SlideShare uma empresa Scribd logo
ALUNAS:
AMANDA CAMILO SILVA LEMOS
ANGÉLICA DOS SANTOS REIS
CURSO: GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM
PROF. CONRADO MARQUES
TURMA E-18
E.G.S.J. 69 anos , encontra-se em decúbito elevado fowler
45º, orientada, verbalizando, relata sede, em uso de SNE em
narina direita, com infusão de dieta enteral com vazão de
75ml. Faz uso de AVC em subclávia direita em soroterapia
SF 0,9%, com vazão. Ao exame físico:apresenta face e
mucosa hipocorada, lábios ressecados, pescoço com
linfonodos impalpáveis, com tórax normolíneo, na ausculta
respiratória: MV+em AHT, apresentava taquipnéia com FR:
46 rpm. Na AC: presença de sons arrítmicos , FC: 107 bpm,
PA: 117x67mm/Hg, SPO2: 98%, T:35ºC, Com leve
taquicardiA e hipotermia.
Abdome globoso sem abaulamento, doloroso à palpação,
em região hipogástrica, flanco esquerdo e ilíaca
esquerda,com presença de colostomia em região de
flanco esquerdo, incisão cirúrgica em região umbilical
com presença de curativo oclusivo.MMSS edemaciados e
hipercorados com pequenas lesões, cacifo ++/++++.
MMII escurecidos, unhas ressecadas, faz uso de fraldas
geriátricas. Segue monitorizada e assistida.
• 1- NEOPLASIA DE SIGMÓIDE
• 2- ARRITMIA
HISTÓRICO:
Os tumores do Cólon e reto são relativamente comuns; a área colorretal é
atualmente o terceiro local mais comum de novos casos de câncer e mortes
nos EUA. A incidência aumenta com a idade( a incidência é mais elevada
para as pessoas com 85 anos de idade) e é mais alta para as pessoas com uma
história familiar.
FISIOPATOLOGIA:
O câncer de colo e reto é predominantemente 95% a adenocarcinoma,
que se origina do revestimento epitelial do intestino. Ele pode começar com
um pólipo benigno, mas pode tornar-se maligno. Invadir e destruir os tecidos
normais e estender-se para estruturas circunvizinhas. As células cancerosas
podem desprender-se do tumor primário e disseminar-se para outras partes
do corpo(mais amiúde o fígado).
ECG PRÉ-OPERATÓRIA
O eletrocardiograma, como o próprio nome sugere, é um exame que permite a avaliação elétrica da
atividade cardíaca (potenciais elétricos) e da sua condução, registrada em gráficos que são
comparados com gráficos padrão e que indicam, assim, o estado de normalidade ou de alteração
dos músculos e nervos do coração
GASOMETRIA: PERMITE AVALIAR OS NÍVEIS DE GASES NO SANGUE
GLICEMIA CAPILAR
O teste de glicemia capilar possibilita conhecer os níveis de glicemia durante o dia, em momentos que
interessam para acompanhar e avaliar a eficiência do plano alimentar, da medicação oral e
principalmente da administração de insulina, assim como orientar as mudanças no tratamento.
1-CEFTRIAXONA
Apresentação:
• Pó para solução injetável. Frasco Ampolas com pó estéril.1g;
• Indicações= Infecções causadas por germes sensíveis à ceftrioxona, como,
por exemplo: infecções intra-abodominais(peritonite, infecção do trato gastrintestinal e biliar.
Profilaxia de infecções pré-operatória.
Uso: IM /IV
• GRUPO: Cefalosporinas
2-METRONIDAZOL
Apresentação:
Comprimido 250 mg e 400 mg.
• Solução injetável 500 mg (uso hospitalar).
• Suspensão oral 40 mg/mL.
• Creme vaginal 5%.
• Tratamento de infecções por bactérias anaeróbias (Peptococcus, Peptostreptococcus, Veillonella, Clostridium,
incluindo Clostridium difficile, Fusobacterium e Bacteroides, incluindo Bacteroides fragilis, Gardnerella vaginalis, Helicobacter
pylori e Campylobacter fetus).
• Tratamento de infecções por protozoários anaeróbios (Entamoeba histolytica, Giardia lamblia, Trichomonas vaginalis e
Balantidium coli).
• Erradicação de Helicobacter pylori no tratamento de úlcera péptica (com antimicrobianos e anti-secretores).
3-TRAMAL
 Cloridrato de tramadol – Analgésico narcótico
 Apresentações :Comprimidos - Cápsulas - Gotas - Injetável - Solução -
Supositórios Comprimidos (retard) 100 mg - caixas contendo 10
comprimidos. Cápsulas 50 mg - caixas contendo 10 cápsulas.Gotas 100 mg/ml - frascos contendo
10 ml da solução. Solução injetável 50 mg - caixas contendo 6 ampolas. Solução injetável 100 mg
- caixas contendo 6
Supositórios - caixas contendo 5 supositórios ampolas.
Comprimidos de 100 mg, cápsulas de 50 mg, gotas de 100mg/ml, injetável de 50 e 100 mg.
4-PLASIL
• Cloridrato de Metoclopramida
– Anti- emético, utilizado contra enjôos e vômitos
- Comprimido 10 mg: embalagem com 20
 Uso em pacientes diabéticos
A estase gástrica (dificuldade de esvaziamento gástrico) pode ser responsável pela dificuldade no
controle de alguns diabéticos. A insulina administrada pode começar a agir antes que os alimentos
tenham saído doestômago e levar a uma queda dos níveis de açúcar no sangue (hipoglicemia).
Tendo em vista que a metoclopramida pode acelerar o trânsito alimentar do estômago para o
