SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
PROTOCOLO DE MORTE CEFÁLICA
A ME (Morte Cefálica) é a constatação irremediável e irreversível da
lesão nervosa e significa morte clínica, legal e social. Devido aos dilemas éticos
que surgiram, critérios clínicos e tecnológicos para constatação de morte
cefálica foram definidos no Brasil, pela Resolução do Conselho Federal de
Medicina(CFM)nº1480, de 21 de agosto de 1997. Os critérios são baseados na
ausência da atividade Cerebral, incluindo o tronco cefálico, e foram
disciplinados pelo CFM no uso das atribuições conferidas pela Lei nº 3268|57,
regulamentada pelo decreto nº 44.045|58 e ainda, em atenção ao previsto no
Art. 3 da Lei nº 9.434|97, que considera a remoção de órgãos, tecidos e partes
do corpo humano para fins de transplantes.
O diagnóstico de Morte Cefálica é obrigatório e a notificação é
compulsória para a Central de Notificação, captação e Distribuição de Órgãos
(CNCDO), representada pela Central estadual de Transplantes (CET). Para
tanto, deve ser aberto o protocolo para todos os pacientes com suspeita de
morte encefálica, independentemente da possibilidade de doação ou não de
órgãos ou de tecidos.
Para iniciar o Protocolo de ME, o paciente deve preencher alguns
critérios bem estabelecidos. É essencial que o paciente esteja em Glasglow 3,
sem incursões ventilatórias voluntárias e sem condições confundidoras para o
coma, como uso de sedação e bloqueadores neuromusculares, hipotermia ou
distúrbios metabólicos graves. Além disso, todo paciente com suspeita de ME
deve ser comprovada por exame de imagem (Tomografia ou ressonância de
crânio) uma lesão estrutural encefálica suficientemente grave para justificar o
exame neurológico encontrado.
O Brasil tem um dos protocolos mais exigentes para o diagnóstico da
morte encefálica e precisa ser confirmada por dois médicos especialistas,
sendo que um terceiro médico aplica um exame complementar. Esse protocolo
contempla diagnósticos clínicos e gráficos. Os exames são baseados em
normas médicas e incluem testes clínicos para determinar que não há mais
reflexos cerebrais, portanto, o paciente não respira sem a ajuda de aparelhos.
É importante frisar que esses testes são realizados repetidamente em
intervalos pré-determinados conforme a faixa etária do paciente. Isso é feito
para garantir um resultado exato. São feitos também exames do fluxo
sanguíneo (angiograma cerebral) ou um eletroencefalograma, para confirmar a
ausência do fluxo sanguineo ou da atividade cerebral.
Durante a realização desses testes, o paciente no ventilador pulmonar,
para ajudar o cérebro a enviar sinais para que corpo respire. Também é
possível o uso de medicamentos especiais para ajudar na manutenção da
pressão sanguínea e outras funções do corpo. No entanto, é importante
esclarecer que o ventilador e os medicamentos continuam, mas não interferem
na determinação da morte encefálica.
Considerando que o processo de doação de órgãos e tecidos para
transplante se inicia no hospital que notificou a morte encefálica, a Resolução
COFEN Nº292Q2004, diz que ao Enfermeiro incumbe, planejar,executar,
coordenar, supervisionar e avaliar os procedimentos de Enfermagem prestado
ao doador de ´órgaos e tecidos, através dos seguintes procedimentos: Notificar as
centrais de Notificaçaão, Captaçao e distribuição de Órgãos.
Todo paciente que tenha seu protocolo de ME finalizado e a doação
autorizada pela família é potencial doador de órgão. Porém, existem condições
que contraindicam de forma absoluta a doação: soropositividade para HIV,
soropositividade para HTLV I e II, tuberculose em atividade, neoplasias e
carcinomas in situ de útero e pele, sepse refratária, infecções virais e fúngicas
graves. As medidas clínicas para manutenção do potencial doador são:
temperatura corporal >35 ideal entre 36 37,5, reverter a hipotermia aquecer o
ambiente usar mantas térmicas, infundir líquidos aquecidos; suporte
hemodinâmico, monitorar pressão arterial de forma invasiva, manter PAM >65
ou PAS >90mmHg, iniciar reposição volêmica com cristalóides se houver
hipotensão(20-30mlkg); suporte ventilatório, ventilar todos os pacientes
utilizando estratégia protetora; suporte endocrinometabólico, manter suporte
nutricional enteral de 15 a 30% das necessidades diárias; suporte
Hematológico, transfundir hemácias se Hb<7;cuidados com as Córneas.
A partir da notificação e abertura do protocolo de ME, deve-se
comunicar a família do potencial doador. Ações multiprofissionais devem ser
empregadas para a manutenção hemodinâmica a fim de promover perfusão
sanguínea adequada aos órgãos e tecidos, lembrando sempre do apoio e
orientação que devem ser dispensados aos familiares durante todo o processo.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA:
http://www.cremeb.org.br/data/site/uploads/arquivos/AVALIACAO_DO_PACIEN
TE_COM_SUSPEITA_DE_MORTE_ENCEFALICA.pdf
UNIVERSIDADE TIRADENTES
RESUMO SOBRE PROTOCOLO DE MORTE
ENCEFÁLICA
ARACAJU,2015
UNIVERSIDADE TIRADENTES
VISITA TÉCINACA AO SAMU SERGIPE
ANGÉLICA DOS SANTO REIS
ARACAJU,2015

