SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
A nutrição do
paciente
oncológico
Prof: Enfa Larissa Campos
A desnutrição do paciente oncológico
A desnutrição calórica e proteica em indivíduos com câncer possui alta prevalência de em
pacientes oncológicos no momento da internação em Unidades Hospitalares no Brasil.
Os principais fatores determinantes da desnutrição nesses indivíduos são:
• a redução na ingestão total de alimentos;
• as alterações metabólicas provocadas pelo tumor;
• as alterações metabólicas provocadas pelo tratamento;
• o aumento da demanda calórica pelo crescimento do tumor;
Entre as alterações metabólicas provocadas pelo câncer, estão aquelas relacionadas com o metabolismo dos
carboidratos, a intolerância à glicose, a resistência periférica à ação da insulina, à liberação de insulina, à alterações
no metabolismo dos ácidos graxos e proteínas, à aumento da lipólise e à diminuição da síntese de ácidos graxos.
Indivíduos com câncer têm maciça perda de músculo esquelético estimulado por citocinas.
A desnutrição promove alterações morfológicas e funcionais.
A perda de peso e a desnutrição são os distúrbios nutricionais mais frequentes em pacientes com
câncer (de 40% a 80% dos casos), sendo que até 30% dos pacientes adultos apresentam perda
superior a 10% do peso corporal.
O déficit do estado nutricional está estreitamente relacionado com a diminuição da resposta ao
tratamento específico e à qualidade de vida.
A desnutrição preexistente e a resposta ao trauma cirúrgico são os principais fatores negativos
para a evolução pós-operatória do paciente oncológico. A desnutrição pré-operatória, aliada à
doença maligna, ao trauma cirúrgico e à resposta metabólica pós-operatória, pode resultar em
várias complicações.
Entre essas, destacam-se as infecciosas, como a pneumonia e a sepse, e as não infecciosas, como
as fístulas. Soma-se a isso a internação hospitalar prolongada, que aumenta os custos e o mal-
estar dos pacientes.
A desnutrição do paciente oncológico
Tipos de nutrição
para o paciente
oncológico
O ideal, sempre que possível, é ingerir os alimentos
por via oral. Porém, alguns pacientes não conseguem
se alimentar devido a problemas com a própria
doença ou com os efeitos colaterais de seus
tratamentos.
Dieta Oral
Dieta de rotina
São utilizadas geralmente em períodos curtos, como em pós-operatórios, e também em casos
em que o paciente está com dificuldades para se alimentar. Não costuma trazer muitas
restrições no seu conteúdo, apenas em consistência.
Dieta geral
Mantém os alimentos na consistência normal e
tem como principal característica ser balanceada
e entregar todos os nutrientes necessários para o
paciente.
Seus principais componentes são produtos
integrais, como arroz e pães, hortaliças, leite e
queijos com pouca gordura, carne, ovos e peixe
sem pele e gordura, além de outros derivados,
mas seguindo as mesmas características.
Dieta Oral
Dieta branda
Composta por arroz, feijão, carne, legumes, salada, vegetais cozidos e frutas. São utilizados
principalmente com alimentos de fácil mastigação e gestão, sendo indicada para pacientes
que possuam complicações nesse sentido.
Dieta pastosa
Atua em casos um pouco mais delicados, nos quais o paciente precisa ingerir os alimentos
com pouca ou nenhuma mastigação. É formada por alimentos cozidos e aqueles que podem
ser transformados em purê, papinhas ou amassados.
Dieta Líquida-pastosa
É prescrita para pacientes que possuem problemas no trato gastrointestinal, mastigação,
digestão e deglutição. A preparação é feita com alimentos liquidificados e amassados.
Dieta líquida completa
Indicada para pacientes que precisam se hidratar, com problemas gastrointestinais e de
mastigação. Na sua preparação entram caldos, sopas, sucos de fruta e mingais.
Sonda nasogástrica
O principal objetivo da sonda
nasogástrica é a drenagem.
As sondas nasoenteral e nasogástrica são
importantes, dentre outras funções, para
pessoas que não conseguem se alimentar,
ou que necessitam que líquidos sejam
drenados de seu organismo.
Sonda nasoentérica
A sonda nasoenteral é inserida através da narina
até o estômago ou intestino. Após sua inserção, é
necessário fazer um exame de raio X para
verificação do posicionamento correto.
A sonda é passada por um enfermeiro ou um
médico, com um guia metálico flexível. Este guia
deverá ser guardado para ser utilizado novamente,
caso seja necessário repassar a sonda.
O procedimento é simples, indolor, podendo causar
uma discreta náusea ou um desconforto na
garganta ou nariz. O tempo de utilização da
mesma sonda é indeterminado, ficando a troca a
critério do enfermeiro.
Fixação da sonda
• A sonda deve ser fixada à pele com uma fita adesiva hipoalergênica ou
esparadrapo, para evitar que seja retirada acidentalmente ou que se desloque
para fora do estômago ou intestino.
• Esta fixação deve ser trocada quando estiver suja ou solta:
• retire a fixação antiga,
• limpe o nariz com água e sabão,
• seque bem, sem friccionar,
• fixe a sonda, sem passar na frente dos olhos ou da boca.
A sonda não deve ficar dobrada, nem puxar a narina. Em caso de