intestino e, consequentemente, a porcentagem de absorção de substâncias, a dose de insulina e o
tempo de administração podem necessitar de ajustes em pacientes diabéticos.
5-DIPIRONA
Analgésico, antipirético
 Apresentação:
• comprimdos, frascos de solução oral (gts).
• Frascos com solução com solução oral+ medida graduada.
• Ampolas de 1ml, 2ml, ou 5ml de suloção injetável.
• Uso: VO, IM, IV ou retal
6- INSULINA REGULAR
 Apresentação:
Suspensão injetável 100 UI/mL (NPH).
Solução injetável 100 UI/ mL (Regular).
Tratamento de diabetes melito tipo 1.
 Tratamento de diabetes melito tipo 2 em pacientes não controlados com dieta e antidiabéticos orais.
 Tratamento de cetoacidose, coma hiperosmolar e na vigência de cirurgia, infecção ou traumatismo
em diabéticos de tipos 1 e 2.
MOTILIDADE
GASTRINTESTINAL
DISFUNCIONAL
DEGLUTIÇÃO
PREJUDICADA
MOBILIDADE
NO LEITO
PREJUDICADA
RISCO DE
CONSTIPAÇÃO
PADRÃO DE
SONO
PREJUDICADO
INTEGRIDADE
DA PELE
PREJUDICADA
CONFORTO
PREJUDICADO HIPOTERMIA
1-MOTILIDADE GASTRINTESTINAL DISFUNCIONAL
DIAGNÓSTICO DE
ENFERMAGEM
NANDA
METAS INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM
NIC
1-Motilidade gastrintestinal
disfuncional relacionado a
cirurgia, evidenciado por
distensão abdominal e sons
intestinais hipoativos.
1-Melhorar a
motilidade
gastrintestinal.
1-Monitorar os movimentos intestinais, inclusive
frequência, consistência, volume e cor, conforme
apropriado.
2-Monitorar ruídos intestinais.
3-Monitorar a ocorrência de sinais e sintomas de
diarréia, constipação e impactção.
4-Orientar o paciente/familiares sobre alimentos
específicos que ajudam a promover a regularidade
intestinal.
2-Deglutição Prejudicada
relacionado a alimentação
por sonda evidenciado por
dificuldade de deglutir
1-Melhorar
deglutição
1-Colaborar com outros membros da equipe
muldisciplinar de cuidados de saúde(fono. nutricionista.,
terapeuta ocupacional) para continuidade ao plano de
reabilitação do paciente.2-
2-Ajudar a manter a posição sentada por 30 minutos após
cocluída a refeição.
3-Monitorar o peso do corpo.
4- Monitorar os movimentos da língua do paciente
enquanto se alimenta.
5-Orientar o paciente a abrir e fechar e a boca,
preparando para a manipulação de alimentos.
DIAGNÓSTICOS DE
ENFERMAGEM
METAS INTERVENÇÕES DE
ENFERMAGEM
3-Mobilidade no leito
prejudicada relacionada a força
muscular insuficiente
evidenciado pela dificuldade de
mover-se da posição supina
para posição sentada.
1-Mobilidade normalizada
regularizada
1- Encorajar a sentar na cama, na
lateral, ou em poltronas, conforme a
tolerância
2- Encorajar a deambulação se
adequado.
3- Vestir o paciente com roupas
folgadas.
4- Cooperar com Fisioterapeuta no
desenvolvimento execução de um
programa de exercício.
4-Padrão de sono Prejudicado
relacionado a imobilização
física evidenciado por relato de
dificuldade para dormir.
1- Padrão de sono
adequado
1-Aproximar o ciclo regular de sono/
vigília do paciente no planejamento
dos cuidados.
2-Determinar os efeitos dos
medicamentos de paciente sobre o
padrão de sono.
3- Adaptar o ambiente(p. ex.
iluminação, ruído, temperatura,
colchão e cama) para promover o sono.
4-Monitorar/registrar o padrão de
sono e o número de horas de sono do
paciente
DIAGNÓSTICOS DE
ENFERMAGEM
METAS INTERVENÇÕES DE
ENFERMAGEM
5-Risco de Constipação
relacionada a atividade física
insuficiente, evidenciado por
cirurgia.
1-Melhorar trânsito
intestinal.
1-Monitorar o aparecimento de sinais e
sinto mas de constipação.
2-Encorajar o aumento da ingestão de
líquidos, a menos que contraindicado.
3-Monitorar os movimentos intestinais.
4-Avaliar a ingestão registrada quanto
ao conteúdo nutricional.
5-Orientar paciente/família para
registrar cor,, volume, frequência e
consistência das fezes.
6-Integridade da pele
prejudicada relacionada a
imobilidade no leito
evidenciado por Úlcera por
pressão.
1- Tornar pele integra. 1-Limpar com sabonete bactericia,
conforme apropriado.
2-Oferecer suporte a áreas
edemaciados, conforme apropriado.
3-Aplicar fraldas mais frouxas.
4-Aplicar emolientes a áreas afetadas.
5- examinar diariamente a pele em
pessoas com risco d degradação
6- Documentar o grau de degradação
da pele.
DIAGNÓSTICOS DE
ENFERMAGEM
METAS INTERVENÇÕES DE
ENFERMAGEM
7-Conforto prejudicado,
relacionado a falta percebida de
sensação de conforto
evidenciado por relatos de fome
e sede.
1-Restabelecer condição de
conforto.
1- Monitorar sensações de
saciedade, náuseas e vômitos.
2-Monitorar a condições de
líquidos e eletrólitos
3-Oferecer cuidados á pele em
torno do local de inserção da
sonda..
4-Irrigar a sonda de acordo com
o protocolo da agência.
5-Reinstalar sonda sempre que
necessário.
8-Hipotermia relacionado
palidez e pele fria evidenciado
