SlideShare uma empresa Scribd logo
SOLUÇÕES
BIOMEDICINA – QUÍMICA
ANALÍTICA
Profº: Francílio Carvalho
Acadêmico: Raidan
Costa
DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES
•Para Ibrahim Felippe Heneine soluções é uma
mistura unifásica de mais de um componente.
•Para John B. Russell se diferentes fases podem
ser vistas a olho nu ou por meio de um
microscópio, a mistura é heterogenia e portanto
não é uma solução; se somente uma fase está
presente, então é uma solução.
•Segundo Peter Atkins quando uma substancia se
dissolve com a outra, o resultado é uma solução,
isto é, uma mistura homogênea que pode ser
sólida, líquida ou gasosa.
SOLUÇÕES
Quanto ao seu estado:
SOLUÇÃO QUANTO AO SEU
ESTADO
 Gás Exemplos:
Gás dissolvido em gás Oxigênio dissolvido em
nitrogênio
Líquido dissolvido em gás Clorofórmio dissolvido em
nitrogênio(vap.)
Sólido dissolvido em gás Gelo seco dissolvido em
nitrogênio(vap.)
SOLUÇÃO QUANTO AO SEU
ESTADO
Líquido Exemplos:
Gás dissolvido em líquido Dióxido de carbono dissolvido
em água
Líquido dissolvido em líquido Etanol(álcool de cereais)
dissolvido em água
Sólido dissolvido em líquido Açúcar dissolvido em água
SOLUÇÃO QUANTO AO SEU
ESTADO
Sólido Exemplos:
Gás dissolvido em sólido Hidrogênio dissolvido em
paládio
Líquido dissolvido em sólido Mercúrio dissolvido em
outro
Sólido dissolvido em sólido Cobre dissolvido em níquel
SOLUÇÕES
Quanto à proporção
soluto/solvente:
SOLUÇÃO QUANTO A PROPORÇÃO
SOLUTO/SOLVENTE
1. Há um componente dispersor que é chamado
de solvente.
2. E um componente disperso chamado de
soluto.
SOLUTO + SOLVENTE = SOLUÇÃO
SOLUÇÃO NÃO SATURADA
Quando a solução está abaixo do seu limite de
solubilidade a solução é classificada como não
saturada.
Uma solução diluída é uma pequena quantidade
de soluto em relação a quantidade de solvente.
SOLUÇÃO SATURADA
Quando o soluto está dissolvido até o limite de sua
solubilidade a solução é considerada saturada.
SOLUÇÃO SATURADA COM CORPO
DE FUNDO E SUPERSATURADA
Para se obter uma solução saturada é
conveniente deixar um excesso de soluto
no fundo, para manter o equilíbrio.
Isto porque com o aumento da
temperatura a solubilidade
gerada aumenta e pode deixar
de ser saturada (supersaturada).
SOLUÇÕES
Quanto a condutividade
elétrica:
CONDUTIVIDADE ELÉTRICA
•Solução eletrolítica ou solução iônica é aquela que
contem íons, sendo assim possui a capacidade de
conduzir eletricidade.
Ex:
•Solução não-eletrolítica ou solução molecular é
aquela que não contem íons, sendo assim não é
condutora elétrica.
Ex:
CONDUTIVIDADE ELÉTRICA
ESTUDO QUANTITATIVO DAS
SOLUÇÕESO modo mais usual de usar a relação soluto/solução, é a unidade
chamada Concentração(C):
ou Volume do solvente
A unidade de concentração no S.I. é o
Kmol . m-³ (quilomol por metro cúbico),
Mas seu submútiplo, mol . -¹, (mol por litro)
é mais usado na prática.
ESTUDO QUANTITATIVO DAS
SOLUÇÕES
Entre os diversos modos de expressar concentração
de soluções, três são mais usados:
1. Percentual: É o método mais antigo, e corresponde
a gramas de soluto por 100ml de solução. É
abreviado g% ou %.
2. Molar: São moles de soluto por litro de solução. É
representado por mol.l-¹ ou M.
3. Molal: Corresponde a moles de soluto por
kilograma de solvente, é representado por m.
MODO DE PREPARAR SOLUÇÕES
Os solutos são pesados, transferidos para balões
volumétricos apropriados, e a quantidade necessária
de água é adicionada.
Pode-se preparar qualquer quantidade de solução,
desde que a relação soluto/solução (g% ou Molares),
ou soluto/solvente (nas molais), seja conservada.
MODO DE PREPARAR SOLUÇÕES
1. Solução Percentual(%) ou ( ):
Exemplo: Porcentagem de 20,3g NaCl dissolvido
em uma solução de 100g:
MODO DE PREPARAR SOLUÇÕES
2. Solução Molar ou Molaridade :
Exemplo: Preparar 500ml de glicose(C6H12O6) 0,15M.
A solução terá 0,15 moles por litro, ou a metade em
500ml. Um mole de glicose = 180g.
Quantidade de soluto=p(massa molecular)xM(molaridade)xV (volume em
litros)
ou Q=P.M.V.
P=180g /M=0,15 M/ V=0,5 L
Q=180x0,15x0,5 = 13,5g de glicose
MODO DE PREPARAR SOLUÇÕES
3. Soluções Molais:
Exemplo: Preparar 500ml de KCl 0,1m.
Q=P.M.V.
Q=74,5(massa KCl)x0,1(Molaridade)x0,5(volume em
litro)
Q=3,725g de KCl
Colocar a massa de KCl em um recipiente de mais de ½ litro, e
adicionar 500ml de água. Trabalhar de preferencia, a 25°. A
diferença entre 0,5 kg e 0,5 litro de água, é desprezível.
SUBSTÂNCIAS PADRÃO PRIMÁRIO
São consideradas substâncias padrão primário
somente aquelas que satisfazem os seguintes
requisitos:
•Devem ser de fácil obtenção no mercado a preço razoável
•Fácil de purificar, secar (110oC a 120oC), sem água na composição (de hidratação,