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SÍNDROME DE MILLER FISHER E NEURITE ÓPTICA - RELATO DE CASO
SÍNDROME DE MILLER FISHER E NEURITE ÓPTICA - RELATO DE CASOSÍNDROME DE MILLER FISHER E NEURITE ÓPTICA - RELATO DE CASO
SÍNDROME DE MILLER FISHER E NEURITE ÓPTICA - RELATO DE CASOneuroligaunivasf
 
Mutações no gene NT5E e calcificações arteriais
Mutações no gene NT5E e calcificações arteriaisMutações no gene NT5E e calcificações arteriais
Mutações no gene NT5E e calcificações arteriaisLais Valente
 
Consciência Anestésica (Final)
Consciência Anestésica (Final)Consciência Anestésica (Final)
Consciência Anestésica (Final)anacarolsy
 
Consciência Anestésica
Consciência AnestésicaConsciência Anestésica
Consciência Anestésicaanacarolsy
 
Anesthesia/Neurophysiological monitoring/Traumatic Brain Injury
 Anesthesia/Neurophysiological monitoring/Traumatic Brain Injury Anesthesia/Neurophysiological monitoring/Traumatic Brain Injury
Anesthesia/Neurophysiological monitoring/Traumatic Brain InjuryCarlos D A Bersot
 
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)caduanselmi
 
Transplantes de +ôrg+âos
Transplantes de +ôrg+âosTransplantes de +ôrg+âos
Transplantes de +ôrg+âosPrLinaldo Junior
 
Tratamento clínico dos gliomas de baixo grau em pacientes pediátricos
Tratamento clínico dos gliomas de baixo grau em pacientes pediátricosTratamento clínico dos gliomas de baixo grau em pacientes pediátricos
Tratamento clínico dos gliomas de baixo grau em pacientes pediátricosFrancisco H C Felix
 
Coréia de syndenham revisão
Coréia de syndenham revisãoCoréia de syndenham revisão
Coréia de syndenham revisãogisa_legal
 
Ecocolordoppler Transcraniano: método e indicação
Ecocolordoppler Transcraniano: método e indicaçãoEcocolordoppler Transcraniano: método e indicação
Ecocolordoppler Transcraniano: método e indicaçãoDr. Rafael Higashi
 
Nanobiotecnologia kc ng
Nanobiotecnologia kc ngNanobiotecnologia kc ng
Nanobiotecnologia kc ngMayara Alencar
 
Aim pac1 apresent caso
Aim pac1   apresent casoAim pac1   apresent caso
Aim pac1 apresent casoRenato sg
 
Síndrome de guillain barré
Síndrome de guillain barré Síndrome de guillain barré
Síndrome de guillain barré Denilsi Gonçalves
 
