SlideShare uma empresa Scribd logo
Profa. NatashaLouise
CLASSIFICAÇÃO
DO
RN
De acordo com a idade
gestacional
De acordo com o peso
De acordo com a
relação entre peso e a
idade gestacional
RECÉM-NASCIDO (RN)
Criança nascida viva
com até 28 dias de vida
extrauterina.
RN pré-termo ou
prematuro
Idade gestacional
MENOR que 37
semanas.
Idade gestacional
entre 37 e 41
semanas e 6 dias.
RN a termo
Idade gestacional
MAIOR que 42
semanas.
RN pós-termo
De acordo com a Idade Gestacional
• Peso ao nascimento menor que 2.500g.
RN DE BAIXO PESO
• Peso ao nascimento menor que 1.500g.
RN DE MUITO BAIXO PESO
• Peso ao nascimento menor que 1.000g.
RN DE EXTREMO BAIXO
PESO
De acordo com o peso ao nascer
De acordo com a
relação entre o peso
e a idade gestacional
RN grande para a
idade gestacional
(GIG)
RN pequeno para a
idade gestacional
(PIG)
RN adequado para a
idade gestacional
(AIG)
Peso acima do percentil
90 nas curvas de
crescimento intrauterino
Peso abaixo do percentil
10 para a sua idade
gestacional
Peso entre o percentil 10 e
90 nas curvas de
crescimento intrauterino
De acordo com o peso e idade gestacional
- Secar e aquecer o RN;
- Estabelecer permeabilidade das vias aéreas
superiores;
- Manter a temperatura corporal (36,5 °C e
37,5 °C);
- Prevenir infecções;
- Avaliar índice de apgar;
- Pinçamento e secção do cordão umbilical;
- Identificar RN;
- Profilaxia oftalmia neonatal;
- Administração vitamina K.
- Definir medidas antropométricas;
- Banho 6 horas após o nascimento;
- Higiene do coto umbilical;
- Exame físico;
- Imunização com BCG e Hepatite B;
- Fortalecimento ao aleitamento materno.
Imediata Mediata
CUIDADOS IMEDIATOS
AO RN
SÃO CUIDADOS
REALIZADOS AINDA
NA SALA DE PARTO OU
ATÉ 2H APÓS O PARTO
VISA DAR CONDIÇÕES
SATISFATÓRIAS AO RN
PARA ADAPTAÇÃO À
VIDA EXTRAUTERINA.
 Envolver o RN com lençol ou campo esterilizado para
iniciar a secagem das secreções e aquecimento;
 Remover mucosidades e sangue com gaze esterilizada da
boca, nariz e olhos;
 Completar a secagem;
 Manter o RN em berço aquecido e retirar o excesso de
líquido amniótico com compressa macia minimiza choque
térmico e restringe as perdas de calor;
 Clampeamento do cordão umbilical entre 1 a 5 minutos ou de forma fisiológica quando cessar a
pulsação.
 Verificar a presença de duas artérias e uma veia umbilical
 A criança deverá permanecer em nível inferior ao da mãe, até o cordão umbilical ser pinçado
(clampeado e cortado logo após o nascimento);
 Inicialmente gelatinoso, ele seca progressivamente, mumificando-se perto do 3º ou 4º dia de vida, e
costuma desprender-se do corpo em torno do 6º ao 15º dia.
 Realizar curativo – antissepsia do coto;
 Método mais utilizado para avaliar a adaptação imediata do recém-nascido à vida
extrauterina.
Sofrimento Grave:
0 a 3 pontos
Sofrimento moderado:
4 a 6 pontos
Ausência de dificuldade
na adaptação a vida
extrauterina:
7 a 10 pontos
 Deve ser aplicada no 1° e 5° minuto de vida do RN.
 Se apgar <7, continuar fazendo avaliação a cada 5 minutos até o 20° minuto
de vida do RN. Apenas níveis abaixo de 4 por mais de 15 minutos estão
relacionados a risco significativo de problemas neurológicos (BLACKBOOK,
2016).
 Não é utilizado para indicar procedimentos de reanimação neonatal. No
entanto, sua aplicação permite avaliar a resposta do paciente às manobras
realizadas e a sua eficácia (SBP, 2016).
Estimular o início precoce do
aleitamento materno, idealmente na
primeira hora de vida.
Evitar a separação mãe-filho na
primeira hora após o nascimento.
 Deve ser realizada de rotina nos cuidados com o recém-nascido.
 O tempo de administração da profilaxia da oftalmia neonatal pode ser ampliado em
até 4 horas após o nascimento, tanto no parto vaginal quanto cesáreo.
 Recomenda-se a utilização da pomada de eritromicina a 0,5% e, como alternativa,
tetraciclina a 1% para a realização da profilaxia da oftalmia neonatal.
A UTILIZAÇÃO DE NITRATO DE PRATA A 1% DEVE SER RESERVADA
APENAS EM CASO DE NÃO SE DISPOR DE ERITROMICINA OU
TETRACICLINA (BRASIL, 2017).
 Todos os recém nascidos devem receber vitamina K para a profilaxia da doença
hemorrágica (Brasil, 2017).
A vitamina K deve ser administrada por via intramuscular, na DOSE ÚNICA
de 0,5 A 1MG, pois este método apresenta a melhor relação de custo-
efetividade.
Se os pais recusarem a administração intramuscular, deve ser oferecida a
administração oral da vitamina K e eles devem ser advertidos que este método
deve seguir as recomendações do fabricante e exige múltiplas doses.
 Registro de sua impressão plantar e digital e também registro
