SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Jessica Amaral.
FCT UNESP
1º semestre do curso de Geografia 2012.
Disciplina de Sociologia
Docente Nivaldo Correia
MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O Capital
A primeira questão a se levantar sobre o primeiro capítulo do volume I de O
Capital de Karl Marx é, por que uma obra sobre economia política que se propõe a
discutir o processo de produção de circulação, de extração da mais valia que vai se
desdobrando ao longo do texto, começa a tratar da mercadoria, que é do ponto de vista
do sistema produtivo capitalista, muito mais uma conseqüência do que a causa do
processo. Em outras palavras, questiona-se por que o texto começa no fim.
Na realidade, o fenômeno da mercadoria é o elemento mais visível do sistema
do capital com o qual as pessoas convivem e, por meio da visibilidade da mercadoria
que as pessoas tomam contato com o sistema do capital, pois numa sociedade capitalista
tudo é mercadoria, todo mundo se relaciona com a forma da mercadoria, seja rendendo
sua força de trabalho e/ou comprando outras mercadorias.
Portanto, a mercadoria é o fenômeno mais explicito do sistema do capital, em
relação a qual todas as pessoas têm algum tipo de contato, mesmo aquelas que não estão
diretamente inseridas no processo de produção capitalista, ou seja, nas relações diretas
“capital-trabalho”.
Marx tenta ao longo do capítulo mostrar que essa relação visível que as pessoas
têm com a mercadoria é uma relação alienada, ou seja, a forma com que as pessoas
entram em contato com o capital e visualiza esse contato, é uma forma de
estranhamento, que, portanto gera o fetiche da mercadoria.
1. Os dois fatores da economia: valor de uso e valor
“Todas as coisas úteis podem ser consideradas sob um duplo ponto de vista: o
da qualidade e o da quantidade. Cada uma delas é um conjunto de propriedades
diversas, podendo, podendo, por conseguinte, ser útil sob diferentes aspectos”
Importante compreender que o valor de uso é o conteúdo material da riqueza,
qualquer que seja a formação social em que se viva. Desde que o homem passou a
transformar a natureza, a partir da sua ação consciente, se produz valores de uso. A
sociedade mais primitiva, na medida em que os seus habitantes trabalhavam, produzia
valores de uso, tais como: machados, flechas etc. Uma coisa, portanto, pode ser útil e
produto do trabalho humano, sem ser mercadoria, a exemplo do trigo produzido pelos
camponeses na Idade Média que era entregue como tributo para o senhor feudal.
A peculiaridade da sociedade burguesa é que ao mesmo tempo, o conteúdo
material da riqueza social é portador de valor de troca (onde valores de uso de uma
espécie se trocam contra valores de uso de outra espécie, numa relação que muda
constantemente no tempo e no espaço). Ademais, Marx adverte que como valores de
uso as mercadorias são, antes de tudo, de diferente qualidade, como valores de troca só
podem ser de quantidade diferente.
As mercadorias são produtos do trabalho humano, dos sentidos do homem. A
grandeza do valor contido nas mercadorias é medida pelo quantum de trabalho, que é a
“substância constituidora de valor”. Portanto, o que gera valor é tão-somente o trabalho.
Marx aqui opera algo magistral, que o diferencia dos economistas burgueses, a saber: a
descoberta do trabalho como fundamento da forma valor.
Prosseguindo na sua investigação Marx analisa o tempo de trabalho socialmente
necessário. Sendo este “aquele requerido para produzir um valor de uso qualquer (ferro,
linho etc.), nas condições dadas de produção socialmente normais, e com o grau social
médio de habilidade e de intensidade de trabalho.
Neste sentido, “o quantum de trabalho socialmente necessário ou o tempo de
trabalho socialmente necessário para a produção de um valor de uso é o que determina a
grandeza de seu valor”, ademais, “enquanto valores todas as mercadorias são apenas
medidas determinadas de tempo de trabalho cristalizado”
2. Duplo caráter do trabalho representado nas mercadorias
Se as mercadorias apresentam dois fatores, em outras palavras, um duplo valor,
o trabalho, que é a fonte fundamental de valor, então, dentro de cada mercadoria há um
caráter duplo, o trabalho se apresenta em duplicidade.
