SlideShare uma empresa Scribd logo
EXAME FÍSICO
ESPECIAL DO TÓRAX
Exame Físico do Tórax


O Exame físico especial do tórax:


 Inspeção
 Palpação
 Percussão
 Ausculta
Exame Físico do Tórax


Exame físico especial do tórax:
 Pontos de referências anatômicas:
 Ângulo de Louis
       Localiza-se na junção do manúbrio com o corpo do
esterno, identifica o 2º espaço intercostal e corresponde à
bifurcação da traquéia e ao arco da aorta

 Ângulo de Charpy
       Serve para caracterizar o biotipo
Exame Físico do Tórax


Pontos de referências anatômicas:
 Ângulo de Louis
Exame Físico do Tórax


Pontos de referências anatômicas:
 Vértebra proeminente
      Corresponde à 7ª cervical – local em que os
ápices pulmonares se projetam na parede torácica
 Ângulo inferior da escápula
       Delimitação inferior da região escapular –
7ª costela
Exame Físico do Tórax

Pontos de referências anatômicas:
Exame Físico do Tórax


Exame físico especial do tórax:


 Para facilitar a localização dos achados do
exame físico:
 Linhas
 Regiões torácicas
Exame Físico do Tórax


Exame físico especial do tórax:


 Parede anterior e lateral


Linhas verticais:
 Linha esternal
 Linha axilar anterior
 Linha axilar posterior
Exame Físico do Tórax

Exame físico especial do tórax:

 Parede anterior e lateral

Linhas horizontais:
 Ao nível da 3ª articulação condroesternal
 Ao nível da 6ª articulação condroesternal



                                  3ª costela
                                  6ª costela
Exame Físico do Tórax


Linhas Anatômicas:


 Linha oblíqua, contornando o bordo superior do trapézio
 Linha oblíqua, contornando o bordo superior da clavícula
 Linha oblíqua, contornando o bordo inferior da clavícula
 Linha curva, contornando a fúrcula esternal
 Linha curva, contornando o bordo interno do deltóide
 Linha curva, contornando o bordo inferior do gradeado
costal.
Exame Físico do Tórax
Linhas Anatômicas:

                               Bordo superior do trapézio
                  Bordo superior da clavícula


                                       Bordo inferior da clavícula
                        Fúrcula esternal
  Bordo interno do deltóide




              Bordo inferior do gradeado costal
Regiões anatômicas:

   Parede anterior       Supra-esternal


Supraclavicular

Clavicular

                                          Esternal Superior
   Infraclavicular



  Mamária
                                      Esternal inferior


   Inframamária
        ou
   Hipocôndrio
Exame Físico do Tórax


Regiões anatômicas:


                        Parede lateral




                         Axilar




                         Infra-axilar
Exame Físico do Tórax

Exame físico especial do tórax:

 Parede posterior:

Linha vertical:

 Linha espondiléia ou vertebral - apófise
espinhosas da coluna vertebral

Linhas horizontais:

 Ao nível da borda superior da omoplata
 Ao nível do bordo inferior (ponta) da omoplata
Exame Físico do Tórax


 Parede posterior:
                        Linha espondiléia ou
                             vertebral




                         Borda superior da
                             omoplata




                         Bordo inferior do
                            omoplata
Exame Físico do Tórax


 Parede posterior:

Linhas anatômicas:

 Linha oblíqua, contornando o bordo superior do
trapézio
 Linha curva, contornando a omoplata
 Linha curva, contornando o rebordo costal
Exame Físico do Tórax

 Parede posterior:

                        Linha oblíqua do bordo
                         superior do trapézio




                             Linha curva
                            contornando a
                              omoplata




                             Linha curva
                        contornando o rebordo
Exame Físico do Tórax

 Regiões anatômicas:


                        Supra-escapular


                        Inter-escápulo-vertebral

                        Escapular


                        Infra-escapular
Exame Físico do Tórax




                        Linha médio-esternal

                        Linhas esternais

                        Linha paraesternal

                        Linha médio-clavicular
Exame Físico do Tórax



                        Linha axilar
                        anterior



                        Linha axilar
                        média
Linha axilar
posterior
Exame Físico do Tórax



                         Linha ângulo-escapular

                         Linha escapular

                         Linha paravertebral ou
                           paraespondiléia

                         Linha vertebral
Exame Físico do Tórax


 Inspeção do tórax:
 Inspeção estática
 Inspeção dinâmica


Semiotécnica:
       Paciente de pé, em posição anatômica, observado
de frente, de costas, de perfil – o paciente é solicitado a se
mover enquanto o observador examina
Exame Físico do Tórax


 Inspeção do tórax:

 Forma ou tipo de tórax patológico:

Tórax enfisematoso – inspiratório – tonel, barril – globoso
 Tórax chato – expiratório – paralítico – tísico
 Tórax infundibiliforme – escavado - sapateiro
 Tórax raquítico – cariniforme – peito de pombo
 Tórax cifótico
 Tórax lordótico
 Tórax escoliótico
Exame Físico do Tórax


 Forma ou tipo de tórax patológico:

 Tórax enfisematoso – inspiratório – tonel, barril –
globoso
Exame Físico do Tórax


 Tórax enfisematoso – inspiratório – tonel, barril –
globoso
Exame Físico do Tórax


Tórax chato – expiratório – paralítico - tísico
Exame Físico do Tórax


Tórax infundibiliforme – tórax de sapateiro
Exame Físico do Tórax


Tórax raquítico
Exame Físico do Tórax


Tórax raquítico
Exame Físico do Tórax


Tórax em sino
Exame Físico do Tórax


Tórax cifótico
Exame Físico do Tórax


Tórax escoliótico
Exame Físico do Tórax


Resumindo......




   normal    Tonel      Cifótico   Escavado   Raquitico
Exame Físico do Tórax



 Tipo respiratório:
Exame Físico do Tórax


Inspeção dinâmica:


 Tipo respiratório:


 Torácico ou costal
 Costo-abdominal
 Abdominal ou diafragmático
Exame Físico do Tórax


Inspeção dinâmica:


 Freqüência respiratória:
Freqüência normal em repouso:
♂ - 16 a 20 movimentos
♀ - 18 a 24 movimentos
Crianças – 25 a 30 movimentos
Exame Físico do Tórax


