SlideShare uma empresa Scribd logo
SEMIOLOGIA DO RECÉM-
NASCIDO
Nivia Maria Rodrigues Arrais
Departamento de Pediatria – UFRN
MEJC - UFRN
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN – LAPED
UFRN
SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO
 Grego – Semeyon = sinal e logos = discurso.
 Estudo dos sinais das doenças.
 É a arte e a ciência metodizada do diagnóstico
médico, requisito indispensável para a
terapêutica e prognóstico.
 Anamnese e Exame Físico
 Recém-nascido – zero a 28 dias
SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO
 Informações dos pais
 O mais completa possível em linguagem acessível
 Ordenada
 Paciência e tempo (interesse)
SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO
• Identificação – Nome, idade, cor, sexo,
naturalidade e nacionalidade, endereço, idade,
profissão e ocupação materna.
• História Clínica – Queixa principal, história da
doença atual, antecedentes patológicos,
antecedentes pessoais (gestação, parto e
nascimento), história alimentar,
desenvolvimento neuropsicomotor, vacinação,
antecedentes familiares, história social
BOLETIM DE APGAR
Virginia Apgar, 1952
SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO
 Exame Físico
 Etapas distintas mas complementares
 Ideal seria uma sequência de exame físico, que em
pediatria nem sempre é possível.
 Deitada, sentada, no colo, em pé.
 Deixar áreas de desconforto para o final.
SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO
 Balança bebê
 Régua (até 2 anos), estadiômetro de parede, fita
métrica, termômetro, lanterna, abaixador de
língua, martelo, oto e oftalmoscópio, aparelho de
PA com manguito apropriados, estetoscópio.
SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO
 Ectoscopia – atitude como um todo (ritmo
respiratório, palidez, cianose, tremores, gemidos,
hipo ou hipertonia, malformações, tipo de choro),
medidas antropométricas, temperatura.
 Exame dos sistemas – inspeção, palpação,
percussão, ausculta.
SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO
• Medidas antropométricas – Curvas OMS 2006,
Prematuro
• Peso
• Comprimento
• Circunferência craniana, torácica e abdominal
• Idade Gestacional
– OMS
• Pré-termo - < 37 semanas
• Termo - >= 37 semanas
• Pós-termo - >= 42 semanas
SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO
 Peso ao Nascer
 < 2.500g – Baixo Peso
 1000 a 1499 g – Muito baixo peso
 < 1000 g – Extremo baixo peso
SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO
 Adequação Peso X Idade Gestacional
 Curva de Peso X Idade Gestacional
 Bataglia e Lubchenco – Classificação do RN
12
CLASSIFICAR POR PESO E
IDADE GESTACIONAL
Pedro nasceu com
34 semanas pela
data da última
menstruação
(DUM).
Ele pesou 2.400g.
MEDIDA DO COMPRIMENTO
 Deitado
 Corpo reto
 Superfície rígida
 Cabeça reta com apoio
na placa superior da
régua
 Ambos os pés retos com
apoio na placa inferior
da régua
MEDIDA DO PERÍMETRO CEFÁLICO
(PC)
 Perímetro cefálico
máximo.
 Para a sua medida,
SMITH, 1977(8),
recomenda que a fita
seja posicionada
sobre a proeminência
occipital e sobre o
arco das
sobrancelhas
SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO
 Perímetro Torácico
 Medido ao nível dos
mamilos com a criança
deitada com
respiração normal.
 Perímetro Abdominal
 Medido pela
circunferência a nível
da cicatriz umbilical.
SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO
 Métodos de avaliação da Idade Gestacional
 DUM
 Ultrassonografia (primeiro trimestre)
 Avaliações clínicas (Capurro somático e Capurro
somático neurológico, Ballard, Dubowitz)
 Caso a diferença entre a DUM e a idade gestacional clínica
seja menos que duas semanas, considerar a idade
gestacional pela DUM.
AVALIAÇÃO DA IDADE
GESTACIONAL
CAPURRO
Formação mamilo
A
Mamilo pouco visível
sem aréola
0
Mamilo nítido; aréola
lisa diâmetro < 0,75
cm
5
Mamilo puntiforme aréola
de borda não elevada >
0,75 cm
10
Mamilo puntiforme
aréola de borda elevada
> 0,75 cm
15
Textura da pele
B
Fina, gelatinosa
0
Fina e lisa
5
Algo mais grossa, com
discreta descamação
Superficial
20
Grossa, com sulcos
superficiais, descamação
de mãos e pés
15
Grossa, apergaminhada
com sulcos profundos
20
Forma da orelha
C
Chata, disforme
pavilhão não
encurvado
0
Pavilhão parcialmente
encurvado na borda
8
Pavilhão parcialmente
encurvado em toda borda
superior
16
Pavilhão totalmente
encurvado
24
Tamanho da glândula
mamária
D
Ausência deTecido
mamário
0
Diâmetro
< 5 mm
5
Diâmetro
5 mm a 10 mm
10
Diâmetro
> 10 mm
15
Sulcos plantares
E
Ausentes
0
Marcas mal definidas
na metade anterior da
planta
5
Marcas bem definidas na
metade anterior e no terço
anterior
10
Sulcos na metade
anterior da planta
15
Sulcos em mais da
metade anterior da
planta
20
Sinal do Xale (posição do
cotovelo)
F
Na linha axilar do lado
oposto
0
Entre a linha axilar
anterior do lado
oposto e a linha média
6
Ao nível da linha média
12
Entre a linha média e a
linha axilar anterior do
mesmo lado
18
Posição da cabeça ao
levantar o RN: Ângulo
(Â) cérvico torácico)
G
Totalmente
deflexionada  = 270º
0
 entre 180º - 270º
4
 = 180º
8
 < 180º
12
EXAME FÍSICO
 Atenção especial para o padrão respiratório:
ritmo, profundidade, utilização de músculos
acessórios (tiragens), batimento de asa de nariz
(BAN), sons emitidos (gemência). Caso
necessário, determinar o Boletim de Silverman
Anderson (descrito adiante).
 Sinais vitais – FR, FC, PA, TEMP
PELE
 Descamação fisiológica em pós-maturos (pés e mãos).
 -Epidermólise bolhosa: bolhas disseminadas, que se
originam a partir de qualquer lesão por pressão.
 -Eritema tóxico: rash cutâneo com lesões eritemato-
papulosas, regride espontaneamente.
 -Escleredema: edema endurecido, mais
frequentemente observado em infecções neonatais
graves e cardiopatias com débito cardíaco diminuído.
Não depressível.
 -Hemangioma: manchas vermelho-violáceas mais
comumente observadas na nuca, região frontal e
pálpebras superiores. Desaparecem em alguns meses.
 -Lanugem: são pelos finos sobre o corpo.
PELE
 -Millium sebáceo: pontos claros em face,
especialmente no nariz, devido à hiperplasia de
glândulas sebáceas.
 -Nevos pigmentosus (mancha mongólica):
assemelha-se à pequena equimose. Mais comum
na região sacra. Desaparece na segunda infância.
 -Petéquias e púrpuras: não desaparecem a digito-
pressão. São de etiologia mecânica
(tocotraumatismo), fragilidade capilar (infecção)
e plaquetopenia.
 -Icterícia: Zonas de Krammer
 -Pletora.
Semiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascido
