SlideShare uma empresa Scribd logo
Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Urbanismo

RELATÓRIO
REAÇÕES COM METAIS

Santa Barbara D’Oeste
2013
Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Urbanismo

RELATÓRIO
REAÇÕES COM METAIS

Evilene Maria Miron
Gustavo César
Gustavo P. Carvalho
Jéssica Amaral
Mário Júnior Fugimoto

Docente Mauri Wilson Casale
Laboratório de Química – Disciplina de Química e Cotidiano

2
Santa Barbara D’Oeste
2013
Conteúdo
I.

Introdução Teórica ..............................................................................................................................4

II.

Objetivo ..............................................................................................................................................5

III. Metodologia ........................................................................................................................................5
Materiais ..................................................................................................................................... 5
Reagentes.................................................................................................................................... 5
IV. Procedimentos experimentais .............................................................................................................6
Procedimento 1 - Reações do ácido clorídrico com metal ......................................................... 6
Procedimento 2 - Reações entre metais ...................................................................................... 7
V.

Uso da Tabela de Potenciais de Oxirredução entre Metais .................................................................9

VI. Conclusão..........................................................................................................................................10
VII. Referencia Bibliográfica ...................................................................................................................10

3
Santa Barbara D’Oeste
2013
I.

Introdução Teórica

A série eletroquímica dos metais, também chamada de “escala de nobreza” ou de “fila
de reatividade química”, dispõe os elementos em ordem decrescente de reatividade (isto é,
cada elemento é mais reativo do que os que vêm depois dele) e em ordem crescente de
nobreza (isto é, cada elemento é menos nobre do que os que vêm depois dele).
Quanto mais reativo é o elemento, tanto menos nobre ele é. Quanto mais nobre o
elemento, menor será a sua reatividade química.
O ouro (Au), a platina (Pt) e a prata (Ag) têm baixa reatividade química e são
exemplos de metais nobres. São chamados de “nobres” porque mais dificilmente sofrem o
“ataque” químico de outras substâncias químicas.

Maior reatividade, menor nobreza

Li > K > Rb > Cs > Ba > Sr > Ca > Na > M > Al > Mn > Zn > Fe > Co > Ni > Pb > H > C > Hg > Ag > Pd > Pt > Au

Vejamos por exemplo a reação química entre o magnésio e o sulfato de zinco, que produz
sulfato de magnésio e zinco:

O magnésio deslocou o zinco porque é mais reativo do que ele, isto é, o Mg vem antes do Zn
na fila de reatividade dos metais. A reação Zn + MgSO4 não ocorre porque Zn, sendo menos
reativo que o Mg, não desloca de seus compostos, isto é, Zn vem depois de Mg na fila de
reatividade.
A fila de reatividade nada mais é do que a tabela de potenciais normais de oxirredução.
Pode-se calcular a força eletromotriz (FEM) ou voltagem dessas reações utilizando a tabela dos
potenciais normais de oxirredução.

4
Santa Barbara D’Oeste
2013
II.

Objetivo

Comprovar experimentalmente, que as reações de deslocamento entre metais ocorrem segundo
a fila de reatividade química ou a tabela de potenciais de oxirredução.

III.

Metodologia

Materiais
1.

Tubos de ensaio;

2.

Estantes para tubos de ensaio;

3.

Pipetas de 10 ml;

Reagentes
1.

Acido Clorídrico a 10% (HCl)

2.

Sulfato de Cobre a 10% (CuSO₄)

3.

Sulfato de Zinco a 5% (ZnSO₄)

4.

Sulfato de Magnésio a 5% (MgSO₄)

5.

Cloreto de Sódio a 5% (NaCl)

6.

Nitrato de Prata a 2% (AgNO₃)

7.

Magnésio metálico em aparas (Mg)

8.

Alumínio metálico em aparas (Al)

9.

Zinco metálico em aparas (Zn)

10.

Ferro metálico em fragmento (Fe)

11.

Cobre metálico em fragmento (Cu)
5
Santa Barbara D’Oeste
2013
IV.

Procedimentos experimentais

Procedimento 1 - Reações do ácido clorídrico com metal
Se pega cinco tubos de ensaio e adiciona-se HCl a 10%, até um terço do volume de cada um.

1.

Adiciona-se aparas de magnésio a um dos tubos;

É possível observar uma efervescência da solução quando o magnésio é adicionado, e
o aquecimento do tubo de ensaio. A reação demonstrada abaixo ocorreu porque o magnésio é
mais reativo que o hidrogênio, assim, Mg desloca H da solução.
Reação: Mg + 2HCl → MgCl2 + H₂
2.

Adiciona-se em outro tubo, aparas de alumínio;

O alumínio demora um pouco mais para reagir se comparado com o magnésio,
provavelmente pela sua posição na fila de reatividade química. A reação não apresenta uma
efervescência grande como no caso do magnésio.
Reação: 2Al + 6HCl → 2AlCl₃ + 3H₂

3.