Veja que a substancia é diferente da grandeza, onde a substância é a qualidade
e o conteúdo do valor, enquanto que a grandeza diz respeito à quantidade do valor. Por
isso que geralmente se identifica o valor de troca com o preço.
A quantidade de uma coisa não é necessariamente a sua qualidade e vive-versa.
O conteúdo é diferente da quantidade: uma coisa é a essência, e a outra é a aparência
(manifestação exterior).
O trabalho, de um lados é simples e do outro, complexo. Onde o primeiro, é
um trabalho em que o individuo executa para realizar um valor, uma mercadoria na
medida em que esta se relaciona com outras que contem outros trabalhos e, portanto, no
fim, essa mercadoria tem uma representação enquanto trabalho complexo, não um
simples trabalho individual, mas um trabalho generalizado, social, abstrato.
Por fim, as mercadorias têm um duplo valor, uma forma substancial e uma
forma de grandeza. Portanto ela tem embutido dois tipos de trabalho: o simples e o
concreto, realizado apenas por um individuam, pelo qual todas as mercadorias são
medidas.
3. A Forma de Valor ou o Valor de Troca
A forma simples do valor de troca é a forma mais imediata do processo da
troca. A troca pela mercadoria “A” pela mercadoria “B”, ou seja, a forma relativa pela
forma equivalente (representativa).
A forma simples pode ser entendida por troca natural, pois não envolve moeda.
A troca natural existe desde que a sociedade começou a produzir excedentes, porém já
há valor de uso e de troca, substancia do valor e grandeza do valor.
Para que o dinheiro funcione como valor de troca, então não é mais possível a troca de
forma simples, mas a troca de valor total ou desdobrada.
O valor geral é a forma equivalente geral (equivale bem que pode ser trocado
por qualquer outra), ou seja, forma que equivale a todas as outras, só não é dinheiro,
pois se trata de um bem material.
O que tornou possível que as mercadorias pudessem ser medidas em termos de
valor pelo tempo de trabalho foram o surgimento e a generalização do trabalho livre.
Sem este, não há como medir, e é uma das condições do surgimento do capitalismo.
Então, a divisão social do trabalho é o trabalho livre e a forma simples do valor de troca,
fazem parte dos dois critérios históricos que permite a generalização da forma dinheiro.
4. O Caráter Fetichista da Mercadoria e seu Segredo.
O valor de uso da mercadoria é a substancia desse valor e medida pela sua
utilidade, ou seja, a produção humana tende a uma necessidade, o trabalho é motivado
porque o ser humano atende a uma necessidade. Portanto, o valor primordial de
qualquer mercadoria é a sua utilidade. Então o valor é variável e diz respeito a um
produto.
Entre o valor de uso e o valor de troca, existe uma antítese, uma contradição
externa e uma interna: a forma equivalente reflete apenas o valor de troca da forma
relativa.
Quando se passa de uma forma simples para uma forma desdobrada, ocorre a
seguinte operação: a forma relativa é igual à forma equivalente que, por sua vez, se
forma em social-geral, porque ela fale varias formas equivalentes. A tendência é
encontrar uma forma equivalente geral, que possa substituir os produtos. É nesse
momento que entra a forma do dinheiro
Para que o dinheiro possa funcionar como equivalente geral, ele não pode
representar trabalho nenhum, porque ele, ao mesmo tempo, representa todas. Portanto,
ele é puramente trabalho abstrato, então não tem concretude.
Nunca estivemos tão próximos para superar a alienação, pois a base para a
superação da alienação já esta dada: o trabalho social, e desanielação do ser humano em
relação a si e ao semelhante. A problemática é que a apropriação é privada, mais ser for
ultrapassada, a apropriação passa a ser social. O trabalho também é social, então já estão
dados as bases para a desanielação, que é um problema de relação concreta.
Para concluir, o materialismo desse capítulo deve-se as relações da produção
do fenômeno como concreto da produção e reprodução da vida. E não é somente
economia, afinal, o trabalho requer também relações políticas e ideológicas; a forma
equivalente geral só atinge seu apogeu quando o trabalho tornou-se livre, que por sua
vez é uma questão jurídica. “A produção determina o processo”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)
humberto145
 