ZONAS DE KRAMER
ZONAS DE KRAMER
CRÂNIO
 Circunferência varia entre 32 e 36 cm. – Gráficos.
 Simetria do crânio, na palpação se há cavalgamento de suturas
(sagital, coronárias, bregmáticas e lambdóide)
 Craniossinostose: fechamento precoce das suturas cranianas →
assimetrias cranianas. São a escafocefalia, turricefalia,
braquicefalia e a plagiocefalia.
 Cefalohematoma: coleção sanguínea sub-periostal, de consistência
endurecida, delimitada pelas linhas de suturas cranianas.
 -Bossa serossanguínea (ou caput succedaneum): coleção de líquido
e sangue no subcutâneo, não respeitam as linhas de sutura, de
limites imprecisos, cacifo positivo.
 -Craniotabes: diminuição da consistência dos ossos do crânio. À
palpação assemelha-se a compressão de uma bola de ping-pong.
 -Encefalocele: Tumoração sob a pele que representa a
exteriorização de tecido nervoso por defeitos nas linhas de sutura
dos ossos crânio, com dimensões variáveis.
 Fontanelas: Bregmática, lambdóide.
FACE
 Observar simetria, aparência sindrômica,
implantação das orelhas, distância entre os olhos
(hiper ou hipotelorismo), leucocorias, teste do
olhinho=reflexo pupilar, tamanho do queixo
(micrognatia), nariz (coanas), língua, pálato e
lábios, dentes, pérolas de Epstein, orelhas
(implantação).
Semiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascido
PESCOÇO
 Pesquisar massas, fístulas, mobilidade, excesso de pele.
 -Torcicolo congênito: contratura do músculo
esternocleidomastóideo. Resolução espontânea na maioria
dos casos, podendo evoluir para assimetria facial e posição
viciosa da cabeça.
 -Teratoma cervical: grande tumoração na porção mediana
do pescoço. Possibilidade para malignização. Pode causar
obstrução respiratória.
 -Higroma cístico: tumoração cística de tamanho variado,
com rápido crescimento, invadindo o assoalho da boca, o
mediastino a as axilas; também pode obstruir a respiração.
 -Bócio congênito: de causa idiopática ou ocasionada por
ingesta materna de iodo na gestação. Consistência elástica
em forma de colar cervical, pouco móvel.
TÓRAX E CLAVÍCULAS
 Observar simetria e formato (geralmente
arredondado)
 Respiração em torno de 40-60 movimentos por
minuto.
 Discretas retrações sub e intercostais são comuns
em RN sadios pela elasticidade das paredes
torácicas.
 Fraturas de clavículas.
EXAME CARDIOVASCULAR
 Inspeção: cianose, padrão respiratório (taquipneia, dispénia,
BAN), abaulamento precordial, turgência jugular, ictus cordis
(mais propulsivo na PCA). 
 Palpação: realizar palpação de pulsos nos quatro membros (CoAo),
precórdio.
 Frequência cardíaca entre 120-160 batimentos por minuto.
 Pressão arterial (PA): com manguito apropriado, neonatal.
 O valor normal da PA sistólica e diastólica: Tabelas.
Consideramos o valor normal da pressão arterial média quando
maior ou igual à idade gestacional.
 Ausculta: Bulhas – Hiperfonese e desdobramentos, ritmo.
Identificar como sendo sistólico, diastólico ou contínuo. Quanto ao
timbre, observar se é suave, rude ou aspirativo.
 Sopros poderão estar ausentes ao nascimento mesmo em
cardiopatias graves; 60% dos RN normais terão sopro nas
primeiras 48 h de vida, em decorrência do fechamento do ducto
arterial e do forame oval.
EXAME PULMONAR
 Inspeção: avaliar o padrão respiratório quanto à frequência
(40-60 movimentos por minuto), amplitude dos
movimentos, presença de tiragens e retração xifoidiana,
batimentos de asas do nariz, estridor expiratório, gemido
(BSA).
 Ausculta: deve ser bilateral e comparativa. Auscultar as
regiões axilares. Avaliar a presença de creptos, sibilos,
roncos e diminuição do murmúrio vesicular.
 A palpação para checar a expansibilidade e
distensibilidade torácica também é realizada.
 A percussão nos espaços intercostais identifica o som claro
pulmonar.
Gemido
Retração
esternal
BANTiragem
Mov. tórax/
abdome
210
sincronizado
balancim
Audível com
estetoscópio
discreta
acentuado
ausenteausenteausenteausente
discreta discreto
Audível sem
estetoscópio
acentuadaacentuada
Declínio inspiratório
Boletim de Silverman Andersen
1-3 = DR leve
4-6 = DR moderado
>7 = DR grave 33
DESCONFORTO RESPIRATÓRIO
DESCONFORTO RESPIRATÓRIO
ABDOME
 Inspeção: forma: geralmente globoso. Escavado (hérnia diafragmática), com
abaulamento supra-umbilical (atresia duodenal ou distensão gástrica),
abaulamento infra-umbilical (distensão de bexiga), presença de circulação
colateral e ondas peristálticas.
 Pesquisar presença de hérnias umbilicais e inguinais.
 Malformações do tipo onfalocele (defeito da parede abdominal com
exteriorização de vísceras recobertas por âmnio, cordão e peritônio parietal) e
gastrosquise (defeito da parede abdominal com exteriorização e exposição de
alças e vísceras, à direita do cordão umbilical).
 O coto umbilical deve ser cuidadosamente avaliado, em busca de hiperemia,
exsudato purulento e, posteriormente, granuloma.
 RHA
 Palpação: diástase de músculos reto-abdominais (separação habitual da
musculatura, na linha média; desaparece no primeiro ano de vida), presença de
ascite, aumento no fígado (normal se em torno de 2cm do rebordo costal), baço,
rins, bexiga, massas abdominais.
 Hidronefrose, nefroblastoma, cisto solitário, rins policísticos e trombose de veia
renal. No fígado, hematoma, hemangioma, cisto hepático, de colédoco, de
ovário. No trato gastrointestinal, duplicação de duodeno, de jejuno, ou de íleo,
volvo, teratoma e neuroblastoma.
Semiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascido
GENITÁLIA
 Masculina
 Observar comprimento do pênis (normal maior do
que 3 cm), posição do orifício uretral centralizado
na glande (hipospádia, epispádia), fimose
(aderência do prepúcio à glande), posição dos
testículos na bolsa escrotal (criptorquidia:
testículos locados fora da bolsa: canal inguinal,
abdome), presença de hérnia escrotal. A descida
testicular para a bolsa escrotal ocorre por volta
do 3º trimestre.
 Hidrocele escrotal (acúmulo de líquido em volume
anormal) – transiluminação.  
GENITÁLIA
 Feminina
 Tamanho do clitóris, fusão dos grandes lábios (sinéquia
labial), posicionamento do orifício da vagina e da uretra,
distância anovulvar e fístulas. Comum o excesso de tecido
himenal ao nascimento que desaparece em semanas.
 O tamanho final do clítoris é adquirido bem antes da
deposição de gordura nas estruturas vizinhas e por isso
aparenta-se falsamente hipertrofiado.
 Genitália externa com morfologia suspeita (genitália
ambígua) necessita de investigação com ultrassonografia,
genótipo, etc.
 
