SlideShare uma empresa Scribd logo
Romantismo
ou
romantismo?
E romance?
Romantismo
Visão Geral
Profª Josi Motta
2016
Lembrar:
Alemanha: Gothe e “Os sofrimentos do jovem Werther”
França: Revolução Francesa
O Romantismo foi a primeira escola
a rompercoma estética clássica.
Romantismo
Era Medieval Era Clássica Romantismo
1ª época 2ª época Classicismo Barroco Arcadismo
Lembrar: Eixos do RomantismoLembrar: Eixos do Romantismo
INDIVIDUALISMO
• Egocentrismo
• Sentimentalismo
• Subjetivismo
NACIONALISMO
• Naturalismo
• Retomada dos
heróis medievais
• Panteísmo
• Indianismo (Brasil)
• Regionalismo
LIBERDADE
• Culto do sonho e
da imaginação.
• Desrespeito às
regras clássicas da
composição.
• Escapismo
espacial e
temporal.
ROMANTISMO BRASILEIROROMANTISMO BRASILEIRO
POESIA
Profª Josi Motta
EIC - 2016
Moema, Vitor Meireles, 1866, MASP
ROMANTISMO NOROMANTISMO NO
BRASILBRASIL
INÍCIO NO BRASIL - O ano de 1836 é
considerado o marco do Romantismo no país,
com a publicação do livro Suspiros Poéticos e
Saudades, de Gonçalves de Magalhães (1811 –
1882)
ROMANTISMO BRASILEIRO (1836 – 1881)
Contexto Histórico (mundial):
Triunfo da filosofia burguesa (liberalismo e
individualismo);
 Ascensão da burguesia: progresso político, social e
econômico;
Aperfeiçoamento da imprensa: transformação do
livro em produto de consumo;
No Brasil: A chegada da família real, seus
desdobramentos, a independência (1822) e o Primeiro
Reinado; Regências; Segundo Reinado; Guerra do
Paraguai; Abolicionismo; Projeto de Formação da
Identidade Nacional; Rio de Janeiro: capital política da
nova nação e referência para as artes nacionais.
1ª geração – Valorizavam muito os temas
nacionais, fatos históricos e a vida do índio,
que era apresentado como “bom
selvagem” e, portanto, o símbolo
cultural do Brasil.
2ª geração – Retratavam os temas amorosos
levados ao extremo e as poesias são
marcadas por um profundo pessimismo,
valorização da morte, tristeza e uma visão
decadente da vida e da sociedade
GERAÇÕES ROMÂNTICAS - POESIA
3ª geração – Textos marcados por crítica
social (Escravidão), engajamento e tom
declamatório.
Castro Alves criticou de forma direta a
escravidão no poema “Navio Negreiro”. O
autor mostra em sua observação que os
escravos tinham uma vida antes da
escravidão. Alguns eram reis, príncipes,
pessoas da nobreza arrancadas de seu
conforto.
GERAÇÕES ROMÂNTICAS - POESIA
Romantismo
1ª Geração
I - Denominação: Nacional-
Indianista.
II - Características:
* Mitificação
* Xenofobia
* Panteísmo
* Religiosidade
* Medievalismo
Da Pátria
Do Índio
Romantismo – 1ª
GeraçãoGonçalves Dias
Poesia:
* Primeiros Cantos
* Segundos Cantos
* Sextilhas de Frei Antão
* Últimos Cantos
* Os Timbiras
Teatro:
* Beatriz Cenci
* Leonor Mendonça
Temática:
* Nacionalismo, Indianismo,
Panteísmo, Lirismo Amoroso
Romantismo – 1ª
GeraçãoPoesia Nacionalista
Canção do Exílio
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá:
As aves que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá
Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.
Em cismar sozinho à noite,
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá
Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar – sozinho à noite –
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu’inda aviste as palmeiras
Onde canta o Sábia.
Romantismo – 1ª
GeraçãoPoesia Indianista
I-Juca-Pirama
No meio das tabas de amenos verdores,
Cercadas de troncos – cobertos de flores,
Alteiam-se os tetos d’altiva nação;
São muitos seus filhos, nos ânimos fortes,
Temíveis na guerra que em densas coortes
Assombram das matas a imensa extensão.
São rudos, severos, sedentos de glória,
Já prélios incitam, já cantam vitória,
Já meigos atendem à voz do cantor:
São todos Timbiras, guerreiros valentes!
Seu nome lá voa na boca das gentes,
Condão de prodígios, de glória e terror!
[...]
(DIAS, Gonçalves. I-Juca-Pirama. In: RIEDEL, Dirce. Literatura brasileira em curso. Rio de Janeiro:
Bloch, 1969. p. 311)
Romantismo – 1ª
GeraçãoPoesia Lírico-Amorosa
Enfim te vejo! – enfim posso,
Curvado a teus pés, dizer-te
Que não cessei de querer-te
Pesar de quanto sofri.
Muito pensei! Cruas ânsias,
Dos teus olhos afastado,
Houveram-me acabrunhado,
A não lembrar-me de ti!
............................................
