SlideShare uma empresa Scribd logo
Estrutura da
população
                          Rui e Vítor




  Escola secundária de
   santa maria da feira

  Disciplina: Economia

Professor: José Pacheco

Trabalho realizado por
        alunos do 11ºO

           20-05-2011
Índice
Introdução                      pag.2

Dados biográficos de Portugal   pag.3

Adesões á união Europeia        pag.4

Pirâmides etárias               pag.6

Conceitos económicos            pag.9

Evolução da população activa    pag.21

Evolução do desemprego          pag.22

Evolução do emprego             pag.24

Movimentos migratórios          pag.25

Evolução da população           pag.28

Conclusão                       pag.30

Bibliografia                    pag.31




                                         1
Introdução
O nosso trabalho, tem um tema geral que é “ a economia portuguesa, no
contexto da união europeia”, no qual iremos tratar do subtema “a estrutura da
população”, estamos com bastante entusiasmo para realizar e tratar deste
subtema, pois temos o direito de conhecer como vão os dados estatísticos no
nosso países e poder fazer a comparação dos mesmos com o exterior, saber
por exemplo a taxa de mortalidade e natalidade, tanto infantil como adulta,
iremos tratar de vários conceitos económicos ao longo deste grande trabalho,
iremos falar de algumas curiosidades dos países presentes Hoje na União
europeia, analisaremos as pirâmides etárias referentes a cada um dos países, a
evolução da população activa e inactiva e por ultimo os movimentos
migratórios portugueses.




                                                                                 2
Dados biográficos de Portugal
Portugal, um país com uma história marcada pelos descobrimentos e

pelos feitos dos seus navegadores, está situado na Península Ibérica,

sendo a sua costa banhada pelo Oceano Atlântico


A Universidade de Coimbra, criada em 1290, é uma das mais antigas da

Europa.


O Presidente da República, eleito por sufrágio universal por um mandato

de cinco anos, tem poderes limitados. A Assembleia da República é

composta por 230 deputados, eleitos por um mandato de quatro anos.


Portugal sempre esteve bem representado no domínio das artes. Entre

os poetas mais famosos, figuram Luís de Camões e Fernando Pessoa.


Nas últimas décadas, alguns futebolistas portugueses como Eusébio,

Luís Figo e Cristiano Ronaldo atingiram fama mundial.


Durante o mês de Junho, celebram-se um pouco por todo o país várias

festividades dedicadas aos três santos conhecidos por Santos Populares

onde merecem papel de destaque as danças e canções populares.

Portugal é também conhecido pelo fado , um tipo de canto muito

melancólico.


Cada região de Portugal tem os seus próprios pratos típicos à base de

carne, de peixe ou de marisco, existindo mais de cem receitas para

cozinhar o bacalhau.



                                                                          3
Adesões à União Europeia
        Portugal
Ano de adesão à União Europeia: 1986
Sistema político: República
Capital: Lisboa
Superfície total: 92 072 km²
População: 10,6 milhões de habitantes
Moeda: euro
Oiça a língua oficial da UE falada no país: português


        França
Ano de adesão à União Europeia: Membro fundador
Sistema político: República
Capital: Paris
Superfície total: 550 000 km²
População: 64,3 milhões de habitantes
Moeda: euro
Oiça a língua oficial da UE falada no país: francês



       Grécia
Ano de adesão à União Europeia: 1981
Sistema político: República
Capital: Atenas
Superfície total: 131 957 km²
População: 11,2 milhões de habitantes
Moeda: euro
Oiça a língua oficial da UE falada no país: grego




                                                        4
Irlanda
Ano de adesão à União Europeia: 1973
Sistema político: República
Capital: Dublim
Superfície total: 70 000 km²
População: 4,5 milhões de habitantes
Moeda: euro
Oiça uma das línguas oficiais da UE faladas no país: inglês , irlandês


       Reino Unido
Ano de adesão à União Europeia: 1973
Sistema político: Monarquia constitucional
Capital: Londres
Superfície total: 244 820 km²
População: 61,7 milhões de habitantes
Moeda: libra esterlina
Oiça a língua oficial da UE falada no país: inglês




                                                                         5
Pirâmides etárias




Após a analise deste gráfico, podemos tirar certas conclusões, a
população em Portugal, está com grandes valores na casa dos 35 aos 39
anos e com valores um pouco abaixo nos escalões de jovens, Portugal
está a sofrer um fenómeno de envelhecimento da população, grande
parte da população envelhecida é do sexo feminino, a esperança média
de vida, aumentou o que podemos verificar no gráfico que as idades vão
além dos 80 anos.




Após a analise deste gráfico, podemos concluir que França é um pais
envelhecido, com grandes valores densionais nas casas entre os 35 e os



                                                                         6
64 anos que atinge valores elevados, uma quantidade de jovens boa,
com resultados a rondar os valores de cerca de quase 2 milhões, é um
pais com uma grande população, com o sexo feminino a chegar
aproximadamente aos 2,5 milhões na casa dos 80 anos, de facto é um
pais que envelhece pouco.




Após a analise deste gráfico, entendemos que a Grécia é um pais com
uma grande quantidade de pessoas a viver com 40 a 44 anos, é um pais
com uma população grande parte envelhecida, com mais mulheres que
homens, na classe de envelhecimento, existem poucas crianças,
podemos verificar que neste país também a esperança média de vida
aumentou.




                                                                       7
Após a analise deste gráfico, podemos concluir que como a base da pirâmide é
   larga, existe uma grande quantidade de jovens, á medida que nos vamos
aproximando do topo, percebemos que existe uma grande parte de idosos, o
    que traduz uma diminuição da taxa de natalidade, existe uma grande
   quantidade de adultos para exercer um tipo de actividade económica, a
                      população não é tao envelhecida.




Após a analise deste gráfico, podemos concluir que o reino unido, é um pais
com uma pirâmide etária um pouco jovem, com a base da mesma com grandes
valores, mas nunca esquecendo que existe uma grande população adulta, o
que traduz uma disponibilidade para exercer uma profissão, a esperança
média de vida aumentou como podemos verificar, existe uma grande parte de
idosos, maioritariamente do sexo feminino.




                                                                               8
Conceitos económicos

  Evolução do índice sintético de fecundidade em Portugal,
                     1960 e 2050 (projecção)




Após a analise desde gráfico, podemos ver que no anos de 1960 cada
mulher tinha em média 3 filhos, foi baixando aos poucos, até ao ano
de 2005 , depois tem uma previsão até ao ano de 2050 de cerca de 2
filhos por mulher, perto da linha média.




                                                                      9
EVOLUÇÃO DAS TAXAS DE NATALIDADE, MORTALIDADE E
           CRESCIMENTO NATURAL ENTRE 1960-2005




Após a análise deste gráfico, podemos verificar que em 1960 a taxa de
natalidade tinha como valores aproximados de 25%, sendo um valor elevado.
Após a decadência dos anos, a taxa de natalidade foi diminuindo deixando a
taxa de mortalidade a seus pés, o resultado da taxa de natalidade com a taxa
de mortalidade deu valores muito baixos, isto é a taxa de crescimento natural.
Podemos comparar que desde 1991 até 2005 valores da taxa de natalidade e
mortalidade mantiveram-se mais ou menos ao mesmo nível, enquanto que a
taxa de crescimento natural foi sempre descendo. O facto de a taxa de
natalidade ter descido tanto até ao nível da taxa de mortalidade, foi um motivo
que contribuiu para a situação económica em que nos encontramos
actualmente.