Rodrigode almeidatoledomestrado
Rodrigode almeidatoledomestradoRodrigode almeidatoledomestrado
Rodrigode almeidatoledomestradomarcelo olegario
 
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológA importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológDr. Rafael Higashi
 

Mais procurados (20)

SÍNDROME DE MILLER FISHER E NEURITE ÓPTICA - RELATO DE CASO
SÍNDROME DE MILLER FISHER E NEURITE ÓPTICA - RELATO DE CASOSÍNDROME DE MILLER FISHER E NEURITE ÓPTICA - RELATO DE CASO
SÍNDROME DE MILLER FISHER E NEURITE ÓPTICA - RELATO DE CASO
 
Mutações no gene NT5E e calcificações arteriais
Mutações no gene NT5E e calcificações arteriaisMutações no gene NT5E e calcificações arteriais
Mutações no gene NT5E e calcificações arteriais
 
Consciência Anestésica (Final)
Consciência Anestésica (Final)Consciência Anestésica (Final)
Consciência Anestésica (Final)
 
Consciência Anestésica
Consciência AnestésicaConsciência Anestésica
Consciência Anestésica
 
Anesthesia/Neurophysiological monitoring/Traumatic Brain Injury
 Anesthesia/Neurophysiological monitoring/Traumatic Brain Injury Anesthesia/Neurophysiological monitoring/Traumatic Brain Injury
Anesthesia/Neurophysiological monitoring/Traumatic Brain Injury
 
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)
 
Radio pronto
Radio prontoRadio pronto
Radio pronto
 
Neuro G
Neuro GNeuro G
Neuro G
 
Transplantes de +ôrg+âos
Transplantes de +ôrg+âosTransplantes de +ôrg+âos
Transplantes de +ôrg+âos
 
Neuroimunologia
NeuroimunologiaNeuroimunologia
Neuroimunologia
 
Tratamento clínico dos gliomas de baixo grau em pacientes pediátricos
Tratamento clínico dos gliomas de baixo grau em pacientes pediátricosTratamento clínico dos gliomas de baixo grau em pacientes pediátricos
Tratamento clínico dos gliomas de baixo grau em pacientes pediátricos
 
Coréia de syndenham revisão
Coréia de syndenham revisãoCoréia de syndenham revisão
Coréia de syndenham revisão
 
Ecocolordoppler Transcraniano: método e indicação
Ecocolordoppler Transcraniano: método e indicaçãoEcocolordoppler Transcraniano: método e indicação
Ecocolordoppler Transcraniano: método e indicação
 
Nanobiotecnologia kc ng
Nanobiotecnologia kc ngNanobiotecnologia kc ng
Nanobiotecnologia kc ng
 
Monitoramento Cerebral
Monitoramento CerebralMonitoramento Cerebral
Monitoramento Cerebral
 
Aim pac1 apresent caso
Aim pac1   apresent casoAim pac1   apresent caso
Aim pac1 apresent caso
 
Síndrome de guillain barré
Síndrome de guillain barré Síndrome de guillain barré
Síndrome de guillain barré
 
Rodrigode almeidatoledomestrado
Rodrigode almeidatoledomestradoRodrigode almeidatoledomestrado
Rodrigode almeidatoledomestrado
 
Mercredi intensif 27 fevereiro 2013
Mercredi intensif 27 fevereiro 2013Mercredi intensif 27 fevereiro 2013
Mercredi intensif 27 fevereiro 2013
 
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológA importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
 

Destaque

Análise de Polimorfismo Gênico para Estudo do Câncer .Jeu /LAEO 2016
Análise de Polimorfismo Gênico para Estudo do Câncer .Jeu /LAEO 2016Análise de Polimorfismo Gênico para Estudo do Câncer .Jeu /LAEO 2016
Análise de Polimorfismo Gênico para Estudo do Câncer .Jeu /LAEO 2016Angelica Reis Angel
 