Louco, aflito, a saciar-me
D’agravar minha ferida,
Tomou-me tédio da vida,
Passos da morte senti;
Mas quase no passo extremo,
No último arcar da esperança,
Tu me vieste à lembrança:
Quis viver mais e vivi!
2ª Geração
I - Denominação:
* Ultra-Romantismo
* Byronismo
* Mal-do-Século
II - Características:
* Sentimentalismo
* Escapismo
III - Influências:
Melancolia
Tédio
Niilismo
Sonho
Solidão
Morte
Byron
Goethe
Romantismo – 2ª Geração
Romantismo – 2ª
GeraçãoÁlvares de Azevedo
Poesia:
* Lira dos Vinte Anos
* Conde Lopo
Conto:
* Noite na Taverna
Teatro:
* Macário
Temas:
Fantasia
Sonho
Morte
Idealização
Sensualidade
Macabros
Fantásticos
Evasão
Amor
Góticos
Romantismo – 2ª
GeraçãoPoesia de Escapismo
Se uma lágrima as pálpebras me inunda,
Se um suspiro nos seios treme ainda,
É pela virgem que sonhei... que nunca
Aos lábios, me encostou a face linda!
Só tu à mocidade sonhadora
Do pálido poeta deste flores...
Se viveu, foi por ti! e de esperança
De na vida gozar de teus amores
(...)
Descansem o meu leito solitário
Na floresta dos homens esquecida,
À sombra de uma cruz, e escrevam nela:
- Foi poeta - sonhou – e amou a vida.
Romantismo – 2ª
GeraçãoPálida, à luz da lâmpada sombria,
Sobre o leito de flores reclinada,
Como a lua por noite embalsamada,
Entre as nuvens do amor ela dormia!
Era a virgem do mar! Na escuma fria
Pela maré das águas embaladas!
Era um anjo entre nuvens d’alvorada
Que em sonhos se banhava e se esquecia!”
Romantismo – 2ª
Geração Poesia Gótica
Poetas! amanhã ao meu cadáver
Minha tripa cortai mais sonorosa!...
Façam dela uma corda e cantem nela
Os amores da vida esperançosa!
Cavaleiro das armas escuras,
Onde vais pelas trevas impuras
Com a espada sanguenta na mão?
Por que brilham teus olhos ardentes
E gemidos nos lábios frementes
Vertem fogo do teu coração?
Cavaleiro, quem és? o remorso?
Do corcel te debruças no dorso...
E galopas do vale através...
Oh! da estrada acordando as poeiras
Não escutas gritar as caveiras
E morder-te o phantasma os pés?
Poesia Irônica
Casimiro de Abreu
Sua poesia é caracterizada por temas já
gastos, ritmo fácil, rima pobre e repetitiva,
linguagem simples e emprego abusivo de
pleonasmos. Entretanto, justamente pelas
características apontadas, é um dos mais
populares poetas da literatura brasileira.
Poeta da saudade.
Romantismo – 2ª
Geração
Meus Oito Anos
Oh! que saudades que tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais!
Que amor, que sonhos, que flores,
Naquelas tardes fagueiras
À sombra das bananeiras,
Debaixo dos laranjais!
Como são belos os dias
Do despontar da existência!
— Respira a alma inocência
Como perfumes a flor;
O mar é — lago sereno,
O céu — um manto azulado,
O mundo — um sonho dourado,
A vida — um hino d'amor!
Romantismo – 2ª
Geração
Junqueira Freire
Sua única obra de poesias, as "Inspirações
do Claustro (1855), tem grande valor de
testemunho das experiências interiores
passadas pelo autor em sua breve vida: o
desgosto na casa dos pais as ilusões sobre a
vocação monástica as dúvidas e desesperos
nos dois anos em que permaneceu na
Ordem.
Romantismo – 2ª
Geração
Fagundes VarelaFagundes Varela
Sua poesia marca a transição entre a geração
ultra-romântica de Álvares de Azevedo e a
geração condoreira de Castro Alves, passando
por vários temas comuns do Romantismo
vigente.
Canta a natureza e suas belezas, essa exaltação
muitas vezes entra em conflito com o
inconformismo e a inadequação à sociedade, o
que o leva a escrever sobre os problemas
sociais, aproximando-o da poesia condoreira da
terceira e última geração romântica.
Romantismo – 2ª
Geração
Castro AlvesCastro Alves
Romantismo – 3ª
Geração
Sua obra tem como características a
indignação com tantas opressões e a
compreensão dos problemas sociais. Sua
poesia também possui um tom vigoroso e
versos expressivos.
Castro Alves recebeu o apelido de Poeta dos
Escravos, pois é na poesia abolicionista que ele
melhor se sobressaiu. Nas obras Navio
Negreiro e Vozes d’África o poeta denuncia as
injustiças e clama por liberdade.
A poesia amorosa de Castro Alves é mais
sensual do que o comum na época. A mulher
aparece envolvida em um clima de erotismo e
paixão e está muito próxima a ele. O amor, em
suas obras, não é mais platônico.
Romantismo – 3ª Geração

