-IMUNE
 FATORES GENÉTICOS
 TABAGISMO
11/11/19
LOCALIZAÇÕES
 DEPENDENDO DA LOCALIZAÇÃO
NO DISCO, A DISCOPATIA TERÁ
CARACTERES ANATÔMICOS E
CLÍNICOS DIFERENTES
• A) SALIÊNCIA ANTERIOR: SOB O
LIGAMENTO LONGITUDINAL
ANTERIOR; RARAMENTE TEM
SIGNIFICADO CLÍNICO, POR
EVENTUAL COMPRESSÃO NO
ESPAÇO PRÉ-VERTEBRAL
11/11/19
LOCALIZAÇÕES
 B) SALIÊNCIA PÓSTERO-
LATERAL: NA PARTE LATERAL DO
CANAL VERTEBRAL, OU NA
PORÇÃO INICIAL DO FORAME DE
CONJUÇÃO, LEVANDO À
COMPRESSÃO RADICULAR
11/11/19
11/11/19
LOCALIZAÇÕES
 C) SALIÊNCIA PÓSTERO-
MEDIANA OU CENTRAL: NA
PARTE CENTRAL DO CANAL
RAQUÍDEO, COMPRIMINDO A
MÉDULA E SEUS VASOS
www.traumatologiaeortopedia.com.br
11/11/19
11/11/19
LOCALIZAÇÕES
 D) SALIÊNCIA LATERAL: NO CANAL
DA ARTÉRIA VERTEBRAL, PODENDO
COMPRIMI-LA
 ESTAS ALTERAÇÕES LEVAM O
COMPROMETIMENTO DE ESTRUTURAS
NERVOSAS E VASCULARES,
DETERMINANDO DIFERENTES
QUADROS CLÍNICOS,
FREQUENTEMENTE ASSOCIADOS
11/11/19
11/11/19
CERVICOBRAQUIALGIA
 QUANDO A SEDE DA DISCOPATIA
É PÓSTERO-LATERAL
 PRODUZ CERVICALGIA POR
IRRITAÇÃO DO PLEXO
SENSITIVO RAQUIDIANO E
BRAQUIALGIA PELO CONTATO
COM A RAIZ
11/11/19
QUADRO CLÍNICO / CERVICAL
 A CERVICALGIA É GERALMENTE
INSIDIOSA, SEM CAUSA APARENTE.
 RELACIONADA COM MOVIMENTOS
BRUSCOS DO PESCOÇO, LONGA
PERMANÊNCIA EM POSIÇÃO
FORÇADA, ESFORÇO OU TRAUMA
 MELHORA COM O REPOUSO E SE
EXARCEBA COM A MOVIMENTAÇÃO,
COM A COMPRESSÃO DAS APÓFISES
ESPINHOSAS
 ESPASMOS MUSCULARES E PONTOS
DE GATILHO COM FREQUÊNCIA
11/11/19
QUADRO CLÍNICO / RADICULAR
 FENÔMENOS SENSITIVOS:
IRRADIAÇÃO DA CERVICALGIA P/
MEMBRO SUPERIOR E TÓRAX
 PARESTESIAS, HIPOESTESIAS C/
MENOR FREQUÊNCIA E ANESTESIAS
AUSENTES
 FENÔMENOS MOTORES: PARESIAS,
RARAMENTE PARALISIAS E
ALTERAÇÕES DOS REFLEXOS
 OS TERRITÓRIOS CUTÂNEOS E
MUSCULAR ACOMETIDO DEPENDEM
DA RAIZ ATINGIDA
11/11/19 www.traumatologiaeortopedia.com.br
11/11/19
11/11/19
DIAGNÓSTICO
 A PRIMEIRA OPÇÃO PARA EXISTÊNCIA
OU NÃO DE COMPRESSÃO RADICULAR
POR HÉRNIA DISCAL CERVICAL É: RMN
 TAXA DE FALSO-NEGATIVOS É ALTA
 QUANDO NÃO DISPOMOS, PODE SE
USAR A TC E MIELOGRAFIA
 MIELOGRAFIA: FALHA DE ENCHIMENTO
EXTRADURAL
 TC: CANAL CERVICAL COM MENOS DE