A perspectiva sociológica
A perspectiva sociológicaA perspectiva sociológica
A perspectiva sociológica
Gabriella Vieira
 
Relatório de estágio
Relatório de estágioRelatório de estágio
Relatório de estágio
Leilany Campos
 
Processo de socialização
Processo de socializaçãoProcesso de socialização
Processo de socialização
homago
 
Educação formal e não formal
Educação formal e não formalEducação formal e não formal
Educação formal e não formal
Ana Vilalva
 

Mais procurados (20)

A sociologia marxista
A sociologia marxistaA sociologia marxista
A sociologia marxista
 
Aula 4 - Max Weber
Aula 4 - Max WeberAula 4 - Max Weber
Aula 4 - Max Weber
 
Marxismo
MarxismoMarxismo
Marxismo
 
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)
 
A perspectiva sociológica
A perspectiva sociológicaA perspectiva sociológica
A perspectiva sociológica
 
Emile Durkheim
Emile DurkheimEmile Durkheim
Emile Durkheim
 
Fato social Durkheim
Fato social   DurkheimFato social   Durkheim
Fato social Durkheim
 
A sociologia aplicada ao cotidiano
A sociologia aplicada ao cotidianoA sociologia aplicada ao cotidiano
A sociologia aplicada ao cotidiano
 
Políticas públicas educacionais aula 1
Políticas públicas educacionais   aula   1Políticas públicas educacionais   aula   1
Políticas públicas educacionais aula 1
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
 
Apresentação Mauss e Ensaio sobre a Dádiva
Apresentação Mauss e Ensaio sobre a DádivaApresentação Mauss e Ensaio sobre a Dádiva
Apresentação Mauss e Ensaio sobre a Dádiva
 
Relatório de estágio
Relatório de estágioRelatório de estágio
Relatório de estágio
 
Sociologia 3º ano EM
Sociologia 3º ano EM Sociologia 3º ano EM
Sociologia 3º ano EM
 
Processo de socialização
Processo de socializaçãoProcesso de socialização
Processo de socialização
 
Relatório do pibid
Relatório do pibidRelatório do pibid
Relatório do pibid
 
Indivíduo e sociedade
Indivíduo e sociedadeIndivíduo e sociedade
Indivíduo e sociedade
 
Sociologia - Direitos e Cidadania
Sociologia -  Direitos e CidadaniaSociologia -  Direitos e Cidadania
Sociologia - Direitos e Cidadania
 
história da sociologia
   história da sociologia   história da sociologia
história da sociologia
 
Educação formal e não formal
Educação formal e não formalEducação formal e não formal
Educação formal e não formal
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Globalização
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre GlobalizaçãoSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Globalização
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Globalização
 

Destaque

Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.
Jessica Amaral
 
Relatorio regras e normas de segurança
Relatorio   regras e normas de segurançaRelatorio   regras e normas de segurança
Relatorio regras e normas de segurança
Jessica Amaral
 
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Jessica Amaral
 
Fichamento macedo - ok
Fichamento   macedo - okFichamento   macedo - ok
Fichamento macedo - ok
familiaestagio
 
Fichamento O Que é Sociologia
Fichamento   O Que é SociologiaFichamento   O Que é Sociologia
Fichamento O Que é Sociologia
Wladimir Crippa
 
Pesquisas arqueológicas
Pesquisas arqueológicasPesquisas arqueológicas
Pesquisas arqueológicas
Jessica Amaral
 
Resumo analítico de o capital karl marx doc
Resumo analítico de o capital   karl marx docResumo analítico de o capital   karl marx doc
Resumo analítico de o capital karl marx doc
Alberto Góes Xavier
 
Geografia do Brasil - 1. O Continente Brasileiro, Jean Demageot. Capitulo III...
Geografia do Brasil - 1. O Continente Brasileiro, Jean Demageot. Capitulo III...Geografia do Brasil - 1. O Continente Brasileiro, Jean Demageot. Capitulo III...
Geografia do Brasil - 1. O Continente Brasileiro, Jean Demageot. Capitulo III...
Jessica Amaral
 