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
Victor Said
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Josie Ubiali
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
Andrieli Muhl
 
Literatura brasileira resumo
Literatura brasileira resumoLiteratura brasileira resumo
Literatura brasileira resumo
Ana Lúcia Moura Neves
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Escolas Literárias - Quinhentismo
Escolas Literárias - QuinhentismoEscolas Literárias - Quinhentismo
Escolas Literárias - Quinhentismo
Lara Lídia
 
Aula 1 quinhentismo
Aula 1  quinhentismoAula 1  quinhentismo
Aula 1 quinhentismo
LIRIANY CORREIA COSTA
 
Modernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geraçãoModernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geração
Carolina Loçasso Pereira
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
Andriane Cursino
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Slide Genero Textual Poesia
Slide Genero Textual PoesiaSlide Genero Textual Poesia
Slide Genero Textual Poesia
Jomari
 
Romantismo contexto histórico e características
Romantismo   contexto histórico e característicasRomantismo   contexto histórico e características
Romantismo contexto histórico e características
VIVIAN TROMBINI
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
eeadolpho
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
Luciene Gomes
 
Variedades linguisticas
Variedades linguisticasVariedades linguisticas
Variedades linguisticas
Marcia Oliveira
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
CrisBiagio
 
Naturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e portuguêsNaturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e português
Colégio Santa Luzia
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Revisão – literatura
Revisão – literatura Revisão – literatura
Revisão – literatura
Maria Glalcy Fequetia Dalcim
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula

Mais procurados (20)

Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
 
Literatura brasileira resumo
Literatura brasileira resumoLiteratura brasileira resumo
Literatura brasileira resumo
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
Escolas Literárias - Quinhentismo
Escolas Literárias - QuinhentismoEscolas Literárias - Quinhentismo
Escolas Literárias - Quinhentismo
 
Aula 1 quinhentismo
Aula 1  quinhentismoAula 1  quinhentismo
Aula 1 quinhentismo
 
Modernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geraçãoModernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geração
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Slide Genero Textual Poesia
Slide Genero Textual PoesiaSlide Genero Textual Poesia
Slide Genero Textual Poesia
 
Romantismo contexto histórico e características
Romantismo   contexto histórico e característicasRomantismo   contexto histórico e características
Romantismo contexto histórico e características
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
 
Variedades linguisticas
Variedades linguisticasVariedades linguisticas
Variedades linguisticas
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Naturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e portuguêsNaturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e português
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Revisão – literatura
Revisão – literatura Revisão – literatura
Revisão – literatura
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Romantismo - aula
 

Destaque

A majestade do xingu
A majestade do xinguA majestade do xingu
A majestade do xingu
Josi Motta
 
O romantismo no brasil poesia
O romantismo no brasil   poesiaO romantismo no brasil   poesia
O romantismo no brasil poesia
guest5e4f04
 
Romantismo poesia power point
Romantismo poesia power pointRomantismo poesia power point
Romantismo poesia power point
sfotoinpoc
 