Adiciona-se aparas de zinco em outro tubo, e espera-se alguns minutos;

O zinco reage e a solução de HCl adquire uma coloração branca, e apresenta certa
efervescência ocasionada pela liberação de H2. A reação ocorre porque o zinco, posicionado
antes do hidrogênio na fila de reatividade química, consegue deslocar os átomos de hidrogênio
da solução de HCl.
Reação: Zn + 2HCl → ZnCl₂ + H₂

4.

Ao quarto tubo contendo HCl, adiciona-se um fragmento de ferro, e espera

alguns minutos;
Aparentemente não houve reação, embora de acordo com a fila de reatividade química
o ferro esteja situado anterior ao hidrogênio. Ocorre uma reação de simples troca.
Reação: 2HCl + Fe → FeCl₂ + H₂

6
Santa Barbara D’Oeste
2013
5.

Ao quinto tubo se adiciona alguns fragmentos de cobre;

Não é possível observar reação, uma vez que o Cu se encontra depois do hidrogênio na
fila de reatividade química, logo ele não etapas de deslocar o hidrogênio do HCl.

Dentre todos os procedimentos listados no item neste primeiro procedimento, o
que apresentou uma maior reatividade com o ácido, foi o magnésio, que por
sinal é o primeiro entre os metais utilizados na lista de reatividade. Logo se
pode concluir que a reatividade varia de acordo com a posição do metal na
série eletroquímica. Então, todos os metais anteriores ao hidrogênio reagirão
com ácido, que apresenta hidrogênio em sua estrutura, e todos os que estão
após o hidrogênio não reagirá com ácidos.

Procedimento 2 - Reações entre metais
6.

Coloca-se solução de sulfato de cobre a 10% em um tubo de ensaio até 1/3 de

seu volume. Adiciona-se então algumas aparas de zinco e espera-se alguns minutos;
É possível perceber uma determinada crosta marrom sobre as aparas de zinco,
provavelmente devido ao fato de o zinco deslocar os átomos de cobre da solução. Também é
possível perceber que a solução sofre uma leve descoloração, tornando-se mais clara.
Reação: Zn + CuSO₄ → 4Cu + ZnSO₄

7.

Coloca-se mais uma vez sulfato de cobre a 10% em um tubo de ensaio até 1/3 de

seu volume, adiciona-se algumas aparas de magnésio e espera-se alguns minutos.
A solução apresenta uma efervescência. O magnésio reage coma solução, ocupando o
lugar do cobre, uma vez que é mais reativo.
Reação: Mg + CuSO4→ Cu + MgSO4

8.

Coloca-se solução de sulfato zinco a 5% em um tubo de ensaio até 1/3 do

volume, adiciona-se algumas aparas de cobre e agita.
Não é possível visualizar alguma reação, pois o cobre não conseguiria deslocar o
zinco.

7
Santa Barbara D’Oeste
2013
9.

Coloca-se sulfato de magnésio a 5% em um tubo de ensaio até 1/3 de seu

volume, adiciona-se algumas aparas de cobre e observa-se.
Não ocorre reação, pois o cobre não consegue deslocar o magnésio da solução, que é mais
reativo.

10.

Coloca-se solução de cloreto de sódio a 10% em um tubo de ensaio até 1/3 de

seu volume, adiciona-se aparas de cobre e observa-se.
Não há reação. Isso ocorre devido a posição do sódio, presente na solução. O Na está em
posição anterior ao sódio, sendo, portanto mais reativo.

11.

Coloca-se solução de cloreto de sódio a 10% em um tubo de ensaio até 1/3 de

seu volume, adiciona-se aparas de alumínio e observa-se.
Não há reação. Isso ocorre devido a posição do sódio, presente na solução. O Na está em
posição anterior ao alumínio, sendo, portanto mais reativo.

12.

Coloca-se solução de cloreto de sódio a 10% em um tubo de ensaio até 1/3 de

seu volume, adiciona-se aparas de zinco e observa-se.
Não há reação. Isso ocorre devido a posição do sódio, presente na solução. O Na
está em posição anterior ao zinco, sendo, portanto mais reativo.

13.

Coloca-se solução de nitrato de prata a 2% em um tubo de ensaio até 1/3 de seu

volume, adiciona-se aparas de magnésio, e agita-se.
A solução apresenta uma varia na coloração, tornando-se marrom. Tal fato nos leva a
suposição de uma reação entre o magnésio e a solução, uma vez que o magnésio é mais reativo
que a prata.

14.