COLUNA
 Em decúbito ventral, inspeciona-se e palpa-se região da coluna
vertebral. Procura-se desvios, tumorações e malformações
ósseas, presença de tufos de pelos, hemangiomas e manchas
hipercrômicas.
 -Espinha bífida: falha no fechamento dos ossos, principalmente da
coluna lombo-sacra. Podemos observar a exposição do tecido
nervoso. Pode apresentar-se de duas formas: Meningocele e
Mielomeningocele.
 -Meningocele: Lesão cística composta por líquor, meninges e pele.
Causas maternas: deficiência de ácido fólico e uso de álcool.
 -Mielomeningocele: Lesão da linha média contendo líquor,
meninges e elementos da medula. Podendo ser aberta ou rota.
Fossetas ou hipertricose podem indicar espinha bífida oculta,
onde algumas vértebras estão ausentes, mas o tecido nervoso está
protegido.
 -Teratoma sacrococcígeo: tumoração arredondada, de tamanho
variado podendo ser gigante. Pele que o recobre é, em geral,
íntegra. Passível de malignização.
Semiologia do recém nascido
OSTEO-ARTICULAR
 Membros: Simetria e proporções do braço e
antibraço, articulações (luxações).
 Paralisias braquiais.
 Paralisia em membros inferiores é rara e se deve
a tocotraumatismos ou anomalia congênita da
medula espinhal.
 Artrogripose (imobilidade articular): pode ser
congênita, devido a déficits musculares e a
compressão fetal por oligoidrâmnio, os distúrbios
neurológicos parecem ser uma causa comum.
 Pé torto congênito: é a anomalia congênita de
membros inferiores mais comum. Diferenciar
entre pé torto congênito e posicional. 
OSTEO-ARTICULAR
 Displasia Congênita de quadril (ou Luxação congênita
do quadril): diagnóstico precoce → boa resposta ao
tratamento. Pesquisá-lo em todas as oportunidades
do exame físico do RN, pois poderá estar ausente em
alguns momentos. Verificar simetria das pregas
cutâneas. É mais frequente em meninas.
 As manobras de Ortolani e Barlow identificam
anomalias no quadril:
 Manobra de Ortolani: realizada com o bebê em
decúbito dorsal; mobilizar as articulações coxo-
femurais, em rotação, aduzindo e abduzindo-as, com
os joelhos em flexão. O sinal é positivo quando se
percebe o deslocamento da articulação e um “click”
com os movimentos.
MECÔNIO E DIURESE
 Aproximadamente 99% dos RN urinam nas primeiras 48 h de
vida. O volume urinário nas primeiras 24 h de vida é de cerca
de 15 ml.
 Causas de ausência de diurese no primeiro dia de vida:
prepúcio imperfurado, estenose de uretra, valva de uretra
posterior, bexiga neurogênica, ureterocele, tumores renais,
rins multicísticos, hipovolemia, baixa ingesta líquida, agenesia
renal bilateral (Síndrome de Potter), necrose tubular
(secundária a hipóxia), trombose de veia renal, síndrome
nefrótica congênita e pielonefrite congênita.
 A primeira evacuação, em 90% das vezes, também ocorre nas
primeiras 24 h de vida, sob a forma de mecônio que é composto
por muco, bile, líquido amniótico, lanugo.
 Causas de atraso na eliminação são: obstrução intestinal,
mucoviscidose, hipermagnesemia, doença de
Hirschsprung/megacólon congênito (denervação do cólon, em
decorrência à falha de migração crânio-podálica da crista
neural do nervo vago).
Semiologia do recém nascido
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 Semiologia Pediátrica. Yvon Toledo Rodrigues;
Pedro Paulo Bastos Rodrigues. 3ª edição, 2009.
Ed Guanabara Koogan.
 Exame físico neonatal e avaliação neurológica.
Fabiana Moreira Pontes; Sérgio Henrique Veiga.
 Filmes Curso AIDPI MS
Feliz Dia da Mulher!
Bom final de semana a todos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
blogped1
 