Slide introdução ao romantismo
Slide introdução ao romantismoSlide introdução ao romantismo
Slide introdução ao romantismo
Elaine Chiullo
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
guest276c9
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
Marcos Souza
 
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosaRomantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
Tim Bagatelas
 
Literatura romantismo
Literatura romantismoLiteratura romantismo
Literatura romantismo
Cristina Medina
 
Romantismo No Brasil
Romantismo No BrasilRomantismo No Brasil
Romantismo No Brasil
martinsramon
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Queiroz
 
Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismo
mix1981
 

Destaque (12)

A majestade do xingu
A majestade do xinguA majestade do xingu
A majestade do xingu
 
O romantismo no brasil poesia
O romantismo no brasil   poesiaO romantismo no brasil   poesia
O romantismo no brasil poesia
 
Romantismo poesia power point
Romantismo poesia power pointRomantismo poesia power point
Romantismo poesia power point
 
Slide introdução ao romantismo
Slide introdução ao romantismoSlide introdução ao romantismo
Slide introdução ao romantismo
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosaRomantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
 
Literatura romantismo
Literatura romantismoLiteratura romantismo
Literatura romantismo
 
Romantismo No Brasil
Romantismo No BrasilRomantismo No Brasil
Romantismo No Brasil
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismo
 

Semelhante a Romantismo - poesia - brasil

Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
Jonatas Carlos
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
Thalita Dias
 
O Romantismo
O RomantismoO Romantismo
O Romantismo
Ronaldo Mesquita
 
O Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil IIO Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil II
Cicero Luciano
 
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Panorama da literatura ii   a partir do romantismoPanorama da literatura ii   a partir do romantismo
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Dilmara Faria
 
Romantismo
Romantismo Romantismo
Romantismo
CrisBiagio
 
Romantismo 2014
Romantismo 2014Romantismo 2014
Romantismo 2014
CrisBiagio
 
Romantismo
 Romantismo Romantismo
Romantismo
Bárbara Hellen
 
início-romantismo
início-romantismoinício-romantismo
início-romantismo
Lucass72
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
Jeferson Welme
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Gabriel Alves
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Gabriel Alves
 
Romantismo no brasil segunda geração
Romantismo no brasil   segunda geraçãoRomantismo no brasil   segunda geração
Romantismo no brasil segunda geração
Vilmar Vilaça
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
manuudias
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Revisão
RevisãoRevisão
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na Taverna
Kauan_ts
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
jojopaiva
 
português%20trabalho.pptx
português%20trabalho.pptxportuguês%20trabalho.pptx
português%20trabalho.pptx
DAYNARASANTOS3
 
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
MichaelMorais12
 

Semelhante a Romantismo - poesia - brasil (20)

Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
 
O Romantismo
O RomantismoO Romantismo
O Romantismo
 
O Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil IIO Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil II
 
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Panorama da literatura ii   a partir do romantismoPanorama da literatura ii   a partir do romantismo
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
 
Romantismo
Romantismo Romantismo
Romantismo
 
Romantismo 2014
Romantismo 2014Romantismo 2014
Romantismo 2014
 
Romantismo
 Romantismo Romantismo
Romantismo
 
início-romantismo
início-romantismoinício-romantismo
início-romantismo
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo no brasil segunda geração
Romantismo no brasil   segunda geraçãoRomantismo no brasil   segunda geração
Romantismo no brasil segunda geração
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na Taverna
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
português%20trabalho.pptx
português%20trabalho.pptxportuguês%20trabalho.pptx
português%20trabalho.pptx
 
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
 

Mais de Josi Motta

Alusões históricas-e-citações
Alusões históricas-e-citaçõesAlusões históricas-e-citações
Alusões históricas-e-citações
Josi Motta
 
Auto da compadecida
Auto da compadecidaAuto da compadecida
Auto da compadecida
Josi Motta
 
Além do ponto e outros contos novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...
Além do ponto e outros contos   novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...Além do ponto e outros contos   novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...
Além do ponto e outros contos novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...
Josi Motta
 
Olhos d'água autora-resumo-análise
Olhos d'água   autora-resumo-análiseOlhos d'água   autora-resumo-análise
Olhos d'água autora-resumo-análise
Josi Motta
 
Esaú e jacó
Esaú e jacóEsaú e jacó
Esaú e jacó
Josi Motta
 
Quarenta dias
Quarenta diasQuarenta dias
Quarenta dias
Josi Motta
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
Josi Motta
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Josi Motta
 