Coloca-se solução de nitrato de prata a 2% em um tubo de ensaio até 1/3 de seu

volume, adiciona-se aparas de zinco, e agita-se.
Obtém um rápido crescimento de um sólido de cor esverdeada antes de chegar ao fundo
do tubo de ensaio. O zinco reage com o nitrato de prata numa reaçãoo de simples-troca,

formando o nitrato de zinco e prata. Ocorre porque o zinco é um metal mais reativo que a prata.
Reação: 2AgNO3→ 2Ag+ Zn(NO3)2

8
Santa Barbara D’Oeste
2013
V.

Uso da Tabela de Potenciais de Oxirredução entre Metais
Questões de verificação
a) Pt + HCl → NÃO REAGE
b) Ag + HCl → NÃO REAGE
c) Ca + H2SO4 → CaSO4 + H2
d) Zn + CuSO4 → Cu + ZnSO4
e) Cu + ZnSO4 → NÃO REAGE
f) Fe + PbS → NÃO REAGE
g) K + Bal2 → NÃO REAGE
h) Cu + 2AgNO3 → Cu(NO3) 2 + 2Ag
i) 2Al + 3Pb(NO3)2 → 2Al(NO3) 2 + 3Pb
j) Sn + PtCO3 → SnCO3 + Pt

Com a tabela de potenciais de oxirredução e da série de reatividade química dos metais,
a partir do intervalo de transição ou do potencial padrão do indicador é possível prever a
coloração deste em um meio com potencial definido. Por outro lado, a variação do
potencial no curso da titulação, especialmente perto do ponto de equivalência, pode ser
calculada. Finalmente, como são conhecidos muitos indicadores de oxirredução, com
diferente potencial padrão, pode-se escolher o mais apropriado para cada titulação.
Com a serie de reatividade química dos metais é possível a comparação de vários
metais, com isso consegue-se determinar quais têm maior tendência e menor tendência
de ceder elétrons.

9
Santa Barbara D’Oeste
2013
VI.

Conclusão

A partir da fila de reatividade dos metais podemos prever a ocorrência de
algumas reações de deslocamento. E a partir dos potenciais de redução podemos selecionar
substâncias que são bons agentes oxidantes e redutores. Nas reações de metais com ácidos,
o Hidrogênio só será deslocado pelos metais mais reativos que ele. Sendo assim, com os
metais nobres não ocorre esse tipo de reação.

VII.

Referencia Bibliográfica

ALUNOS Online; FOGAÇA, Jennifer Rocha Vargas. Reatividade dos metais. Disponível
em

http://www.alunosonline.com.br/quimica/reatividade-dos-metais.html.

Acessado em 17 de Abril de 2013.

CANTO, Eduardo Leite do; PERUZZO, Francisco Miragaia. Química na abordagem do
cotidiano – Volume único. Editora Moderna.

MUNDO Educação; FOGAÇA, Jennifer Rocha Vargas. Reatividade de metais com
ácidos. Disponível em http://www.mundoeducacao.com.br/quimica/reatividademetais-com-acidos.htm . Acessado em 17 de Abril de 2013.

"Reatividade Dos Metais" TrabalhosFeitos.com. Setembro de 2012. Acessado 17 de
Abril

de

2013.

http://www.trabalhosfeitos.com/ensaios/Reatividade-Dos-

Metais/346974.html

UNIVERDIDADE FEDEREAL DE JUIZ DE FORA. Aula Prática nº 11: Volumetria de
Oxirredução. Disponível em
http://www.ufjf.br/baccan/files/2011/05/Aula_pratica_11.pdf . Acessado em 17 de
Abril de 2013.

10
Santa Barbara D’Oeste
2013

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioSolubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Gabriela Begalli
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG... RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
Ezequias Guimaraes
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Dhion Meyg Fernandes
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
Ezequias Guimaraes
 
Relatório de Cromatografia
Relatório de CromatografiaRelatório de Cromatografia
Relatório de Cromatografia
Mario Monteiro
 
Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+
Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+
Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+
Gabriela Begalli
 
Relatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimentalRelatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimental
Queler X. Ferreira
 
Aula 10 carga nuclear efetiva
Aula 10   carga nuclear efetivaAula 10   carga nuclear efetiva
Aula 10 carga nuclear efetiva
Jupira Silva
 
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIRelatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Erica Souza
 
Titulação Potenciométrica
Titulação PotenciométricaTitulação Potenciométrica
Titulação Potenciométrica
Priscila Siqueira
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICARELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
Ezequias Guimaraes
 
Reações de Aldeídos e Cetonas
Reações de Aldeídos e CetonasReações de Aldeídos e Cetonas
Reações de Aldeídos e Cetonas
José Nunes da Silva Jr.
 