da impressão digital da mãe. Essa identificação é feita no
prontuário e nas três vias da declaração de nascido vivo.
 Pulseiras devem ser colocadas na mãe e no RN.
 No caso de parto múltiplo deverá ser usada a indicação I, II, III
(1º, 2º, 3º), nas pulseiras de cada um dos bebês, de acordo
com a ordem do nascimento.
 São cuidados realizados no alojamento conjunto.
PROMOÇÃO DO
ESTABELECIMENTO
PRECOCE DO VÍNCULO
AFETIVO ENTRE A MÃE E
O SEU FILHO
PROMOÇÃO DO
ALEITAMENTO
MATERNO
REALIZAR VISITAS
DIÁRIAS À MÃE E
AO RN
ACOLHIMENTO
IMUNIZAÇÃO DO
RN – VACINAS BCG
E HEPATITE B
EXAME FÍSICO
GERAL
CUIDADOS DE
ENFERMAGEM AO
RN E À MÃE
EQUIPAMENTOS E MATERIAIS
 São necessários para a realização segura e eficiente do exame físico do RN equipamentos e materiais
individuais (termômetro, estetoscópio) e coletivos (Monitor cardiorrespiratório, monitor de P.A,
oxímetro de pulso, fita métrica ou régua antropométrica, balança neonatal).
Berço aquecido com fonte
de calor radiante
Fonte de oxigênio com fluxômetro
Aspirador a vácuo com manômetro
Sondas de Aspiração Laringoscópio de Lâmina Reta Bolsa Válvula Máscara
com reservatório de O2
Tubo Endotraqueal
 Valores de referência para Sinais Vitais
 Temperatura axilar: 36,5°C - 37,5°C
 Frequência respiratória: 40 a 60 rpm
 Frequência cardíaca: 120 a 160 bpm
 Valores de referência para mensuração de perímetros no RN
 Perímetro Cefálico - 33 a 35,5 cm
 Perímetro Torácico – 30,5 a 33 cm
 PA – 30 a 33 cm
 Peso - 2.500g a 4.500g
 Comprimento – 48 a 53 cm
Higiene: O banho pode ser realizado 24 hrs pós-parto;
Curativo do Coito Umbilical: solução antisséptica (álcool 70%);
Medidas Antropométricas: - Peso;
- Comprimento;
- Perímetro Cefálico e Torácico;
Imunização BCG: Realizar antes da alta hospitalar se RN apresentar peso
igual ou superior a 2 Kg.
 Primeira coisa que vamos avaliar é a coloração da pele do bebê, que pode ser rosado ou apresentar
icterícia.
 Icterícia ocorre devido ao excesso de bilirrubina sérica.
 Icterícia Fisiológica: surge após 48 horas e tem como causa a imaturidade das células
hepáticas/hemólise exagerada (eritroblastos imaturos). Terapêutica: Fototerapia.
 É comum a presença de cianose de extremidades (acrocianose), que se apresentam frias ao toque.
Fontanelas: Espaços cartilaginosos quadriláteros encontrados na Cabeça através da
palpação. As principais são:
Bregmática ou Anterior: fecha totalmente entre o 9° e o 18° mês de vida.
Lambdóide ou Posterior: fecha aos 2 meses. Pode não ser palpável desde o nascimento.
 Face: Todo o RN pode apresentar a face edemacia, com manchas, em
consequência do trabalho de parto, regredindo espontaneamente.
 Face assimétrica: face desigual devido a uma posição desigual na vida
fetal.
 Millium Facial ou sebáceo: pequenos pontos brancos, localizados na
base do nariz, queixo e fronte.
 Vérnix Caseoso: é um material gorduroso e esbranquiçado comum em RN prematuros entre 34 e
36 semanas, cujas funções primordiais são a proteção da pele e o isolamento térmico.
 Mancha Mongólica: são manchas azul-acinzentadas localizadas preferencialmente no dorso e nas
regiões glútea e lombossacra, podendo ser disseminada; São mais comuns nas raças negra e
e regridem nos primeiros 4 anos de idade.
 Descamação Fisiológica: descamações mais comuns no abdome, mãos e pés.
 Lanugo ou lanugem: pelos finos que costumam recobrir a região do ombro e da escápula,
encontrados de forma mais abundante nos RN prematuros; desaparecem em alguns dias.
 Orelhas: observar forma, tamanho, simetria, implantação.
 Nariz: observar forma; permeabilidade mediante a oclusão da boca e de cada narina
separadamente e a presença de secreção serossanguinolenta.
 Boca: observar conformação do palato; a presença de fenda palatina; o desvio labial que pode
ser associado a paralisia facial por traumatismo de parto;
 Pescoço: curto e com mobilidade. Por volta dos 3 meses, há sustentação.
 Tórax: é cilíndrico, torna-se assimétrico quando há malformações de coração, pulmões, colunas
ou arcabouço costal.
 Abdome: apresenta-se semigloboso;
 Inspecionar as condições do coto umbilical. Secreção, edema e hiperemia periumbilical indicam
onfalite.
 Visualizar o orifício anal.
 A eliminação de mecônio costuma ocorrer nas primeiras 24 a 36 horas de vida.
 Pulmões: a respiração é abdominal e a frequência respiratória normal vária de 40 a 60
movimentos por minuto.
 Genitália:
 Masculina: -Palpar a bolsa escrotal e verificar a presença de
que podem encontrar-se também nos canais inguinais ou região