Geografia Humana - 10. RESUMO - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...
Geografia Humana - 10. RESUMO   - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...Geografia Humana - 10. RESUMO   - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...
Geografia Humana - 10. RESUMO - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...
Jessica Amaral
 
7 população, meio ambiente e desenvolvimento
7   população, meio ambiente e desenvolvimento7   população, meio ambiente e desenvolvimento
7 população, meio ambiente e desenvolvimento
Jessica Amaral
 
Geografia Humana - 8. RESUMO -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...
Geografia Humana - 8. RESUMO  -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...Geografia Humana - 8. RESUMO  -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...
Geografia Humana - 8. RESUMO -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...
Jessica Amaral
 
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...
Jessica Amaral
 
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...
Jessica Amaral
 
Geografia do Brasil - 3. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...
Geografia do Brasil - 3. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...Geografia do Brasil - 3. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...
Geografia do Brasil - 3. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...
Jessica Amaral
 
Geografia do Brasil - 2. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...
Geografia do Brasil - 2. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...Geografia do Brasil - 2. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...
Geografia do Brasil - 2. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...
Jessica Amaral
 
Gografia do Brasil - 5. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século X...
Gografia do Brasil - 5. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século X...Gografia do Brasil - 5. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século X...
Gografia do Brasil - 5. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século X...
Jessica Amaral
 
Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...
Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...
Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...
Jessica Amaral
 
Karl Marx - "O Capital" (obra integral traduzida)
Karl Marx - "O Capital" (obra integral traduzida)Karl Marx - "O Capital" (obra integral traduzida)
Karl Marx - "O Capital" (obra integral traduzida)
Jorge Barbosa
 

Destaque (20)

Fichamento de Texto
Fichamento de TextoFichamento de Texto
Fichamento de Texto
 
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.
 
Relatorio regras e normas de segurança
Relatorio   regras e normas de segurançaRelatorio   regras e normas de segurança
Relatorio regras e normas de segurança
 
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
 
Fichamento macedo - ok
Fichamento   macedo - okFichamento   macedo - ok
Fichamento macedo - ok
 
Fichamento O Que é Sociologia
Fichamento   O Que é SociologiaFichamento   O Que é Sociologia
Fichamento O Que é Sociologia
 
Pesquisas arqueológicas
Pesquisas arqueológicasPesquisas arqueológicas
Pesquisas arqueológicas
 
Resumo analítico de o capital karl marx doc
Resumo analítico de o capital   karl marx docResumo analítico de o capital   karl marx doc
Resumo analítico de o capital karl marx doc
 
Geografia do Brasil - 1. O Continente Brasileiro, Jean Demageot. Capitulo III...
Geografia do Brasil - 1. O Continente Brasileiro, Jean Demageot. Capitulo III...Geografia do Brasil - 1. O Continente Brasileiro, Jean Demageot. Capitulo III...
Geografia do Brasil - 1. O Continente Brasileiro, Jean Demageot. Capitulo III...
 
Geografia Humana - 10. RESUMO - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...
Geografia Humana - 10. RESUMO   - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...Geografia Humana - 10. RESUMO   - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...
Geografia Humana - 10. RESUMO - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...
 
9 somos um pais jovem
9   somos um pais jovem9   somos um pais jovem
9 somos um pais jovem
 
7 população, meio ambiente e desenvolvimento
7   população, meio ambiente e desenvolvimento7   população, meio ambiente e desenvolvimento
7 população, meio ambiente e desenvolvimento
 
Geografia Humana - 8. RESUMO -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...
Geografia Humana - 8. RESUMO  -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...Geografia Humana - 8. RESUMO  -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...
Geografia Humana - 8. RESUMO -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...
 
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...
 
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...
 
Geografia do Brasil - 3. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...
Geografia do Brasil - 3. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...Geografia do Brasil - 3. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...
Geografia do Brasil - 3. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...
 
Geografia do Brasil - 2. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...
Geografia do Brasil - 2. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...Geografia do Brasil - 2. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...
Geografia do Brasil - 2. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...
 