Relatorio 3 leite de magnésia
Relatorio 3  leite de magnésiaRelatorio 3  leite de magnésia
Relatorio 3 leite de magnésia
Dianna Grandal
 
Relatório corrosão
Relatório corrosãoRelatório corrosão
Relatório corrosão
Lidia Azevedo Ferreira
 
Solubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e MiscibilidadeSolubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e Miscibilidade
Alex Junior
 
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoRelatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Ana Morais Nascimento
 
Relatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoRelatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de Precipitação
Dhion Meyg Fernandes
 
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometriaRelatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Fernanda Borges de Souza
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
Ezequias Guimaraes
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Ivys Antônio
 

Mais procurados (20)

Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioSolubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG... RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
 
Relatório de Cromatografia
Relatório de CromatografiaRelatório de Cromatografia
Relatório de Cromatografia
 
Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+
Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+
Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+
 
Relatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimentalRelatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimental
 
Aula 10 carga nuclear efetiva
Aula 10   carga nuclear efetivaAula 10   carga nuclear efetiva
Aula 10 carga nuclear efetiva
 
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIRelatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
 
Titulação Potenciométrica
Titulação PotenciométricaTitulação Potenciométrica
Titulação Potenciométrica
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICARELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
 
Reações de Aldeídos e Cetonas
Reações de Aldeídos e CetonasReações de Aldeídos e Cetonas
Reações de Aldeídos e Cetonas
 
Relatorio 3 leite de magnésia
Relatorio 3  leite de magnésiaRelatorio 3  leite de magnésia
Relatorio 3 leite de magnésia
 
Relatório corrosão
Relatório corrosãoRelatório corrosão
Relatório corrosão
 
Solubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e MiscibilidadeSolubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e Miscibilidade
 
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoRelatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
 
Relatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoRelatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de Precipitação
 
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometriaRelatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
 

Semelhante a Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS

Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Série Eletroquímica: O Caso dos MetaisSérie Eletroquímica: O Caso dos Metais
Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Vitor Peixoto
 
Experimento 9 - Eletroquímica
Experimento 9   -  EletroquímicaExperimento 9   -  Eletroquímica
Experimento 9 - Eletroquímica
Silvanildo Macário
 
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e SaisQuímica Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Lucas Valente
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
Paola Botelho
 
O ciclo do cobre
O ciclo do cobreO ciclo do cobre
O ciclo do cobre
Marcela Mousquer
 
LABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdf
LABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdfLABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdf
LABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdf
Santos Raimundo
 
Obtenção de hidrogenio
Obtenção de hidrogenioObtenção de hidrogenio
Obtenção de hidrogenio
Mila Dé Zacché
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOS
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOSRELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOS
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOS
Ezequias Guimaraes
 
Experimental eletroquímica
Experimental eletroquímicaExperimental eletroquímica
Experimental eletroquímica
Luciano José Rezende
 
Experimental eletroquímica
Experimental eletroquímicaExperimental eletroquímica
Experimental eletroquímica
Luciano José Rezende
 
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrososQuimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Lucas Valente
 
LISTA HIDROGÊNIO .pdf
LISTA HIDROGÊNIO .pdfLISTA HIDROGÊNIO .pdf
LISTA HIDROGÊNIO .pdf
Santos Raimundo
 
1._A_quimica_do_hidrogenio.docxnnnnnnnnn
1._A_quimica_do_hidrogenio.docxnnnnnnnnn1._A_quimica_do_hidrogenio.docxnnnnnnnnn
1._A_quimica_do_hidrogenio.docxnnnnnnnnn
lizatoria1
 
PILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTASPILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTAS
Alberto Pethrus
 
Relat. quimica
Relat. quimicaRelat. quimica
Relat. quimica
marcosp08
 
Relat. quimica
Relat. quimicaRelat. quimica
Relat. quimica
marcosp08
 
Oxidação e redução
Oxidação e reduçãoOxidação e redução
Oxidação e redução
Aline Andrade
 
Messages
MessagesMessages
Messages
Laah Santana
 
Quimica 2014 tipo_a
Quimica 2014 tipo_aQuimica 2014 tipo_a
Quimica 2014 tipo_a
Carol Monteiro
 
Luciana avaliação 06.05.14 - versão final (3)
Luciana avaliação 06.05.14 - versão final (3)Luciana avaliação 06.05.14 - versão final (3)
Luciana avaliação 06.05.14 - versão final (3)
professoraludmila
 

Semelhante a Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS (20)

Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Série Eletroquímica: O Caso dos MetaisSérie Eletroquímica: O Caso dos Metais
Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
 
Experimento 9 - Eletroquímica
Experimento 9   -  EletroquímicaExperimento 9   -  Eletroquímica
Experimento 9 - Eletroquímica
 
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e SaisQuímica Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 
O ciclo do cobre
O ciclo do cobreO ciclo do cobre
O ciclo do cobre
 
LABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdf
LABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdfLABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdf
LABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdf
 