vermelhidão ou machucado na pele, fixar a sonda em outro local.
Que tipo de dieta devo passar na sonda?
Existem dois tipos de dieta enteral:
Dieta caseira: é uma dieta que você prepara na sua casa com alimentos em sua forma
natural (leite, mel, açúcar, óleo vegetal, caldo de carne, farinhas, ovo, etc.) e que deve ser
liquidificada e, se necessário, coada. É necessária uma adequada combinação de
alimentos para que a dieta esteja completa e equilibrada. Portanto, siga a receita
fornecida e orientada pelo nutricionista.
Dieta industrializada: é uma dieta pronta, balanceada, possuindo todos os nutrientes
necessários. Pode ser apresentada sob a forma de pó, que deverá ser liquidificado com
água, ou sob a forma líquida, pronta para ser administrada. O nutricionista indicará a
dieta mais adequada à sua situação.
Dietas Enterais
Como administrar medicamentos pela sonda?
Se o médico prescreveu medicamentos a serem administrados pela sonda, proceder da
seguinte maneira:
• medicamentos líquidos: aspirar o volume prescrito com a seringa e injetar
pela sonda;
• comprimidos e drágeas: amassar e dissolver em água, misturando bem;
aspirar com a seringa e injetar pela sonda.
Como evitar obstrução da sonda nasoenteral?
Por ser muito fina, a sonda pode entupir-se facilmente, impossibilitando a administração da
dieta enteral.
Para evitar este problema:
- injetar, com uma seringa, 40 ml de água filtrada, fervida e fria na sonda, antes e
após a administração da dieta ou de medicamento;
- observar os cuidados com a administração de medicamentos (página 18);
- em caso de obstrução, injetar lentamente 20 ml de água filtrada, fervida e morna
ou refrigerante tipo cola.
Atenção: a sonda pode se romper caso a pressão para injetar a água for muito forte .
Sinais de alerta
Deve-se acionar a equipe multiprofissional quando o paciente apresentar:
• diarréia por mais de um dia,
• constipação (prisão de ventre) por mais de três dias,
• náuseas e vômitos persistentes,
• dor abdominal,
• febre (mais de 37,5°C),
• rosto ou pernas inchadas,
• perda de peso,
• sangramento.
Gastrostomia
A gastrostomia é uma cirurgia realizada para a
colocação de um pequeno tubo flexível,
conhecido como sonda, através da pele da
barriga diretamente até ao estômago, para
permitir a alimentação e fornecimento de
nutrientes nos casos em que a pessoa não
consegue se alimentar pela boca.
Esse tipo de cirurgia permite a alimentação
adequada através da nutrição enteral, que pode
ser preparada triturando alimentos ou usando
fórmulas específicas.
Gastrostomia
A gastrostomia pode ser indicada de
forma permanente, dependendo da
condição de saúde da pessoa, ou de
forma temporária, como depois de
uma cirurgia do aparelho digestivo,
por exemplo, devendo
ser recomendada e realizada pelo
gastroenterologista.
Jejunostomia
É um procedimento cirúrgico de caráter
temporário ou definitivo, por meio de
endoscopia, laparotomia ou laparoscopia,
que estabelece o acesso ao jejuno
(intestino) proximal através da parede
abdominal, a fim de evitar a passagem do
alimento pelo estômago, sendo indicada
para (SILVA, 2007):
• cirurgias abdominais de grande porte que
envolvem ressecção gástrica;
•fístulas digestivas.
Dieta Parenteral
Trata-se da administração de nutrientes pela via
endovenosa. Dessa forma, busca garantir a
homeostase e a nutrição adequada, em
situações extremas, nas quais, além da
desnutrição, o paciente não pode receber a
forma enteral.
Dieta Parenteral
Cuidados com a NPT
-Avaliar e assegurar a instalação da NP observando as recomendações do rótulo e
confrontando-as com a prescrição;
-Assegurar que qualquer outra droga, solução ou nutrientes prescritos, não sejam infundidos
na mesma via de administração da solução parenteral, sem autorização formal da equipe
Multiprofissional de Nutrição Parenteral;
-Garantir o registro claro e preciso de informações relacionadas à administração e a evolução
do paciente, quanto aos dados antropométricos, peso, sinais vitais, balanço hídrico, glicemia,
tolerância digestiva entre outros;
-Garantir a troca do curativo , com base em procedimentos preestabelecidos;
-Efetuar e/ou supervisionar a troca do curativo do cateter venoso, com base em
procedimentos preestabelecidos;
-Higienização do ponto de iserção do cateter.
-Preenchimento do equipo antes de iniciar a infusão.
Indicações de NPT
A nutrição parenteral não deve ser utilizada rotineiramente em pacientes com trato
gastrintestinal intacto. Em comparação à nutrição enteral, tem as seguintes desvantagens:
Causa mais complicações.
Não preserva a estrutura e a função do trato gastrintestinal.
É mais cara.
A NPT só deve ser indicada para pacientes com trato gastrintestinal não funcionante ou que
apresentam distúrbios que requerem repouso intestinal, como:
• Alguns estágios da colite ulcerativa
• Obstrução intestinal
• Determinados distúrbios gastrointestinais pediátricos (p. ex., anomalias congênitas,
diarreia prolongada, sejam quais forem suas causas)
• Síndrome do intestino curto decorrente de cirurgia.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralAlexandra Caetano
 
