SlideShare uma empresa Scribd logo
A MUSICALIDADE NA
LITERATURA
Insatisfeitos com a onda de cientificismo e
materialismo na segunda metade do século
XIX, os simbolistas representam a reação da
intuição contra a lógica, do subjetivismo contra
a objetividade científica, do misticismo contra o
materialismo, da sugestão sensorial contra a
explicação racional.
Os simbolistas não acreditam na possibilidade de
a arte e a literatura poderem fazer um retrato
total da realidade. Duvidaram das explicações
“positivas” da ciência.
Características da poesia simbolista
Negação do positivismo, do
cientificismo, do materialismo e das
estéticas neles fundamentados, o Realismo,
o Naturalismo e o Parnasianismo.
Criação poética como fruto do inconsciente,
da intuição, da sugestão, do “eu-profundo”, da
associação de idéias e imagens. Complexidade
na relação eu/mundo.
Espiritualidade, misticismo, subjetivismo
intenso, ocultismo, Ânsia de superação, de fuga
do terreno, comunhão com os Astros, o Espírito,
o Alto, a Alma, o Infinito, a Essência, O
Desconhecido.
Emprego de figuras de linguagem como a
sinestesia, metáfora, aliteração e assonância.
Figuras de som
a) aliteração: consiste na repetição ordenada de mesmos sons
consonantais.
“Esperando, parada, pregada na pedra do porto.”
b) assonância: consiste na repetição ordenada de sons vocálicos
idênticos.
“Sou um mulato nato no sentido lato
mulato democrático do litoral.”
c) paronomásia: consiste na aproximação de palavras de sons
parecidos, mas de significados distintos.
“Eu que passo, penso e peço.”
Pontos de contato com o Parnasianismo
– preocupação formal, culto da rima,
distanciamento da vida, descompromisso
com as questões mundanas.
Interesse pelas zonas profundas da
mente (inconsciente e subconsciente) e
pela loucura.
Atração pela morte e elementos
decadentes da condição humana.
Poesia metafísica.
Simbolismo Parnasianismo
Subjetivismo Objetivismo
Linguagem vaga, fluida, que
busca sugerir em vez de
nomear.
Linguagem precisa,
objetiva, culta.
Abundância de metáforas. Busca do equilíbrio
formal.
Cultivo de soneto e de outras
formas de composição
poética.
Preferência pelo soneto.
Antimaterialismo, anti-
racionalismo.
Materialismo,
racionalismo.
Misticismo, religiosidade. Paganismo greco-latino.
Pessimismo, dor de existir. Contenção dos
sentimentos.
CHARLES BAUDELAIRE
UMA FIGURA IMPORTANTE
As Flores do Mal, obra que marcou a vida do autor, contém
poesias que datam de 1841. Rendeu-lhe um processo pelo
tribunal correcional do Sena; uma multa por atentar à
moral e aos bons costumes, além de ser obrigado a retirar
seis poemas do volume original, sendo publicado na íntegra
apenas nas edições póstumas, em 1911.
Baudelaire também foi alvo da
hostilidade da imprensa, que o
julgava um subproduto
degenerado do romantismo.
Porém, sua carreira foi
admirada e elogiada por Vitor
Hugo e Gustave Flaubert, entre
outros.
De atuação ousada, tornou-se um
ícone no século XX
influenciando a poesia mundial
de tendências simbolistas,
inclusive no Brasil .
 As primeiras manifestações simbolistas já eram sentidas
desde o final da década de 80 do século XIX. Apesar
disso, tem-se apontado como marco introdutório do
movimento simbolista brasileiro a publicação, em 1893,
das obras Missal (prosa) e Broquéis (poesia), de nosso
maior autor simbolista:Cruz e Sousa.
CRUZ E SOUSA
 Além de Cruz e Sousa, destacam-se, entre
outros, Alphonsus de Guimaraens e Pedro
Kilkerry (recentemente redescoberto pela
crítica).
Cruz e Souza foi especialista na utilização de imagens ousadas
com efeito de sugestão. Angústia sexual e erotismo misturam-
se na exaltação de uma mulher que parece devorar os homens:
 Cróton* selvagem, tinhorão* lascivo, Planta mortal, carnívora,
sangrenta, De tua carne báquica* rebenta A vermelha
explosão de um sangue vivo
*Cróton - arbusto ornamental