Gografia do Brasil - 5. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século X...
Gografia do Brasil - 5. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século X...Gografia do Brasil - 5. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século X...
Gografia do Brasil - 5. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século X...
 
Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...
Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...
Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...
 
Karl Marx - "O Capital" (obra integral traduzida)
Karl Marx - "O Capital" (obra integral traduzida)Karl Marx - "O Capital" (obra integral traduzida)
Karl Marx - "O Capital" (obra integral traduzida)
 

Semelhante a Sociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O Capital

História Do Capitalismo
História Do CapitalismoHistória Do Capitalismo
História Do Capitalismo
UNIP
 
O capital
O capitalO capital
O capital
lane
 
4º Bloco Conceitos BáSicos Do Marxismo Marcos Costa
4º Bloco   Conceitos BáSicos Do Marxismo   Marcos Costa4º Bloco   Conceitos BáSicos Do Marxismo   Marcos Costa
4º Bloco Conceitos BáSicos Do Marxismo Marcos Costa
Wladimir Crippa
 
4º Bloco Conceitos BáSicos Do Marxismo Marcos Costa
4º Bloco   Conceitos BáSicos Do Marxismo   Marcos Costa4º Bloco   Conceitos BáSicos Do Marxismo   Marcos Costa
4º Bloco Conceitos BáSicos Do Marxismo Marcos Costa
Wladimir Crippa
 
Pensadores karl marx - economia
Pensadores   karl marx - economiaPensadores   karl marx - economia
Pensadores karl marx - economia
Daniele Rubim
 
O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO E SUA DUPLA DIMENSÃO NO CAPITALISMO
O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO E SUA DUPLA DIMENSÃO NO CAPITALISMOO TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO E SUA DUPLA DIMENSÃO NO CAPITALISMO
O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO E SUA DUPLA DIMENSÃO NO CAPITALISMO
Solange Soares
 
O método da economia política marx
O método da economia política   marxO método da economia política   marx
O método da economia política marx
UJS_Maringa
 

Semelhante a Sociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O Capital (20)

O Capital
O CapitalO Capital
O Capital
 
História Do Capitalismo
História Do CapitalismoHistória Do Capitalismo
História Do Capitalismo
 
O capital
O capitalO capital
O capital
 
4º Bloco Conceitos BáSicos Do Marxismo Marcos Costa
4º Bloco   Conceitos BáSicos Do Marxismo   Marcos Costa4º Bloco   Conceitos BáSicos Do Marxismo   Marcos Costa
4º Bloco Conceitos BáSicos Do Marxismo Marcos Costa
 
4º Bloco Conceitos BáSicos Do Marxismo Marcos Costa
4º Bloco   Conceitos BáSicos Do Marxismo   Marcos Costa4º Bloco   Conceitos BáSicos Do Marxismo   Marcos Costa
4º Bloco Conceitos BáSicos Do Marxismo Marcos Costa
 
MARX - O Capital
MARX - O CapitalMARX - O Capital
MARX - O Capital
 
Resumo - A mercadoria karl marx
Resumo - A  mercadoria karl marxResumo - A  mercadoria karl marx
Resumo - A mercadoria karl marx
 
A mercadoria - Os fundamentos da produção da sociedade e do seu conhecimento
A mercadoria - Os fundamentos da produção da sociedade e do seu conhecimentoA mercadoria - Os fundamentos da produção da sociedade e do seu conhecimento
A mercadoria - Os fundamentos da produção da sociedade e do seu conhecimento
 
Pensadores karl marx - economia
Pensadores   karl marx - economiaPensadores   karl marx - economia
Pensadores karl marx - economia
 
O trabalho em marx
O trabalho em marxO trabalho em marx
O trabalho em marx
 
O trabalho em marx
O trabalho em marxO trabalho em marx
O trabalho em marx
 
Trabalho alienado e a educação escolar na dinâmica capitalista
Trabalho alienado e a educação escolar na dinâmica capitalistaTrabalho alienado e a educação escolar na dinâmica capitalista
Trabalho alienado e a educação escolar na dinâmica capitalista
 
O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO E SUA DUPLA DIMENSÃO NO CAPITALISMO
O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO E SUA DUPLA DIMENSÃO NO CAPITALISMOO TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO E SUA DUPLA DIMENSÃO NO CAPITALISMO
O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO E SUA DUPLA DIMENSÃO NO CAPITALISMO
 