de cristalização).
•Inalterável ao ar, o que implica em uma substância não higroscópica(efeito
desidratante), não-oxidável, estável ante o CO2 atmosférico. Estas características
são especialmente importantes quando da pesagem e do armazenamento.
•Deverá ter um equivalente-grama elevado pois, deste modo, erros referentes a
manipulação e a aparelhagem serão minimizados (lembre que muitas vezes
SUBSTÂNCIAS PADRÃO PRIMÁRIO
•Deve ser o mais solúvel possível em condições ambiente, um dos
grandes empecilhos ao uso de aquecimento são as vidrarias
volumétricas.
•A reação de entre o padrão e a substância em teste deve ser a mais
rápida possível, ocorrer a temperatura ambiente, e ter estequiometria
definida.
SUBSTÂNCIAS PADRÃO
SECUNDÁRIO
•São consideradas padrão secundário aquelas cujo
conteúdo de substância ativa foi estabelecido por
comparação com uma substância padrão primário.
Podem ser usadas para padronização.
SOLUÇÃO PADRÃO
•Uma solução padrão são aquelas cuja concentração é
exatamente conhecida, usada para fins analíticos.
•Soluções não padronizadas são aquelas que sua
concentração apresenta valores próximos, e não é
necessário sua exatidão por não possuir fins
analíticos.
COMO PADRONIZAR UMA SOLUÇÃO
1. primeiramente deve-se saber qual é a massa em
gramas do soluto a ser pesado, que no volume total
de solução (VT), massa total da solução (mT), ou
massa em kg de solvente dá a concentração
desejada.
2. Diluir uma solução significa diminuir a sua
concentração. Na diluição de soluções, a massa de
soluto, inicial e final, é a mesma, somente o volume
é maior, logo, a concentração da solução será
menor.
Como a massa de soluto permanece inalterada
durante a diluição, pode-se escrever:
COMO PADRONIZAR UMA SOLUÇÃO
3. Pode-se aplicar esse raciocínio também para o calculo de
Molalidade da seguinte maneira: M1.V1=M2.V2
4. Através das expressões obtidas para a diluição de soluções,
pode-se observar que a concentração de uma solução é
inversamente proporcional ao volume.
5. A titulação consiste em determinar quantidades de substancias
desconhecidas por meio de medidas volumétricas, fazendo
reagir com solução de concentração conhecida ou padrão para
que seja descoberta a concentração da solução desconhecida.
Para que o desconhecido possa ser determinado, é preciso ser
possível reconhecer em que ponto a reação termina, e saber
exatamente o volume da solução padrão que foi utilizado.
COMO PADRONIZAR UMA SOLUÇÃO
6. Se conhecemos a concentração molar da solução
padrão, sabemos que o volume dessa solução
contém uma quantidade do reagente em questão
igual ao produto da concentração pelo volume.
Assim, pode-se determinar a quantidade de
concentração da amostra desconhecida.
7. Varias reações, porém, não envolvem mudanças
perceptíveis. Nesses casos, temos que adicionar um
reagente auxiliar, ou indicador, que muda de cor no
momento em que a reação termina.
PROCEDIMENTO DE PADRONIZAÇÃO
USANDO O HIDROGENOFTALATO DE
POTÁSSIO:
Separe duas amostras de C6H4COOK.COOH, cujas massas estejam
entre 1g e 2g, com precisão de 4 casas decimais.
Identifique a respectiva massa de cada becker com etiquetas e
adicione 100mL de água destilada, fervida o mais recentemente
possível, (para a retirada do CO2, lembre que frascos volumétricos
não podem sofrer aquecimento) lentamente até que o sal esteja
completamente dissolvido.
Adicione então duas gotas de solução indicadora de fenolftaleína.
Utilizando a técnica convencional de titulações, adicione o NaOH a
solução do C6H4COOK.COOH, devagar mas constante, até o primeiro
indício de uma coloração rosa permanente.
FATORES QUE PODEM ALTERAR
UMA SOLUÇÃO
1. Superfície de contato: Quanto maior for a
superfície de contato mais rápido será a velocidade
da reação .
2. Temperatura: Quanto maior for a temperatura maior
será a velocidade da reação, pois aumentando a
temperatura aumentará a energia cinética das
moléculas.
3. Concentração dos Reagentes: Quanto maior a
concentração dos reagentes maior será o choque
entre as moléculas, consequentemente altera a
velocidade da reação tornando-a mais rápida.
FATORES QUE PODEM ALTERAR
UMA SOLUÇÃO
4. Pressão: diminuir o volume e aumentar a quantidade
de gases da mistura, aumentam a pressão, e com o
aumento da pressão aumenta também a
concentração e a velocidade da reação ou seja o
choque entre as moléculas.
5. Catalizador: Substância que aumenta a velocidade
da reação por diminuir sua energia de ativação
tornando a reação mais fácil, podendo participar da
reação mas sem alterar sua quantidade.
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula termoquímica
Aula termoquímicaAula termoquímica
Aula termoquímica
Marilena Meira
 