*Tinhorão - erva ornamental
*Báquica - relativo a Baco, deus grego do vinho e da
dissipação
O sofrimento da condição negra não se transforma em
protesto racial, e sim em isolamento, solidão,
aristocratização amarga. O Simbolismo é para ele
uma forma de revolta contra a sociedade e contra
suas próprias origens africanas, pelas quais sente,
ao mesmo tempo, orgulho e pesar. O "emparedado"
vinga-se das "paredes" que o asfixiam com a sua
criatividade poética. É uma revolta estética,
raramente quebrada pela denúncia social, a não ser
em textos como Litania dos pobres:
Os miseráveis, os rotos
São as flores dos esgotos
São espectros implacáveis
Os rotos, os miseráveis
São prantos negros de furnas
Caladas, mudas, soturnas (...)
Faróis à noite apagados
Por ventos desesperados(...)
Bandeiras rotas, sem nome,
Das barricadas da fome.
Bandeiras estraçalhadas
Das sangrentas barricadas.
A música é obrigatória, como nesta espécie de receita poética de Cruz e
Sousa:
Derrama luz e cânticos e poemas
No verso e torna-o musical e doce
Como se o coração, nessas supremas
Estrofes, puro e diluído fosse.
Mesmo a morte, na obra do simbolista brasileiro, possui uma terrível
musicalidade:
A música da Morte, a nebulosa,
Estranha, imensa música sombria,
Passa a tremer pela minh'alma e fria
Gela, fica a tremer, maravilhosa...
Ó carnes que eu amei sangrentamente.
Ó volúpias letais e dolorosas,
Essências de heliotropos e de rosas
De essência morna, tropical, dolente...
Carnes virgens e tépidas do Oriente
Do sonho e das estrelas fabulosas,
Carnes acerbas e maravilhosas,
Tentadoras do sol intensamente
Passai, dilacerada pelos zelos,
Através dos profundos pesadelos
Que me apunhalam de mortais horrores...
Passai, passai desfeitas em tormentos,
Em lágrimas, em prantos, em lamentos,
Em ais, em luto, em convulsões, em dores...
Quando Ismália enlouqueceu,
Pôs-se na torre a sonhar...
Viu uma lua no céu,
Viu outra lua no mar.
No sonho em que se perdeu,
Banhou-se toda em luar...
Queria subir ao céu,
Queria descer ao mar...
E, no desvario seu,
Na torre pôs-se a cantar...
Estava perto do céu,
Estava longe do mar...
E como um anjo pendeu
As asas para voar...
Queria a lua do céu
Queria a lua do mar
O que sugere o título do poema?
O amor sensual e a morte é uma associação
comum para os simbolistas, o que nos remete à
segunda geração romântica.
A música da morte, a nebulosa,
Estranha, imensa música sombria,
Passa a tremer pela minh’alma e fria
Gela, fica a tremer, maravilhosa...
Onda nervosa e atroz, onda nervosa,
Letes sinistro e torvo de agonia,
Recresce a lancinante sinfonia,
Sobe, numa volúpia dolorosa...
Sobe recresce tumultuando e amarga,
Tremenda, absurda, imponderada e larga,
De pavores e trevas alucina...
E alucinando e em trevas delirando,
Como um ópio letal, vertiginando,
Os meus nervos, letárgica, fascina...
Funk simbolista
Simbolismo vou trazer
O Parnaso tem que acabar
A Razão, desaparecer
Soneto eu vou deixar
A cor eu quero ver
Sinestesia ele alcança
A sugestão é quem comanda a
dança
Então pode se preparar
Musicalidade é lei
Soltar um som, destacar
Simbolismo traz repetição
Assonância, aliteração
É sonho, misticismo e sugestão
Pra razão não dá bola
Então sai, então sai
Emoção aparece
Então cresce, então cresce
Cruz e Sousa é rei e mexe comigo
Já provou que é top e domina o
estilo
Sensualidade, espiritualismo
Então repara
O que a escola sugere
É subjetivo e mexe comigo
Palavras sonoras compõem o estilo
E nas artes traz o impressionismo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Simbolismo 2017 revisado
Simbolismo  2017 revisadoSimbolismo  2017 revisado
Simbolismo 2017 revisado
Karin Cristine
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
teatro romantico
teatro romanticoteatro romantico
teatro romantico
whybells
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
Andréia Peixoto
 