Factores responsáveis pela diminuição da taxa de natalidade:

    Desenvolvimento do planeamento familiar e generalização da utilização
      de métodos contraceptivos;
    O aumento do numero de mulheres que ingressam no mercado de
      trabalho, o que traduz menor disponibilidade para cuidar e estar com os
      filhos;




                                                                                  10
 Os filhos ficarem caros (saúde, educação e principalmente na
    alimentação)
  A diminuição do numero de casamentos eo aumento do numero de
    divórcios;
  O aumento da idade do casamento e do nascimento do primeiro filho,
    devido, em parte, ao prolongamento dos estudos e às dificuldades de
    acesso ao primeiro emprego.
  A melhoria do nível de vida e a maior preocupação em possui e manter
    um maior conforto e qualidade de vida;
  As dificuldades na aquisição de habitação, sobretudo nas cidades;



Evolução da taxa de mortalidade em Portugal, entre 1990 e
                                  2005




 Factores responsáveis pela diminuição da taxa de mortalidade em Portugal:

     Uma alimentação mais rica e saudável;
     Intensificação dos cuidados de saúde e melhoria do saneamento
       básico;
     Melhoria significativa nos hábitos de higiene pessoal;
     Melhoria das condições de trabalho(menos horas e maior segurança);



                                                                             11
 Diminuição da taxa de analfabetismo;

Principais mortes em Portugal:

    Doenças provenientes do sistema circulatório;
    Tumores malignos;
    Sinistralidade rodoviária;
    Propagação do VIH/SIDA



  Distribuição da taxa de mortalidade em Portugal, em 2001




   Após a analise deste gráfico, podemos verificar que na zona do interior, a
   taxa de mortalidade é superior em relação á zona do interior, na zona do
   litoral norte, na nossa região (Aveiro) a taxa de mortalidade é relativamente
   baixa, com valores de cerca 6.5% e 8.4%, na região do Algarve, a taxa de
   mortalidade é média, com valores compreendidos entre 10.5% e 12.4%, a
   região do norte litoral é a que sofre menos.




                                                                                   12
Evolução da taxa de mortalidade infantil em Portugal entre
                           1960 e 2005




Após a analise deste gráfico podemos verificar que Portugal, no ano de
1960, tinha uma taxa de mortalidade infantil com valores de cerca de
77,5%, isto significa que Portugal, tinha uma grande probabilidade de
quando uma criança nascesse, morrer em pouco tempo. Desde o ano de
1960, até ao ano de 2005, a taxa de mortalidade infantil, foi diminuindo
progressivamente, chegando a valores relativamente baixos, o que traduz
uma melhoria das condições de saúde e de vida, na população portuguesa,
desde o ano de 1960, até ao ano de 2005.




                                                                           13
Taxa de mortalidade infantil nos vários países da União
                         Europeia em 2005




Após a analise deste gráfico, podemos verificar que o pais com a maior
taxa de mortalidade infantil é a Roménia, com uma taxa de 15%, em
segundo lugar vem a Bulgária, o pais com a menos taxa de mortalidade
infantil é a Suécia, com valores de 2.4%, relativamente ao valor obtido pela
Roménia, a Suécia encontra-se numa melhor situação, com uma grande
diminuição da Roménia para a Bulgária, Portugal está pouco acima da
Bulgária, com valores de 3.5%. Quando estas taxas de mortalidade infantil,
são baixas, podemos concluir que houve uma melhor alimentação, houve
um controlo de saúde através do método das vacinas e melhoria das
condições de higiene.




                                                                               14
O ÍNDICE SINTÉTICO DE FECUNDIDADE EM ALGUNS PAÍSES DA
                  UNIÃO EUROPEIA EM 1963-2001




Após a analise deste gráfico, podemos concluir que a Irlanda é o pais com uma
maior índice sintético de fecundidade, com cerca de 4 filhos por mulher, valor
em média, Portugal nem está numa má situação, a Grécia está pouco acima da
linha média, 2.1 valor médio, é o pais com o índice sintético de fecundidade
mais baixo, os valores referidos anteriormente são relativos ao ano de 1963,
desde esse ano até ao ano de 2001, o índice sintético de fecundidade sofreu
uma diminuição, nota-se a grande diferença de como era a vida anteriormente
e a de hoje, todos os países se encontram abaixo da linha média, abaixo dos 2
filhos por mulher em média, isto é resultado das populações hoje em dia
andarem mais informadas, usarem os métodos contraceptivos




                                                                                 15
Numero de casamentos, 1990 e 2005




A taxa de nupcialidade é o numero médio de casamentos, por cada 1000
habitantes, numa determinada área e num determinado período de tempo.
Após a análise deste gráfico, podemos verificar que no ano de 1990 era um
elevado valor de número de casamentos, cerca de 70000 por cada mil
habitantes, foi descendo até á data de 2005, onde obteve um valor de cerca de
50000 por cada mil habitantes aproximadamente.



                     Evolução da taxa de divórcio

            EVOLUÇÃO DA TAXA DE DIVÓRCIO,
  %
                      1970-2005
       3

      2,5

       2

      1,5

       1

      0,5

       0




                                                                                16
Após a analise deste gráfico, podemos concluir que Portugal a partir
do ano de 2000 a taxa de divórcio aumentou, chegando aos 2.5%, até
ao ano de 2000 verificou-se que a taxa de divórcio era baixa. A taxa
 de divórcio é o valor médio de divórcios, por cada 1000 habitantes,
      em determinada área num determinado intervalo de tempo.



   Evolução da idade média da mulher após nascimento do
              primeiro filho em Portugal, 1975 e 2005




Desde o ano de 1975 até ao ano de 2005, verificou-se que a mulher, após o
nascimento do primeiro filho, viveria mais , a idade média chegava aos 28 anos
em média, enquanto que em 1975 era de 24 anos, foi aumentando desde o
passado, que até que no presente a mulher tem uma grande probabilidade de
viver mais.




                                                                                 17
Evolução da esperança média de vida em Portugal, 1975 e
                                   2050




Após a analise deste gráfico podemos verificar que Portugal, ao ir avançando
os anos, a sua população tem uma maior esperança média de vida, mas
contudo, são as mulheres as vencedoras neste aspecto, elas tem uma maior
esperança média de vida em relação aos homens, e vai sempre aumentando,
existe uma projecção para o ano de 2050, com a esperança média de vida a
alcançar perto dos 85 anos de idade.




                                                                               18
Esperança média de vida á nascença na união europeia em
                                  2005




Após a analise deste gráfico podemos concluir que o pais com uma maior
esperança média de vida é a Espanha com valores perto dos 84 anos, Portugal
ocupa uma posição com uma esperança média de vida a rondar os 81 anos,
isto no ano de 2005, mas como no gráfico anterior, as mulheres, tem uma
maior esperança média de vida.