10MM DE DIÂMETRO SAGITAL MÉDIO É
ESTENOSE ABSOLUTA E 10-13MM É
RELATIVA
11/11/19
11/11/19
11/11/19
11/11/19
DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL
#DX DIFERENCIAL: SÍND. DA FOSSA
SUPRACLAVICULAR (CIANOSE, SUDORESE,
ALT.TRÓFICAS DA PELE); SÍND.DE PANCOAST (
TU NO APICE PULMÃO), SIND. DO TÚNEL DO
CARPO(ELETRONEUROMIOGRAFIA)
#TRAUMA: ENTORSE CERVICAL,
INSTABILIDADE PÓS-TRAMÁTICA
#AFECÇÕES INFLAMÁTÓRIAS: AR, ESPONDILITE
ANQUILOSANTE
#INFECÇÕES: DISCITE, OM, ABSCESSO DE
PARTES MOLES
11/11/19
TRATAMENTO CONSERVADOR
• FASE DOLOROSA AGUDA: (1-2
SEMANAS):
 A) AINES OU ESTERÓIDES ORAIS,
ANALGÉSICOS A CURTO PRAZO,
APLICAÇÃO DE CALOR OU GELO
 B) MODIFICAÇÃO DE ATIVIDADE
 C) COLAR CERVICAL MACIO OU
TRAÇÃO DOMICILIAR PODEM SER
UTÉIS
www.traumatologiaeortopedia.com.br
11/11/19
TRATAMENTO CONSERVADOR
 FASE INTERMEDIÁRIA DE
RECUPERAÇÃO (3-4 SEMANAS):
EXERCÍCIOS DE ALONGAMENTO E
ISOMÉTRICOS
FISIOTERAPIA E EXERCÍCIOS, SE O
PACIENTE ESTIVER MELHORANDO
• FASE DE REABILITAÇÃO( >4
SEMANAS):CONDICIONAMENTO
CARDIOVASCULAR E PROGRAMA
VIGOROSO DE EXERCÍCIOS DE
FORTALECIMENTO
MODIFICAÇÃO DO LOCAL DE TRABALHO
11/11/19
TRATAMENTO CIRÚRGICO
 78% DE RESULTADOS BEM-
SUCEDIDOS COM 2-3 MESES DE
TTO CONSERVADOR P/
RADICULOPATIA
 INDICAÇÕES CIRÚRGICAS:
• SINAIS PROGRESSIVOS DE DISFUNÇÃO DA RAIZ
OU DA MÉDULA
• FALHA DO TTO CONSERVADOR EM ALIVIAR A DOR
RADICULAR OU DÉFICIT MOTOR
11/11/19
TÉCNICA CIRÚRGICA ANTERIOR
 RESSECA-SE O DISCO E OSTEÓFITOS,
REALIZANDO A ARTODESE
 NÃO PERMITE A VISUALIZAÇÃO
ADEQUADA DA RAIZ
 TÉCNICA DE SMITH-ROBINSON
11/11/19
11/11/19
11/11/19
11/11/19
TÉCNICA CIRÚRGICA
POSTERIOR
 PODE SER REALIZADA A
HEMILAMINECTOMIA COM
RESSECÇÃO PARCIAL DA ART.
INTERAPOFISÁRIA
 HÉRNIA DE DISCO UNILATERAL OU
ESTENOSE FORAMINAL POR
LAMINOFORAMINOTOMIA
( LAMINOTOMIA UNILATERAL E
FACETECTOMIA PARCIAL E
FORAMINOTOMIA)
www.traumatologiaeortopedia.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Condutas terapêuticas na hérnia de disco lombar
Condutas terapêuticas na hérnia de disco lombarCondutas terapêuticas na hérnia de disco lombar
Condutas terapêuticas na hérnia de disco lombar
adrianomedico
 