Crônicas selecionadas nu, de botas - av2
Crônicas selecionadas   nu, de botas - av2Crônicas selecionadas   nu, de botas - av2
Crônicas selecionadas nu, de botas - av2
Josi Motta
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Josi Motta
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016
Josi Motta
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Josi Motta
 
Crônicas selecionadas nu, de botas - av1
Crônicas selecionadas   nu, de botas - av1Crônicas selecionadas   nu, de botas - av1
Crônicas selecionadas nu, de botas - av1
Josi Motta
 
Trovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismoTrovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismo
Josi Motta
 
Redação geral final
Redação geral finalRedação geral final
Redação geral final
Josi Motta
 
A hora da estrela 2015
A hora da estrela 2015A hora da estrela 2015
A hora da estrela 2015
Josi Motta
 
Aulão udesc red e lit
Aulão udesc   red e litAulão udesc   red e lit
Aulão udesc red e lit
Josi Motta
 
Proposta subjetiva
Proposta subjetivaProposta subjetiva
Proposta subjetiva
Josi Motta
 
Temas trabalhados
Temas trabalhadosTemas trabalhados
Temas trabalhados
Josi Motta
 
Redação enem
Redação enemRedação enem
Redação enem
Josi Motta
 

Mais de Josi Motta (20)

Alusões históricas-e-citações
Alusões históricas-e-citaçõesAlusões históricas-e-citações
Alusões históricas-e-citações
 
Auto da compadecida
Auto da compadecidaAuto da compadecida
Auto da compadecida
 
Além do ponto e outros contos novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...
Além do ponto e outros contos   novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...Além do ponto e outros contos   novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...
Além do ponto e outros contos novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...
 
Olhos d'água autora-resumo-análise
Olhos d'água   autora-resumo-análiseOlhos d'água   autora-resumo-análise
Olhos d'água autora-resumo-análise
 
Esaú e jacó
Esaú e jacóEsaú e jacó
Esaú e jacó
 
Quarenta dias
Quarenta diasQuarenta dias
Quarenta dias
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Crônicas selecionadas nu, de botas - av2
Crônicas selecionadas   nu, de botas - av2Crônicas selecionadas   nu, de botas - av2
Crônicas selecionadas nu, de botas - av2
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Crônicas selecionadas nu, de botas - av1
Crônicas selecionadas   nu, de botas - av1Crônicas selecionadas   nu, de botas - av1
Crônicas selecionadas nu, de botas - av1
 
Trovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismoTrovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismo
 
Redação geral final
Redação geral finalRedação geral final
Redação geral final
 
A hora da estrela 2015
A hora da estrela 2015A hora da estrela 2015
A hora da estrela 2015
 
Aulão udesc red e lit
Aulão udesc   red e litAulão udesc   red e lit
Aulão udesc red e lit
 
