SlideShare uma empresa Scribd logo
EE Professor João Cruz
Gabriel Alves da Silva n° 07
2° EMD
Movimento Literário
Romantismo
Contexto Histórico
O Romantismo surgiu no final
do século XVIII, e durou
cerca de meio século,
acabando no começo do
século XIX
A obra que marca o inicio do
movimento no Brasil é
“Suspiros Poéticos e
Saudades” de Gonçalves
Magalhães
Principais características do
Romantismo
 Individualismo – A arte romântica é a
representação do mundo interior do autor,
representação de seus sentimentos e de
sua visão do mundo
 Idealismo – Ideia de perfeição, mundos
criados pelo artista, como amores
verdadeiros, lugares perfeitos,
personagens com características ideiais;
 Fuga da realidade – criação de mundos
e lugares ideais para o artista, ou
valorização do passado, seguindo o ideal
romantico (perfeição), uso da evasão;
 Valorização da natureza – A natureza
“entende” os sentimentos do artista, ela
segue os sentimentos do escritor;
 Sentimentalismo – A principal
característica do Romantismo, sendo a
arte sempre representação de seus
sentimentos;
 No Romantismo foi o começo da
“liberdade” dos escritores, sem ter mais
padrões como os movimentos anteriores
Romantismo no Brasil
 O Romantismo no Brasil chegou por volta
de 1836, teve três gerações de poetas
Primeira Geração
Influenciada pela Independência do Brasil, a
poesia buscava a identificação do país com
suas raízes históricas, linguísticas e culturais.
Caracterizava o índio como herói, e exaltava os
elementos da natureza brasileira. Com o
objetivo de se diferenciar da influência
portuguesa, o sentimento era nacionalidade
Principais artistas da primeira
geração do Romantismo
 Além de Gonçalves de Magalhães, que foi
responsavel por introduzir o romantismo
no Brasil, Gonçalves Dias foi quem
consolidou de fato o movimento no país.
 Gonçalves Dias usava muito da literatura
indianista nas suas obras, como em “I-Juca
Pirama”
Trecho de “I-Juca Pirama”
de Gonçalves Dias
“Meu canto de
morte,
Guerreiros, ouvi:
Sou filho das
selvas,
Nas selvas cresci;
Guerreiros,
descendo
Da tribo tupi.
Da tribo pujante,
Que agora anda
errante
Por fado
inconstante,
Guerreiros, nasci;
Sou bravo, sou
forte,
Sou filho do
Norte;
Meu canto de
morte,
Guerreiros, ouvi.”
Segunda Geração
 Neste período, que se iniciou por volta de
1850, a poesia vinha de encontro às ideias
e temáticas da geração anterior: o eu-
lírico volta-se mais para si e afasta-se da
realidade social à sua volta.
 O eu-lírico “sofre” mais, valorizando mais
os sentimentos, a melancolia, o
sofrimento, a solidão e o medo do amor. O
eu-lírico vive em meio à solidão,
devaneios e as idealizações.
Principais poetas da
Segunda Geração
Álvares de Azevedo
Soneto
Pálida, à luz da lâmpada
sombria,
Sobre o leito de flores
reclinada,
Como a lua por noite
embalsamada,
Entre as nuvens do amor
ela dormia!
Era a virgem do mar! Na
escuma fria
Pela maré das águas
embalada!
Era um anjo entre
nuvens d'alvorada
Que em sonhos se