Soluções Químicas
Soluções QuímicasSoluções Químicas
Soluções Químicas
José Nunes da Silva Jr.
 
Dilução e mistura de soluções
Dilução e mistura de soluçõesDilução e mistura de soluções
Dilução e mistura de soluções
Marilena Meira
 
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Soluções
Slides da aula de Química (Manoel) sobre SoluçõesSlides da aula de Química (Manoel) sobre Soluções
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Soluções
Turma Olímpica
 
Termoquimica
TermoquimicaTermoquimica
Termoquimica
Carlos Priante
 
Balanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicasBalanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicas
Rafael Nishikawa
 
Funções inorgânicas ácidos
Funções inorgânicas   ácidosFunções inorgânicas   ácidos
Funções inorgânicas ácidos
Rafael Nishikawa
 
Concentração das soluções
Concentração  das soluçõesConcentração  das soluções
Concentração das soluções
Adrianne Mendonça
 
Equilibrio iônico
Equilibrio iônicoEquilibrio iônico
Equilibrio iônico
José Marcelo Cangemi
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
Isabele Félix
 
Soluções - Química geral para engenharia
Soluções - Química geral para engenhariaSoluções - Química geral para engenharia
Soluções - Química geral para engenharia
Joana Gomes
 
Aula de equilíbrio quimico
Aula de equilíbrio quimicoAula de equilíbrio quimico
Aula de equilíbrio quimico
Isabele Félix
 
Termoquimica
TermoquimicaTermoquimica
Termoquimica
Estude Mais
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
João Paulo Luna
 
Aula eletrolise
Aula  eletroliseAula  eletrolise
Aula eletrolise
Adrianne Mendonça
 
Dispersoes
DispersoesDispersoes
Dispersoes
Alinne Girlaine
 
Equilíbrio Iônico
Equilíbrio IônicoEquilíbrio Iônico
Equilíbrio Iônico
Paulo Filho
 
Estequiometria
EstequiometriaEstequiometria
Estequiometria
José Nunes da Silva Jr.
 
Equilíbrio químico
Equilíbrio químicoEquilíbrio químico
Equilíbrio químico
Carlos Kramer
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
Adrianne Mendonça
 

Mais procurados (20)

Aula termoquímica
Aula termoquímicaAula termoquímica
Aula termoquímica
 
Soluções Químicas
Soluções QuímicasSoluções Químicas
Soluções Químicas
 
Dilução e mistura de soluções
Dilução e mistura de soluçõesDilução e mistura de soluções
Dilução e mistura de soluções
 
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Soluções
Slides da aula de Química (Manoel) sobre SoluçõesSlides da aula de Química (Manoel) sobre Soluções
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Soluções
 
Termoquimica
TermoquimicaTermoquimica
Termoquimica
 
Balanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicasBalanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicas
 
Funções inorgânicas ácidos
Funções inorgânicas   ácidosFunções inorgânicas   ácidos
Funções inorgânicas ácidos
 
Concentração das soluções
Concentração  das soluçõesConcentração  das soluções
Concentração das soluções
 
Equilibrio iônico
Equilibrio iônicoEquilibrio iônico
Equilibrio iônico
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
 