Literatura A Arte da Palavra
Literatura   A Arte da PalavraLiteratura   A Arte da Palavra
Literatura A Arte da Palavra
CrisBiagio
 
Renascimento e Classicismo
Renascimento e ClassicismoRenascimento e Classicismo
Renascimento e Classicismo
Kleber Brito
 
A Poesia Marginal
A Poesia MarginalA Poesia Marginal
A Poesia Marginal
ma.no.el.ne.ves
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
Luciene Gomes
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Josie Ubiali
 
3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil
GabrielaLimaPereira
 
Barroco no Brasil
Barroco no BrasilBarroco no Brasil
Barroco no Brasil
Diego Barcelar
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
NAPNE
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Mara Virginia
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
Rayane Anchieta
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
Amelia Barros
 
Literatura Portuguesa Contemporânea: Prosa e Poesia
Literatura Portuguesa Contemporânea: Prosa e PoesiaLiteratura Portuguesa Contemporânea: Prosa e Poesia
Literatura Portuguesa Contemporânea: Prosa e Poesia
Juullio
 
Quinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILPQuinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILP
jasonrplima
 
Mapa Resumo classicismo
Mapa Resumo classicismoMapa Resumo classicismo
Mapa Resumo classicismo
Julimac
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Quezia Neves
 

Mais procurados (20)

Simbolismo 2017 revisado
Simbolismo  2017 revisadoSimbolismo  2017 revisado
Simbolismo 2017 revisado
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
teatro romantico
teatro romanticoteatro romantico
teatro romantico
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
Literatura A Arte da Palavra
Literatura   A Arte da PalavraLiteratura   A Arte da Palavra
Literatura A Arte da Palavra
 
Renascimento e Classicismo
Renascimento e ClassicismoRenascimento e Classicismo
Renascimento e Classicismo
 
A Poesia Marginal
A Poesia MarginalA Poesia Marginal
A Poesia Marginal
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
 
3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil
 
Barroco no Brasil
Barroco no BrasilBarroco no Brasil
Barroco no Brasil
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Literatura Portuguesa Contemporânea: Prosa e Poesia
Literatura Portuguesa Contemporânea: Prosa e PoesiaLiteratura Portuguesa Contemporânea: Prosa e Poesia
Literatura Portuguesa Contemporânea: Prosa e Poesia
 
Quinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILPQuinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILP
 
Mapa Resumo classicismo
Mapa Resumo classicismoMapa Resumo classicismo
Mapa Resumo classicismo
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 

Destaque

Salomon; David con sus mujeres y concubinas; esto a raiz de las escrituras
Salomon; David con sus mujeres y concubinas; esto a raiz de las escriturasSalomon; David con sus mujeres y concubinas; esto a raiz de las escrituras
Salomon; David con sus mujeres y concubinas; esto a raiz de las escrituras
Iglesia Cristiana Casa de Júbilo y Consagración
 
Repaso midterm
Repaso midtermRepaso midterm
Repaso midterm
J Luque
 
Documento mapa mental 6°
Documento mapa mental 6°Documento mapa mental 6°
Documento mapa mental 6°
Juan Montaña
 
2. Un pueblo elegido por Dios
2. Un pueblo elegido por Dios2. Un pueblo elegido por Dios
2. Un pueblo elegido por Dios
Ana María L. Álvarez
 
En que idiomas fue escrita la biblia
En que idiomas fue escrita la bibliaEn que idiomas fue escrita la biblia
En que idiomas fue escrita la biblia
mariacamila1994
 
Historia Del Pueblo De Dios
Historia Del Pueblo De DiosHistoria Del Pueblo De Dios
Historia Del Pueblo De Dios
antso
 
Historia del pueblo de Dios
Historia del pueblo de DiosHistoria del pueblo de Dios
Historia del pueblo de Dios
Ana María L. Álvarez
 