abdominal.
- A fimose é fisiológica ao nascimento.
 Feminina: - Os pequenos lábios e clitóris estão proeminentes.
- Nos primeiros dias, pode aparecer uma secreção esbranquiçada mais
ou menos abundante e, às vezes, hemorrágica.
 Exame Cardiovascular: frequência cardíaca varia entre 120 a 160 bpm.
- Presença de sopros nos primeiros dias é comum, porém, se persistirem por algumas semanas, é
provável que haja manifestações de cardiopatia congênita.
 Exame Neurológico: compreende a observação da atitude, reatividade, choro, tônus,
movimentos e reflexos dos recém-nascidos.
 A primeira urina produzida por um recém-nascido é concentrada e, frequentemente, contém
substâncias químicas denominadas uratos, que podem dar às fraldas uma coloração rosa, que não
deve ser confundida com sangue. Costuma ocorrer na sala de parto ou nas primeiras 48h.
 A primeira evacuação consiste no mecônio sendo uma massa compacta formada por todos os
componentes dissolvidos e absorvidos pelo bebê no líquido amniótico. O bebê normalmente elimina
o mecônio nas primeiras 24 a 36 horas após o nascimento, estimulada pela amamentação e isto é
importante, pois é um sinal de que o intestino está funcionando bem.
Programa de rastreamento populacional que tem como objetivo geral identificar
distúrbios e doenças no recém-nascido, em tempo oportuno, para intervenção
adequada, garantindo tratamento e acompanhamento contínuo às pessoas com
diagnóstico positivo, com vistas a reduzir a morbimortalidade e melhorar a
qualidade de vida das pessoas.
 Recomenda-se que o período ideal de coleta da primeira amostra esteja compreendido entre
o 3° e o 5° dia de vida do bebê.
 Deve ser considerada como uma condição de exceção toda coleta realizada após 28° dia de
vida, mesmo que não recomendada, por se tratar de um exame fora do período neonatal.
 Triagem:
- Fenilcetonúria;
- Anemia Falciforme;
- Fibrose Cística;
- Hipotireoidismo congênito;
- Hiperplasia Adrenal Congênita;
- Deficiência da Biotinidase.
 É a verificação da coloração naturalmente vermelha do fundo do olho do recém-nascido.
Teste rápido que pode ser realizado pelo pediatra na própria maternidade.
o Pode detectar qualquer alteração que cause obstrução no eixo visual, como catarata,
glaucoma congênito e outros problemas cuja identificação precoce possibilita o tratamento
tratamento no tempo certo e oportuno e o desenvolvimento normal da visão.
o Deve ser feito nas primeiras 24 horas de vida do bebê.
o Trata-se de uma luz direcionada ao olho da criança a uma distância de 20 centímetros, que
deve refletir um tom vermelho semelhante ao observado em fotografias com flash. Caso a
cor seja opaca, branca ou amarelada, significa que o recém-nascido possui alguma
patologia e que deve ser tratada.
Sua função é detectar deficiência auditiva. Feito com equipamento especial que emite sons
e verifica a resposta dos ouvidos ao estímulo.
o Teste indolor, com duração de três a cincos minutos.
o Realizado pelo fonoaudiólogo.
o Pode ser realizado logo no 2° dia de nascimento, e de preferência ainda no primeiro mês
de vida.
 Através de um equipamento especial, o oxímetro de pulso, de forma indolor é estimada a
concentração de oxigênio no sangue.
o Deve-se realizar a aferição da oximetria de pulso, em todo RN aparentemente saudável com
idade gestacional > 34 semanas, antes da alta.
o Momento da aferição: Entre 24 e 48 horas de vida, antes da alta hospitalar.
o Local de aferição: Membro superior direito e em um dos membros inferiores. Para
adequada aferição, é necessário que o recém-nascido esteja com as extremidades
aquecidas e o monitor evidencie uma onde de traçado homogêneo.
Resultado normal: SpO2 maior ou igual a 95% em ambas as medidas (membro superior
direito e membro inferior) e diferença menor que 3% entre as medidas do membro superior
direito e membro inferior.
Resultado anormal: Caso qualquer medida da SpO2 seja menor que 95% ou houver
diferença igual ou maior que 3% entre as medidas do MSD e MI, uma nova aferição deverá ser
realizada após 1 hora.
 Exame padronizado que possibilita diagnosticar e indicar o tratamento precoce das
limitações dos movimentos da língua causadas pela língua presa que podem comprometer
as funções exercidas pela língua: sugar, engolir, mastigar e falar.
o Realizado pelo fonoaudiólogo. Recomenda-se que a avaliação do frênulo da língua seja
realizada inicialmente na maternidade.
o Deve-se elevar a língua do bebê para verificar se a língua está presa, e também observar o
bebê chorando e sugando.
Profa: Natasha Louise