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éCaracterísticas recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
Viviane da Silva
 
Crescimento e desenvolvimento Infantil
Crescimento e desenvolvimento Infantil Crescimento e desenvolvimento Infantil
Crescimento e desenvolvimento Infantil
Daysi Mara Paulo Sérgio
 
1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rn1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rn
Mickael Gomes
 
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
Alexandre Donha
 
Cuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascidoCuidados ao recém nascido
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
Viviane da Silva
 
Roteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de PuericulturaRoteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de Puericultura
blogped1
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
blogped1
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
marianagusmao39
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
resenfe2013
 
Desenvolvimentos dos reflexos
Desenvolvimentos dos reflexosDesenvolvimentos dos reflexos
Desenvolvimentos dos reflexos
becresforte
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
Rodrigo Abreu
 
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de SaúdeCurvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemAULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
Beatriz Cordeiro
 
Desconforto Respiratório Neonatal
Desconforto Respiratório NeonatalDesconforto Respiratório Neonatal
Desconforto Respiratório Neonatal
blogped1
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
Cintia da Cruz Silva
 
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Caroline Reis Gonçalves
 

Mais procurados (20)

Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
 
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éCaracterísticas recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
 
Crescimento e desenvolvimento Infantil
Crescimento e desenvolvimento Infantil Crescimento e desenvolvimento Infantil
Crescimento e desenvolvimento Infantil
 
1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rn1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rn
 
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
 
Cuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascidoCuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascido
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Roteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de PuericulturaRoteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de Puericultura
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 
Desenvolvimentos dos reflexos
Desenvolvimentos dos reflexosDesenvolvimentos dos reflexos
Desenvolvimentos dos reflexos
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
 
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de SaúdeCurvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
 
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemAULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
 
Desconforto Respiratório Neonatal
Desconforto Respiratório NeonatalDesconforto Respiratório Neonatal
Desconforto Respiratório Neonatal
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
 
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
 

Semelhante a Semiologia do recém nascido

Exame Físico RN Rodrigo Mont'Alverne
Exame Físico RN  Rodrigo Mont'AlverneExame Físico RN  Rodrigo Mont'Alverne
Exame Físico RN Rodrigo Mont'Alverne
Rodrigo Mont'Alverne
 
Exame Físico Ectoscopia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Ectoscopia (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico Ectoscopia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Ectoscopia (Davyson Sampaio Braga)
Davyson Sampaio
 
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptxAULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
EduardoFatdukbrGonal
 
Semio
SemioSemio
exame fisico do RN
exame fisico do RNexame fisico do RN
exame fisico do RN
Aline Leitão
 
O EXAME FISICO DO RECEM NASCIDO ENF.pptx
O EXAME FISICO DO RECEM NASCIDO ENF.pptxO EXAME FISICO DO RECEM NASCIDO ENF.pptx
O EXAME FISICO DO RECEM NASCIDO ENF.pptx
lorranerbrasileiro
 
Monitoria snc, crânio e coluna cervical(2)
Monitoria snc, crânio e coluna cervical(2)Monitoria snc, crânio e coluna cervical(2)
Monitoria snc, crânio e coluna cervical(2)
Norberto Werle
 
Aula de coluna cervical
Aula de coluna cervicalAula de coluna cervical
Aula de coluna cervical
Douglas Henrique
 
AULA ANTROPOMETRIA enf 27.pdf
AULA ANTROPOMETRIA enf 27.pdfAULA ANTROPOMETRIA enf 27.pdf
AULA ANTROPOMETRIA enf 27.pdf
KarineRibeiro57
 
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Eduardo Gomes da Silva
 
Semiologia pediátrica
Semiologia pediátrica Semiologia pediátrica
Semiologia pediátrica
lipernnatal
 
Neonatologia
NeonatologiaNeonatologia
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Davyson Sampaio
 
Semiologia Cardiovascular
Semiologia CardiovascularSemiologia Cardiovascular
Semiologia Cardiovascular
Anderson Armstrong
 
Suporte básico de vida em pediatria 2013
Suporte básico de vida em pediatria 2013Suporte básico de vida em pediatria 2013
Suporte básico de vida em pediatria 2013
Antonio Souto
 
Propedeutica abdominal
Propedeutica abdominalPropedeutica abdominal
Propedeutica abdominal
Paulo Rodrigo Pinto
 
Modelo_de_história_clínica_pediátrica.pdf
Modelo_de_história_clínica_pediátrica.pdfModelo_de_história_clínica_pediátrica.pdf
Modelo_de_história_clínica_pediátrica.pdf
ramadansiedade4
 
1 aula AIDPI.pdf
1 aula AIDPI.pdf1 aula AIDPI.pdf
1 aula AIDPI.pdf
PolianaPaiva9
 
Cap 113 trauma pediátrico
Cap 113  trauma pediátricoCap 113  trauma pediátrico
Cap 113 trauma pediátrico
Thiago Viegas
 
Exame físico geral
Exame físico geralExame físico geral
Exame físico geral
Danielle Batista Porto
 

Semelhante a Semiologia do recém nascido (20)

Exame Físico RN Rodrigo Mont'Alverne
Exame Físico RN  Rodrigo Mont'AlverneExame Físico RN  Rodrigo Mont'Alverne
Exame Físico RN Rodrigo Mont'Alverne
 
Exame Físico Ectoscopia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Ectoscopia (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico Ectoscopia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Ectoscopia (Davyson Sampaio Braga)
 
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptxAULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
 
Semio
SemioSemio
Semio
 
exame fisico do RN
exame fisico do RNexame fisico do RN
exame fisico do RN
 
O EXAME FISICO DO RECEM NASCIDO ENF.pptx
O EXAME FISICO DO RECEM NASCIDO ENF.pptxO EXAME FISICO DO RECEM NASCIDO ENF.pptx
O EXAME FISICO DO RECEM NASCIDO ENF.pptx
 
Monitoria snc, crânio e coluna cervical(2)
Monitoria snc, crânio e coluna cervical(2)Monitoria snc, crânio e coluna cervical(2)
Monitoria snc, crânio e coluna cervical(2)
 
Aula de coluna cervical
Aula de coluna cervicalAula de coluna cervical
Aula de coluna cervical
 
AULA ANTROPOMETRIA enf 27.pdf
AULA ANTROPOMETRIA enf 27.pdfAULA ANTROPOMETRIA enf 27.pdf
AULA ANTROPOMETRIA enf 27.pdf
 