Factores que provocam o aumento da esperança média de vida:

    Progressos da medicina e tecnologia;
    Melhoria dos hábitos de higiene pessoal;
    Melhoria da assistência médica;
    Melhoria das condições de trabalho;




                                                                              19
Taxa de mortalidade na União Europeia em 2005




Após a analise deste gráfico, podemos concluir acima de tudo, que o pais com
a taxa de mortalidade mais elevada é a Bulgária, onde tem uma taxa de
mortalidade com cerca de 14.6%, sendo a Irlanda o pais com a taxa de
mortalidade, dentro da união europeia, ocupando cerca de 6.6%, Portugal
como podemos verificar, tem uma taxa de mortalidade de 10.2%, a Alemanha
tem uma taxa de mortalidade relativamente próxima da de Portugal com 10.1%
de taxa de mortalidade. A França tem uma taxa de mortalidade normal, com
8.5%, relativamente à Irlanda é superior, quase 2% a mais. No caso do Reino
Unido a taxa de mortalidade é de 9.7%.




                                                                               20
Evolução da população activa




Nestes gráficos, podemos ver que mais de metade da população
portuguesa, está inserida no sector de actividade terciário.
Em 1950, o sector primário ocupa cerca de 50% da população activa,
pois ainda não havia um grande nível de tecnologias, em 1970 o sector
primário já era considerado um sector com menos de metade da
população activa. O sector secundária sofreu algumas alterações devido
ao facto de muitas empresas procurarem no estrangeiro, uma mão-de-



                                                                         21
obra mais barata. O sector terciário foi o que mais cresceu nos últimos
      ano, devido á melhoria das tecnologias, a melhoria do nível de vida, foi
      este sector que permitiu ás mulheres se integrarem no mercado de
      trabalho. Surgimento de novas profissões, expansão do comércio,
      desenvolvimento dos serviços públicos, a diversificação do turismo
      foram algumas das consequências provocadas pelo sector terciário.



         Evolução do desemprego




Após a analise do gráfico acima , podemos fazer uma comparação entre a
percentagem de mulheres desempregadas e os homens desempregados ,
verificamos que as mulheres têm uma maior percentagem no desemprego em
relação aos homens, as mulheres rondam uma percentagem a rondar cerca de
9.1 % e os homens com menos 2%, ou seja, a rondar os 7.1 % , ambos os
valores no ano de 2007, pelo que verificamos que Portugal sofre uma grande
percentagem de população no desemprego.




                                                                                 22
A região que sofre mais com o desemprego, sem duvida , é a região do norte
como podemos verificar no gráfico acima , a chegar com valores de cerca de
190000 desempregados no ano de 2007, no ano de 1998 obteve uma
quantidade de cerca de 1000000 desempregados, podemos verificar na zona
norte o grande aumento da quantidade de desempregados dentro deste
período de tempo(1998 e 2007). Na zona do centro, o desemprego já não é
assim tão elevado , no ano de 2007 consegue rondar os valores de cerca de
925000 desempregados, no ano de 1998 obteve um valor de 400000
desempregados, neste caso , houve um aumento em relação aos dois anos ,
mas se fizermos uma breve comparação com a região norte , no norte o
aumento foi maior. A região de Lisboa no ano de 2007 obteve valores com
cerca de 125000 desempregados e no ano de 1998 cerca de 925000
desempregados, na região da capital portuguesa , o aumento não foi tão
visível.




                                                                             23
Evolução do emprego




Com este gráfico, podemos verificar que em ambos os dados, a percentagem
de emprego, manteve-se sempre nos 60 %, não sofreu alterações , mínimas
que pouco se notaram.




                                                                           24
Movimentos migratórios
A mobilidade é uma característica de praticamente todos os seres vivos.
Fundamentalmente as migrações são movimentos horizontais(deslocamentos),
que tendem a um equilíbrio demográfico á superfície do globo, este equilíbrio,
como é óbvio, é realizado inconscientemente, mas qualquer migração tende a
estabelecer um determinado equilíbrio.

Há uma interdependência entre estes movimentos horizontais e os
movimentos verticais (crescimento natural – condicionados pela natalidade e
mortalidade), sendo que, á medida que se acentuam os desequilíbrios
demográficos regionais, maior é a tendência para que as populações efectuem
movimentos migratórios.

Considera-se fluxo migratório, todos aqueles grupos de pessoas que se
deslocam do seu pais e/ou lugar de origem para outros locais á procura de
melhores oportunidades e um melhor nível de vida.

As migrações podem ser caracterizadas de 4 formas:

    Quanto ao espaço;
    Quanto á duração;
    Quanto á forma;
    Quanto ao controlo;

Quanto ao espaço- são internas se os deslocamentos realizam-se de umas
regiões para as outras, dentro do mesmo pais (êxodos rurais e urbanos) e
externas ou internacionais se os deslocamentos se fazem de uma pais para
outro (emigração/imigração).

Quanto á duração- podem ser temporárias se a mudança é apenas por um
determinado período de tempo. As definitivas são aquelas em que os
indivíduos decidem ir para um determinado local, para ai se estabelecerem
definitivamente, podendo eventualmente regressar após muitos anos.

Quanto á forma- as migrações podem ser voluntárias, quando a decisão de se
deslocar é do próprio individuo, ou seja, é iniciativa do individuo. Quando o




                                                                                 25
individuo, apesar de não desejar fazer uma deslocação, se vê obrigado a faze-
la, por diversos motivos, então, diz-se que a migração é forçada.

Quanto ao controlo- se a migração é feita com autorização do pais de
acolhimento, é uma migração legal. Se por outro lado o individuo entra (ou
fica) num determinado pais sem nenhuma autorização (ou conhecimento)
deste, diz-se que é clandestina ou ilegal.

Principais causas ou motivos das migrações:

    Económicas: provavelmente deverá ser a causa fundamental que leva as
      pessoas a migrarem, quase sempre resultante da diferença de
      desenvolvimento socioeconómico entre países ou entre regiões. Quase
      sempre, nestes casos, os indivíduos migram porque querem assegurar
      noutros locais um melhor nível de vida, onde os salários são mais
      elevados, as condições de trabalho menos pesadas, onde a assistência
      social é mais eficaz, enfim, vão para onde pensam ir encontrar uma vida
      mais agradável…. Por exemplo, hoje em dia muitos portugueses, estão
      a ir para a suíça , pois lá os rendimentos são elevados.
    Naturais: dum modo geral, este motivo de migrações, leva a que sejam
      migrações forçadas, pois devido a causas naturais (cheias, terramotos,
      secas, vulcões…) a vida e sobrevivência das pessoas fica em risco, pelo
      que se vêem forçadas a abandonar os seus locais de residência.
    Turísticas: são as que se efectuam normalmente, pela maioria das
      pessoas, em determinadas épocas (ou estações) do ano, que por isso
      mesmo, também são uma forma de migrações sazonais. São aquelas
      deslocações que se efectuam no período das férias de verão, natal,
      páscoa….
    Laborais: são todas as deslocações que se efectuam por motivos
      profissionais. Podem também ser sazonais e dum modo geral, são
      temporárias. Um exemplo muito fácil de compreender, são os
      professores que se deslocam da sua residência para outras em pouco
      tempo.
    Politicas: são dum modo geral migrações externas, que devido a
      mudanças nos governos de países, alguns habitantes se vêem forçados
      a saírem desse pais.




                                                                                26
Evolução do movimento migratório em portugal




  Emigrantes por países de destino, 1992/2003




Ao observamos este gráfico, verificamos que grande parte dos
portugueses , procuram um melhor nível de vida e uma melhor
qualidade de vida, principalmente em frança, a superar outros países,
suíça vem logo em segundo lugar com um valor próximo dos que




                                                                        27
emigram para frança, Alemanha em terceiro pois é um pais com grande
      níveis de vida, e os portugueses procuram sempre alguma
      oportunidade.