nutrição enteral e parenteral.pptx
nutrição enteral e parenteral.pptxnutrição enteral e parenteral.pptx
nutrição enteral e parenteral.pptxssuser51d27c1
 
Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)deboradamata
 
Alimentação saudável e equilibrada
Alimentação saudável e equilibradaAlimentação saudável e equilibrada
Alimentação saudável e equilibradaCatalin Danu
 
Aula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteralAula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteralnatybortoletto
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulherCms Nunes
 
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALElyda Santos
 
Aula De NutriçãO IntroduçãO
Aula De NutriçãO IntroduçãOAula De NutriçãO IntroduçãO
Aula De NutriçãO IntroduçãOthemis dovera
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idosoNutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idosoKetlenBatista
 
DIETA HOSPITALAR.pptx
DIETA HOSPITALAR.pptxDIETA HOSPITALAR.pptx
DIETA HOSPITALAR.pptxssuser51d27c1
 
Nutrição e o ciclo da vida
Nutrição e o ciclo da vidaNutrição e o ciclo da vida
Nutrição e o ciclo da vidaNathália Simão
 
01 noções básicas de nutrição e dietética
01 noções básicas de nutrição e dietética01 noções básicas de nutrição e dietética
01 noções básicas de nutrição e dietéticaEliane Cristina
 
Apostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapiaApostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapiaJefferson Costa
 
aula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdfaula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdfAna Alves
 

Mais procurados (20)

Tema nutrição aplicadaenferm
Tema   nutrição aplicadaenfermTema   nutrição aplicadaenferm
Tema nutrição aplicadaenferm
 
AULA DE TERAPIA NUTRICIONAL
AULA DE TERAPIA NUTRICIONALAULA DE TERAPIA NUTRICIONAL
AULA DE TERAPIA NUTRICIONAL
 
Nutriçao
NutriçaoNutriçao
Nutriçao
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteral
 
nutrição enteral e parenteral.pptx
nutrição enteral e parenteral.pptxnutrição enteral e parenteral.pptx
nutrição enteral e parenteral.pptx
 
Aula 1.pptx
Aula 1.pptxAula 1.pptx
Aula 1.pptx
 
Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)
 