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
 
Semiologia pediátrica
Semiologia pediátrica Semiologia pediátrica
Semiologia pediátrica
 
Neonatologia
NeonatologiaNeonatologia
Neonatologia
 
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
 
Semiologia Cardiovascular
Semiologia CardiovascularSemiologia Cardiovascular
Semiologia Cardiovascular
 
Suporte básico de vida em pediatria 2013
Suporte básico de vida em pediatria 2013Suporte básico de vida em pediatria 2013
Suporte básico de vida em pediatria 2013
 
Propedeutica abdominal
Propedeutica abdominalPropedeutica abdominal
Propedeutica abdominal
 
Modelo_de_história_clínica_pediátrica.pdf
Modelo_de_história_clínica_pediátrica.pdfModelo_de_história_clínica_pediátrica.pdf
Modelo_de_história_clínica_pediátrica.pdf
 
1 aula AIDPI.pdf
1 aula AIDPI.pdf1 aula AIDPI.pdf
1 aula AIDPI.pdf
 
Cap 113 trauma pediátrico
Cap 113  trauma pediátricoCap 113  trauma pediátrico
Cap 113 trauma pediátrico
 
Exame físico geral
Exame físico geralExame físico geral
Exame físico geral
 

Mais de Laped Ufrn

Febre Amarela: Nota Informativa
Febre Amarela: Nota InformativaFebre Amarela: Nota Informativa
Febre Amarela: Nota Informativa
Laped Ufrn
 
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN: - Relatório Atividades 2016
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN: - Relatório Atividades 2016Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN: - Relatório Atividades 2016
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN: - Relatório Atividades 2016
Laped Ufrn
 
Dislipidemias na Infância
Dislipidemias na InfânciaDislipidemias na Infância
Dislipidemias na Infância
Laped Ufrn
 
Relato de Caso - LAPED UFRN
Relato de Caso - LAPED UFRN Relato de Caso - LAPED UFRN
Relato de Caso - LAPED UFRN
Laped Ufrn
 
Herpes zoster acquired in utero - Case Report
Herpes zoster acquired in utero - Case ReportHerpes zoster acquired in utero - Case Report
Herpes zoster acquired in utero - Case Report
Laped Ufrn
 
Retinopatia da Prematuridade
  Retinopatia da Prematuridade   Retinopatia da Prematuridade
Retinopatia da Prematuridade
Laped Ufrn
 
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Planejamento 2016.1
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Planejamento 2016.1Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Planejamento 2016.1
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Planejamento 2016.1
Laped Ufrn
 
Dor Recorrente em Membros
Dor Recorrente em Membros Dor Recorrente em Membros
Dor Recorrente em Membros
Laped Ufrn
 
Carta Convite (Modelo) - I Jornada de Infectopediatria do RN
Carta Convite (Modelo) - I Jornada de Infectopediatria do RN Carta Convite (Modelo) - I Jornada de Infectopediatria do RN
Carta Convite (Modelo) - I Jornada de Infectopediatria do RN
Laped Ufrn
 
Hematúria na infância
Hematúria na infânciaHematúria na infância
Hematúria na infância
Laped Ufrn
 
Lesões Cutâneas do RN
Lesões Cutâneas do RNLesões Cutâneas do RN
Lesões Cutâneas do RN
Laped Ufrn
 
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Relatório de Atividades - ...
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Relatório de Atividades - ...Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Relatório de Atividades - ...
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Relatório de Atividades - ...
Laped Ufrn
 
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN na CIENTEC 2015: "Científica, Lúdica e...
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN  na  CIENTEC 2015:  "Científica, Lúdica e...Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN  na  CIENTEC 2015:  "Científica, Lúdica e...
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN na CIENTEC 2015: "Científica, Lúdica e...
Laped Ufrn
 
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNCCâncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Laped Ufrn
 
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencialDor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
Laped Ufrn
 
PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES TIREOIDIANAS EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN NO H...
PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES TIREOIDIANAS EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN NO H...PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES TIREOIDIANAS EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN NO H...
PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES TIREOIDIANAS EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN NO H...
Laped Ufrn
 
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN
Laped Ufrn
 
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN
Laped Ufrn
 
Estágio UTI Neonatal - LAPED UFRN
 Estágio UTI Neonatal - LAPED UFRN  Estágio UTI Neonatal - LAPED UFRN
Estágio UTI Neonatal - LAPED UFRN
Laped Ufrn
 
Aleitamento materno e adiposidade adulta
Aleitamento materno e adiposidade adultaAleitamento materno e adiposidade adulta
Aleitamento materno e adiposidade adulta
Laped Ufrn
 

Mais de Laped Ufrn (20)

Febre Amarela: Nota Informativa
Febre Amarela: Nota InformativaFebre Amarela: Nota Informativa
Febre Amarela: Nota Informativa
 
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN: - Relatório Atividades 2016
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN: - Relatório Atividades 2016Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN: - Relatório Atividades 2016
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN: - Relatório Atividades 2016
 
Dislipidemias na Infância
Dislipidemias na InfânciaDislipidemias na Infância
Dislipidemias na Infância
 
Relato de Caso - LAPED UFRN
Relato de Caso - LAPED UFRN Relato de Caso - LAPED UFRN
Relato de Caso - LAPED UFRN
 
Herpes zoster acquired in utero - Case Report
Herpes zoster acquired in utero - Case ReportHerpes zoster acquired in utero - Case Report
Herpes zoster acquired in utero - Case Report
 
Retinopatia da Prematuridade
  Retinopatia da Prematuridade   Retinopatia da Prematuridade
Retinopatia da Prematuridade
 
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Planejamento 2016.1
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Planejamento 2016.1Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Planejamento 2016.1
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Planejamento 2016.1
 
Dor Recorrente em Membros
Dor Recorrente em Membros Dor Recorrente em Membros
Dor Recorrente em Membros
 
Carta Convite (Modelo) - I Jornada de Infectopediatria do RN
Carta Convite (Modelo) - I Jornada de Infectopediatria do RN Carta Convite (Modelo) - I Jornada de Infectopediatria do RN
Carta Convite (Modelo) - I Jornada de Infectopediatria do RN
 
Hematúria na infância
Hematúria na infânciaHematúria na infância
Hematúria na infância
 
Lesões Cutâneas do RN
Lesões Cutâneas do RNLesões Cutâneas do RN
Lesões Cutâneas do RN
 
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Relatório de Atividades - ...
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Relatório de Atividades - ...Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Relatório de Atividades - ...
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Relatório de Atividades - ...
 