            Evolução da população


Portugal,   incluindo   os   Arquipélagos   dos Açores e Madeira tem   uma
população estimada em 10 632 482 pessoas (estimativa INE em 2009),
representando uma densidade populacional de 114 pessoas por quilómetro
quadrado. A língua oficial, dentro de Portugal e nos continentes, é o
Português, apesar de algumas povoações de Miranda do douro, considerar
o Mirandês, como uma língua, diferente do português.
Actualmente a população portuguesa, está num crescimento natural, isto
significa, a natalidade com subtracção da mortalidade, estamos hoje num
fenómeno de envelhecimento da nossa população, a taxa de mortalidade é
maior que a taxa de natalidade, morre muita gente, mas não nasce, o que
provoca o aparecimento de novas gerações, não nos podemos esquecer,
da esperança média de vida, que tem vindo a aumentar, tanto nos Homens
e nas Mulheres, o que tem ajudado o envelhecimento das nossas gerações.
Onde se regista um grande crescimento da população é nos distritos de
Braga, Porto, Aveiro e Setúbal. Nos últimos tempos, a taxa de imigração
tem vindo a aumentar, principalmente de povos vindos dos PALOP(países




                                                                             28
africanos de língua portuguesa), europeus de leste e sul americanos,
principalmente brasileiros, residentes principalmente nas grandes cidades
de Portugal (Porto e Lisboa). A emigração permanente têm tido resultados
um pouco baixos, principalmente após a revolução do 25 de Abril e com a
entrada na União Europeia, o fenómeno de migração atrai principalmente as
regiões do metropolitano do Porto e Lisboa.




                                                                            29
Conclusão
No final deste trabalho, queremos concluir que chegamos á conclusão que
Portugal não está assim tão mal como a nossa sociedade portuguesa comenta,
no quotidiano, em comparação com alguns países da união europeia, não nos
podemos queixar que estamos mal, porque existem populações a viver muito
pior que nós e sobrevivem, gostamos bastante de abordar este subtema, era
um tema que gostávamos imenso de o abordar pois queríamos saber valores
estatísticos acerca do nosso pais, com a ajuda da internet e livros sobretudo,
com a ajuda do INE, conseguimos concluir este trabalho.




                                                                                 30
Bibliografia
Livro censos 2001, INE

http://wapedia.mobi/pt/Austr%C3%ADaco

http://www.pordata.pt/azap_runtime/?n=4

http://spot-informativo.blogspot.com/2010_09_19_archive.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Demografia_de_Portugal

http://geo10f.blogs.sapo.pt/2010/11/?page=1

http://www.nationmaster.com/country/gr-greece/Age-_distribution

http://portalemprego.eu/abroad.php?abroadID=19

http://countrystudies.us/portugal/48.htm

http://www.scielo.oces.mctes.pt/scielo.php?pid=S0003-
25732009000400004&script=sci_arttext

http://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUE
Sdest_boui=72384&DESTAQUESmodo=2

http://www.slideshare.net/guest27c000/a-populao-distribuio-da-populao-2-
ano-presentation




                                                                           31

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)
Rosária Zamith
 
Politicas Demográficas em Portugal
Politicas Demográficas em PortugalPoliticas Demográficas em Portugal
Politicas Demográficas em Portugal
Geografia .
 
Tipos de migrações
Tipos de migraçõesTipos de migrações
Tipos de migrações
8ºC
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População Portuguesa
Catarina Castro
 
A estrutura etária da população
A estrutura etária da populaçãoA estrutura etária da população
A estrutura etária da população
8ºC
 
A sociedade - desequilibrios regionais
A sociedade - desequilibrios regionaisA sociedade - desequilibrios regionais
A sociedade - desequilibrios regionais
Maria Teixiera
 
Desequilibrios regionais
Desequilibrios regionaisDesequilibrios regionais
Desequilibrios regionais
Karyn XP
 
5 indicadores demográficos
5  indicadores demográficos5  indicadores demográficos
5 indicadores demográficos
Mayjö .
 
As estruturas e os comportamentos demográficos (1).ppt
As estruturas e os comportamentos demográficos (1).pptAs estruturas e os comportamentos demográficos (1).ppt
As estruturas e os comportamentos demográficos (1).ppt
Ilda Bicacro
 
Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesa
Ilda Bicacro
 
Estruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos SociodemográficosEstruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Catarina Castro
 
Principais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficosPrincipais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficos
Ilda Bicacro
 
Desequilíbrios regionais – questões económicas
Desequilíbrios regionais – questões económicasDesequilíbrios regionais – questões económicas
Desequilíbrios regionais – questões económicas
bruno oliveira
 
A Distribuição da População Portuguesa
 A Distribuição da População Portuguesa A Distribuição da População Portuguesa
A Distribuição da População Portuguesa
Catarina Sousa
 
Principais problemas sociodemográficos
Principais problemas sociodemográficos Principais problemas sociodemográficos
Principais problemas sociodemográficos
Idalina Leite
 
Migraçõesesrp
MigraçõesesrpMigraçõesesrp
Migraçõesesrp
Geografias Geo
 
Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
cattonia
 
Multifuncionalidade 11ºlh1
Multifuncionalidade 11ºlh1Multifuncionalidade 11ºlh1
Multifuncionalidade 11ºlh1
mariajosantos
 
As estruturas e os comportamentos demográficos
As estruturas e os comportamentos demográficosAs estruturas e os comportamentos demográficos
As estruturas e os comportamentos demográficos
Ilda Bicacro
 
C.L.C. 6 Imigração em Portugal
C.L.C.  6   Imigração em PortugalC.L.C.  6   Imigração em Portugal
C.L.C. 6 Imigração em Portugal
I.Braz Slideshares
 

Mais procurados (20)

Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)
 
Politicas Demográficas em Portugal
Politicas Demográficas em PortugalPoliticas Demográficas em Portugal
Politicas Demográficas em Portugal
 
Tipos de migrações
Tipos de migraçõesTipos de migrações
Tipos de migrações
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População Portuguesa
 
A estrutura etária da população
A estrutura etária da populaçãoA estrutura etária da população
A estrutura etária da população
 
A sociedade - desequilibrios regionais
A sociedade - desequilibrios regionaisA sociedade - desequilibrios regionais
A sociedade - desequilibrios regionais
 
Desequilibrios regionais
Desequilibrios regionaisDesequilibrios regionais
Desequilibrios regionais
 
5 indicadores demográficos
5  indicadores demográficos5  indicadores demográficos
5 indicadores demográficos
 
As estruturas e os comportamentos demográficos (1).ppt
As estruturas e os comportamentos demográficos (1).pptAs estruturas e os comportamentos demográficos (1).ppt
As estruturas e os comportamentos demográficos (1).ppt
 
Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesa
 
Estruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos SociodemográficosEstruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos Sociodemográficos
 
Principais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficosPrincipais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficos
 
Desequilíbrios regionais – questões económicas
Desequilíbrios regionais – questões económicasDesequilíbrios regionais – questões económicas
Desequilíbrios regionais – questões económicas
 
A Distribuição da População Portuguesa
 A Distribuição da População Portuguesa A Distribuição da População Portuguesa
A Distribuição da População Portuguesa
 