Obtenção de hidrogenio
Obtenção de hidrogenioObtenção de hidrogenio
Obtenção de hidrogenio
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOS
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOSRELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOS
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOS
 
Experimental eletroquímica
Experimental eletroquímicaExperimental eletroquímica
Experimental eletroquímica
 
Experimental eletroquímica
Experimental eletroquímicaExperimental eletroquímica
Experimental eletroquímica
 
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrososQuimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
 
LISTA HIDROGÊNIO .pdf
LISTA HIDROGÊNIO .pdfLISTA HIDROGÊNIO .pdf
LISTA HIDROGÊNIO .pdf
 
1._A_quimica_do_hidrogenio.docxnnnnnnnnn
1._A_quimica_do_hidrogenio.docxnnnnnnnnn1._A_quimica_do_hidrogenio.docxnnnnnnnnn
1._A_quimica_do_hidrogenio.docxnnnnnnnnn
 
PILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTASPILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTAS
 
Relat. quimica
Relat. quimicaRelat. quimica
Relat. quimica
 
Relat. quimica
Relat. quimicaRelat. quimica
Relat. quimica
 
Oxidação e redução
Oxidação e reduçãoOxidação e redução
Oxidação e redução
 
Messages
MessagesMessages
Messages
 
Quimica 2014 tipo_a
Quimica 2014 tipo_aQuimica 2014 tipo_a
Quimica 2014 tipo_a
 
Luciana avaliação 06.05.14 - versão final (3)
Luciana avaliação 06.05.14 - versão final (3)Luciana avaliação 06.05.14 - versão final (3)
Luciana avaliação 06.05.14 - versão final (3)
 

Mais de Jessica Amaral

Sociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O Capital
Sociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O CapitalSociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O Capital
Sociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O Capital
Jessica Amaral
 
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Jessica Amaral
 
Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...
Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...
Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...
Jessica Amaral
 
Sociologia - Fichamento de artigo - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...
Sociologia - Fichamento de artigo  - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...Sociologia - Fichamento de artigo  - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...
Sociologia - Fichamento de artigo - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...
Jessica Amaral
 
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.
Jessica Amaral
 
Relatorio regras e normas de segurança
Relatorio   regras e normas de segurançaRelatorio   regras e normas de segurança
Relatorio regras e normas de segurança
Jessica Amaral
 
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICASQuimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICAS
Jessica Amaral
 
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA E BIOLOGIA
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA  E BIOLOGIAAntropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA  E BIOLOGIA
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA E BIOLOGIA
Jessica Amaral
 
Pesquisas arqueológicas
Pesquisas arqueológicasPesquisas arqueológicas
Pesquisas arqueológicas
Jessica Amaral
 
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES DO PRÉ-HISTORICO AO CONTEMPORÂNEO
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES  DO PRÉ-HISTORICO  AO CONTEMPORÂNEOAntropologia - Relatorio HABITAÇÕES  DO PRÉ-HISTORICO  AO CONTEMPORÂNEO
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES DO PRÉ-HISTORICO AO CONTEMPORÂNEO
Jessica Amaral
 
Antropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURAL
Antropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURALAntropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURAL
Antropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURAL
Jessica Amaral
 
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
Jessica Amaral
 
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E  VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E  VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...
Jessica Amaral
 
Geografia Humana - 10. RESUMO - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...
Geografia Humana - 10. RESUMO   - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...Geografia Humana - 10. RESUMO   - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...
Geografia Humana - 10. RESUMO - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...
Jessica Amaral
 
Geografia Humana - 8. RESUMO -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...
Geografia Humana - 8. RESUMO  -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...Geografia Humana - 8. RESUMO  -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...
Geografia Humana - 8. RESUMO -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...
Jessica Amaral
 
7 população, meio ambiente e desenvolvimento
7   população, meio ambiente e desenvolvimento7   população, meio ambiente e desenvolvimento
7 população, meio ambiente e desenvolvimentoJessica Amaral
 
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livroGeografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livro
Jessica Amaral
 
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...
Jessica Amaral
 
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...
Jessica Amaral
 
9 somos um pais jovem
9   somos um pais jovem9   somos um pais jovem
9 somos um pais jovem
Jessica Amaral
 

Mais de Jessica Amaral (20)

Sociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O Capital
Sociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O CapitalSociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O Capital
Sociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O Capital
 
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
 
Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...
Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...
Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...
 
Sociologia - Fichamento de artigo - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...
Sociologia - Fichamento de artigo  - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...Sociologia - Fichamento de artigo  - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...
Sociologia - Fichamento de artigo - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...
 
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.
 