Sobrafo 2009 Cancer De Colon Carlos F Pinto
Sobrafo 2009   Cancer De Colon   Carlos F PintoSobrafo 2009   Cancer De Colon   Carlos F Pinto
Sobrafo 2009 Cancer De Colon Carlos F PintoCarlos Frederico Pinto
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeAngelica Reis Angel
 
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSOAula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSOLeonardo Delgado
 
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)SMS - Petrópolis
 

Destaque (10)

Câncer de intestino laeo (3)
Câncer de intestino   laeo (3)Câncer de intestino   laeo (3)
Câncer de intestino laeo (3)
 
Análise de Polimorfismo Gênico para Estudo do Câncer .Jeu /LAEO 2016
Análise de Polimorfismo Gênico para Estudo do Câncer .Jeu /LAEO 2016Análise de Polimorfismo Gênico para Estudo do Câncer .Jeu /LAEO 2016
Análise de Polimorfismo Gênico para Estudo do Câncer .Jeu /LAEO 2016
 
Centro de intestino
Centro de intestinoCentro de intestino
Centro de intestino
 
Sobrafo 2009 Cancer De Colon Carlos F Pinto
Sobrafo 2009   Cancer De Colon   Carlos F PintoSobrafo 2009   Cancer De Colon   Carlos F Pinto
Sobrafo 2009 Cancer De Colon Carlos F Pinto
 
Poster enenge 2015 (1)
Poster enenge 2015 (1)Poster enenge 2015 (1)
Poster enenge 2015 (1)
 
Sae slaide
Sae slaideSae slaide
Sae slaide
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
 
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSOAula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
 
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
 
Estudo de caso 01
Estudo de caso 01Estudo de caso 01
Estudo de caso 01
 

Semelhante a Protocolo de me

Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.PediátricaArtigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.PediátricaPaulo Sérgio
 
Apresentação doação de órgãos
Apresentação doação de órgãosApresentação doação de órgãos
Apresentação doação de órgãosClodomir Araújo
 
Ecg repouso sbc 2003
Ecg repouso sbc 2003Ecg repouso sbc 2003
Ecg repouso sbc 2003gisa_legal
 
doação de órgãos
doação de órgãosdoação de órgãos
doação de órgãossabrinabc1
 
Cartilha de células-tronco, terapias celulares e bancos de células
Cartilha de células-tronco, terapias celulares e bancos de célulasCartilha de células-tronco, terapias celulares e bancos de células
Cartilha de células-tronco, terapias celulares e bancos de célulasHugo Cabrera
 
Palestra Para Padres Arquidiocese Londrina 2008
Palestra Para Padres Arquidiocese Londrina 2008Palestra Para Padres Arquidiocese Londrina 2008
Palestra Para Padres Arquidiocese Londrina 2008hilemorfismo
 
2007 aspectos jurídicos sobre os critérios de escolha do receptor nos transpl...
2007 aspectos jurídicos sobre os critérios de escolha do receptor nos transpl...2007 aspectos jurídicos sobre os critérios de escolha do receptor nos transpl...
2007 aspectos jurídicos sobre os critérios de escolha do receptor nos transpl...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005447 tese ccd-souza_pinto_v_2005
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005ssuser75f44f
 
Apresentação Volta às aulas presenciais (1).pdf
Apresentação Volta às aulas presenciais (1).pdfApresentação Volta às aulas presenciais (1).pdf
Apresentação Volta às aulas presenciais (1).pdfGeovanaTavares14
 
Acidente Vascular Encefálico Isquêmico Agudo
Acidente Vascular Encefálico Isquêmico AgudoAcidente Vascular Encefálico Isquêmico Agudo
Acidente Vascular Encefálico Isquêmico AgudoLeandro Carvalho
 
transplante de orgãos
transplante de orgãostransplante de orgãos
transplante de orgãosRoseclaudia
 
Varicocele e Infertilidade
Varicocele e InfertilidadeVaricocele e Infertilidade
Varicocele e InfertilidadeSandro Esteves
 
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01Rogerio Novais
 
Aula Sobre Tx Abto
Aula Sobre Tx AbtoAula Sobre Tx Abto
Aula Sobre Tx Abtoguest90b4b7
 