Destaque (7)

Salomon; David con sus mujeres y concubinas; esto a raiz de las escrituras
Salomon; David con sus mujeres y concubinas; esto a raiz de las escriturasSalomon; David con sus mujeres y concubinas; esto a raiz de las escrituras
Salomon; David con sus mujeres y concubinas; esto a raiz de las escrituras
 
Repaso midterm
Repaso midtermRepaso midterm
Repaso midterm
 
Documento mapa mental 6°
Documento mapa mental 6°Documento mapa mental 6°
Documento mapa mental 6°
 
2. Un pueblo elegido por Dios
2. Un pueblo elegido por Dios2. Un pueblo elegido por Dios
2. Un pueblo elegido por Dios
 
En que idiomas fue escrita la biblia
En que idiomas fue escrita la bibliaEn que idiomas fue escrita la biblia
En que idiomas fue escrita la biblia
 
Historia Del Pueblo De Dios
Historia Del Pueblo De DiosHistoria Del Pueblo De Dios
Historia Del Pueblo De Dios
 
Historia del pueblo de Dios
Historia del pueblo de DiosHistoria del pueblo de Dios
Historia del pueblo de Dios
 

Semelhante a Simbolismo

Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)
FACETEG - UPE
 
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Simbolismo(1).pptx
Simbolismo(1).pptxSimbolismo(1).pptx
Simbolismo(1).pptx
Colégio Waldorf Micael
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Andriane Cursino
 
Literatura simbolismo
Literatura simbolismoLiteratura simbolismo
Literatura simbolismo
Ana Maria Marques
 
PARNASIANISMO.ppt
PARNASIANISMO.pptPARNASIANISMO.ppt
PARNASIANISMO.ppt
FabrcioFerreira32
 
Antecedentes da Semana de Arte Moderna
Antecedentes da Semana de Arte ModernaAntecedentes da Semana de Arte Moderna
Antecedentes da Semana de Arte Moderna
2º ano CSR
 
Simbolismo2
Simbolismo2Simbolismo2
Simbolismo2
edvaldo63
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
edvaldo63
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Alef Santana
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
AlineEliasReisSantos
 
Simbolismo autores
Simbolismo   autoresSimbolismo   autores
Simbolismo autores
Karin Cristine
 
segunda geração romântica
segunda geração românticasegunda geração romântica
segunda geração romântica
alinesantana1422
 
Literatura do Romantismo e Pré Rafaelitas
Literatura do Romantismo e Pré RafaelitasLiteratura do Romantismo e Pré Rafaelitas
Literatura do Romantismo e Pré Rafaelitas
hcaslides
 
A poesia no romantismo brasileiro
A poesia no romantismo brasileiroA poesia no romantismo brasileiro
A poesia no romantismo brasileiro
Prof_Cristi
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Dior FG
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Dior FG
 
O Romantismo
O RomantismoO Romantismo
O Romantismo
Ronaldo Mesquita
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
Thalita Dias
 

Semelhante a Simbolismo (20)

Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)
 
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
 
Simbolismo(1).pptx
Simbolismo(1).pptxSimbolismo(1).pptx
Simbolismo(1).pptx
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Literatura simbolismo
Literatura simbolismoLiteratura simbolismo
Literatura simbolismo
 
PARNASIANISMO.ppt
PARNASIANISMO.pptPARNASIANISMO.ppt
PARNASIANISMO.ppt
 
Antecedentes da Semana de Arte Moderna
Antecedentes da Semana de Arte ModernaAntecedentes da Semana de Arte Moderna
Antecedentes da Semana de Arte Moderna
 
Simbolismo2
Simbolismo2Simbolismo2
Simbolismo2
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
 
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
 
Simbolismo autores
Simbolismo   autoresSimbolismo   autores
Simbolismo autores
 
segunda geração romântica
segunda geração românticasegunda geração romântica
segunda geração romântica
 
Literatura do Romantismo e Pré Rafaelitas
Literatura do Romantismo e Pré RafaelitasLiteratura do Romantismo e Pré Rafaelitas
Literatura do Romantismo e Pré Rafaelitas
 