Principais problemas sociodemográficos
Principais problemas sociodemográficos Principais problemas sociodemográficos
Principais problemas sociodemográficos
 
Migraçõesesrp
MigraçõesesrpMigraçõesesrp
Migraçõesesrp
 
Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
Multifuncionalidade 11ºlh1
Multifuncionalidade 11ºlh1Multifuncionalidade 11ºlh1
Multifuncionalidade 11ºlh1
 
As estruturas e os comportamentos demográficos
As estruturas e os comportamentos demográficosAs estruturas e os comportamentos demográficos
As estruturas e os comportamentos demográficos
 
C.L.C. 6 Imigração em Portugal
C.L.C.  6   Imigração em PortugalC.L.C.  6   Imigração em Portugal
C.L.C. 6 Imigração em Portugal
 

Semelhante a Estrutura da população

Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - População
Raffaella Ergün
 
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mb
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mbAspectos da população mundial e do brasil 1º mb
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mb
ProfMario De Mori
 
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
inessalgado
 
Resumos
ResumosResumos
Economia 11.12 trabalho
Economia 11.12 trabalhoEconomia 11.12 trabalho
Economia 11.12 trabalho
André Barroso
 
Relatorio natalidade
Relatorio natalidadeRelatorio natalidade
Relatorio natalidade
Pedro Barreiros
 
A População Portuguesa 2º Ano
A População Portuguesa   2º AnoA População Portuguesa   2º Ano
A População Portuguesa 2º Ano
abarros
 
Aspectos da população mundial e do brasil 1º ma
Aspectos da população mundial e do brasil 1º maAspectos da população mundial e do brasil 1º ma
Aspectos da população mundial e do brasil 1º ma
ProfMario De Mori
 
Contrastes de desenvolvimento - Portugal vs Índia (Países desenvolvidos e Paí...
Contrastes de desenvolvimento - Portugal vs Índia (Países desenvolvidos e Paí...Contrastes de desenvolvimento - Portugal vs Índia (Países desenvolvidos e Paí...
Contrastes de desenvolvimento - Portugal vs Índia (Países desenvolvidos e Paí...
Rita Galrito
 
Natalidade doc final_18jul
Natalidade doc final_18julNatalidade doc final_18jul
Natalidade doc final_18jul
José Matias Alves
 
Resumos
ResumosResumos
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
Escola E.B.2,3 de Jovim Gondomar
 
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração EuropeiaPortugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
Idalina Leite
 
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacialPopulação e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
Idalina Leite
 
04
0404
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mc
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mcAspectos da população mundial e do brasil 1º mc
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mc
ProfMario De Mori
 
geografia 11.pdf
geografia 11.pdfgeografia 11.pdf
geografia 11.pdf
LeonorVale6
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em Dados
Idalina Leite
 
GEOGRAFIA A - Síntese.1
GEOGRAFIA A - Síntese.1GEOGRAFIA A - Síntese.1
GEOGRAFIA A - Síntese.1
Idalina Leite
 
População Portuguesa - HGP 6º ano - Tema F
População Portuguesa - HGP 6º ano - Tema FPopulação Portuguesa - HGP 6º ano - Tema F
População Portuguesa - HGP 6º ano - Tema F
Candida64
 

Semelhante a Estrutura da população (20)

Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - População
 
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mb
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mbAspectos da população mundial e do brasil 1º mb
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mb
 
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
 
Resumos
ResumosResumos
Resumos
 
Economia 11.12 trabalho
Economia 11.12 trabalhoEconomia 11.12 trabalho
Economia 11.12 trabalho
 
Relatorio natalidade
Relatorio natalidadeRelatorio natalidade
Relatorio natalidade
 
A População Portuguesa 2º Ano
A População Portuguesa   2º AnoA População Portuguesa   2º Ano
A População Portuguesa 2º Ano
 
Aspectos da população mundial e do brasil 1º ma
Aspectos da população mundial e do brasil 1º maAspectos da população mundial e do brasil 1º ma
Aspectos da população mundial e do brasil 1º ma
 
Contrastes de desenvolvimento - Portugal vs Índia (Países desenvolvidos e Paí...
Contrastes de desenvolvimento - Portugal vs Índia (Países desenvolvidos e Paí...Contrastes de desenvolvimento - Portugal vs Índia (Países desenvolvidos e Paí...
Contrastes de desenvolvimento - Portugal vs Índia (Países desenvolvidos e Paí...
 
Natalidade doc final_18jul
Natalidade doc final_18julNatalidade doc final_18jul
Natalidade doc final_18jul
 
Resumos
ResumosResumos
Resumos
 
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
 
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração EuropeiaPortugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
 
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacialPopulação e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
 
04
0404
04
 
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mc
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mcAspectos da população mundial e do brasil 1º mc
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mc
 
geografia 11.pdf
geografia 11.pdfgeografia 11.pdf
geografia 11.pdf
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em Dados
 
GEOGRAFIA A - Síntese.1
GEOGRAFIA A - Síntese.1GEOGRAFIA A - Síntese.1
GEOGRAFIA A - Síntese.1
 
População Portuguesa - HGP 6º ano - Tema F
População Portuguesa - HGP 6º ano - Tema FPopulação Portuguesa - HGP 6º ano - Tema F
População Portuguesa - HGP 6º ano - Tema F
 