Semelhante a Protocolo de me (20)

Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.PediátricaArtigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
 
Aula 7-tanatologia
Aula 7-tanatologiaAula 7-tanatologia
Aula 7-tanatologia
 
Apresentação doação de órgãos
Apresentação doação de órgãosApresentação doação de órgãos
Apresentação doação de órgãos
 
Ecg repouso sbc 2003
Ecg repouso sbc 2003Ecg repouso sbc 2003
Ecg repouso sbc 2003
 
doação de órgãos
doação de órgãosdoação de órgãos
doação de órgãos
 
Sessão trale
Sessão traleSessão trale
Sessão trale
 
Evolução de UTI
Evolução de UTIEvolução de UTI
Evolução de UTI
 
Cartilha de células-tronco, terapias celulares e bancos de células
Cartilha de células-tronco, terapias celulares e bancos de célulasCartilha de células-tronco, terapias celulares e bancos de células
Cartilha de células-tronco, terapias celulares e bancos de células
 
Palestra Para Padres Arquidiocese Londrina 2008
Palestra Para Padres Arquidiocese Londrina 2008Palestra Para Padres Arquidiocese Londrina 2008
Palestra Para Padres Arquidiocese Londrina 2008
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
 
Hipotermia Terapêutica
Hipotermia TerapêuticaHipotermia Terapêutica
Hipotermia Terapêutica
 
2007 aspectos jurídicos sobre os critérios de escolha do receptor nos transpl...
2007 aspectos jurídicos sobre os critérios de escolha do receptor nos transpl...2007 aspectos jurídicos sobre os critérios de escolha do receptor nos transpl...
2007 aspectos jurídicos sobre os critérios de escolha do receptor nos transpl...
 
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005447 tese ccd-souza_pinto_v_2005
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005
 
Apresentação Volta às aulas presenciais (1).pdf
Apresentação Volta às aulas presenciais (1).pdfApresentação Volta às aulas presenciais (1).pdf
Apresentação Volta às aulas presenciais (1).pdf
 
Acidente Vascular Encefálico Isquêmico Agudo
Acidente Vascular Encefálico Isquêmico AgudoAcidente Vascular Encefálico Isquêmico Agudo
Acidente Vascular Encefálico Isquêmico Agudo
 
transplante de orgãos
transplante de orgãostransplante de orgãos
transplante de orgãos
 
Varicocele e Infertilidade
Varicocele e InfertilidadeVaricocele e Infertilidade
Varicocele e Infertilidade
 
ECMO
ECMOECMO
ECMO
 
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
 
Aula Sobre Tx Abto
Aula Sobre Tx AbtoAula Sobre Tx Abto
Aula Sobre Tx Abto
 

Último

Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoAssistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoWilliamdaCostaMoreir
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 

Último (6)

Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoAssistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 