pela temperatura corporal
abaixo dos parâmetros normais.
1- Padrão de temperatura
adequada.
1-Monitorar a temperatura
corporal a dias horas.
2-Promover a ingestão adequada
de líquidos e nutrientes.
3-Administrar a medicação
antipirética , conforme
apropriado.
3-Monitorar pressão
sanguínea,pulso e respiração.
DISTÚRBIO DO RITMO CARDÍACO
• ORIGEM
• FORMAÇÃO ALTERADA DO IMPULSO NERVOSO
• ALTERAÇÃO NA CONDUÇÃO DO IMPULSO
• CAUSAS
• INSUFICIÊNCIA CARDÍACA
• IAM
• DROGAS
• ÁLCOOL
• TABAGISMO
• ANSIEDADE
• MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
• PALPITAÇÕES
• FADIGA
• TONTURA
• DISPNEIA
• DOR
• TAQUICARDIA
DISTÚRBIO DO RITMO CARDÍACO
• DIAGNÓSTICO
• ECG
• ECOCARDIOGRAMA
• CLÍNICO
• TRATAMENTO
• MEDICAMENTOSO
• CIRÚRGICO
• CLEXANE (ENOXOPARINA)
• ANTICOAGULANTE
• INIBE A CONVERSÃO DE FIBRINOGÊNIO EM FIBRINA
• DIMINUI RISCO DE TROMBOSE VENOSA
• SC
• SANGRAMENTO, HEMATOMAS, PETÉQUIAS,
EPISTAXE, MELENA, HEMATÚRIA
• LOSARTANA POTÁSSICA (LOZARTAN)
• BLOQUEADOR DA ANGIOTENSINA II
• VASODILATAÇÃO DIRETA E IMPEDE O AUMENTO DA
PRODUÇÃO DE ALDOSTERONA
• VIA ORAL
• MONITORIZAR HIPOTENSÃO E DESEQUILÍBRIO
HIDROELETROLÍTICO
• CARVEDILOL (DIVELOL)
• BETA-BLOQUEADOR NÃO SELETIVO
• EFEITO ANTIARRITMICO E VASODILATADOR
• VIA ORAL
• MONITORAR SINAIS DE DISFUNÇÃO HEPÁTICA-
URINA ESCURA, ICTERÍCIA
• ÁCIDO ACETILSALICÍLICO (ASPIRINA)
• AINE- ANTIINFLAMATÓRIO, ANALGÉSICO,ANTIPIRÉTICO
E ANTIPLAQUETÁRIO
• DIMINUI CAPACIDADE DE AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA,
INIBINDO A COX-1.
• VIA ORAL
• SANGRAMENTO, HEMATOMAS, PETÉQUIAS,
EPISTAXE, MELENA, HEMATÚRIA
• ESPIRONOLACTONA (ALDACTONE)
• DIURÉTICO POUPADOR DE POTÁSSIO
• ANTAGONISTA DA ALDOSTERONA
• VIA ORAL
• INTERAÇÃO COM INIBIDORES DA ECA
• CEDILANIDE (DESLANOL)
• ANTIARRÍTMICO
• AUMENTA CONTRATILIDADE E DIMINUI FREQUÊNCIA
CARDÍACA, PROLONGA O PERÍODO REFRATÁRIO A-V
• EV
• DILUIR EM SF 0,9%
DÉBITO CARDÍACO
DIMINUÍDO
TROCA DE
GASES
PREJUDICADA
PERFUSÃO
TISSULAR
PERIFÉRICA
INEFICAZ
VOLUME DE
LÍQUIDOS
EXCESSIVO
PADRÃO DE
SONO
PREJUDICADO
FADIGA
CONFORTO
PREJUDICADO ANSIEDADE
DIAGNÓSTICOS DE
ENFERMAGEM
METAS INTERVENÇÕES DE
ENFERMAGEM
1-Débito cardíaco diminuído
relacionado à freq. Cardíaca
alterada, evidenciado por
arritmia.
1- Melhorar o débito
cardíaco.
1- Monitorar a resposta do paciente aos
medicamentos antiarritmicos.
2- Avaliar circulação
periférica(enchimento capilar, edema,
pulso periféricos).
3- Monitorar ocorrência de fadiga e
taquipneia.
4- Monitorar SSVV com frequência.
2-Volume de líquidos excessivo
relacionado a mecanismos
reguladores comprometidos,
evidenciado por edema e
oligúria.
1- Regular o balanço
hídrico.
1-Monitorar o estado de hidratação de
pele e mucosas.
2-Monitorar o equilíbrio de
líquidos(ingestão/eliminação).
3-Pesar as fraldas.
4-Monitorar/registrar a localização e
extensão do edema.
5-Distribuir a ingestão de líquidos ao
longo das 24h, conforme apropriado.
3-Troca de gases prejudicada
relacionado ao desequilíbrio na
ventilação-perfusão,
evidenciado por taquipneia.
1-Melhorar a troca de
gases.
1-Auxiliar com mudanças de posição.
2-Monitorar o estado respiratório e a
oxigenação.
3-Encorajar a respiração profunda e
lenta.
4-Manter vias aéreas desobstruídas.
DIAGNÓSTICOS DE
ENFERMAGEM
METAS INTERVENÇÕES DE
ENFERMAGEM
4-Fadiga relacionado a
condição física, evidenciado
por relato de cansaço.
1- Diminuir a fadiga. 1-Manter repouso no leito
2-Limitar estímulos ambientais para
facilitar relaxamento.
3-Monitorar a ingestão nutricional
para garantir recursos energéticos
adequados.
4-Evitar atividades de cuidados
durante os períodos de descanso.
5-Perfusão tissular periférica
ineficaz relacionado a
imobilidade no leito,
evidenciado por UPP.
1- Melhorar perfusão
tissular periférica.
1-Descrever características da
úlcera(tamanho, estágio, exsudato,
localização, tecido granular ou
necrosado).
2-Monitorar cor, temperatura, edema,
umidade e aparência da pele ao redor
da úlcera.
3-Aplicar curativos, conforme
apropriado.
4-Mudança de decúbito a cada 2h.
6-Ansiedade relacionado ao
estado de saúde, evidenciado
por relato de preocupação.
1-Reduzir a ansiedade. 1- Escutar o paciente com atenção.
2-Encorajar a expressão de
sentimentos.
3-Oferecer informações reais sobre o
tratamento.
Bulechek, G. M., Butcher, H. K., Dochterman, J.M.(2010), NIC. Classificação das
Intervenções de Enfermagem, 5 edição. Rio de Janeiro.
Brunner e Suddarth, Tratado de Enfermagem Médico- Cirurgia, Volume 1, 10º edição,
editora Guanabara,2005
NANDA, Internacional Diagnósticos de Enfermagem da Nanda, 2009/2011.
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanenteGerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
Aroldo Gavioli
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
universitária
 
Anotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagemAnotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagem
Guiomar Dutra Lima
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
resenfe2013
 
Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
lacmuam
 
Evolução de enfermagem
Evolução de enfermagemEvolução de enfermagem
Evolução de enfermagem
Jonathan Silva
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
Janaína Lassala
 
Planejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagemPlanejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagem
Daniel Félix dos Santos
 
Diagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemDiagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagem
resenfe2013
 
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
Jonathan Sampaio
 
Evolução de UTI
Evolução de UTIEvolução de UTI
Evolução de UTI
Daniel Valente
 
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impressoAnotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Fabricio Marques Moreira
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
Ivanete Dias
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagem
danilo oliveira
 
Caso Clínico SAE
Caso Clínico SAECaso Clínico SAE
Caso Clínico SAE
Patricia Cardoso
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicas
Marci Oliveira
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
resenfe2013
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Rodrigo Abreu
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Heberth Macedo
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
Conceição Quirino
 

Mais procurados (20)

Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanenteGerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 
Anotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagemAnotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagem
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
 
Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
 
Evolução de enfermagem
Evolução de enfermagemEvolução de enfermagem
Evolução de enfermagem
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Planejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagemPlanejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagem
 
Diagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemDiagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagem
 
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
 
Evolução de UTI
Evolução de UTIEvolução de UTI
Evolução de UTI
 
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impressoAnotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagem
 
Caso Clínico SAE
Caso Clínico SAECaso Clínico SAE
Caso Clínico SAE
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicas
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
 

Destaque

enfermagem saúde do adulto estudo de caso craniofaringioma
enfermagem saúde do adulto estudo de caso craniofaringiomaenfermagem saúde do adulto estudo de caso craniofaringioma
enfermagem saúde do adulto estudo de caso craniofaringioma
luzienne moraes
 
Estudo de caso 01
Estudo de caso 01Estudo de caso 01
Estudo de caso 01
Rafael Camara
 
Sae slaide
Sae slaideSae slaide
enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso
luzienne moraes
 
Aula inicial saude do adulto regras
Aula inicial saude do adulto regrasAula inicial saude do adulto regras
Aula inicial saude do adulto regras
Enfermagem2008
 
Náusea e vômito: Assistência de enfermagem
Náusea e vômito: Assistência de enfermagem Náusea e vômito: Assistência de enfermagem
Náusea e vômito: Assistência de enfermagem
Jonathan Sampaio
 
Saúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagemSaúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagem
Centro Universitário Ages
 
2007 transplante hepático diagnósticos de enfermagem segundo a nanda em pacie...
2007 transplante hepático diagnósticos de enfermagem segundo a nanda em pacie...2007 transplante hepático diagnósticos de enfermagem segundo a nanda em pacie...
2007 transplante hepático diagnósticos de enfermagem segundo a nanda em pacie...
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Apendicite
ApendiciteApendicite
Apendicite
Romeu Gonzaga
 
Análise de Polimorfismo Gênico para Estudo do Câncer .Jeu /LAEO 2016
Análise de Polimorfismo Gênico para Estudo do Câncer .Jeu /LAEO 2016Análise de Polimorfismo Gênico para Estudo do Câncer .Jeu /LAEO 2016
Análise de Polimorfismo Gênico para Estudo do Câncer .Jeu /LAEO 2016
Angelica Reis Angel
 
Protocolo de me
Protocolo de meProtocolo de me
Protocolo de me
Angelica Reis Angel
 
Sumário de Situação Paciente ( idoso)
Sumário de Situação Paciente ( idoso)Sumário de Situação Paciente ( idoso)
Sumário de Situação Paciente ( idoso)
luzienne moraes
 
Poster enenge 2015 (1)
Poster enenge 2015 (1)Poster enenge 2015 (1)
Poster enenge 2015 (1)
Angelica Reis Angel
 
Etilismo Crônico
Etilismo CrônicoEtilismo Crônico
Etilismo Crônico
Julio Cesar Matias
 
Câncer de intestino laeo (3)
Câncer de intestino   laeo (3)Câncer de intestino   laeo (3)
Câncer de intestino laeo (3)
Angelica Reis Angel
 
Assistência de Enfermagem nas feridas tumorais
Assistência de Enfermagem nas feridas tumoraisAssistência de Enfermagem nas feridas tumorais
Assistência de Enfermagem nas feridas tumorais
Vivi Medeiros
 
Placenta Previa
Placenta PreviaPlacenta Previa
Placenta Previa
Maria de Fatima Sakamoto
 
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - AdrianaAula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
SMS - Petrópolis
 
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICAQUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
Eliezer Farias de Mello
 
SAÚDE DO ADULTO I
SAÚDE DO ADULTO ISAÚDE DO ADULTO I
SAÚDE DO ADULTO I
Laíz Coutinho
 

Destaque (20)

enfermagem saúde do adulto estudo de caso craniofaringioma
enfermagem saúde do adulto estudo de caso craniofaringiomaenfermagem saúde do adulto estudo de caso craniofaringioma
enfermagem saúde do adulto estudo de caso craniofaringioma
 
Estudo de caso 01
Estudo de caso 01Estudo de caso 01
Estudo de caso 01
 
Sae slaide
Sae slaideSae slaide
Sae slaide
 
enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso
 
Aula inicial saude do adulto regras
Aula inicial saude do adulto regrasAula inicial saude do adulto regras
Aula inicial saude do adulto regras
 
Náusea e vômito: Assistência de enfermagem
Náusea e vômito: Assistência de enfermagem Náusea e vômito: Assistência de enfermagem
Náusea e vômito: Assistência de enfermagem
 
Saúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagemSaúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagem
 
2007 transplante hepático diagnósticos de enfermagem segundo a nanda em pacie...
2007 transplante hepático diagnósticos de enfermagem segundo a nanda em pacie...2007 transplante hepático diagnósticos de enfermagem segundo a nanda em pacie...
2007 transplante hepático diagnósticos de enfermagem segundo a nanda em pacie...
 