Alimentação saudável e equilibrada
Alimentação saudável e equilibradaAlimentação saudável e equilibrada
Alimentação saudável e equilibrada
 
Aula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteralAula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteral
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
 
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
 
Aula De NutriçãO IntroduçãO
Aula De NutriçãO IntroduçãOAula De NutriçãO IntroduçãO
Aula De NutriçãO IntroduçãO
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idosoNutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
 
Dietas hospitalares
Dietas hospitalaresDietas hospitalares
Dietas hospitalares
 
Desnutrição
DesnutriçãoDesnutrição
Desnutrição
 
DIETA HOSPITALAR.pptx
DIETA HOSPITALAR.pptxDIETA HOSPITALAR.pptx
DIETA HOSPITALAR.pptx
 
Nutrição e o ciclo da vida
Nutrição e o ciclo da vidaNutrição e o ciclo da vida
Nutrição e o ciclo da vida
 
01 noções básicas de nutrição e dietética
01 noções básicas de nutrição e dietética01 noções básicas de nutrição e dietética
01 noções básicas de nutrição e dietética
 
Apostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapiaApostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapia
 
aula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdfaula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdf
 

Semelhante a Nutrição do paciente oncológico.pptx

TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA ORAL
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA  ORALTERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA  ORAL
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA ORALdouglas870578
 
Apostila gratuita-ses-df-nutrica
Apostila gratuita-ses-df-nutricaApostila gratuita-ses-df-nutrica
Apostila gratuita-ses-df-nutricaquerolen
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 
Aula 7 cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
Aula 7  cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modularAula 7  cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
Aula 7 cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modularmilagre moreira
 
Alimentação do paciente.pptx
Alimentação do paciente.pptxAlimentação do paciente.pptx
Alimentação do paciente.pptxcasadaxeroxbrindes
 
aula assistencia em nutricao ok.pptx
aula assistencia em nutricao ok.pptxaula assistencia em nutricao ok.pptx
aula assistencia em nutricao ok.pptxRosaSantos738119
 
DIETOTERAPIA.pdf
DIETOTERAPIA.pdfDIETOTERAPIA.pdf
DIETOTERAPIA.pdfmauromaumau
 
Guia - Nutrição Enteral (2).pdf
Guia - Nutrição Enteral (2).pdfGuia - Nutrição Enteral (2).pdf
Guia - Nutrição Enteral (2).pdfIzabelaCristina30
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralAllef Costa
 
DIETOTERAPIA.pptx
DIETOTERAPIA.pptxDIETOTERAPIA.pptx
DIETOTERAPIA.pptxmauromaumau
 
Terapia Nutricional Enteral e Parenteral
Terapia Nutricional Enteral e ParenteralTerapia Nutricional Enteral e Parenteral
Terapia Nutricional Enteral e Parenterallatnep
 
alimentacao do utente.pptx
alimentacao do utente.pptxalimentacao do utente.pptx
alimentacao do utente.pptxMeryVictorino
 
Terapia Nutricional no idoso com câncer
Terapia Nutricional no idoso com câncerTerapia Nutricional no idoso com câncer
Terapia Nutricional no idoso com câncerBrendha Soares
 
38 manutenção de sondas e cuidados na administração
38   manutenção de sondas e cuidados na administração38   manutenção de sondas e cuidados na administração
38 manutenção de sondas e cuidados na administraçãoONCOcare
 
Terapia Nutricional
Terapia NutricionalTerapia Nutricional
Terapia NutricionalAllanTi
 
alimentação do paciente e escalas
alimentação do paciente e escalasalimentação do paciente e escalas
alimentação do paciente e escalasClaraRibeiro50
 
Aula sobre nutrição enteral para curso de nutrição e dietetica
Aula sobre nutrição enteral para curso de nutrição e dieteticaAula sobre nutrição enteral para curso de nutrição e dietetica
Aula sobre nutrição enteral para curso de nutrição e dieteticaLauraCosta876286
 

Semelhante a Nutrição do paciente oncológico.pptx (20)

TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA ORAL
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA  ORALTERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA  ORAL
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA ORAL
 
Apostila gratuita-ses-df-nutrica
Apostila gratuita-ses-df-nutricaApostila gratuita-ses-df-nutrica
Apostila gratuita-ses-df-nutrica
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
Nutrição Enteral .pdf
Nutrição Enteral .pdfNutrição Enteral .pdf
Nutrição Enteral .pdf
 