A poesia no romantismo brasileiro
A poesia no romantismo brasileiroA poesia no romantismo brasileiro
A poesia no romantismo brasileiro
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
O Romantismo
O RomantismoO Romantismo
O Romantismo
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
 

Mais de Josi Motta

Alusões históricas-e-citações
Alusões históricas-e-citaçõesAlusões históricas-e-citações
Alusões históricas-e-citações
Josi Motta
 
Auto da compadecida
Auto da compadecidaAuto da compadecida
Auto da compadecida
Josi Motta
 
Além do ponto e outros contos novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...
Além do ponto e outros contos   novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...Além do ponto e outros contos   novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...
Além do ponto e outros contos novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...
Josi Motta
 
Olhos d'água autora-resumo-análise
Olhos d'água   autora-resumo-análiseOlhos d'água   autora-resumo-análise
Olhos d'água autora-resumo-análise
Josi Motta
 
Esaú e jacó
Esaú e jacóEsaú e jacó
Esaú e jacó
Josi Motta
 
Quarenta dias
Quarenta diasQuarenta dias
Quarenta dias
Josi Motta
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
Josi Motta
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Josi Motta
 
Crônicas selecionadas nu, de botas - av2
Crônicas selecionadas   nu, de botas - av2Crônicas selecionadas   nu, de botas - av2
Crônicas selecionadas nu, de botas - av2
Josi Motta
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016
Josi Motta
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Josi Motta
 
Crônicas selecionadas nu, de botas - av1
Crônicas selecionadas   nu, de botas - av1Crônicas selecionadas   nu, de botas - av1
Crônicas selecionadas nu, de botas - av1
Josi Motta
 
Trovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismoTrovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismo
Josi Motta
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasil
Josi Motta
 
Redação geral final
Redação geral finalRedação geral final
Redação geral final
Josi Motta
 
A hora da estrela 2015
A hora da estrela 2015A hora da estrela 2015
A hora da estrela 2015
Josi Motta
 
Aulão udesc red e lit
Aulão udesc   red e litAulão udesc   red e lit
Aulão udesc red e lit
Josi Motta
 
A majestade do xingu
A majestade do xinguA majestade do xingu
A majestade do xingu
Josi Motta
 
Proposta subjetiva
Proposta subjetivaProposta subjetiva
Proposta subjetiva
Josi Motta
 
Temas trabalhados
Temas trabalhadosTemas trabalhados
Temas trabalhados
Josi Motta
 

Mais de Josi Motta (20)

Alusões históricas-e-citações
Alusões históricas-e-citaçõesAlusões históricas-e-citações
Alusões históricas-e-citações
 
Auto da compadecida
Auto da compadecidaAuto da compadecida
Auto da compadecida
 
Além do ponto e outros contos novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...
Além do ponto e outros contos   novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...Além do ponto e outros contos   novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...
Além do ponto e outros contos novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...
 
Olhos d'água autora-resumo-análise
Olhos d'água   autora-resumo-análiseOlhos d'água   autora-resumo-análise
Olhos d'água autora-resumo-análise
 
Esaú e jacó
Esaú e jacóEsaú e jacó
Esaú e jacó
 
Quarenta dias
Quarenta diasQuarenta dias
Quarenta dias
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Crônicas selecionadas nu, de botas - av2
Crônicas selecionadas   nu, de botas - av2Crônicas selecionadas   nu, de botas - av2
Crônicas selecionadas nu, de botas - av2
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Crônicas selecionadas nu, de botas - av1
Crônicas selecionadas   nu, de botas - av1Crônicas selecionadas   nu, de botas - av1
Crônicas selecionadas nu, de botas - av1
 
Trovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismoTrovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismo
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasil
 
Redação geral final
Redação geral finalRedação geral final
Redação geral final
 
A hora da estrela 2015
A hora da estrela 2015A hora da estrela 2015
A hora da estrela 2015
 
Aulão udesc red e lit
Aulão udesc   red e litAulão udesc   red e lit
Aulão udesc red e lit
 
A majestade do xingu
A majestade do xinguA majestade do xingu
A majestade do xingu
 