banhava e se esquecia!
Era mais bela! O seio
palpitando...
Negros olhos as
pálpebras abrindo...
Formas nuas no leito
resvalando...
Não te rias de mim, meu
anjo lindo!
Por ti - as noites eu velei
chorando,
Por ti - nos sonhos
morrerei sorrindo!
Casimiro de Abreu
• Saudades
Nas horas mortas da noite
Como é doce o meditar
Quando as estrelas cintilam
Nas ondas quietas do mar;
Quando a lua majestosa
Surgindo linda e formosa,
Como donzela vaidosa
Nas águas se vai mirar !
Nessas horas de silêncio,
De tristezas e de amor,
Eu gosto de ouvir ao longe,
Cheio de mágoa e de dor,
O sino do campanário
Que fala tão solitário
Com esse som mortuário
Que nos enche de pavor.
Então - proscrito e sozinho -
Eu solto os ecos da serra
Suspiros dessa saudade
Que no meu peito se encerra
Esses prantos de amargores
São prantos cheios de dores:
- Saudades - dos meus amores,
- Saudades da minha terra !
Casimiro de Abreu e Álvares de Azevedo
Terceira Geração
 Caracterizada pela poesia libertária
 A poesia dessa geração é combativa e
prima pela denúncia das condições dos
escravos, decorrência do sistema
econômico brasileiro, baseado no trabalho
escravo. Os poetas dessa geração também
clamam por uma poesia social em que a
humanidade trabalhe por igualdade,
justiça e liberdade.
Principais artistas
 Castro Alves (1847 -
1871)
Navio Negreiro: Canto VI
Existe um povo que a bandeira
empresta
P'ra cobrir tanta infâmia e
cobardia!...
E deixa-a transformar-se
nessa festa
Em manto impuro de
bacante fria!...
Meu Deus! meu Deus! mas
que bandeira é esta,
Que impudente na gávea
tripudia?
Silêncio. Musa... chora, e
chora tanto
Que o pavilhão se lave no
teu pranto! ...
Auriverde pendão de minha
terra,
Que a brisa do Brasil beija e
balança,
Estandarte que a luz do sol
encerra
E as promessas divinas da
esperança...
Tu que, da liberdade após a
guerra,
Foste hasteado dos heróis
na lança
Antes te houvessem roto na
batalha,
Que servires a um povo de
mortalha!...
Fatalidade atroz que a mente esmaga!
Extingue nesta hora o brigue imundo
O trilho que Colombo abriu nas vagas,
Como um íris no pélago profundo!
Mas é infâmia demais! ... Da etérea plaga
Levantai-vos, heróis do Novo Mundo!
Andrada! arranca esse pendão dos ares!
Colombo! fecha a porta dos teus mares!
 O poema anterior é um exemplo de poesia
libertária
Castro Alves
Referências bibliográficas
 http://educacao.uol.com.br/disciplinas/portugues/romantismo-no-brasil-
3-as-tres-geracoes-de-poetas.htm
 http://www.infoescola.com/literatura/romantismo-no-brasil/
 http://www.qieducacao.com/2010/10/1-geracao-romantica-principais-
poetas.html
 http://youtu.be/M6bbfC6AcKQ
 http://port8keditfundamental.jimdo.com/un-1-romantismo-x-
realismo/painel-1-o-romantismo-no-s%C3%A9culo-xix-e-sua-
heran%C3%A7a-nos-dias-de-hoje/
 http://www.culturatura.com.br/obras/As%20primaveras.pdf
 http://www.brasilescola.com/literatura/a-segunda-geracao-
romantismo.htm
 http://www.soliteratura.com.br/romantismo/romantismo08.php