Protocolo de me

  • 1. PROTOCOLO DE MORTE CEFÁLICA A ME (Morte Cefálica) é a constatação irremediável e irreversível da lesão nervosa e significa morte clínica, legal e social. Devido aos dilemas éticos que surgiram, critérios clínicos e tecnológicos para constatação de morte cefálica foram definidos no Brasil, pela Resolução do Conselho Federal de Medicina(CFM)nº1480, de 21 de agosto de 1997. Os critérios são baseados na ausência da atividade Cerebral, incluindo o tronco cefálico, e foram disciplinados pelo CFM no uso das atribuições conferidas pela Lei nº 3268|57, regulamentada pelo decreto nº 44.045|58 e ainda, em atenção ao previsto no Art. 3 da Lei nº 9.434|97, que considera a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplantes. O diagnóstico de Morte Cefálica é obrigatório e a notificação é compulsória para a Central de Notificação, captação e Distribuição de Órgãos (CNCDO), representada pela Central estadual de Transplantes (CET). Para tanto, deve ser aberto o protocolo para todos os pacientes com suspeita de morte encefálica, independentemente da possibilidade de doação ou não de órgãos ou de tecidos. Para iniciar o Protocolo de ME, o paciente deve preencher alguns critérios bem estabelecidos. É essencial que o paciente esteja em Glasglow 3, sem incursões ventilatórias voluntárias e sem condições confundidoras para o coma, como uso de sedação e bloqueadores neuromusculares, hipotermia ou distúrbios metabólicos graves. Além disso, todo paciente com suspeita de ME deve ser comprovada por exame de imagem (Tomografia ou ressonância de crânio) uma lesão estrutural encefálica suficientemente grave para justificar o exame neurológico encontrado. O Brasil tem um dos protocolos mais exigentes para o diagnóstico da morte encefálica e precisa ser confirmada por dois médicos especialistas, sendo que um terceiro médico aplica um exame complementar. Esse protocolo contempla diagnósticos clínicos e gráficos. Os exames são baseados em normas médicas e incluem testes clínicos para determinar que não há mais reflexos cerebrais, portanto, o paciente não respira sem a ajuda de aparelhos. É importante frisar que esses testes são realizados repetidamente em intervalos pré-determinados conforme a faixa etária do paciente. Isso é feito
  • 2. para garantir um resultado exato. São feitos também exames do fluxo sanguíneo (angiograma cerebral) ou um eletroencefalograma, para confirmar a ausência do fluxo sanguineo ou da atividade cerebral. Durante a realização desses testes, o paciente no ventilador pulmonar, para ajudar o cérebro a enviar sinais para que corpo respire. Também é possível o uso de medicamentos especiais para ajudar na manutenção da pressão sanguínea e outras funções do corpo. No entanto, é importante esclarecer que o ventilador e os medicamentos continuam, mas não interferem na determinação da morte encefálica. Considerando que o processo de doação de órgãos e tecidos para transplante se inicia no hospital que notificou a morte encefálica, a Resolução COFEN Nº292Q2004, diz que ao Enfermeiro incumbe, planejar,executar, coordenar, supervisionar e avaliar os procedimentos de Enfermagem prestado ao doador de ´órgaos e tecidos, através dos seguintes procedimentos: Notificar as centrais de Notificaçaão, Captaçao e distribuição de Órgãos. Todo paciente que tenha seu protocolo de ME finalizado e a doação autorizada pela família é potencial doador de órgão. Porém, existem condições que contraindicam de forma absoluta a doação: soropositividade para HIV, soropositividade para HTLV I e II, tuberculose em atividade, neoplasias e carcinomas in situ de útero e pele, sepse refratária, infecções virais e fúngicas graves. As medidas clínicas para manutenção do potencial doador são: temperatura corporal >35 ideal entre 36 37,5, reverter a hipotermia aquecer o ambiente usar mantas térmicas, infundir líquidos aquecidos; suporte hemodinâmico, monitorar pressão arterial de forma invasiva, manter PAM >65 ou PAS >90mmHg, iniciar reposição volêmica com cristalóides se houver hipotensão(20-30mlkg); suporte ventilatório, ventilar todos os pacientes utilizando estratégia protetora; suporte endocrinometabólico, manter suporte nutricional enteral de 15 a 30% das necessidades diárias; suporte Hematológico, transfundir hemácias se Hb<7;cuidados com as Córneas. A partir da notificação e abertura do protocolo de ME, deve-se comunicar a família do potencial doador. Ações multiprofissionais devem ser empregadas para a manutenção hemodinâmica a fim de promover perfusão sanguínea adequada aos órgãos e tecidos, lembrando sempre do apoio e orientação que devem ser dispensados aos familiares durante todo o processo. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA: http://www.cremeb.org.br/data/site/uploads/arquivos/AVALIACAO_DO_PACIEN TE_COM_SUSPEITA_DE_MORTE_ENCEFALICA.pdf
  • 3. UNIVERSIDADE TIRADENTES RESUMO SOBRE PROTOCOLO DE MORTE ENCEFÁLICA ARACAJU,2015
  • 4. UNIVERSIDADE TIRADENTES VISITA TÉCINACA AO SAMU SERGIPE ANGÉLICA DOS SANTO REIS ARACAJU,2015