Estrutura da população

  • 1. Estrutura da população Rui e Vítor Escola secundária de santa maria da feira Disciplina: Economia Professor: José Pacheco Trabalho realizado por alunos do 11ºO 20-05-2011
  • 2. Índice Introdução pag.2 Dados biográficos de Portugal pag.3 Adesões á união Europeia pag.4 Pirâmides etárias pag.6 Conceitos económicos pag.9 Evolução da população activa pag.21 Evolução do desemprego pag.22 Evolução do emprego pag.24 Movimentos migratórios pag.25 Evolução da população pag.28 Conclusão pag.30 Bibliografia pag.31 1
  • 3. Introdução O nosso trabalho, tem um tema geral que é “ a economia portuguesa, no contexto da união europeia”, no qual iremos tratar do subtema “a estrutura da população”, estamos com bastante entusiasmo para realizar e tratar deste subtema, pois temos o direito de conhecer como vão os dados estatísticos no nosso países e poder fazer a comparação dos mesmos com o exterior, saber por exemplo a taxa de mortalidade e natalidade, tanto infantil como adulta, iremos tratar de vários conceitos económicos ao longo deste grande trabalho, iremos falar de algumas curiosidades dos países presentes Hoje na União europeia, analisaremos as pirâmides etárias referentes a cada um dos países, a evolução da população activa e inactiva e por ultimo os movimentos migratórios portugueses. 2
  • 4. Dados biográficos de Portugal Portugal, um país com uma história marcada pelos descobrimentos e pelos feitos dos seus navegadores, está situado na Península Ibérica, sendo a sua costa banhada pelo Oceano Atlântico A Universidade de Coimbra, criada em 1290, é uma das mais antigas da Europa. O Presidente da República, eleito por sufrágio universal por um mandato de cinco anos, tem poderes limitados. A Assembleia da República é composta por 230 deputados, eleitos por um mandato de quatro anos. Portugal sempre esteve bem representado no domínio das artes. Entre os poetas mais famosos, figuram Luís de Camões e Fernando Pessoa. Nas últimas décadas, alguns futebolistas portugueses como Eusébio, Luís Figo e Cristiano Ronaldo atingiram fama mundial. Durante o mês de Junho, celebram-se um pouco por todo o país várias festividades dedicadas aos três santos conhecidos por Santos Populares onde merecem papel de destaque as danças e canções populares. Portugal é também conhecido pelo fado , um tipo de canto muito melancólico. Cada região de Portugal tem os seus próprios pratos típicos à base de carne, de peixe ou de marisco, existindo mais de cem receitas para cozinhar o bacalhau. 3
  • 5. Adesões à União Europeia Portugal Ano de adesão à União Europeia: 1986 Sistema político: República Capital: Lisboa Superfície total: 92 072 km² População: 10,6 milhões de habitantes Moeda: euro Oiça a língua oficial da UE falada no país: português França Ano de adesão à União Europeia: Membro fundador Sistema político: República Capital: Paris Superfície total: 550 000 km² População: 64,3 milhões de habitantes Moeda: euro Oiça a língua oficial da UE falada no país: francês Grécia Ano de adesão à União Europeia: 1981 Sistema político: República Capital: Atenas Superfície total: 131 957 km² População: 11,2 milhões de habitantes Moeda: euro Oiça a língua oficial da UE falada no país: grego 4
  • 6. Irlanda Ano de adesão à União Europeia: 1973 Sistema político: República Capital: Dublim Superfície total: 70 000 km² População: 4,5 milhões de habitantes Moeda: euro Oiça uma das línguas oficiais da UE faladas no país: inglês , irlandês Reino Unido Ano de adesão à União Europeia: 1973 Sistema político: Monarquia constitucional Capital: Londres Superfície total: 244 820 km² População: 61,7 milhões de habitantes Moeda: libra esterlina Oiça a língua oficial da UE falada no país: inglês 5
  • 7. Pirâmides etárias Após a analise deste gráfico, podemos tirar certas conclusões, a população em Portugal, está com grandes valores na casa dos 35 aos 39 anos e com valores um pouco abaixo nos escalões de jovens, Portugal está a sofrer um fenómeno de envelhecimento da população, grande parte da população envelhecida é do sexo feminino, a esperança média de vida, aumentou o que podemos verificar no gráfico que as idades vão além dos 80 anos. Após a analise deste gráfico, podemos concluir que França é um pais envelhecido, com grandes valores densionais nas casas entre os 35 e os 6
  • 8. 64 anos que atinge valores elevados, uma quantidade de jovens boa, com resultados a rondar os valores de cerca de quase 2 milhões, é um pais com uma grande população, com o sexo feminino a chegar aproximadamente aos 2,5 milhões na casa dos 80 anos, de facto é um pais que envelhece pouco. Após a analise deste gráfico, entendemos que a Grécia é um pais com uma grande quantidade de pessoas a viver com 40 a 44 anos, é um pais com uma população grande parte envelhecida, com mais mulheres que homens, na classe de envelhecimento, existem poucas crianças, podemos verificar que neste país também a esperança média de vida aumentou. 7
  • 9. Após a analise deste gráfico, podemos concluir que como a base da pirâmide é larga, existe uma grande quantidade de jovens, á medida que nos vamos aproximando do topo, percebemos que existe uma grande parte de idosos, o que traduz uma diminuição da taxa de natalidade, existe uma grande quantidade de adultos para exercer um tipo de actividade económica, a população não é tao envelhecida. Após a analise deste gráfico, podemos concluir que o reino unido, é um pais com uma pirâmide etária um pouco jovem, com a base da mesma com grandes valores, mas nunca esquecendo que existe uma grande população adulta, o que traduz uma disponibilidade para exercer uma profissão, a esperança média de vida aumentou como podemos verificar, existe uma grande parte de idosos, maioritariamente do sexo feminino. 8
  • 10. Conceitos económicos Evolução do índice sintético de fecundidade em Portugal, 1960 e 2050 (projecção) Após a analise desde gráfico, podemos ver que no anos de 1960 cada mulher tinha em média 3 filhos, foi baixando aos poucos, até ao ano de 2005 , depois tem uma previsão até ao ano de 2050 de cerca de 2 filhos por mulher, perto da linha média. 9
  • 11. EVOLUÇÃO DAS TAXAS DE NATALIDADE, MORTALIDADE E CRESCIMENTO NATURAL ENTRE 1960-2005 Após a análise deste gráfico, podemos verificar que em 1960 a taxa de natalidade tinha como valores aproximados de 25%, sendo um valor elevado. Após a decadência dos anos, a taxa de natalidade foi diminuindo deixando a taxa de mortalidade a seus pés, o resultado da taxa de natalidade com a taxa de mortalidade deu valores muito baixos, isto é a taxa de crescimento natural. Podemos comparar que desde 1991 até 2005 valores da taxa de natalidade e mortalidade mantiveram-se mais ou menos ao mesmo nível, enquanto que a taxa de crescimento natural foi sempre descendo. O facto de a taxa de natalidade ter descido tanto até ao nível da taxa de mortalidade, foi um motivo que contribuiu para a situação económica em que nos encontramos actualmente. Factores responsáveis pela diminuição da taxa de natalidade:  Desenvolvimento do planeamento familiar e generalização da utilização de métodos contraceptivos;  O aumento do numero de mulheres que ingressam no mercado de trabalho, o que traduz menor disponibilidade para cuidar e estar com os filhos; 10
  • 12.  Os filhos ficarem caros (saúde, educação e principalmente na alimentação)  A diminuição do numero de casamentos eo aumento do numero de divórcios;  O aumento da idade do casamento e do nascimento do primeiro filho, devido, em parte, ao prolongamento dos estudos e às dificuldades de acesso ao primeiro emprego.  A melhoria do nível de vida e a maior preocupação em possui e manter um maior conforto e qualidade de vida;  As dificuldades na aquisição de habitação, sobretudo nas cidades; Evolução da taxa de mortalidade em Portugal, entre 1990 e 2005 Factores responsáveis pela diminuição da taxa de mortalidade em Portugal:  Uma alimentação mais rica e saudável;  Intensificação dos cuidados de saúde e melhoria do saneamento básico;  Melhoria significativa nos hábitos de higiene pessoal;  Melhoria das condições de trabalho(menos horas e maior segurança); 11