Aula 7 cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
Aula 7  cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modularAula 7  cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
Aula 7 cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
 
Alimentação do paciente.pptx
Alimentação do paciente.pptxAlimentação do paciente.pptx
Alimentação do paciente.pptx
 
aula assistencia em nutricao ok.pptx
aula assistencia em nutricao ok.pptxaula assistencia em nutricao ok.pptx
aula assistencia em nutricao ok.pptx
 
DIETOTERAPIA.pdf
DIETOTERAPIA.pdfDIETOTERAPIA.pdf
DIETOTERAPIA.pdf
 
Guia - Nutrição Enteral (2).pdf
Guia - Nutrição Enteral (2).pdfGuia - Nutrição Enteral (2).pdf
Guia - Nutrição Enteral (2).pdf
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteral
 
DIETOTERAPIA.pptx
DIETOTERAPIA.pptxDIETOTERAPIA.pptx
DIETOTERAPIA.pptx
 
Terapia Nutricional Enteral e Parenteral
Terapia Nutricional Enteral e ParenteralTerapia Nutricional Enteral e Parenteral
Terapia Nutricional Enteral e Parenteral
 
alimentacao do utente.pptx
alimentacao do utente.pptxalimentacao do utente.pptx
alimentacao do utente.pptx
 
Terapia Nutricional no idoso com câncer
Terapia Nutricional no idoso com câncerTerapia Nutricional no idoso com câncer
Terapia Nutricional no idoso com câncer
 
38 manutenção de sondas e cuidados na administração
38   manutenção de sondas e cuidados na administração38   manutenção de sondas e cuidados na administração
38 manutenção de sondas e cuidados na administração
 
Terapia Nutricional
Terapia NutricionalTerapia Nutricional
Terapia Nutricional
 
alimentação do paciente e escalas
alimentação do paciente e escalasalimentação do paciente e escalas
alimentação do paciente e escalas
 
Indicações de Gastrostomia em Pediatria
Indicações de Gastrostomia em PediatriaIndicações de Gastrostomia em Pediatria
Indicações de Gastrostomia em Pediatria
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Nutrição
 
Aula sobre nutrição enteral para curso de nutrição e dietetica
Aula sobre nutrição enteral para curso de nutrição e dieteticaAula sobre nutrição enteral para curso de nutrição e dietetica
Aula sobre nutrição enteral para curso de nutrição e dietetica
 

Último

01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfDanieldaSade
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfDanieldaSade
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosThaiseGerber2
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasProf. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (11)