Proposta subjetiva
Proposta subjetivaProposta subjetiva
Proposta subjetiva
 
Temas trabalhados
Temas trabalhadosTemas trabalhados
Temas trabalhados
 

Último

Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 

Simbolismo

  • 2. Insatisfeitos com a onda de cientificismo e materialismo na segunda metade do século XIX, os simbolistas representam a reação da intuição contra a lógica, do subjetivismo contra a objetividade científica, do misticismo contra o materialismo, da sugestão sensorial contra a explicação racional.
  • 3. Os simbolistas não acreditam na possibilidade de a arte e a literatura poderem fazer um retrato total da realidade. Duvidaram das explicações “positivas” da ciência.
  • 4. Características da poesia simbolista Negação do positivismo, do cientificismo, do materialismo e das estéticas neles fundamentados, o Realismo, o Naturalismo e o Parnasianismo.
  • 5. Criação poética como fruto do inconsciente, da intuição, da sugestão, do “eu-profundo”, da associação de idéias e imagens. Complexidade na relação eu/mundo.
  • 6. Espiritualidade, misticismo, subjetivismo intenso, ocultismo, Ânsia de superação, de fuga do terreno, comunhão com os Astros, o Espírito, o Alto, a Alma, o Infinito, a Essência, O Desconhecido.
  • 7. Emprego de figuras de linguagem como a sinestesia, metáfora, aliteração e assonância.
  • 8. Figuras de som a) aliteração: consiste na repetição ordenada de mesmos sons consonantais. “Esperando, parada, pregada na pedra do porto.” b) assonância: consiste na repetição ordenada de sons vocálicos idênticos. “Sou um mulato nato no sentido lato mulato democrático do litoral.” c) paronomásia: consiste na aproximação de palavras de sons parecidos, mas de significados distintos. “Eu que passo, penso e peço.”
  • 9. Pontos de contato com o Parnasianismo – preocupação formal, culto da rima, distanciamento da vida, descompromisso com as questões mundanas.
  • 10. Interesse pelas zonas profundas da mente (inconsciente e subconsciente) e pela loucura.
  • 11. Atração pela morte e elementos decadentes da condição humana.
  • 13. Simbolismo Parnasianismo Subjetivismo Objetivismo Linguagem vaga, fluida, que busca sugerir em vez de nomear. Linguagem precisa, objetiva, culta. Abundância de metáforas. Busca do equilíbrio formal. Cultivo de soneto e de outras formas de composição poética. Preferência pelo soneto. Antimaterialismo, anti- racionalismo. Materialismo, racionalismo. Misticismo, religiosidade. Paganismo greco-latino. Pessimismo, dor de existir. Contenção dos sentimentos.
  • 14. CHARLES BAUDELAIRE UMA FIGURA IMPORTANTE As Flores do Mal, obra que marcou a vida do autor, contém poesias que datam de 1841. Rendeu-lhe um processo pelo tribunal correcional do Sena; uma multa por atentar à moral e aos bons costumes, além de ser obrigado a retirar seis poemas do volume original, sendo publicado na íntegra apenas nas edições póstumas, em 1911.
  • 15. Baudelaire também foi alvo da hostilidade da imprensa, que o julgava um subproduto degenerado do romantismo. Porém, sua carreira foi admirada e elogiada por Vitor Hugo e Gustave Flaubert, entre outros. De atuação ousada, tornou-se um ícone no século XX influenciando a poesia mundial de tendências simbolistas, inclusive no Brasil .
  • 16.  As primeiras manifestações simbolistas já eram sentidas desde o final da década de 80 do século XIX. Apesar disso, tem-se apontado como marco introdutório do movimento simbolista brasileiro a publicação, em 1893, das obras Missal (prosa) e Broquéis (poesia), de nosso maior autor simbolista:Cruz e Sousa. CRUZ E SOUSA
  • 17.  Além de Cruz e Sousa, destacam-se, entre outros, Alphonsus de Guimaraens e Pedro Kilkerry (recentemente redescoberto pela crítica).