Osteoartrose
Osteoartrose Osteoartrose
Fascias e pompages impressao
Fascias e pompages impressaoFascias e pompages impressao
Fascias e pompages impressao
pamellabartolomeu
 
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombroProposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Faculdade Anglo-Americano
 
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkraisWilliams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Thalita Tassiani
 
Escoliose e método klapp.
Escoliose e método klapp.Escoliose e método klapp.
Escoliose e método klapp.
Paulo Bueno
 
Síndrome do impacto
Síndrome do impactoSíndrome do impacto
Síndrome do impacto
Raquel Pizol
 
Lesão medular
Lesão medularLesão medular
Lesão medular
Biancaglorinha
 
Bobath
BobathBobath
Hernia de disco
Hernia de discoHernia de disco
Hernia de disco
Manuela Costa
 
Aula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapiaAula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapia
Jaqueline Mancini
 
15 -amplitude_de_movimento
15  -amplitude_de_movimento15  -amplitude_de_movimento
15 -amplitude_de_movimento
Johnny Martins
 
Rpg
RpgRpg
Exercícios Livres para as Escolioses
Exercícios Livres para as Escolioses Exercícios Livres para as Escolioses
Exercícios Livres para as Escolioses
José Luiz Zaparoli
 
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publica
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publicafisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publica
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publica
Delainy Batista
 
Trabalho de recursos terapêuticos manuais
Trabalho de recursos terapêuticos manuaisTrabalho de recursos terapêuticos manuais
Trabalho de recursos terapêuticos manuais
Wando Pagani
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
Cleanto Santos Vieira
 
Aula 1 anamese
Aula 1 anameseAula 1 anamese
Aula 1 anamese
Fernanda Francalin
 
A fisioterapia intensiva oncofuncional
A fisioterapia intensiva oncofuncional A fisioterapia intensiva oncofuncional
A fisioterapia intensiva oncofuncional
Iapes Ensino
 
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Mauricio Fabiani
 

Mais procurados (20)

Condutas terapêuticas na hérnia de disco lombar
Condutas terapêuticas na hérnia de disco lombarCondutas terapêuticas na hérnia de disco lombar
Condutas terapêuticas na hérnia de disco lombar
 
Osteoartrose
Osteoartrose Osteoartrose
Osteoartrose
 
Fascias e pompages impressao
Fascias e pompages impressaoFascias e pompages impressao
Fascias e pompages impressao
 
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombroProposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
 
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkraisWilliams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
 
Escoliose e método klapp.
Escoliose e método klapp.Escoliose e método klapp.
Escoliose e método klapp.
 
Síndrome do impacto
Síndrome do impactoSíndrome do impacto
Síndrome do impacto
 
Lesão medular
Lesão medularLesão medular
Lesão medular
 
Bobath
BobathBobath
Bobath
 
Hernia de disco
Hernia de discoHernia de disco
Hernia de disco
 
Aula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapiaAula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapia
 
15 -amplitude_de_movimento
15  -amplitude_de_movimento15  -amplitude_de_movimento
15 -amplitude_de_movimento
 
Rpg
RpgRpg
Rpg
 
Exercícios Livres para as Escolioses
Exercícios Livres para as Escolioses Exercícios Livres para as Escolioses
Exercícios Livres para as Escolioses
 
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publica
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publicafisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publica
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publica
 
Trabalho de recursos terapêuticos manuais
Trabalho de recursos terapêuticos manuaisTrabalho de recursos terapêuticos manuais
Trabalho de recursos terapêuticos manuais
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
 
Aula 1 anamese
Aula 1 anameseAula 1 anamese
Aula 1 anamese
 
A fisioterapia intensiva oncofuncional
A fisioterapia intensiva oncofuncional A fisioterapia intensiva oncofuncional
A fisioterapia intensiva oncofuncional
 
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
 

Semelhante a Hernia de disco

Hérnia de disco lombar
Hérnia de disco lombarHérnia de disco lombar
Hérnia de disco lombar
adrianomedico
 
Dor lombar soma uam
Dor lombar soma  uamDor lombar soma  uam
Dor lombar soma uam
Maria Pippa
 
Epicondilite lateral
Epicondilite lateralEpicondilite lateral
Epicondilite lateral
Ana Carolina Sousa
 