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)
GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)
GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)
Danillo Rodrigues
 
Romantismo poesia power point
Romantismo poesia power pointRomantismo poesia power point
Romantismo poesia power point
sfotoinpoc
 
Romantismo slide
Romantismo   slideRomantismo   slide
Romantismo slide
Alexandre Costa
 
Gonçalves De Magalhães - Literatura.
Gonçalves De Magalhães - Literatura.Gonçalves De Magalhães - Literatura.
Gonçalves De Magalhães - Literatura.
Julia Maldonado Garcia
 
Slides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesiaSlides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesia
Antonio Marcos
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Adryel
 
Romantismo no brasil segunda geração
Romantismo no brasil   segunda geraçãoRomantismo no brasil   segunda geração
Romantismo no brasil segunda geração
Vilmar Vilaça
 
Poesia romântica no Brasil
Poesia romântica no BrasilPoesia romântica no Brasil
Poesia romântica no Brasil
Ana Karina Silva
 
Gerações românticas no Brasil: Poesia
Gerações românticas no Brasil: PoesiaGerações românticas no Brasil: Poesia
Gerações românticas no Brasil: Poesia
Tio Pablo Virtual
 
ROMANTISMO NO BRASIL
ROMANTISMO NO BRASILROMANTISMO NO BRASIL
ROMANTISMO NO BRASIL
Junior Moura
 
Gonçalves Dias
Gonçalves DiasGonçalves Dias
Gonçalves Dias
Marina Canever Pagliosa
 
Romantismo no brasil primórdios
Romantismo no brasil   primórdiosRomantismo no brasil   primórdios
Romantismo no brasil primórdios
VIVIAN TROMBINI
 
Romantismo Poesia
Romantismo PoesiaRomantismo Poesia
Romantismo Poesia
Gabriella Lima
 
A prosa romântica indianista
A prosa romântica indianistaA prosa romântica indianista
A prosa romântica indianista
Italo Coutinho
 
Gonçalves dias
Gonçalves diasGonçalves dias
Gonçalves dias
Lany da Silva
 
Literatura: Primeira Geração Romântica Brasileira
Literatura: Primeira Geração Romântica BrasileiraLiteratura: Primeira Geração Romântica Brasileira
Literatura: Primeira Geração Romântica Brasileira
Ingrit Silva Sampaio
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
Thalita Dias
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Elaine Blogger
 
segunda geração romântica
segunda geração românticasegunda geração romântica
segunda geração romântica
alinesantana1422
 
Romantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geraçãoRomantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geração
Andriane Cursino
 

Mais procurados (20)

GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)
GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)
GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)
 
Romantismo poesia power point
Romantismo poesia power pointRomantismo poesia power point
Romantismo poesia power point
 
Romantismo slide
Romantismo   slideRomantismo   slide
Romantismo slide
 
Gonçalves De Magalhães - Literatura.
Gonçalves De Magalhães - Literatura.Gonçalves De Magalhães - Literatura.
Gonçalves De Magalhães - Literatura.
 
Slides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesiaSlides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesia
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo no brasil segunda geração
Romantismo no brasil   segunda geraçãoRomantismo no brasil   segunda geração
Romantismo no brasil segunda geração
 
Poesia romântica no Brasil
Poesia romântica no BrasilPoesia romântica no Brasil
Poesia romântica no Brasil
 
Gerações românticas no Brasil: Poesia
Gerações românticas no Brasil: PoesiaGerações românticas no Brasil: Poesia
Gerações românticas no Brasil: Poesia
 
ROMANTISMO NO BRASIL
ROMANTISMO NO BRASILROMANTISMO NO BRASIL
ROMANTISMO NO BRASIL
 
Gonçalves Dias
Gonçalves DiasGonçalves Dias
Gonçalves Dias
 
Romantismo no brasil primórdios
Romantismo no brasil   primórdiosRomantismo no brasil   primórdios
Romantismo no brasil primórdios
 
Romantismo Poesia
Romantismo PoesiaRomantismo Poesia
Romantismo Poesia
 
A prosa romântica indianista
A prosa romântica indianistaA prosa romântica indianista
A prosa romântica indianista
 
Gonçalves dias
Gonçalves diasGonçalves dias
Gonçalves dias
 
Literatura: Primeira Geração Romântica Brasileira
Literatura: Primeira Geração Romântica BrasileiraLiteratura: Primeira Geração Romântica Brasileira
Literatura: Primeira Geração Romântica Brasileira
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
segunda geração romântica
segunda geração românticasegunda geração romântica
segunda geração romântica
 
Romantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geraçãoRomantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geração
 

Semelhante a Romantismo

Romantismo
Romantismo Romantismo
Romantismo
CrisBiagio
 
Romantismo 2014
Romantismo 2014Romantismo 2014
Romantismo 2014
CrisBiagio
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasil
Josi Motta
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
Jonatas Carlos
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
juliannecarvalho
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedoAps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
juliannecarvalho
 
O Romantismo
O RomantismoO Romantismo
O Romantismo
Ronaldo Mesquita
 
O romantismo no brasil
O romantismo no brasilO romantismo no brasil
O romantismo no brasil
strawhiit
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
Marcos Souza
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
RildeniceSantos
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
RildeniceSantos
 
Romantismo-Poesia e Prosa
Romantismo-Poesia e ProsaRomantismo-Poesia e Prosa
Romantismo-Poesia e Prosa
Ericka Colombi
 