Soluções - Química geral para engenharia
Soluções - Química geral para engenhariaSoluções - Química geral para engenharia
Soluções - Química geral para engenharia
 
Aula de equilíbrio quimico
Aula de equilíbrio quimicoAula de equilíbrio quimico
Aula de equilíbrio quimico
 
Termoquimica
TermoquimicaTermoquimica
Termoquimica
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
 
Aula eletrolise
Aula  eletroliseAula  eletrolise
Aula eletrolise
 
Dispersoes
DispersoesDispersoes
Dispersoes
 
Equilíbrio Iônico
Equilíbrio IônicoEquilíbrio Iônico
Equilíbrio Iônico
 
Estequiometria
EstequiometriaEstequiometria
Estequiometria
 
Equilíbrio químico
Equilíbrio químicoEquilíbrio químico
Equilíbrio químico
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
 

Destaque

Soluções e Misturas
Soluções e MisturasSoluções e Misturas
Soluções e Misturas
elsacsvrs
 
Soluções aula 01
Soluções   aula 01Soluções   aula 01
Soluções aula 01
Vinícius Vieira
 
Soluções (objetivo)
Soluções (objetivo)Soluções (objetivo)
Soluções (objetivo)
paramore146
 
DISICIPULADO 2 - ALUNO
DISICIPULADO 2 - ALUNODISICIPULADO 2 - ALUNO
DISICIPULADO 2 - ALUNO
Deonice E Orlando Sazonov
 
Dispersões e Soluções
Dispersões e Soluções Dispersões e Soluções
Dispersões e Soluções
Aniely Freitas
 
1. dispersões
1. dispersões1. dispersões
1. dispersões
stair735alcino
 
SOLUÇÕES - TEORIA
SOLUÇÕES - TEORIASOLUÇÕES - TEORIA
SOLUÇÕES - TEORIA
Cursos Profissionalizantes
 
Discipulado 1 aluno -
Discipulado 1   aluno -Discipulado 1   aluno -
Discipulado 1 aluno -
Deonice E Orlando Sazonov
 
Mistura de soluções
Mistura de soluçõesMistura de soluções
Mistura de soluções
Allef Sousa Silva
 
Dispersões
DispersõesDispersões
Dispersões
unesp
 
LIÇÃO 02 – O PROPÓSITO DOS DONS ESPIRITUAIS / SLIDES
LIÇÃO 02 – O PROPÓSITO DOS DONS ESPIRITUAIS / SLIDESLIÇÃO 02 – O PROPÓSITO DOS DONS ESPIRITUAIS / SLIDES
LIÇÃO 02 – O PROPÓSITO DOS DONS ESPIRITUAIS / SLIDES
Polícia Militar do Estado do Tocantins
 
CFQ: Soluções
CFQ: SoluçõesCFQ: Soluções
CFQ: Soluções
7F
 
Dispersoes
DispersoesDispersoes
Dispersoes
Ana Maria Reis
 
Preparação e Diluição de Soluções
Preparação e Diluição de SoluçõesPreparação e Diluição de Soluções
Preparação e Diluição de Soluções
Ruben Almeida
 
Os 9 dons do espirito santo
Os 9 dons do espirito santoOs 9 dons do espirito santo
Os 9 dons do espirito santo
Revista Shalom
 
"Somos Físicos" Soluções Químicas
"Somos Físicos" Soluções Químicas"Somos Físicos" Soluções Químicas
"Somos Físicos" Soluções Químicas
Vania Lima "Somos Físicos"
 
Conhecendo a salvação
Conhecendo a salvaçãoConhecendo a salvação
Conhecendo a salvação
Josue Lima
 
Concentração de soluções
Concentração de soluçõesConcentração de soluções
Concentração de soluções
eufisica
 

Destaque (18)

Soluções e Misturas
Soluções e MisturasSoluções e Misturas
Soluções e Misturas
 
Soluções aula 01
Soluções   aula 01Soluções   aula 01
Soluções aula 01
 
Soluções (objetivo)
Soluções (objetivo)Soluções (objetivo)
Soluções (objetivo)
 
DISICIPULADO 2 - ALUNO
DISICIPULADO 2 - ALUNODISICIPULADO 2 - ALUNO
DISICIPULADO 2 - ALUNO
 
Dispersões e Soluções
Dispersões e Soluções Dispersões e Soluções
Dispersões e Soluções
 
1. dispersões
1. dispersões1. dispersões
1. dispersões
 
SOLUÇÕES - TEORIA
SOLUÇÕES - TEORIASOLUÇÕES - TEORIA
SOLUÇÕES - TEORIA
 
Discipulado 1 aluno -
Discipulado 1   aluno -Discipulado 1   aluno -
Discipulado 1 aluno -
 