Hernia de Disco e Estenose de Canal
Hernia de Disco e Estenose de CanalHernia de Disco e Estenose de Canal
Hernia de Disco e Estenose de Canal
Laenca Unirg
 
Coluna 2 ano 2012-atual
Coluna 2 ano   2012-atualColuna 2 ano   2012-atual
Coluna 2 ano 2012-atual
Maria Costa
 
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. AbdallahHernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o AnoEpicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Carlos Andrade
 
Dctb
DctbDctb
Alteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do CotoveloAlteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do Cotovelo
Welisson Porto
 
Osteonecrose do joelho
Osteonecrose do joelhoOsteonecrose do joelho
Osteonecrose do joelho
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Modulo 15
Modulo 15Modulo 15
Modulo 15
SemioOrto
 
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Mão Reumatóide
Mão Reumatóide Mão Reumatóide
Mão Reumatóide
Brunno Rosique
 
Legg calve perthers
Legg calve perthersLegg calve perthers
Legg calve perthers
Omar Mohamad Abdallah
 
SISTEMA NERVOSO: NOÇÕES DE NEUROANATOMIA
SISTEMA NERVOSO: NOÇÕES DE NEUROANATOMIASISTEMA NERVOSO: NOÇÕES DE NEUROANATOMIA
SISTEMA NERVOSO: NOÇÕES DE NEUROANATOMIA
Cristiano Quintão
 
Estenose do canal vertebral cervical e lombar 01
Estenose do canal vertebral cervical e lombar 01Estenose do canal vertebral cervical e lombar 01
Estenose do canal vertebral cervical e lombar 01
adrianomedico
 
Estenose do canal vertebral cervical e lombar
Estenose do canal vertebral cervical e lombarEstenose do canal vertebral cervical e lombar
Estenose do canal vertebral cervical e lombar
adrianomedico
 
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebralEspondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Síndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervos
Síndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervosSíndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervos
Síndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervos
neuroligaunivasf
 
Ruptura do Tendão de Aquiles
Ruptura do Tendão de AquilesRuptura do Tendão de Aquiles
Ruptura do Tendão de Aquiles
Felipe Campos
 

Semelhante a Hernia de disco (20)

Hérnia de disco lombar
Hérnia de disco lombarHérnia de disco lombar
Hérnia de disco lombar
 
Dor lombar soma uam
Dor lombar soma  uamDor lombar soma  uam
Dor lombar soma uam
 
Epicondilite lateral
Epicondilite lateralEpicondilite lateral
Epicondilite lateral
 
Hernia de Disco e Estenose de Canal
Hernia de Disco e Estenose de CanalHernia de Disco e Estenose de Canal
Hernia de Disco e Estenose de Canal
 
Coluna 2 ano 2012-atual
Coluna 2 ano   2012-atualColuna 2 ano   2012-atual
Coluna 2 ano 2012-atual
 
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. AbdallahHernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o AnoEpicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
 
Dctb
DctbDctb
Dctb
 
Alteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do CotoveloAlteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do Cotovelo
 
Osteonecrose do joelho
Osteonecrose do joelhoOsteonecrose do joelho
Osteonecrose do joelho
 
Modulo 15
Modulo 15Modulo 15
Modulo 15
 
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
 
Mão Reumatóide
Mão Reumatóide Mão Reumatóide
Mão Reumatóide
 
Legg calve perthers
Legg calve perthersLegg calve perthers
Legg calve perthers
 
SISTEMA NERVOSO: NOÇÕES DE NEUROANATOMIA
SISTEMA NERVOSO: NOÇÕES DE NEUROANATOMIASISTEMA NERVOSO: NOÇÕES DE NEUROANATOMIA
SISTEMA NERVOSO: NOÇÕES DE NEUROANATOMIA
 
Estenose do canal vertebral cervical e lombar 01
Estenose do canal vertebral cervical e lombar 01Estenose do canal vertebral cervical e lombar 01
Estenose do canal vertebral cervical e lombar 01
 