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Eduardo Gomes da Silva
 
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Reanimação Neonatal em Sala de Parto
Reanimação Neonatal em Sala de PartoReanimação Neonatal em Sala de Parto
Reanimação Neonatal em Sala de Parto
UEA - Universidade do Estado do Amazonas
 
Reanimação Neonatal
Reanimação NeonatalReanimação Neonatal
Reanimação Neonatal
Samuel Benjamin
 
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
Alinebrauna Brauna
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Apostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da CriançaApostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da Criança
Cândida Mirna
 
Emergência Obstétrica
Emergência ObstétricaEmergência Obstétrica
Emergência Obstétrica
siatego
 
AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
chirlei ferreira
 
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoCuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
Amanda Thomé
 
Icterícia Neonatal
Icterícia NeonatalIcterícia Neonatal
Icterícia Neonatal
blogped1
 
Reanimacao Neonatal
Reanimacao NeonatalReanimacao Neonatal
Reanimacao Neonatal
Mercia Lisieux
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
Alexandre Donha
 
Aula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricasAula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricas
SUELLEN SILVA
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
Cintia da Cruz Silva
 
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemAULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
Beatriz Cordeiro
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
marianagusmao39
 
Prevenção de acidentes na infância
Prevenção de acidentes na infânciaPrevenção de acidentes na infância
Prevenção de acidentes na infância
Rogério Barros
 
Imunização
ImunizaçãoImunização
Reanimação neonatal
Reanimação neonatalReanimação neonatal
Reanimação neonatal
Nayara Dias
 

Mais procurados (20)

Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
 
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
 
Reanimação Neonatal em Sala de Parto
Reanimação Neonatal em Sala de PartoReanimação Neonatal em Sala de Parto
Reanimação Neonatal em Sala de Parto
 
Reanimação Neonatal
Reanimação NeonatalReanimação Neonatal
Reanimação Neonatal
 
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 
Apostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da CriançaApostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da Criança
 
Emergência Obstétrica
Emergência ObstétricaEmergência Obstétrica
Emergência Obstétrica
 
AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
 
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoCuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
 
Icterícia Neonatal
Icterícia NeonatalIcterícia Neonatal
Icterícia Neonatal
 
Reanimacao Neonatal
Reanimacao NeonatalReanimacao Neonatal
Reanimacao Neonatal
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Aula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricasAula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricas
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
 
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemAULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
 
Prevenção de acidentes na infância
Prevenção de acidentes na infânciaPrevenção de acidentes na infância
Prevenção de acidentes na infância
 
Imunização
ImunizaçãoImunização
Imunização
 
Reanimação neonatal
Reanimação neonatalReanimação neonatal
Reanimação neonatal
 

Semelhante a ASSISTÊNCIA AO RN.pptx

Cuidados imediatos ao rn
Cuidados imediatos ao rnCuidados imediatos ao rn
Cuidados imediatos ao rn
Alvaro Felipe
 
materno infantil II mecanismo do parto.pptx
materno infantil II mecanismo do parto.pptxmaterno infantil II mecanismo do parto.pptx
materno infantil II mecanismo do parto.pptx
LuanMiguelCosta
 
Neonatologia
NeonatologiaNeonatologia
Recem nascido
Recem nascidoRecem nascido
Recem nascido
Camila Nágila
 
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdf
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdfAssistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdf
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdf
Jackeline Moraes
 
Eve 22082016 090402_recepcao do recem nascido - maria lucia silveira ferlin
Eve 22082016 090402_recepcao do recem nascido - maria lucia silveira ferlinEve 22082016 090402_recepcao do recem nascido - maria lucia silveira ferlin
Eve 22082016 090402_recepcao do recem nascido - maria lucia silveira ferlin
Morgana Oliveira
 
MANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDO
MANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDOMANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDO
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptx
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptxSaúde da Criança - 10.07 campinas.pptx
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptx
gizaraposo
 
Recepcao do recem nascido
Recepcao do recem nascidoRecepcao do recem nascido
Recepcao do recem nascido
almirmidoesbastos
 
NEONATOLOGIA AULA.pptx
NEONATOLOGIA AULA.pptxNEONATOLOGIA AULA.pptx
NEONATOLOGIA AULA.pptx
SuaMeKksh
 
Suporte básico de vida em pediatria 2013
Suporte básico de vida em pediatria 2013Suporte básico de vida em pediatria 2013
Suporte básico de vida em pediatria 2013
Antonio Souto
 
Avaliação do recém-nascido normal EI.pdf
Avaliação do recém-nascido normal EI.pdfAvaliação do recém-nascido normal EI.pdf
Avaliação do recém-nascido normal EI.pdf
MelqueErnestoEscrivo
 
ADOLESCENTE - AULA
ADOLESCENTE - AULA ADOLESCENTE - AULA
ADOLESCENTE - AULA
ShesterDamaceno1
 
0416 emergências obstétricas - Marion
0416 emergências obstétricas - Marion0416 emergências obstétricas - Marion
0416 emergências obstétricas - Marion
laiscarlini
 
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02
Larissa Lemos
 
Introdução a Neonatologia (Exame Físico )
Introdução a Neonatologia (Exame Físico )Introdução a Neonatologia (Exame Físico )
Introdução a Neonatologia (Exame Físico )
ThiagoHenrick
 
