SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Parnasianismo
Olavo Bilac Alberto de Oliveira Raimundo Correia
A Tríade Parnasiana
PARNASIANISMO
O Parnasianismo foi contemporâneo do Realismo-Naturalismo,
estando, portanto, marcado pelos ideais cientificistas e
revolucionários do período.
Período: 2ª metade do século XIX
Início: 1882, publicação do livro Fanfarras de Teófilo
Dias
Término: 1893, início do Simbolismo no Brasil
PARNASIANISMO
O nome Parnasianismo vem de
Parnaso, que era um monte situado
na Grécia e habitado por Apolo, deus
da arte e do sol, e pelas musas, local
de inspiração para os poetas.
PARNASIANISMO
O Parnasianismo foi um movimento
essencialmente poético, que reagiu contra os
abusos sentimentais dos românticos.
A escola adota uma linguagem mais trabalhada,
empregando palavras sofisticadas e incomuns,
dispostas na construção de frases, atendendo às
necessidades da métrica e ritmo regulares, que
dificultam a compreensão, mas que lhes são
característicos. Para os parnasianos, a poesia deve
pintar objetivamente as coisas sem demonstrar
emoção.
CONTEXTO HISTÓRICO
• A abolição da escravatura (1888);
• No ano seguinte houve a queda do regime
imperial com a Proclamação da República.
• Fim do regime militar e desenvolvimento
dos governos civis;
• Restauração das finanças; impulso ao
progresso material.
Depois das agitações do início da
República, o Brasil atravessou um
período de paz política e de prosperidade
econômica.
Um ano após a proclamação da
República, instalou-se a primeira
Constituição e, em fins de 1891,
Marechal Deodoro dissolve o Congresso
e renuncia ao poder, sendo substituído
pelo "Marechal de Ferro", Floriano
Peixoto.
Características do Parnasianismo
• Arte pela arte: Os parnasianos ressuscitam o preceito latino de que a
arte é gratuita, que só vale por si própria. Ela não teria nenhum valor
utilitário, nenhum tipo de compromisso. Seriam autossuficientes.
Justificada apenas por sua beleza formal. Qualquer tipo de investigação
do social, referência ao prosaico, interesse pelas coisas comuns a todos
os homens seria ‘matéria impura’ a comprometer o texto.
Restabelecem, portanto, um esteticismo de fundo conservador que já
vigorava na decadência romana.
• Impessoalidade: a visão do escritor não
interfere na abordagem dos fatos;
• Culto da forma: A busca pelo poema perfeito, rimas
raras, palavras perfeitas, a forma do poema é vista
como uma deusa. O resultado imediato dessa visão
seria o endeusamento dos processos formais do
poema. A verdade de uma obra residiria em sua
beleza. E a beleza seria dada pela elaboração formal.
Essa mitologia da perfeição formal e,
simultaneamente, a impotência dos poetas em
alcançá-la de maneira definitiva é o tema do soneto
de Olavo Bilac intitulado "Perfeição".
• Objetividade: objetividade no tratamento dos temas
abordados. O escritor parnasiano trata os temas
baseando na realidade, deixando de lado o subjetivis-
mo e a emoção;
• Preciosismo vocabular: O poeta evita a utilização de
palavras da mesma classe gramatical em suas poesias,
buscando tornar as rimas esteticamente ricas, o que
torna as obras parnasianas de difícil compreensão;
• Descritivismo: Descreve detalhadamente um objeto,
uma cena;
ESTRUTURA E PRINCIPAIS TEMAS DA