Inspeção dinâmica:


 Freqüência respiratória:
↑ freqüência respiratória:
 Polipnéia
 Taquipnéia
↓ freqüência respiratória
 Bradipnéia
Exame Físico do Tórax


Inspeção dinâmica:
 A inspiração e a expiração duram quase o
mesmo tempo
 Ritmos respiratórios anormais
 Respiração de Cheyne-Stokes
 Respiração de Biot
 Respiração de Kussmaul
 Respiração suspirosa
Exame Físico do Tórax


Inspeção dinâmica:


Ritmo respiratório:
 Respiração de Cheyne-Stokes
Exame Físico do Tórax


Inspeção dinâmica:


Ritmo respiratório:
 Respiração de Biot
Exame Físico do Tórax


Inspeção dinâmica:
Ritmo respiratório:
 Respiração de Kussmaul
Exame Físico do Tórax




Inspeção dinâmica:


 Retração inspiratória fisiológica
 Tiragem
 Abaulamentos expiratórios
Exame Físico do Tórax




Palpação:


      A palpação é feita com uma ou duas mãos,
colocando-se a palma de uma delas sobre a parede
torácica descoberta, mantendo-se o paciente, de
preferência, na posição de pé ou sentada
Exame Físico do Tórax




Palpação:


 Enfisema subcutâneo
 Contraturas e atrofias musculares
 Sensibilidade torácica
 Elasticidade torácica
Exame Físico do Tórax



Amplitude respiratória:


 Avaliada pela palpação bimanual
 Permite avaliar alterações da expansibilidade da caixa
torácica
 Normal: expansibilidade é normal e simétrica
 Varia com o sexo
 Avaliada nos ápices, bases e regiões infraclaviculares
Exame Físico do Tórax


Amplitude respiratória:
 Ápices
Manobra de Ruault para examinar a expansão dos ápices




     Vista anterior                 Vista posterior
Exame Físico do Tórax


Amplitude respiratória:
 Bases




     Vista anterior       Vista posterior
Exame Físico do Tórax


Amplitude respiratória:
 Infraclaviculares
Exame Físico do Tórax



Frêmitos:
       Sensação vibratória que se percebe ao palpar a
superfície do tórax de um indivíduo.


 Frêmito toracovocal – fala

Semiotécnica:
       A pesquisa do frêmito toracovocal é realizada
colocando-se somente uma das mãos, e sempre a mesma,
espalmada sobre a superfície do tórax, enquanto o indivíduo
pronuncia a expressão “trinta-e-três”
Exame Físico do Tórax



Frêmitos:

Semiotécnica:


       Essa pesquisa é feita de cima para baixo nas regiões
anterior, posterior e laterais do tórax, comparando-se sempre
regiões simétricas entre si, estando o paciente, quando
possível, na posição sentada ou em pé.
Exame Físico do Tórax


Frêmitos:

Semiotécnica:
Exame Físico do Tórax


Frêmitos:

Semiotécnica:
Exame Físico do Tórax



Frêmitos:

 Varia com a intensidade e tonalidade da voz
 Mais nítido na voz grave - ♂
 Mais tênue na voz aguda - ♀
 Mais intenso no hemitórax direito
Exame Físico do Tórax



Frêmitos:

Causas de diminuição do frêmito toracovocal:

 Defeito na emissão do som (afonia)
 Estenose dos brônquios
 Enfisema e nas cavidades pulmonares
 Derrames pelural, pneumotórax e espessamentos pleurais.
 Indivíduos obesos ou em anasarca.
Exame Físico do Tórax




Frêmito Pleural:

      É a sensação palpatória de vibrações originadas na
pleura quando são acometidas por um processo
inflamatório – superfície rugosa

 Observado nas duas fases respiratórias
 Localiza-se preferencialmente nas regiões ântero-laterais
Exame Físico do Tórax



Diagnóstico diferencial entre frêmito brônquio e
  pleural:

 O frêmito pleural não se modifica com a tosse, enquanto
  o brônquico desaparece, diminui ou muda de localização.
    O frêmito pleural aparece na inspiração e no início da
    expiração
     O frêmito brônquico pode aparece tanto na fase
    inspiratória como expiratória.
Exame Físico do Tórax



    Diagnóstico diferencial entre frêmito brônquio e
    pleural:

 O frêmito pleural localiza-se, de preferência, nas regiões
  ântero-laterais, ao passo que o brônquico pode ser
  encontrado em qualquer região do tórax.
    O frêmito pleural intensifica-se com a compressão da
    parede torácica o que não ocorre no frêmito brônquico .
Exame Físico do Tórax




Frêmito catáreo:

      É o equivalente tátil de um sopro do sistema
cardiovascular
Exame Físico do Tórax




Percussão:

              A percussão é o método semiológico que
consiste em executar pequenos baques sobre a superfície
corporal, com a finalidade de, através das variações de
sonoridade obtidas, deduzir os contornos normais dos
órgãos e surpreender modificações que permitirão
diagnosticar alterações do seu estado físico.
Exame Físico do Tórax




Percussão:

 Realizada pelo método dígito-digital
 Dedo indicador da mão esquerda – plessímetro
 Dedo médio da mão direita – golpe de percussão –
martelo
 Dois golpes sucessivos na última falange – logo abaixo da
unha
 Flexão e extensão da mão – somente articulação radio-
carpiana
 Golpes ritmados mesma intensidade e breve
Exame Físico do Tórax


Percussão:




 Aplicação da técnica. A mão que percute deve ser a mais hábil,
 realizando o movimento de flexo-extensão do punho
Exame Físico do Tórax




Percussão:
Exame Físico do Tórax


Sons obtidos na percussão do tórax:

 Som claro pulmonar – vibração do ar contido nos
alvéolos pulmonares – som característico do pulmão

 Som submaciço – som menos intensos, mais agudo e
menor duração

 Som maciço – som menos intenso, mais agudo e menor
duração que o submaciço

 Som hipersonoro – mais intenso, mais grave e mais
duradouro que o som claro pulmonar
Exame Físico do Tórax




Sons obtidos na percussão do tórax:

       A percussão sistemática do tórax revela uma
variação de sons que aparecem à medida que diminui a
quantidade de ar e aumenta a quantidade de sólidos.
Assim sendo, em condições normais, o som submaciço será
obtido quando for percutida uma região de transição entre
o parênquima pulmonar e um órgão sólido; e o maciço,
quando for percutido o próprio órgão sólido.
Exame Físico do Tórax