Apendicite
ApendiciteApendicite
Apendicite
 
Análise de Polimorfismo Gênico para Estudo do Câncer .Jeu /LAEO 2016
Análise de Polimorfismo Gênico para Estudo do Câncer .Jeu /LAEO 2016Análise de Polimorfismo Gênico para Estudo do Câncer .Jeu /LAEO 2016
Análise de Polimorfismo Gênico para Estudo do Câncer .Jeu /LAEO 2016
 
Protocolo de me
Protocolo de meProtocolo de me
Protocolo de me
 
Sumário de Situação Paciente ( idoso)
Sumário de Situação Paciente ( idoso)Sumário de Situação Paciente ( idoso)
Sumário de Situação Paciente ( idoso)
 
Poster enenge 2015 (1)
Poster enenge 2015 (1)Poster enenge 2015 (1)
Poster enenge 2015 (1)
 
Etilismo Crônico
Etilismo CrônicoEtilismo Crônico
Etilismo Crônico
 
Câncer de intestino laeo (3)
Câncer de intestino   laeo (3)Câncer de intestino   laeo (3)
Câncer de intestino laeo (3)
 
Assistência de Enfermagem nas feridas tumorais
Assistência de Enfermagem nas feridas tumoraisAssistência de Enfermagem nas feridas tumorais
Assistência de Enfermagem nas feridas tumorais
 
Placenta Previa
Placenta PreviaPlacenta Previa
Placenta Previa
 
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - AdrianaAula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
 
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICAQUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
 
SAÚDE DO ADULTO I
SAÚDE DO ADULTO ISAÚDE DO ADULTO I
SAÚDE DO ADULTO I
 

Semelhante a Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede

Esstudo de caso obstruçao intestinal- Enfermagem
Esstudo de caso obstruçao intestinal- EnfermagemEsstudo de caso obstruçao intestinal- Enfermagem
Esstudo de caso obstruçao intestinal- Enfermagem
Evelyn Monte
 
Caso Clínico
Caso ClínicoCaso Clínico
Caso Clínico
Laryssa Machado
 
Síndromes Abdominais
Síndromes AbdominaisSíndromes Abdominais
Síndromes Abdominais
dapab
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Trab sae final
Trab sae finalTrab sae final
Trab sae final
Juliana Barony
 
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIAESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
Ivanilson Gomes
 
Apresentação de Caso Clínico Professor Robson
Apresentação de Caso Clínico Professor RobsonApresentação de Caso Clínico Professor Robson
Apresentação de Caso Clínico Professor Robson
Professor Robson
 
parasitoses
parasitosesparasitoses
parasitoses
Tedson Murillo
 
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencialDor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
Laped Ufrn
 
Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.
Mariana Andrade
 
patologia-esofagica.pdf
patologia-esofagica.pdfpatologia-esofagica.pdf
patologia-esofagica.pdf
RobertJnior
 
Nauseas e vomitos
Nauseas e vomitosNauseas e vomitos
Nauseas e vomitos
Fernando de Oliveira Dutra
 
Endometriose
EndometrioseEndometriose
Endometriose
Clínica Fecondare
 
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Marcela Lago
 
Semiologia 11 urologia - semiologia urológica pdf
Semiologia 11   urologia - semiologia urológica pdfSemiologia 11   urologia - semiologia urológica pdf
Semiologia 11 urologia - semiologia urológica pdf
Jucie Vasconcelos
 
Úlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagem
Úlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagemÚlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagem
Úlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagem
Samuel Olivera
 
38 manutenção de sondas e cuidados na administração
38   manutenção de sondas e cuidados na administração38   manutenção de sondas e cuidados na administração
38 manutenção de sondas e cuidados na administração
ONCOcare
 
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA ORAL
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA  ORALTERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA  ORAL
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA ORAL
douglas870578
 
Patologias abdominais
Patologias abdominaisPatologias abdominais
Patologias abdominais
Débora Souto
 
Nutrição do paciente oncológico.pptx
Nutrição do paciente oncológico.pptxNutrição do paciente oncológico.pptx
Nutrição do paciente oncológico.pptx
LarissaCampos96
 

Semelhante a Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede (20)

Esstudo de caso obstruçao intestinal- Enfermagem
Esstudo de caso obstruçao intestinal- EnfermagemEsstudo de caso obstruçao intestinal- Enfermagem
Esstudo de caso obstruçao intestinal- Enfermagem
 
Caso Clínico
Caso ClínicoCaso Clínico
Caso Clínico
 
Síndromes Abdominais
Síndromes AbdominaisSíndromes Abdominais
Síndromes Abdominais
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Nutrição
 
Trab sae final
Trab sae finalTrab sae final
Trab sae final
 
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIAESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
 
Apresentação de Caso Clínico Professor Robson
Apresentação de Caso Clínico Professor RobsonApresentação de Caso Clínico Professor Robson
Apresentação de Caso Clínico Professor Robson
 
parasitoses
parasitosesparasitoses
parasitoses
 
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencialDor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
 
Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.
 
patologia-esofagica.pdf
patologia-esofagica.pdfpatologia-esofagica.pdf
patologia-esofagica.pdf
 
Nauseas e vomitos
Nauseas e vomitosNauseas e vomitos
Nauseas e vomitos
 
Endometriose
EndometrioseEndometriose
Endometriose
 
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
 
Semiologia 11 urologia - semiologia urológica pdf
Semiologia 11   urologia - semiologia urológica pdfSemiologia 11   urologia - semiologia urológica pdf
Semiologia 11 urologia - semiologia urológica pdf
 
Úlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagem
Úlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagemÚlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagem
Úlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagem
 
38 manutenção de sondas e cuidados na administração
38   manutenção de sondas e cuidados na administração38   manutenção de sondas e cuidados na administração
38 manutenção de sondas e cuidados na administração
 
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA ORAL
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA  ORALTERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA  ORAL
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA ORAL
 
Patologias abdominais
Patologias abdominaisPatologias abdominais
Patologias abdominais
 
Nutrição do paciente oncológico.pptx
Nutrição do paciente oncológico.pptxNutrição do paciente oncológico.pptx
Nutrição do paciente oncológico.pptx
 

Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede

  • 1. ALUNAS: AMANDA CAMILO SILVA LEMOS ANGÉLICA DOS SANTOS REIS CURSO: GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM PROF. CONRADO MARQUES TURMA E-18
  • 2. E.G.S.J. 69 anos , encontra-se em decúbito elevado fowler 45º, orientada, verbalizando, relata sede, em uso de SNE em narina direita, com infusão de dieta enteral com vazão de 75ml. Faz uso de AVC em subclávia direita em soroterapia SF 0,9%, com vazão. Ao exame físico:apresenta face e mucosa hipocorada, lábios ressecados, pescoço com linfonodos impalpáveis, com tórax normolíneo, na ausculta respiratória: MV+em AHT, apresentava taquipnéia com FR: 46 rpm. Na AC: presença de sons arrítmicos , FC: 107 bpm, PA: 117x67mm/Hg, SPO2: 98%, T:35ºC, Com leve taquicardiA e hipotermia.
  • 3. Abdome globoso sem abaulamento, doloroso à palpação, em região hipogástrica, flanco esquerdo e ilíaca esquerda,com presença de colostomia em região de flanco esquerdo, incisão cirúrgica em região umbilical com presença de curativo oclusivo.MMSS edemaciados e hipercorados com pequenas lesões, cacifo ++/++++. MMII escurecidos, unhas ressecadas, faz uso de fraldas geriátricas. Segue monitorizada e assistida.
  • 4. • 1- NEOPLASIA DE SIGMÓIDE • 2- ARRITMIA
  • 5. HISTÓRICO: Os tumores do Cólon e reto são relativamente comuns; a área colorretal é atualmente o terceiro local mais comum de novos casos de câncer e mortes nos EUA. A incidência aumenta com a idade( a incidência é mais elevada para as pessoas com 85 anos de idade) e é mais alta para as pessoas com uma história familiar. FISIOPATOLOGIA: O câncer de colo e reto é predominantemente 95% a adenocarcinoma, que se origina do revestimento epitelial do intestino. Ele pode começar com um pólipo benigno, mas pode tornar-se maligno. Invadir e destruir os tecidos normais e estender-se para estruturas circunvizinhas. As células cancerosas podem desprender-se do tumor primário e disseminar-se para outras partes do corpo(mais amiúde o fígado).
  • 6. ECG PRÉ-OPERATÓRIA O eletrocardiograma, como o próprio nome sugere, é um exame que permite a avaliação elétrica da atividade cardíaca (potenciais elétricos) e da sua condução, registrada em gráficos que são comparados com gráficos padrão e que indicam, assim, o estado de normalidade ou de alteração dos músculos e nervos do coração GASOMETRIA: PERMITE AVALIAR OS NÍVEIS DE GASES NO SANGUE GLICEMIA CAPILAR O teste de glicemia capilar possibilita conhecer os níveis de glicemia durante o dia, em momentos que interessam para acompanhar e avaliar a eficiência do plano alimentar, da medicação oral e principalmente da administração de insulina, assim como orientar as mudanças no tratamento.
  • 7. 1-CEFTRIAXONA Apresentação: • Pó para solução injetável. Frasco Ampolas com pó estéril.1g; • Indicações= Infecções causadas por germes sensíveis à ceftrioxona, como, por exemplo: infecções intra-abodominais(peritonite, infecção do trato gastrintestinal e biliar. Profilaxia de infecções pré-operatória. Uso: IM /IV • GRUPO: Cefalosporinas 2-METRONIDAZOL Apresentação: Comprimido 250 mg e 400 mg. • Solução injetável 500 mg (uso hospitalar). • Suspensão oral 40 mg/mL. • Creme vaginal 5%. • Tratamento de infecções por bactérias anaeróbias (Peptococcus, Peptostreptococcus, Veillonella, Clostridium, incluindo Clostridium difficile, Fusobacterium e Bacteroides, incluindo Bacteroides fragilis, Gardnerella vaginalis, Helicobacter pylori e Campylobacter fetus). • Tratamento de infecções por protozoários anaeróbios (Entamoeba histolytica, Giardia lamblia, Trichomonas vaginalis e Balantidium coli). • Erradicação de Helicobacter pylori no tratamento de úlcera péptica (com antimicrobianos e anti-secretores).