01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 

Nutrição do paciente oncológico.pptx

  • 2. A desnutrição do paciente oncológico A desnutrição calórica e proteica em indivíduos com câncer possui alta prevalência de em pacientes oncológicos no momento da internação em Unidades Hospitalares no Brasil. Os principais fatores determinantes da desnutrição nesses indivíduos são: • a redução na ingestão total de alimentos; • as alterações metabólicas provocadas pelo tumor; • as alterações metabólicas provocadas pelo tratamento; • o aumento da demanda calórica pelo crescimento do tumor; Entre as alterações metabólicas provocadas pelo câncer, estão aquelas relacionadas com o metabolismo dos carboidratos, a intolerância à glicose, a resistência periférica à ação da insulina, à liberação de insulina, à alterações no metabolismo dos ácidos graxos e proteínas, à aumento da lipólise e à diminuição da síntese de ácidos graxos. Indivíduos com câncer têm maciça perda de músculo esquelético estimulado por citocinas.
  • 3. A desnutrição promove alterações morfológicas e funcionais. A perda de peso e a desnutrição são os distúrbios nutricionais mais frequentes em pacientes com câncer (de 40% a 80% dos casos), sendo que até 30% dos pacientes adultos apresentam perda superior a 10% do peso corporal. O déficit do estado nutricional está estreitamente relacionado com a diminuição da resposta ao tratamento específico e à qualidade de vida. A desnutrição preexistente e a resposta ao trauma cirúrgico são os principais fatores negativos para a evolução pós-operatória do paciente oncológico. A desnutrição pré-operatória, aliada à doença maligna, ao trauma cirúrgico e à resposta metabólica pós-operatória, pode resultar em várias complicações. Entre essas, destacam-se as infecciosas, como a pneumonia e a sepse, e as não infecciosas, como as fístulas. Soma-se a isso a internação hospitalar prolongada, que aumenta os custos e o mal- estar dos pacientes. A desnutrição do paciente oncológico
  • 4. Tipos de nutrição para o paciente oncológico O ideal, sempre que possível, é ingerir os alimentos por via oral. Porém, alguns pacientes não conseguem se alimentar devido a problemas com a própria doença ou com os efeitos colaterais de seus tratamentos.
  • 5. Dieta Oral Dieta de rotina São utilizadas geralmente em períodos curtos, como em pós-operatórios, e também em casos em que o paciente está com dificuldades para se alimentar. Não costuma trazer muitas restrições no seu conteúdo, apenas em consistência. Dieta geral Mantém os alimentos na consistência normal e tem como principal característica ser balanceada e entregar todos os nutrientes necessários para o paciente. Seus principais componentes são produtos integrais, como arroz e pães, hortaliças, leite e queijos com pouca gordura, carne, ovos e peixe sem pele e gordura, além de outros derivados, mas seguindo as mesmas características.
  • 6. Dieta Oral Dieta branda Composta por arroz, feijão, carne, legumes, salada, vegetais cozidos e frutas. São utilizados principalmente com alimentos de fácil mastigação e gestão, sendo indicada para pacientes que possuam complicações nesse sentido. Dieta pastosa Atua em casos um pouco mais delicados, nos quais o paciente precisa ingerir os alimentos com pouca ou nenhuma mastigação. É formada por alimentos cozidos e aqueles que podem ser transformados em purê, papinhas ou amassados. Dieta Líquida-pastosa É prescrita para pacientes que possuem problemas no trato gastrointestinal, mastigação, digestão e deglutição. A preparação é feita com alimentos liquidificados e amassados. Dieta líquida completa Indicada para pacientes que precisam se hidratar, com problemas gastrointestinais e de mastigação. Na sua preparação entram caldos, sopas, sucos de fruta e mingais.
  • 7. Sonda nasogástrica O principal objetivo da sonda nasogástrica é a drenagem. As sondas nasoenteral e nasogástrica são importantes, dentre outras funções, para pessoas que não conseguem se alimentar, ou que necessitam que líquidos sejam drenados de seu organismo.
  • 8. Sonda nasoentérica A sonda nasoenteral é inserida através da narina até o estômago ou intestino. Após sua inserção, é necessário fazer um exame de raio X para verificação do posicionamento correto. A sonda é passada por um enfermeiro ou um médico, com um guia metálico flexível. Este guia deverá ser guardado para ser utilizado novamente, caso seja necessário repassar a sonda. O procedimento é simples, indolor, podendo causar uma discreta náusea ou um desconforto na garganta ou nariz. O tempo de utilização da mesma sonda é indeterminado, ficando a troca a critério do enfermeiro.
  • 9. Fixação da sonda • A sonda deve ser fixada à pele com uma fita adesiva hipoalergênica ou esparadrapo, para evitar que seja retirada acidentalmente ou que se desloque para fora do estômago ou intestino. • Esta fixação deve ser trocada quando estiver suja ou solta: • retire a fixação antiga, • limpe o nariz com água e sabão, • seque bem, sem friccionar, • fixe a sonda, sem passar na frente dos olhos ou da boca. A sonda não deve ficar dobrada, nem puxar a narina. Em caso de vermelhidão ou machucado na pele, fixar a sonda em outro local.