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN na CIENTEC 2015: "Científica, Lúdica e...
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN  na  CIENTEC 2015:  "Científica, Lúdica e...Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN  na  CIENTEC 2015:  "Científica, Lúdica e...
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN na CIENTEC 2015: "Científica, Lúdica e...
 
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNCCâncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
 
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencialDor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
 
PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES TIREOIDIANAS EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN NO H...
PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES TIREOIDIANAS EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN NO H...PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES TIREOIDIANAS EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN NO H...
PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES TIREOIDIANAS EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN NO H...
 
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN
 
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN
 
Estágio UTI Neonatal - LAPED UFRN
 Estágio UTI Neonatal - LAPED UFRN  Estágio UTI Neonatal - LAPED UFRN
Estágio UTI Neonatal - LAPED UFRN
 
Aleitamento materno e adiposidade adulta
Aleitamento materno e adiposidade adultaAleitamento materno e adiposidade adulta
Aleitamento materno e adiposidade adulta
 

Semiologia do recém nascido

  • 1. SEMIOLOGIA DO RECÉM- NASCIDO Nivia Maria Rodrigues Arrais Departamento de Pediatria – UFRN MEJC - UFRN Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN – LAPED UFRN
  • 2. SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO  Grego – Semeyon = sinal e logos = discurso.  Estudo dos sinais das doenças.  É a arte e a ciência metodizada do diagnóstico médico, requisito indispensável para a terapêutica e prognóstico.  Anamnese e Exame Físico  Recém-nascido – zero a 28 dias
  • 3. SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO  Informações dos pais  O mais completa possível em linguagem acessível  Ordenada  Paciência e tempo (interesse)
  • 4. SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO • Identificação – Nome, idade, cor, sexo, naturalidade e nacionalidade, endereço, idade, profissão e ocupação materna. • História Clínica – Queixa principal, história da doença atual, antecedentes patológicos, antecedentes pessoais (gestação, parto e nascimento), história alimentar, desenvolvimento neuropsicomotor, vacinação, antecedentes familiares, história social
  • 6. SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO  Exame Físico  Etapas distintas mas complementares  Ideal seria uma sequência de exame físico, que em pediatria nem sempre é possível.  Deitada, sentada, no colo, em pé.  Deixar áreas de desconforto para o final.
  • 7. SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO  Balança bebê  Régua (até 2 anos), estadiômetro de parede, fita métrica, termômetro, lanterna, abaixador de língua, martelo, oto e oftalmoscópio, aparelho de PA com manguito apropriados, estetoscópio.
  • 8. SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO  Ectoscopia – atitude como um todo (ritmo respiratório, palidez, cianose, tremores, gemidos, hipo ou hipertonia, malformações, tipo de choro), medidas antropométricas, temperatura.  Exame dos sistemas – inspeção, palpação, percussão, ausculta.
  • 9. SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO • Medidas antropométricas – Curvas OMS 2006, Prematuro • Peso • Comprimento • Circunferência craniana, torácica e abdominal • Idade Gestacional – OMS • Pré-termo - < 37 semanas • Termo - >= 37 semanas • Pós-termo - >= 42 semanas
  • 10. SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO  Peso ao Nascer  < 2.500g – Baixo Peso  1000 a 1499 g – Muito baixo peso  < 1000 g – Extremo baixo peso
  • 11. SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO  Adequação Peso X Idade Gestacional  Curva de Peso X Idade Gestacional  Bataglia e Lubchenco – Classificação do RN
  • 12. 12 CLASSIFICAR POR PESO E IDADE GESTACIONAL Pedro nasceu com 34 semanas pela data da última menstruação (DUM). Ele pesou 2.400g.
  • 13. MEDIDA DO COMPRIMENTO  Deitado  Corpo reto  Superfície rígida  Cabeça reta com apoio na placa superior da régua  Ambos os pés retos com apoio na placa inferior da régua
  • 14. MEDIDA DO PERÍMETRO CEFÁLICO (PC)  Perímetro cefálico máximo.  Para a sua medida, SMITH, 1977(8), recomenda que a fita seja posicionada sobre a proeminência occipital e sobre o arco das sobrancelhas
  • 15. SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO  Perímetro Torácico  Medido ao nível dos mamilos com a criança deitada com respiração normal.  Perímetro Abdominal  Medido pela circunferência a nível da cicatriz umbilical.
  • 16. SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO  Métodos de avaliação da Idade Gestacional  DUM  Ultrassonografia (primeiro trimestre)  Avaliações clínicas (Capurro somático e Capurro somático neurológico, Ballard, Dubowitz)  Caso a diferença entre a DUM e a idade gestacional clínica seja menos que duas semanas, considerar a idade gestacional pela DUM.