Percussão:

 Percussão topográfica: de cima para baixo -
posterior, lateral e anterior
 Percussão comparada – regiões simétricas

Posição:
 Anterior e laterais – sentado ou deitado
 Posterior: sentado
Exame Físico do Tórax


Percussão:

Região anterior do hemitórax direito:

Percutindo na linha hemiclavicular:

 Até ± 4º EIC – som claro pulmonar →
submaciço
 5º ou 6º EIC – som maciço
Exame Físico do Tórax


Região anterior do hemitórax esquerdo:

Percutindo na linha paraesternal:

 Som claro pulmonar → submaciço→ maciço →
timpânico (espaço de Traube)

Percutindo a linha hemiclavicular e axilar anterior:

 Som claro pulmonar superiormente e timpânico
inferiormente
Exame Físico do Tórax


Percussão:

Região axilar direita e esquerda:
 Som claro pulmonar

Região infra-axilar direita:
 Som macicço

Região infra-axilar esquerda:
 Som timpânico
Exame Físico do Tórax




Percussão:

Região posterior do tórax:

 Sonoridade é menor nos ápices que nas regiões
interescapulovertebrais e bases
 Som claro pulmonal
 Coluna vertebral – som claro pulmonar
Exame Físico do Tórax


Percussão:




        Posterior       Anterior
Exame Físico do Tórax


Percussão:
Exame Físico do Tórax




Ausculta:

        A ausculta constitui o método propedêutico mais
útil para a exploração do aparelho respiratório. A ausculta
do tórax pode ser imediata ou direta e mediata ou indireta.
A ausculta direta é feita pela aplicação do pavilhão
auricular sobre a parede torácica, e a ausculta indireta é
realizada com o auxílio do estetoscópio
Exame Físico do Tórax




Ausculta:

 Realizada com o paciente de pé ou sentado – decúbito
dorsal ou lateral
 Tórax parcialmente ou totalmente descoberto
 Não auscultar o paciente com roupa
 Deve-se solicitar ao doente que respire com a boca
entreaberta, sem fazer ruído
 Os movimentos respiratórios devem ser regulares e de
igual amplitude respiratória
Exame Físico do Tórax




Ausculta:

 Realizada sistematicamente:
 Face posterior → anterior → lateral
 Primeiramente num hemitórax e depois no outro
→ comparativamente
Exame Físico do Tórax




Ruídos respiratórios normais:

 Som traqueal
 Respiração brônquica
 Murmúrio vesicular
 Respiração bronquiovesicular
Exame Físico do Tórax


Ruídos respiratórios normais:

 Som traqueal

 É audível na região de projeção da traquéia, no pescoço e
na região esternal.
 Origina-se na passagem do ar através da fenda glótica e
na própria traquéia
 É caracterizado por 2 componentes: um ruído soproso
inspiratório, mais ou menos rude e o expiratório mais forte
e prolongado.
Exame Físico do Tórax


Ruídos respiratórios normais:

 Respiração brônquica:

 Corresponde ao som traqueal audível na projeção dos
brônquios principais
 Local: face anterior do tórax próximo ao esterno
 Diferencia do som traqueal por ter componente
expiratório menos intenso.
Exame Físico do Tórax


Ruídos respiratórios normais:

 Murmúrio vesicular:

 Na superfície torácica, ouve-se um ruído mais suave,
onde predomina a fase inspiratória, que é mais aguda,
mais intensa e mais duradoura do que a expiratória
Exame Físico do Tórax


Ruídos respiratórios normais:

 Respiração broncovesicular:

 Nas seguintes regiões: infraclavicular direita, supra-
espinhosa direita, interescapulovertebrais, ao nível da
bifurcação da traquéia e na coluna vertebral, logo abaixo
da 7ª vértebra cervical, ausculta-se normalmente outro
tipo de respiração, resultante da soma da respiração
brônquica e do murmúrio vesicular, denominado
respiração broncovesicular
Exame Físico do Tórax


Variações do murmúrio vesicular:

 Modificações da intensidade:
 Aumentado
 Diminuído
 Abolido


Modificações do timbre e tonalidade:
 Suave
 Rude
Exame Físico do Tórax


Variações do murmúrio vesicular:

 Modificações da continuidade:
 Contínuo
 Respiração entrecortada


Modificações da duração:
 Fase expiratória mais duradoura e intensa que a fase
inspiratória
Exame Físico do Tórax


Sopro:

 Sopro tubário – ocorre quando o ar passa por
brônquio pérvio - condensações
 Sopro cavitário – presença de cavidade que
funciona como ressoador
 Sopro anfórico – timbre musical – pneumotórax
e grandes cavidades vazias
 Sopro pleural – líquido comprime os brônquios –
bico de clarineta
Exame Físico do Tórax




Ruídos adventícios:

 Só aparecem em condições patológicas
 Estertores roncantes e sibilantes
 Estertores crepitantes
 Estertores subcrepitantes
 Atrito pleural
Exame Físico do Tórax




Ausculta da voz:

 Broncofonia normal
 Broncofonia aumentada
 Broncofonia diminuída
 Pectorilóquia
 Pectorilóquia fônica
 Pectorilóquia afônica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonar
dapab
 
Exame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaExame Físico em Pediatria
Exame Físico em Pediatria
Laped Ufrn
 
Choque
Choque Choque
Choque
resenfe2013
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
janinemagalhaes
 
Exame Físico Cabeça e Pescoço
Exame Físico Cabeça e PescoçoExame Físico Cabeça e Pescoço
Exame Físico Cabeça e Pescoço
Paulo Alambert
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
pauloalambert
 
Propedêutica torácica
Propedêutica torácicaPropedêutica torácica
Propedêutica torácica
pauloalambert
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
resenfe2013
 
Histórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratórioHistórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratório
resenfe2013
 
Atelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotraxAtelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotrax
Flávia Salame
 
Avaliação sistemática da radiografia do tórax
Avaliação sistemática da radiografia do tóraxAvaliação sistemática da radiografia do tórax
Avaliação sistemática da radiografia do tórax
Bruna Cesário
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Alexandre Naime Barbosa
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tórax Exame físico do tórax
Exame físico do tórax
Paulo Alambert
 
Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca
Paulo Alambert
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
Mariana Artuni Rossi
 
Nervos Cranianos - Funções dos 12 Pares
Nervos Cranianos - Funções dos 12 ParesNervos Cranianos - Funções dos 12 Pares
Nervos Cranianos - Funções dos 12 Pares
André Milioli Martins
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
José Alexandre Pires de Almeida
 
Fisiologia cardiaca 2015
Fisiologia cardiaca 2015Fisiologia cardiaca 2015
Fisiologia cardiaca 2015
resenfe2013
 
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas FontesSemiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Lucas Fontes
 
Fácies - Profa. Rilva Muñoz
Fácies - Profa. Rilva MuñozFácies - Profa. Rilva Muñoz
Fácies - Profa. Rilva Muñoz
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 

Mais procurados (20)

Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonar
 
Exame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaExame Físico em Pediatria
Exame Físico em Pediatria
 
Choque
Choque Choque
Choque
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
 
Exame Físico Cabeça e Pescoço
Exame Físico Cabeça e PescoçoExame Físico Cabeça e Pescoço
Exame Físico Cabeça e Pescoço
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
 
Propedêutica torácica
Propedêutica torácicaPropedêutica torácica
Propedêutica torácica
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Histórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratórioHistórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratório
 
Atelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotraxAtelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotrax
 
Avaliação sistemática da radiografia do tórax
Avaliação sistemática da radiografia do tóraxAvaliação sistemática da radiografia do tórax
Avaliação sistemática da radiografia do tórax
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tórax Exame físico do tórax
Exame físico do tórax
 
Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
 
Nervos Cranianos - Funções dos 12 Pares
Nervos Cranianos - Funções dos 12 ParesNervos Cranianos - Funções dos 12 Pares
Nervos Cranianos - Funções dos 12 Pares
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
 
Fisiologia cardiaca 2015
Fisiologia cardiaca 2015Fisiologia cardiaca 2015
Fisiologia cardiaca 2015
 
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas FontesSemiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
 
Fácies - Profa. Rilva Muñoz
Fácies - Profa. Rilva MuñozFácies - Profa. Rilva Muñoz
Fácies - Profa. Rilva Muñoz
 

Semelhante a Cópia de semiologia do tórax

cpiadesemiologiadotrax-120627042021-phpapp01.pdf
cpiadesemiologiadotrax-120627042021-phpapp01.pdfcpiadesemiologiadotrax-120627042021-phpapp01.pdf
cpiadesemiologiadotrax-120627042021-phpapp01.pdf
MedicinadoTrabalho3
 
Aula teorica do torax
Aula teorica do toraxAula teorica do torax
Aula teorica do torax
Jucie Vasconcelos
 
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
DborahVictoy
 
Aula torax
Aula toraxAula torax
Aula torax
MarlucioF
 
Fisiologia respiratória 2013
Fisiologia respiratória 2013Fisiologia respiratória 2013
Fisiologia respiratória 2013
Grupo Ivan Ervilha
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tóraxExame físico do tórax
Exame físico do tórax
Vanessa Jacqueline Souza
 
Semiologia respiration final
Semiologia respiration finalSemiologia respiration final
Semiologia respiration final
Dr madhumati Varma
 
Sistema Respiratório.pdf
Sistema Respiratório.pdfSistema Respiratório.pdf
Sistema Respiratório.pdf
AdrianaPereira436528
 
Anatomia geral humana ODONTO
Anatomia geral humana ODONTOAnatomia geral humana ODONTO
Anatomia geral humana ODONTO
Emanuelly Brito
 
Snc monitoria 2013,
Snc monitoria 2013,Snc monitoria 2013,
Snc monitoria 2013,
isadoracordenonsi
 
Human Anatomy |6 Thoracic Walls And Breast ; Anatomia Humana |6 paredes torac...
Human Anatomy |6 Thoracic Walls And Breast ; Anatomia Humana |6 paredes torac...Human Anatomy |6 Thoracic Walls And Breast ; Anatomia Humana |6 paredes torac...
Human Anatomy |6 Thoracic Walls And Breast ; Anatomia Humana |6 paredes torac...
DiogoSantos462
 
3ª aula de pneumo
3ª aula de pneumo3ª aula de pneumo
3ª aula de pneumo
Alexander Da Silva Pereira
 
Continuação Slides Anatomia Geral II - Slide 5
Continuação Slides Anatomia Geral II - Slide 5Continuação Slides Anatomia Geral II - Slide 5
Continuação Slides Anatomia Geral II - Slide 5
Andrei Potting
 
Estudo radiológico do tórax dcg fisioterapia pdf
Estudo radiológico do tórax dcg  fisioterapia pdfEstudo radiológico do tórax dcg  fisioterapia pdf
Estudo radiológico do tórax dcg fisioterapia pdf
upload718
 
Anatomia Musculatura Antebraço e Respiratório
Anatomia Musculatura Antebraço e RespiratórioAnatomia Musculatura Antebraço e Respiratório
Anatomia Musculatura Antebraço e Respiratório
Ivan Ribeiro
 
Radiografia normal do tórax
Radiografia normal do tóraxRadiografia normal do tórax
Radiografia normal do tórax
Flávia Salame
 
Snc monitoria 2013
Snc monitoria 2013Snc monitoria 2013
Snc monitoria 2013
isadoracordenonsi
 
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTIAVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Quadril - Exame Físico
Quadril - Exame FísicoQuadril - Exame Físico
Quadril - Exame Físico
Guilherme Biasuz
 

Semelhante a Cópia de semiologia do tórax (20)

cpiadesemiologiadotrax-120627042021-phpapp01.pdf
cpiadesemiologiadotrax-120627042021-phpapp01.pdfcpiadesemiologiadotrax-120627042021-phpapp01.pdf
cpiadesemiologiadotrax-120627042021-phpapp01.pdf
 
Aula teorica do torax
Aula teorica do toraxAula teorica do torax
Aula teorica do torax
 
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
 
Aula torax
Aula toraxAula torax
Aula torax
 
Fisiologia respiratória 2013
Fisiologia respiratória 2013Fisiologia respiratória 2013
Fisiologia respiratória 2013
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tóraxExame físico do tórax
Exame físico do tórax
 