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
MichaelMorais12
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
manuudias
 
Romantismo
 Romantismo Romantismo
Romantismo
Bárbara Hellen
 
Romantismo.
Romantismo.Romantismo.
Romantismo.
Lara Lídia
 
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Panorama da literatura ii   a partir do romantismoPanorama da literatura ii   a partir do romantismo
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Dilmara Faria
 
literatura-romantismo-no-brasil.ppt
literatura-romantismo-no-brasil.pptliteratura-romantismo-no-brasil.ppt
literatura-romantismo-no-brasil.ppt
keilaoliveira69
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
Jeferson Welme
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptxslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
GANHADODINHEIRO
 

Semelhante a Romantismo (20)

Romantismo
Romantismo Romantismo
Romantismo
 
Romantismo 2014
Romantismo 2014Romantismo 2014
Romantismo 2014
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasil
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedoAps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
 
O Romantismo
O RomantismoO Romantismo
O Romantismo
 
O romantismo no brasil
O romantismo no brasilO romantismo no brasil
O romantismo no brasil
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
 
Romantismo-Poesia e Prosa
Romantismo-Poesia e ProsaRomantismo-Poesia e Prosa
Romantismo-Poesia e Prosa
 
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
 Romantismo Romantismo
Romantismo
 
Romantismo.
Romantismo.Romantismo.
Romantismo.
 
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Panorama da literatura ii   a partir do romantismoPanorama da literatura ii   a partir do romantismo
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
 
literatura-romantismo-no-brasil.ppt
literatura-romantismo-no-brasil.pptliteratura-romantismo-no-brasil.ppt
literatura-romantismo-no-brasil.ppt
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptxslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
 

Mais de Gabriel Alves

Sequência de Fibonacci - 3º ano C
Sequência de Fibonacci - 3º ano CSequência de Fibonacci - 3º ano C
Sequência de Fibonacci - 3º ano C
Gabriel Alves
 
Sequencia de Fibonacci - 3º ano João Cruz
Sequencia de Fibonacci - 3º ano João CruzSequencia de Fibonacci - 3º ano João Cruz
Sequencia de Fibonacci - 3º ano João Cruz
Gabriel Alves
 
Apresentação sobre o livro alice no país dos enigmas
Apresentação sobre o livro alice no país dos enigmasApresentação sobre o livro alice no país dos enigmas
Apresentação sobre o livro alice no país dos enigmas
Gabriel Alves
 
Movimento Literário Realismo: A diferença do comportamento humano conforme a ...
Movimento Literário Realismo: A diferença do comportamento humano conforme a ...Movimento Literário Realismo: A diferença do comportamento humano conforme a ...
Movimento Literário Realismo: A diferença do comportamento humano conforme a ...
Gabriel Alves
 
Movimento Literário Realismo -
Movimento Literário Realismo - Movimento Literário Realismo -
Movimento Literário Realismo -
Gabriel Alves
 
Memórias póstumas de brás cubas
Memórias póstumas de brás cubasMemórias póstumas de brás cubas
Memórias póstumas de brás cubas
Gabriel Alves
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Gabriel Alves
 
O Teorema do Papagaio 1D
O Teorema do Papagaio 1DO Teorema do Papagaio 1D
O Teorema do Papagaio 1D
Gabriel Alves
 
Apresentação 1º ano d literatura informativa e jesuítica
Apresentação 1º ano d literatura informativa e jesuíticaApresentação 1º ano d literatura informativa e jesuítica
Apresentação 1º ano d literatura informativa e jesuítica
Gabriel Alves
 
1D - Literatura informativa e jesuitica
1D - Literatura informativa e jesuitica1D - Literatura informativa e jesuitica
1D - Literatura informativa e jesuitica
Gabriel Alves
 

Mais de Gabriel Alves (10)

Sequência de Fibonacci - 3º ano C
Sequência de Fibonacci - 3º ano CSequência de Fibonacci - 3º ano C
Sequência de Fibonacci - 3º ano C
 