  • 18. Cruz e Souza foi especialista na utilização de imagens ousadas com efeito de sugestão. Angústia sexual e erotismo misturam- se na exaltação de uma mulher que parece devorar os homens:  Cróton* selvagem, tinhorão* lascivo, Planta mortal, carnívora, sangrenta, De tua carne báquica* rebenta A vermelha explosão de um sangue vivo *Cróton - arbusto ornamental *Tinhorão - erva ornamental *Báquica - relativo a Baco, deus grego do vinho e da dissipação
  • 19. O sofrimento da condição negra não se transforma em protesto racial, e sim em isolamento, solidão, aristocratização amarga. O Simbolismo é para ele uma forma de revolta contra a sociedade e contra suas próprias origens africanas, pelas quais sente, ao mesmo tempo, orgulho e pesar. O "emparedado" vinga-se das "paredes" que o asfixiam com a sua criatividade poética. É uma revolta estética, raramente quebrada pela denúncia social, a não ser em textos como Litania dos pobres:
  • 20. Os miseráveis, os rotos São as flores dos esgotos São espectros implacáveis Os rotos, os miseráveis São prantos negros de furnas Caladas, mudas, soturnas (...) Faróis à noite apagados Por ventos desesperados(...) Bandeiras rotas, sem nome, Das barricadas da fome. Bandeiras estraçalhadas Das sangrentas barricadas.
  • 21. A música é obrigatória, como nesta espécie de receita poética de Cruz e Sousa: Derrama luz e cânticos e poemas No verso e torna-o musical e doce Como se o coração, nessas supremas Estrofes, puro e diluído fosse. Mesmo a morte, na obra do simbolista brasileiro, possui uma terrível musicalidade: A música da Morte, a nebulosa, Estranha, imensa música sombria, Passa a tremer pela minh'alma e fria Gela, fica a tremer, maravilhosa...
  • 22. Ó carnes que eu amei sangrentamente. Ó volúpias letais e dolorosas, Essências de heliotropos e de rosas De essência morna, tropical, dolente... Carnes virgens e tépidas do Oriente Do sonho e das estrelas fabulosas, Carnes acerbas e maravilhosas, Tentadoras do sol intensamente
  • 23. Passai, dilacerada pelos zelos, Através dos profundos pesadelos Que me apunhalam de mortais horrores... Passai, passai desfeitas em tormentos, Em lágrimas, em prantos, em lamentos, Em ais, em luto, em convulsões, em dores...
  • 24. Quando Ismália enlouqueceu, Pôs-se na torre a sonhar... Viu uma lua no céu, Viu outra lua no mar. No sonho em que se perdeu, Banhou-se toda em luar... Queria subir ao céu, Queria descer ao mar...
  • 25. E, no desvario seu, Na torre pôs-se a cantar... Estava perto do céu, Estava longe do mar... E como um anjo pendeu As asas para voar... Queria a lua do céu Queria a lua do mar
  • 26. O que sugere o título do poema? O amor sensual e a morte é uma associação comum para os simbolistas, o que nos remete à segunda geração romântica.
  • 27. A música da morte, a nebulosa, Estranha, imensa música sombria, Passa a tremer pela minh’alma e fria Gela, fica a tremer, maravilhosa... Onda nervosa e atroz, onda nervosa, Letes sinistro e torvo de agonia, Recresce a lancinante sinfonia, Sobe, numa volúpia dolorosa...
  • 28. Sobe recresce tumultuando e amarga, Tremenda, absurda, imponderada e larga, De pavores e trevas alucina... E alucinando e em trevas delirando, Como um ópio letal, vertiginando, Os meus nervos, letárgica, fascina...
  • 29. Funk simbolista Simbolismo vou trazer O Parnaso tem que acabar A Razão, desaparecer Soneto eu vou deixar A cor eu quero ver Sinestesia ele alcança A sugestão é quem comanda a dança Então pode se preparar Musicalidade é lei Soltar um som, destacar Simbolismo traz repetição Assonância, aliteração É sonho, misticismo e sugestão Pra razão não dá bola Então sai, então sai Emoção aparece Então cresce, então cresce Cruz e Sousa é rei e mexe comigo Já provou que é top e domina o estilo Sensualidade, espiritualismo Então repara O que a escola sugere É subjetivo e mexe comigo Palavras sonoras compõem o estilo E nas artes traz o impressionismo