Semiologia respiration final
Semiologia respiration finalSemiologia respiration final
Semiologia respiration final
 
Sistema Respiratório.pdf
Sistema Respiratório.pdfSistema Respiratório.pdf
Sistema Respiratório.pdf
 
Anatomia geral humana ODONTO
Anatomia geral humana ODONTOAnatomia geral humana ODONTO
Anatomia geral humana ODONTO
 
Snc monitoria 2013,
Snc monitoria 2013,Snc monitoria 2013,
Snc monitoria 2013,
 
Human Anatomy |6 Thoracic Walls And Breast ; Anatomia Humana |6 paredes torac...
Human Anatomy |6 Thoracic Walls And Breast ; Anatomia Humana |6 paredes torac...Human Anatomy |6 Thoracic Walls And Breast ; Anatomia Humana |6 paredes torac...
Human Anatomy |6 Thoracic Walls And Breast ; Anatomia Humana |6 paredes torac...
 
3ª aula de pneumo
3ª aula de pneumo3ª aula de pneumo
3ª aula de pneumo
 
Continuação Slides Anatomia Geral II - Slide 5
Continuação Slides Anatomia Geral II - Slide 5Continuação Slides Anatomia Geral II - Slide 5
Continuação Slides Anatomia Geral II - Slide 5
 
Estudo radiológico do tórax dcg fisioterapia pdf
Estudo radiológico do tórax dcg  fisioterapia pdfEstudo radiológico do tórax dcg  fisioterapia pdf
Estudo radiológico do tórax dcg fisioterapia pdf
 
Anatomia Musculatura Antebraço e Respiratório
Anatomia Musculatura Antebraço e RespiratórioAnatomia Musculatura Antebraço e Respiratório
Anatomia Musculatura Antebraço e Respiratório
 
Radiografia normal do tórax
Radiografia normal do tóraxRadiografia normal do tórax
Radiografia normal do tórax
 
Snc monitoria 2013
Snc monitoria 2013Snc monitoria 2013
Snc monitoria 2013
 
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTIAVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
Quadril - Exame Físico
Quadril - Exame FísicoQuadril - Exame Físico
Quadril - Exame Físico
 

Mais de Jucie Vasconcelos

Medresumos 2016 omf - digestório
Medresumos 2016   omf - digestórioMedresumos 2016   omf - digestório
Medresumos 2016 omf - digestório
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 omf - cardiovascular
Medresumos 2016   omf - cardiovascularMedresumos 2016   omf - cardiovascular
Medresumos 2016 omf - cardiovascular
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 22 - ossos do crânio
Medresumos 2016   neuroanatomia 22 - ossos do crânioMedresumos 2016   neuroanatomia 22 - ossos do crânio
Medresumos 2016 neuroanatomia 22 - ossos do crânio
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
Medresumos 2016   neuroanatomia 21 - grandes vias eferentesMedresumos 2016   neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
Medresumos 2016 neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentesMedresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomo
Medresumos 2016   neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomoMedresumos 2016   neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomo
Medresumos 2016 neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomo
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 17 - formação reticular
Medresumos 2016   neuroanatomia 17 - formação reticularMedresumos 2016   neuroanatomia 17 - formação reticular
Medresumos 2016 neuroanatomia 17 - formação reticular
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
Medresumos 2016   neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...Medresumos 2016   neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
Medresumos 2016 neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medular
Medresumos 2016   neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medularMedresumos 2016   neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medular
Medresumos 2016 neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medular
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebral
Medresumos 2016   neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebralMedresumos 2016   neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebral
Medresumos 2016 neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebral
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 12 - hipotálamo
Medresumos 2016   neuroanatomia 12 - hipotálamoMedresumos 2016   neuroanatomia 12 - hipotálamo
Medresumos 2016 neuroanatomia 12 - hipotálamo
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamo
Medresumos 2016   neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamoMedresumos 2016   neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamo
Medresumos 2016 neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamo
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 09 - estrutura e funções do cerebelo
Medresumos 2016   neuroanatomia 09 - estrutura e funções do cerebeloMedresumos 2016   neuroanatomia 09 - estrutura e funções do cerebelo
Medresumos 2016 neuroanatomia 09 - estrutura e funções do cerebelo
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 08 - nervos cranianos
Medresumos 2016   neuroanatomia 08 - nervos cranianosMedresumos 2016   neuroanatomia 08 - nervos cranianos
Medresumos 2016 neuroanatomia 08 - nervos cranianos
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
Medresumos 2016   neuroanatomia 06 - microscopia da ponteMedresumos 2016   neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
Medresumos 2016 neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
Medresumos 2016   neuroanatomia 05 - microscopia do bulboMedresumos 2016   neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
Medresumos 2016 neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálico
Medresumos 2016   neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálicoMedresumos 2016   neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálico
Medresumos 2016 neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálico
Jucie Vasconcelos
 

Mais de Jucie Vasconcelos (20)

Medresumos 2016 omf - digestório
Medresumos 2016   omf - digestórioMedresumos 2016   omf - digestório
Medresumos 2016 omf - digestório
 