Relatorio regras e normas de segurança
Relatorio   regras e normas de segurançaRelatorio   regras e normas de segurança
Relatorio regras e normas de segurança
 
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICASQuimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICAS
 
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA E BIOLOGIA
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA  E BIOLOGIAAntropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA  E BIOLOGIA
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA E BIOLOGIA
 
Pesquisas arqueológicas
Pesquisas arqueológicasPesquisas arqueológicas
Pesquisas arqueológicas
 
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES DO PRÉ-HISTORICO AO CONTEMPORÂNEO
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES  DO PRÉ-HISTORICO  AO CONTEMPORÂNEOAntropologia - Relatorio HABITAÇÕES  DO PRÉ-HISTORICO  AO CONTEMPORÂNEO
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES DO PRÉ-HISTORICO AO CONTEMPORÂNEO
 
Antropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURAL
Antropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURALAntropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURAL
Antropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURAL
 
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
 
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E  VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E  VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...
 
Geografia Humana - 10. RESUMO - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...
Geografia Humana - 10. RESUMO   - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...Geografia Humana - 10. RESUMO   - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...
Geografia Humana - 10. RESUMO - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...
 
Geografia Humana - 8. RESUMO -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...
Geografia Humana - 8. RESUMO  -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...Geografia Humana - 8. RESUMO  -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...
Geografia Humana - 8. RESUMO -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...
 
7 população, meio ambiente e desenvolvimento
7   população, meio ambiente e desenvolvimento7   população, meio ambiente e desenvolvimento
7 população, meio ambiente e desenvolvimento
 
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livroGeografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livro
 
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...
 
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...
 
9 somos um pais jovem
9   somos um pais jovem9   somos um pais jovem
9 somos um pais jovem
 

Último

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 

Último (20)