Mistura de soluções
Mistura de soluçõesMistura de soluções
Mistura de soluções
 
Dispersões
DispersõesDispersões
Dispersões
 
LIÇÃO 02 – O PROPÓSITO DOS DONS ESPIRITUAIS / SLIDES
LIÇÃO 02 – O PROPÓSITO DOS DONS ESPIRITUAIS / SLIDESLIÇÃO 02 – O PROPÓSITO DOS DONS ESPIRITUAIS / SLIDES
LIÇÃO 02 – O PROPÓSITO DOS DONS ESPIRITUAIS / SLIDES
 
CFQ: Soluções
CFQ: SoluçõesCFQ: Soluções
CFQ: Soluções
 
Dispersoes
DispersoesDispersoes
Dispersoes
 
Preparação e Diluição de Soluções
Preparação e Diluição de SoluçõesPreparação e Diluição de Soluções
Preparação e Diluição de Soluções
 
Os 9 dons do espirito santo
Os 9 dons do espirito santoOs 9 dons do espirito santo
Os 9 dons do espirito santo
 
"Somos Físicos" Soluções Químicas
"Somos Físicos" Soluções Químicas"Somos Físicos" Soluções Químicas
"Somos Físicos" Soluções Químicas
 
Conhecendo a salvação
Conhecendo a salvaçãoConhecendo a salvação
Conhecendo a salvação
 
Concentração de soluções
Concentração de soluçõesConcentração de soluções
Concentração de soluções
 

Semelhante a Soluções

Apostila de quimica inorganica
Apostila  de  quimica  inorganicaApostila  de  quimica  inorganica
Apostila de quimica inorganica
Neejacp
 
Solu%E7%F5es Defini%E7%F5es
Solu%E7%F5es Defini%E7%F5esSolu%E7%F5es Defini%E7%F5es
Solu%E7%F5es Defini%E7%F5es
Tallys_bio_qui
 
3-Química_Concentrações e estudo das soluções.pptx
3-Química_Concentrações e estudo das soluções.pptx3-Química_Concentrações e estudo das soluções.pptx
3-Química_Concentrações e estudo das soluções.pptx
MayraFonseca11
 
Instituto técnico de Moçambique.pptx
Instituto técnico de Moçambique.pptxInstituto técnico de Moçambique.pptx
Instituto técnico de Moçambique.pptx
NiniveShootes
 
AULA atual de SOLUCOES da QUIMICA!!.pptx
AULA atual de SOLUCOES da QUIMICA!!.pptxAULA atual de SOLUCOES da QUIMICA!!.pptx
AULA atual de SOLUCOES da QUIMICA!!.pptx
FernandoThiago9
 
Atividade 9 e 10 progressao semi ext noite 2016
Atividade 9 e 10    progressao semi ext noite 2016Atividade 9 e 10    progressao semi ext noite 2016
Atividade 9 e 10 progressao semi ext noite 2016
paulomigoto
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
Ezequias Guimaraes
 
www.centroapoio.com - Química - Soluções - Vídeo Aula
www.centroapoio.com - Química - Soluções - Vídeo Aulawww.centroapoio.com - Química - Soluções - Vídeo Aula
www.centroapoio.com - Química - Soluções - Vídeo Aula
Vídeo Aulas Apoio
 
Solucoes
SolucoesSolucoes
Solucoes
positrao
 
Aula iii soluções
Aula iii   soluçõesAula iii   soluções
Aula iii soluções
Aline Carla
 
Soluções - resolução de exercícios
Soluções - resolução de exercíciosSoluções - resolução de exercícios
Soluções - resolução de exercícios
MateusCoelho36
 
Propriedades Coligativas: Tonoscopia e Ebulioscopia
Propriedades Coligativas: Tonoscopia e EbulioscopiaPropriedades Coligativas: Tonoscopia e Ebulioscopia
Propriedades Coligativas: Tonoscopia e Ebulioscopia
Lenilson Santana de Araujo
 
Sandrogreco Experimento 3 Eng. PetróLeo
Sandrogreco Experimento 3   Eng. PetróLeoSandrogreco Experimento 3   Eng. PetróLeo
Sandrogreco Experimento 3 Eng. PetróLeo
Profª Cristiana Passinato
 
Soluções
SoluçõesSoluções
Soluções
CARIELO
 
Aula0803
Aula0803Aula0803
Aula0803
LaizaDias3
 
Relatório exp. 01
Relatório exp. 01Relatório exp. 01
Relatório exp. 01
Ubirajara Vieira
 
Soluções e cálculos químicos (mariana)
Soluções e cálculos químicos (mariana)Soluções e cálculos químicos (mariana)
Soluções e cálculos químicos (mariana)
Leonardo Carneiro
 