  • 8. 3-TRAMAL  Cloridrato de tramadol – Analgésico narcótico  Apresentações :Comprimidos - Cápsulas - Gotas - Injetável - Solução - Supositórios Comprimidos (retard) 100 mg - caixas contendo 10 comprimidos. Cápsulas 50 mg - caixas contendo 10 cápsulas.Gotas 100 mg/ml - frascos contendo 10 ml da solução. Solução injetável 50 mg - caixas contendo 6 ampolas. Solução injetável 100 mg - caixas contendo 6 Supositórios - caixas contendo 5 supositórios ampolas. Comprimidos de 100 mg, cápsulas de 50 mg, gotas de 100mg/ml, injetável de 50 e 100 mg. 4-PLASIL • Cloridrato de Metoclopramida – Anti- emético, utilizado contra enjôos e vômitos - Comprimido 10 mg: embalagem com 20  Uso em pacientes diabéticos A estase gástrica (dificuldade de esvaziamento gástrico) pode ser responsável pela dificuldade no controle de alguns diabéticos. A insulina administrada pode começar a agir antes que os alimentos tenham saído doestômago e levar a uma queda dos níveis de açúcar no sangue (hipoglicemia). Tendo em vista que a metoclopramida pode acelerar o trânsito alimentar do estômago para o intestino e, consequentemente, a porcentagem de absorção de substâncias, a dose de insulina e o tempo de administração podem necessitar de ajustes em pacientes diabéticos.
  • 9. 5-DIPIRONA Analgésico, antipirético  Apresentação: • comprimdos, frascos de solução oral (gts). • Frascos com solução com solução oral+ medida graduada. • Ampolas de 1ml, 2ml, ou 5ml de suloção injetável. • Uso: VO, IM, IV ou retal 6- INSULINA REGULAR  Apresentação: Suspensão injetável 100 UI/mL (NPH). Solução injetável 100 UI/ mL (Regular). Tratamento de diabetes melito tipo 1.  Tratamento de diabetes melito tipo 2 em pacientes não controlados com dieta e antidiabéticos orais.  Tratamento de cetoacidose, coma hiperosmolar e na vigência de cirurgia, infecção ou traumatismo em diabéticos de tipos 1 e 2.
  • 10. MOTILIDADE GASTRINTESTINAL DISFUNCIONAL DEGLUTIÇÃO PREJUDICADA MOBILIDADE NO LEITO PREJUDICADA RISCO DE CONSTIPAÇÃO PADRÃO DE SONO PREJUDICADO INTEGRIDADE DA PELE PREJUDICADA CONFORTO PREJUDICADO HIPOTERMIA
  • 11. 1-MOTILIDADE GASTRINTESTINAL DISFUNCIONAL DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM NANDA METAS INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM NIC 1-Motilidade gastrintestinal disfuncional relacionado a cirurgia, evidenciado por distensão abdominal e sons intestinais hipoativos. 1-Melhorar a motilidade gastrintestinal. 1-Monitorar os movimentos intestinais, inclusive frequência, consistência, volume e cor, conforme apropriado. 2-Monitorar ruídos intestinais. 3-Monitorar a ocorrência de sinais e sintomas de diarréia, constipação e impactção. 4-Orientar o paciente/familiares sobre alimentos específicos que ajudam a promover a regularidade intestinal. 2-Deglutição Prejudicada relacionado a alimentação por sonda evidenciado por dificuldade de deglutir 1-Melhorar deglutição 1-Colaborar com outros membros da equipe muldisciplinar de cuidados de saúde(fono. nutricionista., terapeuta ocupacional) para continuidade ao plano de reabilitação do paciente.2- 2-Ajudar a manter a posição sentada por 30 minutos após cocluída a refeição. 3-Monitorar o peso do corpo. 4- Monitorar os movimentos da língua do paciente enquanto se alimenta. 5-Orientar o paciente a abrir e fechar e a boca, preparando para a manipulação de alimentos.
  • 12. DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM METAS INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM 3-Mobilidade no leito prejudicada relacionada a força muscular insuficiente evidenciado pela dificuldade de mover-se da posição supina para posição sentada. 1-Mobilidade normalizada regularizada 1- Encorajar a sentar na cama, na lateral, ou em poltronas, conforme a tolerância 2- Encorajar a deambulação se adequado. 3- Vestir o paciente com roupas folgadas. 4- Cooperar com Fisioterapeuta no desenvolvimento execução de um programa de exercício. 4-Padrão de sono Prejudicado relacionado a imobilização física evidenciado por relato de dificuldade para dormir. 1- Padrão de sono adequado 1-Aproximar o ciclo regular de sono/ vigília do paciente no planejamento dos cuidados. 2-Determinar os efeitos dos medicamentos de paciente sobre o padrão de sono. 3- Adaptar o ambiente(p. ex. iluminação, ruído, temperatura, colchão e cama) para promover o sono. 4-Monitorar/registrar o padrão de sono e o número de horas de sono do paciente
  • 13. DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM METAS INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM 5-Risco de Constipação relacionada a atividade física insuficiente, evidenciado por cirurgia. 1-Melhorar trânsito intestinal. 1-Monitorar o aparecimento de sinais e sinto mas de constipação. 2-Encorajar o aumento da ingestão de líquidos, a menos que contraindicado. 3-Monitorar os movimentos intestinais. 4-Avaliar a ingestão registrada quanto ao conteúdo nutricional. 5-Orientar paciente/família para registrar cor,, volume, frequência e consistência das fezes. 6-Integridade da pele prejudicada relacionada a imobilidade no leito evidenciado por Úlcera por pressão. 1- Tornar pele integra. 1-Limpar com sabonete bactericia, conforme apropriado. 2-Oferecer suporte a áreas edemaciados, conforme apropriado. 3-Aplicar fraldas mais frouxas. 4-Aplicar emolientes a áreas afetadas. 5- examinar diariamente a pele em pessoas com risco d degradação 6- Documentar o grau de degradação da pele.