POESIA PARNASIANA ;
• Preferência pelos sonetos;
• Valorização da metrificação: o mesmo número de sílabas
poéticas é usado em cada verso;
•Temas da mitologia grega e da cultura clássica
são muito frequentes nas poesias parnasianas;
•Visão carnal do amor: em oposição à visão
espiritual dos românticos. Vênus é citada como
modelo de mulher.
•Em vários poemas, os parnasianos apresentam
suas teorias de escrita e sua obsessão pela
"Deusa Forma".
PRINCIPAIS POETAS
A TRÍADE PARNASIANA
OLAVO BILAC (1865-1918)
Considerado o “Príncipe dos Poetas”,
consegue fugir um pouco da frieza do
Parnasianismo
• Reflexão da existência;
• Temática da perfeição;
• Nacionalismo;
• Mitologia;
• Sensualismo (leve);
Profissão de fé (trecho)
"Invejo ourives quando escrevo
Imito o amor
Com que ele, em ouro, o alto relevo
Faz de uma flor.(...)
Por isso, corre por servir-me
Sobre o papel
A pena, como em prata firme
Corre o cinzel(...)
Torce, aprimora, alteia, lima
A frase; e, enfim
No verso de ouro engasta a rima
Como um rubi
(...)
Temática da perfeição formal
Satânia
"Nua, de pé, solto o cabelo às costas,
Sorri. Na alcova perfumada e quente,
Pela janela, como um rio enorme
Profusamente a luz do meio-dia
Entra e se espalha, palpitante e viva (...)
Como uma vaga preguiçosa e lenta
Vem lhe beijar a pequenina ponta
Do pequenino pé macio e branco
Sobe... Cinge-lhe a perna longamente;
Sobe ... e que volta sensual descreve
Para abranger todo o quadril! - prossegue
Lambe-lhe o ventre, abraça-lhe a cintura
Morde-lhe os bicos úmidos dos seios
Corre-lhe a espádua, espia-lhe o recôncavo
Da axila, acende-lhe o coral da boca (...)
E aos mornos beijos, às carícias ternas
Da luz, cerrando levemente os cílios
Satânica ... abre um curto sorriso de
volúpia."
Obras
Poesias (1888);
Tarde (1919);
Escreveu poesias com grande habilidade técnica
sobre temas greco-romanos.
Fez numerosas descrições da natureza, ainda dentro
do mito da objetividade absoluta, porém os seus
melhores textos estão permeados por conotações
subjetivas, indicando uma herança romântica.
Bilac tratou do amor a partir de dois ângulos
distintos: um platônico e outro sensual. A quase
totalidade de seus textos amorosos tendem à
celebração dos prazeres corpóreos.
• Em alguns poemas, contudo, o erotismo
perde essa vulgaridade, adquirindo força e
beleza com em "In extremis". Na hora de uma
morte imaginária, o poeta lamenta a perda
das coisas concretas e sensuais da existência.
Em um conjunto de sonetos intitulado Via
Láctea, Bilac nos apresenta uma concepção
mais espiritualizada das relações amorosas. O
mais recitado desses sonetos acabou ficando
conhecido com o nome do livro
• Olavo Bilac sonegou o Brasil real e inventou um
Brasil de heróis, com a obra épica frustrada, O
caçador de esmeraldas:
"Foi em março, ao findar das chuvas, quase à
entrada
Do outono, quando a terra, em sede requeimada,
Bebera longamente as águas da estação,
Que, em bandeira, buscando esmeraldas e prata,
À frente dos peões filhos da rude mata,
Fernão Dias Paes Leme entrou pelo sertão.”
• Além disso, cantou os símbolos pátrios, a
mata, as estrelas, a "última flor do Lácio", as
crianças, os soldados, a bandeira, os dias
nacionais, etc.
Alberto de Oliveira (1859-1937)