Padronização naoh e h cl
Padronização naoh e h clPadronização naoh e h cl
Padronização naoh e h cl
Leandra Alencar
 
Quimicasolues 090626113608-phpapp01
Quimicasolues 090626113608-phpapp01Quimicasolues 090626113608-phpapp01
Quimicasolues 090626113608-phpapp01
mpmk
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Ivys Antônio
 

Semelhante a Soluções (20)

Apostila de quimica inorganica
Apostila  de  quimica  inorganicaApostila  de  quimica  inorganica
Apostila de quimica inorganica
 
Solu%E7%F5es Defini%E7%F5es
Solu%E7%F5es Defini%E7%F5esSolu%E7%F5es Defini%E7%F5es
Solu%E7%F5es Defini%E7%F5es
 
3-Química_Concentrações e estudo das soluções.pptx
3-Química_Concentrações e estudo das soluções.pptx3-Química_Concentrações e estudo das soluções.pptx
3-Química_Concentrações e estudo das soluções.pptx
 
Instituto técnico de Moçambique.pptx
Instituto técnico de Moçambique.pptxInstituto técnico de Moçambique.pptx
Instituto técnico de Moçambique.pptx
 
AULA atual de SOLUCOES da QUIMICA!!.pptx
AULA atual de SOLUCOES da QUIMICA!!.pptxAULA atual de SOLUCOES da QUIMICA!!.pptx
AULA atual de SOLUCOES da QUIMICA!!.pptx
 
Atividade 9 e 10 progressao semi ext noite 2016
Atividade 9 e 10    progressao semi ext noite 2016Atividade 9 e 10    progressao semi ext noite 2016
Atividade 9 e 10 progressao semi ext noite 2016
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
 
www.centroapoio.com - Química - Soluções - Vídeo Aula
www.centroapoio.com - Química - Soluções - Vídeo Aulawww.centroapoio.com - Química - Soluções - Vídeo Aula
www.centroapoio.com - Química - Soluções - Vídeo Aula
 
Solucoes
SolucoesSolucoes
Solucoes
 
Aula iii soluções
Aula iii   soluçõesAula iii   soluções
Aula iii soluções
 
Soluções - resolução de exercícios
Soluções - resolução de exercíciosSoluções - resolução de exercícios
Soluções - resolução de exercícios
 
Propriedades Coligativas: Tonoscopia e Ebulioscopia
Propriedades Coligativas: Tonoscopia e EbulioscopiaPropriedades Coligativas: Tonoscopia e Ebulioscopia
Propriedades Coligativas: Tonoscopia e Ebulioscopia
 
Sandrogreco Experimento 3 Eng. PetróLeo
Sandrogreco Experimento 3   Eng. PetróLeoSandrogreco Experimento 3   Eng. PetróLeo
Sandrogreco Experimento 3 Eng. PetróLeo
 
Soluções
SoluçõesSoluções
Soluções
 
Aula0803
Aula0803Aula0803
Aula0803
 
Relatório exp. 01
Relatório exp. 01Relatório exp. 01
Relatório exp. 01
 
Soluções e cálculos químicos (mariana)
Soluções e cálculos químicos (mariana)Soluções e cálculos químicos (mariana)
Soluções e cálculos químicos (mariana)
 
Padronização naoh e h cl
Padronização naoh e h clPadronização naoh e h cl
Padronização naoh e h cl
 
Quimicasolues 090626113608-phpapp01
Quimicasolues 090626113608-phpapp01Quimicasolues 090626113608-phpapp01
Quimicasolues 090626113608-phpapp01
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
 

Último

Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 

Último (20)

Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 

Soluções

  • 2. BIOMEDICINA – QUÍMICA ANALÍTICA Profº: Francílio Carvalho Acadêmico: Raidan Costa
  • 3. DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES •Para Ibrahim Felippe Heneine soluções é uma mistura unifásica de mais de um componente. •Para John B. Russell se diferentes fases podem ser vistas a olho nu ou por meio de um microscópio, a mistura é heterogenia e portanto não é uma solução; se somente uma fase está presente, então é uma solução. •Segundo Peter Atkins quando uma substancia se dissolve com a outra, o resultado é uma solução, isto é, uma mistura homogênea que pode ser sólida, líquida ou gasosa.
  • 5. SOLUÇÃO QUANTO AO SEU ESTADO  Gás Exemplos: Gás dissolvido em gás Oxigênio dissolvido em nitrogênio Líquido dissolvido em gás Clorofórmio dissolvido em nitrogênio(vap.) Sólido dissolvido em gás Gelo seco dissolvido em nitrogênio(vap.)
  • 6. SOLUÇÃO QUANTO AO SEU ESTADO Líquido Exemplos: Gás dissolvido em líquido Dióxido de carbono dissolvido em água Líquido dissolvido em líquido Etanol(álcool de cereais) dissolvido em água Sólido dissolvido em líquido Açúcar dissolvido em água
  • 7. SOLUÇÃO QUANTO AO SEU ESTADO Sólido Exemplos: Gás dissolvido em sólido Hidrogênio dissolvido em paládio Líquido dissolvido em sólido Mercúrio dissolvido em outro Sólido dissolvido em sólido Cobre dissolvido em níquel
  • 9. SOLUÇÃO QUANTO A PROPORÇÃO SOLUTO/SOLVENTE 1. Há um componente dispersor que é chamado de solvente. 2. E um componente disperso chamado de soluto. SOLUTO + SOLVENTE = SOLUÇÃO
  • 10. SOLUÇÃO NÃO SATURADA Quando a solução está abaixo do seu limite de solubilidade a solução é classificada como não saturada. Uma solução diluída é uma pequena quantidade de soluto em relação a quantidade de solvente.
  • 11. SOLUÇÃO SATURADA Quando o soluto está dissolvido até o limite de sua solubilidade a solução é considerada saturada.
  • 12. SOLUÇÃO SATURADA COM CORPO DE FUNDO E SUPERSATURADA Para se obter uma solução saturada é conveniente deixar um excesso de soluto no fundo, para manter o equilíbrio. Isto porque com o aumento da temperatura a solubilidade gerada aumenta e pode deixar de ser saturada (supersaturada).
  • 14. CONDUTIVIDADE ELÉTRICA •Solução eletrolítica ou solução iônica é aquela que contem íons, sendo assim possui a capacidade de conduzir eletricidade. Ex: •Solução não-eletrolítica ou solução molecular é aquela que não contem íons, sendo assim não é condutora elétrica. Ex:
  • 16. ESTUDO QUANTITATIVO DAS SOLUÇÕESO modo mais usual de usar a relação soluto/solução, é a unidade chamada Concentração(C): ou Volume do solvente A unidade de concentração no S.I. é o Kmol . m-³ (quilomol por metro cúbico), Mas seu submútiplo, mol . -¹, (mol por litro) é mais usado na prática.
  • 17. ESTUDO QUANTITATIVO DAS SOLUÇÕES Entre os diversos modos de expressar concentração de soluções, três são mais usados: 1. Percentual: É o método mais antigo, e corresponde a gramas de soluto por 100ml de solução. É abreviado g% ou %. 2. Molar: São moles de soluto por litro de solução. É representado por mol.l-¹ ou M. 3. Molal: Corresponde a moles de soluto por kilograma de solvente, é representado por m.
  • 18. MODO DE PREPARAR SOLUÇÕES Os solutos são pesados, transferidos para balões volumétricos apropriados, e a quantidade necessária de água é adicionada. Pode-se preparar qualquer quantidade de solução, desde que a relação soluto/solução (g% ou Molares), ou soluto/solvente (nas molais), seja conservada.
  • 19. MODO DE PREPARAR SOLUÇÕES 1. Solução Percentual(%) ou ( ): Exemplo: Porcentagem de 20,3g NaCl dissolvido em uma solução de 100g:
  • 20. MODO DE PREPARAR SOLUÇÕES 2. Solução Molar ou Molaridade : Exemplo: Preparar 500ml de glicose(C6H12O6) 0,15M. A solução terá 0,15 moles por litro, ou a metade em 500ml. Um mole de glicose = 180g. Quantidade de soluto=p(massa molecular)xM(molaridade)xV (volume em litros) ou Q=P.M.V. P=180g /M=0,15 M/ V=0,5 L Q=180x0,15x0,5 = 13,5g de glicose
  • 21. MODO DE PREPARAR SOLUÇÕES 3. Soluções Molais: Exemplo: Preparar 500ml de KCl 0,1m. Q=P.M.V. Q=74,5(massa KCl)x0,1(Molaridade)x0,5(volume em litro) Q=3,725g de KCl Colocar a massa de KCl em um recipiente de mais de ½ litro, e adicionar 500ml de água. Trabalhar de preferencia, a 25°. A diferença entre 0,5 kg e 0,5 litro de água, é desprezível.