Estenose do canal vertebral cervical e lombar
Estenose do canal vertebral cervical e lombarEstenose do canal vertebral cervical e lombar
Estenose do canal vertebral cervical e lombar
 
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebralEspondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
 
Síndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervos
Síndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervosSíndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervos
Síndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervos
 
Ruptura do Tendão de Aquiles
Ruptura do Tendão de AquilesRuptura do Tendão de Aquiles
Ruptura do Tendão de Aquiles
 

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinite calcaria
Tendinite calcariaTendinite calcaria
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femurFratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femur
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radioFratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radio
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira (20)

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Halux valgo
 
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Fascite plantar
 
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
Artrose quadril
 
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
 
Tendinite calcaria
Tendinite calcariaTendinite calcaria
Tendinite calcaria
 
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Fratura de clavicula
 
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
 
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura radio distal
 
Fratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femurFratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femur
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
 
Fratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radioFratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radio
 

Hernia de disco

  • 3. 11/11/19 Estrutura do disco intervertebral  Articulação semi-móvel: anfiartrose.  Núcleo pulposo: gelatinoso (88% água) • Mucopolissacarídeos, sulfato de condroitina, proteínas, ácido hialurônico e ceratosulfato • Contido sob pressão  Ânulo Fibroso: camadas fibrosas • a) Obliquidade cruzada. • b) Na periferia verticais e oblíquas no centro.
  • 5. 11/11/19 CONSIDERAÇÕES INICIAIS  O NÚCLEO PULPOSO TEM CARACTERÍSTICA DE UM GEL, SENDO CAPAZ DE RECEBER E DISTRIBUIR AS PRESSÕES QUE SÃO CONTIDAS PELO ÂNULO, ATUANDO COM O DISCO, EM CONJUNTO, COMO AMORTECEDOR  MODIFICAÇÕES SE INICIAM NA TERCEIRA DÉCADA DE VIDA  OCORRE PERDA DA CONDIÇÃO DE GEL DO NÚCLEO E DA SUA CAPACIDADE DE DISTRIBUIR ADEQUADAMENTE AS CARGAS  CARGAS DESIGUAIS NO ÂNULO PODE OCORRE FISSURAS NAS CAMADAS DESTE COM INSINUAÇÃO DO MATERIAL NUCLEAR