Apostila Saúde da Criança e do Adolescente.docx
Apostila Saúde da Criança e do Adolescente.docxApostila Saúde da Criança e do Adolescente.docx
Apostila Saúde da Criança e do Adolescente.docx
LubarraLu
 
AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdf
AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdfAULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdf
AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdf
KarineRibeiro57
 
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptxAULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
EduardoFatdukbrGonal
 
Cap 113 trauma pediátrico
Cap 113  trauma pediátricoCap 113  trauma pediátrico
Cap 113 trauma pediátrico
Thiago Viegas
 

Semelhante a ASSISTÊNCIA AO RN.pptx (20)

Cuidados imediatos ao rn
Cuidados imediatos ao rnCuidados imediatos ao rn
Cuidados imediatos ao rn
 
materno infantil II mecanismo do parto.pptx
materno infantil II mecanismo do parto.pptxmaterno infantil II mecanismo do parto.pptx
materno infantil II mecanismo do parto.pptx
 
Neonatologia
NeonatologiaNeonatologia
Neonatologia
 
Recem nascido
Recem nascidoRecem nascido
Recem nascido
 
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdf
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdfAssistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdf
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdf
 
Eve 22082016 090402_recepcao do recem nascido - maria lucia silveira ferlin
Eve 22082016 090402_recepcao do recem nascido - maria lucia silveira ferlinEve 22082016 090402_recepcao do recem nascido - maria lucia silveira ferlin
Eve 22082016 090402_recepcao do recem nascido - maria lucia silveira ferlin
 
MANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDO
MANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDOMANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDO
MANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDO
 
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptx
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptxSaúde da Criança - 10.07 campinas.pptx
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptx
 
Recepcao do recem nascido
Recepcao do recem nascidoRecepcao do recem nascido
Recepcao do recem nascido
 
NEONATOLOGIA AULA.pptx
NEONATOLOGIA AULA.pptxNEONATOLOGIA AULA.pptx
NEONATOLOGIA AULA.pptx
 
Suporte básico de vida em pediatria 2013
Suporte básico de vida em pediatria 2013Suporte básico de vida em pediatria 2013
Suporte básico de vida em pediatria 2013
 
Avaliação do recém-nascido normal EI.pdf
Avaliação do recém-nascido normal EI.pdfAvaliação do recém-nascido normal EI.pdf
Avaliação do recém-nascido normal EI.pdf
 
ADOLESCENTE - AULA
ADOLESCENTE - AULA ADOLESCENTE - AULA
ADOLESCENTE - AULA
 
0416 emergências obstétricas - Marion
0416 emergências obstétricas - Marion0416 emergências obstétricas - Marion
0416 emergências obstétricas - Marion
 
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02
 
Introdução a Neonatologia (Exame Físico )
Introdução a Neonatologia (Exame Físico )Introdução a Neonatologia (Exame Físico )
Introdução a Neonatologia (Exame Físico )
 
Apostila Saúde da Criança e do Adolescente.docx
Apostila Saúde da Criança e do Adolescente.docxApostila Saúde da Criança e do Adolescente.docx
Apostila Saúde da Criança e do Adolescente.docx
 
AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdf
AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdfAULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdf
AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdf
 
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptxAULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
 
Cap 113 trauma pediátrico
Cap 113  trauma pediátricoCap 113  trauma pediátrico
Cap 113 trauma pediátrico
 

Mais de Natasha Louise

Cibele_Alves_de_Araújo.ppt
Cibele_Alves_de_Araújo.pptCibele_Alves_de_Araújo.ppt
Cibele_Alves_de_Araújo.ppt
Natasha Louise
 
4° AULA - PRÉ-NATAL.pptx
4° AULA - PRÉ-NATAL.pptx4° AULA - PRÉ-NATAL.pptx
4° AULA - PRÉ-NATAL.pptx
Natasha Louise
 
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
Natasha Louise
 
3° AULA - Planejamento Familiar e Métodos Contraceptivos.pptx
3° AULA - Planejamento Familiar e Métodos Contraceptivos.pptx3° AULA - Planejamento Familiar e Métodos Contraceptivos.pptx
3° AULA - Planejamento Familiar e Métodos Contraceptivos.pptx
Natasha Louise
 
2° AULA - ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
2° AULA - ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx2° AULA - ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
2° AULA - ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
Natasha Louise
 
1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx
1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx
1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx
Natasha Louise
 

Mais de Natasha Louise (6)

Cibele_Alves_de_Araújo.ppt
Cibele_Alves_de_Araújo.pptCibele_Alves_de_Araújo.ppt
Cibele_Alves_de_Araújo.ppt
 
4° AULA - PRÉ-NATAL.pptx
4° AULA - PRÉ-NATAL.pptx4° AULA - PRÉ-NATAL.pptx
4° AULA - PRÉ-NATAL.pptx
 
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
 
3° AULA - Planejamento Familiar e Métodos Contraceptivos.pptx
3° AULA - Planejamento Familiar e Métodos Contraceptivos.pptx3° AULA - Planejamento Familiar e Métodos Contraceptivos.pptx
3° AULA - Planejamento Familiar e Métodos Contraceptivos.pptx
 
2° AULA - ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
2° AULA - ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx2° AULA - ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
2° AULA - ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
 
1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx
1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx
1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx
 