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 

Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS

  • 1. Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Urbanismo RELATÓRIO REAÇÕES COM METAIS Santa Barbara D’Oeste 2013
  • 2. Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Urbanismo RELATÓRIO REAÇÕES COM METAIS Evilene Maria Miron Gustavo César Gustavo P. Carvalho Jéssica Amaral Mário Júnior Fugimoto Docente Mauri Wilson Casale Laboratório de Química – Disciplina de Química e Cotidiano 2 Santa Barbara D’Oeste 2013
  • 3. Conteúdo I. Introdução Teórica ..............................................................................................................................4 II. Objetivo ..............................................................................................................................................5 III. Metodologia ........................................................................................................................................5 Materiais ..................................................................................................................................... 5 Reagentes.................................................................................................................................... 5 IV. Procedimentos experimentais .............................................................................................................6 Procedimento 1 - Reações do ácido clorídrico com metal ......................................................... 6 Procedimento 2 - Reações entre metais ...................................................................................... 7 V. Uso da Tabela de Potenciais de Oxirredução entre Metais .................................................................9 VI. Conclusão..........................................................................................................................................10 VII. Referencia Bibliográfica ...................................................................................................................10 3 Santa Barbara D’Oeste 2013
  • 4. I. Introdução Teórica A série eletroquímica dos metais, também chamada de “escala de nobreza” ou de “fila de reatividade química”, dispõe os elementos em ordem decrescente de reatividade (isto é, cada elemento é mais reativo do que os que vêm depois dele) e em ordem crescente de nobreza (isto é, cada elemento é menos nobre do que os que vêm depois dele). Quanto mais reativo é o elemento, tanto menos nobre ele é. Quanto mais nobre o elemento, menor será a sua reatividade química. O ouro (Au), a platina (Pt) e a prata (Ag) têm baixa reatividade química e são exemplos de metais nobres. São chamados de “nobres” porque mais dificilmente sofrem o “ataque” químico de outras substâncias químicas. Maior reatividade, menor nobreza Li > K > Rb > Cs > Ba > Sr > Ca > Na > M > Al > Mn > Zn > Fe > Co > Ni > Pb > H > C > Hg > Ag > Pd > Pt > Au Vejamos por exemplo a reação química entre o magnésio e o sulfato de zinco, que produz sulfato de magnésio e zinco: O magnésio deslocou o zinco porque é mais reativo do que ele, isto é, o Mg vem antes do Zn na fila de reatividade dos metais. A reação Zn + MgSO4 não ocorre porque Zn, sendo menos reativo que o Mg, não desloca de seus compostos, isto é, Zn vem depois de Mg na fila de reatividade. A fila de reatividade nada mais é do que a tabela de potenciais normais de oxirredução. Pode-se calcular a força eletromotriz (FEM) ou voltagem dessas reações utilizando a tabela dos potenciais normais de oxirredução. 4 Santa Barbara D’Oeste 2013
  • 5. II. Objetivo Comprovar experimentalmente, que as reações de deslocamento entre metais ocorrem segundo a fila de reatividade química ou a tabela de potenciais de oxirredução. III. Metodologia Materiais 1. Tubos de ensaio; 2. Estantes para tubos de ensaio; 3. Pipetas de 10 ml; Reagentes 1. Acido Clorídrico a 10% (HCl) 2. Sulfato de Cobre a 10% (CuSO₄) 3. Sulfato de Zinco a 5% (ZnSO₄) 4. Sulfato de Magnésio a 5% (MgSO₄) 5. Cloreto de Sódio a 5% (NaCl) 6. Nitrato de Prata a 2% (AgNO₃) 7. Magnésio metálico em aparas (Mg) 8. Alumínio metálico em aparas (Al) 9. Zinco metálico em aparas (Zn) 10. Ferro metálico em fragmento (Fe) 11. Cobre metálico em fragmento (Cu) 5 Santa Barbara D’Oeste 2013
  • 6. IV. Procedimentos experimentais Procedimento 1 - Reações do ácido clorídrico com metal Se pega cinco tubos de ensaio e adiciona-se HCl a 10%, até um terço do volume de cada um. 1. Adiciona-se aparas de magnésio a um dos tubos; É possível observar uma efervescência da solução quando o magnésio é adicionado, e o aquecimento do tubo de ensaio. A reação demonstrada abaixo ocorreu porque o magnésio é mais reativo que o hidrogênio, assim, Mg desloca H da solução. Reação: Mg + 2HCl → MgCl2 + H₂ 2. Adiciona-se em outro tubo, aparas de alumínio; O alumínio demora um pouco mais para reagir se comparado com o magnésio, provavelmente pela sua posição na fila de reatividade química. A reação não apresenta uma efervescência grande como no caso do magnésio. Reação: 2Al + 6HCl → 2AlCl₃ + 3H₂ 3. Adiciona-se aparas de zinco em outro tubo, e espera-se alguns minutos; O zinco reage e a solução de HCl adquire uma coloração branca, e apresenta certa efervescência ocasionada pela liberação de H2. A reação ocorre porque o zinco, posicionado antes do hidrogênio na fila de reatividade química, consegue deslocar os átomos de hidrogênio da solução de HCl. Reação: Zn + 2HCl → ZnCl₂ + H₂ 4. Ao quarto tubo contendo HCl, adiciona-se um fragmento de ferro, e espera alguns minutos; Aparentemente não houve reação, embora de acordo com a fila de reatividade química o ferro esteja situado anterior ao hidrogênio. Ocorre uma reação de simples troca. Reação: 2HCl + Fe → FeCl₂ + H₂ 6 Santa Barbara D’Oeste 2013