Medresumos 2016 omf - cardiovascular
Medresumos 2016   omf - cardiovascularMedresumos 2016   omf - cardiovascular
Medresumos 2016 omf - cardiovascular
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 22 - ossos do crânio
Medresumos 2016   neuroanatomia 22 - ossos do crânioMedresumos 2016   neuroanatomia 22 - ossos do crânio
Medresumos 2016 neuroanatomia 22 - ossos do crânio
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
Medresumos 2016   neuroanatomia 21 - grandes vias eferentesMedresumos 2016   neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
Medresumos 2016 neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentesMedresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomo
Medresumos 2016   neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomoMedresumos 2016   neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomo
Medresumos 2016 neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 17 - formação reticular
Medresumos 2016   neuroanatomia 17 - formação reticularMedresumos 2016   neuroanatomia 17 - formação reticular
Medresumos 2016 neuroanatomia 17 - formação reticular
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
Medresumos 2016   neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...Medresumos 2016   neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
Medresumos 2016 neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medular
Medresumos 2016   neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medularMedresumos 2016   neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medular
Medresumos 2016 neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medular
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebral
Medresumos 2016   neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebralMedresumos 2016   neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebral
Medresumos 2016 neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebral
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 12 - hipotálamo
Medresumos 2016   neuroanatomia 12 - hipotálamoMedresumos 2016   neuroanatomia 12 - hipotálamo
Medresumos 2016 neuroanatomia 12 - hipotálamo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamo
Medresumos 2016   neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamoMedresumos 2016   neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamo
Medresumos 2016 neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 09 - estrutura e funções do cerebelo
Medresumos 2016   neuroanatomia 09 - estrutura e funções do cerebeloMedresumos 2016   neuroanatomia 09 - estrutura e funções do cerebelo
Medresumos 2016 neuroanatomia 09 - estrutura e funções do cerebelo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 08 - nervos cranianos
Medresumos 2016   neuroanatomia 08 - nervos cranianosMedresumos 2016   neuroanatomia 08 - nervos cranianos
Medresumos 2016 neuroanatomia 08 - nervos cranianos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
Medresumos 2016   neuroanatomia 06 - microscopia da ponteMedresumos 2016   neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
Medresumos 2016 neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
Medresumos 2016   neuroanatomia 05 - microscopia do bulboMedresumos 2016   neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
Medresumos 2016 neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálico
Medresumos 2016   neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálicoMedresumos 2016   neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálico
Medresumos 2016 neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálico
 