ASSISTÊNCIA AO RN.pptx

  • 2. CLASSIFICAÇÃO DO RN De acordo com a idade gestacional De acordo com o peso De acordo com a relação entre peso e a idade gestacional RECÉM-NASCIDO (RN) Criança nascida viva com até 28 dias de vida extrauterina.
  • 3. RN pré-termo ou prematuro Idade gestacional MENOR que 37 semanas. Idade gestacional entre 37 e 41 semanas e 6 dias. RN a termo Idade gestacional MAIOR que 42 semanas. RN pós-termo De acordo com a Idade Gestacional
  • 4. • Peso ao nascimento menor que 2.500g. RN DE BAIXO PESO • Peso ao nascimento menor que 1.500g. RN DE MUITO BAIXO PESO • Peso ao nascimento menor que 1.000g. RN DE EXTREMO BAIXO PESO De acordo com o peso ao nascer
  • 5. De acordo com a relação entre o peso e a idade gestacional RN grande para a idade gestacional (GIG) RN pequeno para a idade gestacional (PIG) RN adequado para a idade gestacional (AIG) Peso acima do percentil 90 nas curvas de crescimento intrauterino Peso abaixo do percentil 10 para a sua idade gestacional Peso entre o percentil 10 e 90 nas curvas de crescimento intrauterino De acordo com o peso e idade gestacional
  • 6.
  • 7.
  • 8. - Secar e aquecer o RN; - Estabelecer permeabilidade das vias aéreas superiores; - Manter a temperatura corporal (36,5 °C e 37,5 °C); - Prevenir infecções; - Avaliar índice de apgar; - Pinçamento e secção do cordão umbilical; - Identificar RN; - Profilaxia oftalmia neonatal; - Administração vitamina K. - Definir medidas antropométricas; - Banho 6 horas após o nascimento; - Higiene do coto umbilical; - Exame físico; - Imunização com BCG e Hepatite B; - Fortalecimento ao aleitamento materno. Imediata Mediata
  • 9. CUIDADOS IMEDIATOS AO RN SÃO CUIDADOS REALIZADOS AINDA NA SALA DE PARTO OU ATÉ 2H APÓS O PARTO VISA DAR CONDIÇÕES SATISFATÓRIAS AO RN PARA ADAPTAÇÃO À VIDA EXTRAUTERINA.
  • 10.  Envolver o RN com lençol ou campo esterilizado para iniciar a secagem das secreções e aquecimento;  Remover mucosidades e sangue com gaze esterilizada da boca, nariz e olhos;  Completar a secagem;  Manter o RN em berço aquecido e retirar o excesso de líquido amniótico com compressa macia minimiza choque térmico e restringe as perdas de calor;
  • 11.  Clampeamento do cordão umbilical entre 1 a 5 minutos ou de forma fisiológica quando cessar a pulsação.  Verificar a presença de duas artérias e uma veia umbilical  A criança deverá permanecer em nível inferior ao da mãe, até o cordão umbilical ser pinçado (clampeado e cortado logo após o nascimento);  Inicialmente gelatinoso, ele seca progressivamente, mumificando-se perto do 3º ou 4º dia de vida, e costuma desprender-se do corpo em torno do 6º ao 15º dia.  Realizar curativo – antissepsia do coto;
  • 12.  Método mais utilizado para avaliar a adaptação imediata do recém-nascido à vida extrauterina. Sofrimento Grave: 0 a 3 pontos Sofrimento moderado: 4 a 6 pontos Ausência de dificuldade na adaptação a vida extrauterina: 7 a 10 pontos
  • 13.  Deve ser aplicada no 1° e 5° minuto de vida do RN.  Se apgar <7, continuar fazendo avaliação a cada 5 minutos até o 20° minuto de vida do RN. Apenas níveis abaixo de 4 por mais de 15 minutos estão relacionados a risco significativo de problemas neurológicos (BLACKBOOK, 2016).  Não é utilizado para indicar procedimentos de reanimação neonatal. No entanto, sua aplicação permite avaliar a resposta do paciente às manobras realizadas e a sua eficácia (SBP, 2016).
  • 14. Estimular o início precoce do aleitamento materno, idealmente na primeira hora de vida. Evitar a separação mãe-filho na primeira hora após o nascimento.
  • 15.  Deve ser realizada de rotina nos cuidados com o recém-nascido.  O tempo de administração da profilaxia da oftalmia neonatal pode ser ampliado em até 4 horas após o nascimento, tanto no parto vaginal quanto cesáreo.  Recomenda-se a utilização da pomada de eritromicina a 0,5% e, como alternativa, tetraciclina a 1% para a realização da profilaxia da oftalmia neonatal. A UTILIZAÇÃO DE NITRATO DE PRATA A 1% DEVE SER RESERVADA APENAS EM CASO DE NÃO SE DISPOR DE ERITROMICINA OU TETRACICLINA (BRASIL, 2017).
  • 16.  Todos os recém nascidos devem receber vitamina K para a profilaxia da doença hemorrágica (Brasil, 2017). A vitamina K deve ser administrada por via intramuscular, na DOSE ÚNICA de 0,5 A 1MG, pois este método apresenta a melhor relação de custo- efetividade. Se os pais recusarem a administração intramuscular, deve ser oferecida a administração oral da vitamina K e eles devem ser advertidos que este método deve seguir as recomendações do fabricante e exige múltiplas doses.