  • 8. 11/11/19 HÉRNIAS  200 MIL OPERAÇÕES POR ANO NOS EUA  Coluna cervical C5-C6 , parte inferior da coluna torácica, coluna lombar L4-L5; L5-S1  Posição bípedes  Mais de 80% das hérnias são reabsorvidas com resolução do quadro algico em um período de 1 a 3 meses, com tratamento conservador habitual (repouso relativo por poucos dias, fisioterapia, aines, analgésicos, exercícios, reeducação postural)  Na falha do tto conservador pode se fazer bloqueio foraminal guiada por TC, ou infiltração peridural com corticóides www.traumatologiaeortopedia.com.br
  • 10. 11/11/19 HÉRNIA TORÁCICA  A dificuldade em se fazer o diagnóstico da hérnia de disco torácica talvez se deva ao variável grau de sintomas sendo os mais freqüentes, em ordem decrescente: • dor não especifica na região dorsal, • face anterior do tórax ou parte proximal dos membros inferiores, • diminuição da força muscular dos membros inferiores, • hiper-reflexia, • distúrbios urinários e intestinais • paraplegia
  • 11. 11/11/19 Hérnia Torácica (RBO)  O primeiro caso de hérnia de disco torácica causando comprometimento da medula espinal foi descrito por Key, em 1838. Outro caso semelhante, de Middleton & Teacher, foi publicado em 1911.  Somente mais recentemente, com o avanço ocorrido no campo do diagnóstico por imagem, essa afecção passou a ser reconhecida com mais freqüência, embora sua incidência corresponda de 0,2 a 1% de todas as cirurgias realizadas por hérnia discal .  (Tarcisio Eloi – 1993) → 5 casos
  • 12. 11/11/19 Quadro Clínico  Hérnias laterais→ compressão do nervo intercostal  Hérnias centrais→ mielopatia (parestesias, paresia radicular, alterações esfincterianas)  Hérnias centrolaterais→ mielopatia e dor radicular  40 a 60 anos  Demora do diagn: em média de 2 anos após o começo dos sintomas
  • 13. 11/11/19 TRATAMENTO  O uso do acesso anterior com ressecção do disco intervertebral é possível, sem que haja mobilização exagerada da medula;  O resultado do tratamento da hérnia de disco torácica através de um acesso anterior mostrou-se bom nos pacientes que apresentaram um quadro neurológico associado;  O acesso anterior para a ressecção das hérnias de disco torácica é a melhor abordagem para esses pacientes,pela facilidade da via e pela pouca manipulação da medula.
  • 14. 11/11/19 HÉRNIA LOMBAR  Mais freqüente hérnia de disco  Weber (1984) ciatalgia por hérnia lombar, comparou 126 pacientes com tto conservador e cirúrgico, foram acompanhados por 10 anos de evolução, após 4 anos mesmo resultados  Modic (1986) demonstra que a RNM apresenta a melhor avaliação dignóstica do que a mielografia e a TC  Boden (1990) encontrou 22% de alterações discais (abaixo de 40 anos), 58% de alterações discais (acima de 40 anos) na RNM em pessoas assintomáticas www.traumatologiaeortopedia.com.brwww.traumatologiaeortopedia.com.br
  • 16. 11/11/19  Dor contínua que começa de forma insidiosa e piora gradualmente apresentando períodos de dor mais intensa  Dor de origem mecânica que melhora com repouso e piora com atividade  Se acentua com períodos sentados e em pé, correlacionados com sobrecarga nessas posições Quadro clínico
  • 17. 11/11/19 Exame físico  Marcha antálgica  Pé caído (L4-L5)  Dificuldade para ficar na ponta dos pés (S1) O paciente normalmente prefere a flexão da coluna lombar