  • 22. SUBSTÂNCIAS PADRÃO PRIMÁRIO São consideradas substâncias padrão primário somente aquelas que satisfazem os seguintes requisitos: •Devem ser de fácil obtenção no mercado a preço razoável •Fácil de purificar, secar (110oC a 120oC), sem água na composição (de hidratação, de cristalização). •Inalterável ao ar, o que implica em uma substância não higroscópica(efeito desidratante), não-oxidável, estável ante o CO2 atmosférico. Estas características são especialmente importantes quando da pesagem e do armazenamento. •Deverá ter um equivalente-grama elevado pois, deste modo, erros referentes a manipulação e a aparelhagem serão minimizados (lembre que muitas vezes
  • 23. SUBSTÂNCIAS PADRÃO PRIMÁRIO •Deve ser o mais solúvel possível em condições ambiente, um dos grandes empecilhos ao uso de aquecimento são as vidrarias volumétricas. •A reação de entre o padrão e a substância em teste deve ser a mais rápida possível, ocorrer a temperatura ambiente, e ter estequiometria definida.
  • 24. SUBSTÂNCIAS PADRÃO SECUNDÁRIO •São consideradas padrão secundário aquelas cujo conteúdo de substância ativa foi estabelecido por comparação com uma substância padrão primário. Podem ser usadas para padronização.
  • 25. SOLUÇÃO PADRÃO •Uma solução padrão são aquelas cuja concentração é exatamente conhecida, usada para fins analíticos. •Soluções não padronizadas são aquelas que sua concentração apresenta valores próximos, e não é necessário sua exatidão por não possuir fins analíticos.
  • 26. COMO PADRONIZAR UMA SOLUÇÃO 1. primeiramente deve-se saber qual é a massa em gramas do soluto a ser pesado, que no volume total de solução (VT), massa total da solução (mT), ou massa em kg de solvente dá a concentração desejada. 2. Diluir uma solução significa diminuir a sua concentração. Na diluição de soluções, a massa de soluto, inicial e final, é a mesma, somente o volume é maior, logo, a concentração da solução será menor. Como a massa de soluto permanece inalterada durante a diluição, pode-se escrever:
  • 27. COMO PADRONIZAR UMA SOLUÇÃO 3. Pode-se aplicar esse raciocínio também para o calculo de Molalidade da seguinte maneira: M1.V1=M2.V2 4. Através das expressões obtidas para a diluição de soluções, pode-se observar que a concentração de uma solução é inversamente proporcional ao volume. 5. A titulação consiste em determinar quantidades de substancias desconhecidas por meio de medidas volumétricas, fazendo reagir com solução de concentração conhecida ou padrão para que seja descoberta a concentração da solução desconhecida. Para que o desconhecido possa ser determinado, é preciso ser possível reconhecer em que ponto a reação termina, e saber exatamente o volume da solução padrão que foi utilizado.
  • 28. COMO PADRONIZAR UMA SOLUÇÃO 6. Se conhecemos a concentração molar da solução padrão, sabemos que o volume dessa solução contém uma quantidade do reagente em questão igual ao produto da concentração pelo volume. Assim, pode-se determinar a quantidade de concentração da amostra desconhecida. 7. Varias reações, porém, não envolvem mudanças perceptíveis. Nesses casos, temos que adicionar um reagente auxiliar, ou indicador, que muda de cor no momento em que a reação termina.
  • 29. PROCEDIMENTO DE PADRONIZAÇÃO USANDO O HIDROGENOFTALATO DE POTÁSSIO: Separe duas amostras de C6H4COOK.COOH, cujas massas estejam entre 1g e 2g, com precisão de 4 casas decimais. Identifique a respectiva massa de cada becker com etiquetas e adicione 100mL de água destilada, fervida o mais recentemente possível, (para a retirada do CO2, lembre que frascos volumétricos não podem sofrer aquecimento) lentamente até que o sal esteja completamente dissolvido. Adicione então duas gotas de solução indicadora de fenolftaleína. Utilizando a técnica convencional de titulações, adicione o NaOH a solução do C6H4COOK.COOH, devagar mas constante, até o primeiro indício de uma coloração rosa permanente.
  • 30. FATORES QUE PODEM ALTERAR UMA SOLUÇÃO 1. Superfície de contato: Quanto maior for a superfície de contato mais rápido será a velocidade da reação . 2. Temperatura: Quanto maior for a temperatura maior será a velocidade da reação, pois aumentando a temperatura aumentará a energia cinética das moléculas. 3. Concentração dos Reagentes: Quanto maior a concentração dos reagentes maior será o choque entre as moléculas, consequentemente altera a velocidade da reação tornando-a mais rápida.
  • 31. FATORES QUE PODEM ALTERAR UMA SOLUÇÃO 4. Pressão: diminuir o volume e aumentar a quantidade de gases da mistura, aumentam a pressão, e com o aumento da pressão aumenta também a concentração e a velocidade da reação ou seja o choque entre as moléculas. 5. Catalizador: Substância que aumenta a velocidade da reação por diminuir sua energia de ativação tornando a reação mais fácil, podendo participar da reação mas sem alterar sua quantidade.
  • 32. FIM