Sequencia de Fibonacci - 3º ano João Cruz
Sequencia de Fibonacci - 3º ano João CruzSequencia de Fibonacci - 3º ano João Cruz
Sequencia de Fibonacci - 3º ano João Cruz
 
Apresentação sobre o livro alice no país dos enigmas
Apresentação sobre o livro alice no país dos enigmasApresentação sobre o livro alice no país dos enigmas
Apresentação sobre o livro alice no país dos enigmas
 
Movimento Literário Realismo: A diferença do comportamento humano conforme a ...
Movimento Literário Realismo: A diferença do comportamento humano conforme a ...Movimento Literário Realismo: A diferença do comportamento humano conforme a ...
Movimento Literário Realismo: A diferença do comportamento humano conforme a ...
 
Movimento Literário Realismo -
Movimento Literário Realismo - Movimento Literário Realismo -
Movimento Literário Realismo -
 
Memórias póstumas de brás cubas
Memórias póstumas de brás cubasMemórias póstumas de brás cubas
Memórias póstumas de brás cubas
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
O Teorema do Papagaio 1D
O Teorema do Papagaio 1DO Teorema do Papagaio 1D
O Teorema do Papagaio 1D
 
Apresentação 1º ano d literatura informativa e jesuítica
Apresentação 1º ano d literatura informativa e jesuíticaApresentação 1º ano d literatura informativa e jesuítica
Apresentação 1º ano d literatura informativa e jesuítica
 
1D - Literatura informativa e jesuitica
1D - Literatura informativa e jesuitica1D - Literatura informativa e jesuitica
1D - Literatura informativa e jesuitica
 