Nasceu em Saquarema, Rio de
Janeiro. Diploma-se em farmácia;
inicia o curso de Medicina. Ao
lado de Machado de Assis, faz
parte ativa na Fundação da
Academia de Letras. Foi doutor
honoris causa pela Universidade
de Buenos Aires. Elegem-no
"príncipe dos poetas brasileiros"
num concurso promovido pela
revista Fon-Fon, para substituir o
lugar deixado por Olavo Bilac.
Faleceu em Niterói, RJ, em 1937.
Características Estilísticas
Alberto de Oliveira foi, da tríade parnasiana,
o que mais se apegou às regras e as
características específicas do estilo.
• Rigidez formal;
• Precisão;
• Pobreza temática;
• Sem emoção;
• Descritivismo;
Vaso Grego (trecho)
Esta, de áureos relevos, trabalhada
De divas mãos, brilhante copa, um dia,
Já de os deuses servir como cansada,
Vinda do Olimpo, a um novo deus servia.
Era o poeta de Teos que a suspendia
Então e, ora repleta ora esvaziada,
A taça amiga aos dedos seus tinia
Toda de roxas pétalas colmada.
Depois... Mas o lavor da taça admira,
Toca-a, e, do ouvido aproximando-a, às bordas
Finas há de lhe ouvir, canora e doce,
Ignota voz, qual se de antiga lira
Fosse a encantada música das cordas,
Qual se essa a voz de Anacreonte fosse.
Principais Obras
• Canções românticas (1878); obras que
antecipa sua adesão ao Parnasianismo
• Meridionais (1884);
• Versos e Rimas (1895);
Raimundo Correia (1860-1911)
Poeta e diplomata brasileiro, foi
considerado um dos inovadores
da poesia brasileira.
Quando secretário da delegação
diplomática brasileira em
Portugal, publica aí uma
coletânea de seus livros na obra
Poesia(1898).
De volta ao Brasil, assume a
direção do Ginásio Fluminense
de Petrópolis. Com a saúde
bastante abalada, retorna à
Europa, vindo a falecer em Paris.
CARACTERÍSTICAS ESTILÍSTICAS
Tinha como características pessoais o pessimismo, o
predomínio da simulação, percepção aguda da
transitoriedade da ilusão humana. O gelo
descritivista da escola seria quebrado por uma
emoção genuína que humanizava a paisagem.
•Natureza;
•Melancolia;
•Pessimismo;
•Filosófico;
•Moralidade;
Anoitecer (trecho)
Esbraseia o Ocidente na agonia
O sol... Aves em bandos destacados,
Por céus de ouro e púrpura raiados,
Fogem... Fecha-se a pálpebra do dia...
Delineiam-se além da serranja
Os vértices de chamas aureolados,
E em tudo, em torno, esbatem derramados
Uns tons suaves de melancolia.
Um mudo de vapores no ar flutua...
Como uma informe nódoa avulta e cresce
A sombra à proporção que a luz recua.
A natureza apática esmaece...
Pouco a pouco, entre as árvores, a lua
Surge trêmula, trêmula.... Anoitece.
Principais Obras
Primeiros Sonhos(1879)
Sinfonias(1883)
Versos e Versões(1887)
Aleluias(1891)
A exemplo dos demais componentes da
tríade, Raimundo Correia foi um
consumado artesão do verso,
dominando com perfeição as técnicas
de montagem e construção do poema.
Outros poetas
Além dos poetas da tríade parnasiana, fizeram
parte do Parnasianismo brasileiro:
•Vicente de Carvalho, que ficou conhecido como
“o poeta do mar”;
•Francisca Júlia, considerada a voz poética
parnasiana mais próxima da impassibilidade
pretendida pelos defensores do estilo;
PROFª: ANDRÉIA PEIXOTO
LICENCIADA EM LETRAS
VERNÁCULAS/
PÓS-GRADUADA EM LITERATURA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
fabrinnem
 