Proposta subjetiva
Proposta subjetivaProposta subjetiva
Proposta subjetiva
 
Temas trabalhados
Temas trabalhadosTemas trabalhados
Temas trabalhados
 
Redação enem
Redação enemRedação enem
Redação enem
 

Último

P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 

Romantismo - poesia - brasil

  • 3. Lembrar: Alemanha: Gothe e “Os sofrimentos do jovem Werther” França: Revolução Francesa
  • 4. O Romantismo foi a primeira escola a rompercoma estética clássica. Romantismo Era Medieval Era Clássica Romantismo 1ª época 2ª época Classicismo Barroco Arcadismo
  • 5. Lembrar: Eixos do RomantismoLembrar: Eixos do Romantismo INDIVIDUALISMO • Egocentrismo • Sentimentalismo • Subjetivismo NACIONALISMO • Naturalismo • Retomada dos heróis medievais • Panteísmo • Indianismo (Brasil) • Regionalismo LIBERDADE • Culto do sonho e da imaginação. • Desrespeito às regras clássicas da composição. • Escapismo espacial e temporal.
  • 6. ROMANTISMO BRASILEIROROMANTISMO BRASILEIRO POESIA Profª Josi Motta EIC - 2016 Moema, Vitor Meireles, 1866, MASP
  • 7. ROMANTISMO NOROMANTISMO NO BRASILBRASIL INÍCIO NO BRASIL - O ano de 1836 é considerado o marco do Romantismo no país, com a publicação do livro Suspiros Poéticos e Saudades, de Gonçalves de Magalhães (1811 – 1882)
  • 8. ROMANTISMO BRASILEIRO (1836 – 1881) Contexto Histórico (mundial): Triunfo da filosofia burguesa (liberalismo e individualismo);  Ascensão da burguesia: progresso político, social e econômico; Aperfeiçoamento da imprensa: transformação do livro em produto de consumo; No Brasil: A chegada da família real, seus desdobramentos, a independência (1822) e o Primeiro Reinado; Regências; Segundo Reinado; Guerra do Paraguai; Abolicionismo; Projeto de Formação da Identidade Nacional; Rio de Janeiro: capital política da nova nação e referência para as artes nacionais.
  • 9. 1ª geração – Valorizavam muito os temas nacionais, fatos históricos e a vida do índio, que era apresentado como “bom selvagem” e, portanto, o símbolo cultural do Brasil. 2ª geração – Retratavam os temas amorosos levados ao extremo e as poesias são marcadas por um profundo pessimismo, valorização da morte, tristeza e uma visão decadente da vida e da sociedade GERAÇÕES ROMÂNTICAS - POESIA
  • 10. 3ª geração – Textos marcados por crítica social (Escravidão), engajamento e tom declamatório. Castro Alves criticou de forma direta a escravidão no poema “Navio Negreiro”. O autor mostra em sua observação que os escravos tinham uma vida antes da escravidão. Alguns eram reis, príncipes, pessoas da nobreza arrancadas de seu conforto. GERAÇÕES ROMÂNTICAS - POESIA
  • 11. Romantismo 1ª Geração I - Denominação: Nacional- Indianista. II - Características: * Mitificação * Xenofobia * Panteísmo * Religiosidade * Medievalismo Da Pátria Do Índio
  • 12. Romantismo – 1ª GeraçãoGonçalves Dias Poesia: * Primeiros Cantos * Segundos Cantos * Sextilhas de Frei Antão * Últimos Cantos * Os Timbiras Teatro: * Beatriz Cenci * Leonor Mendonça Temática: * Nacionalismo, Indianismo, Panteísmo, Lirismo Amoroso
  • 13. Romantismo – 1ª GeraçãoPoesia Nacionalista Canção do Exílio Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá: As aves que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em cismar sozinho à noite, Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá Minha terra tem primores, Que tais não encontro eu cá; Em cismar – sozinho à noite – Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Não permita Deus que eu morra, Sem que eu volte para lá; Sem que desfrute os primores Que não encontro por cá; Sem qu’inda aviste as palmeiras Onde canta o Sábia.
  • 14. Romantismo – 1ª GeraçãoPoesia Indianista I-Juca-Pirama No meio das tabas de amenos verdores, Cercadas de troncos – cobertos de flores, Alteiam-se os tetos d’altiva nação; São muitos seus filhos, nos ânimos fortes, Temíveis na guerra que em densas coortes Assombram das matas a imensa extensão. São rudos, severos, sedentos de glória, Já prélios incitam, já cantam vitória, Já meigos atendem à voz do cantor: São todos Timbiras, guerreiros valentes! Seu nome lá voa na boca das gentes, Condão de prodígios, de glória e terror! [...] (DIAS, Gonçalves. I-Juca-Pirama. In: RIEDEL, Dirce. Literatura brasileira em curso. Rio de Janeiro: Bloch, 1969. p. 311)