  • 10.
  • 11. Que tipo de dieta devo passar na sonda? Existem dois tipos de dieta enteral: Dieta caseira: é uma dieta que você prepara na sua casa com alimentos em sua forma natural (leite, mel, açúcar, óleo vegetal, caldo de carne, farinhas, ovo, etc.) e que deve ser liquidificada e, se necessário, coada. É necessária uma adequada combinação de alimentos para que a dieta esteja completa e equilibrada. Portanto, siga a receita fornecida e orientada pelo nutricionista. Dieta industrializada: é uma dieta pronta, balanceada, possuindo todos os nutrientes necessários. Pode ser apresentada sob a forma de pó, que deverá ser liquidificado com água, ou sob a forma líquida, pronta para ser administrada. O nutricionista indicará a dieta mais adequada à sua situação.
  • 13. Como administrar medicamentos pela sonda? Se o médico prescreveu medicamentos a serem administrados pela sonda, proceder da seguinte maneira: • medicamentos líquidos: aspirar o volume prescrito com a seringa e injetar pela sonda; • comprimidos e drágeas: amassar e dissolver em água, misturando bem; aspirar com a seringa e injetar pela sonda.
  • 14. Como evitar obstrução da sonda nasoenteral? Por ser muito fina, a sonda pode entupir-se facilmente, impossibilitando a administração da dieta enteral. Para evitar este problema: - injetar, com uma seringa, 40 ml de água filtrada, fervida e fria na sonda, antes e após a administração da dieta ou de medicamento; - observar os cuidados com a administração de medicamentos (página 18); - em caso de obstrução, injetar lentamente 20 ml de água filtrada, fervida e morna ou refrigerante tipo cola. Atenção: a sonda pode se romper caso a pressão para injetar a água for muito forte .
  • 15. Sinais de alerta Deve-se acionar a equipe multiprofissional quando o paciente apresentar: • diarréia por mais de um dia, • constipação (prisão de ventre) por mais de três dias, • náuseas e vômitos persistentes, • dor abdominal, • febre (mais de 37,5°C), • rosto ou pernas inchadas, • perda de peso, • sangramento.
  • 16. Gastrostomia A gastrostomia é uma cirurgia realizada para a colocação de um pequeno tubo flexível, conhecido como sonda, através da pele da barriga diretamente até ao estômago, para permitir a alimentação e fornecimento de nutrientes nos casos em que a pessoa não consegue se alimentar pela boca. Esse tipo de cirurgia permite a alimentação adequada através da nutrição enteral, que pode ser preparada triturando alimentos ou usando fórmulas específicas.
  • 17. Gastrostomia A gastrostomia pode ser indicada de forma permanente, dependendo da condição de saúde da pessoa, ou de forma temporária, como depois de uma cirurgia do aparelho digestivo, por exemplo, devendo ser recomendada e realizada pelo gastroenterologista.
  • 18. Jejunostomia É um procedimento cirúrgico de caráter temporário ou definitivo, por meio de endoscopia, laparotomia ou laparoscopia, que estabelece o acesso ao jejuno (intestino) proximal através da parede abdominal, a fim de evitar a passagem do alimento pelo estômago, sendo indicada para (SILVA, 2007): • cirurgias abdominais de grande porte que envolvem ressecção gástrica; •fístulas digestivas.
  • 19.
  • 20. Dieta Parenteral Trata-se da administração de nutrientes pela via endovenosa. Dessa forma, busca garantir a homeostase e a nutrição adequada, em situações extremas, nas quais, além da desnutrição, o paciente não pode receber a forma enteral.
  • 22.
  • 23. Cuidados com a NPT -Avaliar e assegurar a instalação da NP observando as recomendações do rótulo e confrontando-as com a prescrição; -Assegurar que qualquer outra droga, solução ou nutrientes prescritos, não sejam infundidos na mesma via de administração da solução parenteral, sem autorização formal da equipe Multiprofissional de Nutrição Parenteral; -Garantir o registro claro e preciso de informações relacionadas à administração e a evolução do paciente, quanto aos dados antropométricos, peso, sinais vitais, balanço hídrico, glicemia, tolerância digestiva entre outros; -Garantir a troca do curativo , com base em procedimentos preestabelecidos; -Efetuar e/ou supervisionar a troca do curativo do cateter venoso, com base em procedimentos preestabelecidos; -Higienização do ponto de iserção do cateter. -Preenchimento do equipo antes de iniciar a infusão.
  • 24. Indicações de NPT A nutrição parenteral não deve ser utilizada rotineiramente em pacientes com trato gastrintestinal intacto. Em comparação à nutrição enteral, tem as seguintes desvantagens: Causa mais complicações. Não preserva a estrutura e a função do trato gastrintestinal. É mais cara. A NPT só deve ser indicada para pacientes com trato gastrintestinal não funcionante ou que apresentam distúrbios que requerem repouso intestinal, como: • Alguns estágios da colite ulcerativa • Obstrução intestinal • Determinados distúrbios gastrointestinais pediátricos (p. ex., anomalias congênitas, diarreia prolongada, sejam quais forem suas causas) • Síndrome do intestino curto decorrente de cirurgia.