  • 18. 11/11/19  Palpação • Pode indicar o local sintomático • Espasmo da musculatura paravertebral • Art. Sacroilíacas
  • 20. 11/11/19 Quadril L2-L3 flexão L4-L5 extensão Joelho L3-L4 extensão L5-S1 flexão Tornozelo L4-L5 Flexão dorsal S1-S2 Flexão plantar 11/11/19 Marcos Gomes De Lima-UTO/HRPa
  • 24. 11/11/19 Exame do Sensório Cervical Toracica Lombosacra C-5 Deltoide T-4 Mamilo L-4 Perna medial C-6 Polegar T-8 Xifóide L-5 1 e 2 dedos do pé C-7 Dedo médio T-10 Umbigo S-1 Pé lateral C-8 Dedo mínimo T-12 Sínfise S 4-5 Perianal
  • 25. 11/11/19 Dor ciática  Pode haver dor muito intensa irradiada abaixo do joelho, sem dor lombar, apesar de alguma limitação ou espasmo ser visível ao exame clínico  Raízes de L5 e S1 são envolvidas com mais frequencia  A dor pode piorar com a manobra de valsalva
  • 26. 11/11/19 Sínd. da cauda equina  1 a 2%  Recuperação neurológica variável com tto cirúrgico
  • 27. 11/11/19 HÉRNIA LOMBAR  Tratamento conservador 6 a 8 semanas  Repouso inicial, Fisioterapia, AINES, analgésicos  Em déficit neurológicos progressivos, falha do tratamento conservador, episódios de dores recorrentes muito freqüentes, que limitem a atividade do paciente Cirúrgico  A indicação de tto cirúrgico absoluta e de urgência: nos casos de Sind. da Cauda Eqüina com hérnia de grande volume, comprimindo as raízes e levando o quadro de anestesia em sela e alterações de esfíncteres
  • 28. 11/11/19 HÉRNIA LOMBAR  Discectomia clássica ( deslocamento de um dos lados , com retirada de uma pequena lamina e com abertura do ligamento amarelo, expondo o saco dural  Microdiscetomia  Discectomias percutâneas  Nucleotomia percutânea  Quimionucleólise  Artrodese pós discectomias
  • 31. 11/11/19 EPIDEMIOLOGIA  PROTUSÃO DO DISCO INTERVERTEBRAL É MAIS COMUM NO SEXO MASCULINO E NA 4ª A 5ª DÉCADA  ESPONDILOSE CERVICAL É MAIS COMUM EM PACIENTES DE MAIS IDADE  ALTERAÇÕES DEGENERATIVAS NA COLUNA CERVICAL SÃO UNIVERSAIS NO GRUPO DE MAIS IDADE
  • 32. 11/11/19 PATOGÊNESE DEGENERAÇÃO DISCAL  ENVELHECIMENTO E ALTERAÇÕES DO CONTÉUDO DE ÁGUA NO DISCO  POSTURA E EFEITOS MECÂNICOS  FENÔMENO AUTO-IMUNE  FATORES GENÉTICOS  TABAGISMO
  • 33. 11/11/19 LOCALIZAÇÕES  DEPENDENDO DA LOCALIZAÇÃO NO DISCO, A DISCOPATIA TERÁ CARACTERES ANATÔMICOS E CLÍNICOS DIFERENTES • A) SALIÊNCIA ANTERIOR: SOB O LIGAMENTO LONGITUDINAL ANTERIOR; RARAMENTE TEM SIGNIFICADO CLÍNICO, POR EVENTUAL COMPRESSÃO NO ESPAÇO PRÉ-VERTEBRAL
  • 34. 11/11/19 LOCALIZAÇÕES  B) SALIÊNCIA PÓSTERO- LATERAL: NA PARTE LATERAL DO CANAL VERTEBRAL, OU NA PORÇÃO INICIAL DO FORAME DE CONJUÇÃO, LEVANDO À COMPRESSÃO RADICULAR
  • 36. 11/11/19 LOCALIZAÇÕES  C) SALIÊNCIA PÓSTERO- MEDIANA OU CENTRAL: NA PARTE CENTRAL DO CANAL RAQUÍDEO, COMPRIMINDO A MÉDULA E SEUS VASOS www.traumatologiaeortopedia.com.br
  • 38. 11/11/19 LOCALIZAÇÕES  D) SALIÊNCIA LATERAL: NO CANAL DA ARTÉRIA VERTEBRAL, PODENDO COMPRIMI-LA  ESTAS ALTERAÇÕES LEVAM O COMPROMETIMENTO DE ESTRUTURAS NERVOSAS E VASCULARES, DETERMINANDO DIFERENTES QUADROS CLÍNICOS, FREQUENTEMENTE ASSOCIADOS