  • 17.  Registro de sua impressão plantar e digital e também registro da impressão digital da mãe. Essa identificação é feita no prontuário e nas três vias da declaração de nascido vivo.  Pulseiras devem ser colocadas na mãe e no RN.  No caso de parto múltiplo deverá ser usada a indicação I, II, III (1º, 2º, 3º), nas pulseiras de cada um dos bebês, de acordo com a ordem do nascimento.
  • 18.  São cuidados realizados no alojamento conjunto. PROMOÇÃO DO ESTABELECIMENTO PRECOCE DO VÍNCULO AFETIVO ENTRE A MÃE E O SEU FILHO PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO REALIZAR VISITAS DIÁRIAS À MÃE E AO RN ACOLHIMENTO IMUNIZAÇÃO DO RN – VACINAS BCG E HEPATITE B EXAME FÍSICO GERAL CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO RN E À MÃE
  • 19. EQUIPAMENTOS E MATERIAIS  São necessários para a realização segura e eficiente do exame físico do RN equipamentos e materiais individuais (termômetro, estetoscópio) e coletivos (Monitor cardiorrespiratório, monitor de P.A, oxímetro de pulso, fita métrica ou régua antropométrica, balança neonatal).
  • 20. Berço aquecido com fonte de calor radiante Fonte de oxigênio com fluxômetro Aspirador a vácuo com manômetro
  • 21. Sondas de Aspiração Laringoscópio de Lâmina Reta Bolsa Válvula Máscara com reservatório de O2 Tubo Endotraqueal
  • 22.  Valores de referência para Sinais Vitais  Temperatura axilar: 36,5°C - 37,5°C  Frequência respiratória: 40 a 60 rpm  Frequência cardíaca: 120 a 160 bpm  Valores de referência para mensuração de perímetros no RN  Perímetro Cefálico - 33 a 35,5 cm  Perímetro Torácico – 30,5 a 33 cm  PA – 30 a 33 cm  Peso - 2.500g a 4.500g  Comprimento – 48 a 53 cm
  • 23. Higiene: O banho pode ser realizado 24 hrs pós-parto; Curativo do Coito Umbilical: solução antisséptica (álcool 70%); Medidas Antropométricas: - Peso; - Comprimento; - Perímetro Cefálico e Torácico; Imunização BCG: Realizar antes da alta hospitalar se RN apresentar peso igual ou superior a 2 Kg.
  • 24.
  • 25.  Primeira coisa que vamos avaliar é a coloração da pele do bebê, que pode ser rosado ou apresentar icterícia.  Icterícia ocorre devido ao excesso de bilirrubina sérica.  Icterícia Fisiológica: surge após 48 horas e tem como causa a imaturidade das células hepáticas/hemólise exagerada (eritroblastos imaturos). Terapêutica: Fototerapia.  É comum a presença de cianose de extremidades (acrocianose), que se apresentam frias ao toque.
  • 26. Fontanelas: Espaços cartilaginosos quadriláteros encontrados na Cabeça através da palpação. As principais são: Bregmática ou Anterior: fecha totalmente entre o 9° e o 18° mês de vida. Lambdóide ou Posterior: fecha aos 2 meses. Pode não ser palpável desde o nascimento.
  • 27.  Face: Todo o RN pode apresentar a face edemacia, com manchas, em consequência do trabalho de parto, regredindo espontaneamente.  Face assimétrica: face desigual devido a uma posição desigual na vida fetal.  Millium Facial ou sebáceo: pequenos pontos brancos, localizados na base do nariz, queixo e fronte.
  • 28.  Vérnix Caseoso: é um material gorduroso e esbranquiçado comum em RN prematuros entre 34 e 36 semanas, cujas funções primordiais são a proteção da pele e o isolamento térmico.  Mancha Mongólica: são manchas azul-acinzentadas localizadas preferencialmente no dorso e nas regiões glútea e lombossacra, podendo ser disseminada; São mais comuns nas raças negra e e regridem nos primeiros 4 anos de idade.  Descamação Fisiológica: descamações mais comuns no abdome, mãos e pés.  Lanugo ou lanugem: pelos finos que costumam recobrir a região do ombro e da escápula, encontrados de forma mais abundante nos RN prematuros; desaparecem em alguns dias.
  • 29.
  • 30.  Orelhas: observar forma, tamanho, simetria, implantação.  Nariz: observar forma; permeabilidade mediante a oclusão da boca e de cada narina separadamente e a presença de secreção serossanguinolenta.  Boca: observar conformação do palato; a presença de fenda palatina; o desvio labial que pode ser associado a paralisia facial por traumatismo de parto;  Pescoço: curto e com mobilidade. Por volta dos 3 meses, há sustentação.
  • 31.  Tórax: é cilíndrico, torna-se assimétrico quando há malformações de coração, pulmões, colunas ou arcabouço costal.  Abdome: apresenta-se semigloboso;  Inspecionar as condições do coto umbilical. Secreção, edema e hiperemia periumbilical indicam onfalite.  Visualizar o orifício anal.  A eliminação de mecônio costuma ocorrer nas primeiras 24 a 36 horas de vida.  Pulmões: a respiração é abdominal e a frequência respiratória normal vária de 40 a 60 movimentos por minuto.