Manuscritoseconomicos
ManuscritoseconomicosManuscritoseconomicos
Manuscritoseconomicos
 
Sistema monetário.ppt
Sistema monetário.pptSistema monetário.ppt
Sistema monetário.ppt
 
Karl Marx: A Teoria Crítica
Karl Marx: A Teoria CríticaKarl Marx: A Teoria Crítica
Karl Marx: A Teoria Crítica
 
Trabalho em Marx.pdf
Trabalho em Marx.pdfTrabalho em Marx.pdf
Trabalho em Marx.pdf
 
Karl marx1
Karl marx1Karl marx1
Karl marx1
 
O método da economia política marx
O método da economia política   marxO método da economia política   marx
O método da economia política marx
 
O método da economia política
O método da economia políticaO método da economia política
O método da economia política
 

Mais de Jessica Amaral

Sociologia - Fichamento de artigo - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...
Sociologia - Fichamento de artigo  - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...Sociologia - Fichamento de artigo  - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...
Sociologia - Fichamento de artigo - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...
Jessica Amaral
 
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICASQuimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICAS
Jessica Amaral
 
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISQuimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Jessica Amaral
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Jessica Amaral
 
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA E BIOLOGIA
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA  E BIOLOGIAAntropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA  E BIOLOGIA
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA E BIOLOGIA
Jessica Amaral
 
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES DO PRÉ-HISTORICO AO CONTEMPORÂNEO
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES  DO PRÉ-HISTORICO  AO CONTEMPORÂNEOAntropologia - Relatorio HABITAÇÕES  DO PRÉ-HISTORICO  AO CONTEMPORÂNEO
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES DO PRÉ-HISTORICO AO CONTEMPORÂNEO
Jessica Amaral
 
Antropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURAL
Antropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURALAntropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURAL
Antropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURAL
Jessica Amaral
 
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
Jessica Amaral
 
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E  VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E  VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...
Jessica Amaral
 
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livroGeografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livro
Jessica Amaral
 
Geografia do Brasil - Aula - Brasil integração do território e a articulação ...
Geografia do Brasil - Aula - Brasil integração do território e a articulação ...Geografia do Brasil - Aula - Brasil integração do território e a articulação ...
Geografia do Brasil - Aula - Brasil integração do território e a articulação ...
Jessica Amaral
 
Geografia do Brasil - 4. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século ...
Geografia do Brasil - 4. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século ...Geografia do Brasil - 4. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século ...
Geografia do Brasil - 4. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século ...
Jessica Amaral
 

Mais de Jessica Amaral (12)

Sociologia - Fichamento de artigo - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...
Sociologia - Fichamento de artigo  - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...Sociologia - Fichamento de artigo  - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...
Sociologia - Fichamento de artigo - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...
 
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICASQuimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICAS
 
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISQuimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
 
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA E BIOLOGIA
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA  E BIOLOGIAAntropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA  E BIOLOGIA
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA E BIOLOGIA
 
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES DO PRÉ-HISTORICO AO CONTEMPORÂNEO
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES  DO PRÉ-HISTORICO  AO CONTEMPORÂNEOAntropologia - Relatorio HABITAÇÕES  DO PRÉ-HISTORICO  AO CONTEMPORÂNEO
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES DO PRÉ-HISTORICO AO CONTEMPORÂNEO
 
Antropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURAL
Antropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURALAntropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURAL
Antropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURAL
 
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
 
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E  VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E  VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...
 
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livroGeografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livro
 
Geografia do Brasil - Aula - Brasil integração do território e a articulação ...
Geografia do Brasil - Aula - Brasil integração do território e a articulação ...Geografia do Brasil - Aula - Brasil integração do território e a articulação ...
Geografia do Brasil - Aula - Brasil integração do território e a articulação ...
 