Último

Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 

Romantismo

  • 1. EE Professor João Cruz Gabriel Alves da Silva n° 07 2° EMD Movimento Literário Romantismo
  • 2. Contexto Histórico O Romantismo surgiu no final do século XVIII, e durou cerca de meio século, acabando no começo do século XIX A obra que marca o inicio do movimento no Brasil é “Suspiros Poéticos e Saudades” de Gonçalves Magalhães
  • 3. Principais características do Romantismo  Individualismo – A arte romântica é a representação do mundo interior do autor, representação de seus sentimentos e de sua visão do mundo
  • 4.  Idealismo – Ideia de perfeição, mundos criados pelo artista, como amores verdadeiros, lugares perfeitos, personagens com características ideiais;  Fuga da realidade – criação de mundos e lugares ideais para o artista, ou valorização do passado, seguindo o ideal romantico (perfeição), uso da evasão;  Valorização da natureza – A natureza “entende” os sentimentos do artista, ela segue os sentimentos do escritor;
  • 5.  Sentimentalismo – A principal característica do Romantismo, sendo a arte sempre representação de seus sentimentos;  No Romantismo foi o começo da “liberdade” dos escritores, sem ter mais padrões como os movimentos anteriores
  • 6. Romantismo no Brasil  O Romantismo no Brasil chegou por volta de 1836, teve três gerações de poetas
  • 7. Primeira Geração Influenciada pela Independência do Brasil, a poesia buscava a identificação do país com suas raízes históricas, linguísticas e culturais. Caracterizava o índio como herói, e exaltava os elementos da natureza brasileira. Com o objetivo de se diferenciar da influência portuguesa, o sentimento era nacionalidade
  • 8. Principais artistas da primeira geração do Romantismo  Além de Gonçalves de Magalhães, que foi responsavel por introduzir o romantismo no Brasil, Gonçalves Dias foi quem consolidou de fato o movimento no país.  Gonçalves Dias usava muito da literatura indianista nas suas obras, como em “I-Juca Pirama”
  • 9. Trecho de “I-Juca Pirama” de Gonçalves Dias “Meu canto de morte, Guerreiros, ouvi: Sou filho das selvas, Nas selvas cresci; Guerreiros, descendo Da tribo tupi. Da tribo pujante, Que agora anda errante Por fado inconstante, Guerreiros, nasci; Sou bravo, sou forte, Sou filho do Norte; Meu canto de morte, Guerreiros, ouvi.”
  • 10. Segunda Geração  Neste período, que se iniciou por volta de 1850, a poesia vinha de encontro às ideias e temáticas da geração anterior: o eu- lírico volta-se mais para si e afasta-se da realidade social à sua volta.  O eu-lírico “sofre” mais, valorizando mais os sentimentos, a melancolia, o sofrimento, a solidão e o medo do amor. O eu-lírico vive em meio à solidão, devaneios e as idealizações.
  • 11. Principais poetas da Segunda Geração Álvares de Azevedo Soneto Pálida, à luz da lâmpada sombria, Sobre o leito de flores reclinada, Como a lua por noite embalsamada, Entre as nuvens do amor ela dormia! Era a virgem do mar! Na escuma fria Pela maré das águas embalada! Era um anjo entre nuvens d'alvorada Que em sonhos se banhava e se esquecia! Era mais bela! O seio palpitando... Negros olhos as pálpebras abrindo... Formas nuas no leito resvalando... Não te rias de mim, meu anjo lindo! Por ti - as noites eu velei chorando, Por ti - nos sonhos morrerei sorrindo!
  • 12. Casimiro de Abreu • Saudades Nas horas mortas da noite Como é doce o meditar Quando as estrelas cintilam Nas ondas quietas do mar; Quando a lua majestosa Surgindo linda e formosa, Como donzela vaidosa Nas águas se vai mirar ! Nessas horas de silêncio, De tristezas e de amor, Eu gosto de ouvir ao longe,
  • 13. Cheio de mágoa e de dor, O sino do campanário Que fala tão solitário Com esse som mortuário Que nos enche de pavor. Então - proscrito e sozinho - Eu solto os ecos da serra Suspiros dessa saudade Que no meu peito se encerra Esses prantos de amargores São prantos cheios de dores: - Saudades - dos meus amores, - Saudades da minha terra !
  • 14. Casimiro de Abreu e Álvares de Azevedo
  • 15. Terceira Geração  Caracterizada pela poesia libertária  A poesia dessa geração é combativa e prima pela denúncia das condições dos escravos, decorrência do sistema econômico brasileiro, baseado no trabalho escravo. Os poetas dessa geração também clamam por uma poesia social em que a humanidade trabalhe por igualdade, justiça e liberdade.
  • 16. Principais artistas  Castro Alves (1847 - 1871) Navio Negreiro: Canto VI Existe um povo que a bandeira empresta P'ra cobrir tanta infâmia e cobardia!... E deixa-a transformar-se nessa festa Em manto impuro de bacante fria!... Meu Deus! meu Deus! mas que bandeira é esta, Que impudente na gávea tripudia? Silêncio. Musa... chora, e chora tanto Que o pavilhão se lave no teu pranto! ... Auriverde pendão de minha terra, Que a brisa do Brasil beija e balança, Estandarte que a luz do sol encerra E as promessas divinas da esperança... Tu que, da liberdade após a guerra, Foste hasteado dos heróis na lança Antes te houvessem roto na batalha, Que servires a um povo de mortalha!...
  • 17. Fatalidade atroz que a mente esmaga! Extingue nesta hora o brigue imundo O trilho que Colombo abriu nas vagas, Como um íris no pélago profundo! Mas é infâmia demais! ... Da etérea plaga Levantai-vos, heróis do Novo Mundo! Andrada! arranca esse pendão dos ares! Colombo! fecha a porta dos teus mares!  O poema anterior é um exemplo de poesia libertária
  • 19. Referências bibliográficas  http://educacao.uol.com.br/disciplinas/portugues/romantismo-no-brasil- 3-as-tres-geracoes-de-poetas.htm  http://www.infoescola.com/literatura/romantismo-no-brasil/  http://www.qieducacao.com/2010/10/1-geracao-romantica-principais- poetas.html  http://youtu.be/M6bbfC6AcKQ  http://port8keditfundamental.jimdo.com/un-1-romantismo-x- realismo/painel-1-o-romantismo-no-s%C3%A9culo-xix-e-sua- heran%C3%A7a-nos-dias-de-hoje/  http://www.culturatura.com.br/obras/As%20primaveras.pdf  http://www.brasilescola.com/literatura/a-segunda-geracao- romantismo.htm  http://www.soliteratura.com.br/romantismo/romantismo08.php