Cópia de semiologia do tórax

  • 2. Exame Físico do Tórax O Exame físico especial do tórax:  Inspeção  Palpação  Percussão  Ausculta
  • 3. Exame Físico do Tórax Exame físico especial do tórax:  Pontos de referências anatômicas:  Ângulo de Louis Localiza-se na junção do manúbrio com o corpo do esterno, identifica o 2º espaço intercostal e corresponde à bifurcação da traquéia e ao arco da aorta  Ângulo de Charpy Serve para caracterizar o biotipo
  • 4. Exame Físico do Tórax Pontos de referências anatômicas:  Ângulo de Louis
  • 5. Exame Físico do Tórax Pontos de referências anatômicas:  Vértebra proeminente Corresponde à 7ª cervical – local em que os ápices pulmonares se projetam na parede torácica  Ângulo inferior da escápula Delimitação inferior da região escapular – 7ª costela
  • 6. Exame Físico do Tórax Pontos de referências anatômicas:
  • 7. Exame Físico do Tórax Exame físico especial do tórax:  Para facilitar a localização dos achados do exame físico:  Linhas  Regiões torácicas
  • 8. Exame Físico do Tórax Exame físico especial do tórax:  Parede anterior e lateral Linhas verticais:  Linha esternal  Linha axilar anterior  Linha axilar posterior
  • 9. Exame Físico do Tórax Exame físico especial do tórax:  Parede anterior e lateral Linhas horizontais:  Ao nível da 3ª articulação condroesternal  Ao nível da 6ª articulação condroesternal 3ª costela 6ª costela
  • 10. Exame Físico do Tórax Linhas Anatômicas:  Linha oblíqua, contornando o bordo superior do trapézio  Linha oblíqua, contornando o bordo superior da clavícula  Linha oblíqua, contornando o bordo inferior da clavícula  Linha curva, contornando a fúrcula esternal  Linha curva, contornando o bordo interno do deltóide  Linha curva, contornando o bordo inferior do gradeado costal.
  • 11. Exame Físico do Tórax Linhas Anatômicas: Bordo superior do trapézio Bordo superior da clavícula Bordo inferior da clavícula Fúrcula esternal Bordo interno do deltóide Bordo inferior do gradeado costal
  • 12. Regiões anatômicas: Parede anterior Supra-esternal Supraclavicular Clavicular Esternal Superior Infraclavicular Mamária Esternal inferior Inframamária ou Hipocôndrio
  • 13. Exame Físico do Tórax Regiões anatômicas: Parede lateral Axilar Infra-axilar
  • 14. Exame Físico do Tórax Exame físico especial do tórax:  Parede posterior: Linha vertical:  Linha espondiléia ou vertebral - apófise espinhosas da coluna vertebral Linhas horizontais:  Ao nível da borda superior da omoplata  Ao nível do bordo inferior (ponta) da omoplata
  • 15. Exame Físico do Tórax  Parede posterior: Linha espondiléia ou vertebral Borda superior da omoplata Bordo inferior do omoplata
  • 16. Exame Físico do Tórax  Parede posterior: Linhas anatômicas:  Linha oblíqua, contornando o bordo superior do trapézio  Linha curva, contornando a omoplata  Linha curva, contornando o rebordo costal
  • 17. Exame Físico do Tórax  Parede posterior: Linha oblíqua do bordo superior do trapézio Linha curva contornando a omoplata Linha curva contornando o rebordo
  • 18. Exame Físico do Tórax  Regiões anatômicas: Supra-escapular Inter-escápulo-vertebral Escapular Infra-escapular
  • 19. Exame Físico do Tórax Linha médio-esternal Linhas esternais Linha paraesternal Linha médio-clavicular
  • 20. Exame Físico do Tórax Linha axilar anterior Linha axilar média Linha axilar posterior
  • 21. Exame Físico do Tórax  Linha ângulo-escapular  Linha escapular  Linha paravertebral ou paraespondiléia  Linha vertebral
  • 22. Exame Físico do Tórax  Inspeção do tórax:  Inspeção estática  Inspeção dinâmica Semiotécnica: Paciente de pé, em posição anatômica, observado de frente, de costas, de perfil – o paciente é solicitado a se mover enquanto o observador examina
  • 23. Exame Físico do Tórax  Inspeção do tórax:  Forma ou tipo de tórax patológico: Tórax enfisematoso – inspiratório – tonel, barril – globoso  Tórax chato – expiratório – paralítico – tísico  Tórax infundibiliforme – escavado - sapateiro  Tórax raquítico – cariniforme – peito de pombo  Tórax cifótico  Tórax lordótico  Tórax escoliótico
  • 24. Exame Físico do Tórax  Forma ou tipo de tórax patológico:  Tórax enfisematoso – inspiratório – tonel, barril – globoso
  • 25. Exame Físico do Tórax  Tórax enfisematoso – inspiratório – tonel, barril – globoso
  • 26. Exame Físico do Tórax Tórax chato – expiratório – paralítico - tísico
  • 27. Exame Físico do Tórax Tórax infundibiliforme – tórax de sapateiro
  • 28. Exame Físico do Tórax Tórax raquítico
  • 29. Exame Físico do Tórax Tórax raquítico
  • 30. Exame Físico do Tórax Tórax em sino
  • 31. Exame Físico do Tórax Tórax cifótico
  • 32. Exame Físico do Tórax Tórax escoliótico
  • 33. Exame Físico do Tórax Resumindo...... normal Tonel Cifótico Escavado Raquitico
  • 34. Exame Físico do Tórax  Tipo respiratório:
  • 35. Exame Físico do Tórax Inspeção dinâmica:  Tipo respiratório:  Torácico ou costal  Costo-abdominal  Abdominal ou diafragmático
  • 36. Exame Físico do Tórax Inspeção dinâmica:  Freqüência respiratória: Freqüência normal em repouso: ♂ - 16 a 20 movimentos ♀ - 18 a 24 movimentos Crianças – 25 a 30 movimentos
  • 37. Exame Físico do Tórax Inspeção dinâmica:  Freqüência respiratória: ↑ freqüência respiratória:  Polipnéia  Taquipnéia ↓ freqüência respiratória  Bradipnéia
  • 38. Exame Físico do Tórax Inspeção dinâmica:  A inspiração e a expiração duram quase o mesmo tempo  Ritmos respiratórios anormais  Respiração de Cheyne-Stokes  Respiração de Biot  Respiração de Kussmaul  Respiração suspirosa
  • 39. Exame Físico do Tórax Inspeção dinâmica: Ritmo respiratório:  Respiração de Cheyne-Stokes
  • 40. Exame Físico do Tórax Inspeção dinâmica: Ritmo respiratório:  Respiração de Biot
  • 41. Exame Físico do Tórax Inspeção dinâmica: Ritmo respiratório:  Respiração de Kussmaul
  • 42. Exame Físico do Tórax Inspeção dinâmica:  Retração inspiratória fisiológica  Tiragem  Abaulamentos expiratórios
  • 43. Exame Físico do Tórax Palpação: A palpação é feita com uma ou duas mãos, colocando-se a palma de uma delas sobre a parede torácica descoberta, mantendo-se o paciente, de preferência, na posição de pé ou sentada
  • 44. Exame Físico do Tórax Palpação:  Enfisema subcutâneo  Contraturas e atrofias musculares  Sensibilidade torácica  Elasticidade torácica
  • 45. Exame Físico do Tórax Amplitude respiratória:  Avaliada pela palpação bimanual  Permite avaliar alterações da expansibilidade da caixa torácica  Normal: expansibilidade é normal e simétrica  Varia com o sexo  Avaliada nos ápices, bases e regiões infraclaviculares
  • 46. Exame Físico do Tórax Amplitude respiratória:  Ápices Manobra de Ruault para examinar a expansão dos ápices Vista anterior Vista posterior
  • 47. Exame Físico do Tórax Amplitude respiratória:  Bases Vista anterior Vista posterior
  • 48. Exame Físico do Tórax Amplitude respiratória:  Infraclaviculares
  • 49. Exame Físico do Tórax Frêmitos: Sensação vibratória que se percebe ao palpar a superfície do tórax de um indivíduo.  Frêmito toracovocal – fala Semiotécnica: A pesquisa do frêmito toracovocal é realizada colocando-se somente uma das mãos, e sempre a mesma, espalmada sobre a superfície do tórax, enquanto o indivíduo pronuncia a expressão “trinta-e-três”
  • 50. Exame Físico do Tórax Frêmitos: Semiotécnica: Essa pesquisa é feita de cima para baixo nas regiões anterior, posterior e laterais do tórax, comparando-se sempre regiões simétricas entre si, estando o paciente, quando possível, na posição sentada ou em pé.
  • 51. Exame Físico do Tórax Frêmitos: Semiotécnica:
  • 52. Exame Físico do Tórax Frêmitos: Semiotécnica:
  • 53. Exame Físico do Tórax Frêmitos:  Varia com a intensidade e tonalidade da voz  Mais nítido na voz grave - ♂  Mais tênue na voz aguda - ♀  Mais intenso no hemitórax direito