  • 7. 5. Ao quinto tubo se adiciona alguns fragmentos de cobre; Não é possível observar reação, uma vez que o Cu se encontra depois do hidrogênio na fila de reatividade química, logo ele não etapas de deslocar o hidrogênio do HCl. Dentre todos os procedimentos listados no item neste primeiro procedimento, o que apresentou uma maior reatividade com o ácido, foi o magnésio, que por sinal é o primeiro entre os metais utilizados na lista de reatividade. Logo se pode concluir que a reatividade varia de acordo com a posição do metal na série eletroquímica. Então, todos os metais anteriores ao hidrogênio reagirão com ácido, que apresenta hidrogênio em sua estrutura, e todos os que estão após o hidrogênio não reagirá com ácidos. Procedimento 2 - Reações entre metais 6. Coloca-se solução de sulfato de cobre a 10% em um tubo de ensaio até 1/3 de seu volume. Adiciona-se então algumas aparas de zinco e espera-se alguns minutos; É possível perceber uma determinada crosta marrom sobre as aparas de zinco, provavelmente devido ao fato de o zinco deslocar os átomos de cobre da solução. Também é possível perceber que a solução sofre uma leve descoloração, tornando-se mais clara. Reação: Zn + CuSO₄ → 4Cu + ZnSO₄ 7. Coloca-se mais uma vez sulfato de cobre a 10% em um tubo de ensaio até 1/3 de seu volume, adiciona-se algumas aparas de magnésio e espera-se alguns minutos. A solução apresenta uma efervescência. O magnésio reage coma solução, ocupando o lugar do cobre, uma vez que é mais reativo. Reação: Mg + CuSO4→ Cu + MgSO4 8. Coloca-se solução de sulfato zinco a 5% em um tubo de ensaio até 1/3 do volume, adiciona-se algumas aparas de cobre e agita. Não é possível visualizar alguma reação, pois o cobre não conseguiria deslocar o zinco. 7 Santa Barbara D’Oeste 2013
  • 8. 9. Coloca-se sulfato de magnésio a 5% em um tubo de ensaio até 1/3 de seu volume, adiciona-se algumas aparas de cobre e observa-se. Não ocorre reação, pois o cobre não consegue deslocar o magnésio da solução, que é mais reativo. 10. Coloca-se solução de cloreto de sódio a 10% em um tubo de ensaio até 1/3 de seu volume, adiciona-se aparas de cobre e observa-se. Não há reação. Isso ocorre devido a posição do sódio, presente na solução. O Na está em posição anterior ao sódio, sendo, portanto mais reativo. 11. Coloca-se solução de cloreto de sódio a 10% em um tubo de ensaio até 1/3 de seu volume, adiciona-se aparas de alumínio e observa-se. Não há reação. Isso ocorre devido a posição do sódio, presente na solução. O Na está em posição anterior ao alumínio, sendo, portanto mais reativo. 12. Coloca-se solução de cloreto de sódio a 10% em um tubo de ensaio até 1/3 de seu volume, adiciona-se aparas de zinco e observa-se. Não há reação. Isso ocorre devido a posição do sódio, presente na solução. O Na está em posição anterior ao zinco, sendo, portanto mais reativo. 13. Coloca-se solução de nitrato de prata a 2% em um tubo de ensaio até 1/3 de seu volume, adiciona-se aparas de magnésio, e agita-se. A solução apresenta uma varia na coloração, tornando-se marrom. Tal fato nos leva a suposição de uma reação entre o magnésio e a solução, uma vez que o magnésio é mais reativo que a prata. 14. Coloca-se solução de nitrato de prata a 2% em um tubo de ensaio até 1/3 de seu volume, adiciona-se aparas de zinco, e agita-se. Obtém um rápido crescimento de um sólido de cor esverdeada antes de chegar ao fundo do tubo de ensaio. O zinco reage com o nitrato de prata numa reaçãoo de simples-troca, formando o nitrato de zinco e prata. Ocorre porque o zinco é um metal mais reativo que a prata. Reação: 2AgNO3→ 2Ag+ Zn(NO3)2 8 Santa Barbara D’Oeste 2013
  • 9. V. Uso da Tabela de Potenciais de Oxirredução entre Metais Questões de verificação a) Pt + HCl → NÃO REAGE b) Ag + HCl → NÃO REAGE c) Ca + H2SO4 → CaSO4 + H2 d) Zn + CuSO4 → Cu + ZnSO4 e) Cu + ZnSO4 → NÃO REAGE f) Fe + PbS → NÃO REAGE g) K + Bal2 → NÃO REAGE h) Cu + 2AgNO3 → Cu(NO3) 2 + 2Ag i) 2Al + 3Pb(NO3)2 → 2Al(NO3) 2 + 3Pb j) Sn + PtCO3 → SnCO3 + Pt Com a tabela de potenciais de oxirredução e da série de reatividade química dos metais, a partir do intervalo de transição ou do potencial padrão do indicador é possível prever a coloração deste em um meio com potencial definido. Por outro lado, a variação do potencial no curso da titulação, especialmente perto do ponto de equivalência, pode ser calculada. Finalmente, como são conhecidos muitos indicadores de oxirredução, com diferente potencial padrão, pode-se escolher o mais apropriado para cada titulação. Com a serie de reatividade química dos metais é possível a comparação de vários metais, com isso consegue-se determinar quais têm maior tendência e menor tendência de ceder elétrons. 9 Santa Barbara D’Oeste 2013
  • 10. VI. Conclusão A partir da fila de reatividade dos metais podemos prever a ocorrência de algumas reações de deslocamento. E a partir dos potenciais de redução podemos selecionar substâncias que são bons agentes oxidantes e redutores. Nas reações de metais com ácidos, o Hidrogênio só será deslocado pelos metais mais reativos que ele. Sendo assim, com os metais nobres não ocorre esse tipo de reação. VII. Referencia Bibliográfica ALUNOS Online; FOGAÇA, Jennifer Rocha Vargas. Reatividade dos metais. Disponível em http://www.alunosonline.com.br/quimica/reatividade-dos-metais.html. Acessado em 17 de Abril de 2013. CANTO, Eduardo Leite do; PERUZZO, Francisco Miragaia. Química na abordagem do cotidiano – Volume único. Editora Moderna. MUNDO Educação; FOGAÇA, Jennifer Rocha Vargas. Reatividade de metais com ácidos. Disponível em http://www.mundoeducacao.com.br/quimica/reatividademetais-com-acidos.htm . Acessado em 17 de Abril de 2013. "Reatividade Dos Metais" TrabalhosFeitos.com. Setembro de 2012. Acessado 17 de Abril de 2013. http://www.trabalhosfeitos.com/ensaios/Reatividade-Dos- Metais/346974.html UNIVERDIDADE FEDEREAL DE JUIZ DE FORA. Aula Prática nº 11: Volumetria de Oxirredução. Disponível em http://www.ufjf.br/baccan/files/2011/05/Aula_pratica_11.pdf . Acessado em 17 de Abril de 2013. 10 Santa Barbara D’Oeste 2013