  • 13.  Diminuição da taxa de analfabetismo; Principais mortes em Portugal:  Doenças provenientes do sistema circulatório;  Tumores malignos;  Sinistralidade rodoviária;  Propagação do VIH/SIDA Distribuição da taxa de mortalidade em Portugal, em 2001 Após a analise deste gráfico, podemos verificar que na zona do interior, a taxa de mortalidade é superior em relação á zona do interior, na zona do litoral norte, na nossa região (Aveiro) a taxa de mortalidade é relativamente baixa, com valores de cerca 6.5% e 8.4%, na região do Algarve, a taxa de mortalidade é média, com valores compreendidos entre 10.5% e 12.4%, a região do norte litoral é a que sofre menos. 12
  • 14. Evolução da taxa de mortalidade infantil em Portugal entre 1960 e 2005 Após a analise deste gráfico podemos verificar que Portugal, no ano de 1960, tinha uma taxa de mortalidade infantil com valores de cerca de 77,5%, isto significa que Portugal, tinha uma grande probabilidade de quando uma criança nascesse, morrer em pouco tempo. Desde o ano de 1960, até ao ano de 2005, a taxa de mortalidade infantil, foi diminuindo progressivamente, chegando a valores relativamente baixos, o que traduz uma melhoria das condições de saúde e de vida, na população portuguesa, desde o ano de 1960, até ao ano de 2005. 13
  • 15. Taxa de mortalidade infantil nos vários países da União Europeia em 2005 Após a analise deste gráfico, podemos verificar que o pais com a maior taxa de mortalidade infantil é a Roménia, com uma taxa de 15%, em segundo lugar vem a Bulgária, o pais com a menos taxa de mortalidade infantil é a Suécia, com valores de 2.4%, relativamente ao valor obtido pela Roménia, a Suécia encontra-se numa melhor situação, com uma grande diminuição da Roménia para a Bulgária, Portugal está pouco acima da Bulgária, com valores de 3.5%. Quando estas taxas de mortalidade infantil, são baixas, podemos concluir que houve uma melhor alimentação, houve um controlo de saúde através do método das vacinas e melhoria das condições de higiene. 14
  • 16. O ÍNDICE SINTÉTICO DE FECUNDIDADE EM ALGUNS PAÍSES DA UNIÃO EUROPEIA EM 1963-2001 Após a analise deste gráfico, podemos concluir que a Irlanda é o pais com uma maior índice sintético de fecundidade, com cerca de 4 filhos por mulher, valor em média, Portugal nem está numa má situação, a Grécia está pouco acima da linha média, 2.1 valor médio, é o pais com o índice sintético de fecundidade mais baixo, os valores referidos anteriormente são relativos ao ano de 1963, desde esse ano até ao ano de 2001, o índice sintético de fecundidade sofreu uma diminuição, nota-se a grande diferença de como era a vida anteriormente e a de hoje, todos os países se encontram abaixo da linha média, abaixo dos 2 filhos por mulher em média, isto é resultado das populações hoje em dia andarem mais informadas, usarem os métodos contraceptivos 15
  • 17. Numero de casamentos, 1990 e 2005 A taxa de nupcialidade é o numero médio de casamentos, por cada 1000 habitantes, numa determinada área e num determinado período de tempo. Após a análise deste gráfico, podemos verificar que no ano de 1990 era um elevado valor de número de casamentos, cerca de 70000 por cada mil habitantes, foi descendo até á data de 2005, onde obteve um valor de cerca de 50000 por cada mil habitantes aproximadamente. Evolução da taxa de divórcio EVOLUÇÃO DA TAXA DE DIVÓRCIO, % 1970-2005 3 2,5 2 1,5 1 0,5 0 16
  • 18. Após a analise deste gráfico, podemos concluir que Portugal a partir do ano de 2000 a taxa de divórcio aumentou, chegando aos 2.5%, até ao ano de 2000 verificou-se que a taxa de divórcio era baixa. A taxa de divórcio é o valor médio de divórcios, por cada 1000 habitantes, em determinada área num determinado intervalo de tempo. Evolução da idade média da mulher após nascimento do primeiro filho em Portugal, 1975 e 2005 Desde o ano de 1975 até ao ano de 2005, verificou-se que a mulher, após o nascimento do primeiro filho, viveria mais , a idade média chegava aos 28 anos em média, enquanto que em 1975 era de 24 anos, foi aumentando desde o passado, que até que no presente a mulher tem uma grande probabilidade de viver mais. 17
  • 19. Evolução da esperança média de vida em Portugal, 1975 e 2050 Após a analise deste gráfico podemos verificar que Portugal, ao ir avançando os anos, a sua população tem uma maior esperança média de vida, mas contudo, são as mulheres as vencedoras neste aspecto, elas tem uma maior esperança média de vida em relação aos homens, e vai sempre aumentando, existe uma projecção para o ano de 2050, com a esperança média de vida a alcançar perto dos 85 anos de idade. 18
  • 20. Esperança média de vida á nascença na união europeia em 2005 Após a analise deste gráfico podemos concluir que o pais com uma maior esperança média de vida é a Espanha com valores perto dos 84 anos, Portugal ocupa uma posição com uma esperança média de vida a rondar os 81 anos, isto no ano de 2005, mas como no gráfico anterior, as mulheres, tem uma maior esperança média de vida. Factores que provocam o aumento da esperança média de vida:  Progressos da medicina e tecnologia;  Melhoria dos hábitos de higiene pessoal;  Melhoria da assistência médica;  Melhoria das condições de trabalho; 19
  • 21. Taxa de mortalidade na União Europeia em 2005 Após a analise deste gráfico, podemos concluir acima de tudo, que o pais com a taxa de mortalidade mais elevada é a Bulgária, onde tem uma taxa de mortalidade com cerca de 14.6%, sendo a Irlanda o pais com a taxa de mortalidade, dentro da união europeia, ocupando cerca de 6.6%, Portugal como podemos verificar, tem uma taxa de mortalidade de 10.2%, a Alemanha tem uma taxa de mortalidade relativamente próxima da de Portugal com 10.1% de taxa de mortalidade. A França tem uma taxa de mortalidade normal, com 8.5%, relativamente à Irlanda é superior, quase 2% a mais. No caso do Reino Unido a taxa de mortalidade é de 9.7%. 20
  • 22. Evolução da população activa Nestes gráficos, podemos ver que mais de metade da população portuguesa, está inserida no sector de actividade terciário. Em 1950, o sector primário ocupa cerca de 50% da população activa, pois ainda não havia um grande nível de tecnologias, em 1970 o sector primário já era considerado um sector com menos de metade da população activa. O sector secundária sofreu algumas alterações devido ao facto de muitas empresas procurarem no estrangeiro, uma mão-de- 21
  • 23. obra mais barata. O sector terciário foi o que mais cresceu nos últimos ano, devido á melhoria das tecnologias, a melhoria do nível de vida, foi este sector que permitiu ás mulheres se integrarem no mercado de trabalho. Surgimento de novas profissões, expansão do comércio, desenvolvimento dos serviços públicos, a diversificação do turismo foram algumas das consequências provocadas pelo sector terciário. Evolução do desemprego Após a analise do gráfico acima , podemos fazer uma comparação entre a percentagem de mulheres desempregadas e os homens desempregados , verificamos que as mulheres têm uma maior percentagem no desemprego em relação aos homens, as mulheres rondam uma percentagem a rondar cerca de 9.1 % e os homens com menos 2%, ou seja, a rondar os 7.1 % , ambos os valores no ano de 2007, pelo que verificamos que Portugal sofre uma grande percentagem de população no desemprego. 22