Geografia do Brasil - 4. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século ...
Geografia do Brasil - 4. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século ...Geografia do Brasil - 4. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século ...
Geografia do Brasil - 4. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século ...
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
azulassessoria9
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
FLAVIA LEZAN
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
lbgsouza
 

Último (20)

Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalBENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 

Sociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O Capital

  • 1. Jessica Amaral. FCT UNESP 1º semestre do curso de Geografia 2012. Disciplina de Sociologia Docente Nivaldo Correia MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O Capital A primeira questão a se levantar sobre o primeiro capítulo do volume I de O Capital de Karl Marx é, por que uma obra sobre economia política que se propõe a discutir o processo de produção de circulação, de extração da mais valia que vai se desdobrando ao longo do texto, começa a tratar da mercadoria, que é do ponto de vista do sistema produtivo capitalista, muito mais uma conseqüência do que a causa do processo. Em outras palavras, questiona-se por que o texto começa no fim. Na realidade, o fenômeno da mercadoria é o elemento mais visível do sistema do capital com o qual as pessoas convivem e, por meio da visibilidade da mercadoria que as pessoas tomam contato com o sistema do capital, pois numa sociedade capitalista tudo é mercadoria, todo mundo se relaciona com a forma da mercadoria, seja rendendo sua força de trabalho e/ou comprando outras mercadorias. Portanto, a mercadoria é o fenômeno mais explicito do sistema do capital, em relação a qual todas as pessoas têm algum tipo de contato, mesmo aquelas que não estão diretamente inseridas no processo de produção capitalista, ou seja, nas relações diretas “capital-trabalho”. Marx tenta ao longo do capítulo mostrar que essa relação visível que as pessoas têm com a mercadoria é uma relação alienada, ou seja, a forma com que as pessoas entram em contato com o capital e visualiza esse contato, é uma forma de estranhamento, que, portanto gera o fetiche da mercadoria. 1. Os dois fatores da economia: valor de uso e valor “Todas as coisas úteis podem ser consideradas sob um duplo ponto de vista: o da qualidade e o da quantidade. Cada uma delas é um conjunto de propriedades diversas, podendo, podendo, por conseguinte, ser útil sob diferentes aspectos” Importante compreender que o valor de uso é o conteúdo material da riqueza, qualquer que seja a formação social em que se viva. Desde que o homem passou a transformar a natureza, a partir da sua ação consciente, se produz valores de uso. A sociedade mais primitiva, na medida em que os seus habitantes trabalhavam, produzia valores de uso, tais como: machados, flechas etc. Uma coisa, portanto, pode ser útil e produto do trabalho humano, sem ser mercadoria, a exemplo do trigo produzido pelos camponeses na Idade Média que era entregue como tributo para o senhor feudal. A peculiaridade da sociedade burguesa é que ao mesmo tempo, o conteúdo material da riqueza social é portador de valor de troca (onde valores de uso de uma espécie se trocam contra valores de uso de outra espécie, numa relação que muda constantemente no tempo e no espaço). Ademais, Marx adverte que como valores de uso as mercadorias são, antes de tudo, de diferente qualidade, como valores de troca só podem ser de quantidade diferente. As mercadorias são produtos do trabalho humano, dos sentidos do homem. A grandeza do valor contido nas mercadorias é medida pelo quantum de trabalho, que é a “substância constituidora de valor”. Portanto, o que gera valor é tão-somente o trabalho.