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Blog Estudo
 
Aula sobre Parnasianismo
Aula sobre ParnasianismoAula sobre Parnasianismo
Aula sobre Parnasianismo
Érika Lúcia
 

Mais procurados (20)

Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
 
Aula sobre Parnasianismo
Aula sobre ParnasianismoAula sobre Parnasianismo
Aula sobre Parnasianismo
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Poesia de 30
Poesia de 30Poesia de 30
Poesia de 30
 

Destaque (6)

Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Parnasianismo 2.0
Parnasianismo 2.0Parnasianismo 2.0
Parnasianismo 2.0
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Slides parnasianismo
Slides parnasianismoSlides parnasianismo
Slides parnasianismo
 

Semelhante a Parnasianismo brasileiro

Parnasianismo i
Parnasianismo   iParnasianismo   i
Parnasianismo i
ISJ
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
ggmota93
 

Semelhante a Parnasianismo brasileiro (20)

Parnasianismo i
Parnasianismo   iParnasianismo   i
Parnasianismo i
 
Parnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo BilacParnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo Bilac
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
PARNASIANISMO-AUTORES1.ppt
PARNASIANISMO-AUTORES1.pptPARNASIANISMO-AUTORES1.ppt
PARNASIANISMO-AUTORES1.ppt
 
Parnasianismo em ppt
Parnasianismo em pptParnasianismo em ppt
Parnasianismo em ppt
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
2º ANO MATUTINO - PARNASIANISMO NO BRASIL
2º ANO MATUTINO - PARNASIANISMO NO BRASIL2º ANO MATUTINO - PARNASIANISMO NO BRASIL
2º ANO MATUTINO - PARNASIANISMO NO BRASIL
 
Simbolismo teoria
Simbolismo teoriaSimbolismo teoria
Simbolismo teoria
 
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdfsimbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
 
Unid 3 2gerlane
Unid 3 2gerlaneUnid 3 2gerlane
Unid 3 2gerlane
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Unid 3 2gerlane
Unid 3 2gerlaneUnid 3 2gerlane
Unid 3 2gerlane
 
Parnasianismo.pptx
Parnasianismo.pptxParnasianismo.pptx
Parnasianismo.pptx
 
POESIA PARNASIANA.pptx
POESIA PARNASIANA.pptxPOESIA PARNASIANA.pptx
POESIA PARNASIANA.pptx
 
Olavo bilac roteiro de estudo
Olavo bilac roteiro de estudoOlavo bilac roteiro de estudo
Olavo bilac roteiro de estudo
 
Olavo bilac roteiro de estudo
Olavo bilac roteiro de estudoOlavo bilac roteiro de estudo
Olavo bilac roteiro de estudo
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 

Último

4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
LindinhaSilva1
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 