  • 24. A região que sofre mais com o desemprego, sem duvida , é a região do norte como podemos verificar no gráfico acima , a chegar com valores de cerca de 190000 desempregados no ano de 2007, no ano de 1998 obteve uma quantidade de cerca de 1000000 desempregados, podemos verificar na zona norte o grande aumento da quantidade de desempregados dentro deste período de tempo(1998 e 2007). Na zona do centro, o desemprego já não é assim tão elevado , no ano de 2007 consegue rondar os valores de cerca de 925000 desempregados, no ano de 1998 obteve um valor de 400000 desempregados, neste caso , houve um aumento em relação aos dois anos , mas se fizermos uma breve comparação com a região norte , no norte o aumento foi maior. A região de Lisboa no ano de 2007 obteve valores com cerca de 125000 desempregados e no ano de 1998 cerca de 925000 desempregados, na região da capital portuguesa , o aumento não foi tão visível. 23
  • 25. Evolução do emprego Com este gráfico, podemos verificar que em ambos os dados, a percentagem de emprego, manteve-se sempre nos 60 %, não sofreu alterações , mínimas que pouco se notaram. 24
  • 26. Movimentos migratórios A mobilidade é uma característica de praticamente todos os seres vivos. Fundamentalmente as migrações são movimentos horizontais(deslocamentos), que tendem a um equilíbrio demográfico á superfície do globo, este equilíbrio, como é óbvio, é realizado inconscientemente, mas qualquer migração tende a estabelecer um determinado equilíbrio. Há uma interdependência entre estes movimentos horizontais e os movimentos verticais (crescimento natural – condicionados pela natalidade e mortalidade), sendo que, á medida que se acentuam os desequilíbrios demográficos regionais, maior é a tendência para que as populações efectuem movimentos migratórios. Considera-se fluxo migratório, todos aqueles grupos de pessoas que se deslocam do seu pais e/ou lugar de origem para outros locais á procura de melhores oportunidades e um melhor nível de vida. As migrações podem ser caracterizadas de 4 formas:  Quanto ao espaço;  Quanto á duração;  Quanto á forma;  Quanto ao controlo; Quanto ao espaço- são internas se os deslocamentos realizam-se de umas regiões para as outras, dentro do mesmo pais (êxodos rurais e urbanos) e externas ou internacionais se os deslocamentos se fazem de uma pais para outro (emigração/imigração). Quanto á duração- podem ser temporárias se a mudança é apenas por um determinado período de tempo. As definitivas são aquelas em que os indivíduos decidem ir para um determinado local, para ai se estabelecerem definitivamente, podendo eventualmente regressar após muitos anos. Quanto á forma- as migrações podem ser voluntárias, quando a decisão de se deslocar é do próprio individuo, ou seja, é iniciativa do individuo. Quando o 25
  • 27. individuo, apesar de não desejar fazer uma deslocação, se vê obrigado a faze- la, por diversos motivos, então, diz-se que a migração é forçada. Quanto ao controlo- se a migração é feita com autorização do pais de acolhimento, é uma migração legal. Se por outro lado o individuo entra (ou fica) num determinado pais sem nenhuma autorização (ou conhecimento) deste, diz-se que é clandestina ou ilegal. Principais causas ou motivos das migrações:  Económicas: provavelmente deverá ser a causa fundamental que leva as pessoas a migrarem, quase sempre resultante da diferença de desenvolvimento socioeconómico entre países ou entre regiões. Quase sempre, nestes casos, os indivíduos migram porque querem assegurar noutros locais um melhor nível de vida, onde os salários são mais elevados, as condições de trabalho menos pesadas, onde a assistência social é mais eficaz, enfim, vão para onde pensam ir encontrar uma vida mais agradável…. Por exemplo, hoje em dia muitos portugueses, estão a ir para a suíça , pois lá os rendimentos são elevados.  Naturais: dum modo geral, este motivo de migrações, leva a que sejam migrações forçadas, pois devido a causas naturais (cheias, terramotos, secas, vulcões…) a vida e sobrevivência das pessoas fica em risco, pelo que se vêem forçadas a abandonar os seus locais de residência.  Turísticas: são as que se efectuam normalmente, pela maioria das pessoas, em determinadas épocas (ou estações) do ano, que por isso mesmo, também são uma forma de migrações sazonais. São aquelas deslocações que se efectuam no período das férias de verão, natal, páscoa….  Laborais: são todas as deslocações que se efectuam por motivos profissionais. Podem também ser sazonais e dum modo geral, são temporárias. Um exemplo muito fácil de compreender, são os professores que se deslocam da sua residência para outras em pouco tempo.  Politicas: são dum modo geral migrações externas, que devido a mudanças nos governos de países, alguns habitantes se vêem forçados a saírem desse pais. 26
  • 28. Evolução do movimento migratório em portugal Emigrantes por países de destino, 1992/2003 Ao observamos este gráfico, verificamos que grande parte dos portugueses , procuram um melhor nível de vida e uma melhor qualidade de vida, principalmente em frança, a superar outros países, suíça vem logo em segundo lugar com um valor próximo dos que 27
  • 29. emigram para frança, Alemanha em terceiro pois é um pais com grande níveis de vida, e os portugueses procuram sempre alguma oportunidade. Evolução da população Portugal, incluindo os Arquipélagos dos Açores e Madeira tem uma população estimada em 10 632 482 pessoas (estimativa INE em 2009), representando uma densidade populacional de 114 pessoas por quilómetro quadrado. A língua oficial, dentro de Portugal e nos continentes, é o Português, apesar de algumas povoações de Miranda do douro, considerar o Mirandês, como uma língua, diferente do português. Actualmente a população portuguesa, está num crescimento natural, isto significa, a natalidade com subtracção da mortalidade, estamos hoje num fenómeno de envelhecimento da nossa população, a taxa de mortalidade é maior que a taxa de natalidade, morre muita gente, mas não nasce, o que provoca o aparecimento de novas gerações, não nos podemos esquecer, da esperança média de vida, que tem vindo a aumentar, tanto nos Homens e nas Mulheres, o que tem ajudado o envelhecimento das nossas gerações. Onde se regista um grande crescimento da população é nos distritos de Braga, Porto, Aveiro e Setúbal. Nos últimos tempos, a taxa de imigração tem vindo a aumentar, principalmente de povos vindos dos PALOP(países 28
  • 30. africanos de língua portuguesa), europeus de leste e sul americanos, principalmente brasileiros, residentes principalmente nas grandes cidades de Portugal (Porto e Lisboa). A emigração permanente têm tido resultados um pouco baixos, principalmente após a revolução do 25 de Abril e com a entrada na União Europeia, o fenómeno de migração atrai principalmente as regiões do metropolitano do Porto e Lisboa. 29
  • 31. Conclusão No final deste trabalho, queremos concluir que chegamos á conclusão que Portugal não está assim tão mal como a nossa sociedade portuguesa comenta, no quotidiano, em comparação com alguns países da união europeia, não nos podemos queixar que estamos mal, porque existem populações a viver muito pior que nós e sobrevivem, gostamos bastante de abordar este subtema, era um tema que gostávamos imenso de o abordar pois queríamos saber valores estatísticos acerca do nosso pais, com a ajuda da internet e livros sobretudo, com a ajuda do INE, conseguimos concluir este trabalho. 30
  • 32. Bibliografia Livro censos 2001, INE http://wapedia.mobi/pt/Austr%C3%ADaco http://www.pordata.pt/azap_runtime/?n=4 http://spot-informativo.blogspot.com/2010_09_19_archive.html http://pt.wikipedia.org/wiki/Demografia_de_Portugal http://geo10f.blogs.sapo.pt/2010/11/?page=1 http://www.nationmaster.com/country/gr-greece/Age-_distribution http://portalemprego.eu/abroad.php?abroadID=19 http://countrystudies.us/portugal/48.htm http://www.scielo.oces.mctes.pt/scielo.php?pid=S0003- 25732009000400004&script=sci_arttext http://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUE Sdest_boui=72384&DESTAQUESmodo=2 http://www.slideshare.net/guest27c000/a-populao-distribuio-da-populao-2- ano-presentation 31