  • 14. DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM METAS INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM 7-Conforto prejudicado, relacionado a falta percebida de sensação de conforto evidenciado por relatos de fome e sede. 1-Restabelecer condição de conforto. 1- Monitorar sensações de saciedade, náuseas e vômitos. 2-Monitorar a condições de líquidos e eletrólitos 3-Oferecer cuidados á pele em torno do local de inserção da sonda.. 4-Irrigar a sonda de acordo com o protocolo da agência. 5-Reinstalar sonda sempre que necessário. 8-Hipotermia relacionado palidez e pele fria evidenciado pela temperatura corporal abaixo dos parâmetros normais. 1- Padrão de temperatura adequada. 1-Monitorar a temperatura corporal a dias horas. 2-Promover a ingestão adequada de líquidos e nutrientes. 3-Administrar a medicação antipirética , conforme apropriado. 3-Monitorar pressão sanguínea,pulso e respiração.
  • 15.
  • 16. DISTÚRBIO DO RITMO CARDÍACO • ORIGEM • FORMAÇÃO ALTERADA DO IMPULSO NERVOSO • ALTERAÇÃO NA CONDUÇÃO DO IMPULSO • CAUSAS • INSUFICIÊNCIA CARDÍACA • IAM • DROGAS • ÁLCOOL • TABAGISMO • ANSIEDADE • MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS • PALPITAÇÕES • FADIGA • TONTURA • DISPNEIA • DOR • TAQUICARDIA
  • 17. DISTÚRBIO DO RITMO CARDÍACO • DIAGNÓSTICO • ECG • ECOCARDIOGRAMA • CLÍNICO • TRATAMENTO • MEDICAMENTOSO • CIRÚRGICO
  • 18. • CLEXANE (ENOXOPARINA) • ANTICOAGULANTE • INIBE A CONVERSÃO DE FIBRINOGÊNIO EM FIBRINA • DIMINUI RISCO DE TROMBOSE VENOSA • SC • SANGRAMENTO, HEMATOMAS, PETÉQUIAS, EPISTAXE, MELENA, HEMATÚRIA
  • 19. • LOSARTANA POTÁSSICA (LOZARTAN) • BLOQUEADOR DA ANGIOTENSINA II • VASODILATAÇÃO DIRETA E IMPEDE O AUMENTO DA PRODUÇÃO DE ALDOSTERONA • VIA ORAL • MONITORIZAR HIPOTENSÃO E DESEQUILÍBRIO HIDROELETROLÍTICO
  • 20. • CARVEDILOL (DIVELOL) • BETA-BLOQUEADOR NÃO SELETIVO • EFEITO ANTIARRITMICO E VASODILATADOR • VIA ORAL • MONITORAR SINAIS DE DISFUNÇÃO HEPÁTICA- URINA ESCURA, ICTERÍCIA
  • 21. • ÁCIDO ACETILSALICÍLICO (ASPIRINA) • AINE- ANTIINFLAMATÓRIO, ANALGÉSICO,ANTIPIRÉTICO E ANTIPLAQUETÁRIO • DIMINUI CAPACIDADE DE AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA, INIBINDO A COX-1. • VIA ORAL • SANGRAMENTO, HEMATOMAS, PETÉQUIAS, EPISTAXE, MELENA, HEMATÚRIA
  • 22. • ESPIRONOLACTONA (ALDACTONE) • DIURÉTICO POUPADOR DE POTÁSSIO • ANTAGONISTA DA ALDOSTERONA • VIA ORAL • INTERAÇÃO COM INIBIDORES DA ECA
  • 23. • CEDILANIDE (DESLANOL) • ANTIARRÍTMICO • AUMENTA CONTRATILIDADE E DIMINUI FREQUÊNCIA CARDÍACA, PROLONGA O PERÍODO REFRATÁRIO A-V • EV • DILUIR EM SF 0,9%
  • 24. DÉBITO CARDÍACO DIMINUÍDO TROCA DE GASES PREJUDICADA PERFUSÃO TISSULAR PERIFÉRICA INEFICAZ VOLUME DE LÍQUIDOS EXCESSIVO PADRÃO DE SONO PREJUDICADO FADIGA CONFORTO PREJUDICADO ANSIEDADE
  • 25. DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM METAS INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM 1-Débito cardíaco diminuído relacionado à freq. Cardíaca alterada, evidenciado por arritmia. 1- Melhorar o débito cardíaco. 1- Monitorar a resposta do paciente aos medicamentos antiarritmicos. 2- Avaliar circulação periférica(enchimento capilar, edema, pulso periféricos). 3- Monitorar ocorrência de fadiga e taquipneia. 4- Monitorar SSVV com frequência. 2-Volume de líquidos excessivo relacionado a mecanismos reguladores comprometidos, evidenciado por edema e oligúria. 1- Regular o balanço hídrico. 1-Monitorar o estado de hidratação de pele e mucosas. 2-Monitorar o equilíbrio de líquidos(ingestão/eliminação). 3-Pesar as fraldas. 4-Monitorar/registrar a localização e extensão do edema. 5-Distribuir a ingestão de líquidos ao longo das 24h, conforme apropriado. 3-Troca de gases prejudicada relacionado ao desequilíbrio na ventilação-perfusão, evidenciado por taquipneia. 1-Melhorar a troca de gases. 1-Auxiliar com mudanças de posição. 2-Monitorar o estado respiratório e a oxigenação. 3-Encorajar a respiração profunda e lenta. 4-Manter vias aéreas desobstruídas.
  • 26. DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM METAS INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM 4-Fadiga relacionado a condição física, evidenciado por relato de cansaço. 1- Diminuir a fadiga. 1-Manter repouso no leito 2-Limitar estímulos ambientais para facilitar relaxamento. 3-Monitorar a ingestão nutricional para garantir recursos energéticos adequados. 4-Evitar atividades de cuidados durante os períodos de descanso. 5-Perfusão tissular periférica ineficaz relacionado a imobilidade no leito, evidenciado por UPP. 1- Melhorar perfusão tissular periférica. 1-Descrever características da úlcera(tamanho, estágio, exsudato, localização, tecido granular ou necrosado). 2-Monitorar cor, temperatura, edema, umidade e aparência da pele ao redor da úlcera. 3-Aplicar curativos, conforme apropriado. 4-Mudança de decúbito a cada 2h. 6-Ansiedade relacionado ao estado de saúde, evidenciado por relato de preocupação. 1-Reduzir a ansiedade. 1- Escutar o paciente com atenção. 2-Encorajar a expressão de sentimentos. 3-Oferecer informações reais sobre o tratamento.
  • 27. Bulechek, G. M., Butcher, H. K., Dochterman, J.M.(2010), NIC. Classificação das Intervenções de Enfermagem, 5 edição. Rio de Janeiro. Brunner e Suddarth, Tratado de Enfermagem Médico- Cirurgia, Volume 1, 10º edição, editora Guanabara,2005 NANDA, Internacional Diagnósticos de Enfermagem da Nanda, 2009/2011.