  • 2. Marx aqui opera algo magistral, que o diferencia dos economistas burgueses, a saber: a descoberta do trabalho como fundamento da forma valor. Prosseguindo na sua investigação Marx analisa o tempo de trabalho socialmente necessário. Sendo este “aquele requerido para produzir um valor de uso qualquer (ferro, linho etc.), nas condições dadas de produção socialmente normais, e com o grau social médio de habilidade e de intensidade de trabalho. Neste sentido, “o quantum de trabalho socialmente necessário ou o tempo de trabalho socialmente necessário para a produção de um valor de uso é o que determina a grandeza de seu valor”, ademais, “enquanto valores todas as mercadorias são apenas medidas determinadas de tempo de trabalho cristalizado” 2. Duplo caráter do trabalho representado nas mercadorias Se as mercadorias apresentam dois fatores, em outras palavras, um duplo valor, o trabalho, que é a fonte fundamental de valor, então, dentro de cada mercadoria há um caráter duplo, o trabalho se apresenta em duplicidade. Veja que a substancia é diferente da grandeza, onde a substância é a qualidade e o conteúdo do valor, enquanto que a grandeza diz respeito à quantidade do valor. Por isso que geralmente se identifica o valor de troca com o preço. A quantidade de uma coisa não é necessariamente a sua qualidade e vive-versa. O conteúdo é diferente da quantidade: uma coisa é a essência, e a outra é a aparência (manifestação exterior). O trabalho, de um lados é simples e do outro, complexo. Onde o primeiro, é um trabalho em que o individuo executa para realizar um valor, uma mercadoria na medida em que esta se relaciona com outras que contem outros trabalhos e, portanto, no fim, essa mercadoria tem uma representação enquanto trabalho complexo, não um simples trabalho individual, mas um trabalho generalizado, social, abstrato. Por fim, as mercadorias têm um duplo valor, uma forma substancial e uma forma de grandeza. Portanto ela tem embutido dois tipos de trabalho: o simples e o concreto, realizado apenas por um individuam, pelo qual todas as mercadorias são medidas. 3. A Forma de Valor ou o Valor de Troca A forma simples do valor de troca é a forma mais imediata do processo da troca. A troca pela mercadoria “A” pela mercadoria “B”, ou seja, a forma relativa pela forma equivalente (representativa). A forma simples pode ser entendida por troca natural, pois não envolve moeda. A troca natural existe desde que a sociedade começou a produzir excedentes, porém já há valor de uso e de troca, substancia do valor e grandeza do valor. Para que o dinheiro funcione como valor de troca, então não é mais possível a troca de forma simples, mas a troca de valor total ou desdobrada. O valor geral é a forma equivalente geral (equivale bem que pode ser trocado por qualquer outra), ou seja, forma que equivale a todas as outras, só não é dinheiro, pois se trata de um bem material. O que tornou possível que as mercadorias pudessem ser medidas em termos de valor pelo tempo de trabalho foram o surgimento e a generalização do trabalho livre. Sem este, não há como medir, e é uma das condições do surgimento do capitalismo. Então, a divisão social do trabalho é o trabalho livre e a forma simples do valor de troca, fazem parte dos dois critérios históricos que permite a generalização da forma dinheiro.
  • 3. 4. O Caráter Fetichista da Mercadoria e seu Segredo. O valor de uso da mercadoria é a substancia desse valor e medida pela sua utilidade, ou seja, a produção humana tende a uma necessidade, o trabalho é motivado porque o ser humano atende a uma necessidade. Portanto, o valor primordial de qualquer mercadoria é a sua utilidade. Então o valor é variável e diz respeito a um produto. Entre o valor de uso e o valor de troca, existe uma antítese, uma contradição externa e uma interna: a forma equivalente reflete apenas o valor de troca da forma relativa. Quando se passa de uma forma simples para uma forma desdobrada, ocorre a seguinte operação: a forma relativa é igual à forma equivalente que, por sua vez, se forma em social-geral, porque ela fale varias formas equivalentes. A tendência é encontrar uma forma equivalente geral, que possa substituir os produtos. É nesse momento que entra a forma do dinheiro Para que o dinheiro possa funcionar como equivalente geral, ele não pode representar trabalho nenhum, porque ele, ao mesmo tempo, representa todas. Portanto, ele é puramente trabalho abstrato, então não tem concretude. Nunca estivemos tão próximos para superar a alienação, pois a base para a superação da alienação já esta dada: o trabalho social, e desanielação do ser humano em relação a si e ao semelhante. A problemática é que a apropriação é privada, mais ser for ultrapassada, a apropriação passa a ser social. O trabalho também é social, então já estão dados as bases para a desanielação, que é um problema de relação concreta. Para concluir, o materialismo desse capítulo deve-se as relações da produção do fenômeno como concreto da produção e reprodução da vida. E não é somente economia, afinal, o trabalho requer também relações políticas e ideológicas; a forma equivalente geral só atinge seu apogeu quando o trabalho tornou-se livre, que por sua vez é uma questão jurídica. “A produção determina o processo”.