Parnasianismo brasileiro

  • 1. Parnasianismo Olavo Bilac Alberto de Oliveira Raimundo Correia A Tríade Parnasiana
  • 2. PARNASIANISMO O Parnasianismo foi contemporâneo do Realismo-Naturalismo, estando, portanto, marcado pelos ideais cientificistas e revolucionários do período. Período: 2ª metade do século XIX Início: 1882, publicação do livro Fanfarras de Teófilo Dias Término: 1893, início do Simbolismo no Brasil
  • 3. PARNASIANISMO O nome Parnasianismo vem de Parnaso, que era um monte situado na Grécia e habitado por Apolo, deus da arte e do sol, e pelas musas, local de inspiração para os poetas.
  • 4. PARNASIANISMO O Parnasianismo foi um movimento essencialmente poético, que reagiu contra os abusos sentimentais dos românticos. A escola adota uma linguagem mais trabalhada, empregando palavras sofisticadas e incomuns, dispostas na construção de frases, atendendo às necessidades da métrica e ritmo regulares, que dificultam a compreensão, mas que lhes são característicos. Para os parnasianos, a poesia deve pintar objetivamente as coisas sem demonstrar emoção.
  • 5. CONTEXTO HISTÓRICO • A abolição da escravatura (1888); • No ano seguinte houve a queda do regime imperial com a Proclamação da República. • Fim do regime militar e desenvolvimento dos governos civis; • Restauração das finanças; impulso ao progresso material.
  • 6. Depois das agitações do início da República, o Brasil atravessou um período de paz política e de prosperidade econômica. Um ano após a proclamação da República, instalou-se a primeira Constituição e, em fins de 1891, Marechal Deodoro dissolve o Congresso e renuncia ao poder, sendo substituído pelo "Marechal de Ferro", Floriano Peixoto.
  • 7. Características do Parnasianismo • Arte pela arte: Os parnasianos ressuscitam o preceito latino de que a arte é gratuita, que só vale por si própria. Ela não teria nenhum valor utilitário, nenhum tipo de compromisso. Seriam autossuficientes. Justificada apenas por sua beleza formal. Qualquer tipo de investigação do social, referência ao prosaico, interesse pelas coisas comuns a todos os homens seria ‘matéria impura’ a comprometer o texto. Restabelecem, portanto, um esteticismo de fundo conservador que já vigorava na decadência romana. • Impessoalidade: a visão do escritor não interfere na abordagem dos fatos;
  • 8. • Culto da forma: A busca pelo poema perfeito, rimas raras, palavras perfeitas, a forma do poema é vista como uma deusa. O resultado imediato dessa visão seria o endeusamento dos processos formais do poema. A verdade de uma obra residiria em sua beleza. E a beleza seria dada pela elaboração formal. Essa mitologia da perfeição formal e, simultaneamente, a impotência dos poetas em alcançá-la de maneira definitiva é o tema do soneto de Olavo Bilac intitulado "Perfeição".
  • 9. • Objetividade: objetividade no tratamento dos temas abordados. O escritor parnasiano trata os temas baseando na realidade, deixando de lado o subjetivis- mo e a emoção; • Preciosismo vocabular: O poeta evita a utilização de palavras da mesma classe gramatical em suas poesias, buscando tornar as rimas esteticamente ricas, o que torna as obras parnasianas de difícil compreensão; • Descritivismo: Descreve detalhadamente um objeto, uma cena;
  • 10. ESTRUTURA E PRINCIPAIS TEMAS DA POESIA PARNASIANA ; • Preferência pelos sonetos; • Valorização da metrificação: o mesmo número de sílabas poéticas é usado em cada verso; •Temas da mitologia grega e da cultura clássica são muito frequentes nas poesias parnasianas; •Visão carnal do amor: em oposição à visão espiritual dos românticos. Vênus é citada como modelo de mulher. •Em vários poemas, os parnasianos apresentam suas teorias de escrita e sua obsessão pela "Deusa Forma".
  • 12. OLAVO BILAC (1865-1918) Considerado o “Príncipe dos Poetas”, consegue fugir um pouco da frieza do Parnasianismo • Reflexão da existência; • Temática da perfeição; • Nacionalismo; • Mitologia; • Sensualismo (leve);
  • 13. Profissão de fé (trecho) "Invejo ourives quando escrevo Imito o amor Com que ele, em ouro, o alto relevo Faz de uma flor.(...) Por isso, corre por servir-me Sobre o papel A pena, como em prata firme Corre o cinzel(...) Torce, aprimora, alteia, lima A frase; e, enfim No verso de ouro engasta a rima Como um rubi (...) Temática da perfeição formal
  • 14. Satânia "Nua, de pé, solto o cabelo às costas, Sorri. Na alcova perfumada e quente, Pela janela, como um rio enorme Profusamente a luz do meio-dia Entra e se espalha, palpitante e viva (...) Como uma vaga preguiçosa e lenta Vem lhe beijar a pequenina ponta Do pequenino pé macio e branco Sobe... Cinge-lhe a perna longamente; Sobe ... e que volta sensual descreve Para abranger todo o quadril! - prossegue Lambe-lhe o ventre, abraça-lhe a cintura Morde-lhe os bicos úmidos dos seios Corre-lhe a espádua, espia-lhe o recôncavo Da axila, acende-lhe o coral da boca (...) E aos mornos beijos, às carícias ternas Da luz, cerrando levemente os cílios Satânica ... abre um curto sorriso de volúpia."