  • 18. Formação mamilo A Mamilo pouco visível sem aréola 0 Mamilo nítido; aréola lisa diâmetro < 0,75 cm 5 Mamilo puntiforme aréola de borda não elevada > 0,75 cm 10 Mamilo puntiforme aréola de borda elevada > 0,75 cm 15 Textura da pele B Fina, gelatinosa 0 Fina e lisa 5 Algo mais grossa, com discreta descamação Superficial 20 Grossa, com sulcos superficiais, descamação de mãos e pés 15 Grossa, apergaminhada com sulcos profundos 20 Forma da orelha C Chata, disforme pavilhão não encurvado 0 Pavilhão parcialmente encurvado na borda 8 Pavilhão parcialmente encurvado em toda borda superior 16 Pavilhão totalmente encurvado 24 Tamanho da glândula mamária D Ausência deTecido mamário 0 Diâmetro < 5 mm 5 Diâmetro 5 mm a 10 mm 10 Diâmetro > 10 mm 15 Sulcos plantares E Ausentes 0 Marcas mal definidas na metade anterior da planta 5 Marcas bem definidas na metade anterior e no terço anterior 10 Sulcos na metade anterior da planta 15 Sulcos em mais da metade anterior da planta 20 Sinal do Xale (posição do cotovelo) F Na linha axilar do lado oposto 0 Entre a linha axilar anterior do lado oposto e a linha média 6 Ao nível da linha média 12 Entre a linha média e a linha axilar anterior do mesmo lado 18 Posição da cabeça ao levantar o RN: Ângulo (Â) cérvico torácico) G Totalmente deflexionada  = 270º 0  entre 180º - 270º 4  = 180º 8  < 180º 12
  • 19. EXAME FÍSICO  Atenção especial para o padrão respiratório: ritmo, profundidade, utilização de músculos acessórios (tiragens), batimento de asa de nariz (BAN), sons emitidos (gemência). Caso necessário, determinar o Boletim de Silverman Anderson (descrito adiante).  Sinais vitais – FR, FC, PA, TEMP
  • 20. PELE  Descamação fisiológica em pós-maturos (pés e mãos).  -Epidermólise bolhosa: bolhas disseminadas, que se originam a partir de qualquer lesão por pressão.  -Eritema tóxico: rash cutâneo com lesões eritemato- papulosas, regride espontaneamente.  -Escleredema: edema endurecido, mais frequentemente observado em infecções neonatais graves e cardiopatias com débito cardíaco diminuído. Não depressível.  -Hemangioma: manchas vermelho-violáceas mais comumente observadas na nuca, região frontal e pálpebras superiores. Desaparecem em alguns meses.  -Lanugem: são pelos finos sobre o corpo.
  • 21. PELE  -Millium sebáceo: pontos claros em face, especialmente no nariz, devido à hiperplasia de glândulas sebáceas.  -Nevos pigmentosus (mancha mongólica): assemelha-se à pequena equimose. Mais comum na região sacra. Desaparece na segunda infância.  -Petéquias e púrpuras: não desaparecem a digito- pressão. São de etiologia mecânica (tocotraumatismo), fragilidade capilar (infecção) e plaquetopenia.  -Icterícia: Zonas de Krammer  -Pletora.
  • 25. CRÂNIO  Circunferência varia entre 32 e 36 cm. – Gráficos.  Simetria do crânio, na palpação se há cavalgamento de suturas (sagital, coronárias, bregmáticas e lambdóide)  Craniossinostose: fechamento precoce das suturas cranianas → assimetrias cranianas. São a escafocefalia, turricefalia, braquicefalia e a plagiocefalia.  Cefalohematoma: coleção sanguínea sub-periostal, de consistência endurecida, delimitada pelas linhas de suturas cranianas.  -Bossa serossanguínea (ou caput succedaneum): coleção de líquido e sangue no subcutâneo, não respeitam as linhas de sutura, de limites imprecisos, cacifo positivo.  -Craniotabes: diminuição da consistência dos ossos do crânio. À palpação assemelha-se a compressão de uma bola de ping-pong.  -Encefalocele: Tumoração sob a pele que representa a exteriorização de tecido nervoso por defeitos nas linhas de sutura dos ossos crânio, com dimensões variáveis.  Fontanelas: Bregmática, lambdóide.
  • 26. FACE  Observar simetria, aparência sindrômica, implantação das orelhas, distância entre os olhos (hiper ou hipotelorismo), leucocorias, teste do olhinho=reflexo pupilar, tamanho do queixo (micrognatia), nariz (coanas), língua, pálato e lábios, dentes, pérolas de Epstein, orelhas (implantação).
  • 29. PESCOÇO  Pesquisar massas, fístulas, mobilidade, excesso de pele.  -Torcicolo congênito: contratura do músculo esternocleidomastóideo. Resolução espontânea na maioria dos casos, podendo evoluir para assimetria facial e posição viciosa da cabeça.  -Teratoma cervical: grande tumoração na porção mediana do pescoço. Possibilidade para malignização. Pode causar obstrução respiratória.  -Higroma cístico: tumoração cística de tamanho variado, com rápido crescimento, invadindo o assoalho da boca, o mediastino a as axilas; também pode obstruir a respiração.  -Bócio congênito: de causa idiopática ou ocasionada por ingesta materna de iodo na gestação. Consistência elástica em forma de colar cervical, pouco móvel.
  • 30. TÓRAX E CLAVÍCULAS  Observar simetria e formato (geralmente arredondado)  Respiração em torno de 40-60 movimentos por minuto.  Discretas retrações sub e intercostais são comuns em RN sadios pela elasticidade das paredes torácicas.  Fraturas de clavículas.
  • 31. EXAME CARDIOVASCULAR  Inspeção: cianose, padrão respiratório (taquipneia, dispénia, BAN), abaulamento precordial, turgência jugular, ictus cordis (mais propulsivo na PCA).   Palpação: realizar palpação de pulsos nos quatro membros (CoAo), precórdio.  Frequência cardíaca entre 120-160 batimentos por minuto.  Pressão arterial (PA): com manguito apropriado, neonatal.  O valor normal da PA sistólica e diastólica: Tabelas. Consideramos o valor normal da pressão arterial média quando maior ou igual à idade gestacional.  Ausculta: Bulhas – Hiperfonese e desdobramentos, ritmo. Identificar como sendo sistólico, diastólico ou contínuo. Quanto ao timbre, observar se é suave, rude ou aspirativo.  Sopros poderão estar ausentes ao nascimento mesmo em cardiopatias graves; 60% dos RN normais terão sopro nas primeiras 48 h de vida, em decorrência do fechamento do ducto arterial e do forame oval.
  • 32. EXAME PULMONAR  Inspeção: avaliar o padrão respiratório quanto à frequência (40-60 movimentos por minuto), amplitude dos movimentos, presença de tiragens e retração xifoidiana, batimentos de asas do nariz, estridor expiratório, gemido (BSA).  Ausculta: deve ser bilateral e comparativa. Auscultar as regiões axilares. Avaliar a presença de creptos, sibilos, roncos e diminuição do murmúrio vesicular.  A palpação para checar a expansibilidade e distensibilidade torácica também é realizada.  A percussão nos espaços intercostais identifica o som claro pulmonar.