  • 32.  Genitália:  Masculina: -Palpar a bolsa escrotal e verificar a presença de que podem encontrar-se também nos canais inguinais ou região abdominal. - A fimose é fisiológica ao nascimento.  Feminina: - Os pequenos lábios e clitóris estão proeminentes. - Nos primeiros dias, pode aparecer uma secreção esbranquiçada mais ou menos abundante e, às vezes, hemorrágica.  Exame Cardiovascular: frequência cardíaca varia entre 120 a 160 bpm. - Presença de sopros nos primeiros dias é comum, porém, se persistirem por algumas semanas, é provável que haja manifestações de cardiopatia congênita.  Exame Neurológico: compreende a observação da atitude, reatividade, choro, tônus, movimentos e reflexos dos recém-nascidos.
  • 33.  A primeira urina produzida por um recém-nascido é concentrada e, frequentemente, contém substâncias químicas denominadas uratos, que podem dar às fraldas uma coloração rosa, que não deve ser confundida com sangue. Costuma ocorrer na sala de parto ou nas primeiras 48h.  A primeira evacuação consiste no mecônio sendo uma massa compacta formada por todos os componentes dissolvidos e absorvidos pelo bebê no líquido amniótico. O bebê normalmente elimina o mecônio nas primeiras 24 a 36 horas após o nascimento, estimulada pela amamentação e isto é importante, pois é um sinal de que o intestino está funcionando bem.
  • 34.
  • 35. Programa de rastreamento populacional que tem como objetivo geral identificar distúrbios e doenças no recém-nascido, em tempo oportuno, para intervenção adequada, garantindo tratamento e acompanhamento contínuo às pessoas com diagnóstico positivo, com vistas a reduzir a morbimortalidade e melhorar a qualidade de vida das pessoas.
  • 36.  Recomenda-se que o período ideal de coleta da primeira amostra esteja compreendido entre o 3° e o 5° dia de vida do bebê.  Deve ser considerada como uma condição de exceção toda coleta realizada após 28° dia de vida, mesmo que não recomendada, por se tratar de um exame fora do período neonatal.  Triagem: - Fenilcetonúria; - Anemia Falciforme; - Fibrose Cística; - Hipotireoidismo congênito; - Hiperplasia Adrenal Congênita; - Deficiência da Biotinidase.
  • 37.  É a verificação da coloração naturalmente vermelha do fundo do olho do recém-nascido. Teste rápido que pode ser realizado pelo pediatra na própria maternidade. o Pode detectar qualquer alteração que cause obstrução no eixo visual, como catarata, glaucoma congênito e outros problemas cuja identificação precoce possibilita o tratamento tratamento no tempo certo e oportuno e o desenvolvimento normal da visão.
  • 38. o Deve ser feito nas primeiras 24 horas de vida do bebê. o Trata-se de uma luz direcionada ao olho da criança a uma distância de 20 centímetros, que deve refletir um tom vermelho semelhante ao observado em fotografias com flash. Caso a cor seja opaca, branca ou amarelada, significa que o recém-nascido possui alguma patologia e que deve ser tratada.
  • 39. Sua função é detectar deficiência auditiva. Feito com equipamento especial que emite sons e verifica a resposta dos ouvidos ao estímulo. o Teste indolor, com duração de três a cincos minutos. o Realizado pelo fonoaudiólogo. o Pode ser realizado logo no 2° dia de nascimento, e de preferência ainda no primeiro mês de vida.
  • 40.  Através de um equipamento especial, o oxímetro de pulso, de forma indolor é estimada a concentração de oxigênio no sangue. o Deve-se realizar a aferição da oximetria de pulso, em todo RN aparentemente saudável com idade gestacional > 34 semanas, antes da alta. o Momento da aferição: Entre 24 e 48 horas de vida, antes da alta hospitalar. o Local de aferição: Membro superior direito e em um dos membros inferiores. Para adequada aferição, é necessário que o recém-nascido esteja com as extremidades aquecidas e o monitor evidencie uma onde de traçado homogêneo.
  • 41. Resultado normal: SpO2 maior ou igual a 95% em ambas as medidas (membro superior direito e membro inferior) e diferença menor que 3% entre as medidas do membro superior direito e membro inferior. Resultado anormal: Caso qualquer medida da SpO2 seja menor que 95% ou houver diferença igual ou maior que 3% entre as medidas do MSD e MI, uma nova aferição deverá ser realizada após 1 hora.
  • 42.  Exame padronizado que possibilita diagnosticar e indicar o tratamento precoce das limitações dos movimentos da língua causadas pela língua presa que podem comprometer as funções exercidas pela língua: sugar, engolir, mastigar e falar. o Realizado pelo fonoaudiólogo. Recomenda-se que a avaliação do frênulo da língua seja realizada inicialmente na maternidade. o Deve-se elevar a língua do bebê para verificar se a língua está presa, e também observar o bebê chorando e sugando.
  • 43.

Notas do Editor

  1. Há também o teste do pezinho ampliado ofertado na rede particular, que engloba: - GALACTOSEMIA; - DEFICIÊNCIA DE GLICOSE-6-FOSFATO; - SÍFILIS CONGÊMITA; - RUBÉOLA CONGÊNITA; - HERPES CONGÊNITA; - DOENÇA DO CITOMEGALOVÍRUS CONGÊNITA; - DOENÇA DE CHAGAS CONGÊNITA.