  • 15. Obras Poesias (1888); Tarde (1919); Escreveu poesias com grande habilidade técnica sobre temas greco-romanos. Fez numerosas descrições da natureza, ainda dentro do mito da objetividade absoluta, porém os seus melhores textos estão permeados por conotações subjetivas, indicando uma herança romântica. Bilac tratou do amor a partir de dois ângulos distintos: um platônico e outro sensual. A quase totalidade de seus textos amorosos tendem à celebração dos prazeres corpóreos.
  • 16. • Em alguns poemas, contudo, o erotismo perde essa vulgaridade, adquirindo força e beleza com em "In extremis". Na hora de uma morte imaginária, o poeta lamenta a perda das coisas concretas e sensuais da existência. Em um conjunto de sonetos intitulado Via Láctea, Bilac nos apresenta uma concepção mais espiritualizada das relações amorosas. O mais recitado desses sonetos acabou ficando conhecido com o nome do livro
  • 17. • Olavo Bilac sonegou o Brasil real e inventou um Brasil de heróis, com a obra épica frustrada, O caçador de esmeraldas: "Foi em março, ao findar das chuvas, quase à entrada Do outono, quando a terra, em sede requeimada, Bebera longamente as águas da estação, Que, em bandeira, buscando esmeraldas e prata, À frente dos peões filhos da rude mata, Fernão Dias Paes Leme entrou pelo sertão.”
  • 18. • Além disso, cantou os símbolos pátrios, a mata, as estrelas, a "última flor do Lácio", as crianças, os soldados, a bandeira, os dias nacionais, etc.
  • 19. Alberto de Oliveira (1859-1937) Nasceu em Saquarema, Rio de Janeiro. Diploma-se em farmácia; inicia o curso de Medicina. Ao lado de Machado de Assis, faz parte ativa na Fundação da Academia de Letras. Foi doutor honoris causa pela Universidade de Buenos Aires. Elegem-no "príncipe dos poetas brasileiros" num concurso promovido pela revista Fon-Fon, para substituir o lugar deixado por Olavo Bilac. Faleceu em Niterói, RJ, em 1937.
  • 20. Características Estilísticas Alberto de Oliveira foi, da tríade parnasiana, o que mais se apegou às regras e as características específicas do estilo. • Rigidez formal; • Precisão; • Pobreza temática; • Sem emoção; • Descritivismo;
  • 21. Vaso Grego (trecho) Esta, de áureos relevos, trabalhada De divas mãos, brilhante copa, um dia, Já de os deuses servir como cansada, Vinda do Olimpo, a um novo deus servia. Era o poeta de Teos que a suspendia Então e, ora repleta ora esvaziada, A taça amiga aos dedos seus tinia Toda de roxas pétalas colmada. Depois... Mas o lavor da taça admira, Toca-a, e, do ouvido aproximando-a, às bordas Finas há de lhe ouvir, canora e doce, Ignota voz, qual se de antiga lira Fosse a encantada música das cordas, Qual se essa a voz de Anacreonte fosse.
  • 22. Principais Obras • Canções românticas (1878); obras que antecipa sua adesão ao Parnasianismo • Meridionais (1884); • Versos e Rimas (1895);
  • 23. Raimundo Correia (1860-1911) Poeta e diplomata brasileiro, foi considerado um dos inovadores da poesia brasileira. Quando secretário da delegação diplomática brasileira em Portugal, publica aí uma coletânea de seus livros na obra Poesia(1898). De volta ao Brasil, assume a direção do Ginásio Fluminense de Petrópolis. Com a saúde bastante abalada, retorna à Europa, vindo a falecer em Paris.
  • 24. CARACTERÍSTICAS ESTILÍSTICAS Tinha como características pessoais o pessimismo, o predomínio da simulação, percepção aguda da transitoriedade da ilusão humana. O gelo descritivista da escola seria quebrado por uma emoção genuína que humanizava a paisagem. •Natureza; •Melancolia; •Pessimismo; •Filosófico; •Moralidade;
  • 25. Anoitecer (trecho) Esbraseia o Ocidente na agonia O sol... Aves em bandos destacados, Por céus de ouro e púrpura raiados, Fogem... Fecha-se a pálpebra do dia... Delineiam-se além da serranja Os vértices de chamas aureolados, E em tudo, em torno, esbatem derramados Uns tons suaves de melancolia. Um mudo de vapores no ar flutua... Como uma informe nódoa avulta e cresce A sombra à proporção que a luz recua. A natureza apática esmaece... Pouco a pouco, entre as árvores, a lua Surge trêmula, trêmula.... Anoitece.
  • 26. Principais Obras Primeiros Sonhos(1879) Sinfonias(1883) Versos e Versões(1887) Aleluias(1891) A exemplo dos demais componentes da tríade, Raimundo Correia foi um consumado artesão do verso, dominando com perfeição as técnicas de montagem e construção do poema.
  • 27. Outros poetas Além dos poetas da tríade parnasiana, fizeram parte do Parnasianismo brasileiro: •Vicente de Carvalho, que ficou conhecido como “o poeta do mar”; •Francisca Júlia, considerada a voz poética parnasiana mais próxima da impassibilidade pretendida pelos defensores do estilo;
  • 28. PROFª: ANDRÉIA PEIXOTO LICENCIADA EM LETRAS VERNÁCULAS/ PÓS-GRADUADA EM LITERATURA