  • 40. 11/11/19 CERVICOBRAQUIALGIA  QUANDO A SEDE DA DISCOPATIA É PÓSTERO-LATERAL  PRODUZ CERVICALGIA POR IRRITAÇÃO DO PLEXO SENSITIVO RAQUIDIANO E BRAQUIALGIA PELO CONTATO COM A RAIZ
  • 41. 11/11/19 QUADRO CLÍNICO / CERVICAL  A CERVICALGIA É GERALMENTE INSIDIOSA, SEM CAUSA APARENTE.  RELACIONADA COM MOVIMENTOS BRUSCOS DO PESCOÇO, LONGA PERMANÊNCIA EM POSIÇÃO FORÇADA, ESFORÇO OU TRAUMA  MELHORA COM O REPOUSO E SE EXARCEBA COM A MOVIMENTAÇÃO, COM A COMPRESSÃO DAS APÓFISES ESPINHOSAS  ESPASMOS MUSCULARES E PONTOS DE GATILHO COM FREQUÊNCIA
  • 42. 11/11/19 QUADRO CLÍNICO / RADICULAR  FENÔMENOS SENSITIVOS: IRRADIAÇÃO DA CERVICALGIA P/ MEMBRO SUPERIOR E TÓRAX  PARESTESIAS, HIPOESTESIAS C/ MENOR FREQUÊNCIA E ANESTESIAS AUSENTES  FENÔMENOS MOTORES: PARESIAS, RARAMENTE PARALISIAS E ALTERAÇÕES DOS REFLEXOS  OS TERRITÓRIOS CUTÂNEOS E MUSCULAR ACOMETIDO DEPENDEM DA RAIZ ATINGIDA
  • 45. 11/11/19 DIAGNÓSTICO  A PRIMEIRA OPÇÃO PARA EXISTÊNCIA OU NÃO DE COMPRESSÃO RADICULAR POR HÉRNIA DISCAL CERVICAL É: RMN  TAXA DE FALSO-NEGATIVOS É ALTA  QUANDO NÃO DISPOMOS, PODE SE USAR A TC E MIELOGRAFIA  MIELOGRAFIA: FALHA DE ENCHIMENTO EXTRADURAL  TC: CANAL CERVICAL COM MENOS DE 10MM DE DIÂMETRO SAGITAL MÉDIO É ESTENOSE ABSOLUTA E 10-13MM É RELATIVA
  • 49. 11/11/19 DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL #DX DIFERENCIAL: SÍND. DA FOSSA SUPRACLAVICULAR (CIANOSE, SUDORESE, ALT.TRÓFICAS DA PELE); SÍND.DE PANCOAST ( TU NO APICE PULMÃO), SIND. DO TÚNEL DO CARPO(ELETRONEUROMIOGRAFIA) #TRAUMA: ENTORSE CERVICAL, INSTABILIDADE PÓS-TRAMÁTICA #AFECÇÕES INFLAMÁTÓRIAS: AR, ESPONDILITE ANQUILOSANTE #INFECÇÕES: DISCITE, OM, ABSCESSO DE PARTES MOLES
  • 50. 11/11/19 TRATAMENTO CONSERVADOR • FASE DOLOROSA AGUDA: (1-2 SEMANAS):  A) AINES OU ESTERÓIDES ORAIS, ANALGÉSICOS A CURTO PRAZO, APLICAÇÃO DE CALOR OU GELO  B) MODIFICAÇÃO DE ATIVIDADE  C) COLAR CERVICAL MACIO OU TRAÇÃO DOMICILIAR PODEM SER UTÉIS www.traumatologiaeortopedia.com.br
  • 51. 11/11/19 TRATAMENTO CONSERVADOR  FASE INTERMEDIÁRIA DE RECUPERAÇÃO (3-4 SEMANAS): EXERCÍCIOS DE ALONGAMENTO E ISOMÉTRICOS FISIOTERAPIA E EXERCÍCIOS, SE O PACIENTE ESTIVER MELHORANDO • FASE DE REABILITAÇÃO( >4 SEMANAS):CONDICIONAMENTO CARDIOVASCULAR E PROGRAMA VIGOROSO DE EXERCÍCIOS DE FORTALECIMENTO MODIFICAÇÃO DO LOCAL DE TRABALHO
  • 52. 11/11/19 TRATAMENTO CIRÚRGICO  78% DE RESULTADOS BEM- SUCEDIDOS COM 2-3 MESES DE TTO CONSERVADOR P/ RADICULOPATIA  INDICAÇÕES CIRÚRGICAS: • SINAIS PROGRESSIVOS DE DISFUNÇÃO DA RAIZ OU DA MÉDULA • FALHA DO TTO CONSERVADOR EM ALIVIAR A DOR RADICULAR OU DÉFICIT MOTOR
  • 53. 11/11/19 TÉCNICA CIRÚRGICA ANTERIOR  RESSECA-SE O DISCO E OSTEÓFITOS, REALIZANDO A ARTODESE  NÃO PERMITE A VISUALIZAÇÃO ADEQUADA DA RAIZ  TÉCNICA DE SMITH-ROBINSON
  • 57. 11/11/19 TÉCNICA CIRÚRGICA POSTERIOR  PODE SER REALIZADA A HEMILAMINECTOMIA COM RESSECÇÃO PARCIAL DA ART. INTERAPOFISÁRIA  HÉRNIA DE DISCO UNILATERAL OU ESTENOSE FORAMINAL POR LAMINOFORAMINOTOMIA ( LAMINOTOMIA UNILATERAL E FACETECTOMIA PARCIAL E FORAMINOTOMIA) www.traumatologiaeortopedia.com.br