  • 33. Gemido Retração esternal BANTiragem Mov. tórax/ abdome 210 sincronizado balancim Audível com estetoscópio discreta acentuado ausenteausenteausenteausente discreta discreto Audível sem estetoscópio acentuadaacentuada Declínio inspiratório Boletim de Silverman Andersen 1-3 = DR leve 4-6 = DR moderado >7 = DR grave 33
  • 36. ABDOME  Inspeção: forma: geralmente globoso. Escavado (hérnia diafragmática), com abaulamento supra-umbilical (atresia duodenal ou distensão gástrica), abaulamento infra-umbilical (distensão de bexiga), presença de circulação colateral e ondas peristálticas.  Pesquisar presença de hérnias umbilicais e inguinais.  Malformações do tipo onfalocele (defeito da parede abdominal com exteriorização de vísceras recobertas por âmnio, cordão e peritônio parietal) e gastrosquise (defeito da parede abdominal com exteriorização e exposição de alças e vísceras, à direita do cordão umbilical).  O coto umbilical deve ser cuidadosamente avaliado, em busca de hiperemia, exsudato purulento e, posteriormente, granuloma.  RHA  Palpação: diástase de músculos reto-abdominais (separação habitual da musculatura, na linha média; desaparece no primeiro ano de vida), presença de ascite, aumento no fígado (normal se em torno de 2cm do rebordo costal), baço, rins, bexiga, massas abdominais.  Hidronefrose, nefroblastoma, cisto solitário, rins policísticos e trombose de veia renal. No fígado, hematoma, hemangioma, cisto hepático, de colédoco, de ovário. No trato gastrointestinal, duplicação de duodeno, de jejuno, ou de íleo, volvo, teratoma e neuroblastoma.
  • 39. GENITÁLIA  Masculina  Observar comprimento do pênis (normal maior do que 3 cm), posição do orifício uretral centralizado na glande (hipospádia, epispádia), fimose (aderência do prepúcio à glande), posição dos testículos na bolsa escrotal (criptorquidia: testículos locados fora da bolsa: canal inguinal, abdome), presença de hérnia escrotal. A descida testicular para a bolsa escrotal ocorre por volta do 3º trimestre.  Hidrocele escrotal (acúmulo de líquido em volume anormal) – transiluminação.  
  • 40. GENITÁLIA  Feminina  Tamanho do clitóris, fusão dos grandes lábios (sinéquia labial), posicionamento do orifício da vagina e da uretra, distância anovulvar e fístulas. Comum o excesso de tecido himenal ao nascimento que desaparece em semanas.  O tamanho final do clítoris é adquirido bem antes da deposição de gordura nas estruturas vizinhas e por isso aparenta-se falsamente hipertrofiado.  Genitália externa com morfologia suspeita (genitália ambígua) necessita de investigação com ultrassonografia, genótipo, etc.  
  • 41. COLUNA  Em decúbito ventral, inspeciona-se e palpa-se região da coluna vertebral. Procura-se desvios, tumorações e malformações ósseas, presença de tufos de pelos, hemangiomas e manchas hipercrômicas.  -Espinha bífida: falha no fechamento dos ossos, principalmente da coluna lombo-sacra. Podemos observar a exposição do tecido nervoso. Pode apresentar-se de duas formas: Meningocele e Mielomeningocele.  -Meningocele: Lesão cística composta por líquor, meninges e pele. Causas maternas: deficiência de ácido fólico e uso de álcool.  -Mielomeningocele: Lesão da linha média contendo líquor, meninges e elementos da medula. Podendo ser aberta ou rota. Fossetas ou hipertricose podem indicar espinha bífida oculta, onde algumas vértebras estão ausentes, mas o tecido nervoso está protegido.  -Teratoma sacrococcígeo: tumoração arredondada, de tamanho variado podendo ser gigante. Pele que o recobre é, em geral, íntegra. Passível de malignização.
  • 43. OSTEO-ARTICULAR  Membros: Simetria e proporções do braço e antibraço, articulações (luxações).  Paralisias braquiais.  Paralisia em membros inferiores é rara e se deve a tocotraumatismos ou anomalia congênita da medula espinhal.  Artrogripose (imobilidade articular): pode ser congênita, devido a déficits musculares e a compressão fetal por oligoidrâmnio, os distúrbios neurológicos parecem ser uma causa comum.  Pé torto congênito: é a anomalia congênita de membros inferiores mais comum. Diferenciar entre pé torto congênito e posicional. 
  • 44. OSTEO-ARTICULAR  Displasia Congênita de quadril (ou Luxação congênita do quadril): diagnóstico precoce → boa resposta ao tratamento. Pesquisá-lo em todas as oportunidades do exame físico do RN, pois poderá estar ausente em alguns momentos. Verificar simetria das pregas cutâneas. É mais frequente em meninas.  As manobras de Ortolani e Barlow identificam anomalias no quadril:  Manobra de Ortolani: realizada com o bebê em decúbito dorsal; mobilizar as articulações coxo- femurais, em rotação, aduzindo e abduzindo-as, com os joelhos em flexão. O sinal é positivo quando se percebe o deslocamento da articulação e um “click” com os movimentos.
  • 45. MECÔNIO E DIURESE  Aproximadamente 99% dos RN urinam nas primeiras 48 h de vida. O volume urinário nas primeiras 24 h de vida é de cerca de 15 ml.  Causas de ausência de diurese no primeiro dia de vida: prepúcio imperfurado, estenose de uretra, valva de uretra posterior, bexiga neurogênica, ureterocele, tumores renais, rins multicísticos, hipovolemia, baixa ingesta líquida, agenesia renal bilateral (Síndrome de Potter), necrose tubular (secundária a hipóxia), trombose de veia renal, síndrome nefrótica congênita e pielonefrite congênita.  A primeira evacuação, em 90% das vezes, também ocorre nas primeiras 24 h de vida, sob a forma de mecônio que é composto por muco, bile, líquido amniótico, lanugo.  Causas de atraso na eliminação são: obstrução intestinal, mucoviscidose, hipermagnesemia, doença de Hirschsprung/megacólon congênito (denervação do cólon, em decorrência à falha de migração crânio-podálica da crista neural do nervo vago).
  • 47. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  Semiologia Pediátrica. Yvon Toledo Rodrigues; Pedro Paulo Bastos Rodrigues. 3ª edição, 2009. Ed Guanabara Koogan.  Exame físico neonatal e avaliação neurológica. Fabiana Moreira Pontes; Sérgio Henrique Veiga.  Filmes Curso AIDPI MS
  • 48. Feliz Dia da Mulher! Bom final de semana a todos.