  • 15. Romantismo – 1ª GeraçãoPoesia Lírico-Amorosa Enfim te vejo! – enfim posso, Curvado a teus pés, dizer-te Que não cessei de querer-te Pesar de quanto sofri. Muito pensei! Cruas ânsias, Dos teus olhos afastado, Houveram-me acabrunhado, A não lembrar-me de ti! ............................................ Louco, aflito, a saciar-me D’agravar minha ferida, Tomou-me tédio da vida, Passos da morte senti; Mas quase no passo extremo, No último arcar da esperança, Tu me vieste à lembrança: Quis viver mais e vivi!
  • 16. 2ª Geração I - Denominação: * Ultra-Romantismo * Byronismo * Mal-do-Século II - Características: * Sentimentalismo * Escapismo III - Influências: Melancolia Tédio Niilismo Sonho Solidão Morte Byron Goethe Romantismo – 2ª Geração
  • 17. Romantismo – 2ª GeraçãoÁlvares de Azevedo Poesia: * Lira dos Vinte Anos * Conde Lopo Conto: * Noite na Taverna Teatro: * Macário Temas: Fantasia Sonho Morte Idealização Sensualidade Macabros Fantásticos Evasão Amor Góticos
  • 18. Romantismo – 2ª GeraçãoPoesia de Escapismo Se uma lágrima as pálpebras me inunda, Se um suspiro nos seios treme ainda, É pela virgem que sonhei... que nunca Aos lábios, me encostou a face linda! Só tu à mocidade sonhadora Do pálido poeta deste flores... Se viveu, foi por ti! e de esperança De na vida gozar de teus amores (...) Descansem o meu leito solitário Na floresta dos homens esquecida, À sombra de uma cruz, e escrevam nela: - Foi poeta - sonhou – e amou a vida.
  • 19. Romantismo – 2ª GeraçãoPálida, à luz da lâmpada sombria, Sobre o leito de flores reclinada, Como a lua por noite embalsamada, Entre as nuvens do amor ela dormia! Era a virgem do mar! Na escuma fria Pela maré das águas embaladas! Era um anjo entre nuvens d’alvorada Que em sonhos se banhava e se esquecia!”
  • 20. Romantismo – 2ª Geração Poesia Gótica Poetas! amanhã ao meu cadáver Minha tripa cortai mais sonorosa!... Façam dela uma corda e cantem nela Os amores da vida esperançosa! Cavaleiro das armas escuras, Onde vais pelas trevas impuras Com a espada sanguenta na mão? Por que brilham teus olhos ardentes E gemidos nos lábios frementes Vertem fogo do teu coração? Cavaleiro, quem és? o remorso? Do corcel te debruças no dorso... E galopas do vale através... Oh! da estrada acordando as poeiras Não escutas gritar as caveiras E morder-te o phantasma os pés? Poesia Irônica
  • 21. Casimiro de Abreu Sua poesia é caracterizada por temas já gastos, ritmo fácil, rima pobre e repetitiva, linguagem simples e emprego abusivo de pleonasmos. Entretanto, justamente pelas características apontadas, é um dos mais populares poetas da literatura brasileira. Poeta da saudade. Romantismo – 2ª Geração
  • 22. Meus Oito Anos Oh! que saudades que tenho Da aurora da minha vida, Da minha infância querida Que os anos não trazem mais! Que amor, que sonhos, que flores, Naquelas tardes fagueiras À sombra das bananeiras, Debaixo dos laranjais! Como são belos os dias Do despontar da existência! — Respira a alma inocência Como perfumes a flor; O mar é — lago sereno, O céu — um manto azulado, O mundo — um sonho dourado, A vida — um hino d'amor! Romantismo – 2ª Geração
  • 23. Junqueira Freire Sua única obra de poesias, as "Inspirações do Claustro (1855), tem grande valor de testemunho das experiências interiores passadas pelo autor em sua breve vida: o desgosto na casa dos pais as ilusões sobre a vocação monástica as dúvidas e desesperos nos dois anos em que permaneceu na Ordem. Romantismo – 2ª Geração
  • 24. Fagundes VarelaFagundes Varela Sua poesia marca a transição entre a geração ultra-romântica de Álvares de Azevedo e a geração condoreira de Castro Alves, passando por vários temas comuns do Romantismo vigente. Canta a natureza e suas belezas, essa exaltação muitas vezes entra em conflito com o inconformismo e a inadequação à sociedade, o que o leva a escrever sobre os problemas sociais, aproximando-o da poesia condoreira da terceira e última geração romântica. Romantismo – 2ª Geração
  • 25. Castro AlvesCastro Alves Romantismo – 3ª Geração Sua obra tem como características a indignação com tantas opressões e a compreensão dos problemas sociais. Sua poesia também possui um tom vigoroso e versos expressivos. Castro Alves recebeu o apelido de Poeta dos Escravos, pois é na poesia abolicionista que ele melhor se sobressaiu. Nas obras Navio Negreiro e Vozes d’África o poeta denuncia as injustiças e clama por liberdade. A poesia amorosa de Castro Alves é mais sensual do que o comum na época. A mulher aparece envolvida em um clima de erotismo e paixão e está muito próxima a ele. O amor, em suas obras, não é mais platônico.
  • 26. Romantismo – 3ª Geração