  • 54. Exame Físico do Tórax Frêmitos: Causas de diminuição do frêmito toracovocal:  Defeito na emissão do som (afonia)  Estenose dos brônquios  Enfisema e nas cavidades pulmonares  Derrames pelural, pneumotórax e espessamentos pleurais.  Indivíduos obesos ou em anasarca.
  • 55. Exame Físico do Tórax Frêmito Pleural: É a sensação palpatória de vibrações originadas na pleura quando são acometidas por um processo inflamatório – superfície rugosa  Observado nas duas fases respiratórias  Localiza-se preferencialmente nas regiões ântero-laterais
  • 56. Exame Físico do Tórax Diagnóstico diferencial entre frêmito brônquio e pleural:  O frêmito pleural não se modifica com a tosse, enquanto o brônquico desaparece, diminui ou muda de localização.  O frêmito pleural aparece na inspiração e no início da expiração  O frêmito brônquico pode aparece tanto na fase inspiratória como expiratória.
  • 57. Exame Físico do Tórax Diagnóstico diferencial entre frêmito brônquio e pleural:  O frêmito pleural localiza-se, de preferência, nas regiões ântero-laterais, ao passo que o brônquico pode ser encontrado em qualquer região do tórax.  O frêmito pleural intensifica-se com a compressão da parede torácica o que não ocorre no frêmito brônquico .
  • 58. Exame Físico do Tórax Frêmito catáreo: É o equivalente tátil de um sopro do sistema cardiovascular
  • 59. Exame Físico do Tórax Percussão: A percussão é o método semiológico que consiste em executar pequenos baques sobre a superfície corporal, com a finalidade de, através das variações de sonoridade obtidas, deduzir os contornos normais dos órgãos e surpreender modificações que permitirão diagnosticar alterações do seu estado físico.
  • 60. Exame Físico do Tórax Percussão:  Realizada pelo método dígito-digital  Dedo indicador da mão esquerda – plessímetro  Dedo médio da mão direita – golpe de percussão – martelo  Dois golpes sucessivos na última falange – logo abaixo da unha  Flexão e extensão da mão – somente articulação radio- carpiana  Golpes ritmados mesma intensidade e breve
  • 61. Exame Físico do Tórax Percussão: Aplicação da técnica. A mão que percute deve ser a mais hábil, realizando o movimento de flexo-extensão do punho
  • 62. Exame Físico do Tórax Percussão:
  • 63. Exame Físico do Tórax Sons obtidos na percussão do tórax:  Som claro pulmonar – vibração do ar contido nos alvéolos pulmonares – som característico do pulmão  Som submaciço – som menos intensos, mais agudo e menor duração  Som maciço – som menos intenso, mais agudo e menor duração que o submaciço  Som hipersonoro – mais intenso, mais grave e mais duradouro que o som claro pulmonar
  • 64. Exame Físico do Tórax Sons obtidos na percussão do tórax: A percussão sistemática do tórax revela uma variação de sons que aparecem à medida que diminui a quantidade de ar e aumenta a quantidade de sólidos. Assim sendo, em condições normais, o som submaciço será obtido quando for percutida uma região de transição entre o parênquima pulmonar e um órgão sólido; e o maciço, quando for percutido o próprio órgão sólido.
  • 65. Exame Físico do Tórax Percussão:  Percussão topográfica: de cima para baixo - posterior, lateral e anterior  Percussão comparada – regiões simétricas Posição:  Anterior e laterais – sentado ou deitado  Posterior: sentado
  • 66. Exame Físico do Tórax Percussão: Região anterior do hemitórax direito: Percutindo na linha hemiclavicular:  Até ± 4º EIC – som claro pulmonar → submaciço  5º ou 6º EIC – som maciço
  • 67. Exame Físico do Tórax Região anterior do hemitórax esquerdo: Percutindo na linha paraesternal:  Som claro pulmonar → submaciço→ maciço → timpânico (espaço de Traube) Percutindo a linha hemiclavicular e axilar anterior:  Som claro pulmonar superiormente e timpânico inferiormente
  • 68. Exame Físico do Tórax Percussão: Região axilar direita e esquerda:  Som claro pulmonar Região infra-axilar direita:  Som macicço Região infra-axilar esquerda:  Som timpânico
  • 69. Exame Físico do Tórax Percussão: Região posterior do tórax:  Sonoridade é menor nos ápices que nas regiões interescapulovertebrais e bases  Som claro pulmonal  Coluna vertebral – som claro pulmonar
  • 70. Exame Físico do Tórax Percussão: Posterior Anterior
  • 71. Exame Físico do Tórax Percussão:
  • 72. Exame Físico do Tórax Ausculta: A ausculta constitui o método propedêutico mais útil para a exploração do aparelho respiratório. A ausculta do tórax pode ser imediata ou direta e mediata ou indireta. A ausculta direta é feita pela aplicação do pavilhão auricular sobre a parede torácica, e a ausculta indireta é realizada com o auxílio do estetoscópio
  • 73. Exame Físico do Tórax Ausculta:  Realizada com o paciente de pé ou sentado – decúbito dorsal ou lateral  Tórax parcialmente ou totalmente descoberto  Não auscultar o paciente com roupa  Deve-se solicitar ao doente que respire com a boca entreaberta, sem fazer ruído  Os movimentos respiratórios devem ser regulares e de igual amplitude respiratória
  • 74. Exame Físico do Tórax Ausculta:  Realizada sistematicamente:  Face posterior → anterior → lateral  Primeiramente num hemitórax e depois no outro → comparativamente
  • 75. Exame Físico do Tórax Ruídos respiratórios normais:  Som traqueal  Respiração brônquica  Murmúrio vesicular  Respiração bronquiovesicular
  • 76. Exame Físico do Tórax Ruídos respiratórios normais:  Som traqueal  É audível na região de projeção da traquéia, no pescoço e na região esternal.  Origina-se na passagem do ar através da fenda glótica e na própria traquéia  É caracterizado por 2 componentes: um ruído soproso inspiratório, mais ou menos rude e o expiratório mais forte e prolongado.
  • 77. Exame Físico do Tórax Ruídos respiratórios normais:  Respiração brônquica:  Corresponde ao som traqueal audível na projeção dos brônquios principais  Local: face anterior do tórax próximo ao esterno  Diferencia do som traqueal por ter componente expiratório menos intenso.
  • 78. Exame Físico do Tórax Ruídos respiratórios normais:  Murmúrio vesicular:  Na superfície torácica, ouve-se um ruído mais suave, onde predomina a fase inspiratória, que é mais aguda, mais intensa e mais duradoura do que a expiratória
  • 79. Exame Físico do Tórax Ruídos respiratórios normais:  Respiração broncovesicular:  Nas seguintes regiões: infraclavicular direita, supra- espinhosa direita, interescapulovertebrais, ao nível da bifurcação da traquéia e na coluna vertebral, logo abaixo da 7ª vértebra cervical, ausculta-se normalmente outro tipo de respiração, resultante da soma da respiração brônquica e do murmúrio vesicular, denominado respiração broncovesicular
  • 80. Exame Físico do Tórax Variações do murmúrio vesicular:  Modificações da intensidade:  Aumentado  Diminuído  Abolido Modificações do timbre e tonalidade:  Suave  Rude
  • 81. Exame Físico do Tórax Variações do murmúrio vesicular:  Modificações da continuidade:  Contínuo  Respiração entrecortada Modificações da duração:  Fase expiratória mais duradoura e intensa que a fase inspiratória
  • 82. Exame Físico do Tórax Sopro:  Sopro tubário – ocorre quando o ar passa por brônquio pérvio - condensações  Sopro cavitário – presença de cavidade que funciona como ressoador  Sopro anfórico – timbre musical – pneumotórax e grandes cavidades vazias  Sopro pleural – líquido comprime os brônquios – bico de clarineta
  • 83. Exame Físico do Tórax Ruídos adventícios:  Só aparecem em condições patológicas  Estertores roncantes e sibilantes  Estertores crepitantes  Estertores subcrepitantes  Atrito pleural
  • 84. Exame Físico do Tórax Ausculta da voz:  Broncofonia normal  Broncofonia aumentada  Broncofonia diminuída  Pectorilóquia  Pectorilóquia fônica  Pectorilóquia afônica